#Kairos vence o prémio Tertio Millennio 2018

#Kairos vence o prémio Tertio Millennio 2018

Roma (NEV), 17 de dezembro de 2018 – “Kairós”, De Paulo Barakat, é o vencedor da XXII edição do Tertio Millennio Film Fest, um festival de diálogo inter-religioso que este ano teve como tema “Os dias da revolta. Guerra, revolução e redenção”.

Para o documentário “Fortaleza Mãe”De Maria Luísa ForenzaMenção especial. A cerimônia de premiação foi realizada no sábado, 15 de dezembro, em Roma, no cinema Trevi. Os prêmios foram atribuídos pelo júri inter-religioso presidido por Claudia DiGiovanni.

“O filme é sobre Danny, um menino com síndrome de Down, ex-campeão de ginástica artística, que limpa uma academia de boxe, mas sonha em entrar no ringue – diz Elena Ribet, no júri da Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi” -. Um segredo mudará seu destino. Filme xamânico, inovador, desafiador, onde o protagonista é interpretado por Chris Buntonator que sofre de trissomia 21, e onde a dimensão do tempo é suspensa em kairosna fronteira entre o momento supremo e o infinito, onde há amor e vida”.

O XXII Tertio Millennio Film Fest, organizado pela Fondazione Ente dello Spettacolo (FEdS), representa uma oportunidade de diálogo inter-religioso e intercultural entre as comunidades católica, protestante, ortodoxa, judaica e islâmica. “Foram 9 filmes em competição, vindos de lugares muito distantes. Abordaram temas candentes sobre os quais muitas vezes estamos divididos: guerra, fundamentalismo religioso, família, hospitalidade, diálogo. São temas sobre os quais o festival quis antes promover um diálogo para passar uma mensagem importante: o cinema aproxima-nos”, lê-se no comunicado final da iniciativa.

Leis aqui todas as tramas dos 9 filmes em competição.

Estas são as razões do júri:

Kairóspor Paulo Barakat. Drama, Austrália; 2018 – 87′

Kairós destrói o estereótipo da síndrome de Down como uma limitação física, mental, psicológica, relacional e social. Mas Kairos também nos mostra os diferentes níveis de amor e amizade, com todas as distorções que a fraqueza humana traz consigo. Por fim, ele nos revela como só se pode amar o próximo amando a si mesmo primeiro: a verdadeira força existencial está na coragem de ser fiel aos próprios valores e visões, em aceitar as derrotas e aprender com elas, no amor próprio que leva a evoluir, a se redimir, a se aprimorar e a ser um bom exemplo de vida para os outros.

Mãe Fortaleza, por Maria Luísa Forenza. Documentário, Itália, Síria; 2018 – 78′

Neste documentário, emerge a habilidade do diretor em criar passagens de luz no drama da guerra na Síria. Apesar do tempo das bombas, da violência, da agonia dos sobreviventes diante dos mortos e da morte, apesar de tudo, os reflexos do espírito estão vivos, do desespero que se torna esperança, do horror que se torna perdão, da resignação inerte que se torna obstinação por um projeto maior de partilha, redenção de amor, paz, fraternidade e irmandade.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Semana dos Direitos celebrada pelos batistas italianos

