Corredores e “hotéis” para insetos polinizadores na cidade.  tutoriais

Corredores e “hotéis” para insetos polinizadores na cidade. tutoriais

Roma (NEV), 24 de junho de 2022 – Saiu o 2º tutorial de “corredores ecológicos” para insetos polinizadores. É um projeto de algumas igrejas evangélicas na Itália (Luterana de Nápoles, Batista Centocelle, Batista Civitavecchia, Adventista de Bolonha, Metodista de Milão), que entre outras coisas participaram do concurso “Juriga Romana” da Rede Cristã Europeia para o Meio Ambiente (ECEN). . A ideia nasceu dentro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).

O projeto se chama “Caminhos Ecumênicos para Polinizadores”. Este novo tutorial fala sobre como criar corredores e “hotéis” para insetos polinizadores na cidade e explica como e por que é útil projetar esses tipos de ambientes. Para ilustrar como o fazer, desde os materiais às ferramentas necessárias para fazer as casas para os insectos bons, é Annette Brunger, responsável pelo ambiente da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), comunidade de Nápoles e membro do GLAM. Você pode construir hotéis para bons insetos, explica Brünger, “junto com outras pessoas, mesmo com crianças e adolescentes. Uma forma de ser criativo e abordar o tema do respeito pela natureza e da proteção da criação. Também pode ser uma ideia de presente original e eco-sustentável. O objetivo é, entre outras coisas, conscientizar as pessoas e ampliar a rede de corredores ecológicos”.


Contexto

A Comissão GLAM está a serviço das comunidades e indivíduos que desejam abordar essas questões a partir de uma perspectiva de fé. O trabalho busca a rede dentro e fora das igrejas, nacional e internacionalmente. Um dos focos da GLAM é o trabalho de construção da rede comunidade ecológica.

Existem ecocomunidades “iniciadas”, “em andamento” e “graduadas”, com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais relativas ao culto e outros momentos litúrgicos, trabalhos de manutenção visando a poupança de energia, eliminação do plástico, educação, implementação de comportamentos virtuosos na administração, nas compras, na utilização da energia, mobilidade e gestão de resíduos, até verificação da ética dos bancos onde estão localizadas as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes.

Um primeiro tutorial foi lançado em abril com Paul Versariprofessor da escola agrícola de Castelfranco Emilia e conhecedor do mundo das borboletas, editado por Monica DePaolis E Maria Elena Lacquaniti.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ódio online, mais um ataque anti-semita.  Condenação da Igreja Luterana

Ódio online, mais um ataque anti-semita. Condenação da Igreja Luterana

Wiki imagem comum Roma (NEV), 8 de fevereiro de 2021 – “Estou profundamente impressionado. Acima de tudo porque este ataque é, para mim, uma indicação de quão difundido e perigoso é o anti-semitismo mesmo aqui na Itália”. Como Heiner Bludaureitor da Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI), após o atentado antissemita que interrompeu o encontro em memória de Amós Luzzatto. Organizado pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) de Veneza, a Comunidade Evangélica Luterana de Veneza e a Casa de Cultura Judaica "Beit", o encontro foi adiado para data a ser definida. “Mas os números são uma coisa, a realidade é outra – continua o reitor Bludau -. Também me aconteceu de me encontrar diante de pessoas que expressavam pensamentos de clara origem anti-semita. Além disso, este ataque de hackers ao evento SAE em Veneza me faz entender que o anti-semitismo não está apenas aninhado nos preconceitos - mais ou menos ocultos - de muitos, mas pode levar a comportamentos planejados e agressivos. Mesmo que o atentado de 7 de fevereiro passado tenha sido perpetrado “apenas” digitalmente, ele evidencia a necessidade de levar muito mais a sério do que hoje, tanto no plano social quanto no eclesiástico, esse anti-semitismo que levanta a cabeça e encontra novas saídas. Não basta postar uma imagem de viaturas militares patrulhando sinagogas. Para proteger verdadeiramente a população judaica e combater o flagelo do anti-semitismo em todas as suas formas, tanto cultural quanto socialmente, precisamos lidar com determinação acima de tudo com o que se passa na cabeça das pessoas”, conclui Bludau. Assessoria de Imprensa SAE “Existe uma etapa do Trégua (retomado em Os afogados e os salvos ) no qual Primo Levi fala da vergonha sentida pelos soldados russos na libertação de Auschwitz. – Lê-se no comunicado da SAE: 'Foi a mesma vergonha bem conhecida por nós, aquela que nos submergiu depois das selecções, e todas as vezes tivemos de presenciar ou submeter-nos a um ultraje […] aquilo que o justo sente diante da falta cometida por outrem, e lamenta que exista, que tenha sido introduzido irrevogavelmente no mundo das coisas que existem, e que sua vontade tenha sido nula ou escassa, e não tenha sido eficaz Em defesa'". No domingo, 7 de fevereiro, a SAE volta a escrever: “embora numa situação objetivamente incomparável com a anterior, o sentimento era semelhante. A reunião teve que ser interrompida em memória de Amos Luzzatto. Por computador e protegidos pelo anonimato, os hackers colocaram online imagens de Hitler, palavrões, slogans anti-semitas, cenas de pornografia e várias outras formas de perturbação. Num período em que os indivíduos se reúnem com dificuldade, a violência encontra outros canais para se expressar. A memória de um homem que dedicou sua vida à justiça, ao diálogo, ao cuidado e ao encontro com o ser humano foi ofendida e humilhada”. Ao anunciar a denúncia nos fóruns apropriados, a SAE informa que “a reunião se repetirá de forma mais protegida: até a telemática agora precisa de baluartes defensivos”. Muitas mensagens de solidariedade chegaram aos organizadores. O que fazer A Agência NEV propõe uma série de insights sobre segurança cibernética para refletirmos juntos sobre a questão do ódio online. Leia aqui: Ódio e perigos online / 1. Seja ético, seja protestante – Ataques virtuais, vulnerabilidades de igrejas, responsabilidade de segurança cibernética. Precisamos de mais conscientização e treinamento. Conversamos sobre isso com o engenheiro Stefano Frache. Ódio e perigos online / 2. O que fazer para se proteger de invasões – Zoom bombing, segurança de rede e implicações sociais. Discutimos isso com o especialista em computação forense Gianluca Buttigliero. ...

