Pacto pelas migrações, igrejas mundiais: “Solidariedade e acolhida”

Pacto pelas migrações, igrejas mundiais: “Solidariedade e acolhida”

Roma (NEV/Riforma.it), 23 de setembro de 2020 – A Comissão Europeia apresentará hoje, quarta-feira, 23 de setembro, o novo Pacto de Migração, uma reforma do regulamento de Dublin que visa não colocar todo o ônus das chegadas nos países de origem e deve acionar mecanismos de solidariedade estabelecendo certas obrigações, por exemplo, sobre relocações.

Ontem, 22 de setembro, uma dezena de organizações religiosas globais e regionais divulgou uma declaração em defesa da situação dos migrantes e refugiados na Europa para definir seu chamado como cristãos para “acolher o estrangeiro e instar a criação de um mundo no qual nos tornemos humanos juntos “.

“A solidariedade deve ser o princípio orientador que rege a migração e, especialmente, a recepção de refugiados”, afirmou o comunicado.

“Esperamos que a União Europeia rejeite o discurso e a política do medo e da dissuasão e adote uma posição de princípio e uma prática compassiva baseada nos valores fundamentais em que a UE se baseia.

Nossas organizações representam igrejas em toda a Europa e no mundo, bem como agências religiosas particularmente preocupadas com migrantes, refugiados e requerentes de asilo”, continua o comunicado.

“Como organizações cristãs, estamos profundamente comprometidos com a dignidade inviolável da pessoa humana criada à imagem de Deus, bem como com os conceitos do bem comum, da solidariedade global e da promoção de uma sociedade que acolhe os estrangeiros, cuida dos que fogem do perigo e protegem os vulneráveis”.

A declaração refere-se então ao recente incêndio no campo de Moria, que deixou 13.000 migrantes desabrigados.

“Os acontecimentos da noite de 8 de setembro de 2020 no campo de Moria e nos dias seguintes mais uma vez evidenciaram o estado falido da política europeia de migração e asilo e o sofrimento que ela criou. O desespero das pessoas em busca de proteção, muitas vezes obrigadas a viver anos em condições desumanas, a raiva e a frustração dos moradores que sentem que a Europa os deixou sozinhos com o desafio de acolher e assistir, indicam como a resposta atual tem enfrentado os sintomas de um grande problema, mas não a causa real, e a reação da UE expressa simpatia, mas mostra uma profunda falta de responsabilidade e nenhum compromisso real de ajudar aqueles que precisam de proteção, bem como o Estado grego e a população local que os acolhe. A pandemia exacerbou as já desumanas condições de vida dos migrantes”, observou o comunicado.

“A COVID-19 e as suas consequências tornaram ainda mais precária a já difícil situação das populações deslocadas em muitos locais: quer pela higiene inadequada nestas estruturas, quer pelos cortes drásticos nas rações alimentares e demais assistências disponíveis”, lê-se. “Restrições generalizadas ao movimento interno e transfronteiriço após a pandemia reduziram ainda mais o acesso das pessoas à proteção. Além disso, a sobrevivência econômica de muitas pessoas em movimento, bem como de seus convidados, foi prejudicada por bloqueios e medidas relacionadas, que atingiram particularmente os empregados no setor informal e afetaram os meios de subsistência.

As organizações religiosas comprometem-se, portanto, a “apoiar uma abordagem mais digna para o acolhimento, proteção e cuidado das pessoas em movimento”.

O texto afirma ainda que “as igrejas e agências foram e serão proativas em oferecer uma recepção compassiva e promover a integração social e uma coexistência justa e pacífica, na Grécia e em toda a Europa e além”.

A declaração exorta a mídia a “respeitar a dignidade humana de migrantes e refugiados, garantir uma cobertura equilibrada de suas histórias, envolver-se com migrantes e refugiados e capacitá-los a contar suas histórias e evitar expressões negativas estereotipadas, bem como vitimização e simplificação excessiva.

Também partilhamos a convicção de que os valores fundamentais da União Europeia de dignidade humana e respeito pelos direitos humanos devem ser refletidos na sua política quotidiana.

A política de asilo e migração da UE deve ir além do modo de crise: os canais normais de migração, incluindo passagens seguras e corredores humanitários, serão uma parte essencial da redução dos incentivos para realizar viagens perigosas e minar o negócio do tráfico. Essas passagens seguras devem ser abertas a pessoas que buscam proteção, mas também envolver pessoas que se juntam a suas famílias ou vêm para a Europa para melhorar seu bem-estar e o bem-estar da região trabalhando na Europa.

Em conclusão, apoiamos fortemente a assistência humanitária imediata para permitir que as autoridades gregas e os agentes humanitários no terreno respondam às necessidades das pessoas deslocadas, bem como soluções estruturais de longo prazo para a resposta da região às pessoas em movimento. Em particular, pedimos um pacto da UE sobre migração e asilo que assegure que cada estado membro cumpra suas obrigações para que os países nas fronteiras da Europa não enfrentem esses desafios sozinhos. Todos os Estados-Membros da UE, assistidos por intervenientes locais, incluindo igrejas, devem assumir as suas responsabilidades no acolhimento e integração dos refugiados através da reinstalação permanente e outros mecanismos de partilha de encargos. Esperamos que a Europa rejeite o discurso e a política do medo e da dissuasão e adote uma posição de princípio e uma prática compassiva assente nos valores fundamentais em que assenta a União”.