Semana dos Direitos celebrada pelos batistas italianos

O tema da Semana, que será celebrada de 6 a 11 de abril, é o direito à educação e à instrução. “Este ano – lê-se numa carta enviada às igrejas pelo Departamento – queremos chamar a atenção das comunidades para a questão do direito à educação e à instrução. O mundo inteiro tomou consciência dramaticamente da grande disparidade que ainda habita nossa sociedade. É difícil garantir o mesmo direito à educação para todos. Um direito que desempenha um papel fundamental na afirmação de todos os outros direitos. E isso de alguma forma os protege. De fato, muitos falam de paz e justiça. Mas devemos ser capazes de nos dar cursos de formação, um caminho, uma escola que eduque homens e mulheres para a paz e a justiça”. Devido à pandemia, o aniversário também acontecerá eletronicamente este ano. “Mas isso não deve nos desanimar”, escreve novamente o Departamento de Evangelização. Uma série de materiais será publicada para a ocasião no site do Semeador (ilseminatore.net) e na página da revista no Facebook (Il Seminatore). Semana dos Direitos. Plano Em particular, entre os muitos conteúdos compartilhados, destacamos: dois artigos sobre o papel da educação e formação no projeto de professores protestantes Fabricio Oppoe Stephen Meloni. o testemunho de Yacouba Coulibaly, responsável por projetos de desenvolvimento em alguns países africanos. Uma meditação bíblica sobre Isaías 1, 17 pelo pastor Lucas Reina. As entrevistas em vídeo feitas a três teólogas envolvidas na formação. Em particular, um Frances Nuzzoleseconsultor de trauma especializado em teologia pastoral e psicoterapia. na pastora Gabriela Lio, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). Finalmente, alla pastora Lydia Maggi, responsável pela Pastoral Bíblica Itinerante da UCEBI. Para os mais pequenos, o vídeo tutorial musical da música Gam Gam Gam, produzida pelo Maestro Emanuel abril. Além disso, um quadro comemorativo especial "Semana dos Direitos 2021 UCEBI" estará disponível para ser incluído em seu perfil no Facebook. Uma exposição virtual dos desenhos que os meninos e meninas nos enviaram sobre o tema "Escola dos Sonhos!" estará aberta aos visitantes. Terça-feira, 6 de abril, ao vivo no Facebook e YouTube pelos pastores Abril Máximo E Anna Maffei. Tema: o direito à educação e à formação. (Transmissão na página do Facebook do Semeador às 20h55. Simultaneamente, na página do Facebook do Pastor Aprile e no canal do YouTube da Igreja Batista Milan Pinamonte). Extensão MLK Pastor Martin Luther King (cujo aniversário de morte cai no domingo deste ano da Páscoa) em um de seus artigos ele escreveu: StSomos inclinados a permitir que nosso pensamento seja invadido por legiões de meias-verdades, preconceitos, e propaganda. Neste ponto, muitas vezes me pergunto se a educação está cumprindo seu propósito ou se não. A grande maioria das chamadas pessoas instruídas não pensa de forma lógica e cientificamente. Mesmo a imprensa, os tribunais, as campanhas eleitorais e o púlpito, em muitos casos, não estão lá. eles oferecem verdades objetivas e imparciais. Salvar o homem do lodo da propaganda é uma das principais objetivos da educação. A educação deve permitir a peneiração e a pesagem das evidências, discernir o verdadeiro do falso, o real do irreal e o fato da ficção. […] Devemos lembrar que inteligência não é suficiente. Inteligência mais caráter: este é o objetivo da verdadeira educação. A educação abrangente oferece não apenas um poder de concentração, mas objetivos dignos sobre os quais focar. Se não tomarmos cuidado, nossas faculdades produzirão um bando de propagandistas tacanhos, anticientífico, ilógico, acostumado a ações imorais. Estejam alertas, irmãos! Cuidado, professores! ...

Ler artigo
“Livre você se torna”.  Refletindo sobre a liberdade, em tempos de covid

