Franzoni, o ecumenismo e as igrejas ‘aproximadas’

Franzoni, o ecumenismo e as igrejas ‘aproximadas’

Roma (NEV), 12 de novembro de 2018 – A conferência “História e Profecia: O Legado de João Franzoni. A comunidade cristã de base de São Paulo comemora Giovanni Franzoni em seu nonagésimo aniversário”. Entre as várias iniciativas, uma mesa redonda na sala de teatro da Abadia de San Paolo fuori le Mura que contou com a presença do pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).

“Giovanni Franzoni foi certamente um mestre – começou Negro em seu discurso -. Tive o privilégio de trabalhar ao lado dele primeiro como jovem editor do Com Nuovi Tempi e depois como diretor do Confronti. Mestre em jornalismo e mestre em heresia; e depois um irmão mais velho na fé, que me ensinou sobretudo a sempre me questionar profundamente, a não me contentar com fórmulas óbvias, estereótipos. Me pediram para falar sobre o ecumenismo de Giovanni, o que não é fácil porque Franzoni pouco escreveu sobre ecumenismo e pouco se preocupou em teorizá-lo, mas o viveu, principalmente a partir daquela experiência de ecumenismo prático que foi a revista Com Nuovi Tempi”.

Negro passou então a citar um artigo do Confronti de 1991, intitulado “Por uma igreja aproximada”, no qual Franzoni refletia sobre a relação entre as comunidades populares e o protestantismo, a partir de seu discurso feito dias antes na Assembleia da FCEI em Santa Severa . Na nota Franzoni propôs uma nova classificação das igrejas sujeitas ao ecumenismo distinguindo entre igrejas dogmáticas, igrejas tautológicas e igrejas ‘aproximadas’. “Segundo João, somente as franjas ‘heréticas’ das igrejas podem tornar o ecumenismo real – disse Negro – porque colocam a abordagem do mistério da salvação manifestado no Evangelho acima da auto-reprodução ou conservação das igrejas eles mesmos. Comunidades de base e igrejas protestantes, nos moldes dessa igreja ‘aproximada’, poderiam e deveriam fazer mais juntas. Sonhava com uma espécie de federação, ou melhor, sonhava com nossas igrejinhas acolhendo as comunidades de base. Mas foi um sonho um tanto difícil de realizar. No entanto, acredito que sua visão de uma igreja ‘aproximada’ permanece muito atual”, concluiu.

A reunião também contou com a presença Luís Sandri, Paolo Lojudice, Alberto Melloni, Marinella Perroni, Ana Maria Marlia. O ator Marco Baliani leu trechos do livro de Franzoni “A terra é de Deus. Na sala, entre outros, o fundador do Centro Inter-religioso pela Paz (CIPAX) John Novelli e monsenhor Louis Bettazzi.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O Sínodo Luterano está em andamento.  Encontrar de novo

O Sínodo Luterano está em andamento. Encontrar de novo

Última reunião do Consistório antes do início do Sínodo. foto CELI Roma (NEV CS/41), 8 de outubro de 2020 – A 1ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) começará em Roma na sexta-feira, 9 de outubro, com o título "Escolha = Wählen". Estão marcadas as eleições para a Presidência e leigos do Consistório. Entre os temas: futuro, igreja digital, medidas anti-pandemia. O Sínodo terminará no domingo, 11 de outubro. O Sínodo do CELI decorrerá à porta fechada e em conformidade com os regulamentos anti-covid. “Mais de quatro quintos dos membros sinodais confirmaram sua presença – escreve o CELI em um comunicado intitulado 'Reencontro' -. Apesar do calendário reduzido, haverá tempo para traçar rumos para o futuro. Um dos temas que tem ganhado importância, também por conta da pandemia do coronavírus, é a igreja digital”. O presidente sinodal cessante, Georg Schedereitnão reaplicou. seu vice, Wolfgang Praderapresentou a sua candidatura, enquanto a tesoureira cessante Ingrid Pfrommer é candidata ao cargo de vice-presidente do Sínodo. A quarta sessão do XXII Sínodo, realizada no final de abril de 2019, abordou o tema "Fé e ação", um programa sinodal no qual o CELI quis aprofundar os temas de ecologia, sustentabilidade e migração e empreendeu uma ação orientada para o futuro e inspirados pela fé. A primeira sessão do XXIII Sínodo estava originalmente marcada para 30 de abril a 3 de maio em Castellamare di Stabia/ Nápoles, mas foi cancelada devido a medidas para limitar a pandemia. Esta sessão terá lugar em Roma na Casa La Salle, em instalações que permitem uma distância superior a um metro; os participantes estarão equipados com máscaras FP2. A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) reúne 15 comunidades distribuídas por toda a península. “Uma comunidade na diáspora que conta com alguns milhares de membros e não possui grandes bens móveis e imóveis – escrevem os luteranos -. No entanto, ser pequeno não significa ser irrelevante. Pelo contrário, a Igreja Evangélica Luterana na Itália é muito ativa em muitos campos sociais, solidários e culturais com vários projetos e programas que vão muito além do território de cada comunidade”. Desde a ajuda imediata a migrantes e pessoas carenciadas, à sensibilização para questões como a igualdade de oportunidades, a protecção do ambiente, o combate à discriminação, "é uma Igreja que faz ouvir a sua voz na sociedade, que não se detém e intervém também questões atuais de natureza política, ética e religiosa". Numerosos contribuintes italianos alocam seu Otto por mil para o CELI a cada ano. O CELI é membro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). www.chiesaluterana.it – [email protected] Gerente de comunicação CELI/Kommunikations-Beauftragte ELKI: Nicole Dominique Steiner – Mob. +39 335 7053215 ...

