Rega sem desperdício – Nev

Rega sem desperdício – Nev

Continua a série de vídeos realizados pelos jovens da Comissão de Meio Ambiente e Globalização da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, com conselhos práticos e sugestões para ser “mesmo o protagonista menos responsável da mudança” em relação à emergência climática.

Filip Urban, unsplash

Roma (NEV), 21 de julho de 2022 – O novo vídeo da série criada pelos meninos e meninas da GLAM, a Comissão de Meio Ambiente e Globalização da FCEI, tem como título “Rega sem desperdício”.


Aqui o primeiro vídeo dos jovens GLAM, publicado no passado dia 6 de julho, sobre poupança de água doméstica e aqui o segundo, datado de 13 de julho.

artigo anteriorBatistas Mundiais falam sobre Ucrânia, Mianmar, justiça racial e escravidão
Próximo artigoCOP27 Summit Egito, oportunidades para jovens

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Corredores humanitários do Afeganistão, 217 refugiados chegaram a Roma hoje

Corredores humanitários do Afeganistão, 217 refugiados chegaram a Roma hoje

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) Roma (NEV), 27 de julho de 2022 – 217 refugiados afegãos que estavam refugiados no Paquistão desde agosto passado chegaram hoje, quarta-feira, 27 de julho, em um voo de Islamabad. Sua entrada na Itália foi possível graças ao memorando de entendimento com o Estado italiano, assinado em 4 de novembro de 2021 pela Comunidade de Sant'Egidio, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, a Tavola Valdese, Arci, Caritas Italiana, OIM, INMP e ACNUR. Juntamente com outras chegadas do Irão - no passado dia 25 de Julho e amanhã, quinta-feira 28 de Julho - serão mais de 300 refugiados afegãos que serão acolhidos no nosso país graças aos corredores humanitários, um projecto totalmente apoiado pelas associações proponentes e possível graças ao generosidade e ao compromisso livre e voluntário de muitos cidadãos italianos, que ofereceram suas casas para acolher, mas também congregações religiosas, ONGs e diversos sujeitos da sociedade civil. Entre eles, a Solidaire, que em colaboração com a Open Arms, contribuiu para a organização do voo desde o Paquistão. Esta tarde, em Fiumicino, por ocasião da recepção dos refugiados, foi realizada uma coletiva de imprensa com a participação de: Marina Serena, Vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação Internacional; marco impagliazzopresidente da Comunidade de Sant'Egidio; Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália; Alessandra Trottamoderador da Mesa Valdense; Filipe MiragliaGerente Nacional de Imigração da Arci; Valentina Brinis, Braços abertos; Sylvan Adams, CEO Israel - Premier Tech. AQUI os vídeos e fotos do evento. AQUI o vídeo da conferência de imprensa: "Como governo italiano, assumimos o compromisso de não abandonar o povo afegão", disse ele Marina Serena, Vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação Internacional. “A situação humanitária é muito grave, especialmente para mulheres e meninas, que não puderam voltar à escola. Não podemos permitir que as crianças afegãs percam seu futuro. O governo italiano continuará, com seus parceiros e agências internacionais, levando ajuda humanitária ao Afeganistão e aos países vizinhos. Temos o dever de acolher aqueles que virão à Itália graças aos corredores humanitários, que são fruto do trabalho da sociedade civil italiana, que pôs em movimento e que, graças à colaboração dos Ministérios do Interior e das Relações Exteriores Assuntos, conseguiram esta primeira chegada". Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e Alessandra Trottamoderador da Mesa Valdense, declara: “Até os evangélicos acolhem com alegria os beneficiários deste corredor humanitário para os refugiados afegãos. Não tínhamos esquecido deles. A chegada de hoje resulta do empenho conjunto de associações e instituições que têm trabalhado em conjunto para desenvolver e alargar a boa prática dos corredores humanitários inaugurados em 2016, e desde então também propostos às instituições europeias como política estruturante de gestão de refugiados. A dimensão ecumênica, que vê juntos evangélicos e católicos, é particularmente significativa para nós. Hoje damos as boas-vindas aos refugiados afegãos, assim como no passado recebemos os da Síria e da Líbia. Nestes dias estamos também empenhados em ações de apoio aos que fugiram da Ucrânia, convictos de que não se pode fazer distinção entre europeus e não europeus e que todos os refugiados que fogem da guerra e da perseguição merecem um destino seguro, sem distinguir a sua origem ou o seu identidade religiosa. Pelo contrário, esperamos que o acolhimento dispensado à população que foge da Ucrânia marque uma mudança de rumo, político e cultural, em relação aos refugiados de todas as outras nacionalidades e de todas as origens. Também esperamos poder abrir um corredor da Bósnia para refugiados literalmente presos ao longo da rota dos Bálcãs. Operando também em Lampedusa e vendo em primeira mão os efeitos até trágicos da migração irregular, reafirmamos a urgência de um plano europeu para a abertura de vias legais e seguras tanto para os migrantes como para os requerentes de asilo, para que aqueles que fogem ou migram nunca corram mais riscos sua vida. Agradecemos às igrejas da Federação, às igrejas irmãs no exterior, às entidades e associações que contribuem para este resultado, bem como aos contribuintes que optam por destinar o Otto per mille à Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense: seu gesto é também um contributo essencial para a concretização