Covid19, protocolos assinados no Palazzo Chigi com as várias confissões religiosas

Covid19, protocolos assinados no Palazzo Chigi com as várias confissões religiosas

Roma (NEV), 15 de maio de 2020 – Foi decididamente inédita a reunião realizada hoje no Palazzo Chigi, onde, em estrito cumprimento das regras de distanciamento social, os representantes dos grandes setores confessionais presentes na Itália assinaram os Protocolos de Conduta visando a progressiva retomada das atividades de culto em conformidade com as regras de contraste à propagação do vírus Covid 19. Representantes das comunidades evangélica e judaica, islâmica e sikh, hindu e budista, testemunhas de Jeová, bahá’ís e mórmons se reuniram no Palazzo Chigi onde, juntamente com o primeiro-ministro José Conte e ao Ministro do Interior Luciana Lamorgese assinaram os respectivos Protocolos, cada um dos quais adaptado às peculiaridades das diversas tradições religiosas quanto à condução das redes.

O primeiro signatário do lado evangélico foi o pastor Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) que também assinou em nome da União das Igrejas Valdenses e Metodistas, da União Cristã Evangélica Batista da Itália, da Igreja Evangélica Luterana da Itália. Enquanto membro da FCEI, ele é um membro separado do Exército de Salvação. Outros signatários do lado evangélico foram os representantes das Assembléias de Deus na Itália, da União das Igrejas Adventistas, da Igreja Apostólica, do Conselho Evangélico e da Aliança Evangélica. O arcebispo também esteve presente Ian Ernestdiretor do Centro Anglicano de Roma.

O encontro tornou plasticamente visível o pluralismo religioso da Itália de hoje – comentou o Presidente Negro – e deu a conhecer os frutos da colaboração entre o Estado e as várias confissões religiosas mesmo em matérias delicadas como a das medidas antipandémicas a adotar no exercício das atividades religiosas. Também tenho o prazer de salientar que a FCEI assinou, lançando assim um importante sinal de unidade nas relações com as instituições italianas”.

As relações com as várias confissões foram estabelecidas pelo Departamento de Liberdades Cívicas e Imigração onde funciona a Direcção Central dos Assuntos Religiosos que, para a ocasião, recorreu a consultores externos.

“Obrigado ao Ministério do Interior e a todos aqueles que trataram estes relatórios com competência e empenho – continua Negro – entabulando um diálogo sério com os representantes das várias confissões, acolhendo observações e propostas que eles apresentaram. Como evangélicos apreciamos, em particular, a uniformidade dos critérios adotados para as diferentes confissões e a atenção ao serviço dos ministros de religião que trabalham em grandes diásporas que, excepcionalmente, são reconhecidos como podendo viajar também entre regiões. Assim foi adotado – concluiu – um método de reconhecimento e diálogo que valoriza as especificidades confessionais no quadro de um compromisso comum de responsabilidade. Foi implementada uma boa prática que esperamos que possa também ser adotado em outras ocasiões”.

Aqui o comunicado de imprensa do Ministério do Interior e aqui o texto do protocolo.

Aqui a galeria de fotos do encontro (Imagens disponíveis sob licença CC-BY-NC-SA) 3.0 IT

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O Dia da Liberdade.  O podcast do Nev

O Dia da Liberdade. O podcast do Nev

Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2021 – O segundo episódio do podcast "NEVerending stories", o podcast da agência de notícias NEV, é dedicado ao Dia da Liberdade de 17 de fevereiro. Neste dia, os valdenses e todos os evangélicos comemoram o aniversário do dia em que obtiveram direitos civis e políticos com a Carta Patente. Um primeiro passo para a liberdade religiosa que é, desde 1848, um dia de celebração mas também de reflexão sobre a questão dos direitos, para todos e não só para os protestantes. ...

Ler artigo
na terra como no céu!

na terra como no céu!

