A resistência dos migrantes, “invisível, mas necessária”

A resistência dos migrantes, “invisível, mas necessária”

A resistência dos migrantes, “invisível, mas necessária”

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

França, lei contra o separatismo religioso, as Igrejas: “Liberdades fundamentais em risco”

França, lei contra o separatismo religioso, as Igrejas: “Liberdades fundamentais em risco”

Paris. Foto de Colin Maynard, unsplash Roma (NEV), 11 Março de 2021 – A lei contra o separatismo religioso francês "Riscos de violação das liberdades fundamentais que são liberdade de culto, associação, educação e até liberdade de opinião". Isso eles denunciam em uma carta conjunta publicada anteontem em Le Figaro os representantes das igrejas protestante, católica e ortodoxa na França, sobre o tema da polêmica nova lei sobre "separatismo religioso". O diploma, intitulado "pelo respeito dos princípios da República", encomendado pelo Emmanuel Macron para combater o Islã radical, está no centro de forte controvérsia porque afetaria a religião muçulmana só isto – e não o fundamentalismo – e, segundo os cristãos, a liberdade de culto em geral. Então aqui está a forte posição assinada pelo pastor François Clavairolypresidente da Protestant Fédération de France (organização homóloga da FCEI, ed.), por Monsenhor Eric de Moulins-Beaufortpresidente da Conferência Episcopal Francesa e arcebispo de Reims e pelo Metropolita Emmanuel Adamakis. “Saudamos sem reservas as disposições do projeto de lei que permitem uma luta mais direta contra os casamentos forçados – lê-se no texto em Le Figaro -, mutilação sexual, desigualdade de herança, incitação ao ódio e à discriminação em todas as suas formas […]. Mas de que adianta complicar a vida das associações religiosas previstas na lei de 1905 (que regula o exercício da maioria dos cultos praticados na França, ed.)? Pensamos seriamente que quem quer viver "longe" da República desafiando os seus fundamentos vai aderir a um estatuto oficial, constantemente sob o olhar dos prefeitos? Como podemos esperar que estas disposições dêem aos nossos concidadãos muçulmanos confiança na vontade da República de permitir-lhes viver a sua fé com liberdade e sentido de responsabilidade e praticar a sua religião apenas dentro dos limites do respeito pela ordem pública?” . A oposição política também compartilha os temores de uma possível discriminação contra pessoas de fé islâmica. o grupo de France insoumise há meses denuncia uma "estigmatização dos muçulmanos" através do texto da lei, que "só vai produzir mais uma aura de desconfiança em relação às associações animadas por concidadãos de fé muçulmana". A lei contra o "separatismo islâmico" surge após inúmeros episódios de violência e terrorismo, desde o ataque à redação da Charlie Hebdo de 2015, em que morreram doze pessoas, à decapitação do professor Samuel Pattyem outubro do ano passado. Daí a decisão de Macron de endurecer, de combater o fundamentalismo. É, como ele explica Reforma neste artigo, “do enésimo capítulo da história ligada à nova lei desejada pelo presidente Macron para aumentar o controle sobre as possíveis tendências antirrepublicanas de pregações e sermões. Regra concebida sobretudo em termos de maior controle das atividades das comunidades islâmicas, e que na realidade penaliza em certa medida todas as igrejas e comunidades religiosas”. A lei exige, entre outras coisas, que todas as associações respeitem os "valores republicanos" e declarem especificamente cada doação que receberem acima de 10.000 euros. Entre os artigos mais contestados, como explica viras relativas aos subsídios, às obrigações declarativas das associações religiosas, às associações "mistas" apenas parcialmente ligadas ao culto e à faculdade de encerramento administrativo dos locais de culto por motivos de ordem pública. O projeto de lei já foi aprovado (com 347 votos a favor, 151 contra e 65 abstenções) em fevereiro pela Assembleia Nacional, e deverá ser discutido no Senado a partir do próximo dia 30 de março. A disposição, concluem os três representantes católicos, protestantes e ortodoxos em sua carta, “continua seu curso legislativo. Esperamos que as razões da nossa preocupação com este texto sejam compreendidas, tanto pelos parlamentares como pelo poder executivo, para que o debate parlamentar, em diálogo com o governo, permita a elaboração de um texto que respeite as liberdades de todos os cidadãos franceses". Aqui o texto integral da carta dos três representantes das igrejas cristãs francesas, traduzida para o italiano por Reformae em sua versão original em francês, no site da FPF. Neste vídeo, um comentário de François Clavairoly, presidente da Protestant Fédération de France, que fala de "um projeto de lei discriminatório para as religiões":[embed]https://www.youtube.com/watch?v=4YwafSn1_Ko[/embed] As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
batistas.  Em setembro o festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

batistas. Em setembro o festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

Roma (NEV), 14 de agosto de 2013 – Será antes de tudo uma celebração que trará os batistas italianos a Roma de 5 a 8 de setembro para celebrar os 150 anos de presença de suas igrejas na Itália. “Em outubro vamos organizar uma conferência histórica com cunho acadêmico. Agora, porém, queremos dar espaço à alegria de estarmos juntos, à fraternidade, à gratidão por aqueles que nos precederam nesta história que nos trouxe até hoje desde 1863”, explica o pastor Raffaele Volpe, presidente da Associação Cristã Evangélica União Batista da Itália (UCEBI). “Isso não significa que não haverá momentos de reflexão”, aponta Volpe, apresentando um programa de encontros que faz um levantamento dos principais desafios que as igrejas batistas estão enfrentando atualmente em nosso país. O Festival Baptista que se realizará no GB Taylor Institute no bairro Centocelle de Roma incluirá, de facto, conferências e entrevistas públicas, workshops, concertos e apresentações teatrais sobre os mais variados temas: acolhimento de estrangeiros e imigração; a "igreja verde" e o meio ambiente; as relações entre as diferentes gerações; o mundo da prisão; relacionamentos com valdenses e metodistas e com outros evangélicos. Tudo sob a bandeira do arco-íris batista. “O mundo batista é um mundo plural – acrescenta Volpe – unido por um mínimo denominador comum além do qual podemos desfrutar da rica diversidade de cada um”. Uma mensagem que as igrejas batistas não querem trazer apenas em suas celebrações, mas também em seu testemunho evangélico na sociedade italiana. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.