Cristãos contra a tortura.  Relatório internacional publicado

Cristãos contra a tortura. Relatório internacional publicado

Imagem retirada do relatório 2021 da Federação Internacional da ACAT (FIACAT)

Roma (NEV), 13 de maio de 2022 – A Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT) compartilhou o relatório de atividades de 2021 da Federação Internacional da ACAT (FIACAT). A FIACAT é uma ONG, observadora nas Nações Unidas, no Conselho da Europa e na Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos. O relatório fala, entre outras coisas, dos programas de abolição da pena de morte e de luta contra a prisão preventiva abusiva em África. Passados ​​cerca de nove anos de implementação, escreve a Federação, “é tempo de fazer um balanço”.

O relatório

“Seis países africanos aboliram a pena de morte por lei (República do Congo, Madagascar, Guiné, Burkina Faso, Chade, Serra Leoa). Isso eleva seu número total no continente para 23”, diz o site da ACAT. Ao nível da prisão preventiva abusiva, “foram tramitados 7.216 autos. E 4.762 foram objeto de decisões judiciais desde o início do programa. Os resultados são satisfatórios, embora se esperasse um maior progresso para acabar com a superlotação prisional, em particular por meio do uso de medidas alternativas”.

Além disso, a FIACAT está agora investigando questões de migração na Europa e suas fronteiras. Fá-lo através do projeto transmedia jogos de sombra, realizado com o ACAT italiano e belga. São muitas as colaborações a nível institucional e não governamental, com um compromisso crescente para o futuro “pela construção de um mundo sem tortura nem pena de morte”.

2021 foi também o ano da atribuição do prémio Cássia Sóentregue em 9 de dezembro em Barcelona à FIACAT por sua luta pelos direitos humanos e seu caráter ecumênico.

Por fim, escreva os ACATs: “Como não se alegrar com a libertação de Germain Rukuki após quatro anos de detenção arbitrária? Este é o lugar certo para agradecer especialmente a forte mobilização dos membros da rede FIACAT”.

Leia o artigo completo e baixe o relatório em inglês ou francês clicando AQUI.


UM GATO

A filial italiana da Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura se inspira no pastor valdense Túlio Vinay. Vinay foi um dos primeiros na Europa a denunciar a violência sofrida pelos presos políticos no Vietnã. A ACAT Italia foi formalmente fundada na primavera de 1987, graças à contribuição da igreja valdense de Roma e do movimento “Renascimento Cristão”. Desde o início, a ACAT optou por operar em uma base ecumênica, reunindo protestantes, católicos, ortodoxos e outras confissões cristãs dispostas a rezar e agir juntos. Desde 2008, a ACAT instituiu um prêmio de graduação para teses sobre tortura e pena de morte com o apoio do Otto per mille das igrejas metodista e valdense. A ACAT Italia faz parte da FIACAT.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Oito por mil valdenses, assinaturas e projetos estão crescendo

