Os Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias em Roma

Os Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias em Roma

O grupo dos Conselhos Nacionais das igrejas europeias no terraço panorâmico da igreja metodista da Ponte Santì’Angelo

Roma (NEV), 16 de maio de 2019 – A reunião anual dos Conselhos Nacionais Europeus de Igrejas (ENNC) foi realizada em Roma de 6 a 9 de maio. Convocado pela Conferência das Igrejas Européias, e sediado pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), o evento trouxe à capital 18 representantes do ENCC de 15 nações europeias, da Noruega à Suíça, de Portugal à Hungria.

O grupo ENCC na praça de São Pedro

“O programa deste ano propôs momentos de discussão no plenário e encontros com realidades significativas para o ecumenismo e o testemunho cristão presentes em Roma”, explicou o pároco Luca Barattosecretário executivo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).

Entre os palestrantes e os oradores, Débora Spini, professor de teoria política na Universidade de Syracuse, em Florença, apresentou o tema do populismo político; Enquanto Luca Maria Negropresidente da FCEI, e dom Juliano Savinadiretor do Escritório Nacional da CEI para o ecumenismo e o diálogo inter-religioso (UNEDI), refletiu sobre a nova temporada ecumênica que a Itália está vivendo nos últimos anos. Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope – FCEI Refugee and Migrant Programme, e Shari Brownsecretário executivo da Comissão das Igrejas para os migrantes na Europa (CCME), apresentou os projetos de acolhimento e fez um balanço das políticas migratórias na Itália e na Europa.

A partir da esquerda, Angelita Tomaselli, Mads Christoffersen (Conselho das Igrejas Dinamarquesas), Gaberiela Lio, Francesca Danese e Luca Baratto

Uma sessão inteira foi dedicada ao engajamento das mulheres nas igrejas evangélicas e na sociedade italiana: Gabriela Liopresidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), apresentou as iniciativas contra a violência contra as mulheres, desde o “lugar ocupado” até os “16 dias de combate à violência”; Angelita Tomasellipresidente do Conselho Ecumênico da Juventude na Europa (CEGE), apresentou um projeto europeu sobre a presença e inclusão de mulheres nas igrejas; Frances Danishex-conselheiro de políticas sociais do município de Roma e chefe de relações públicas do Exército de Salvação, apresentou as muitas emergências sociais que caracterizam o tecido urbano das grandes cidades italianas, em particular de Roma.

Arcebispo Marco Gnavi em frente à entrada de Sant’Egidio

Os representantes do ENCC também foram recebidos no Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos como um pai Hyacinthe Destivellee ao Ofício Ecumênico Metodista, pelo pároco Tim Macquibban que conheceu o grupo no terraço panorâmico da Igreja Metodista de língua inglesa da Ponte Sant’Angelo. A noite passada na Comunidade de Sant’Egidio foi muito significativa, começando pelo encontro com Mons. Marco Gnavi que reconstituiu a história da Comunidade e seu compromisso com a paz e, pelo menos, com a oração em Santa Maria in Trastevere, até o jantar fraterno junto com os voluntários da Comunidade.

“Outro momento marcante da programação – lembrou Baratto – foi a visita ao ‘Altra Roma’, um passeio guiado por Daniele Garroneprofessor da Faculdade Valdense de Teologia, que nos conduziu desde a igreja valdense na Piazza Cavour, até a estátua de Giordano Bruno no Campo dei Fiori, até o gueto judeu”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Otto per mille Waldensian, o concurso de 2023 abre a partir de 5 de janeiro