Ler artigo
Mensagem por ocasião dos 20 anos da Charta Œcumenica

Mensagem por ocasião dos 20 anos da Charta Œcumenica

Roma (NEV), 20 de abril de 2021 - Abaixo está a mensagem ecumênica por ocasião do 20º aniversário da Carta Ecumênica (22 de abril de 2001 - 22 de abril de 2021), um dos pilares do ecumenismo a nível europeu, que reúne o protestantes, católicos e ortodoxos. O texto é assinado por Policarpo MetropolitanoArcebispo da Itália e Exarca do Sul da Europa (Sagrada Arquidiocese Ortodoxa da Itália); Gualtiero Cardeal Bassetti, Presidente da Conferência Episcopal Italiana; pastor Luca Maria Negro, Presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. "Há vinte anos as Igrejas cristãs na Europa assinaram a Charta Œcumenica, documento que contém as "Diretrizes para o crescimento da colaboração" entre elas, fruto de um trabalho paciente e sábio iniciado com a primeira Assembleia Ecumênica Européia, realizada em Basel em 1989 Entre a queda dos muros e cortinas que atravessaram a Europa e a dramática ruína das Torres Gémeas, as Igrejas cristãs souberam elaborar juntas um caminho de conhecimento cada vez mais profundo e de convergência para um testemunho comum a dar ao Senhor da história. Eles souberam empenhar-se concretamente em fazer desta colaboração fraterna um sinal credível de uma unidade possível e um anúncio do Evangelho da paz. Um caminho de esperança para todos, oferecido pelos cristãos aos seus irmãos e irmãs na humanidade. Hoje, vinte anos depois, a Europa e as Igrejas presentes no continente encontram-se no meio de outro desafio de época: a crise económica, as alterações climáticas, os fluxos migratórios e, mais recentemente, a pandemia que assola o mundo inteiro e afeta a Europa no coração de seus valores e princípios de convivência civil e solidariedade humana. A busca da paz, da justiça e da salvaguarda da criação, que as Igrejas na Europa explicitamente assumiram desde a última década do século passado, exprime-se hoje como cuidado das pessoas e das relações, como fraternidade humana e tutela da terra como um bem comum. Também na Itália, a terra trabalhada com paciência por muitos homens e mulheres, discípulos do único Senhor Jesus Cristo, e a semente lançada há vinte anos pelas Igrejas presentes na Europa com a Charta Œcumenica, transformaram-se num compromisso quotidiano, numa cansativa mas convicta busca de novos e antigos caminhos para tornar possível a "corrida do Evangelho" na história de hoje. Muitos dos compromissos assumidos conjuntamente pelas Igrejas cristãs em 2001 ainda não foram concretizados, mas um caminho preciso de seguimento do Senhor Jesus foi traçado. Nestes vinte anos surgiram Concílios de Igrejas Cristãs em muitas regiões e cidades que colocaram a Charta Œcumenica entre seus fundamentos constitutivos. São sinais alentadores que não devemos e não queremos abandonar, mas acalentar e nutrir, para que sejam fermento de unidade e reconciliação. Em conformidade com a declaração conjunta da Conferência das Igrejas da Europa e do Conselho das Conferências Episcopais da Europa por ocasião deste aniversário, damos graças ao Senhor