deste projeto de hospitalidade. Do nosso jeitinho, estamos sempre prontos e dispostos a fazer a nossa parte”. Quanto à cota de pessoas acolhidas pelas igrejas protestantes, o Serviço de Inclusão da Diaconia Valdense acolherá, para esta primeira chegada, 15 pessoas, incluindo 3 famílias, na Sicília, Campânia, Lombardia e Piemonte. As pessoas serão acomodadas em apartamentos e inseridas em projetos de acolhimento generalizado para iniciar um processo de integração e resgate de sua autonomia. “Não esquecemos o sofrimento dos afegãos! Hoje se cumpre uma promessa para 300 refugiados afegãos: a de não abandoná-los após a volta ao poder dos talibãs em agosto passado", declarou em coletiva de imprensa marco impagliazzo, presidente da Comunidade de Sant'Egidio. “Estamos felizes em recebê-los e iniciar para todos eles o já testado processo de integração dos corredores humanitários. Estas pessoas serão acolhidas, em várias cidades, pelas nossas comunidades, mas também por cidadãos e congregações religiosas que quiseram abrir as portas das suas casas. Enquanto milhões de pessoas que fogem de guerras, fome e mudanças climáticas em busca de um futuro correm o risco de desaparecer dos holofotes ou se tornar objeto de exploração política, a Itália mostra sua face humana e acolhedora, graças a corredores humanitários e uma sinergia virtuosa entre sociedade civil e instituições ". Filipe Miragliagerente de imigração da Arci Nazionale, disse:"A Arci está muito feliz por participar pela primeira vez nos corredores humanitários: se essas pessoas que chegaram hoje de avião, acolhidas por nós e pela Itália com generosidade, tivessem partido sozinhas em busca de proteção e tivessem chegado às fronteiras da UE , recorrendo aos traficantes como 99% das pessoas que fogem são obrigadas a fazer, nós os chamaríamos desdenhosamente de "ilegais" e eles correriam o risco de acabar nos campos de concentração líbios que apoiamos, ou rejeitados em nossas fronteiras terrestres, como acontece todos os dias violando todos os leis e convenções internacionais. É por isso que queremos apoiar e investir, também para demonstrar que existem alternativas, em todas as formas de acesso legal e seguro como os corredores humanitários. Agradecemos à rede nacional dos Arci Refuge Circles, que oferecerá hospitalidade material e apoio aos beneficiários deste corredor humanitário, e ao Instituto Budista Italiano Soka Gakkai que decidiu dar prioridade com os fundos 8×1000 para intervenções de acolhimento e inclusão para as pessoas que fogem do regime afegão". Para Enrique Pineyro, da ONG Solidaire: “A viagem tem um valor muito alto para nós porque estamos acompanhando pessoas que querem fugir do local onde moram porque ali correm perigo. Entre casamentos forçados, a impossibilidade de estudar, a impossibilidade de sair de casa sozinha, as mulheres no Afeganistão vivem numa condição desumana. Ser capaz de ajudá-los a viver uma vida normal é muito gratificante.” Acampamentos do Oscar, fundador da Open Arms, disse: “Eu nunca poderia imaginar, muito menos em 2015, quando começamos a resgatar pessoas que fugiam da guerra na Síria pelo Mar Egeu, que hoje eu estaria no aeroporto de Islamabad, ajudando na criação de uma organização humanitária corredor que trará mulheres e meninas afegãs para a segurança, neste caso na Itália. Isso foi possível graças à colaboração de muitas organizações e graças ao avião disponibilizado pela ONG Solidaire. Para nós que estamos habituados ao salvamento marítimo em condições difíceis, é um orgulho poder evacuar estas pessoas por vias seguras e legais. Continuaremos no mar, mas também é importante tentar evitar sofrimentos desnecessários facilitando de todas as formas esses corredores humanitários. A Open Arms and Solidaire continuará a fazê-lo sempre que possível.” ...

Ler artigo
Relatório sobre o estado dos direitos na Itália

Relatório sobre o estado dos direitos na Itália

Roma (NEV), 7 de dezembro de 2022 – Foi apresentado o relatório anual sobre o estado dos direitos na Itália, editado pela associação A good right e com a contribuição do Otto per mille Waldensian. O conteúdo da publicação foi ilustrado no último dia 5 de dezembro, em coletiva de imprensa na Câmara, que contou com a presença dos parlamentares Ouidad Bakkali, Rachele Scarpa, Cecilia d'Elia, Susanna Camusso e o deputado Ricardo Magi. O advogado Ilaria Valenzi, representante legal da FCEI, que cuida e trata da parte sobre o pluralismo religioso há vários anos, explicou: "O relatório sobre o estado dos direitos que A Buon Right elabora todos os anos - estamos agora há nove anos antigo - é uma ferramenta importante tanto para monitorar o estado de saúde dos direitos na Itália quanto para as propostas que podem surgir deste relatório para implementar a proteção quando necessário e para chamar a atenção da política e das instituições para a necessidade de não deixar nenhum direito e , acima de tudo, qualquer pessoa, de volta. Na verdade, o relatório também lança luz sobre questões que correm o risco de serem marginais ou ausentes do debate público. O relatório também aborda os direitos de forma interseccional, destacando os pontos de contato entre os diferentes direitos e sua contaminação mútua. Assim, por exemplo, falar de pluralismo religioso não pode ser separado de lidar também com questões de gênero, imigração, cidadania. Os oito por mil da mesa valdense continuam a acreditar neste projeto e a apoiá-lo com convicção”. AQUI o texto completo do Manifesto do Parlamento dos Direitos. Aqui está o link para a transmissão ao vivo da reunião: ...

