Os Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias em Roma

Os Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias em Roma

O grupo dos Conselhos Nacionais das igrejas europeias no terraço panorâmico da igreja metodista da Ponte Santì’Angelo

Roma (NEV), 16 de maio de 2019 – A reunião anual dos Conselhos Nacionais Europeus de Igrejas (ENNC) foi realizada em Roma de 6 a 9 de maio. Convocado pela Conferência das Igrejas Européias, e sediado pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), o evento trouxe à capital 18 representantes do ENCC de 15 nações europeias, da Noruega à Suíça, de Portugal à Hungria.

O grupo ENCC na praça de São Pedro

“O programa deste ano propôs momentos de discussão no plenário e encontros com realidades significativas para o ecumenismo e o testemunho cristão presentes em Roma”, explicou o pároco Luca Barattosecretário executivo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).

Entre os palestrantes e os oradores, Débora Spini, professor de teoria política na Universidade de Syracuse, em Florença, apresentou o tema do populismo político; Enquanto Luca Maria Negropresidente da FCEI, e dom Juliano Savinadiretor do Escritório Nacional da CEI para o ecumenismo e o diálogo inter-religioso (UNEDI), refletiu sobre a nova temporada ecumênica que a Itália está vivendo nos últimos anos. Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope – FCEI Refugee and Migrant Programme, e Shari Brownsecretário executivo da Comissão das Igrejas para os migrantes na Europa (CCME), apresentou os projetos de acolhimento e fez um balanço das políticas migratórias na Itália e na Europa.

A partir da esquerda, Angelita Tomaselli, Mads Christoffersen (Conselho das Igrejas Dinamarquesas), Gaberiela Lio, Francesca Danese e Luca Baratto

Uma sessão inteira foi dedicada ao engajamento das mulheres nas igrejas evangélicas e na sociedade italiana: Gabriela Liopresidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), apresentou as iniciativas contra a violência contra as mulheres, desde o “lugar ocupado” até os “16 dias de combate à violência”; Angelita Tomasellipresidente do Conselho Ecumênico da Juventude na Europa (CEGE), apresentou um projeto europeu sobre a presença e inclusão de mulheres nas igrejas; Frances Danishex-conselheiro de políticas sociais do município de Roma e chefe de relações públicas do Exército de Salvação, apresentou as muitas emergências sociais que caracterizam o tecido urbano das grandes cidades italianas, em particular de Roma.

Arcebispo Marco Gnavi em frente à entrada de Sant’Egidio

Os representantes do ENCC também foram recebidos no Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos como um pai Hyacinthe Destivellee ao Ofício Ecumênico Metodista, pelo pároco Tim Macquibban que conheceu o grupo no terraço panorâmico da Igreja Metodista de língua inglesa da Ponte Sant’Angelo. A noite passada na Comunidade de Sant’Egidio foi muito significativa, começando pelo encontro com Mons. Marco Gnavi que reconstituiu a história da Comunidade e seu compromisso com a paz e, pelo menos, com a oração em Santa Maria in Trastevere, até o jantar fraterno junto com os voluntários da Comunidade.

“Outro momento marcante da programação – lembrou Baratto – foi a visita ao ‘Altra Roma’, um passeio guiado por Daniele Garroneprofessor da Faculdade Valdense de Teologia, que nos conduziu desde a igreja valdense na Piazza Cavour, até a estátua de Giordano Bruno no Campo dei Fiori, até o gueto judeu”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Igrejas ecumênicas.  Agenda para a justiça climática, econômica e social

Igrejas ecumênicas. Agenda para a justiça climática, econômica e social

Agnes Abuom Roma (NEV), 24 de junho de 2021- O Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) está reunido nestes dias para definir o programa de trabalho em vista da Assembleia Geral a ser realizada em Karlsruhe, Alemanha, em 2022. A Assembléia se reúne a cada oito anos. É o único momento em que toda a comunhão ecumênica global se reúne para oração e celebração. Será a 11ª edição do mais alto órgão de governo do WCC. Tema: “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”. Na conferência de imprensa de hoje, aberta e conduzida pelo Diretor de Comunicação do CEC Marianne Ejderstenfalou o moderador do Comitê Central do CMI, Agnes Abuome o secretário-geral interino, padre Ioan Sauca. Abuom e Sauca ilustraram as diretrizes de trabalho do Comitê, que se reuniu online. Discurso de Agnes Abuom “Queremos compartilhar o que estamos fazendo como comunhão e como órgão executivo do CMI – disse o moderador Abuom -. Pretendemos orar e caminhar juntos. Apesar do covid, ainda assim sentimos a necessidade de nos encontrarmos, para continuarmos unidos rumo à XI Assembleia. A pandemia ainda traz incertezas, mas é nossa intenção manter nossos compromissos”. A Comissão está a trabalhar no programa da Assembleia, em colaboração com várias delegações. Também na agenda estão a adesão de duas novas igrejas, relatórios para a Assembléia e a estratégia financeira do CMI. “Refletimos sobre os ministérios e lideranças de nossas igrejas – continuou Abuom –, sabendo que um dos pontos centrais que exige tempo e comprometimento é a resposta à covid. As igrejas sofreram perdas, mas também mostraram resiliência e encontraram mecanismos para lidar com a crise e divulgar o evangelho. Nos desafios econômicos e sociais, continuamos a buscar a unidade da igreja e da humanidade. Devemos alimentar a esperança onde não há nenhuma. Alimente o amor sobre a divisão, separação e perda." Discurso de Ioan Sauca Ioan Sauca Ioan Sauca disse: “Na pandemia, entendemos que pertencemos uns aos outros como seres humanos e pertencemos uns aos outros, como cristãos, como membros do corpo de Cristo. Estes não são tempos fáceis. Nossas igrejas passaram por sofrimento e morte. A Covid levou a muitos desafios, mas há esperança nos desafios." O Secretário sublinhou os ensinamentos da pandemia: “Entendemos a pertença e o cuidado mútuo, espiritualmente, teologicamente, mas também humanamente. Aprendemos a trabalhar online, com uma comunicação moderna. Continuamos nossas visitas às igrejas locais, com grande repercussão e resultados. Acho que mesmo quando voltarmos ao 'normal', nossa forma de trabalhar não será a mesma. O covid é uma oportunidade, com a qual melhoramos a comunicação com as igrejas, com novas ferramentas, reuniões, webinars, orações globais. Ficamos juntos, apoiando uns aos outros como uma família na igreja. A pandemia tornou mais visíveis as desigualdades e o pecado do racismo. É por isso que como CEC pretendemos construir um novo programa de combate ao racismo, mas não só. O tema da XI Assembleia parece providencial. Foi escolhido antes da covid, não poderíamos imaginar que teria sido tão pontual: o amor de Cristo move o mundo rumo à reconciliação e à unidade”. Muitos outros assuntos foram abordados na coletiva de imprensa. A linguagem cristã das igrejas. A importância e o poder da oração. Trabalho de direitos humanos e dignidade. O diálogo e a necessidade de igualdade entre palestinos e israelenses, para a superação de cada sofrimento de cada pessoa na Terra Santa. A luta contra o anti-semitismo. Justiça de gênero. A luta contra o estupro e a violência doméstica. Paz. Justiça climática, econômica e social. Segurança alimentar. A proteção do meio ambiente e da natureza. Sustentabilidade. Diálogo com a Igreja Católica. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=sw2lj45JVnA[/embed] ...