Oito por mil valdenses, assinaturas e projetos estão crescendo

Alessandra Trotta, Moderadora da Mesa Valdense Torre Pellice (Turim), 25 de agosto de 2022 – São 1.557 intervenções humanitárias, educacionais, culturais e de ajuda ao desenvolvimento que serão financiadas este ano pelas Igrejas valdenses e metodistas com os fundos Otto per Mille: 34% a mais do que as incorridas em 2021 (1161). Um aumento devido principalmente ao maior número de contribuintes (570.000, contra 547.000 no ano anterior) que se inscreveram a favor do Otto per Mille Valdense e Metodista e, portanto, à maior disponibilidade financeira (45 milhões de euros em 2022, 43 em 2021 ), mas também à decisão de alargar o leque de iniciativas a que pode ser garantido apoio financeiro. A percentagem de projetos aprovados face aos apresentados para avaliação também aumentou: 23,2% em 2021, 35,2% em 2022. A destinação dos recursos foi aprovada hoje pelo Sínodo, a Assembleia que constitui a instância máxima das igrejas valdenses e metodistas, reunida recentemente em Torre Pellice, na província de Turim. “Mesmo a gestão de um recurso tão grande que mais de meio milhão de italianos nos deu a responsabilidade de usar – explica Alessandra TrottaModerador da Mesa Valdense – é para nós uma forma de testemunhar a nossa fé cristã, apoiando ações de ajuda aos últimos e o compromisso de fazer o bem comum sem preconceitos ideológicos, sociais ou religiosos”. Números do projeto Em comparação com 2021, os projetos italianos estão aumentando (1107 em 2022, 730 em 2021: +51,6%) em comparação com os internacionais (450 em 2022, 431 em 2021: +4,4%). Para a Itália, os recursos foram distribuídos da seguinte forma: melhoria das condições de vida das pessoas com deficiência (21%), promoção do bem-estar e crescimento de crianças e jovens (17%), atividades culturais (16%), contraste à pobreza, privação social e precariedade laboral (9%), protecção da saúde (8%), acolhimento de refugiados e migrantes (7%), prevenção e luta contra a violência de género (7%), reabilitação de reclusos e ex-reclusos ( 4%), educação para a cidadania (4%), proteção ambiental (4%), idosos (3%). Os projetos internacionais são divididos da seguinte forma: cuidados de saúde e intervenções de proteção à saúde (19%), educação (19%), proteção à criança (12%), treinamento profissional e atividades geradoras de renda (11%), direitos humanos (9%) , desenvolvimento rural e segurança alimentar (9%), promoção do papel da mulher e igualdade de género (9%), ajuda humanitária de emergência (5%), acesso a água e saneamento (3%), luta contra a malnutrição (3%) , proteção ambiental (1%). A lista completa dos projetos aprovados para 2022 será publicada no site www.ottopermillevaldese.org até meados de setembro. O Otto per Mille pode ser doado por todos aqueles que fazem uma declaração de imposto a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tem um acordo ou ao próprio Estado para os fins estabelecidos por lei. Outros fundos são 5×1000, que podem ser atribuídos a investigação científica ou associações e organizações sem fins lucrativos, e 2×1000, que só podem ser atribuídos a partidos políticos. No entanto, apenas 8×1000 são atribuídos anualmente pelo Ministério das Finanças (uma vez que já está “incluído” na tributação), e funciona efetivamente como uma votação, em que os que se abstêm contribuem para o valor do voto maioritário. Oito por mil de todos os rendimentos declarados são, em qualquer caso, divididos entre o Estado e todas as entidades religiosas responsáveis ​​por recebê-los, na proporção das escolhas efetivamente recebidas por cada organismo. ...

Ler artigo
FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes.  Ilaria Castaldo

FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes. Ilaria Castaldo

Roma (NEV), 26 de outubro de 2021 – Em vista da Assembleia que se realizará dentro de alguns dias, quando o atual Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) encerrará seu mandato e um novo Conselho e um novo presidente será eleito , reunimos o testemunho de serviço nestes anos de trabalho no Conselho da Federação, àqueles que, ou seja, têm orientado o caminho da FCEI. Pedimos assim aos vereadores e vereadores cessantes que nos falassem do passado, através de um balanço da experiência feita, e um olhar para o futuro. O Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), triênio 2018/2021, imagem de arquivo É hora de Ilaria Castaldotenente auxiliar do Exército de Salvação, atualmente responsável pela Casa Vacanze Concordia e pela comunidade local de Forio d'Ischia. Qual é a sua avaliação desta experiência? “O balanço desta experiência é absolutamente positivo. Lembro-me dos Assizes em que fui eleito: cheguei a Pomezia quando realmente não sabia nada sobre a FCEI. A única coisa que me deu coragem na época foi ver rostos conhecidos aqui e ali, já que a família de minha mãe é valdense. De resto, era tudo para perceber… Mas naqueles dias, ouvindo o relatório trienal e assistindo às várias sessões pensei que gostaria de mais Exército de Salvação na FCEI e mais FCEI no Exército de Salvação. Desde o primeiro Concílio em Roma, tentei entender o que realmente era a FCEI e qual o papel que o Exército poderia desempenhar em tudo isso. Nos últimos anos trabalhamos muito, em programas, mas também em unidade e possíveis interações. Foram anos de viragem para algumas questões e foi emocionante ter a sensação de contribuir para os progressos, conquistas e mudanças que aconteceram. Como representante de uma igreja que sempre luta com a falta de meios financeiros, foi bom ajudar e contribuir para a criação, design e implementação de uma série de projetos que agora estão em pleno andamento. Esses anos foram uma grande oportunidade para ampliar meu horizonte no cenário evangélico da FCEI. Tive oportunidade de visitar algumas das nossas realidades, de constatar a inventividade, espírito e vontade dos nossos coordenadores e operadores. Tentei ajudar a aumentar a conscientização sobre o FCEI em minha comunidade e talvez também o Exército de Salvação no FCEI. Que testemunho você tem vontade de deixar para aqueles que virão depois de você? A quem me substituir no Conselho como representante do Exército, gostaria de recomendar que "estejam lá". Muitas vezes ser minoria pode te levar a dar um passo atrás, mas acho que a beleza da FCEI é que somos um condomínio de igrejas que procuram ser uma família para fazer o bem ao próximo e a nós mesmos. Isso é algo que vale a pena gastar dinheiro. É maravilhoso que, com nossas particularidades, possamos trabalhar juntos, nos conhecer, nos enriquecer e atender às necessidades dos outros. Todos nós temos algo para dar. Em geral, no próximo Concílio gostaria de dizer duas coisas. Estrategicamente, estar junto é mais inteligente: juntos temos mais chances de sermos relevantes e mais eficazes nas ações que realizamos. Em um mundo onde há exclusões de todo tipo em benefício de uma uniformidade que cheira a achatamento, a ideia de igrejas com ideias e posicionamentos diferentes em alguns campos, mas que saibam planejar, dialogar e trabalhar juntas é uma realidade que vale a pena defender. E quero concluir repetindo o que venho dizendo há algum tempo: não esqueçamos de dizer, sempre que tivermos oportunidade, o que nos move. O que chamamos de "testemunho" deve ser explícito, transmitido, explicado como 1 Pedro 3:15 diz "Estai sempre prontos para dar conta da esperança que há em vós". Fazemos muitas coisas importantes e bonitas com profissionalismo e cuidado: seria muito triste se não disséssemos que somos motivados e movidos pelo amor por excelência: aquele demonstrado por Deus através de Jesus Cristo. Bom trabalho para todos vocês!". ...

Ler artigo
Crianças e guerra

Crianças e guerra

Foto de Rene Bernal, unsplash.com Roma (NEV), 6 de junho de 2022 - O Serviço de Educação e Educação (SIE) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) está organizando a reunião por videoconferência "As crianças e a guerra" na quarta-feira, 15 de junho de 2022, de 6 a 20h dirigida aos monitores das catequeses das igrejas evangélicas e a todos os interessados. A reunião será aberta com uma meditação do pároco e secretário executivo da FCEI Luca Baratto. Seguem-se as intervenções do professor da Universidade de Turim Bruno Maida, autor entre outras coisas do livro "A infância nas guerras do século XX"; o porta-voz da Unicef ​​​​Itália Andrea Iacomini; e a secretaria escolar de Emergência. Moderado Elena Ribet, agência de notícias Nev. Notícias do Evangelho. Para participar do encontro é necessário se inscrever preenchendo o formulário de inscrição online no link: O prazo para inscrições é até segunda-feira, 13 de junho de 2022. O link de convite para participar da reunião será enviado um dia antes da reunião. O cartaz do evento Para mais informações, entre em contato com o escritório da SIE em: [email protected] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.