A voz das mulheres afegãs contra a violência

A voz das mulheres afegãs contra a violência

Roma (NEV), 23 de maio de 2022 – A nova etapa do projeto promovido pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) “Vamos começar com você” será realizada em Milão nos dias 27 e 28 de maio.

Entre outras coisas, está agendada uma reunião com o ativista Batool Haidari (que também será a protagonista de uma entrevista que será transmitida no domingo, 29 de maio, no “Protestantismo”, em Rai Due, ed) sobre “A voz das mulheres afegãs além do silêncio e da violência”. A seguir, um espetáculo com as meninas da especialização contemporânea do Centro de Estudos Coreográficos do Teatro Carcano, intitulado “Hijab”, com a coreografia de Jorge Azzone.

A iniciativa “Recomeçar com você”, também implementada em Nápoles, Gênova e Gravina, visa combater a violência contra as mulheres. Os destinatários também são os próprios homens. Importa actuar ao nível da prevenção do fenómeno, responsabilizando não só os potenciais actores da violência, mas também aqueles que a testemunham e aqueles que, por medo ou por ignorância, negam a sua dimensão social, cultural e significado psicofísico.

A etapa de Milão conta com uma colaboração ecumênica, com a participação, entre outras coisas, da Caritas Ambrosiana, que colabora participando da mesa redonda de sábado à tarde intitulada “A resiliência é uma mulher”.

O projeto FDEI responde, entre outras coisas, a solicitações do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), que desde 2015 incentiva igrejas e organizações a trabalhar nessas questões. Para superar as atitudes que predispõem à violência sexual e de gênero, segundo o FDEI e o CEC, é preciso envolver as realidades locais e os indivíduos.

Para saber mais, baixe o flyer.

Leia a análise aprofundada com o presidente da FDEI, pároco Gabriela Lio.

Plano

Sexta-feira

18h30, «A voz das mulheres afegãs para além do silêncio e da violência». Igreja Evangélica Batista (via Pinamonte da Vimercate 10), com Batool Haidari, ativista do movimento pelos direitos das mulheres.

19h45, «Hijab», do coreógrafo Giorgio Azzone com intérpretes femininas do Centro de Estudos Coreográficos do Teatro Carcano.

Sábado

10h00, «Encontros de resiliência feminina», na CasArché (via Michele Lessona 70).

16h00, «Resiliência é mulher», mesa redonda. Igreja Metodista (via Luigi Porro Lambertenghi 28). Com Renata Rossi (Caritas Ambrosiana), Silvia Gissi (Radam Csd Project) e Massimo Aprile (pastor batista); moderado por Anna Maffei, pastora batista.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Paz é viver em harmonia com a Criação”.  2 de abril dia da não-violência

“Paz é viver em harmonia com a Criação”. 2 de abril dia da não-violência

Roma (NEV), 1º de abril de 2023 - A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) adere ao dia 2 de abril dedicado à difusão da cultura da não violência e contra a propaganda de guerra profusa pela mídia e social. O dia é promovido por Europa pela Paz. “A mensagem que pretendemos lançar é: 'Paz é viver em harmonia com a Criação, respeitando todas as suas partes, vivas e não vivas, amando e protegendo a biodiversidade'”, escreve a GLAM em nota divulgada hoje. Acima, o manifesto pela paz que a GLAM criou com fotos de oásis para insetos polinizadores que aderem à iniciativa “Corredores ecológicos, caminhos ecumênicos“. O convite para ingressar no projeto é de Maria Elena LacquanitiCoordenadora da Comissão GLAM, juntamente com todo o grupo de trabalho. ...