"Cidade Santa com Herald" por Brian Whelan - Creative Commons Roma (NEV), 25 de dezembro de 2022 - Publicamos o sermão do professor Henrique Benedito foi ao ar no episódio de Natal de culto evangélico, a transmissão da RADIO1 RAI produzida pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). A tradução do texto bíblico é de responsabilidade do pregador. Feliz Natal! Feliz Natal, porque o Natal é bom. Não somos nós que somos bons; é a bondade de Deus, é a bondade do Criador que investe as criaturas, 2022 anos atrás como esta manhã. Porque o anjo do Senhor passou por seu país, sua cidade, sua metrópole esta noite. Passou na sua vida, tanto na das pessoas que você ama quanto na das pessoas que você não gosta, hostil. Ele passou por cima de seus medos, seus arrependimentos, suas frustrações; como transmitiu suas alegrias, seus entusiasmos e suas aspirações. Ele não é um anjo de berço, não desce pela chaminé como o Papai Noel; nem sequer é o anjo exterminador do apocalipse: é um anjo que percorre o mundo – o mundo conhecido no tempo de Jesus e o descoberto desde então. É um Anjo sem nome, mas que tem um nome: Jesus, o Salvador. E Jesus não desce das estrelas como um marciano em uma nave espacial, mas pousa na terra como todos nós: desde o ventre de sua mãe. um parto ar livre, na noite; uma semente de esperança, um grito que se tornará um grito na cruz e uma promessa cumprida de ressurreição. O anjo passou mas sua passagem não passa, ele está presente e é o futuro de todos e de todos dois milênios depois. Vamos cantar nossa exultação! * * * * * * Domínio público da imagem “Enquanto José e Maria, sua noiva, estavam em Belém para o censo ordenado por César Augusto, chegou a hora de dar à luz a Maria: E ela deu à luz o seu filho primogênito, enrolou-o e colocou-o numa manjedoura, porque não havia lugar na hospedaria. Havia naquela região pastores que pernoitavam nos campos a cuidar dos seus rebanhos. O anjo do Senhor surgiu diante deles, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles. Ficaram apavorados, mas o anjo lhes disse: Não temais, porque vos anuncio uma grande alegria que está destinada a todo o povo da cidade de Davi: hoje vos nasceu um Salvador, que é o Cristo, o Cavalheiro. E isto vos servirá de sinal: encontrareis um recém-nascido, enfaixado e colocado numa manjedoura. E num instante uma multidão do exército celestial juntou-se ao anjo, louvando a Deus e dizendo: Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens em quem Deus se agrada.”. (Lucas 2:1-14). * * * * * * Um anjo, pastores. Esta é a primeira epifania, não a dos Magos! Epifania, ou seja, manifestação do alto, instantânea. Jesus nasce incógnito, mas permanece assim por alguns momentos. Aqui está outra epifania, na verdade outro anúncio. O anjo anuncia mas não há ninguém anunciado, Maria, como no Evangelho de Lucas no capítulo anterior; e não há sequer aquele anunciado, José, como no Evangelho de Mateus. Há uma multidão indistinta, os pastores, que não têm nome como o anjo não tem nome. Depois disso ampliação na manjedoura, nossa história de Natal usa a teleobjetiva e aponta para o céu: o que há para ver no céu, no meio da noite? Pouco ou nada! Dá para ver o escuro, talvez até estivesse nublado porque o cometa dos Magos não faz parte da nossa narrativa!. Ou melhor, aqui o cometa é um anjo com um megafone; ele fala para uma massa desqualificada que está ali quase por engano, certamente por acaso e em todo caso por motivos puramente profissionais. Eles teriam preferido