Livro.  Mulheres da Palavra.

Livro. Mulheres da Palavra.

Roma (NEV), 17 de agosto de 2020 – Abaixo está a versão completa de uma entrevista com a pastora valdense Letizia Tomassone foi ao ar, de forma resumida, no episódio do programa de rádio “Culto evangélico” da RAI Radio1 no domingo, 16 de agosto. A entrevista diz respeito ao livro “Donne di Parola. Pastor, diácono e pregadores no protestantismo italiano”, (editora Nerbini, pp. 168, euro 16) da qual Tomassone é curador.


“Mulheres da Palavra”. Pastora Tomassone, o que significa este título e que história ele descreve?

A Palavra, com “P” maiúsculo, no mundo protestante indica a Palavra de Deus.As mulheres sempre foram afastadas da Palavra. Em muitas igrejas, eles também são proibidos de ler o Evangelho em público. Portanto, mulheres da Palavra significam exatamente isso: mulheres que se envolvem na Palavra de Deus e que de alguma forma a retribuem através de uma novidade que passa pela vida, pela existência, pela diferença de ser mulher.

Letizia Tomassone

Os vários artigos do livro refazem as etapas e os temas que acompanharam as pastoras nas igrejas protestantes italianas. Qual é o caminho percorrido e onde estamos?

O mundo protestante italiano iniciou a discussão sobre a presença de mulheres em ministérios reconhecidos pela igreja após a Segunda Guerra Mundial. Uma discussão também solicitada pelo Conselho Mundial de Igrejas. No entanto, foi apenas em 1962 que o Sínodo valdense conseguiu abrir às mulheres a possibilidade de ingressar no ministério ordenado, até então reservado apenas aos homens. Ela vem com forte apoio de organizações de mulheres evangélicas da época; com o apoio de algumas comunidades sicilianas muito ativas no apoio ao ministério das mulheres. Hoje estamos em uma situação em que, na Itália como no exterior, nas igrejas valdenses, metodistas, batistas e luteranas, não só temos muitos pastores, mas também mulheres presentes nos órgãos de governo da igreja. As históricas igrejas protestantes italianas seguiram esse caminho e permitiram uma maior amplitude de pregação, tanto por meio de palavras de mulheres quanto de homens.

Em um dos artigos do livro, ele nos conta que entre as primeiras pastoras valdenses havia aquelas que lidavam de maneira especial com os migrantes, com as comunidades migrantes. Que migrantes eram eles?

Sim, é verdade. Inicialmente, algumas pastoras foram enviadas para comunidades migrantes. Eram migrantes do sul da Itália para a Alemanha e a Suíça, que viviam em uma situação muito difícil, a começar pelo fato de que muitas vezes chegavam sem família. O ponto que motivou esse envio de pastores pelas igrejas não foi tanto o fato de as mulheres serem mais ativas ou sensíveis nessa área, mas sim que as igrejas italianas ainda não viam com bons olhos o ministério de uma mulher e, portanto, pensavam em ser capaz de mandá-los para lugares mais marginais. Foi uma marginalização da qual, porém, emergiu uma grande riqueza. A experiência na Suíça e na Alemanha, contada em primeira mão no livro da Giovanna Pons – uma de nossas reitoras – é realmente emocionante e dá a sensação de uma época – em que os italianos eram migrantes e em que as mulheres davam seus primeiros passos rumo ao pastorado.

Algumas semanas atrás, chegou a notícia de que na Igreja Luterana da Suécia o número de pastoras superou o de homens. O que você acha?

Quando as pastoras, ou outras mulheres em cargos governamentais, superam os homens, os homens imediatamente se sentem marginalizados. Fala-se da feminização da igreja e há um temor por parte dos homens de que não contarão mais. E estamos assistindo a uma espécie de autoexclusão por parte dos homens. Esse é um risco apontado de várias maneiras por diferentes estudos: os homens têm dificuldade em permanecer em um lugar um pouco mais do que o habitual moldado pelas decisões das mulheres. Esta é uma grande dificuldade: na verdade, deve-se ter em mente a necessidade de um equilíbrio entre as vozes masculina e feminina, mas é igualmente necessário que os homens aprendam a dar um passo atrás.

