Coronavírus, as Igrejas valdenses e metodista alocam 8 milhões de euros

Coronavírus, as Igrejas valdenses e metodista alocam 8 milhões de euros

foto de Milada Vigerova, www.unsplash.com

Roma (NEV), 19 de março de 2020 – Oito milhões de euros para a emergência do coronavírus das Igrejas Valdense e Metodista.

“As Igrejas valdenses e metodistas – lê-se em nota publicada há poucos minutos, hoje, 19 de março, no site chiesavaldese.org – e suas organizações de serviço social, educacional, cultural participam plenamente dos sofrimentos e preocupações, mas também da disposição partilhar esperanças e as melhores expressões de solidariedade que atravessam a vida do país em todas as suas componentes neste momento de emergência, com um olhar particularmente atento às realidades mais vulneráveis ​​e marginais.

A Mesa Valdense, sentindo, para as igrejas que representa, a responsabilidade de contribuir mesmo com meios extraordinários para o compromisso direto de enfrentar a crise sanitária, social e econômica produzida pela propagação do vírus Covid-19, decidiu destinar 8 milhões euros , obtidos dos fundos Otto per mille atribuídos anualmente às Igrejas Valdenses e Metodistas, para a constituição de um Fundo especial destinado a este fim.

La Tavola já está empenhada na avaliação criteriosa de linhas de ação e intervenção sérias, críveis e prospectivas, que exigem escolhas sem pressa e sem emoção, a serem confrontadas com assuntos institucionais e órgãos do terceiro setor. Estas linhas de ação seguirão duas direções: a primeira se concentra nas necessidades imediatas e urgentes, especialmente do tipo saúde, para as quais já estão fluindo muitos recursos, generosamente disponibilizados por indivíduos, fundações e outras organizações de caridade e para as quais , portanto, mantenham-se atentos à evolução da situação, sobretudo nas zonas do país que se apresentam mais frágeis e menos apetrechadas para fazer face à emergência. A segunda diretriz diz respeito à necessidade de recuperação para além da emergência, considerando o que ainda não se vê: os abismos de privação, exclusão e empobrecimento em que cairão as categorias sociais mais expostas às consequências do bloqueio prolongado das atividades produtivas e das redes sociais de apoio e das escolhas de redistribuição de recursos humanos e financeiros impostas nos últimos meses pelas medidas adotadas para conter o contágio”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Páscoa sem jantar e sem Eucaristia?  As pessoas não são um acessório