“Livre você se torna”. Refletindo sobre a liberdade, em tempos de covid

@jan_huber, unsplash Roma (NEV), 18 de fevereiro de 2021 - Ontem, 17 de fevereiro, mais de 250 pessoas acompanharam os trabalhos do webinar "Cidadania, liberdade e cuidado em tempos de Covid", promovido pela Federação das Igrejas Evangélicas por ocasião da Liberdade Semana. O debate, que este ano decorreu online devido às restrições devido à covid, foi moderado pelo advogado Ilaria Valenzi.Em sua saudação inicial, o pároco Luca Maria Negropresidente da FCEI, recordou o compromisso de “Tornar o 17 de fevereiro um dia nacional da liberdade de consciência, pensamento, religião”, bem como o lançamento do novo projeto humanitário na Bósnia. A primeira intervenção foi do professor Alberto Mantovani, diretora científica do instituto clínico Humanitas, que definiu como "inaceitável" o fosso entre países pobres e ricos, no que diz respeito à vacinação, em particular, e ao acesso a medicamentos. Um tema que diz respeito à "segurança" de todos, em termos de saúde pública e global. Elena Bein Rich, professor de filosofia, membro da Comissão de Estudos da FCEI, quis reflectir sobre o multifacetado conceito de “liberdade”, entendida “como propriedade do cidadão individual, que coloca em segundo plano o cumprimento dos deveres relativamente à comunidade. Hoje vemos uma visão excessivamente enfatizada da liberdade liberal, “liberdade libertina”, como ele a chama. Massimo Recalcati“. Cartoon de Mauro Biani para Riforma A relação entre democracia, liberdades individuais e responsabilidade para com a comunidade permeia, portanto, estes meses, estes tempos de pandemia. “Tempos que vão ter repercussões na nossa ideia de liberdade, como cidadãos mas também no cuidado das almas”, segundo Daniele Garrone, teólogo e membro do Conselho da FCEI. “Aqueles que são inteligentes estão calados, porque os tempos são ruins”, disse Garrone, citando o profeta Amos. Abril Máximo, pastor batista que atualmente serve na igreja de Milão, testemunhou o trabalho do documento "Radicarsi del nuovo", produzido "de baixo", à luz das experiências que tivemos com nossas comunidades, durante o período de bloqueio" . Entre as muitas palavras que emergiram, três estiveram no centro da reflexão bíblica da pastora Aprile: cidadania, cuidado (com a transformação do paciente em cliente), liberdade (como palavra 'indivisa'). O último orador da nomeação foi Francesco Piobbichi, operadora do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália. “A fronteira, e a passagem da fronteira por “não cidadãos”, hoje permite-nos perceber quem somos”, disse. Segue o vídeo completo do encontro, da página do Facebook do centro de estudos e revista Confronti, que colaborou com o evento: ...

Ler artigo
“Quando é que te vimos como estrangeiro e te demos as boas-vindas?”

“Quando é que te vimos como estrangeiro e te demos as boas-vindas?”