Ler artigo
O primeiro Dia Internacional da Fraternidade em 4 de fevereiro de 2021

O primeiro Dia Internacional da Fraternidade em 4 de fevereiro de 2021

Foto de @keviatan, unsplash Roma (NEV), 29 de dezembro de 2020 – A Assembleia Geral das Nações Unidas decidiu por unanimidade no dia 21 de dezembro que o Dia Internacional da Fraternidade Humana será comemorado em 4 de fevereiro de cada ano, a partir de 2021. A notícia foi anunciada no site do World Conselho de Igrejas (CEC). A iniciativa foi promovida pelo Comitê Superior para a Fraternidade Humana, do qual é membro o secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), padre Ioan Sauca. Membros do Comitê se reuniram com o Secretário-Geral das Nações Unidas António Guterres em dezembro de 2019 e apresentou um documento contendo a proposta para o dia reconhecido internacionalmente. O pedido foi então apresentado à Assembleia Geral em nome de 34 países, incluindo Bahrein, Egito e Arábia Saudita. A resolução final ganhou o apoio dos 27 estados membros da União Europeia e dos Estados Unidos. “Este dia – lê-se no comunicado da ONU – surge como uma proposta concreta da Assembleia em resposta ao crescente ódio religioso que surgiu nestes meses afetados pela pandemia do COVID-19. Em 4 de fevereiro de 2019, o Papa Francisco, o Grande Imã de Al Azhar e Sheikh Ahmed al-Tayeb assinaram o "Documento sobre a Fraternidade Humana" em Abu Dhabi. A resolução da Assembléia Geral da ONU, portanto, refere-se especificamente a esse evento como um momento significativo nas relações cristão-muçulmanas. Daí a inspiração para a data em que a irmandade será celebrada todos os anos. Além do secretário-geral interino do CMI, o Comitê Sênior para a Fraternidade Humana inclui cinco funcionários muçulmanos e dois católicos, um rabino judeu e um ex-secretário-geral da UNESCO. ...

Ler artigo
Zuínglio.  Palestra pública na Faculdade Valdense de Teologia

Zuínglio. Palestra pública na Faculdade Valdense de Teologia

Um quadro do filme "Zwingli" de Stefan Haupt Roma (NEV), 8 de outubro de 2019 - A palestra pública do Prof. Emidio Campi da Universidade de Zurique intitulado "Ulrich Zwinglio. Problemas e perspectivas dos estudos atuais". O encontro é às 18 na via Pietro Cossa 42. Baixe o folheto. A iniciativa faz parte dos 500 anos do início da Reforma em Zurique. O ano de 2019 é, de fato, uma espécie de "jubileu zwingliano", no qual recordamos a figura do reformador suíço que em 1º de janeiro de 1519 pregou pela primeira vez na Grossmünster de Zurique. 500 anos depois dessa data, comemora-se o nascimento da Igreja Reformada de Zurique, cidade onde hoje vivem cerca de 400.000 protestantes. São muitas as iniciativas organizadas durante este ano para falar de Zwingli, a quem o filme homónimo de Stefan Hauptfinanciado pela Igreja Reformada de Zurique e lançado na Suíça em 17 de janeiro. A coluna Protestantismo, veiculada no RaiDue, dedicou o episódio de 7 de abril a Zuínglio, apresentando trechos em italiano do filme de Haupt. Com o título “Zwingli, a palavra desencadeada”, a coluna editada pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) conta a história de 500 anos atrás na Suíça, quando estourou o incêndio da Reforma Protestante. Em Zurique, um jovem padre abala os alicerces da igreja, desencadeando um processo de reforma que dura até hoje. Aqui está a apresentação do episódio. Para saber mais: Vá para a guia sobre Huldrych Zwinglio Trailer do filme de Stefan Haupt no idioma original [embed]https://www.youtube.com/watch?v=EzUn3pyeODI[/embed] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.