Pacto pelas migrações, igrejas mundiais: “Solidariedade e acolhida”

Pacto pelas migrações, igrejas mundiais: “Solidariedade e acolhida”

Roma (NEV/Riforma.it), 23 de setembro de 2020 – A Comissão Europeia apresentará hoje, quarta-feira, 23 de setembro, o novo Pacto de Migração, uma reforma do regulamento de Dublin que visa não colocar todo o ônus das chegadas nos países de origem e deve acionar mecanismos de solidariedade estabelecendo certas obrigações, por exemplo, sobre relocações.

Ontem, 22 de setembro, uma dezena de organizações religiosas globais e regionais divulgou uma declaração em defesa da situação dos migrantes e refugiados na Europa para definir seu chamado como cristãos para “acolher o estrangeiro e instar a criação de um mundo no qual nos tornemos humanos juntos “.

“A solidariedade deve ser o princípio orientador que rege a migração e, especialmente, a recepção de refugiados”, afirmou o comunicado.

“Esperamos que a União Europeia rejeite o discurso e a política do medo e da dissuasão e adote uma posição de princípio e uma prática compassiva baseada nos valores fundamentais em que a UE se baseia.

Nossas organizações representam igrejas em toda a Europa e no mundo, bem como agências religiosas particularmente preocupadas com migrantes, refugiados e requerentes de asilo”, continua o comunicado.

“Como organizações cristãs, estamos profundamente comprometidos com a dignidade inviolável da pessoa humana criada à imagem de Deus, bem como com os conceitos do bem comum, da solidariedade global e da promoção de uma sociedade que acolhe os estrangeiros, cuida dos que fogem do perigo e protegem os vulneráveis”.

A declaração refere-se então ao recente incêndio no campo de Moria, que deixou 13.000 migrantes desabrigados.

“Os acontecimentos da noite de 8 de setembro de 2020 no campo de Moria e nos dias seguintes mais uma vez evidenciaram o estado falido da política europeia de migração e asilo e o sofrimento que ela criou. O desespero das pessoas em busca de proteção, muitas vezes obrigadas a viver anos em condições desumanas, a raiva e a frustração dos moradores que sentem que a Europa os deixou sozinhos com o desafio de acolher e assistir, indicam como a resposta atual tem enfrentado os sintomas de um grande problema, mas não a causa real, e a reação da UE expressa simpatia, mas mostra uma profunda falta de responsabilidade e nenhum compromisso real de ajudar aqueles que precisam de proteção, bem como o Estado grego e a população local que os acolhe. A pandemia exacerbou as já desumanas condições de vida dos migrantes”, observou o comunicado.

“A COVID-19 e as suas consequências tornaram ainda mais precária a já difícil situação das populações deslocadas em muitos locais: quer pela higiene inadequada nestas estruturas, quer pelos cortes drásticos nas rações alimentares e demais assistências disponíveis”, lê-se. “Restrições generalizadas ao movimento interno e transfronteiriço após a pandemia reduziram ainda mais o acesso das pessoas à proteção. Além disso, a sobrevivência econômica de muitas pessoas em movimento, bem como de seus convidados, foi prejudicada por bloqueios e medidas relacionadas, que atingiram particularmente os empregados no setor informal e afetaram os meios de subsistência.

As organizações religiosas comprometem-se, portanto, a “apoiar uma abordagem mais digna para o acolhimento, proteção e cuidado das pessoas em movimento”.

O texto afirma ainda que “as igrejas e agências foram e serão proativas em oferecer uma recepção compassiva e promover a integração social e uma coexistência justa e pacífica, na Grécia e em toda a Europa e além”.

A declaração exorta a mídia a “respeitar a dignidade humana de migrantes e refugiados, garantir uma cobertura equilibrada de suas histórias, envolver-se com migrantes e refugiados e capacitá-los a contar suas histórias e evitar expressões negativas estereotipadas, bem como vitimização e simplificação excessiva.

Também partilhamos a convicção de que os valores fundamentais da União Europeia de dignidade humana e respeito pelos direitos humanos devem ser refletidos na sua política quotidiana.

A política de asilo e migração da UE deve ir além do modo de crise: os canais normais de migração, incluindo passagens seguras e corredores humanitários, serão uma parte essencial da redução dos incentivos para realizar viagens perigosas e minar o negócio do tráfico. Essas passagens seguras devem ser abertas a pessoas que buscam proteção, mas também envolver pessoas que se juntam a suas famílias ou vêm para a Europa para melhorar seu bem-estar e o bem-estar da região trabalhando na Europa.