Foto do unsplash Roma (NEV), 27 de fevereiro de 2023 - Declaração do Presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Luke Elders: “Assim, os discípulos de Jesus respondem à palavra do mestre que declara bem-aventurados aqueles que o acolheram como estrangeiro. A resposta de Jesus a esta pergunta: sempre que… é uma declaração de pertença, Jesus pertence ao estrangeiro que procura refúgio. Então, se você fez isso com um deles, você fez isso comigo. Hoje somos nós que nos perguntamos: quando? A resposta de Jesus é: você está certo, você não está, você não fez isso. O nosso mar é novamente um mar de morte e as nossas costas não são uma terra de salvação mas areia e rocha que recebem corpos sem vida. A Europa unida, construída com resistência ao nazismo e ao fascismo, simbolizada pela queda dos portões de Auschwitz, hoje perde cada vez mais credibilidade sem poder salvar vidas. Mas as responsabilidades são claras, não se trata de um acidente ou de uma tragédia aleatória, trata-se de responsabilidades concretas: decidiu-se não poupar! Escondemo-nos atrás dos pronunciamentos das circunstâncias ou atrás de uma política externa míope que pensa poder evitar os desvios do desespero. Na realidade, uma clara opção política de não salvação já foi implementada. As igrejas têm uma responsabilidade. Podemos continuar a agir pelo bem e pela justiça, podemos continuar, e devemos continuar, a salvar através da boa prática dos corredores humanitários, devemos continuar a confiar em Deus e hoje devemos dar um passo mais além, é uma questão de unir todos os esforços das igrejas europeias para uma ação política precisa dentro de seus próprios países e dentro da Comunidade Européia para garantir acessos legais e seguros, apoio às ONGs que salvam centenas de pessoas no mar, cooperação entre os países mediterrâneos com o objetivo de não de bloquear as saídas ou deter os migrantes em verdadeiros campos de detenção, mas de garantir um sistema de apoio ao desenvolvimento, acolhimento e socorro. As igrejas metodistas na Europa e junto com os irmãos e irmãs das igrejas da FCEI querem se comprometer com este propósito. Todos os crentes se deparam com a Palavra de Jesus que exige o imperativo de acolher o estrangeiro e hoje esse imperativo é categórico: somos responsáveis ​​pelo tempo em que o Senhor nos chama a viver e a dar testemunho. Um dia chegará o momento de fazer um balanço e não será possível responder: quando?” E quando foi que te vimos estrangeiro e te acolhemos?1 É assim que os discípulos de Jesus respondem à palavra do Mestre que declara bem-aventurados aqueles que o acolheram como estrangeiro. A resposta de Jesus a esta pergunta: 'Quando foi...' é uma declaração de pertença, Jesus pertence ao estrangeiro que procura refúgio. Então, se você fez isso com um deles, você fez isso comigo. Hoje somos nós que fazemos a pergunta: quando foi? A resposta de Jesus é: você está certo, não. O nosso mar é novamente um mar de morte, e as nossas costas não são uma terra de salvação mas sim areia e rocha recebendo corpos sem vida. Uma Europa unificada, construída através da resistência ao nazismo e ao fascismo, simbolizada pela queda das portas de Auschwitz, perde hoje cada vez mais credibilidade por não conseguir salvar vidas. Mas as responsabilidades são claras, isto não é um acidente ou uma tragédia do acaso, são responsabilidades concretas: Decidiu-se não poupar! Escondemo-nos atrás de declarações circunstanciais ou de uma política externa míope que pensa poder evitar partidas desesperadas. Na realidade, já houve uma escolha política clara de não poupar. As igrejas têm uma responsabilidade. Podemos continuar agindo pelo bem e pela justiça, podemos continuar, e devemos continuar, a salvar através da boa prática dos corredores humanitários, devemos continuar confiando em Deus e hoje devemos dar um passo a mais, é unir todos os esforços das igrejas europeias para uma ação política precisa dentro de seus próprios países e na Comunidade Européia para garantir vias legais e seguras de acesso, apoio às ONGs que resgatam centenas de pessoas no mar, cooperação entre os países mediterrâneos com o objetivo não de bloquear partidas ou deter migrantes em verdadeiros campos de refugiados, mas de garantir um sistema solidário de desenvolvimento, hospitalidade e resgate. As igrejas metodistas na Europa e junto com os irmãos e irmãs das igrejas da FCEI querem se comprometer com este objetivo. Todos os crentes se colocam diante da Palavra de Jesus que exige o imperativo de acolher o estrangeiro, e hoje esse imperativo é categórico: somos responsáveis ​​pelo tempo em que o Senhor nos chama a viver e a dar testemunho. Um dia chegará a hora do ajuste de contas e não será possível responder: quando será? 1 Mateus 25:38 - Nova Versão Revisada da Bíblia Trabalho para Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) As igrejas metodistas nasceram no século XVIII na Inglaterra a partir de um movimento de renascimento religioso, que mais tarde se espalhou para a América e outros países. Na Itália, grupos metodistas foram formados por pregadores ingleses e americanos no século XIX, no contexto do despertar cultural do Risorgimento. Durante os vinte anos de fascismo, a missão americana, duramente atingida pelo regime, foi incorporada à britânica. Em 1961 nasceu a Conferência Metodista da Itália, emancipada da Conferência Britânica. Atualmente existem cerca de 5.000 metodistas italianos, espalhados por todo o país, e fazem parte do Conselho Metodista Mundial, que tem cerca de 70 milhões de fiéis em 130 países. Os metodistas também são membros do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), da Conferência das Igrejas Européias (KEK) e da Comunhão das Igrejas Protestantes Européias (CCPE-Concord of Leuenberg). Desde 1979 os valdenses e metodistas estão unidos em um pacto de integração que deu origem à Igreja Evangélica Valdense (União das Igrejas Metodista e Valdense). As duas igrejas têm em comum a organização sinodal-representativa, a administração (Mesa Valdense) e o corpo pastoral; entretanto, a representação ecumênica e a gestão patrimonial permanecem distintas. As relações com o Estado italiano são reguladas pelo Acordo de 1984. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.