Ler artigo
Ética digital.  Salve o planeta, salve-nos

Ética digital. Salve o planeta, salve-nos

Foto de José Martín Ramírez Carrasco / Unsplash Roma (NEV), 30 de maio de 2023 – Que bem-estar para as sociedades digitalizadas e no trabalho? Isso foi discutido no dia 24 de maio em encontro promovido pela rede “Ação da Igreja sobre Trabalho e Vida” (CONVOCAÇÃO* – Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida). O encontro reuniu algumas das dezenas de pessoas que colaboraram na publicação das Diretrizes no âmbito do projeto”Bem-estar das sociedades e locais de trabalho digitalizados”. A rede CALL trabalha há anos nestas questões, envolvendo vários profissionais e competências de toda a Europa, tanto no seio das igrejas como simpatizantes. Harmonia, bem-estar digital, ética digital, sustentabilidade, valores ecológicos, económicos e sociais no planeamento da digitalização são apenas alguns dos temas desenvolvidos pela rede CALL, que vê a própria digitalização como intimamente ligada, e por isso orientável, ao serviço da sociedade. Ele esteve presente pela Itália Stefano Frache, engenheiro, um dos fundadores de uma empresa de desenvolvimento de software e equipamentos eletrônicos, com doutorado em Eletrônica e Telecomunicações em Torino e Lausanne. “Foi maravilhoso participar nesta experiência, numa dimensão de estímulo ao diálogo e ao crescimento pessoal” disse Frache à Agência NEV. As diretrizes são desenvolvidas em três seções: ética, economia e sociedade. “A reunião do dia 24 foi uma oportunidade para retomar alguns temas, os pontos fortes do documento e quais aspectos, por outro lado, ainda precisam ser trabalhados – disse Stefano Frache -. Foi um importante momento de síntese, resultado de anos de trabalho, comparações e discussões. É preciso uma certa coragem para emitir um documento”. Na verdade, publicar expõe a julgamentos e críticas, mas ao mesmo tempo é uma forma de "dar o tom" para a discussão. No primeiro ponto sobre ética, continuou o engenheiro, "foram incluídos aspectos relativos à relação de todos os seres vivos com o planeta e uma referência explícita ao justiça climática. É bom refletir sobre evidências científicas para guiar nosso pensamento. Não é uma questão emocional: realmente temos um problema com o clima." Durante muito tempo, segundo Frache, “houve um mal-entendido muito amplo. Nosso compromisso climático está salvando o planeta? Não, fazemos isso para nos salvar." Eras glaciais e interglaciais com transgressões marinhas ocorreram várias vezes na Terra, mas em períodos extremamente longos. “Agora estamos aqui e estamos perturbando o equilíbrio do planeta. Os efeitos não são iguais para todos, mas a questão da justiça climática não pode ser reduzida a uma inspiração temporária. Só mais um pouco de tempo, para estragar bastante, e aí o problema será o mesmo para todos”. O problema da desigualdade deve ser enfrentado rio acima: “Não é bom sermos todos iguais diante da catástrofe. Mesmo de barriga cheia, não estou segura. O risco alimentar, a dificuldade de acesso aos alimentos e à água potável, que até poucos anos atrás pareciam preocupações distantes de nós, agora começam a nos preocupar de perto”. Refletir sobre esta dimensão ética implica também “sair da retórica antropocêntrica de sermos os salvadores do mundo. É mais sensato pensar que estamos fazendo algo por nós mesmos e pelos nossos semelhantes, tanto do ponto de vista cristão quanto do ponto de vista humano”. Recentemente, no âmbito do Sínodo Luterano, o decano