Em conclusão, apoiamos fortemente a assistência humanitária imediata para permitir que as autoridades gregas e os agentes humanitários no terreno respondam às necessidades das pessoas deslocadas, bem como soluções estruturais de longo prazo para a resposta da região às pessoas em movimento. Em particular, pedimos um pacto da UE sobre migração e asilo que assegure que cada estado membro cumpra suas obrigações para que os países nas fronteiras da Europa não enfrentem esses desafios sozinhos. Todos os Estados-Membros da UE, assistidos por intervenientes locais, incluindo igrejas, devem assumir as suas responsabilidades no acolhimento e integração dos refugiados através da reinstalação permanente e outros mecanismos de partilha de encargos. Esperamos que a Europa rejeite o discurso e a política do medo e da dissuasão e adote uma posição de princípio e uma prática compassiva assente nos valores fundamentais em que assenta a União”.

A declaração conjunta é co-assinada pela ACT Alliance, a Comunhão Anglicana, a Comissão das Igrejas para Migrantes na Europa, a Conferência das Igrejas Europeias, a Igreja Evangélica da Grécia, o Centro de Integração para Trabalhadores Migrantes – Programa Ecumênico para Refugiados, Não- Organização Lucrativa da Igreja da Grécia, Federação Luterana Mundial, Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos, Associação Mundial de Comunicação Cristã, Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (Região Europeia), Conselho Mundial das Igrejas e Metodista Mundial Conselho.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Tempo de Criação.  Jubileu da Terra: novos ritmos, nova esperança

Tempo de Criação. Jubileu da Terra: novos ritmos, nova esperança

Roma (NEV), 3 de junho de 2020 – Em nome do Programa de Justiça Econômica e Ecológica do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) foi convidada a participar do webinar internacional do Tempo da Criação, intitulado "Jubileu para a Terra: novos ritmos, nova esperança". Entre outros, o coordenador estará presente Antonella Visintin, coordenador do GLAM. A iniciativa conta com vários parceiros, incluindo a Rede Cristã Europeia para o Meio Ambiente (ECEN). O Tempo da Criação é um período litúrgico ecumênico que vai de 1º de setembro a 4 de outubro, que deu seus primeiros passos com a Assembleia Ecumênica Européia em Graz (Áustria) em 1997 e que envolve igrejas cristãs de todas as tradições em todo o mundo. O webinar da Temporada da Criação 2020 será realizado no dia 8 de junho de 2020, das 16h às 17h30, e também será uma oportunidade para apresentar o novo guia de celebrações, disponível no site do CMI neste link: O webinar internacional visa aumentar a conscientização e inspirar as igrejas a abordar o tema deste ano e é promovido pelo Comitê Diretor do Temporada da Criação. Será realizado em vários idiomas: inglês, espanhol, italiano, polonês, português. Para se inscrever clique AQUI caixas de som Rute Valério – Tearfunds Rei Crizaldo – Miquéias Global Martin Kopp – Comissão de Ecologia e Justiça Climática da Federação Protestante Francesa Pe. Joshtrom Kureethadam – Setor de ecologia e criação do dicastério vaticano para a promoção do desenvolvimento humano integral Ruth Padilha de Borst – Sociedade Teológica na América Latina eles moderam pastor Chad Rimmer – Federação Luterana Mundial (FLM) pastor Dave Bookless – Em Rocha O cuidado com a criação é um daqueles aspectos da vida que merece atenção especial no período pós-coronavírus. Este ano, como nos anos anteriores, cristãos de todas as origens e tradições ao redor do mundo serão convidados a celebrar o Tempo da Criação. A comissão diretiva ecumênica do Tempo da Criação, à qual também pertence o ECEN, preparou um guia litúrgico, que já está disponível para ampla utilização. O tema deste ano é “Jubileu pela Terra”. O convite para participar e organizar celebrações é dirigido a igrejas, paróquias e comunidades de todo o mundo. Várias iniciativas estão planejadas, incluindo webinars, serviços de oração, um grupo no Facebook, documentação detalhada e fotos. Para acessar todos os materiais, acesse www.SeasonOfCreation.org ...

