Igrejas reformadas suíças.  Um Sínodo extraordinário em setembro

Igrejas reformadas suíças. Um Sínodo extraordinário em setembro

Foto ESRB-Flickr

Roma (NEV), 17 de junho de 2020 – O primeiro Sínodo da Igreja Evangélica Reformada na Suíça (ESRB) foi encerrado no Kursaal em Berna. Participaram 26 igrejas-membro, representadas por 81 pessoas, das quais 75 com direito a voto.

Entre as decisões mais salientes do Sínodo, a de planejar um Sínodo extraordinário em setembro e a fusão dos dois organismos protestantes suíços de ajuda humanitária “Pão para todos” e “Ajuda das Igrejas Evangélicas Suíças” (ACES – Hilfswerk Evangelischer Kirchen Schweiz – HEKS) . A fusão oficial entrará em vigor a partir de 1º de janeiro de 2022, sujeita à aprovação dos estatutos da nova fundação pelo Conselho Federal de Supervisão de Fundações.

Foto ESRB-Flickr

Os trabalhos foram condicionados pela recente demissão do presidente Gottfried Locher e o vereador Sabine Brandlin. O Sínodo criou uma comissão temporária de inquérito, encarregada de conduzir uma investigação interna e externa sobre um suposto assédio do ex-presidente contra um ex-funcionário da Igreja.

Para completar as discussões deixadas em aberto sobre estratégias futuras, foram agendadas mais três sessões: além do Sínodo extraordinário em setembro, que ainda está sendo definido, o Sínodo se reunirá novamente de 1 a 3 de novembro de 2020 em Berna e depois em junho e em novembro de 2021, em Sion e Berna, respectivamente.

O primeiro Sínodo da CERS, antiga Federação das Igrejas Evangélicas Suíças (FCES), foi realizado em um único dia e em modo distanciado após a emergência do coronavírus e foi aberto com um discurso do presidente do Sínodo, pároco Pierre de Salisque falou de um “Sínodo de crise em tempos de crise”.

Para mais informações:

leia o relatório final no site do ESRB (em alemão ou francês)

leia o artigo sobre Voce evangelica Sínodo de crise em tempos de crise

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Comunidades mais seguras e fortes na Europa.  As religiões trabalham juntas