Páscoa sem jantar e sem Eucaristia? As pessoas não são um acessório

Foto James Coleman - Unsplash Roma (NEV), 9 de abril de 2020 – As mãos vazias dos presos na Páscoa, em uma prisão uruguaia, durante a ditadura militar de meados dos anos 1970. Desta história, dos presos que celebram a Páscoa tranquilamente com a partilha de um pão invisível e um copo de vinho, fica a reflexão “Jantar de mãos vazias” da pastora maria bonafede no boletim de abril da “Hospitalidade Eucarística”, que oferece várias ideias sobre a Páscoa (e a Santa Ceia) em tempo de coronavírus. É uma história que o pastor Bonafede, ex-moderador da Mesa Valdense, ouviu há cerca de quarenta anos durante uma aula na Faculdade Valdense de Teologia em Roma pelo pastor Paulo rico e que de alguma forma está ligada à próxima Páscoa, que os cristãos de todas as confissões provavelmente experimentarão na ausência: "Hoje tudo é diferente, mas não consigo tirar da cabeça aquele fato distante e impressionante da presença de Cristo nas mãos vazias dos prisioneiros. Na situação que vivemos, devido à pandemia do COVID-19, celebraremos uma Páscoa em que não nos faltará os elementos, o pão e o vinho, mas nos faltará outro elemento indispensável, a comunhão dos crentes, estar juntos à ceia ". Essa não é a única percepção captada por Margarida Ricciuti (valdense) e Pedro Urciuoli (católico), editores da folha que abre com uma matéria intitulada "Estar junto: um conceito a revisitar?" e continua com o artigo publicado no Reino das Mulheres Sem presbítero, não, sem povo, sim? do teólogo católico Simona Ségoloni Ruta. "A proximidade espacial garante o controle social e a proximidade física, mas não a proximidade mental e espiritual", escrevem Ricciuti e Urciuoli na introdução. Segoloni Ruta esboça o significado da Eucaristia e sublinha: “não é possível celebrá-la se o povo não estiver reunido”. O risco é que o povo seja declarado "acessório" para a liturgia, com consequente retorno ao "empresas desiguais centrado na prática sacramental: sem sacerdócio batismal, sem sinodalidade". A edição de abril da “Hospitalidade Eucarística” procura também encontrar os aspectos positivos da situação de emergência: o aumento da comunicação, ainda que virtual, e a redescoberta de alguns valores e princípios da fé cristã. A ficha também menciona Alberto Melloni, que falou sobre os ritos pascais na TV do La Repubblica no dia 5 de abril. O historiador do cristianismo se pergunta se, na atual situação de jejum eucarístico forçado, não poderia acontecer que algum “não sacerdote” parta o pão em casa para poder viver espiritualmente a Eucaristia. Depois de uma reflexão do pároco católico de algumas comunidades da Alta Val Camonica José Magnolini"Hospitalidade Eucarística" conclui com um trecho do sermão do pároco valdense Rosário Confessor por ocasião da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) 2020, na qual, parafraseando o versículo "Eles nos trataram com bondade", questiona se não é o caso de ir além da mera "bondade ecumênica" promovendo também na nível institucional, a Hospitalidade Eucarística. A Folha “Hospitalidade Eucarística” nasceu dentro do grupo ecumênico “Partir o Pão” nascido em 2011 em Turim, que inclui crentes individuais protestantes e católicos. O grupo envolve também igrejas, mosteiros e paróquias e está aberto a todos os interessados ​​em praticar a recepção recíproca da “Santa Ceia Protestante” e da “Eucaristia Católica” nas igrejas; em 2017 também propôs um questionário sobre o tema. “O termo 'hóspede' indica tanto aquele que oferece hospitalidade como aquele que a recebe, pois ambos os sujeitos, embora com papéis diferentes, estão unidos por um valor superior: a hospitalidade – lê-se no subtítulo da folha -. Assim, a 'hospitalidade eucarística' é uma forma de dizer que somos todos hóspedes do único Senhor que nos acolhe e acolhe com todas as nossas diferenças. A Ceia pertence ao Senhor, não às Igrejas”. Para informações ou para receber "Hospitalidade Eucarística" você pode escrever para os seguintes e-mails: Margherita Ricciuti, Igreja Valdense. E-mail: [email protected] Pietro Urciuoli, Igreja Católica. E-mail: [email protected] ...

