Igrejas reformadas suíças.  Um Sínodo extraordinário em setembro

Igrejas reformadas suíças. Um Sínodo extraordinário em setembro

Foto ESRB-Flickr

Roma (NEV), 17 de junho de 2020 – O primeiro Sínodo da Igreja Evangélica Reformada na Suíça (ESRB) foi encerrado no Kursaal em Berna. Participaram 26 igrejas-membro, representadas por 81 pessoas, das quais 75 com direito a voto.

Entre as decisões mais salientes do Sínodo, a de planejar um Sínodo extraordinário em setembro e a fusão dos dois organismos protestantes suíços de ajuda humanitária “Pão para todos” e “Ajuda das Igrejas Evangélicas Suíças” (ACES – Hilfswerk Evangelischer Kirchen Schweiz – HEKS) . A fusão oficial entrará em vigor a partir de 1º de janeiro de 2022, sujeita à aprovação dos estatutos da nova fundação pelo Conselho Federal de Supervisão de Fundações.

Foto ESRB-Flickr

Os trabalhos foram condicionados pela recente demissão do presidente Gottfried Locher e o vereador Sabine Brandlin. O Sínodo criou uma comissão temporária de inquérito, encarregada de conduzir uma investigação interna e externa sobre um suposto assédio do ex-presidente contra um ex-funcionário da Igreja.

Para completar as discussões deixadas em aberto sobre estratégias futuras, foram agendadas mais três sessões: além do Sínodo extraordinário em setembro, que ainda está sendo definido, o Sínodo se reunirá novamente de 1 a 3 de novembro de 2020 em Berna e depois em junho e em novembro de 2021, em Sion e Berna, respectivamente.

O primeiro Sínodo da CERS, antiga Federação das Igrejas Evangélicas Suíças (FCES), foi realizado em um único dia e em modo distanciado após a emergência do coronavírus e foi aberto com um discurso do presidente do Sínodo, pároco Pierre de Salisque falou de um “Sínodo de crise em tempos de crise”.

Para mais informações:

leia o relatório final no site do ESRB (em alemão ou francês)