Ler artigo
Adeus a Tina Turner, lenda da música

Adeus a Tina Turner, lenda da música

Roma (NEV), 26 de maio de 2023 – Ela morreu aos 83 anos após uma longa doença, em sua casa em Küsnacht perto de Zurique, a "rainha do rock", Tina Turner. Seu nome verdadeiro era Anna Mae Bullock. Nascida em Brownsville, no estado do Tennessee, com apenas dez anos já cantava no coral da igreja de sua cidade, onde seu pai Richard era pastor. Abordando o budismo, a cantora sempre destacou a importância da espiritualidade em sua vida. A ela, além do enorme sucesso mundial no cenário do rock, devemos várias colaborações musicais em chave inter-religiosa. “Eu pratico meditação budista. Quando fui devastado pelos momentos mais difíceis da minha vida, meditei muito. E vi que isso me ajudou. Eu me sinto em paz comigo mesmo agora. Ainda rezo o Pai Nosso e procuro colocar em prática o que Jesus diz para minha vida. Aproximei-me do budismo porque precisava de um passo adiante, de abordagens e conceitos diferentes. Eu precisava de uma reforma." Assim disse em janeiro de 2018 Tina Turner para Christian Sannaem entrevista já disponível no Tiscali “Tina Turner (lê o site da Sokka Gakkai resumindo budismo vivo – mensal da Sgi-USA, entrevista divulgada em agosto de 2018 conhecida mundialmente como a 'Rainha do Rock', ela começou a praticar o budismo por Nitiren Daishonin em 1973, em Los Angeles. Este é seu 60º ano na música e seu 45º na prática budista. Ao longo de sua carreira, Tina vendeu mais de duzentos milhões de álbuns e singles em todo o mundo, ganhou oito prêmios Grammy, recebeu o Kennedy Center Honor for Excellence in the Performing Arts e vendeu mais ingressos para seus shows ao vivo do que qualquer outro solista na história da música. . Ela recebeu o prêmio Lifetime Achievement Award da Recording Academy naquele ano. Na última década, Tina anunciou sua aposentadoria da cena e tornou-se cidadã suíça ao se casar com Erwin Bachseu parceiro por muitos anos. “Ele fez – continua – vários álbuns de música inter-religiosa em colaboração com seu amigo e cantor Regular Curtifundador da Beyond Foundation”. Na realidade, ela lembrou quando pressionada pela publicação budista, “não houve nenhuma revelação milagrosa de um dia para o outro. Quando eu estava desesperado, nos piores momentos eu agi Nam-myoho-renge-kyo várias horas por dia e vi que funcionava. Quando me deparei com uma situação difícil, as respostas surgiram dentro de mim e, quando precisei, elas estavam ali. Minhas reações foram apropriadas à situação e senti que vinham de um lugar verdadeiro e profundo da minha vida, que chamamos de sabedoria inata do Buda. Lentamente, comecei a me sentir eu mesma novamente e a ter acesso à minha verdadeira natureza. Em 1967, ela foi a primeira artista afro-americana e a primeira mulher a aparecer na capa da revista Rolling Stone. Em 1991, a rainha do rock and roll foi incluída no Rock and Roll Hall of Fame. Sua carreira, de mais de meio século, vai dos anos 1960 aos anos 2000. ...

Ler artigo
FORMA.  O “matadouro sagrado” de Valtellina (19 de julho de 1620)

FORMA. O “matadouro sagrado” de Valtellina (19 de julho de 1620)

Foto da Wikipédia. O massacre de Tirano, de uma xilogravura anônima mantida na biblioteca cantonal de Chur Ao raiar da madrugada de domingo, 19 de julho de 1620, quatro tiros do arcabuz deram o sinal. Os portões da cidade de Tirano foram trancados e os sinos tocaram. A população saiu às ruas, sendo surpreendida por algumas centenas de homens armados que massacraram todos os protestantes com arcabuz, espada ou pau. O cadáver do pastor reformado foi mutilado e insultado. Terminada a triste obra em Tirano, o pequeno exército desceu o vale, chegando a Teglio quando a comunidade reformada se reuniu na igreja para o culto. Alvejados com arcabuzes, os protestantes se fecharam no templo, até que a porta cedeu. Alguns, incluindo duas crianças de seis anos, pensaram em alcançar a segurança na torre do sino, que foi incendiada. Em Sondrio, capital do Vale, os protestantes conseguiram organizar um pelotão de setenta homens armados que, apesar de sua inferioridade, não foram atacados pelos rebeldes, que obviamente só estavam dispostos a massacrar, não a lutar. Os evangélicos desarmados foram mortos. Não bastando esta última para apaziguar a fúria da tropa, o cemitério evangélico foi profanado e os cadáveres lançados no Adda. Em Berbenno, a Igreja Católica Bartolomeo Porreto e outros se posicionaram contra o massacre e foram mortos junto com todos os protestantes do país. Para Caspano, o alfaiate André Paravicino conseguiu se esconder e foi capturado alguns dias depois. Convidado a abjurar, ele respondeu que era "da antiga fé católica romana, conforme pregada por São Paulo, que o homem é salvo pela graça por meio da fé, e não pelas obras, para que ninguém se glorie". Foi-lhe perguntado se considerava o papa o cabeça da igreja, e ele respondeu: "Não, visto que somente Cristo é o cabeça da igreja, segundo a promessa, estarei convosco até o fim do mundo". Ele foi queimado na fogueira em 15 de agosto. Fomentado pelo ódio contra-reformista e financiado pelo ouro espanhol, o massacre de cerca de 700 protestantes em Valtellina foi um súbito empurrão contra a ocupação tolerante dos Grisões. As comunidades evangélicas, que representavam cerca de 10% da população (excluindo a área de Bormio) e que acolheram figuras importantes da Reforma italiana, como Ludovico Castelveltro, Pier Paolo Vergério, Girolamo Zanchi E Cipião Lentoloforam completamente erradicados. A paz subseqüente assinada em Milão em 1639 impôs a proibição do culto público e privado de outras religiões que não a católica. Deste massacre italiano, quase totalmente esquecido, fica a definição do historiador católico Cesare Cantu “O matadouro sagrado de Valtellina” com o qual é lembrado, ainda que por poucos, e os versos bíblicos em italiano gravados nas ombreiras das casas que outrora pertenceram a protestantes, como um testemunho tenaz e irredutível. O Senhor Jesus Cristo diz: "Digo-vos que, se eles se calarem, as pedras clamarão" (Lucas 19:40). (Emanuele Fiume, para a agência de notícias evangélica nev-news, julho de 2020) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.