pelo que fez entre nós, por nós e apesar de nós, em estes vinte anos, e novamente COMPROMETEMO-NOS com a colaboração fraterna segundo aquelas Orientações, que se torna cada vez mais um testemunho comum para que os discípulos do Senhor “sejam um e o mundo creia” (Jo 17,21). Aqui a carta em pdf: Message_CartaEcumenica Uma declaração europeia conjunta do pastor também foi publicada em 12 de abril. Christian Kriegerpresidente da Conferência das Igrejas da Europa e do cardeal Ângelo Bagnascopresidente do Conselho das Conferências Episcopais da Europa. Lá Charta Oecumenica. Um desafio para as igrejas Por ocasião do 10º aniversário da Carta, o jurista valdense Gianni Long, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) no momento da assinatura, assim comentou o documento. “A Carta Ecumênica é um documento que encoraja e desafia as igrejas. Em alguns casos, fruto de compromissos entre diferentes posições, a Carta Ecumênica fez com que as três famílias confessionais cristãs do continente reconhecessem coisas muito importantes. O direito à liberdade religiosa dos indivíduos e de outras confissões. O repúdio ao nacionalismo e ao racismo. O reconhecimento de uma relação especial que liga os cristãos aos judeus. A importância do diálogo com o Islã e outras religiões. Embora a sua aplicação tenha sido desigual nas várias nações europeias, é de grande valor o facto de todos os cristãos do continente terem subscrito estas afirmações”. Aqui o texto da Carta Ecumênica em italianoem Inglêsem Francês e em Alemão. Era 22 de abril de 2001 quando, em Estrasburgo, os então presidentes da Conferência das Igrejas da Europa (KEK), o Metropolita Ortodoxo Jeremie, e do Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE), o Cardeal Arcebispo de Praga Miloslav Vlk, assinaram o documento indicando as diretrizes do ecumenismo e da cooperação entre as igrejas do velho continente. Nascida de uma solicitação da II Assembleia Ecuménica Europeia (Graz, 1997), elaborada por uma comissão conjunta KEK-CCEE através de ampla consulta às igrejas europeias, a Carta está dividida em 3 capítulos e 12 pontos que delineiam as áreas de interesse comum base para o diálogo e colaboração em todos os níveis da vida da igreja, delineando as principais responsabilidades ecumênicas. O primeiro capítulo, que confessa a Igreja "una, santa, católica e apostólica", enuncia o compromisso de buscar uma compreensão comum da mensagem de Cristo e a unidade visível de sua Igreja. O segundo capítulo é dedicado à "comunhão visível" das Igrejas na Europa, com os compromissos de proclamar juntos o Evangelho da salvação, trabalhar juntos na diaconia, proteger as minorias, rezar juntos, continuar o diálogo também em questões éticas controverso. O terceiro capítulo trata da responsabilidade das Igrejas na construção da Europa, na reconciliação dos povos e das culturas. Por fim, o texto retoma o tema da salvaguarda da Criação, já destacado pelas assembléias de Basel e Graz, e então fecha com três breves parágrafos sobre o aprofundamento da relação com os judeus, com os muçulmanos e com outras religiões e visões de mundo. ...