O caminho descrito no livro e percorrido por mulheres evangélicas pode ser uma referência para mulheres de outras denominações cristãs, por exemplo, para mulheres católicas?

“Mulheres da Palavra” também contém artigos escritos por mulheres católicas. Isso porque com eles caminhamos juntos como teólogos, leitores das Escrituras, mas também como ativistas pelos direitos das mulheres, contra a violência contra menores e contra as mulheres dentro das igrejas. Um caminho no qual nós, evangélicos, apoiamos o pedido de mulheres católicas para poderem acessar ministérios ordenados, da Palavra, dentro de sua igreja.

Um pregador local e um diácono também aparecem entre os artigos do livro. Então não estamos falando apenas do pastor?

Sim, entre os autores do livro também há um pregador local no livro, Erica Sfredda que presidiu o culto de abertura do Sínodo das igrejas metodista e valdense no ano passado, e um diácono, Alessandra Trotta, atual moderador da Mesa Valdense. Nossas igrejas se distinguem por uma variedade de ministérios, inclusive locais, que são exercidos por mulheres e homens. Em todos esses ministérios pesa a diferença de ser mulher: é ver a realidade a partir de uma posição diferente. É muito importante não manter as mulheres no gueto, mas misturar as coisas. Portanto, estar juntos e superar de um só salto as divisões que nos tornam italianos ou migrantes, pastores ou diáconos. Hoje as mulheres podem ser uma força capaz de renovar a igreja e responder ao evangelho com nova energia.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

#WCC70.  O Concílio Ecumênico de Genebra celebra seu 70º aniversário

#WCC70. O Concílio Ecumênico de Genebra celebra seu 70º aniversário

Bartolomeu I, Patriarca Ecumênico de Constantinopla, na catedral de Genebra, sob o púlpito que pertenceu a João Calvino Genebra (NEV), 17 de junho de 2018 - Unidade, diálogo, ação conjunta, solidariedade: estas são as palavras que o Patriarca Ecumênico de Constantinopla Bartolomeu I disse várias vezes durante sua homilia esta manhã na histórica Catedral Reformada de Saint-Pierre em Genebra por ocasião das comemorações do 70º aniversário do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). Presente na catedral, além da comunidade local herdeira do reformador João Calvinoos 150 delegados das Igrejas Anglicanas, Protestantes, Ortodoxas e Velhas Católicas de todo o mundo reuniram-se nestes dias no Centro Ecumênico de Genebra, sede do CMI, para os trabalhos do Comitê Central da entidade fundada em 1948. O templo de Saint Pierre em Genebra lotado para a ocasião Em sua homilia Bartolomeu I traçou a génese do CMI, organismo ecuménico que reúne 350 igrejas em todo o mundo, sublinhando a importância da componente ortodoxa que participou significativamente no movimento ecuménico: não é por acaso que o Patriarcado Ecuménico de Constantinopla foi o co-fundador da o CMI em 1948 O desejo do Patriarca - que não queria subir ao púlpito que pertenceu a Calvino, "prefiro manter os pés no chão", comentou - é que as igrejas cristãs reunidas no CMI possam continuar trabalham em prol da unidade visível com o mesmo entusiasmo e fervor esbanjados ao longo destes 70 anos. Não escondeu as dificuldades do diálogo, mas encorajou os presentes: “Devemos olhar para frente. Devemos continuar no caminho da justiça e da paz, na solidariedade e no amor recíproco. Como cristãos - continuou - inspirados pelos princípios fundamentais comuns do Evangelho, devemos colocar no centro a solidariedade para com os mais fracos. Nosso compromisso no mundo, nosso testemunho comum, deve ser baseado na mensagem de Cristo”. Por isso, Bartolomeo chamou a superar preconceitos e buscar a unidade, na tentativa de “ver as coisas de outra perspectiva. Só pelo diálogo será possível enfrentar os tantos desafios do mundo”, inclusive a salvaguarda da Criação, tema particularmente caro aos ortodoxos. Presente para a ocasião liderança de todo o CMI, com o pároco luterano Olav Fykse Tveitsecretário geral do CMI, bem como o moderador e os dois vice-moderadores do CMI, respectivamente o teólogo anglicano originário do Quênia Agnes Aubomo metropolitano Genádios de Sassima do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, e o bispo metodista dos Estados Unidos Mary Ann Swenson. Samisoni Niumaoma no final da festa, na praça da catedral de Genebra, voltou a calçar os chinelos A celebração ecumênica foi aberta por uma procissão composta por uma delegação de igrejas norte-coreanas que chegaram excepcionalmente para a ocasião. À frente da procissão está um jovem das Ilhas Fiji que - carregando a Bíblia segurando-a - quis entrar descalço na catedral, para sublinhar a árdua tarefa que lhe foi confiada. “Pediram-me trazer a Palavra de Deus, denominador comum de todas as pessoas reunidas hoje neste local – explicou à Agência NEV Notícias Samisoni Niumaoma, administrador da CEC enviado pela diocese anglicana da Polinésia –. O meu é um gesto de humildade”, acrescentou. As celebrações, juntamente com os delegados do Comitê Central do CMI - o pároco da Itália participa dos trabalhos Michael Charbonnier – continuam durante todo o dia de hoje no Instituto Ecumênico de Bossey (cerca de vinte quilômetros de Genebra). O Comitê Central se encerrará no dia 20 de junho, e estará presente para dar as boas-vindas Papa Francisco que viajará a Genebra no dia 21 de junho, esperado no Centro Ecumênico para uma "oração ecumênica". A visita do pontífice também faz parte das comemorações dos 70 anos do CMI. Alguns vislumbres da oração ecumênica desta manhã com Sua Santidade @EcuPatriarca Bartolomeu agora em #WCC #WCC70 @EPG_GENEVE pic.twitter.com/Yj1FuFid9m — Conselho Mundial de Igrejas (CMI) (@Oikoumene) 17 de junho de 2018 ...

