Livro.  Mulheres da Palavra.

Livro. Mulheres da Palavra.

Roma (NEV), 17 de agosto de 2020 – Abaixo está a versão completa de uma entrevista com a pastora valdense Letizia Tomassone foi ao ar, de forma resumida, no episódio do programa de rádio “Culto evangélico” da RAI Radio1 no domingo, 16 de agosto. A entrevista diz respeito ao livro “Donne di Parola. Pastor, diácono e pregadores no protestantismo italiano”, (editora Nerbini, pp. 168, euro 16) da qual Tomassone é curador.


“Mulheres da Palavra”. Pastora Tomassone, o que significa este título e que história ele descreve?

A Palavra, com “P” maiúsculo, no mundo protestante indica a Palavra de Deus.As mulheres sempre foram afastadas da Palavra. Em muitas igrejas, eles também são proibidos de ler o Evangelho em público. Portanto, mulheres da Palavra significam exatamente isso: mulheres que se envolvem na Palavra de Deus e que de alguma forma a retribuem através de uma novidade que passa pela vida, pela existência, pela diferença de ser mulher.

Letizia Tomassone

Os vários artigos do livro refazem as etapas e os temas que acompanharam as pastoras nas igrejas protestantes italianas. Qual é o caminho percorrido e onde estamos?

O mundo protestante italiano iniciou a discussão sobre a presença de mulheres em ministérios reconhecidos pela igreja após a Segunda Guerra Mundial. Uma discussão também solicitada pelo Conselho Mundial de Igrejas. No entanto, foi apenas em 1962 que o Sínodo valdense conseguiu abrir às mulheres a possibilidade de ingressar no ministério ordenado, até então reservado apenas aos homens. Ela vem com forte apoio de organizações de mulheres evangélicas da época; com o apoio de algumas comunidades sicilianas muito ativas no apoio ao ministério das mulheres. Hoje estamos em uma situação em que, na Itália como no exterior, nas igrejas valdenses, metodistas, batistas e luteranas, não só temos muitos pastores, mas também mulheres presentes nos órgãos de governo da igreja. As históricas igrejas protestantes italianas seguiram esse caminho e permitiram uma maior amplitude de pregação, tanto por meio de palavras de mulheres quanto de homens.

Em um dos artigos do livro, ele nos conta que entre as primeiras pastoras valdenses havia aquelas que lidavam de maneira especial com os migrantes, com as comunidades migrantes. Que migrantes eram eles?

Sim, é verdade. Inicialmente, algumas pastoras foram enviadas para comunidades migrantes. Eram migrantes do sul da Itália para a Alemanha e a Suíça, que viviam em uma situação muito difícil, a começar pelo fato de que muitas vezes chegavam sem família. O ponto que motivou esse envio de pastores pelas igrejas não foi tanto o fato de as mulheres serem mais ativas ou sensíveis nessa área, mas sim que as igrejas italianas ainda não viam com bons olhos o ministério de uma mulher e, portanto, pensavam em ser capaz de mandá-los para lugares mais marginais. Foi uma marginalização da qual, porém, emergiu uma grande riqueza. A experiência na Suíça e na Alemanha, contada em primeira mão no livro da Giovanna Pons – uma de nossas reitoras – é realmente emocionante e dá a sensação de uma época – em que os italianos eram migrantes e em que as mulheres davam seus primeiros passos rumo ao pastorado.

Algumas semanas atrás, chegou a notícia de que na Igreja Luterana da Suécia o número de pastoras superou o de homens. O que você acha?

Quando as pastoras, ou outras mulheres em cargos governamentais, superam os homens, os homens imediatamente se sentem marginalizados. Fala-se da feminização da igreja e há um temor por parte dos homens de que não contarão mais. E estamos assistindo a uma espécie de autoexclusão por parte dos homens. Esse é um risco apontado de várias maneiras por diferentes estudos: os homens têm dificuldade em permanecer em um lugar um pouco mais do que o habitual moldado pelas decisões das mulheres. Esta é uma grande dificuldade: na verdade, deve-se ter em mente a necessidade de um equilíbrio entre as vozes masculina e feminina, mas é igualmente necessário que os homens aprendam a dar um passo atrás.

O caminho descrito no livro e percorrido por mulheres evangélicas pode ser uma referência para mulheres de outras denominações cristãs, por exemplo, para mulheres católicas?

“Mulheres da Palavra” também contém artigos escritos por mulheres católicas. Isso porque com eles caminhamos juntos como teólogos, leitores das Escrituras, mas também como ativistas pelos direitos das mulheres, contra a violência contra menores e contra as mulheres dentro das igrejas. Um caminho no qual nós, evangélicos, apoiamos o pedido de mulheres católicas para poderem acessar ministérios ordenados, da Palavra, dentro de sua igreja.

Um pregador local e um diácono também aparecem entre os artigos do livro. Então não estamos falando apenas do pastor?

