Cristãos contra a tortura.  Relatório internacional publicado

Cristãos contra a tortura. Relatório internacional publicado

Imagem retirada do relatório 2021 da Federação Internacional da ACAT (FIACAT)

Roma (NEV), 13 de maio de 2022 – A Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT) compartilhou o relatório de atividades de 2021 da Federação Internacional da ACAT (FIACAT). A FIACAT é uma ONG, observadora nas Nações Unidas, no Conselho da Europa e na Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos. O relatório fala, entre outras coisas, dos programas de abolição da pena de morte e de luta contra a prisão preventiva abusiva em África. Passados ​​cerca de nove anos de implementação, escreve a Federação, “é tempo de fazer um balanço”.

O relatório

“Seis países africanos aboliram a pena de morte por lei (República do Congo, Madagascar, Guiné, Burkina Faso, Chade, Serra Leoa). Isso eleva seu número total no continente para 23”, diz o site da ACAT. Ao nível da prisão preventiva abusiva, “foram tramitados 7.216 autos. E 4.762 foram objeto de decisões judiciais desde o início do programa. Os resultados são satisfatórios, embora se esperasse um maior progresso para acabar com a superlotação prisional, em particular por meio do uso de medidas alternativas”.

Além disso, a FIACAT está agora investigando questões de migração na Europa e suas fronteiras. Fá-lo através do projeto transmedia jogos de sombra, realizado com o ACAT italiano e belga. São muitas as colaborações a nível institucional e não governamental, com um compromisso crescente para o futuro “pela construção de um mundo sem tortura nem pena de morte”.

2021 foi também o ano da atribuição do prémio Cássia Sóentregue em 9 de dezembro em Barcelona à FIACAT por sua luta pelos direitos humanos e seu caráter ecumênico.

Por fim, escreva os ACATs: “Como não se alegrar com a libertação de Germain Rukuki após quatro anos de detenção arbitrária? Este é o lugar certo para agradecer especialmente a forte mobilização dos membros da rede FIACAT”.

Leia o artigo completo e baixe o relatório em inglês ou francês clicando AQUI.


UM GATO

A filial italiana da Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura se inspira no pastor valdense Túlio Vinay. Vinay foi um dos primeiros na Europa a denunciar a violência sofrida pelos presos políticos no Vietnã. A ACAT Italia foi formalmente fundada na primavera de 1987, graças à contribuição da igreja valdense de Roma e do movimento “Renascimento Cristão”. Desde o início, a ACAT optou por operar em uma base ecumênica, reunindo protestantes, católicos, ortodoxos e outras confissões cristãs dispostas a rezar e agir juntos. Desde 2008, a ACAT instituiu um prêmio de graduação para teses sobre tortura e pena de morte com o apoio do Otto per mille das igrejas metodista e valdense. A ACAT Italia faz parte da FIACAT.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Olav Fykse Tveit, Uma luva de esperança contra o inverno ecumênico

