Valdenses: Reforma, Responsabilidade, Participação – Nev

Valdenses: Reforma, Responsabilidade, Participação – Nev

Torre Pellice (TO), (NEV/Confronti.net), 24 de agosto de 2020 – A mesa redonda acontecerá esta noite, às 21h, por ocasião da noite pública organizada pela Mesa Valdense, na Torre Pellice e ao vivo no Facebook em a página da Igreja Valdense.

Endereço de saudação esperado via mensagem de vídeo de David SassoliPresidente do Parlamento Europeu, e as intervenções dos convidados da mesa redonda: Vittorio Cogliati Dezza (Fórum de Desigualdade na Diversidade, Legambiente), Elly Schlein (Vice-presidente da Região Emilia Romagna, via link de vídeo), Valdo Spini (Presidente da Fundação Circolo Fratelli Rosselli, ex-Ministro do Meio Ambiente); a noite será moderada por Cláudio Paravati E Ilaria Valenzi (Centro Studi e Rivista Confronti) e enriquecido pela música do maestro Alessandro Sgobbioantes das conclusões confiadas ao moderador do Tavola Valdese, o diácono Alessandra Trotta.

Segue abaixo o resumo da fala de Valdo Spini, que será divulgado com antecedência:

“Apenas no dia 20 de agosto, oDia de ultrapassagem, o dia em que a natureza esgotou seus recursos de comida, água e espaço disponíveis para a humanidade no ano atual. O que significa que a partir de agora, até 31 de dezembro, consumiremos os recursos do futuro. O confinamento para o Covid-19 atrasou esse prazo em 3 semanas em relação ao ano passado, porque tínhamos que poluir menos. É claro que não devemos esperar contar com tais eventos, mas isso constitui uma indicação do novo modelo de desenvolvimento que respeita o meio ambiente que devemos perseguir.

Neste contexto, é sem dúvida um elemento positivo que a União Europeia esteja a preparar-se para enfrentar as consequências do pós-Covid com um Fundo de Recuperação que tem entre os seus parâmetros fundamentais o Green Deal, ou seja, a política ambiental.

Acho que seria muito apreciado por fundadores como Altiero Spinelli e Mario Alberto Rollier, falecido há quarenta anos, se a União Europeia desta vez entrasse em campo e criasse instrumentos financeiros comuns para a recuperação pós-Covid e que uma parte deles foram financiados com títulos da dívida europeia.

A Europa é, portanto, o ponto de referência necessário e indispensável para a Itália. Vamos receber mais de 190 mil milhões de euros de Fundo de Recuperação, dos quais cerca de 80 não reembolsáveis. Além disso, seria desejável que também usássemos a ESM para fortalecer o sistema público de saúde e a saúde preventiva na área. Estes fundos europeus são uma oportunidade única para a Itália. O nosso país encontra-se numa encruzilhada: ou prossegue uma verdadeira reforma da Itália, ou recai nas velhas feridas e males que travaram o seu desenvolvimento económico e social e, em última análise, civil.

Precisamente de um lugar como Torre Pellice nos apetece lançar um apelo a esta verdadeira Reforma Italiana baseada no trabalho, nos negócios, no ambiente, na formação, na educação e na coesão social. Seria preciso uma mistura de ética de trabalho protestante evocada por Max Weber, ecologia integral bem descrita por Louvado seja você do Papa Francisco; De estado de bem-estar à la Lord Beveridge, e o espírito de inovação de um Bill Gates.

No entanto, tudo isto tem um pressuposto: que a sociedade civil demonstre a sua capacidade para voltar a impulsionar e motivar a participação política e, em particular, dos jovens. O pressuposto é uma política feita de valores e princípios, e capaz de suscitar não profissões, mas vocações reais – por outro lado, o famoso termo Beruf pode ser traduzido de duas formas: profissão ou vocação –.

Cabe à política consolidar e perdurar aquele espírito de solidariedade e coesão que nos permitiu enfrentar a fase mais dura da confinamento. Apelamos às consciências do nosso país para que mantenham este espírito, quer na necessária fase de prevenção e prudência que deve evitar uma recaída da pandemia, quer no espírito que deve animar a reconstrução económica e social.

Estamos conscientes de que as consequências da covid 19 serão sentidas em particular pelos mais fracos e marginalizados (mas não só!), e não podemos permitir diferenças insustentáveis ​​de desigualdade no nosso país. Nesse sentido, colocamos no centro desta reflexão a justiça social e ambiental na recuperação econômica e produtiva de nosso país”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