leia o artigo sobre Voce evangelica Sínodo de crise em tempos de crise

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

16 dias para superar a violência, 14º dia.  Aproveite em nome de Jesus

16 dias para superar a violência, 14º dia. Aproveite em nome de Jesus

FILIPPO BERTA, À NOSSA IMAGEM E SEMELHANÇA, 2017. Foto de Elena Ribet Roma (NEV), 8 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 14: 8 DE DEZEMBRO Aproveite em nome de Jesus SOLICITARdiscutir Por que tanto desprezo eexploração das mulheres pelos religiosos cristãos? Gabriela65 anos, Bolívia Aos 12 anos, alguns padres de Buenos Aires vieram à igrejinha da minha aldeia na Bolívia; junto com nosso pároco convenceram minha mãe a me deixar partir com eles para aquela cidade distante. Eu tinha, diziam, “vocação para a santidade, para servir a Deus”, faziam-me estudar, desenvolver os meus dons. Nunca estudei, tive de trabalhar durante 50 anos como servente em residências de membros do Opus Dei, sem remuneração, até 15 horas por dia; Nunca tomei banho quente e todos os dias fui forçado a "orações" exaustivas e autoflagelação.Nos muitos séculos de sua história, a Igreja compartilhou uma visão patriarcal do mundo que favoreceu diversas formas de submissão, escravização, exploração, discriminação da mulher, dentro e fora da Igreja. Ainda hoje, depois das pequenas-grandes conquistas das teólogas feministas desde a década de 1970, a mentalidade e a teologia sexistas feitas de estereótipos e preconceitos continuam à espreita nas dobras das estruturas eclesiásticas, produzindo violência de gênero, especialmente contra as pessoas mais frágeis. Apesar de alguns passos tímidos no reconhecimento da dignidade da mulher pelo Papa Francisco, o dia em que a Igreja reconhecerá seu próprio pecado de indiferença, silêncio e cumplicidade ocasional com suas estruturas machistas ainda parece distante. Em 2 de agosto de 2022, a ADISTA deu a notícia de 43 corajosas mulheres latino-americanas que ousaram denunciar os abusos de "tráfico de pessoas, exploração e escravização" perpetrados pelo poderoso Opus Dei. Lendo os detalhes, é difícil acreditar na data. proposta de visão MADALENA dirigido por Peter Mullan Reino Unido, 2002, 114' Uma lúcida acusação contra aqueles que, em nome da religião, causaram humilhação e sofrimento a milhares de meninas na Irlanda nos anos 60. Bibliografia A.VV., A Itália das mulheres. Setenta anos de luta e conquistas, Donzelli, 2018, pp. 344, 28,50 euros.Valentina Camerini (autor) Veronica Carradizer (ilustrador), As mais belas histórias de mulheres corajoso, Gribaudo, 2019, pp.186, euro 12, 66.Coletivo Feminista de Boston, nós e os nossos corpo, Feltrinelli, Milão, 1977, 19,90 euros.Malalai Joya, Enquanto eu tiver voz - minha luta contra senhores da guerra e a opressão de Mulheres afegãs, Piemme, 2011, pp. 321, euros 5, 25.Azar Nafisi, Lendo Lolita em Teerã, Adelphi, 2007, pág. 379, 12,35 euros.Taty Almeida, Massimo Carlotto, Renzo Sicco, O Quinta-feira das Madres de Plaza de Majo, Claudiana, Turim, 2019, pp.202, Euro 14, 90.Caroline Criado Perez, Invisível. como nosso mundo ignora as mulheres em todos os campos. Dados em mão, Einaudi, Turim, 2020, pp. 472, 18,52 euros.Federica Tourn, Vire o mundo de cabeça para baixo. os movimentosde mulheres e política, edições Aut Aut, 2020, pp. 300, 16 euros. VERSÍCULO BÍBLICO Andem como filhos (filhas) da luz, pois o fruto da luz consiste em tudo o que é bondade, justiça e verdade (Efésios 5, 8-9) COMENTE A ordem de Jesus "ide e pregai o evangelho a toda criatura" se manifesta no serviço a Deus e ao próximo. O "serviço" realiza-se tornando visível ao mundo a luz de Cristo e os seus frutos de bondade, justiça e verdade!Se a realidade social ainda mostra hoje em 2022 atitudes de exploração e discriminação de gênero, dentro e fora da Igreja, isso significa que somos chamados a nos comportar como filhos da luz, pela autoridade que nos é dada por Deus; temos a urgência de continuar, sem nos cansar, de não ficar parados em silêncio confortável para nos opor, quebrar, vencer todas as formas de violência. ORAÇÃO Em nome de Jesus Cristo,nós te pedimos Senhorpara nos apoiar e acompanharno trabalho que você nos confiou.Faça-nos dignos de ser seufilhas capazes da luzpara espalhar a sua verdade para o mundomensagem de amor, justiça e verdade.Amém. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo
Ele perguntou a eles em face da riqueza, da pobreza e dos bens da terra