Ler artigo
Conselho Ecumênico: uma Assembleia sem barreiras

Conselho Ecumênico: uma Assembleia sem barreiras

A atuação de Karen Abou Nader e Fadi El Halabi. Foto Hillert/WCC Karlsruhe (NEV), 6 de setembro de 2022 - "Afirmar a plenitude da vida" é o tema que caracterizou ontem, 5 de setembro, na XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). e sob diversos pontos de vista, inclusive o da deficiência. Esta a decorrer em Karlsruhe na Alemanha (31 de agosto - 8 de setembro de 2022), é uma Assembleia sem barreiras, físicas ou mentais, em que a presença de pessoas com deficiência não causa constrangimento nem limita a participação. Pessoas com deficiência estão presentes entre os participantes, entre os palestrantes e também entre os artistas performáticos desempenho apresentações teatrais, musicais e até de dança como é o caso Fadi El Halabi que se apresentaram juntos Karen Abu Nader (veja a foto acima). Além disso, todas as intervenções no plenário são traduzidas para a linguagem gestual em grandes ecrãs. Uma tradução simultânea em língua de sinais. Foto Sean Hawkey/WCC “Nem sempre foi assim”, explica um pastor da região do Caribe em uma das Grupos iniciais, os grupos de cerca de 20/30 participantes que se reúnem todos os dias, após a plenária da manhã, para compartilhar impressões e reflexões sobre os temas discutidos. “Em 1998, na Assembléia da CEC em Harare, Zimbábue, havia 12 pessoas com deficiência entre os delegados e ninguém estava preparado para recebê-los. Demorou 20 anos para que as coisas mudassem e para que fosse organizada uma assembléia que levasse verdadeiramente em conta as necessidades de todos”. O texto bíblico do dia, João 9, suscitou mais reflexão no Grupo de Escolha. Na história do Evangelho, quando os discípulos de Jesus encontram um homem cego de nascença, perguntam ao seu Mestre: "Quem pecou, ​​ele ou seus pais, para ser assim?" “A dos discípulos é a pergunta errada – explica um jovem pastor anglicano paraplégico -. Uma pergunta que dá por certo um erro, uma falta, um pecado: procurar um culpado para explicar a situação de deficiência em que se encontra o homem”. No entanto, Jesus dá a resposta certa a uma pergunta errada: “Nem ele pecou, ​​nem seus pais; mas é assim que as obras de Deus podem ser manifestadas nele. “Esta resposta de Jesus – continua o jovem pastor – me permitiu fazer a pergunta certa sobre mim e sobre todos os outros: como, com a minha deficiência, a obra de Deus pode se manifestar em mim?” Porém, a glória de Deus não se manifesta em um milagre de cura, mas de inclusão. “Há muitas pessoas que estão dispostas a orar para que uma pessoa 'se cure'. Mas a deficiência veio para ficar! A obra de Deus é mostrar a todos o caminho neste mundo, fazer com que todos se sintam não do lado do problema, mas do lado da solução. Afirmar a plenitude da vida é fazer parte de um mundo que também dá às pessoas com deficiência a oportunidade de contribuir para o bem comum”. Participantes na pré-assembléia de pessoas com deficiência Foi o que afirmaram os participantes da pré-Assembleia das pessoas com deficiência, realizada em Karlsruhe nos dias imediatamente anteriores à Assembleia. A pré-montagem, através do Rede ecumênica pelos direitos das pessoas com deficiência (EDAN) sublinhou como "as pessoas com deficiência são portadoras de dons concedidos por Deus e reafirmou a importância de que esses dons sejam disponibilizados para todo o Corpo de Cristo", a igreja. “O amor de Cristo é inclusivo e não deixa ninguém para trás. Barreiras arquitetônicas e mentais empobrecem as igrejas, porque se você exclui alguém, todo o Corpo de Cristo fica prejudicado”. ...

Ler artigo
Milão, o prêmio de jardins urbanos ao jardim na cobertura da igreja

Milão, o prêmio de jardins urbanos ao jardim na cobertura da igreja

Roma (NEV) 19 de abril de 2022 – Medalha de ouro para o jardim urbano no telhado da igreja metodista de Milão. O primeiro prémio do concurso online “Premia il tuo verde” do projeto Clever Cities foi, de facto, atribuído ao espaço na via Porro Lambertenghi (de que falámos neste artigo). 873 foram os votos para a iniciativa desejada e gerida pela comunidade metodista da capital lombarda. A horta, criada com bancos de madeira apoiados nos pés, é cuidada justamente pelos frequentadores da igreja metodista e pelos condomínios do prédio onde foi criada. “Estamos muito felizes sobretudo pelo número de preferências que recebemos – declara o pároco Cristina Arquidiácona – , ficamos muito emocionados com tanta participação. Significa que quando nos mobilizamos, quando estamos unidos, podemos fazer muitas coisas. E seria bom poder fazer isso também em outras coisas que são importantes para a nossa humanidade, como a paz e a justiça”. Segundo lugar (com 240 preferências) para o telhado verde Precotto, terceiro lugar para a videira Via Avezzana. O concurso online foi aberto a projetistas, proprietários e condôminos de edifícios com coberturas verdes, uma forma de promover a criação de coberturas ajardinadas na cidade. Dezoito candidaturas admitidas chegaram até 25 de março, enquanto 2.882 preferências foram expressas no site priamiailtuoverde.it, onde todos os jardins em competição são visíveis. A votação foi encerrada no dia 14 de abril. O prémio para os vencedores é o apoio financeiro (5 mil euros, em particular, irão para o jardim metodista) da Câmara Municipal de Milão para a manutenção do verde. “Todas as cidades – declarou o vereador para a regeneração urbana Giancarlo Tancredi – presta-se a aumentar a presença do verde, não apenas projetando novos, mas também trabalhando no existente com o envolvimento de todos, e o Milan pode estar na vanguarda nisso”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.