Comunidades mais seguras e fortes na Europa. As religiões trabalham juntas

Imagens retiradas de www.sasce.eu/safety-security-guides/ Roma (NEV), 25 de outubro de 2022 – A coletiva de imprensa do projeto “Comunidades mais seguras e fortes na Europa - SASCE” terminou há pouco. Realizado pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia, o projeto visa aumentar a segurança dentro e fora dos locais de culto, bem como dentro e entre comunidades cristãs, budistas, muçulmanas e judaicas comunidades na Europa. A conferência de imprensa, organizada em conjunto com parceiros da União Europeia, apresentou o SASCE como “o único projeto transversal às várias comunidades de fé que disponibiliza ferramentas e práticas para a segurança de espaços públicos e instituições religiosas cristãs, muçulmanas, budistas e judaicas”. Ponto de partida da conferência, os dados sobre o aumento do extremismo e dos crimes de ódio na Europa. Estruturada como uma mesa redonda, a conferência destacou os desafios de segurança e destacou a importância de continuar trabalhando juntos. Atualmente, 15 países europeus estão envolvidos no projeto: Áustria, Bélgica, Croácia, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Itália, Holanda, Polônia, Portugal, Espanha, Suécia e Hungria. Entre os temas que emergiram estava a percepção do medo, fenômeno crescente em vários níveis sociais. Precisamos dar às pessoas as ferramentas para reagir e enfrentar os riscos. Os relatórios também revelaram a consciência do aumento de sentimentos anticristãos, antijudaicos, islamofóbicos e, um fenômeno relativamente novo, sentimentos antibudistas. E são justamente os budistas que se perguntam como podemos ajudar a ensinar bondade, empatia, como ficar em paz. Compreender e saber o que acontece em outras comunidades é uma das formas de aumentar a solidariedade inter-religiosa, segundo alguns. Conexão, envolvimento, colaboração são outras palavras-chave expressas durante a conferência. O projeto SASCE está prestes a fechar. Qual será o próximo? Esta é uma das perguntas que aguardam resposta. Esperamos outros projetos e financiamentos, dada a importância do tema. As comunidades têm pedido por isso, para o maior interesse da sociedade como um todo. De fato, proteger comunidades de fé e prevenir riscos é um desafio que envolve todos. Os extremismos estão crescendo, as transformações da sociedade são cada vez mais bruscas e os ataques têm adquirido características mais sutis. Eles podem acontecer em qualquer lugar, em lugares grandes ou pequenos, nas cidades ou em qualquer outro lugar. As ameaças mudam de natureza, tanto por razões geopolíticas quanto por razões contingentes, em níveis micro. Estamos falando do comportamento de pessoas solteiras, de segurança local, interna e externa, de segurança suave. São questões sobre as quais, segundo os organizadores e participantes, é necessário sensibilizar todos os cidadãos, na sua totalidade. Entre os elementos de sucesso deste projeto: unidade. Trabalhar ativamente em conjunto, gerir ameaças, ser solidário com os outros, tudo isto representa uma força. E mesmo as ameaças internas podem ser mitigadas observando outras comunidades. É necessário também refletir sobre a própria identidade e a dos outros, aprofundar os elementos teológicos que levam a condenar ou justificar certas ações, buscar juntos como equilibrar as diversas instâncias. Outro ponto fundamental é representado pela análise das raízes do problema. A violência é um sintoma, mas de onde vem a radicalização e por quê? Como mitigá-lo? Nesses pontos, a proposta é clara: trabalhar na educação e nas escolas. Até as religiões parecem estar em competição, e isso é um problema. Através do projeto SASCE, as religiões estão juntas: é um grande sinal, dizem as organizações participantes: “Temos que entender e fazer as pessoas entenderem”. E precisamos fazer isso agora, porque o mundo mudou, as polarizações de cunho extremista, as narrativas políticas e sociais se exacerbaram. As igrejas estão em risco, as pessoas também. Não se trata apenas de ameaças físicas, mas também de ameaças verbais, situações que prejudicam a saúde mental ou emocional. Não esqueçamos que a violência ou ameaças contra imãs, rabinos, padres, pastores, voluntários e voluntárias estão aumentando. E depois há atos de vandalismo e roubos em locais religiosos e outras formas de ódio e abuso. Em resumo, não podemos deixar de tomar medidas imediatas contra todos os extremismos. A conferência de imprensa contou com a presença de: Elizabeta Kitanović – Secretário Executivo de Direitos Humanos do CEC. Ron Eichhorn – Presidente da União Budista Europeia. Aline Niddam – Chefe do escritório de segurança e crise do Congresso Judaico Europeu, pessoa de contato do SASCE. Ophir Revach – Diretor Executivo do Gabinete de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu. Yohan Benizri – Ex-presidente da Federação Belga de Organizações Judaicas, vice-presidente do Congresso Judaico Europeu e membro do executivo do Congresso Judaico Mundial. Fiyaz Mughal – Fundador da Faith Matters. Iman Atta – Fundador e diretor da Faith Matters. Para assistir a coletiva de imprensa, clique abaixo: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=CQU9Ah88aeY[/embed] SASCE O SASCE é um projeto dedicado à proteção de locais de culto e comunidades na Europa, fruto de uma parceria inter-religiosa entre o KEK e outras realidades de fé. Entre eles: Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu, Assuntos de Fé e União Budista Europeia. O projeto SASSE baseia-se nas melhores práticas recomendadas pela Comissão para a proteção dos espaços públicos da Europa, mas também no conhecimento e experiência da comunidade e grupos de segurança. Entre as ferramentas implementadas para esses objetivos: treinamento, cooperação, soluções tecnológicas. Esta parceria inter-religiosa recebeu uma doação de € 3 milhões da Comissão Europeia para a proteção de locais de culto na Europa. www.sasce.eu ...

Ler artigo
Corredores humanitários Síria, chegada hoje do Líbano

Corredores humanitários Síria, chegada hoje do Líbano

Roma (NEV), 25 de novembro de 2022 – Farid tem 38 anos, passou muito tempo, cerca de quatro anos, em uma prisão síria, por motivos políticos. Ele tem duas filhas pequenas, de 7 e 5 anos. Enquanto ele estava sob custódia, sua esposa foi morta, um míssil atingiu sua casa. Hoje ele chega à Itália, junto com sua nova companheira e as meninas, graças a um corredor humanitário do Líbano, país onde se refugiou. Eles irão morar na Calábria. Talvez consiga voltar ao seu esporte favorito, o karatê, do qual também foi treinador. Bem-vindo bem vindo. Abaixo os dados dos corredores do Líbano: Para saber mais: ...

