Igreja Evangélica Reformada na Suíça.  Um “Sínodo de crise” em andamento

Igreja Evangélica Reformada na Suíça. Um “Sínodo de crise” em andamento

Foto Gaëlle Courtens

Roma (NEV), 15 de junho de 2020 – O Sínodo da Igreja Evangélica Reformada na Suíça (ESRB) está em andamento em Berna.

De forma distanciada e respeitando as normas anticontágio, o primeiro Sínodo da Igreja Reformada na Suíça, antiga Federação das Igrejas Evangélicas Suíças (FCES), foi aberto com um discurso do presidente do Sínodo, pároco Pierre de Salisque falou de um “Sínodo de crise”.

“O debate promete ser animado, após a renúncia do presidente Gottfried Locher para questões a serem apuradas”, tuitou a jornalista do Voce evangelica Gaëlle Courtensque está acompanhando os trabalhos.

O Sínodo da ESRB será encerrado hoje, ocorrendo em um único dia conforme anunciado pela própria Igreja no final de abril, após a emergência do coronavírus.

O trabalho do Conselho foi complexo desde a manhã. Foi rejeitado um ponto de ordem sobre a possibilidade de reunião à porta fechada e que exigia uma maioria de dois terços. A transparência prevalece, apesar da dificuldade, que parece não desestabilizar a assembléia, convocada para discutir tanto questões processuais quanto o relatório da Comissão Examinadora, que avalia os trabalhos do Conselho.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Está em andamento o Sínodo do Rio de La Plata 2020. Entrevista com o moderador Tron

Está em andamento o Sínodo do Rio de La Plata 2020. Entrevista com o moderador Tron

Carola Tron - Foto de Nadia Angelucci Roma (NEV), 31 de janeiro de 2020 - O Sínodo da Igreja Valdense do Rio da Prata acontecerá no Uruguai de 1 a 3 de fevereiro, reunindo representantes das comunidades valdenses do Uruguai e da Argentina, juntamente com pastores e representantes de os trabalhos diaconais que a igreja realiza em ambos os países. Será um Sínodo temático sobre a educação na Igreja e seu valor para as comunidades evangélicas valdenses. Somente no último dia a comissão administrativa se reunirá para decidir sobre questões-chave. O Sínodo temático terá três momentos: no primeiro serão compartilhadas as experiências das comunidades, no segundo serão questionadas as diferentes formas de educar através de uma visão teológica e, finalmente, no terceiro momento serão buscadas ferramentas adequadas de Educação. “Criamos uma Comissão Sinodal de Educação Cristã que abordará uma reflexão sobre este tema a partir da experiência da comunidade, da interpretação teológica e do desafio de trabalhar este tema com uma leitura popular” disse-nos o moderador de la Mesa Valdense carola Tron contatada por telefone pela Agência Nev que lhe fez algumas perguntas. Quais são as questões críticas que as igrejas do terceiro milênio estão enfrentando? Quais são, na sua opinião, as soluções possíveis para essas questões críticas? A nova realidade que enfrentamos tem a ver com uma mudança de paradigma nas formas de ser igreja que questionam a própria instituição, a representação, o compromisso e as formas de participação. O núcleo que realiza as atividades foi bastante reduzido. Isso também muda nosso ponto de vista e há uma tendência de sobrecarregar os poucos que sobraram com trabalho para manter o negócio funcionando. Quando a comunidade que deu origem a uma estrutura se reduz, é preciso também repensar as formas de participação e as formas de ser uma comunidade de vida com espaços sustentáveis ​​e de verdadeira partilha. Temos que pensar em como estimular novas vocações que talvez tenham uma forma diferente daquelas que sempre conhecemos na esteira de nossa identidade protestante. Como você acha que a Igreja Valdense pode se relacionar com as mudanças políticas que estão ocorrendo no continente latino-americano? Estamos diante de um contexto muito efervescente, com mudanças políticas e sociais e grandes manifestações sobre temas centrais como direitos humanos, pobreza e necessidades básicas não atendidas. Registramos uma forte presença de setores fundamentalistas ligados a grupos que atuam fazendo lobby por determinadas políticas. Nesse sentido, nossa posição vem do Evangelho e é portadora de uma mensagem de inclusão, tolerância com a diversidade, ênfase nas minorias. É importante que a Igreja seja capaz de ter uma palavra profética sobre essas questões. No Uruguai estamos diante de uma nova presidência da república com uma importante mudança de linha política; na Argentina há um novo governo que enfrenta uma crise profunda. Nesse contexto, sinto que nosso papel é interpretar o evangelho para gerar comunidades inclusivas e amorosas. O moderador da Mesa Valdense participará do Sínodo do Rio da Prata Alessandra Trotta. Espera-se que muitos convidados estrangeiros participem dos procedimentos. ...

