#Kairos vence o prémio Tertio Millennio 2018

#Kairos vence o prémio Tertio Millennio 2018

Roma (NEV), 17 de dezembro de 2018 – “Kairós”, De Paulo Barakat, é o vencedor da XXII edição do Tertio Millennio Film Fest, um festival de diálogo inter-religioso que este ano teve como tema “Os dias da revolta. Guerra, revolução e redenção”.

Para o documentário “Fortaleza Mãe”De Maria Luísa ForenzaMenção especial. A cerimônia de premiação foi realizada no sábado, 15 de dezembro, em Roma, no cinema Trevi. Os prêmios foram atribuídos pelo júri inter-religioso presidido por Claudia DiGiovanni.

“O filme é sobre Danny, um menino com síndrome de Down, ex-campeão de ginástica artística, que limpa uma academia de boxe, mas sonha em entrar no ringue – diz Elena Ribet, no júri da Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi” -. Um segredo mudará seu destino. Filme xamânico, inovador, desafiador, onde o protagonista é interpretado por Chris Buntonator que sofre de trissomia 21, e onde a dimensão do tempo é suspensa em kairosna fronteira entre o momento supremo e o infinito, onde há amor e vida”.

O XXII Tertio Millennio Film Fest, organizado pela Fondazione Ente dello Spettacolo (FEdS), representa uma oportunidade de diálogo inter-religioso e intercultural entre as comunidades católica, protestante, ortodoxa, judaica e islâmica. “Foram 9 filmes em competição, vindos de lugares muito distantes. Abordaram temas candentes sobre os quais muitas vezes estamos divididos: guerra, fundamentalismo religioso, família, hospitalidade, diálogo. São temas sobre os quais o festival quis antes promover um diálogo para passar uma mensagem importante: o cinema aproxima-nos”, lê-se no comunicado final da iniciativa.

Leis aqui todas as tramas dos 9 filmes em competição.

Estas são as razões do júri:

Kairóspor Paulo Barakat. Drama, Austrália; 2018 – 87′

Kairós destrói o estereótipo da síndrome de Down como uma limitação física, mental, psicológica, relacional e social. Mas Kairos também nos mostra os diferentes níveis de amor e amizade, com todas as distorções que a fraqueza humana traz consigo. Por fim, ele nos revela como só se pode amar o próximo amando a si mesmo primeiro: a verdadeira força existencial está na coragem de ser fiel aos próprios valores e visões, em aceitar as derrotas e aprender com elas, no amor próprio que leva a evoluir, a se redimir, a se aprimorar e a ser um bom exemplo de vida para os outros.

Mãe Fortaleza, por Maria Luísa Forenza. Documentário, Itália, Síria; 2018 – 78′

Neste documentário, emerge a habilidade do diretor em criar passagens de luz no drama da guerra na Síria. Apesar do tempo das bombas, da violência, da agonia dos sobreviventes diante dos mortos e da morte, apesar de tudo, os reflexos do espírito estão vivos, do desespero que se torna esperança, do horror que se torna perdão, da resignação inerte que se torna obstinação por um projeto maior de partilha, redenção de amor, paz, fraternidade e irmandade.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Despedida de Don Aldo, um dos “pais” da Charta Oecumenica