Ler artigo
Aliança Batista Mundial.  Mackey é o novo presidente

Aliança Batista Mundial. Mackey é o novo presidente

Roma (NEV), 30 de julho de 2020 – O novo presidente da Aliança Batista Mundial (BWA) é argentino. é sobre o pastor Tomas Mackeyque foi eleito em 23 de julho e cujo mandato será de cinco anos. Mackey foi reitor do Seminário Teológico Batista Internacional em Buenos Aires, Argentina, de 1993 a 2004, e é professor desde 1979. Dirige a Fraternidade Pastoral da Associação Batista Argentina (ABA), foi Secretário Executivo da Juventude Batista Argentina de 1976 a 1978, e é Conselheiro Juvenil da Associação Batista Argentina desde 2005. Foi membro fundador da Aliança Cristã de Igrejas Evangélicas da República Argentina (ACIERA), membro fundador e atual membro do Conselho de Administração do Fórum Social Ecumênico, bem como membro do Conselho de Administração da Kairos Fundação de 1988 a 2004 e membro do Conselho de Administração da Sociedade Bíblica Argentina de 2004 a 2008. Ele atua no pastorado desde 1978 e desde 1988 é pastor da Igreja Batista de Buenos Aires, Argentina. “A Global Baptist Alliance abriu meus olhos para o mundo”, disse Mackey. Estou ansioso pela oportunidade de continuar servindo ao Senhor e à família BWA nesta função e convido todos a se juntarem a mim para experimentar a bênção de servir ao Senhor e à família batista em todo o mundo”. ...

