Franzoni, o ecumenismo e as igrejas ‘aproximadas’

Franzoni, o ecumenismo e as igrejas ‘aproximadas’

Roma (NEV), 12 de novembro de 2018 – A conferência “História e Profecia: O Legado de João Franzoni. A comunidade cristã de base de São Paulo comemora Giovanni Franzoni em seu nonagésimo aniversário”. Entre as várias iniciativas, uma mesa redonda na sala de teatro da Abadia de San Paolo fuori le Mura que contou com a presença do pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).

“Giovanni Franzoni foi certamente um mestre – começou Negro em seu discurso -. Tive o privilégio de trabalhar ao lado dele primeiro como jovem editor do Com Nuovi Tempi e depois como diretor do Confronti. Mestre em jornalismo e mestre em heresia; e depois um irmão mais velho na fé, que me ensinou sobretudo a sempre me questionar profundamente, a não me contentar com fórmulas óbvias, estereótipos. Me pediram para falar sobre o ecumenismo de Giovanni, o que não é fácil porque Franzoni pouco escreveu sobre ecumenismo e pouco se preocupou em teorizá-lo, mas o viveu, principalmente a partir daquela experiência de ecumenismo prático que foi a revista Com Nuovi Tempi”.

Negro passou então a citar um artigo do Confronti de 1991, intitulado “Por uma igreja aproximada”, no qual Franzoni refletia sobre a relação entre as comunidades populares e o protestantismo, a partir de seu discurso feito dias antes na Assembleia da FCEI em Santa Severa . Na nota Franzoni propôs uma nova classificação das igrejas sujeitas ao ecumenismo distinguindo entre igrejas dogmáticas, igrejas tautológicas e igrejas ‘aproximadas’. “Segundo João, somente as franjas ‘heréticas’ das igrejas podem tornar o ecumenismo real – disse Negro – porque colocam a abordagem do mistério da salvação manifestado no Evangelho acima da auto-reprodução ou conservação das igrejas eles mesmos. Comunidades de base e igrejas protestantes, nos moldes dessa igreja ‘aproximada’, poderiam e deveriam fazer mais juntas. Sonhava com uma espécie de federação, ou melhor, sonhava com nossas igrejinhas acolhendo as comunidades de base. Mas foi um sonho um tanto difícil de realizar. No entanto, acredito que sua visão de uma igreja ‘aproximada’ permanece muito atual”, concluiu.

A reunião também contou com a presença Luís Sandri, Paolo Lojudice, Alberto Melloni, Marinella Perroni, Ana Maria Marlia. O ator Marco Baliani leu trechos do livro de Franzoni “A terra é de Deus. Na sala, entre outros, o fundador do Centro Inter-religioso pela Paz (CIPAX) John Novelli e monsenhor Louis Bettazzi.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Construindo pontes.  Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas

Construindo pontes. Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas

Roma (NEV), 12 de junho de 2019 - O 18º seminário "Building Bridges" foi aberto ontem no Instituto Ecumênico Bossey em Genebra, Suíça, reunindo cerca de 30 estudiosos cristãos e muçulmanos internacionais até 15 de junho. O objetivo do seminário, intitulado "Liberdade: perspectivas muçulmanas e cristãs", é fortalecer o diálogo sobre o tema da liberdade - na relação entre a humanidade e Deus, entre as diferentes religiões e políticas, nas crenças pessoais e na esfera pública e entre indivíduos – explorando o papel histórico das comunidades de fé na abordagem desta questão. Building Bridges nasceu de um longo processo de diálogo teológico de alto nível entre ilustres estudiosos muçulmanos e cristãos. Lançado em 2002 pelo Arcebispo de Canterbury, é atualmente organizado pela Georgetown University em Washington DC, que convida estudiosos continuamente, mas também abrindo a cada ano alguns novos convidados, para ampliar gradualmente a comunidade. O Conselho Mundial de Igrejas (CMI) sediou a sessão de abertura do seminário. Entre os palestrantes, Tuba Işıkda Universidade de Paderborn, Rosalee Velloso Ewelldo Redcliffe College e Azza KaramNações Unidas, Vrije Universiteit Amsterdam. Para mais informações, contate: [email protected] O evento será transmitido ao vivo em: ...

Ler artigo
100 anos da Igreja Hussita Tchecoslovaca: aberta, gratuita, democrática