Ler artigo
Comunidades mais seguras e fortes na Europa.  As religiões trabalham juntas

Comunidades mais seguras e fortes na Europa. As religiões trabalham juntas

Imagens retiradas de www.sasce.eu/safety-security-guides/ Roma (NEV), 25 de outubro de 2022 – A coletiva de imprensa do projeto “Comunidades mais seguras e fortes na Europa - SASCE” terminou há pouco. Realizado pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia, o projeto visa aumentar a segurança dentro e fora dos locais de culto, bem como dentro e entre comunidades cristãs, budistas, muçulmanas e judaicas comunidades na Europa. A conferência de imprensa, organizada em conjunto com parceiros da União Europeia, apresentou o SASCE como “o único projeto transversal às várias comunidades de fé que disponibiliza ferramentas e práticas para a segurança de espaços públicos e instituições religiosas cristãs, muçulmanas, budistas e judaicas”. Ponto de partida da conferência, os dados sobre o aumento do extremismo e dos crimes de ódio na Europa. Estruturada como uma mesa redonda, a conferência destacou os desafios de segurança e destacou a importância de continuar trabalhando juntos. Atualmente, 15 países europeus estão envolvidos no projeto: Áustria, Bélgica, Croácia, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Itália, Holanda, Polônia, Portugal, Espanha, Suécia e Hungria. Entre os temas que emergiram estava a percepção do medo, fenômeno crescente em vários níveis sociais. Precisamos dar às pessoas as ferramentas para reagir e enfrentar os riscos. Os relatórios também revelaram a consciência do aumento de sentimentos anticristãos, antijudaicos, islamofóbicos e, um fenômeno relativamente novo, sentimentos antibudistas. E são justamente os budistas que se perguntam como podemos ajudar a ensinar bondade, empatia, como ficar em paz. Compreender e saber o que acontece em outras comunidades é uma das formas de aumentar a solidariedade inter-religiosa, segundo alguns. Conexão, envolvimento, colaboração são outras palavras-chave expressas durante a conferência. O projeto SASCE está prestes a fechar. Qual será o próximo? Esta é uma das perguntas que aguardam resposta. Esperamos outros projetos e financiamentos, dada a importância do tema. As comunidades têm pedido por isso, para o maior interesse da sociedade como um todo. De fato, proteger comunidades de fé e prevenir riscos é um desafio que envolve todos. Os extremismos estão crescendo, as transformações da sociedade são cada vez mais bruscas e os ataques têm adquirido características mais sutis. Eles podem acontecer em qualquer lugar, em lugares grandes ou pequenos, nas cidades ou em qualquer outro lugar. As ameaças mudam de natureza, tanto por razões geopolíticas quanto por razões contingentes, em níveis micro. Estamos falando do comportamento de pessoas solteiras, de segurança local, interna e externa, de segurança suave. São questões sobre as quais, segundo os organizadores e participantes, é necessário sensibilizar todos os cidadãos, na sua totalidade. Entre os elementos de sucesso deste projeto: unidade. Trabalhar ativamente em conjunto, gerir ameaças, ser solidário com os outros, tudo isto representa uma força. E mesmo as ameaças internas podem ser mitigadas observando outras comunidades. É necessário também refletir sobre a própria identidade e a dos outros, aprofundar os elementos teológicos que levam a condenar ou justificar certas ações, buscar juntos como equilibrar as diversas instâncias. Outro ponto fundamental é representado pela análise das raízes do problema. A violência é um sintoma, mas de onde vem a radicalização e por quê? Como mitigá-lo? Nesses pontos, a proposta é clara: trabalhar na educação e nas escolas. Até as religiões parecem estar em competição, e isso é um problema. Através do projeto SASCE, as religiões estão juntas: é um grande sinal, dizem as organizações participantes: “Temos que entender e fazer as pessoas entenderem”. E precisamos fazer isso agora, porque o mundo mudou, as polarizações de cunho extremista, as narrativas políticas e sociais se exacerbaram. As igrejas estão em risco, as pessoas também. Não se trata apenas de ameaças físicas, mas também de ameaças verbais, situações que prejudicam a saúde mental ou emocional. Não esqueçamos que a violência ou ameaças contra imãs, rabinos, padres, pastores, voluntários e voluntárias estão aumentando. E depois há atos de vandalismo e roubos em locais religiosos e outras formas de ódio e abuso. Em resumo, não podemos deixar de tomar medidas imediatas contra todos os extremismos. A conferência de imprensa contou com a presença de: Elizabeta Kitanović – Secretário Executivo de Direitos Humanos do CEC. Ron Eichhorn – Presidente da União Budista Europeia. Aline Niddam – Chefe do escritório de segurança e crise do Congresso Judaico Europeu, pessoa de contato do SASCE. Ophir Revach – Diretor Executivo do Gabinete de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu. Yohan Benizri – Ex-presidente da Federação Belga de Organizações Judaicas, vice-presidente do Congresso Judaico Europeu e membro do executivo do Congresso Judaico Mundial. Fiyaz Mughal – Fundador da Faith Matters. Iman Atta – Fundador e diretor da Faith Matters. Para assistir a coletiva de imprensa, clique abaixo: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=CQU9Ah88aeY[/embed] SASCE O SASCE é um projeto dedicado à proteção de locais de culto e comunidades na Europa, fruto de uma parceria inter-religiosa entre o KEK e outras realidades de fé. Entre eles: Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu, Assuntos de Fé e União Budista Europeia. O projeto SASSE baseia-se nas melhores práticas recomendadas pela Comissão para a proteção dos espaços públicos da Europa, mas também no conhecimento e experiência da comunidade e grupos de segurança. Entre as ferramentas implementadas para esses objetivos: treinamento, cooperação, soluções tecnológicas. Esta parceria inter-religiosa recebeu uma doação de € 3 milhões da Comissão Europeia para a proteção de locais de culto na Europa. www.sasce.eu ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.