Ler artigo
Páscoa sem jantar e sem Eucaristia?  As pessoas não são um acessório

Páscoa sem jantar e sem Eucaristia? As pessoas não são um acessório

Foto James Coleman - Unsplash Roma (NEV), 9 de abril de 2020 – As mãos vazias dos presos na Páscoa, em uma prisão uruguaia, durante a ditadura militar de meados dos anos 1970. Desta história, dos presos que celebram a Páscoa tranquilamente com a partilha de um pão invisível e um copo de vinho, fica a reflexão “Jantar de mãos vazias” da pastora maria bonafede no boletim de abril da “Hospitalidade Eucarística”, que oferece várias ideias sobre a Páscoa (e a Santa Ceia) em tempo de coronavírus. É uma história que o pastor Bonafede, ex-moderador da Mesa Valdense, ouviu há cerca de quarenta anos durante uma aula na Faculdade Valdense de Teologia em Roma pelo pastor Paulo rico e que de alguma forma está ligada à próxima Páscoa, que os cristãos de todas as confissões provavelmente experimentarão na ausência: "Hoje tudo é diferente, mas não consigo tirar da cabeça aquele fato distante e impressionante da presença de Cristo nas mãos vazias dos prisioneiros. Na situação que vivemos, devido à pandemia do COVID-19, celebraremos uma Páscoa em que não nos faltará os elementos, o pão e o vinho, mas nos faltará outro elemento indispensável, a comunhão dos crentes, estar juntos à ceia ". Essa não é a única percepção captada por Margarida Ricciuti (valdense) e Pedro Urciuoli (católico), editores da folha que abre com uma matéria intitulada "Estar junto: um conceito a revisitar?" e continua com o artigo publicado no Reino das Mulheres Sem presbítero, não, sem povo, sim? do teólogo católico Simona Ségoloni Ruta. "A proximidade espacial garante o controle social e a proximidade física, mas não a proximidade mental e espiritual", escrevem Ricciuti e Urciuoli na introdução. Segoloni Ruta esboça o significado da Eucaristia e sublinha: “não é possível celebrá-la se o povo não estiver reunido”. O risco é que o povo seja declarado "acessório" para a liturgia, com consequente retorno ao "empresas desiguais centrado na prática sacramental: sem sacerdócio batismal, sem sinodalidade". A edição de abril da “Hospitalidade Eucarística” procura também encontrar os aspectos positivos da situação de emergência: o aumento da comunicação, ainda que virtual, e a redescoberta de alguns valores e princípios da fé cristã. A ficha também menciona Alberto Melloni, que falou sobre os ritos pascais na TV do La Repubblica no dia 5 de abril. O historiador do cristianismo se pergunta se, na atual situação de jejum eucarístico forçado, não poderia acontecer que algum “não sacerdote” parta o pão em casa para poder viver espiritualmente a Eucaristia. Depois de uma reflexão do pároco católico de algumas comunidades da Alta Val Camonica José Magnolini"Hospitalidade Eucarística" conclui com um trecho do sermão do pároco valdense Rosário Confessor por ocasião da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) 2020, na qual, parafraseando o versículo "Eles nos trataram com bondade", questiona se não é o caso de ir além da mera "bondade ecumênica" promovendo também na nível institucional, a Hospitalidade Eucarística. A Folha “Hospitalidade Eucarística” nasceu dentro do grupo ecumênico “Partir o Pão” nascido em 2011 em Turim, que inclui crentes individuais protestantes e católicos. O grupo envolve também igrejas, mosteiros e paróquias e está aberto a todos os interessados ​​em praticar a recepção recíproca da “Santa Ceia Protestante” e da “Eucaristia Católica” nas igrejas; em 2017 também propôs um questionário sobre o tema. “O termo 'hóspede' indica tanto aquele que oferece hospitalidade como aquele que a recebe, pois ambos os sujeitos, embora com papéis diferentes, estão unidos por um valor superior: a hospitalidade – lê-se no subtítulo da folha -. Assim, a 'hospitalidade eucarística' é uma forma de dizer que somos todos hóspedes do único Senhor que nos acolhe e acolhe com todas as nossas diferenças. A Ceia pertence ao Senhor, não às Igrejas”. Para informações ou para receber "Hospitalidade Eucarística" você pode escrever para os seguintes e-mails: Margherita Ricciuti, Igreja Valdense. E-mail: [email protected] Pietro Urciuoli, Igreja Católica. E-mail: [email protected] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.