Ler artigo
Ele perguntou a eles em face da riqueza, da pobreza e dos bens da terra

Ele perguntou a eles em face da riqueza, da pobreza e dos bens da terra

Roma (NEV), 23 de julho de 2019 - A 56ª sessão de formação ecumênica da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) foi aberta ontem em Assis. Cerca de 200 participantes de toda a Itália estão reunidos até 27 de julho sobre o tema "As igrejas diante da riqueza, da pobreza e dos bens da terra". “O abismo que separa pobres e ricos é cada vez mais profundo. Quem vai preenchê-lo? Este compromisso comum dos cristãos aliviará nossas divisões”, escreveu o monsenhor Ambrogio Spreaficobispo de Frosinone-Veroli-Ferentino, em mensagem lida pelo presidente da SAE, Pedro Stefanina abertura da reunião. O bispo recordou a experiência dos corredores humanitários, “nascidos e criados em fraterna colaboração ecumênica”. A SAE dedicou duas sessões ao tema da relação das igrejas com a riqueza e a pobreza: “É um tema que divide as igrejas pelas escolhas que fazem para lidar com isso. Muitas vezes ações antitéticas comparadas ao mesmo Evangelho ouvido. E as igrejas muitas vezes falaram dos pobres, mas não ouviram sua voz, não abriram espaços inclusivos”, diz o comunicado da SAE. Citando o economista Luigino Bruni, Stefani recordou que "não só os pobres precisam de ajuda, como escreve o proponente da 'economia de comunhão', mas precisam ser levados a sério como sujeitos e como pessoas pensantes" e falou sobre como fazer uma "escolha preferencial a favor dos pobres". Apenas em Assis no próximo ano haverá uma grande conferência desejada pelo Papa Francisco, por sugestão do próprio Luigino Bruni, "Economia de Francesco". Ontem vi os relatórios de Hans Gutiérrez Salazarda Faculdade de Teologia Adventista, que falou da divisão intransponível entre o norte e o sul do mundo que "não é apenas um fosso económico cada vez mais radicalizado", mas também um fosso de visão, entre "uma forma 'europeia', nascida na modernidade e com o mito do progresso a todo custo, que exclui outras civilizações consideradas primitivas e da natureza, e uma sociedade de equilíbrio, que valoriza as pessoas, que prefere cuidar dos relacionamentos à aceleração e hipertrofia do ego" . Vicente I. Ifeme, delegado do ecumenismo da diocese de San Benedetto del Tronto-Ripatransone-Montalto, trouxe o testemunho de "um homem entre dois mundos, Itália e Nigéria, partindo da discriminação econômica, da falta de justiça, de um neocolonialismo generalizado disfarçado, pela corrupção dos governantes. A África como o paradoxo de um continente rico afundando na pobreza e no qual os conflitos tribais e políticos são muitas vezes confundidos com conflitos religiosos”. Mesmo as igrejas, observa Ifeme, têm a responsabilidade de não estarem do lado dos pobres. Mas a África “também é bonita, forte, resiliente, espiritual. A resposta para seus muitos problemas deve vir de suas qualidades mais positivas. À tarde, o monge falou Guido Dotti e o pastor luterano Eva Guldanova. Os trabalhos prosseguem até 27 de julho e incluem, além de inúmeras reportagens, reflexões, debates e momentos de oração, também oficinas sobre ricos e pobres no cinema, sobre justiça, paz e proteção da criação, sobre velhas e novas pobrezas , novas formas econômicas, justiça e vida das mulheres. Muitas propriedades protestantes, incluindo a de Gianna Urziojornalista valdense; Luciano Zappellaestudioso bíblico valdense; William Jourdanpastor valdense; Cláudio Garroneauditor ambiental valdense; Dorothee Mackpastora valdense; Ulrike Jourdanpastor metodista; Gabriela Liopastor batista e presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI); Erica Sfreddapregador valdense; Giuseppina Bagnatopastora valdense; David Romanopastor adventista; Elizabeth Ribetteólogo valdense. Quinta-feira 25 de julho um dia sobre "O Deus dos pobres" com a mesa redonda "Somos mendigos isso é verdade", com Anna Foada Universidade "La Sapienza" de Roma, Yassine Laframpresidente da União das Comunidades Islâmicas da Itália (UCOII), Stephanie Monti do mosteiro capuchinho Clarisse de Fiera di Primiero e o teólogo valdense Paulo rico. Baixe a programação completa clicando AQUI. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.