Despedida de Don Aldo, um dos “pais” da Charta Oecumenica

Neste ano de 2021 comemoramos vinte anos de Charta Oecumenica, o pequeno documento que estabelece as diretrizes para o crescimento da colaboração entre as igrejas na Europa. A Best-seller movimento ecumênico que em grande parte ainda é atual, mas que há poucos dias perdeu um de seus "pais" – enquanto muitos de nós que estamos envolvidos no movimento ecumênico perdemos um amigo e um irmão. Refiro-me a Monsenhor Aldo Giordano, arcebispo católico e representante da Santa Sé junto à União Europeia, falecido de Covid-19 em 2 de dezembro em Bruxelas. A morte de Dom Aldo é uma perda séria para aqueles que se preocupam com o destino do ecumenismo na Europa. Giordano havia retornado recentemente ao velho continente, depois de oito anos como núncio apostólico na Venezuela. Antes disso tinha sido observador da Santa Sé no Conselho da Europa, em Estrasburgo, mas sobretudo, durante treze anos (1995-2007), secretário-geral do Conselho das Conferências Episcopais Europeias (Ccee), organismo católico que, juntamente com a Conferência das Igrejas Europeias (CEC, que reúne protestantes, anglicanos e ortodoxos), promoveu as três grandes Assembleias Ecuménicas Europeias: a de Basileia (Suíça) em 1989, a de Graz (Áustria) em 1997 e a de Sibiu ( Romênia) de 2007. Giordano esteve diretamente envolvido na organização dos dois últimos, e um dos frutos desse trabalho estava ali Charta Oecumenicaassinado em Estrasburgo na Páscoa de 2001. Não só participou na redacção do Fretamento, mas foi um de seus mais ferrenhos apoiadores, apresentando-o e promovendo-o incansavelmente em dezenas e dezenas de encontros em todos os países europeus, inclusive na Itália. Dom Aldo gostava de dizer que o Charta Oecumenica não é apenas um documento, mas um processo e uma sonhar. E quero recordá-lo com estas suas palavras, escritas dois anos depois do encontro ecuménico de Estrasburgo: «Um metropolita ortodoxo que sai da igreja Saint-Thomas de Estrasburgo depois de assinar o Charta Oecumenica ele disse-me: "O céu nublado destes dias abriu-se para um vislumbre de azul sobre nós: é um sinal de que Deus abençoa o que conseguimos!". Viajando pelas estradas da Europa, muitas vezes temos a impressão de que o céu está fechado ou que falta ar fresco para respirar. Lá Charta Oecumenica é um texto, um processo, mas também um sonho: ajudar a reabrir o céu azul sobre a Europa e suas igrejas... ajudar os cristãos de nossos países a redescobrir sua vocação e responsabilidade pela reconciliação». Aqui está: A Covid-19 infelizmente acabou com a vida terrena de Dom Aldo, mas não conseguiu desfazer o seu sonho, porque é também o nosso sonho, o de todas e todos aqueles que, para citar as palavras conclusivas do Fretamento, acreditam firmemente que «Jesus Cristo, Senhor da “única” Igreja, é a nossa maior esperança de reconciliação e paz. Em seu nome queremos continuar nossa caminhada juntos". Para ouvir o podcast clique AQUI ...

Ler artigo
Campobasso.  Uma mesa inter-religiosa para a reconstrução social

Campobasso. Uma mesa inter-religiosa para a reconstrução social

Detalhe da capa da publicação sobre lugares de encontro e lugares de oração em Roma e na Província editada por Caritas-Migrantes Roma (NEV), 11 de dezembro de 2020 - Cristãos de várias confissões (protestantes, católicos, ortodoxos), muçulmanos e representantes do Instituto Budista Italiano Soka Gakkai montaram uma mesa inter-religiosa em Campobasso. A própria Mesa deu-o a conhecer num comunicado divulgado hoje, destacando uma palavra comum para enfrentar a crise pós-covid: “juntos”. As comunidades de fé presentes em Campobasso “decidiram reunir-se em permanente discussão e mesa de apoio para testemunhar publicamente que uma nova forma de comunidade é possível e necessária”, lê-se na nota. “Esta é a era do necessário mascaramento de rostos e do distanciamento mútuo de segurança, é a hora do medo de estar muito perto, é a hora das exclusões sociais, é a hora dos fechamentos e da comunicação sem o corpo, da comunicação quase apenas telemática. . Neste tempo queremos afirmar juntos, nas nossas especificidades mútuas, que este é também o tempo de preparação para o futuro”, prosseguem os representantes religiosos. A Mesa Inter-religiosa pretende colaborar na criação de um sentido de comunidade e cidadania: "As religiões que representamos em Campobasso não se furtarão à responsabilidade da reconstrução social", escrevem novamente, sublinhando a sua vontade e compromisso de intervir contra o racismo, a exclusão, a violência , medo e ignorância. Leia o comunicado de imprensa completo em Riforma.it ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.