Ler artigo
Igrejas reformadas em todo o mundo.  Círculo de compartilhamento: Europa, racismos globais

Igrejas reformadas em todo o mundo. Círculo de compartilhamento: Europa, racismos globais

Banco de Imagens - CMCR Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2021 – A Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) lançou um “processo de discernimento”. É um ciclo de encontros online sobre o tema "COVID e além". A próxima “roda de partilha” realiza-se hoje, quarta-feira, dia 24 de fevereiro, a partir das 15h00 (CET). “A ideia do círculo de partilha – escreve o CMCR – é manifestar-se sobre temas de particular urgência no contexto da pandemia da COVID-19 e das injustiças a que ela expõe. A intenção é gerar ideias sobre como a Comunhão, em todos os níveis, deve responder à crise”. Racismo, autoritarismo e nacionalismo Esta sessão centrar-se-á nas apresentações do CMCR-Europa e do processo RAN (racismo, autoritarismo e nacionalismo). Representantes das igrejas reformadas europeias falarão partindo deste conceito: “Não tenha medo em tempos de pandemia”. A pandemia tem um impacto econômico especialmente nos mais pobres. “As igrejas – prossegue o CMCR – são chamadas a reconsiderar o papel que podem desempenhar nas sociedades secularizadas, transmitindo uma mensagem profética sobre temas como o Estado de direito e a democracia, as normas sanitárias e a proteção dos pobres”. Os palestrantes do processo RAN abordarão o aumento crescente e muitas vezes violento de ideologias racistas. Tais ideologias, argumenta a Comunhão, são frequentemente alimentadas por discursos nacionalistas. “As forças de direita, alimentadas por ideologias racistas e quase fascistas, têm-se afirmado tanto na vida política como na política em muitas partes do mundo”, denuncia o CMCR. Na conversa, será dada voz às comunidades vítimas da racialização ao redor do mundo, explorando as conexões entre racismo, autoritarismo e nacionalismo. Entre os pilares, as teologias da vida nos movimentos populares, que oferecem “a possibilidade de resistência e transformação”. O círculo de compartilhamento será transmitido ao vivo nas páginas do CMCR no Facebook, em inglês, francês, espanhol e postado no canal WCRC no YouTube. Você pode participar com comentários e mensagens escrevendo para este endereço de e-mail: [email protected] “O que Deus quer de nós? Discernir, confessar e testemunhar no tempo do COVID-19 e além." É o processo de discernimento, com duração de um ano, tendo em vista o encontro presencial previsto para o final de 2021. O caminho culminará com a confissão coletiva da Comunhão por ocasião da Assembleia Geral de 2024, intitulada “Um Deus de vida”. Mais informações estão disponíveis em wcrc.ch/require. ...

Ler artigo
Uma pesquisa relata a acolhida mútua da “Ceia do Senhor”

Uma pesquisa relata a acolhida mútua da “Ceia do Senhor”

Roma (NEV), 12 de novembro de 2021 - Recebemos e publicamos alguns resultados parciais do questionário que explora as práticas de aceitação mútua da Eucaristia católica e da Santa Ceia protestante. Proposto online pelo boletim “Hospitalidade Eucarística” em setembro passado, embora já circulasse em papel desde 2017, o questionário conta um recorte do “caminho ecumênico”. Partimos de uma base de cerca de cem participantes, 58% dos quais se declaram católicos. 22% são valdenses e metodistas, enquanto os 20% restantes são batistas ou outras denominações. 63% responderam do norte da Itália. A grande maioria dos que responderam ao questionário são “membros da igreja”. Depois, há padres, pastores e pastores; depois os pregadores locais, diáconos e freiras. A maioria, em todos os grupos denominacionais representados, declara ter interesse em participar de grupos de acolhida eucarística. Cerca de metade das pessoas que participaram no inquérito, por cada grupo confessional, participa em momentos de acolhida eucarística, de forma regular ou esporádica devido à pandemia. 17% do total declaram não ter interesse em praticar a hospitalidade eucarística. Unidade dos cristãos, entre a percepção e os desejos No entanto, esses dados, em sua pequena escala (pois são coletados em um contexto limitado), fornecem uma imagem interessante. Partindo de um ponto de vista informado sobre esse tipo de prática, esses dados nos falam sobre a percepção e os desejos dos crentes que caminham juntos e se questionam sobre os temas da fé, suas respectivas teologias e doutrinas e espiritualidade. Por fim, a pergunta sobre o significado pessoal da experiência expressa as intenções daqueles que abordam esse tema. A hospitalidade eucarística é vista principalmente como um sinal de unidade cristã, a ser praticada imediatamente. Para outros é um "viático" para a unidade. O número de pessoas que consideram a hospitalidade eucarística como "ponto de chegada" é quase irrelevante. Para aqueles que desejam participar da pesquisa, ainda é possível preencher o questionário. Para informações escreva para:[email protected] “Hospitalidade Eucarística” O boletim "Hospitalidade Eucarística" é editado por alguns membros do grupo ecumênico "Spezzare il pane", que inclui alguns crentes protestantes e católicos. O grupo, nascido no âmbito ecumênico em 2011 em Turim, envolve igrejas, mosteiros e paróquias.“O termo 'hóspede' indica tanto aquele que oferece hospitalidade como aquele que a recebe, pois ambos os sujeitos, embora com papéis diferentes, estão unidos por um valor superior: a hospitalidade – lê-se no subtítulo da folha -. Portanto, a 'hospitalidade eucarística' é uma forma de dizer que todos somos hóspedes do único Senhor que nos acolhe e acolhe com todas as nossas diferenças. A Ceia pertence ao Senhor, não às Igrejas”. Para saber mais: Faça o download do Edição de novembro da Hospitalidade Eucarística que contém, entre outras coisas, o relatório do encontro ecumênico do mês passado com o bispo Derio Olivero. A reunião contou com a presença de numerosos representantes da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE). É justamente dentro da SAE que o boletim foi pensado. Também estava presente o recém-eleito presidente, o pregador valdense local Erica Sfredda. Na edição de novembro, também há um artigo sobre a hospitalidade eucarística em um casal inter-religioso. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.