Ler artigo
Aliança Batista Mundial.  Mackey é o novo presidente

Aliança Batista Mundial. Mackey é o novo presidente

Roma (NEV), 30 de julho de 2020 – O novo presidente da Aliança Batista Mundial (BWA) é argentino. é sobre o pastor Tomas Mackeyque foi eleito em 23 de julho e cujo mandato será de cinco anos. Mackey foi reitor do Seminário Teológico Batista Internacional em Buenos Aires, Argentina, de 1993 a 2004, e é professor desde 1979. Dirige a Fraternidade Pastoral da Associação Batista Argentina (ABA), foi Secretário Executivo da Juventude Batista Argentina de 1976 a 1978, e é Conselheiro Juvenil da Associação Batista Argentina desde 2005. Foi membro fundador da Aliança Cristã de Igrejas Evangélicas da República Argentina (ACIERA), membro fundador e atual membro do Conselho de Administração do Fórum Social Ecumênico, bem como membro do Conselho de Administração da Kairos Fundação de 1988 a 2004 e membro do Conselho de Administração da Sociedade Bíblica Argentina de 2004 a 2008. Ele atua no pastorado desde 1978 e desde 1988 é pastor da Igreja Batista de Buenos Aires, Argentina. “A Global Baptist Alliance abriu meus olhos para o mundo”, disse Mackey. Estou ansioso pela oportunidade de continuar servindo ao Senhor e à família BWA nesta função e convido todos a se juntarem a mim para experimentar a bênção de servir ao Senhor e à família batista em todo o mundo”. ...

Ler artigo
SAE formação ecumênica: o Deus dos pobres

SAE formação ecumênica: o Deus dos pobres

Foto de Laura Caffagnini Roma (NEV), 26 de julho de 2019 - A sessão de formação ecumênica 2019 na Domus Pacis de Santa Maria degli Angeli em Assis termina amanhã com o tema "Deus escolheu os pobres aos olhos do mundo (Tg 2, 5) . As Igrejas diante da riqueza, da pobreza e dos bens da terra”, uma espécie de pesquisa ecumênica em duas edições, organizada pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE). Ontem o foco foi o “Deus dos pobres”. Durante uma celebração ecumênica envolvendo cerca de 200 participantes, migrantes, refugiados, sem-teto, mães que perderam seus filhos no Mediterrâneo e no deserto, prisioneiros em campos de detenção, que ainda estão no caminho para escapar da pobreza extrema. O tema do Deus dos pobres foi apresentado na manhã de meditação bíblica do padre bolonhês Mateus Prodi que comentou a passagem do Evangelho de Lucas sobre o chamado do rico Zaqueu, na verdade um pobre que procura ver Jesus ao entrar em Jericó. A seguir, conforme informa o comunicado da SAE, uma mesa redonda inter-religiosa cujo título foi inspirado em uma frase de Martinho Lutero: “Somos mendigos, isso é verdade”. Uma mesa para quatro vozes: judaica, Anna Foa, com intervenção remota; católico, Stephanie Monti; valdense, Paulo rico; muçulmano, Yassine Lafram. O teólogo valdense Paolo Ricca, decano do ecumenismo na Itália, relata novamente a SAE, comentando sobre Martinho Lutero, ele se deteve sobre a pobreza no sentido existencial, encontrando três sentidos para a afirmação do reformador: “Somos mendigos de sentido porque temos dificuldade de compreender . Tudo está envolto em mistério. Quanto mais prossigo e menos sei, mais o mistério se torna mais espesso. No final da vida, só Deus poderá iluminar o mistério”. Um segundo significado da frase de Lutero segundo Ricca é que o cristão é pobre em poder. Deus é o Deus dos pobres de poder, mas não no sentido mundano da palavra poder. Aqui está a ambivalência do discurso bíblico sobre o futuro. Por um lado, o próprio Jesus diz: “Todo o poder me foi dado”. Também é verdade que está escrito "Vocês receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês". E mesmo antes disso ele chamou seus discípulos para si e deu-lhes poder para expulsar os espíritos malignos. A outra promessa impressionante de Jesus mencionada por João é sobre o perdão dos pecados. Por outro lado, Jesus diz: "Sem mim nada podeis fazer". Estamos totalmente desamparados. Como sair dessa contradição? Ricca observa: “Não temos poder, mas temos o Espírito Santo e a Palavra, esta é a dialética. Não podemos fazer nada e podemos fazer tudo. Somos mendigos do poder de Deus em nós, estamos de mãos vazias”. Finalmente, “somos mendigos de graça, porque não temos mérito. A fé chegou até nós misteriosamente, 'contra' nós. Fomos levados cativos pela Palavra de Deus e aqui estamos. E nossas boas obras – como a zedaqah da qual falamos – foram preparadas por Deus para praticarmos. Os gestos de amor são uma iniciativa de Deus que nos introduz no reino da gratuidade onde já não há vanglória, arrogância ou orgulho. Porque 'aquele que se gloria, glorie-se no Senhor'”. Leia o comunicado de imprensa completo AQUI. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.