Otto per mille Waldensian, o concurso de 2023 abre a partir de 5 de janeiro

Roma (NEV), 29 de dezembro de 2022 – Contagem regressiva para a abertura da licitação de 2023 para o Otto per mille Waldensian. A partir da próxima quinta-feira 5 de janeiro e até 27 de janeiro será de fato possível enviar pedidos de financiamento. ONGs, organizações sem fins lucrativos, associações e entidades do terceiro setor poderão então apresentar seus projetos, com o objetivo de receber os recursos necessários para realizá-los ou implementá-los. As diretrizes do concurso e todas as outras informações são publicadas em ottopermillevaldese.org. O Otto per Mille pode ser doado por todos aqueles que fazem uma declaração de imposto a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tem um acordo ou ao próprio Estado. Outros fundos são 5×1000, que podem ser atribuídos a investigação científica ou associações e organizações sem fins lucrativos, e 2×1000, que podem ser atribuídos a partidos políticos. O 8×1000 na verdade funciona como uma votação, em que quem se abstém contribui com o valor do voto majoritário. 8×1000 de todos os rendimentos declarados são repartidos entre o Estado e as entidades religiosas responsáveis ​​pelo seu recebimento, na proporção das escolhas expressas. Ponto deste ano: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=g9BcNNdgANw[/embed] ...

Ler artigo
Direitos nas vias de fim de vida: Manifesto Inter-religioso

Direitos nas vias de fim de vida: Manifesto Inter-religioso

Roma (NEV), 1 de fevereiro de 2019 - A cerimônia de assinatura do "Manifesto Inter-religioso dos direitos nos caminhos do fim da vida" será realizada na terça-feira, 5 de fevereiro, às 10h de Roma, na conclusão de um processo que contou com a colaboração de Protestantes, católicos, ortodoxos, judeus, muçulmanos, budistas e hindus, num espírito de diálogo e cooperação. Pastor Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália Pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) o presidente, pároco, assinará o documento Luca Maria Negro, que declarou: “Este é um passo adiante no diálogo e na proximidade com as pessoas que sofrem, os doentes e suas famílias. Como protestantes italianos, há anos refletimos sobre essa questão tão delicada. No ano passado chegamos ao recebimento do documento sobre o fim da vida editado pela Comissão de Bioética pelo Sínodo Valdense e Metodista, com aprovação unânime também da Assembléia Batista, como uma orientação de pensamento autorizada a indivíduos e igrejas - e concluímos –. Temos o prazer de iniciar um processo comum de reflexão e estudo também com outras confissões e religiões”. O Manifesto, promovido pela ASL Roma 1 juntamente com a Mesa Inter-religiosa de Roma e o centro médico Gemelli (GMC) da Universidade Católica do Sagrado Coração, "define os direitos do moribundo a serem implementados nas unidades de saúde para garantir, além de tratamento, respeito pela dignidade e apoio religioso e espiritual”, lê-se na apresentação da iniciativa. Não tanto um reconhecimento genérico de direitos, mas um caminho partilhado de procedimentos operacionais no sector da saúde, respeitando as várias sensibilidades religiosas, enfim, um "modelo de acolhimento, apoio e respeito pela fé de todos, que pode ser replicado em outras realidades de saúde". À tarde, uma mesa de trabalho restrita contará com a presença de especialistas que atuam na área da saúde e/ou religiosa para operacionalizar o Manifesto, identificando pontos específicos para a elaboração das diretrizes de aplicação sobre temas como nutrição, cuidado espiritual, tratamento de o corpo na doença e nos ritos pré e pós-morte. Pela FCEI participará o pároco Herberto Anders. Colaboradores do projeto: Centro Cultural Islâmico da Itália, Conferência Episcopal Italiana, Diocese Romena na Itália, Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI), Villa Speranza Hospice – Universidade Católica do Sagrado Coração, Instituto Budista Soka Gakkai, União Budista Italiana, União das Comunidades Judaicas Italianas, União Hindu Italiana, União Italiana das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia, Vicariato de Roma, com o apoio da Associação de Voluntários Hospitalares (AVO), Centro de Serviços Voluntários (CSV Lazio), Cittadinanzattiva - Tribunal dos Direitos do Paciente . Encontro no complexo monumental do Hospital Salone del Commendatore – Santo Spirito, Borgo S. Spirito, 3 – Roma. ...