Sim, entre os autores do livro também há um pregador local no livro, Erica Sfredda que presidiu o culto de abertura do Sínodo das igrejas metodista e valdense no ano passado, e um diácono, Alessandra Trotta, atual moderador da Mesa Valdense. Nossas igrejas se distinguem por uma variedade de ministérios, inclusive locais, que são exercidos por mulheres e homens. Em todos esses ministérios pesa a diferença de ser mulher: é ver a realidade a partir de uma posição diferente. É muito importante não manter as mulheres no gueto, mas misturar as coisas. Portanto, estar juntos e superar de um só salto as divisões que nos tornam italianos ou migrantes, pastores ou diáconos. Hoje as mulheres podem ser uma força capaz de renovar a igreja e responder ao evangelho com nova energia.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A juventude pré-sinodal

A juventude pré-sinodal

Foto retirada do site da FGEI Roma (NEV), 11 de agosto de 2023 – “A nomeação ansiosamente esperada do Pré-Sínodo da FGEI está de volta este ano, em uma forma ligeiramente diferente…”. Com estas palavras, a Federação da Juventude Evangélica na Itália (FGEI, de fato) convida você a participar da habitual nomeação que antecede o Sínodo Valdense, órgão máximo de decisão da Igreja Valdense - União das Igrejas Metodista e Valdense. Título da reunião: "Futuro remoto". Dedicado aos jovens, mas não só - o FGEI de facto quer esclarecer "Atenção: este evento é aberto a todos*!" – o encontro é na Torre Pellice, na província de Turim, no sábado, 19 de agosto, na Casa Unionista, a partir das 17h. “Esperamos por si para o aperiFGEI: um aperitivo gratuito de 5€. Será a oportunidade perfeita para nos reencontrarmos, discutirmos e nos divertirmos juntos”, diz o cartaz. A FGEI foi fundada em 1969. Formada por jovens de toda a Itália, seu objetivo é colocar em contato jovens e moças que reconhecem em sua vocação o testemunho de fé em Jesus Cristo. ...

Ler artigo
Dia Mundial de Oração da Mulher Batista

Dia Mundial de Oração da Mulher Batista

ROMA (NEV), 24 de outubro de 2019 – O Dia Mundial de Oração (PMM) promovido pela Aliança Batista Mundial (ABM) será realizado em 4 de novembro de 2019. O Movimento de Mulheres Evangélicas Batistas (MFEB) preparou um documento em italiano com meditações e orações. 15 páginas, com introdução do presidente do MFEB Lúcia Tubito, em que são sugeridas leituras, meditações, hinos e orações sobre o tema escolhido para o Dia, que este ano é de serviço. O GMP italiano é realizado em colaboração, entre outros, com os pastores Helena Fontana E Ioana Niculinacom Pinha Mola E Virgínia Mariani. O documento reúne testemunhos sobre o serviço, dons espirituais, necessidades e projetos de mulheres de todo o mundo. Da obra das mulheres batistas contada por Ivonne Pitterpresidente da União das Mulheres Batistas Caribenhas (onde foi fortalecido o ministério de mulheres e crianças maltratadas e contra o tráfico de pessoas), passando por uma contribuição de Ksenya Magdapresidente do Departamento de Mulheres da Aliança Batista Mundial (ABM), que convida você a participar do Dia de forma criativa e engajada localmente. Estão previstos eventos por todo o mundo, conferências, encontros de oração, momentos de partilha de histórias e experiências, tanto virtuais (em sites, nas redes sociais) como presenciais. O fio condutor que ligará as várias iniciativas é, precisamente, o serviço, nos seus vários significados: ajudar os necessitados e os feridos, a compaixão, o cuidado, o bem. No documento, disponível online no site da União Evangélica Batista Cristão da Itália (UCEBI), há também um estudo bíblico sobre o jamaicano Sylvia Henry que faz perguntas aos leitores, incluindo: “Estou usando efetivamente meus dons e habilidades espirituais para servir? Qual é a minha motivação para servir?” Segue-se uma meditação da pastora Fontana. Nas últimas páginas do documento, o guia de oração pelas comunidades mundiais, que vai da superação da violência doméstica ao compromisso pelos jovens, pelos pobres, pelos indígenas, pela paz, com a proposta de oração "pelos governos de todos os países, para que possam tomar decisões sábias. Pela dramática situação dos refugiados no Oriente Médio e em toda a Europa. Para que as operações de resgate no Mar Mediterrâneo não sejam interrompidas. Que os refugiados sejam tratados com dignidade pelas autoridades dos países de acolhimento". Finalmente, as orações se estendem às comunidades do Sudoeste do Pacífico, Papua Nova Guiné, Austrália, Nova Zelândia, Papua Ocidental, Ásia, por Mianmar, Coreias, Caribe, África, América Latina e América do Norte. ...

Ler artigo
Igrejas conciliares ecumênicas.  Ioan Sauca mantém-se no cargo até 2021

Igrejas conciliares ecumênicas. Ioan Sauca mantém-se no cargo até 2021

Da esquerda para a direita, Ioan Sauca, Odair Pedroso Mateus, Doug Chial. foto CEC Roma (NEV), 4 de junho de 2020 - O secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), padre Ioan Sauca, permanecerá no cargo até o próximo Comitê Central, marcado para junho de 2021, após os adiamentos devido à emergência do coronavírus. O moderador do WCC Agnes Abuom apelou às igrejas-membro para apoiar esta renovação de liderança. Isabel Apawo Phiri continuará seu trabalho na função de secretária geral adjunta no setor de Diaconia, bem como Elaine Dykes (finanças) e Marianne Ejdersten (comunicação). Também reconfirmado Odair Pedroso Mateus como secretário-geral adjunto ad interim para o programa do CMI "Unidade e missão". como diretor ad interim e até 2021 do Escritório da Secretaria-Geral foi nomeado em seu lugar Doug Chial. Leia a análise aprofundada e as biografias em Riforma.it artigo anterior“Supremacia branca não é mais aceitável”Próximo artigoRacismo: vírus para derrotar Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.