Olav Fykse Tveit, Uma luva de esperança contra o inverno ecumênico

O que você pode nos dizer sobre seu encontro no Vaticano com o Papa Bento XVI? Minha impressão foi de um encontro muito cordial. Em particular, Bento XVI sublinhou e reconheceu a importância do trabalho do CMI em vista da unidade da Igreja, encorajando-nos a buscar novas áreas de colaboração para expressar o testemunho comum dos cristãos no mundo. Levei três presentes ao Papa: um caixão de madeira da Síria para recordar a preocupação comum pelos cristãos do Oriente Médio e pelos muitos desafios que enfrentam. Dentro da vitrine coloquei dois presentes da minha terra natal, a Noruega: um livro de poemas e um par de luvas de lã. Estas luvas querem ser um sinal para dizer que o inverno, por mais rigoroso que seja, pode ser uma bela estação, desde que você esteja adequadamente equipado para se defender do frio. Digo isto a quem diz que hoje vivemos uma espécie de inverno ecuménico: mesmo nesta fria estação ecuménica podemos avançar e continuar a trabalhar pela unidade da Igreja. Você também está em Roma para conhecer as igrejas protestantes italianas. Qual é a mensagem que ele veio trazer aos evangélicos do nosso país? Em primeiro lugar, gostaria de encorajar os protestantes italianos a continuarem a sentir-se parte e a contribuir para aquela comunhão mundial que é o Concílio Ecumênico com as 349 Igrejas e os 550 milhões de cristãos que representa. Não somos apenas um escritório em Genebra, mas uma verdadeira comunhão de igrejas chamadas a estar juntas para responder ao chamado do Senhor para elas. No sermão que proferi na Igreja Metodista de Roma, o texto do Advento de Lucas 12 nos pede para vigiar, para estarmos atentos ao que está acontecendo ao nosso redor, para estarmos prontos para o chamado do Senhor. Parece-me que as igrejas evangélicas italianas ouviram e responderam ao apelo do Senhor para acolher o estrangeiro, o migrante, quem vem à Itália para ganhar e reconstruir a sua vida. E isso posso fazer junto com muitos movimentos católicos que têm a mesma preocupação. Já faz um ano desde que você assumiu o cargo de secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas. Quais foram os pontos mais importantes do seu compromisso? O maior desafio é que existem muitas expectativas em torno do trabalho do CMI. Este é, sem dúvida, um sinal positivo que percebi dos muitos convites recebidos de igrejas e parceiros ecumênicos para discutir juntos os temas que caracterizam a missão do CMI e que estão no centro da vida das igrejas. Sempre respondi a esses convites com muito prazer. Neste ano de trabalho também se tem feito um esforço ao nível das questões administrativas para definir um plano financeiro sustentável para as nossas estruturas. No entanto, isso foi combinado com uma reflexão sobre o que é verdadeiramente único na missão de nossa organização e um compromisso de envolver cada vez mais as igrejas-membro no que está acontecendo. Gostaria também de apontar algumas passagens encorajadoras nas relações com o mundo pentecostal e evangélico. Fui convidado para a Conferência Mundial das Igrejas Pentecostais e também para a Conferência Missionária de Lausanne do Movimento. Em ambos os casos, parecia encontrar um interesse comum em um chamado à unidade de missão no mundo. Ao considerar as iniciativas empreendidas em 2010, parece que o diálogo inter-religioso está se tornando cada vez mais central no pensamento do CMI. É isso? O diálogo com comunidades e pessoas de outras religiões sempre foi uma das prioridades do CMI. Em novembro passado tivemos uma importante Consulta Cristã-Islâmica em Genebra, um evento que não hesitaria em definir como histórico porque foi promovido junto com duas organizações islâmicas. Durante a consulta, abordamos algumas questões em conjunto que destacaram preocupações comuns. Por exemplo, juntos pudemos expressar uma firme condenação ao ataque à igreja em Bagdá, ocorrido na véspera de nosso encontro. Falámos também do próximo referendo no Sudão que deverá decidir a separação das regiões do sul, de maioria cristã e animista, das do norte, de maioria muçulmana. Nossa preocupação comum é evitar que esse evento se transforme em um conflito religioso. Assim também surgiu a proposta de constituir uma espécie de “unidade de crise” cristão-islâmica capaz de intervir nos conflitos em que parecem se chocar membros e representantes das duas religiões. No mundo de hoje é virtualmente impossível exagerar a importância do diálogo inter-religioso. O CMI tem o dever de trazer uma palavra cristã de autoridade para este diálogo que é tão central para o destino político e espiritual do mundo. ...