100 anos da Igreja Hussita Tchecoslovaca: aberta, gratuita, democrática

Foto Karel Cudlin / Igreja Hussita Tchecoslovaca Roma (NEV), 15 de janeiro de 2020 – A Conferência das Igrejas Europeias (KEK) expressou seus mais calorosos votos à Igreja Hussita da Tchecoslováquia, que é seu membro aderente. “É inspirador para nós testemunhar os 100 anos da Igreja Hussita Tchecoslovaca a serviço de Deus e da humanidade”, disse o secretário geral do CEC, Jørgen Skov Sørensen. “Com nossos irmãos e irmãs na República Tcheca, celebramos esta data juntos, agradecendo pelas contribuições históricas feitas à unidade cristã e à liberdade evangélica por esta igreja membro. Enviamos nossas orações por sua jornada ecumênica continuada”, acrescentou. Fundada em 1920, a Igreja Hussita Checoslovaca professa a antiga tradição do cristianismo primitivo, de Cirilo e Metódio, e refere-se aos ensinamentos de Jan Husda Reforma, da João Amós Comeniusdo movimento modernista e da herança espiritual e humanística de Tomáš Garrigue Masaryk. No dia 11 de janeiro, uma celebração foi realizada na igreja de São Nicolau em Praga. Mais estão planejados A Igreja Hussita da Checoslováquia, no contexto do seu aniversário, aprovou o documento "Igreja e sociedade", que entre outras coisas sublinha a sua característica de Igreja aberta à sociedade, aos valores da liberdade e da democracia, "consciente da sua proximidade vínculos com o judaísmo e a necessidade de buscar o entendimento entre as religiões e desenvolver o diálogo com a sociedade, que muitas vezes rejeita a religião a priori". A Igreja Hussita da Tchecoslováquia, diz o documento, cuida do mundo “na proclamação do Evangelho, por meio da pregação e do trabalho missionário, difundindo o conhecimento da Bíblia e cultivando o pensamento religioso, promovendo a teologia acadêmica, por meio da diaconia, atividades caritativas e sociais” com o objetivo de melhorar a qualidade de vida das pessoas, também por meio da educação e de atividades culturais. Jan Hus (1370-1415) foi um teólogo e mártir. Chegando a Constança com um salvo-conduto imperial para apresentar suas teses de reforma da igreja perante o Concílio reunido na cidade alemã, Hus foi preso, declarado herege e queimado na fogueira em 6 de julho de 1415. Considerado um expoente do chamado Primeira Reforma - isto é, a que precedeu a Reforma Protestante do século XVI e que incluiu também o movimento valdense medieval -, Jan Hus continua sendo uma figura chave na história da Boêmia e da Europa, tanto do ponto de vista cultural - por sua teologia, ideias filosóficas e educacionais - e históricas/políticas. ...

Ler artigo
Sínodo 2023. Alessandra Trotta: o Evangelho no centro

Sínodo 2023. Alessandra Trotta: o Evangelho no centro

Roma (NEV), 18 de agosto de 2023 – No coração dos vales valdenses, tudo está pronto para acolher os deputados do Sínodo. Em Torre Pellice, na província de Turim, chegam os vários representantes de toda a Itália e também do estrangeiro para este evento anual que representa o órgão máximo de governo da Igreja Evangélica Valdense – União das Igrejas Metodistas e Valdenses.O presidente do Sínodo, juntamente com a assembleia sinodal, construirão a agenda para o próximo ano. A democracia vivida e o Evangelho, o debate e a discussão sobre as linhas a seguir e sobre o compromisso eclesial e diaconal, estes são os fundamentos do Sínodo. O moderador, diácono Alessandra Trottasublinha algumas das palavras-chave sobre as quais se constrói o trabalho quotidiano das igrejas: visão de futuro, pluralidade de ministérios, colaboração e interligação, compromisso diaconal e humanitário, direitos, liberdade, aceitação. No relatório inicial que abrirá os trabalhos do Sínodo, consta também um memorando relativo ao 8 de Setembro de 1943, data em que o armistício de Cassibile com os anglo-americanos lançou as bases para o fim da história monárquica e liberal da Itália durante o Risorgimento. E deu impulso aos primeiros actos de resistência à ocupação nazi, resistência que de alguma forma representou o início da gestação daquilo que mais tarde se tornaria a república constitucional. “O dia 8 de setembro de 1943 também foi um momento fatídico para a nossa igreja. Foi realizado um sínodo muito curto, mas muito intenso pela qualidade do confronto entre diferentes visões teológicas, diferentes sensibilidades espirituais e posições políticas eclesiásticas” declarou Alessandra Trotta. Nesse contexto, continua o moderador, “algumas escolhas cruciais amadureceram para a vida de uma igreja que quer sempre colocar o evangelho no centro como instância crítica, que também encoraja a não se calar diante de tudo o que contradiz o seu coração”. . Uma Igreja que depois quis preparar-se para dar um contributo para a reconstrução do país, a começar pelas suas instituições democráticas. Esta importante passagem será recordada durante o Sínodo com um vídeo e uma pequena exposição”. A moderadora da Mesa Valdense Alessandra Trotta será convidada do Culto Evangélico no próximo domingo | Rai Radio 1 entrevistado por Gian Mário Gillio. O olhar civil da Igreja Valdense também será sublinhado por ocasião da visita do Presidente da República, Sérgio Mattarellano próximo dia 31 de agosto, por ocasião da inauguração de uma placa comemorativa da figura de Altiero Spinelli. Convidado na Torre Pellice da família valdense Mário Alberto Rollier, membro do Action Party, Spinelli, que há apenas oitenta anos em Torre Pellice fez o seu primeiro discurso como líder do Movimento Federalista Europeu, foi uma figura central na difusão da ideia do europeísmo. Entre 26 e 28 de agosto de 1943, a reunião de fundação da seção italiana do Movimento foi realizada na casa milanesa de Rollier, segundo um comunicado da Igreja Valdense. Para saber mais: A Europa de Rollier, um federalista valdense ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.