Ler artigo
#AbuDhabi.  500 líderes religiosos em diálogo

#AbuDhabi. 500 líderes religiosos em diálogo

Imagem retirada de www.humanfraternitymeeting.com Roma (NEV), 4 de fevereiro de 2019 – O conferência global da fraternidade humana, conferência inter-religiosa internacional em Abu-Dhabi, Emirados Árabes Unidos. Organizado pelo Conselho Muçulmano de Anciãos como parte do Ano Internacional da Moderação, contou com a presença de líderes religiosos de todo o mundo, incluindo o secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). Olav Fykse Tveit. As religiões devem ser “o antídoto contra o ódio e especialmente contra o flagelo do racismo – declarou Tveit -. A má influência do racismo no mundo de hoje nos desafia, qualquer que seja nossa fé, a colocar em prática o ensinamento de amor que recebemos: amar todos os nossos irmãos e irmãs humanos e buscar para eles justiça e paz”. Tveit também mencionou os genocídios do século XX, alertando para o perigo de um regresso do ódio e sublinhou o valor da diversidade, que é importante "para a promoção da liberdade de religião e crença, para acções de solidariedade, a aplicar também entre diferentes comunidades religiosas. Precisamos de uma nova narrativa comunitária e de um novo 'pacto social'; também no Oriente Médio, berço de nossas três religiões abraâmicas. Sabemos que as convicções religiosas podem motivar fortes emoções, inclusive a agressão, o ódio, até a violência contra os outros – concluiu -. É, portanto, nossa responsabilidade refletir, difundir, como um espelho quando reflete a luz, o amor de Deus pela humanidade”. Imagem retirada de www.humanfraternitymeeting.com O encontro inter-religioso contou com a presença de autoridades cristãs ortodoxas, orientais e protestantes, entre elas Papa Francisco (primeiro papa a viajar para a península Arábica) e o Grande Imam de Al Azhar Al Tayyebo Ministro da Tolerância dos Emirados Árabes Unidos Sheikh Nahyan bin Mubarak Al Nahyano rabino-chefe da Polônia Michael Schudriche e delegações islâmicas da Ucrânia, Argélia, Líbano, Mauritânia, Tunísia, Azerbaijão, Cazaquistão, Malásia, Indonésia, Bósnia, Albânia, Kosovo, Croácia, Rússia, Índia e Paquistão. Da Itália, o representante muçulmano foi o presidente da Comunidade Religiosa Islâmica Italiana (COREIS), Imam Yahya Pallavicini. Definida como um evento histórico, que pela primeira vez reuniu tantas personalidades religiosas do mundo árabe, a conferência conta com dezenas de workshops e palestrantes de diversas religiões, 500 participantes e inúmeros temas abordados: princípios da fraternidade humana, noção de cidadania, luta contra o extremismo, promoção do diálogo, defesa dos direitos dos oprimidos e perseguidos, questões morais e religiosas, individualismo e materialismo, fanatismo religioso e étnico, paz global, responsabilidade das organizações internacionais, humanitárias, educativas, culturais e mediáticas na construção e difundir a fraternidade, papel dos jovens. Somos uma família humana em um só mundo. A “fraternidade humana” é uma realidade, mas também uma questão de fé. Temos que provar o que isso significa em termos práticos, lutando juntos contra todas as formas de racismo e exclusão como povos de fé. Abu Dabi hoje. — Olav Fykse Tveit (@OlavTveit) 3 de fevereiro de 2019 #WCC secretário geral Rev. Dr. @OlavTveit encontra-se com o Dr. Ahmad At-Tayyeb, Grande Imam de #AlAzharna Conferência Global sobre @HumanFraternity organizado por #MuslimCouncilofElders. pic.twitter.com/f1yzyrLRip — Conselho Mundial de Igrejas (CMI) (@Oikoumene) 4 de fevereiro de 2019 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.