A declaração conjunta é co-assinada pela ACT Alliance, a Comunhão Anglicana, a Comissão das Igrejas para Migrantes na Europa, a Conferência das Igrejas Europeias, a Igreja Evangélica da Grécia, o Centro de Integração para Trabalhadores Migrantes – Programa Ecumênico para Refugiados, Não- Organização Lucrativa da Igreja da Grécia, Federação Luterana Mundial, Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos, Associação Mundial de Comunicação Cristã, Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (Região Europeia), Conselho Mundial das Igrejas e Metodista Mundial Conselho.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Semana dos Direitos e Semana de Evangelismo

Semana dos Direitos e Semana de Evangelismo

Imagem retirada do site www.evangelizzazione.chiesavaldese.org Roma (NEV), 28 de abril de 2022 - A Semana dos Direitos promovida pela União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) terminou recentemente, perto da 46ª Assembleia Geral dos Batistas Italianos. O bastão passa agora para a Semana de Evangelização da União das Igrejas Metodista e Valdense. São dois encontros importantes para as igrejas protestantes italianas, que entre abril e maio oferecem materiais, reflexões e reflexões sobre a questão dos direitos e da fé. Semana dos Direitos A Semana do Direito é organizada pelo Departamento de Evangelização da UCEBI e este ano é dedicada ao direito à paz. Acontece em abril, por volta da data em que é lembrado o pastor batista e Prêmio Nobel da Paz Martin Luther King, morto em Memphis em 4 de abril de 1968. A UCEBI oferece testemunhos e mensagens evangélicas a todas as igrejas para "encorajar todas as comunidades a fazer ressoar e dar ao mundo o convite do Senhor à paz". Uma paz “a um preço muito alto, não feita de desengajamento, mas de militância, encontro, diálogo, até entre opostos. A Paz de Deus não é homogeneizante, mas dialética, dinâmica, contrastante, às vezes até conflitante”, escrevem os batistas. Neste ano, o Departamento lançou uma série de fascículos com leituras do livro “O Poder de Amar”, com sermões e discursos de King, com foco na pregação a partir do texto: “Sede prudentes como as serpentes e inocentes como as pombas (Mateus 10: 16 ). No YouTube os episódios intitulados "Uma mente forte e um coração terno". Além disso, apresentou o hino "Oração pela Ucrânia". E, novamente, a série "O direito à paz no Afeganistão - Entrevista com Sediqa Moshtaq" do Ministro da Evangelização, pároco Ivano De Gasperis. Entre as propostas da Semana, também a de reduzir o consumo de energia de gás e água quente, “tornando este protesto também uma oportunidade de crescimento no respeito pelo meio ambiente”. A Semana da Evangelização A Semana de Evangelização, por outro lado, é organizada por uma Comissão nomeada pelo Conselho Valdense. Destinado a todos os interessados, envolve em particular a União das Igrejas Metodista e Valdense e realiza-se de 2 a 8 de maio. Foram preparados materiais e reflexões inspiradas no versículo "Aqueles que esperam no Senhor adquirem novas forças" (Isaías 40:31). O coordenador da Comissão é Mário Cignoni. Cinco vídeos curtos sobre esperança e testemunho estarão disponíveis. Além disso, uma reunião do Zoom está marcada para sexta-feira, 6 de maio, às 18h00. Finalmente, a Comissão elaborou uma brochura dirigida às igrejas para promover a evangelização. Para maiores informações: www.evangelisation.chiesavaldese.org www.chiesavaldese.org ...

Ler artigo
Luteranos alemães ao Papa Francisco para “caminhar juntos”

Luteranos alemães ao Papa Francisco para “caminhar juntos”

