A resistência dos migrantes, “invisível, mas necessária”

A resistência dos migrantes, “invisível, mas necessária”

A resistência dos migrantes, “invisível, mas necessária”

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dia Mundial dos Oceanos.  “Águas do mar, fonte de vida”

Dia Mundial dos Oceanos. “Águas do mar, fonte de vida”

Um enquadramento do vídeo de apresentação da Conferência das Nações Unidas sobre o Oceano (27 de junho/1 de julho de 2022, Lisboa - Portugal) Roma (NEV), 9 de junho de 2022 – O Dia Mundial dos Oceanos ocorreu ontem. O slogan deste ano foi: “Revitalização: Ação Coletiva pelo Oceano”. No mesmo dia, há dois anos, em meio à pandemia, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) apresentou seu Dossiê para o Tempo da Criação. Dedicado precisamente aos oceanos, cuja biodiversidade é tão preciosa como a da terra, o Dossiê é muito atual e tem como título “Águas marinhas, fonte de vida”. É inspirado no versículo "O oceano a cobriu com seu manto" (Salmo 104,6a). Nesta ocasião, a GLAM relança as questões da proteção dos oceanos através da partilha de algumas informações, que a seguir reportamos na íntegra. Um ano enquadrado pela Década da Ciência Oceânica das Nações Unidas e celebração da Conferência das Nações Unidas sobre o Oceano, dois anos depois de ter sido cancelada devido à pandemia. O Dia Mundial dos Oceanos lembra a todos o importante papel que os oceanos desempenham na vida cotidiana. O oceano cobre mais de 70% do planeta, representa 95% da biosfera, produz pelo menos 50% do oxigênio do planeta, abriga a maior parte da biodiversidade terrestre. Em relação à humanidade, o oceano é a principal fonte de proteína para mais de um bilhão de pessoas e para cerca de 3 bilhões, é a principal fonte de subsistência. Além de empregar cerca de 40 milhões de pessoas. Nas mãos humanas, o oceano está sofrendo com a poluição (a cada ano, estima-se que 5 a 12 milhões de toneladas de plástico fluam para ele), pesca, mineração, guerras com 90% das grandes populações de peixes esgotadas e 50% dos corais recifes destruídos - estamos tirando mais do oceano do que pode ser reposto. Estes são os propósitos do Dia Mundial dos Oceanos: informar o público sobre o impacto das ações humanas no oceano; desenvolver um movimento mundial de cidadãos pelo oceano; mobilizar e unir a população mundial em um projeto de gestão sustentável dos oceanos do mundo. Este ano, as Nações Unidas estão sediando a primeira celebração híbrida do evento. A Ocean Conference decorrerá de 27 de junho a 1 de julho em Lisboa, Portugal. O tema principal será: 'Aumentar a ação oceânica baseada na ciência e a inovação para a implementação do Objetivo 14: inventário, parcerias e soluções'. Em abril, o 4º Fórum dos Oceanos abordou os desafios e oportunidades para a economia dos oceanos abordando: Setores emergentes da economia oceânica sustentável, como a produção de algas marinhas. Mecanismos de apoio à transparência e subsídios à pesca. Reforma dos mercados da economia oceânica e medidas não tarifárias. Sustentabilidade social das cadeias produtivas da pesca e da aquicultura. Cadeias de abastecimento marítimas sustentáveis ​​e resilientes. Aspectos comerciais relacionados com o lixo marinho e a poluição plástica. Abaixo, o vídeo de apresentação do Dossiê GLAM2020 sobre os Oceanos [embed]https://www.youtube.com/watch?v=jiQ42-riZlI[/embed] ...