Ele perguntou a eles em face da riqueza, da pobreza e dos bens da terra

Roma (NEV), 23 de julho de 2019 - A 56ª sessão de formação ecumênica da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) foi aberta ontem em Assis. Cerca de 200 participantes de toda a Itália estão reunidos até 27 de julho sobre o tema "As igrejas diante da riqueza, da pobreza e dos bens da terra". “O abismo que separa pobres e ricos é cada vez mais profundo. Quem vai preenchê-lo? Este compromisso comum dos cristãos aliviará nossas divisões”, escreveu o monsenhor Ambrogio Spreaficobispo de Frosinone-Veroli-Ferentino, em mensagem lida pelo presidente da SAE, Pedro Stefanina abertura da reunião. O bispo recordou a experiência dos corredores humanitários, “nascidos e criados em fraterna colaboração ecumênica”. A SAE dedicou duas sessões ao tema da relação das igrejas com a riqueza e a pobreza: “É um tema que divide as igrejas pelas escolhas que fazem para lidar com isso. Muitas vezes ações antitéticas comparadas ao mesmo Evangelho ouvido. E as igrejas muitas vezes falaram dos pobres, mas não ouviram sua voz, não abriram espaços inclusivos”, diz o comunicado da SAE. Citando o economista Luigino Bruni, Stefani recordou que "não só os pobres precisam de ajuda, como escreve o proponente da 'economia de comunhão', mas precisam ser levados a sério como sujeitos e como pessoas pensantes" e falou sobre como fazer uma "escolha preferencial a favor dos pobres". Apenas em Assis no próximo ano haverá uma grande conferência desejada pelo Papa Francisco, por sugestão do próprio Luigino Bruni, "Economia de Francesco". Ontem vi os relatórios de Hans Gutiérrez Salazarda Faculdade de Teologia Adventista, que falou da divisão intransponível entre o norte e o sul do mundo que "não é apenas um fosso económico cada vez mais radicalizado", mas também um fosso de visão, entre "uma forma 'europeia', nascida na modernidade e com o mito do progresso a todo custo, que exclui outras civilizações consideradas primitivas e da natureza, e uma sociedade de equilíbrio, que valoriza as pessoas, que prefere cuidar dos relacionamentos à aceleração e hipertrofia do ego" . Vicente I. Ifeme, delegado do ecumenismo da diocese de San Benedetto del Tronto-Ripatransone-Montalto, trouxe o testemunho de "um homem entre dois mundos, Itália e Nigéria, partindo da discriminação econômica, da falta de justiça, de um neocolonialismo generalizado disfarçado, pela corrupção dos governantes. A África como o paradoxo de um continente rico afundando na pobreza e no qual os conflitos tribais e políticos são muitas vezes confundidos com conflitos religiosos”. Mesmo as igrejas, observa Ifeme, têm a responsabilidade de não estarem do lado dos pobres. Mas a África “também é bonita, forte, resiliente, espiritual. A resposta para seus muitos problemas deve vir de suas qualidades mais positivas. À tarde, o monge falou Guido Dotti e o pastor luterano Eva Guldanova. Os trabalhos prosseguem até 27 de julho e incluem, além de inúmeras reportagens, reflexões, debates e momentos de oração, também oficinas sobre ricos e pobres no cinema, sobre justiça, paz e proteção da criação, sobre velhas e novas pobrezas , novas formas econômicas, justiça e vida das mulheres. Muitas propriedades protestantes, incluindo a de Gianna Urziojornalista valdense; Luciano Zappellaestudioso bíblico valdense; William Jourdanpastor valdense; Cláudio Garroneauditor ambiental valdense; Dorothee Mackpastora valdense; Ulrike Jourdanpastor metodista; Gabriela Liopastor batista e presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI); Erica Sfreddapregador valdense; Giuseppina Bagnatopastora valdense; David Romanopastor adventista; Elizabeth Ribetteólogo valdense. Quinta-feira 25 de julho um dia sobre "O Deus dos pobres" com a mesa redonda "Somos mendigos isso é verdade", com Anna Foada Universidade "La Sapienza" de Roma, Yassine Laframpresidente da União das Comunidades Islâmicas da Itália (UCOII), Stephanie Monti do mosteiro capuchinho Clarisse de Fiera di Primiero e o teólogo valdense Paulo rico. Baixe a programação completa clicando AQUI. ...

Ler artigo
Eu tenho um sonho.  60 anos após o discurso de Martin Luther King

Eu tenho um sonho. 60 anos após o discurso de Martin Luther King

Roma (NEV), 28 de agosto de 2023 – Ontem, em Jacksonville, Flórida, um homem branco matou três afro-americanos antes de atirar em si mesmo. Joe Biden condenou o incidente e lamentou que o crime tenha ocorrido precisamente no 60º aniversário da Marcha em Washington contra o racismo, onde o pastor baptista Martin Luther King Júnior. proferiu o histórico discurso “Eu tenho um sonho”. “Devemos dizer em alto e bom som que não há lugar para a supremacia branca na América. Devemos recusar viver num país onde as famílias vão às compras ou à escola com medo de serem mortas pela cor da sua pele”, declarou o presidente dos EUA. Hoje Biden e o vice-presidente Kamala Harris eles conhecerão a família de Martin Luther King. Todos os filhos do líder dos direitos civis foram convidados para a comemoração. AQUI o vídeo e o texto do famoso discurso de King. Ao lembrarmos o #MarchonWashington, devemos todos unir-nos para defender as exigências de há 60 anos que ainda não foram satisfeitas. Junte-se a milhares de pessoas em Washington neste sábado para levantar o chamado. - Rev. William J. Barber II (@RevDrBarber) 24 de agosto de 2023 Para saber mais: "Martin Luther King. Uma história americana”, de Paolo Naso, ed. O terceiro ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.