Rega sem desperdício – Nev

Rega sem desperdício – Nev

Continua a série de vídeos realizados pelos jovens da Comissão de Meio Ambiente e Globalização da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, com conselhos práticos e sugestões para ser “mesmo o protagonista menos responsável da mudança” em relação à emergência climática.

Filip Urban, unsplash

Roma (NEV), 21 de julho de 2022 – O novo vídeo da série criada pelos meninos e meninas da GLAM, a Comissão de Meio Ambiente e Globalização da FCEI, tem como título “Rega sem desperdício”.


Aqui o primeiro vídeo dos jovens GLAM, publicado no passado dia 6 de julho, sobre poupança de água doméstica e aqui o segundo, datado de 13 de julho.

artigo anteriorBatistas Mundiais falam sobre Ucrânia, Mianmar, justiça racial e escravidão
Próximo artigoCOP27 Summit Egito, oportunidades para jovens

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

16 dias para superar a violência, 15/16 dias.  Feminicídio última fase

16 dias para superar a violência, 15/16 dias. Feminicídio última fase

Imagem de Shamsia Hassani, artista afegã. Retirado do arquivo FDEI 16 dias contra a violência 2022 Roma (NEV), 9 de dezembro de 2022 – Hoje conclui a série de episódios que viram a publicação, dia a dia, das reflexões do dossiê “16 dias contra a violência” organizado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). Os 16 dias vão de 25 de novembro, Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher, a 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. Para ver todos os episódios, clique aqui. DIAS 15 e 16: 9/10 DEZEMBRO O feminicídio última fase da violência SOLICITARdiscutir Como forçar os homens a superar seus desejos de vingança? Guglielmina, Franca, Nadia, Simona, Silvana, Maria, Alessia, Alexandra e muitos outros, de 6 de janeiro a 25Outubro, dois dias atrás, enquanto escrevíamos isto, estou mulheres que morreram por feminicídio em 2022. Se você percorrer os lugares onde eles aconteceramnão tem lugar nem região para esses feminicídios que ele seja salvo. Pequenas vilas, cidades, espalhadas em todo o território nacional. No entanto, a Itália em 2013 juntou-se a um lei à Convenção de Istambul, que deu indicações e métodos para superar o tema da violência na Europa. O ponto chave é a colaboraçãoração que os Estados tiveram que estabelecer com centros anti-violência administrados por mulheres. Na Itália, isso é alcançado apenas parcialmente,o financiamento está constantemente em riscode centros anti-violência, otreinamento planejado para aumentar a conscientização sobre as forçasda ordem, as estruturas sociais e onitari, mas é sobretudo o sistema judicial,dividido entre penal e civil, que se comporta emforma gravemente inconsistente e que põeEu arrisco a vida das mulheres.Muitas vezes a sentença de separaçãocivil, que segue um julgamento criminal de culpavoluntariamente, prevê a guarda compartilhada de menores.Os tribunais civis, ao decidirem, não tomamconta de todo o processo judicial que omulheres se comprometeram a sair da violêncialinha de pesca, mas contam com o aconselhamento de psicólogosque acreditam que mães afetadas por síndromeda mãe maliciosa. Obrigar os pais amanter contato, em muitos casos defineas vidas de mulheres e crianças estão em risco. É muitomuitas vezes é difícil reverter isso rapidamentejulgamentos. VERSÍCULO BÍBLICO Não cobice a casa do seu próximo;não cobices a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo. (Êxodo 20, 17) COMENTE Quantas vezes temos que ler novamenteque um homem mata “sua mulher” porque ela se afastou dele ou se retirou de seu domínio. A mulher como propriedade. Como até mesmo os 10 mandamentos sugerem. No entanto, a história da interpretação bíblica e teológica de certas partes das Escrituras do Antigo e do Novo Testamento em que esse conceito de propriedade é questionado ou em que se destaca que não faz parte da mensagem libertadora já se foi há muito tempo. .Mas para isso não devemos retirar esses versos, devem permanecer, devem estar ali para denunciar uma prática violenta. É verdade, mesmo que pareça o contrário, hoje há menos violência, mas muitas vezes ela se tornou mais sutil. Como então, as mulheres também são mortas hoje porque são vistas como algo que pode ser descartado de acordo com os sentimentos de cada um. Mas todos nós não somos propriedade de alguém. Até mesmo Deus nos deu liberdade, não para fazermos o que quisermos, mas para sermos pessoas responsáveis ​​umas pelas outras. Somos chamados a nos libertar de impulsos que inicialmente podem nos manter acorrentados. ORAÇÃO Rezamos para que as vozes das mulheres abusadas sejam ouvidas,que ações e mudanças significativas ocorramno tratamento das mulheres em todos os setores da sociedade. Amém. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo
Ecumenismo de 1920 a 2020. A esperança da comunhão