Ler artigo
Sínodo Luterano 2022, “A Europa precisa de paz”

Sínodo Luterano 2022, “A Europa precisa de paz”

Roma (NEV), 28 de abril de 2022 - "Não me envergonho do evangelho, pois é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê". Com este versículo (do Sermão sobre Romanos 1, 16a e 17) teve início hoje, 28 de abril, em Roma, o Sínodo da Igreja Luterana na Itália (CELI). O culto de abertura, confiado aos pastores Kirsten Thiele E Carsten Gerdes, partiu de uma referência aos lugares narrados nos volumes de Asterix, “a pequena aldeia gaulesa que resiste a César e ao império romano. Assim deve ter sido em Roma naquela época: uma pequena comunidade cercada por todos aqueles que acreditavam em outras coisas. Ele realmente precisava de algum incentivo, porque a tentação de se esconder, de não fazer algo diferente, provavelmente era grande." O impacto da pandemia, mas também a crise internacional e climática estiveram no centro do relatório do presidente do Sínodo Wolfgang Prader, que recordou diante dos 47 deputados sinodais presentes a etimologia do termo “sínodo”: “syn”, que significa “juntos” e “odòs”, que significa “caminho, caminho” em grego antigo”. “O sínodo – declarou – é o órgão supremo, a assembléia de religiosos e leigos que regula a doutrina e a organização da Igreja […] Em minha escrivaninha há uma pequena cruz, que recebi anos atrás, feita por um escultor soviético, que nasceu em uma cidade que hoje fica na Ucrânia. A guerra não é a solução, a Europa precisa de paz”. Relatório do Presidente da #Sinodolutheran2022 See More, W. Prader. “A guerra é uma cesura na Europa e no mundo: ela nos sacode profundamente das consequências para as pessoas e para a Europa que não são totalmente previsíveis”. @nev_it @Avvenire_Nei @oss_romano @Riforma_it @Protestantismo @agensir pic.twitter.com/TKWccWFjrg — CeliTWEET (@CeliTWEET) 28 de abril de 2022 O reitor cessante, Heiner Bludau, no relatório anual do Consistório, lembrou como "a Igreja não é uma instituição fechada em si mesma" e falou de um novo "choque entre o Oriente e o Ocidente", devido à guerra na Ucrânia. E citou a célebre frase de Martinho Lutero: “Se o mundo acabasse amanhã também, eu ainda plantaria uma macieira no meu jardim”. Que tarefa para a igreja luterana na Itália? “Não devemos fechar os olhos para os medos que nos perseguem, mas também não devemos deixar que os medos determinem nossas vidas”, disse Bludau. O Decano também destacou a estreita colaboração da Igreja Luterana com a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. E o presidente da FCEI, Daniele Garronefalou como convidado no primeiro dia do Sínodo, trazendo as saudações e agradecimentos da federação dos protestantes italianos, e recordando o compromisso social, em particular pelos corredores humanitários e a favor dos migrantes, com os novos projetos do social albergue em Piana di Gioia Tauro e projetos para ajudar pessoas que fogem da Ucrânia. “Liberdade e responsabilidade: não poderia ter escolhido lema mais protestante – disse Garrone. E, citando Lutero, uma ideia que “nos transforma de seres curvados sobre nós mesmos em pessoas que podem ficar de costas eretas e olhar em volta”, onde “ao redor há tanto para os outros fazerem”. “O desafio para todos nós – continuou –, e espero que a FCEI possa servir de espaço para essas reflexões, é fazer um trabalho de memória. A Escritura – onde a história se vive e se vê entre a memória e a esperança – a oração e as nossas estruturas de assembleia são ferramentas para responder aos desafios do presente”. Finalmente, no que se refere à guerra, para Garrone, é necessário, ao falar do “Ocidente”, “lembrar que a história conduziu à liberdade. Uma história cansativa e muito dolorosa, cujas atrocidades não devemos esconder, feita de séculos de guerras religiosas, de intolerância, de antijudaísmo”, mas que felizmente deu origem às actuais democracias. Os trabalhos do Sínodo da Igreja Luterana na Itália continuarão amanhã, sexta-feira 29 e sábado 30 de abril, com a eleição do novo reitor e vice-reitor, para concluir finalmente no domingo, 1º de maio. Para mais informações: AQUI o comunicado de imprensa n.3, relativo aos trabalhos do primeiro dia do Sínodo do CELI. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.