A delegação do Comitê Nacional Alemão da Federação Luterana Mundial com Mons. Mathias Turco. A primeira da esquerda é Cordelia Vitiello da Igreja Evangélica Luterana na Itália (Foto: DNK/LWB) Roma (NEV), 4 de junho de 2018 - "Nunca devemos voltar a 2017". Ele disse para Papa Francisco o bispo luterano Gerhard Ulrichchefe da delegação do Comitê Nacional Alemão (CNT) da Federação Luterana Mundial (FLM) recebeu hoje em audiência no Vaticano. Referindo-se ao 500º aniversário da Reforma Protestante iniciada pelo monge agostiniano Martinho Lutero, por ocasião da qual a FLM e o Papa Francisco assinaram uma declaração conjunta em Lund (Suécia), Dom Ulrich admitiu que "há questões eclesiológicas que ainda preciso esclarecer, mas já hoje diante do mundo podemos dar juntos respostas diaconais”, como, por exemplo, o compromisso comum a favor dos migrantes e dos explorados, e no campo da promoção da paz e salvaguarda da Criação. Para o bispo, “o Jubileu da Reforma é um dos maiores dons de Deus do nosso tempo”. Sobre a recente abertura da Conferência Episcopal Alemã sobre a possibilidade de admitir à Eucaristia os cônjuges protestantes de fiéis católicos, Ulrich disse que observava o debate em curso com "atenção e grande esperança". Sua esperança é que uma solução "unânime e aceitável" seja encontrada sobre o assunto. O tema surgiu também em Lund e foi retomado na declaração final, onde a FLM e a Igreja Católica expressaram como responsabilidade pastoral conjunta a de "responder à sede e à fome espiritual" de muitos de seus membros "que desejam receber a Eucaristia na mesma mesa, como expressão concreta da plena unidade”. Para o Papa Francisco, católicos e luteranos devem continuar em suas relações recíprocas "não com o entusiasmo de correr para alcançar objetivos cobiçados, mas caminhando juntos com paciência, sob o olhar de Deus" - conforme relata Vaticano Insider – porque “nenhum diálogo ecumênico pode avançar se ficarmos parados”. Alguns temas – continuou o Papa, citando os três elementos teológicos mais divisores das tradições católica e evangélica (a concepção do termo “igreja”, a Eucaristia e o ministério eclesial) – “merecem reflexões pontuais e bem compartilhadas. O ecumenismo pede também para não ser elitista, mas para envolver na fé o maior número possível de irmãos e irmãs, crescendo como comunidade de discípulos que rezam, amam e anunciam”. Portanto, para Papa Bergoglio, a ideia é continuar garantindo o apoio mútuo também continuando o diálogo teológico. O encontro foi concluído com a oração do Pai Nosso. Ele também fez parte da delegação Cordelia Vitiellovice-presidente do Consistório da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) e membro do Conselho da FLM. Ontem, domingo, 3 de junho, a delegação do Comitê Nacional Alemão da FLM teve sua reunião oficial com o CELI. Bispo Ulrich, pregando durante o culto de domingo no igreja de cristo da via Sicilia em Roma, sublinhou a importância do pluralismo das tradições: “A diversidade é uma vantagem, não um obstáculo. Pelo contrário: a diversidade reconciliada é uma pré-condição para uma comunidade bem-sucedida”. Para Ulrich, a Igreja de Jesus Cristo é aquela da unidade vivida na diversidade. "Vielfalt ist Reichtum, nicht Störung. Freiheit im Glauben gibt es nicht ohne Vielfalt."Zum Auftakt der Begegnungsreise des DNK/LWB predigt unser Vorsitzender LB Ulrich in der Christuskirche in Rom. #ökumene #EinheitinVielfalt #freiheit @nordkirche_de @VELKD_Presse pic.twitter.com/A7YfaaXJ12 —DNK/LWB (@DNKLWB) 3 de junho de 2018 A visita italiana do Comitê Nacional Alemão (CNT) da FLM segue até 7 de junho. (Para mais informações sobre a visita consulte o nosso artigo aqui). (gc) ...

Ler artigo
Vídeo da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Vídeo da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Alguns frames do vídeo realizado por ocasião da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2023 Roma (NEV), 17 de janeiro de 2023 – A unidade no cristianismo passa pela escuta de outras confissões. Essa, em resumo, é a mensagem do vídeo de lançamento da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) que começa amanhã, 18 de janeiro. O texto bíblico que acompanha a Semana, retirado de Isaías 1.17, é “um convite que o próprio Senhor dirige ao seu povo no contexto de uma invectiva muito dura”, diz o pároco no vídeo Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). “O povo é repreendido por associar adoração com violência e abuso. E Deus diz: 'Não quero sua adoração. Aprenda a fazer o bem, busque a justiça'. Com estas palavras é como se nos dissessem: cada um deve olhar para dentro de si, para os seus pecados, para juntos percorrermos o caminho da conversão», continua Garrone. Derio Olivero, bispo de Pinerolo e presidente da Comissão Episcopal para o ecumenismo e o diálogo, afirma que “continuamos sonhando que vale a pena construir um mundo mais justo. Trabalhando a seriedade na construção de relacionamentos”. Dionísio de Kotyeonbispo auxiliar do metropolita ortodoxo da Itália Polykarpos, fala em vez disso como é importante "aprender a ouvir as diversas tradições cristãs, nesta unidade visível que tanto falta no mundo contemporâneo". A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2023 terminará no dia 25 de janeiro. Os textos litúrgicos foram preparados pelos irmãos e irmãs das igrejas de Minnesota. O contexto em que foram escritos é o da morte de George Floyd e eles também se concentram na violência sofrida pelos nativos americanos. O vídeo é editado pelo Escritório Nacional de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso, dirigido por Maria Amata Calò e a supervisão da Direção Nacional de Comunicação Social. “O vídeo situa a Semana no caminho sinodal e sublinha a sua atualidade, num momento histórico de grande conflito”, escreveu Agensir. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=-X_L44z2Dqw[/embed] Para saber mais: Clique AQUI para ver os compromissos na Itália. Para materiais em italiano clique AQUI. Para outros idiomas, veja abaixo: Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos Recursos para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2023 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.