Ecumenismo de 1920 a 2020. A esperança da comunhão

Nikos Kosmidis, Ut unum sint, aquarela 23,5 × 23,5 cm, 2020. Feito especialmente para a Conferência CEC/LOCEOC “A esperança da comunhão: de 1920 a 2020” Roma (NEV), 16 de dezembro de 2020 - A conferência online "A esperança da comunhão: de 1920 a 2020" acontece hoje e amanhã. Organizado pela Conferência das Igrejas Européias (KEK) juntamente com o Centro de Louvain para o Cristianismo Oriental e Oriental (LOCEOC), ele receberá ilustres convidados da Europa e da América do Norte. O objetivo do encontro é centrar-se nos dois textos ecumênicos fundamentais de 1920. A Encíclica do Patriarcado Ortodoxo às Igrejas de Cristo em toda parte, escrita em 1920 pelo Sínodo da Igreja de Constantinopla, e o Apelo a todo o povo cristão da Conferência de Bispos Anglicanos de Lambeth. “A conferência explorará as expectativas de unidade nesses textos. Examinará sua relação com os desenvolvimentos ecumênicos subseqüentes. Por fim, abordará a questão do que significa a esperança da comunhão para as relações entre as Igrejas hoje”, lê-se na apresentação. Entre os destaques, além da análise dos textos, também uma sessão (amanhã à tarde) dedicada a “Sinais de esperança, modelos de unidade: a paisagem ecumênica hoje”. Ir para PROGRAMA. O LOCEOC O LOCEOC é formado por professores da Faculdade de Teologia e Estudos da Religião com experiência no campo do Cristianismo Oriental. Com sede na Universidade Católica de Louvain (Louven, Bélgica), tem entre seus objetivos a promoção do estudo do cristianismo oriental a partir de uma perspectiva teológica, histórica e social. Está, portanto, ligado a uma antiga tradição de estudos sobre o cristianismo siríaco, copta e armênio, portanto das tradições ortodoxa e antigo-oriental. CEC O CEC reúne 114 igrejas de tradição ortodoxa, protestante e anglicana de toda a Europa. Entre seus objetivos, a promoção da paz e o trabalho pela unidade da Igreja. Coordena uma rede de Conselhos Nacionais de Igrejas para discussão e intercâmbio em nível nacional e regional, sobre temas como diaconia, migração, direitos dos refugiados, mulheres e jovens nas igrejas, sustentabilidade social e ambiental. A Conferência das Igrejas Europeias nasceu no contexto de um esforço de paz em 1959, para construir pontes entre o Oriente e o Ocidente durante a Guerra Fria. ...

Ler artigo
Igrejas e armas na Ucrânia – Nev

Igrejas e armas na Ucrânia – Nev

Roma (NEV), 10 de abril de 2022 – Contribuição de Luca Maria Negro para o culto de rádio - coluna "O caminho para a unidade", exibida no programa "Culto evangélico", na Rádio RAI 1, nesta manhã, domingo, 10 de abril de 2022 - Em março, em nossa nota mensal sobre o caminho para a unidade dos cristãos, destacamos como a guerra na Ucrânia representa um retrocesso dramático para o movimento ecumênico, já que as várias igrejas às vezes têm avaliações diametralmente opostas. Ele se expressou em termos semelhantes no jornal A República de 21 de março, o fundador da comunidade monástica de Bose, Enzo Bianchi: “Com esta guerra, o ecumenismo entre as Igrejas, que já atravessa um inverno, fica ainda mais ferido e desmentido»”. “O que já não pensávamos ser possível para os cristãos – escreve Bianchi – aconteceu: uma guerra foi sagrada e a religião foi invocada como justificativa para o conflito. Em frentes opostas, as Igrejas sucumbiram à tentação do nacionalismo e quando religião e nacionalismo se cruzam, a mistura é explosiva”. Hoje continuamos no mesmo tema, citando algumas das recentes posições assumidas pelas igrejas sobre o conflito. A primeira é positiva: é a declaração conjunta do Conselho das Conferências Episcopais (Católicas) da Europa (CCEE) e da Conferência das Igrejas Europeias (KEC), que inclui protestantes, anglicanos e ortodoxos (mas não os russos ortodoxos, que suspenderam sua participação por anos). “A religião – lê-se no texto – não pode ser usada como meio para justificar esta guerra. Todas as religiões, e nós como cristãos, estamos unidos para condenar a agressão russa, os crimes cometidos contra o povo da Ucrânia e a blasfêmia que representa o uso indevido da religião neste contexto”. O segundo texto é mais problemático: é a Declaração da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CPCE). Embora com aspectos muito equilibrados, este documento inclina-se para a questão do fornecimento de armas à Ucrânia, afirmando: "Reconhecemos as decisões que os Estados tomaram para oferecer apoio à Ucrânia através do fornecimento de equipamento defensivo"; o que quase soa como uma inoportuna "bênção protestante" do trabalho dos governos ocidentais. Nestes dias, um grupo de evangélicos italianos está lançando um apelo pedindo ao CPCE que reconsidere esta posição. Por fim, acaba de ser divulgado um dossiê muito útil, porque compara as diferentes posições que existem, dentro das igrejas, justamente sobre a questão de saber se é ou não apropriado fornecer armas à Ucrânia. Publicado por Com Nuovi Tempi e editado pelo prof. Fulvio Ferrario da Faculdade Valdense, o dossiê “Guerra, paz, justiça”, como explica o curador, “visa ajudar aqueles que buscam o mandamento de Deus rezando e pensando; quer estimular quem não se contenta com citações bíblicas usadas como chave de fenda para atingir quem pensa diferente, mas sabe que a Escritura deve ser questionada com paciência, mesmo que a história avance muito rápido; quer acompanhar quem se sente ensurdecido pela sloganmas sente sua vontade chantagista e pretende resistir a ela". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.