para quem não frequenta a aula de religião católica, um vademecum

para quem não frequenta a aula de religião católica, um vademecum

Foto de Kenny Eliason/Unsplash Roma (NEV/CS14), 30 de maio de 2023 – Tempo de escolhas para quem decide não frequentar a aula de religião católica na escola. A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) recorda isso. De 31 de maio a 30 de junho, de fato, é preciso manifestar preferência por uma das opções alternativas à aula de religião católica. Coincidindo com a abertura das inscrições para o ano letivo 2023/2024, o balcão “Escola, laicidade, pluralismo” da FCEI disponibiliza um novo “manual” para o exercício do direito de não usufruir do ensino religioso católico. O documento oferece "esclarecimentos para uma escolha informada" e analisa as várias opções possíveis. Além disso, aborda a questão do crédito escolar, explicando como e por que o autoestudo também participa da definição dos créditos escolares para o arredondamento da média. A Sportello também está à disposição para auxílio na realização do procedimento online. Em um manual anterior, também online, o Sportello coletou algumas perguntas frequentes sobre o assunto. Caso seja decidida a não utilização do IRC, os alunos e famílias são chamados a proceder a uma nova escolha entre as possíveis atividades alternativas previstas na legislação em vigor. Esta escolha deverá ser efetuada através do preenchimento do formulário C SHEET na função específica do sistema “INSCRIÇÃO ONLINE”, ligado a cada escola, acessível apenas no período de 31 de maio a 30 de junho de 2023 com recurso às credenciais SPID, CIE ou eiDAS. Entre as coisas a saber, para quem escolhe o chamado "horário alternativo", está a obrigação da escola de organizá-lo mesmo que seja para apenas um aluno. Além disso, ao contrário do que se possa pensar, a ativação do horário alternativo não envolve nenhum custo adicional porque a atividade é financiada por fundos ministeriais e não pelos orçamentos de cada escola. Portanto, a escola não pode apresentar razões orçamentárias. Além disso, “Não existe um número mínimo de alunos necessário para a ativação da disciplina alternativa. Mesmo na presença de um único aluno que tenha optado por atividades alternativas de ensino e formação, a escola é obrigada a garantir a efetividade do direito de escolha. Isso significa também que, uma vez designado para lecionar a disciplina alternativa, o professor é obrigado a exercer tal ensino, não podendo ser utilizado pela escola para cobrir faltas ou suplentes que coincidam com o horário letivo da disciplina alternativa. Nenhum impedimento de ordem organizativa, económica ou outra pode ser invocado pelas escolas pelo atraso ou, no pior dos casos, pela não ativação desse ensino”, escreve o advogado. Ilaria Valenzipessoa de contato do Sportello e consultor jurídico da FCEI. Finalmente, a questão dos créditos escolares. Quem não frequenta a aula de religião fica com crédito escolar ou, caso contrário, a sua escolha penaliza-o, subtraindo uma nota à avaliação final? “A este respeito, pretendemos esclarecer alguns aspectos – lê-se no documento -. Sabemos, porém, que as situações individuais variam de escola para escola e, demasiadas vezes, as indicações da lei estão sujeitas a interpretações nem sempre coerentes, acabando por atribuir um peso excessivo à aula de religião”. O julgamento do professor do IRC, no entanto, “não tem valor obrigatório na determinação do quadro final da média geral do aluno. Recorde-se ainda que, caso tenha optado por atividades de ensino e formação (a 'disciplina alternativa'), o professor responsável por esse ensino participará nos conselhos de turma e manifestará a sua opinião sobre o aluno, no da mesma forma que acontece na hora da religião”. Para pedidos de ajuda e mais informações, baixe o novo manual ou escreva para [email protected] ...

Ler artigo
Culto evangélico de Páscoa, domingo as 10 no RaiDue

Culto evangélico de Páscoa, domingo as 10 no RaiDue

Roma (NEV), 7 de abril de 2020 – O culto evangélico de Páscoa será transmitido no domingo, 12 de abril, no RaiDue, de 10 a 11, em Eurovisão ao vivo. O culto está a cargo da Igreja Protestante de Martigny, na Suíça, e será transmitido do templo protestante "San Francesco" em Lausanne. A edição italiana é editada pela seção de protestantismo A adoração começará com a história de Maria Madalena que vai ao túmulo de Jesus e vê que a pedra que bloqueava a entrada foi removida e que o túmulo está vazio. A pregação é feita pelo pastor Pierre Boismoranddos pastores Hélène Kung, Agnès Thuégaz e o diácono Armand Bissat. Música por Leonardo Muller. O culto é transmitido como Especial “Protestantismo”, programa editado pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI). ...

Ler artigo
Um novo acrônimo para adoração evangélica

Um novo acrônimo para adoração evangélica

Roma (NEV), 27 de novembro de 2019 - No domingo, 1º de dezembro, o culto evangélico muda de tema. A coluna Radio1 Rai, transmitida nas manhãs de domingo às 6h35, se despede da sigla histórica - que abriu o programa nos últimos 50 anos e acompanhou o despertar matinal dominical de muitos italianos, evangélicos e não evangélicos - e dá as boas-vindas à nova música realizada por Marco Robino dos Arquitetos. “A nova sigla foi concebida a pensar na continuidade e na novidade”, especifica o pároco Luca Barattocurador do Culto Evangélico juntamente com Elisa Baglieri. Uma continuidade dada pela escolha de reapresentar o coral luterano "Ein Feste Burg / Forte rocca" musicado por JS Bach, na novidade de uma harmonização diferente. A segunda parte do episódio do domingo, 1º de dezembro, após o sermão com curadoria de pastor Alessandro Spanoprevê uma conversa a quatro vozes com os músicos que criaram a sigla histórica - o mestre Ferruccio Corsani, Paolo Calzi E Silvano Calzi – e Marco Robino, para uma passagem simbólica que será retomada por uma notícia da agência NEV, domingo de manhã, após a emissão do programa. O Culto Evangélico é um programa da Radio1 Rai, produzido pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), que é transmitido todos os domingos de manhã às 6h35. É possível ouvir e baixar o podcast dos episódios já exibidos na página do Culto Evangélico da Rádio RaiPlay. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.