ficar aquecidos em suas camas como nós na noite de Natal, mas não há cães pastores na Bíblia, então os pastores fazem o trabalho noturno, trabalho canino! Nômades por natureza como os Magos por cultura; nômades não por contingência, como Maria e José chamados de volta a Belém por um censo imperial. São eles, os pastores, os primeiros destinatários da boa nova, e também da invocação que, trinta anos depois, Jesus não deixará de repetir: "Não tenha medo“! Sim, porque a boa notícia, boas notícias, então como agora eles são assustadores. Estamos tão equipados para os maus! E aqui um exército celeste se soma ao anjo, de modo que os leitores, os ouvintes - os radiouvitores que somos hoje - encontram-se suspensos entre duas multidões: a celeste, os anjos, e a terrestre, os pastores. Multidões correlacionadas pelo anúncio salvífico e salutar do nascimento de Jesus. A cena ilustra pela primeira vez a conexão feita pelo próprio Jesus no "Pai Nosso" com a fórmula "tanto no céu como na terra”. Aqui estão as primeiras testemunhas da glória e da graça de Deus para os homens, diz o nosso Evangelho, os homens em quem Ele se compraz. Seu protótipo são os pastores sonolentos e desavisados ​​abaixo, completos com um rebanho encolhido pelo frio esperando o amanhecer. Mas há um problema, um grande problema: Deus escolheu, escolheu como primeiras testemunhas do cristianismo nascente, pastores que não poderiam testemunhar em nenhum tribunal rabínico. Na época, os pastores eram considerados a priori portadores de testemunhos falsos e, se não falsos, duvidosos. Sem educação, muitas vezes analfabetos, eles eram acusados ​​pela reputação popular de roubar as ovelhas uns dos outros e, de fato, faziam isso regularmente. Mentirosos profissionais! E depois, com a desculpa das ovelhas, nem foram à missa nem ao culto... desculpepara a sinagoga! Mas quem são esses pastores abençoados, até agora sem nome? Bem, agora podemos arriscar um nome: estes pastores… são vocês, sou eu, somos nós, somos vocês. Deus não chama os qualificados, ele qualifica os chamados! E começou imediatamente, desde a noite de Natal, a favorecer não as canelas de um santo, não os pastorinhos do presépio, mas os humanos que procuram abrigo e paz numa noite incómoda, esperando muitas vezes sem saber - porque já não sabem esperança - por uma palavra, uma luz, uma voz que os liberte da escravidão de uma escuridão rotina. Eles estão, como nós, ao lado de Maria, José e Jesus.Sim, somos nós, esta manhã, o presépio vivo, chamados a testemunhar porque finalmente dignos da fé, embora indignos; chamados a ser, pela graça de Deus, o que não sabíamos e não esperávamos ser. Feliz Natal! * * * * * * Henrique Benedito Confessamos a fé cristã com as palavras de suas primeiras testemunhas. Com João Batista"Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. Com André: "Nós encontramos o messias”. Com Natanael: “Mestre, tu és o filho de Deus, o rei de Israel”. Com os samaritanos, os hereges: “Sabemos que este é verdadeiramente o Salvador do mundo”. Com Pedro: "Tu és o Cristo, o filho do Deus vivo”. Com Marta: "Tu és o Cristo, o Filho de Deus, aquele que vem ao mundo”. Com Tomé, o apóstolo da dúvida: “Meu Senhor e meu Deus”. Que suas palavras, confiadas à eternidade, habitem nossos corações e se unam às nossas para anunciar graça, paz e salvação a todos. Porque Jesus, dirá Pedro no Pentecostes, veio para abençoar a humanidade. Recebamos esta benção hoje, amanhã e sempre, desça sobre nós como o orvalho do monte Hermon. Amém ...

