A necessidade de construir uma nova igreja e um novo mundo

A necessidade de construir uma nova igreja e um novo mundo

Foto Dimitri Karastelev – Unsplash

Roma (NEV), 27 de abril de 2020 – Ao final do “culto via Zoom” (ZoomWorship) de ontem, após a pregação do presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negroe a pastora Dorothea Mülller, membro da Mesa Valdense, os quase trezentos participantes puderam compartilhar algumas orações. Dentre elas, destacamos a invocação de Irene Grassimembro da igreja valdense de Pisa, que lida com comunicação e arrecadação de fundos na vida.

“Deus de amor,
venha visitar-nos nas casas das quais não podemos sair – ou das quais olhamos rapidamente, cautelosamente, com os rostos tapados.

Venham abraçar-nos um a um, positivos e negativos, doentes e assintomáticos, trabalhadores essenciais e mães trabalhadoras inteligentes, desempregados e contribuintes, raparigas e rapazes com o nariz encostado à janela.

Venha nos recolher do sofá, ou do chão, apertar nossas mãos com força, sacudir, soprar.
Floresça nele.

Venha e sente-se em nossas bolhas de quase dois metros e prepare-nos para quando, em breve, encontraremos as glicínias murchas e nossos companheiros a uma distância segura.

Venha puxar nossos cabelos quando esquecemos que os outros não são nossos vizinhos, nós somos seus vizinhos: o corredor, a policial, a enfermeira, o traficante, a moradora de rua, o presidente Conte.

Venha desvendar nossas Bíblias e nos mostrar a Palavra que pensávamos conhecer. Vem tomar-nos pela mão e levar-nos para fora, para combater a injustiça, a violência, a opressão, e depois a solidão, a angústia, a dor, respeitando a distância física, e por isso com mais força, com mais audácia, com mais firmeza.

Venha e sente-se em nosso lugar na igreja, quando voltarmos à igreja, para que possamos ser forçados a vagar procurando um novo lugar; para nos convencer da necessidade de construir uma nova igreja, um novo mundo, um gosto – totalmente melhorável! – daquele dia em que o Teu Reino virá, quando finalmente seremos curados.

Até lá, que o Teu Espírito nos guie e perfure todas as máscaras.”

Detalhe dos vitrais de Paolo Paschetto na igreja valdense na Piazza Cavour em Roma

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Interconectados?  Fé e ecologia na era digital

Interconectados? Fé e ecologia na era digital

Roma (NEV), 15 de outubro de 2019 – A conferência “Inter-connecti? Fé e ecologia na era digital”, em colaboração entre a Igreja Evangélica Batista de Cagliari, a Pontifícia Faculdade Teológica da Sardenha e o Departamento diocesano de Pastoral Social e Trabalhista. "Queríamos fazer esta pergunta para incitar os palestrantes a encontrar uma visão comum - disse o pastor e teólogo batista Elizabeth Green à Agência NEV –. O que acontece quando estamos interconectados? O significado é criar a ocasião para um olhar recíproco. Combinar ecumenismo e ecologia, essa é a aposta. Aqui e em Sulcis estamos trabalhando essas questões, de baixo, de forma ecumênica. Acho interessante uma discussão com quem trabalha de cima, numa troca em pé de igualdade com quem é academicamente engajado”. Abaixo está o programa. Faça o download do pôster INTER CONNECTED aqui. Sexta-feira, 18 de outubro, às 16h30 Saudação e apresentação: Francesco Maceri SJ, decano da Pontifícia Faculdade Teológica da Sardenha. Moderado: Elizabeth Greenpastor e teólogo da Igreja Evangélica Batista 17h00 Reportagem: Separe e conecte. sabedoria bíblica – Ângelo Reginatopastor e biblista, membro do Departamento de Teologia da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) 17h45 Intervalo 18h00 Reportagem: Laudato si': uma abordagem de sistemas complexos – Mauro Bossi SJ, editor da revista Updates Sociali 18h45: Discussão 19h15: Apresentação da exposição fotográfica: Terra para habitar, beleza para manter, editado pela Coordenação Regional para o projeto cultural da Conferência Episcopal da Sardenha. A exposição estará patente na Faculdade até 31 de Outubro Sábado, 19 de outubro, às 9h30 Moderador: Pe. Mário FarciPontifícia Faculdade Teológica da Sardenha Relação: Tecendo redes: ecúmeno e ecologia? Simone Morandiniprofessor do Instituto San Bernardino de Estudos Ecumênicos – Veneza 10.15 Discussão Quebrar 11h00 Mesa Redonda: Moderada pelo Pe. José TiloccaPontifícia Faculdade Teológica da Sardenha Caixas de som: Excelentíssimo Dr. Gianni LampisConselheiro para a Defesa do Meio Ambiente - Região da Sardenha) dr. Charles MiliaPresidente do Eco-instituto do Mediterrâneo) Dr. Daniela Ducatoreferência em produção industrial circular La Casa Verde CO2.0 Conclusões: Mons. Arrigo MiglioArcebispo de Cagliari, Grão-Chanceler da Pontifícia Faculdade Teológica da Sardenha. A conferência será realizada na Aula Magna da Pontifícia Faculdade Teológica da Sardenha, na via Enrico Sanjust, 13 – Cagliari. ...