Carsten Gerdes ele falava da natureza não como um "presente", mas como um "empréstimo". Mesmo para os nativos americanos, a terra é transmitida de geração em geração, “mas cada geração a toma emprestada da anterior. Com esse espírito, devemos fazer bom uso dele e depois devolvê-lo intacto aos que vierem depois de nós. A ganância e a gula não dão frutos. Do ponto de vista cristão, mas não só, esses comportamentos primitivos e irracionais certamente não são dignos e, muitas vezes, causam desastres”. A rede CALL também falou em sustentabilidade, destacando a substancial indissociabilidade dos seus elementos nos domínios económico e social. “O impacto das escolhas é transversal. Tudo está interligado”, disse Frache. Durante o encontro também foram discutidos acessibilidade, inclusão digital, custos e benefícios do que poderíamos definir como “planejamento ético”. Finalmente, segurança. “Em termos de TI, segurança significa privacidade e atenção à coleta de dados, mas não só – concluiu Stefano Frache -. Segurança também significa proteger-se de informações falsas. Por simples engenhosidade corre-se o risco de ser enganado na formação das próprias opiniões, de ser manipulado. Um uso incorreto ou inconsciente de ferramentas digitais é muito diferente dependendo se somos sociedades abertas ou fechadas. Se quisermos nos manter como sociedades abertas e democráticas, temos o dever de lidar com elas, porque as ameaças são graves. Às vezes damos por certo, mas a liberdade de pensamento termina em uma sociedade fechada e, portanto, também a liberdade de pensamento cristão”. *CALL é uma rede europeia que trata da reflexão sobre sustentabilidade, trabalho, economia e sociedade desde um ponto de vista cristão. O projeto "Bem-estar das sociedades e locais de trabalho digitalizados” é apoiado com financiamento da Comissão Europeia. ...

Ler artigo
não coloque os outros em perigo por negligência

não coloque os outros em perigo por negligência

Roma (NEV), 16 de novembro de 2020 – Um texto do reformador circula nas redes sociais há alguns dias Martinho Lutero que parece estar falando sobre covid. “Vou pedir a Deus, por misericórdia, para nos proteger. Depois vou desinfetar com fumaça, para ajudar a purificar o ar, dar remédios e tomá-los. Evitarei lugares e pessoas onde minha presença não seja necessária, para não ser contaminado e não colocar em perigo outras pessoas, para não causar sua morte por negligência minha. Se Deus quiser me levar, certamente me encontrará e terei feito o que Ele esperava de mim, sem ser responsável nem pela minha própria morte nem pela morte dos outros. Se meu vizinho precisar de mim, não evitarei lugares ou pessoas, mas irei livremente como mencionado acima. Veja, é uma fé temente a Deus, porque não é impetuosa nem temerária e não tenta a Deus”. Vários pastores e pastoras protestantes têm compartilhado este texto em suas páginas, inclusive Sérgio Manácapelão clínico e professor de cuidado pastoral clínico na Faculdade Valdense de Teologia e voluntário do 118, e o pastor Letizia Tomassone, professora de estudos feministas e de gênero na mesma faculdade. E é na página deste último que Paulo Togninateólogo "emprestado" ao jornalismo, redator-chefe da "Voce Evangelica", especifica em um comentário: "São pensamentos encontrados no texto de Lutero intitulado 'Ob man vor dem Sterben fliehen möge', datado de 1527, no qual o reformador reflete sobre a praga estourada novamente em Wittenberg". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.