Ler artigo
Pequenos valdenses crescem – Nev

Pequenos valdenses crescem – Nev

Torre Pellice (NEV), 24 de agosto de 2023 – “Gostaríamos de uma igreja com escorregas e plantas no interior. Gostaríamos que todos pudessem dar a sua opinião, eliminação dos trabalhos de casa, cidades mais coloridas”. O “Sínodo para as crianças” reunido recentemente em Torre Pellice apresentou os seus pedidos precisos à assembleia homóloga dos adultos no final da tarde de 24 de Agosto. Sobre o que é isso? A carta com os pedidos do Sínodo das Crianças Traversari Gesine, coordenadora do grupo de trabalho para a organização do Sínodo sobre as crianças, nomeada pelo Conselho Valdense por mandato do Sínodo do ano passado, e mãe de três crianças que participaram no projeto, explica: “O grupo de trabalho era composto por 5 pessoas. A ideia surgiu do fato de uma menina, num sínodo passado, ter perguntado aos seus pais: “Mas onde está o meu sínodo?”. Daí a vontade de responder e organizar o Sínodo das Crianças. Procurámos, portanto, pensar no que poderia ser, promover um percurso que fosse mais do que babysitting, mas sim uma atividade pensada na perspetiva das crianças. Foram-lhes propostos temas como a participação democrática, falavam de direitos e liberdades, e também da comunhão entre eles. Para nós, adultos, que participamos no Sínodo Valdense é também um momento em que nos reencontramos e estamos juntos todos os anos, portanto paralelamente a iniciativa para os mais pequenos é um investimento nas relações entre eles e, mais importante ainda, neles gostam muito". Dezesseis crianças de toda a Itália, com idades entre 5 e 13 anos, participam do Sínodo para as crianças, pela manhã há "cultini", ou momentos de oração, depois visitas e itinerários: foram convidados da Rádio Beckwith, em Villa Holland, participou de diversas oficinas, visitou o museu valdense, jogou jogos e realizou inúmeras atividades práticas. Fizemos algumas perguntas aos pequenos participantes desta versão reduzida do corpo executivo das igrejas valdenses. O que é o Sínodo? “Um momento em que os adultos se encontram e discutem coisas importantes na igreja”, explica Matteo, 10 anos, de Veneza. Quem é Jesus? “Ele é o Filho de Deus, é como um amigo e nos protege e morreu por nós, para que sejamos livres”. Do que você gostou mais? “Encontrar as outras crianças”, acrescenta outro pequeno sinodal. Para Martina, 9 anos, de Verona, o Sínodo das crianças está indo “bem”, ela não sabe do que menos gostou porque “tudo é lindo”. Sobre os adultos, ele sabe que “eles trocam informações, escolhem se querem mudar algumas coisas ou não... Os bancos deveriam ser trocados, porque são assentos do século XIX”. Quem são os valdenses? “Outra religião que não tem Papa, não tem padres, a mulher pode fazer tudo... Uma pastora é como um padre, só mulher, e pode casar”. Voltando ao mundo dos adultos, “propusemos atividades adaptadas à idade das crianças, paralelamente ao Sínodo dos adultos, procurando seguir os temas propostos pela assembleia dos “grandes”, e os mais pequenos mostraram que saiba como se sentir bem todos juntos. É uma experiência muito positiva”, afirma Miriam Bufapsicoterapeuta, um dos animadores do Sínodo dos pequenos, junto com um grupo de voluntários. «No Sínodo anterior, em 2022, foi aprovado um ato em que era solicitada a organização deste espaço – acrescenta Daniele Parisiprofessora e membro do grupo de trabalho que idealizou a iniciativa - que já não se tratava apenas de uma babá para permitir que deputados, párocos e pastoras com crianças participassem no Sínodo, mas também uma forma de devolver às crianças e às meninas um momento central na vida da nossa igreja”. No final da tarde de quinta-feira, 24 de agosto, os meninos e meninas do Sínodo foram recebidos na sala sinodal, onde apresentaram a sua carta repleta de propostas. Resultado? Uma ovação de pé e uma moção votada em tempo recorde: o Sínodo das Crianças estará lá novamente no próximo ano. Para saber mais: Um Sínodo “amigo das crianças”, Reforma28/07/2023 As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.