Ler artigo
Protestantes, um “todo” sempre em construção

Protestantes, um “todo” sempre em construção

Há cinquenta anos, a 16 de Março de 1973, foi assinado o "Convénio de Leuenberg", a partir do nome da localidade suíça perto de Basileia: um acto de reconhecimento mútuo e superação das divisões históricas entre luteranos e reformados, uma etapa importante numa processo que levou à formação de uma comunidade de igrejas que desde 2003 toma o nome de Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE-GEKE). Cerca de cem igrejas, entre a Europa e a América Latina, para um total de 50 milhões de protestantes, fazem parte dela hoje, incluindo a União das Igrejas Metodistas e Valdenses na Itália com a Iglesia Evangélica Valdense del Rio de la Plata e a Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Reflexão teológica comum, reconhecimento de ministérios e sacramentos, cooperação e testemunho comum são os pilares desta comunhão regulada por uma Assembleia Geral realizada a cada 6 anos (a última foi realizada em 2018 em Basel, e a anterior em 2012 em Florença) e por um Conselho de 13 membros coordenado por um Bureau com sede em Viena. Mas a "comunhão" entre as igrejas é um caminho que está em constante construção, diz-nos Oliver Engelhardt, chefe de relações entre as igrejas do CCPE, a quem perguntamos qual é a importância do acordo de Leuenberg hoje: “O Acordo de Leuenberg é o documento teológico na base da Comunhão das igrejas protestantes na Europa. Algumas partes dela, por exemplo, a superação das condenações doutrinárias do século XVI, podem hoje ser tomadas como certas. Por outro lado, Concordia nos dá algumas tarefas, que também são importantes em uma perspectiva de longo prazo. Várias questões dogmáticas foram discutidas e de alguma forma resolvidas, mas há questões éticas que exigem ação e palavras por parte das igrejas. Concórdia nos chama a não nos contentarmos com a comunhão entre nossas igrejas protestantes, mas a buscar uma maior reconciliação e aproximação com outras igrejas e tradições denominacionais, ainda não há menção a outras religiões. Vejo a importância da tradição de Leuenberg por dar uma base teológica à nossa comunhão de igrejas, que é muito mais do que compartilhar a vida no mesmo continente. Para mim o desafio é aproximar ainda mais as igrejas, tornando assim essa comunhão mais profunda e ampla para servir as sociedades em que vivem nossas igrejas. Chamamos esse desafio de 'ser igreja juntos'”. Um grande simpósio acadêmico internacional está planejado para março (9-11) na Hungria, organizado pela Universidade Teológica Reformada de Debrecen. Em 27 de janeiro, porém, a conferência organizada pelo Instituto Protestante de Teologia em Paris… Continue lendo em Riforma.it ...

Ler artigo
Oscar 2022, a lição de uma noite

Oscar 2022, a lição de uma noite

Roma (NEV), 28 de março de 2022 - "O triunfo do politicamente incorreto, como se não houvesse civilização", de um lado e "a delicadeza" de um filme como "Drive my car" do outro. Então o pastor metodista Pedro Ciacciopresidente da Associação de Cinema Protestante "Roberto Sbaffi", comentou, in loco, a noite do Oscar e em especial a bofetada de Will Smith para o apresentador Chris Rockque fez uma piada sobre o cabelo da esposa de Smith, Jada Pinkettsofrendo de alopecia. Sobre o episódio acima, para Ciaccio foi a representação de “Um quadro burguês, para dizer a verdade. O pior desta noite foram, na minha opinião, as desculpas de Will Smith, que não se desculpou com a esposa, como se ela devesse agradecê-lo por esta cena”. Ciaccio com o diretor de Drive my car Voltando ao cinema propriamente dito, segundo Ciaccio "o filme que ganhou o prêmio de melhor filme estrangeiro, "Drive my car", dirigido pelo diretor Ryusuke Hamaguchi, é um dos filmes mais interessantes e bonitos dos últimos anos. Porque consegue juntar os fios das diferentes formas de fazer cinema, conjugar o teatro com a literatura, e muito mais. Ser visto. E em termos de relação entre os gêneros, mas também de violência, é exatamente o oposto da terrível cena da noite passada entre Smith e Rock”. Em julho passado, o júri ecumênico do Festival de Cinema de Cannes já havia premiado o filme japonês baseado em uma história de Haruki Murakami. O filme também ganhou o prêmio de Melhor Roteiro em Cannes. É “um filme muito delicado e comovente, com um elenco internacional, que fala de autoaceitação e perdão”, disse-nos Peter Ciaccio. O júri ecuménico do Festival Francês, instituído em 1974, é nomeado pelas associações cinematográficas Signis e Interfilm, para escolher e premiar filmes de cariz social e espiritual, constituído por três católicos e três protestantes, cujo presidente da última edição do Festival revisão era um irlandês. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.