Ler artigo
Ir além da ‘normalidade’ pré-cobiçosa doentia

Ir além da ‘normalidade’ pré-cobiçosa doentia

Luca Maria Negro Roma (NEV), 3 de outubro de 2020 – Entrevista com o presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negro. Assinado por James Galeazzia entrevista vai do sentido da fé à questão da espiritualidade que surgiu durante o confinamento, mas também fala sobre o futuro, as propostas e a necessidade de trabalharmos juntos pelo bem comum. Luca Maria Negro fala da necessidade de “voltar-se para a Palavra de Deus para ser desafiado a mudar”. Precisamos, portanto, “não de uma fé consoladora. Mas uma fé que é questionada. Que se pergunta porquê, que visa transformar a realidade. Um pouco na linha do ensaio de Paul Jordan 'Em contágio'. Um livro que, apesar de ter um tom substancialmente 'secular', termina com uma citação bíblica: 'Ensina-nos a contar os nossos dias e adquiriremos um coração sábio' (Salmo 90)”. Ensina-nos a contá-los para quê? O pároco responde: “Para aproveitar melhor o nosso tempo. Pensar o que a normalidade nos impede de pensar: como chegamos aqui, como gostaríamos de continuar. O verdadeiro medo de Giordano, como lemos na capa, é que o medo passe em vão, sem deixar uma mudança". Na entrevista, Negro também cita dois documentos importantes, exemplos de colaboração ecumênica na época da covid. A 'Mensagem Ecumênica de Páscoa', intitulada 'Não tenha medo', assinada em 8 de abril de 2020 pelo bispo responsável pelo ecumenismo, Monsenhor Ambrogio Spreaficodo Arcebispo Ortodoxo Grego Ghennadios e pelo próprio Negro em nome da FCEI. E o documento ecumênico redigido por um grupo de crentes católicos e protestantes de Milão intitulado 'Estar enraizado no novo. Um documento ecumênico para o período pós-Covid. Em conclusão, diz Luca Maria Negro, a pandemia mostrou-nos "os aspectos claramente patológicos do nosso estilo de vida pessoal e colectivo", numa crise que corre o risco de ser irreversível e apela a um compromisso imediato e comum das Igrejas, dos cidadãos e das instituições , segundo o presidente da FCEI, nestas áreas: velha e nova pobreza; refugiados, migrantes e cidadania; assistência médica; crise ambiental; cuidado e salvaguarda da criação; Europa. É necessário “agir e colocar os nossos dons a serviço do bem comum. Fazendo a nossa parte. Evitando sufocar prematuramente o desejo de renascer devido ao chamado insidioso de voltar à doentia 'normalidade' de antes”… Leia a entrevista completa de Giacomo Galeazzi em Interris.it ...

Ler artigo
O Deus dos migrantes em Milão, apresentação do livro amanhã, 29 de maio

O Deus dos migrantes em Milão, apresentação do livro amanhã, 29 de maio

Milão (NEV), 28 de maio de 2019 – “O fato histórico é que nenhum movimento migratório jamais foi reversível. […] Não só isso: além de irreversíveis, os processos migratórios nunca foram decorrentes, mas apenas interpretáveis. E sua interpretação mudou seu significado e destino”, escreve o professor de História do Cristianismo Alberto Melloni no prefácio do livro "O Deus dos Migrantes". Três pesquisas sobre a experiência e a prática religiosa dos imigrantes em nosso país estão no centro do volume, publicado por Il Mulino, que será apresentado amanhã, quarta-feira, 29 de maio, às 18h, na Biblioteca Claudiana, em Milão. “Quantos imãs existem na Itália? Como eles se preparam? Como vivem as diferentes igrejas cristãs em nossa metrópole? Quais são as atividades e ações realizadas pela Igreja Ortodoxa Romena, que na Itália tem uma população de mais de um milhão de pessoas?” – lê-se na contracapa – Três caminhos até agora inexplorados, que mostram como a imigração constitui um dos vetores mais incisivos de um processo de pós-secularização e de um novo movimento de efervescência religiosa”. Os três curadores da obra participarão do encontro amanhã à tarde, na via Francesco Sforza 12/A, Maurizio Ambrosini, Paulo Naso E Cláudio Paravati do Centro de Estudos Comparados, com Júlio Giorelloprofessor da Universidade de Milão, conselheiro de políticas sociais, saúde e direitos do município de Milão, recém-eleito para o Parlamento Europeu, Pierfrancesco MajorinoE Madalena ColomboUniversidade Católica do Sagrado Coração de Milão. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.