Ler artigo
Roma, as novas luzes do templo valdense na Piazza Cavour

Roma, as novas luzes do templo valdense na Piazza Cavour

Roma (NEV), 13 de março de 2023 – Novas luzes para o templo valdense na capital. O Grupo Acea renovou de fato a iluminação da Igreja Valdense na Piazza Cavour - Roma. A inauguração aconteceu na última sexta-feira, na presença de instituições e representantes da comunidade protestante.A inauguração contou com a presença, entre outros, Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e Moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trotta. “O que há por trás desta igreja que domina a Piazza Cavour, um dos símbolos da Itália liberal, e que agora é realçada pela monumental iluminação disponibilizada pela ACEA? Vou tentar destacar brevemente o "atrás" da história que viu na construção da igreja um local de pouso fundamental e os "envolventes" do complexo, do complexo protestante em uma das áreas em desenvolvimento da capital Roma. Por detrás desta fachada que exprime também a consciência de fazer parte de uma nova e tão esperada era – que não por acaso também se referia ao “Iluminismo” – o orgulho de pertencer a ela e a vontade de serem os seus protagonistas, estão antes de mais os séculos de clandestinidade e dissimulação forçada para os valdenses. A fé vivia à noite, no escuro: esse era o destino dos "pobres" na Idade Média. As coisas mais importantes para a identidade de alguém viviam nas sombras, reuniões clandestinas organizadas no abrigo da noite. A visibilidade, que hoje é um dos critérios de comunicação e um dos indicadores de sucesso, significava então incorrer em repressão. Só se podia ser você mesmo nas sombras. Lembro-me não para ter pena dos nossos antepassados, nem para nos alegrar com o sofrimento dos outros, mas porque esta ainda é a dura realidade em muitas partes do mundo. Com a adesão à Reforma no século XVI, a postura dos descendentes e herdeiros dos pobres mudou: a Reforma convenceu-os de que deviam ser vistos, deviam vir à tona, a Palavra que testemunhavam – lux lucet in tenebris – teve que ser trazido à luz do Sol. Foi assim que os valdenses da Calábria se revelaram. No entanto, aplicava-se também a eles a palavra do filósofo do Antigo Testamento, "nada de novo debaixo do sol"... Uma vez nascidos, recaiu sobre eles uma cruel repressão, feita de matanças, prisões e escravizações como remadores no Mediterrâneo. Talvez não seja por acaso que hoje nos interessamos pelos barcos de pessoas desesperadas que atravessam o Mediterrâneo. Seu pastor, Giovan Luigi Pascale, foi julgado em Roma. A luz que se acendeu foi a das chamas da sua estaca (1560), após o estrangulamento. Este foi o fim que ele compartilhou com dezenas e dezenas de outros, antes e depois dele, incluindo o cardeal Pietro Carnesecchi (1567), que, no entanto, foi decapitado primeiro. Também aqui me lembro dessas páginas trágicas para não despertar simpatia. Ainda hoje o saindo, a livre expressão das próprias ideias, a livre implementação das próprias escolhas podem ser pagas com a própria vida, está tudo diante de nossos olhos, Irã Afeganistão etc. e ainda hoje o obscurantismo também tem defensores e argumentos religiosos... A iluminação capaz de derrotar essa escuridão ainda não chegou a todos os lugares e em muitos lugares a escuridão parece inviolável. É somente após o rompimento da Porta Pia que os valdenses, os judeus finalmente libertados do gueto, os outros evangélicos que chegam imediatamente àquela que já é a capital do Reino Unido pela qual muitos deles lutaram, podem finalmente contar com uma visibilidade desobstruída. Não apenas ileso, mas orgulhoso e engenhoso. O primeiro templo valdense foi inaugurado na via IV de novembro de 1883; em 1895, um enorme complexo episcopal metodista foi inaugurado na via XX Settembre. Em frente à ilha do Tibre, depois da demolição do antigo gueto, foi construída em 1904 uma enorme sinagoga que, olhando mais de perto, tem a mesma postura urbana da nossa igreja: estamos aqui, podemos ser vistos e vocês devem nos ver. .. é o início de um caminho que levará Roma a se tornar a encruzilhada das religiões que é hoje. Vamos voltar para nós. Estamos numa praça, com duas torres que não escapam ao olhar. Não é apenas um local urbano feliz; ainda em 1883 a igreja da via IV de Novembro teve de ser disfarçada com feições de palácio burguês. É uma metáfora; é o lugar de quem quer fazer parte do discurso que se dá na ágora. Poucos, mas presentes e vocais, como diriam na América, extrovertidos. A vontade de ser voz no debate público foi fortalecida com a República, ou seja, desde que a ágora foi palco de uma democracia parlamentar constitucional, onde cresce uma democracia discursiva. Aqui queremos fazer um discurso que não é só de ideias, mas também de compromisso social. Uma vez construído o edifício, começaram de imediato as actividades sociais, por exemplo a favor dos militares dos numerosos quartéis próximos, com serviços médicos e oferecendo espaços de utilização das saídas gratuitas também para leitura e formação... Hoje as formas dessa acção são mudando, mas a vocação de fazer a nossa parte junto com os outros não falha. Ao redor da igreja, os demais elementos do complexo. No outono de 1922 - a coincidência com a marcha sobre Roma é puramente acidental e pedimos desculpas aos ouvintes - foi inaugurada a sede da Faculdade de Teologia (fundada em Torre Pellice em 1855, transferida para Florença como capital em 1861 e depois daqui para Roma onde ainda está), que hoje forma pastores e pastoras em particular das igrejas metodistas, valdenses e batistas, mas não só, e que desenvolve uma atividade ecumênica de formação teológica cultural com ensino a distância. Abriga uma biblioteca cada vez maior, agora com mais de 110.000 volumes, que é um centro de excelência para a pesquisa acadêmica do protestantismo. A biblioteca, que durante décadas não foi apenas um meio de acesso à cultura protestante, mas – em torno da Prof. Subilia, um círculo de interlocução intelectual. Os cidadãos romanos conhecem sobretudo as duas grandes salas – a Aula Magna da Faculdade e a sala da via Marianna Dionigi 59 – como locais de concertos, debates – até mesmo sobre questões polêmicas, como divórcio, aborto, “fim da vida” etc. – de convenções e conferências. Mas também de funerais seculares… Tudo não só à luz do sol, mas agora iluminado mesmo quando está escuro. Obrigado a quem forneceu a iluminação monumental. Ao concluir estas breves reflexões relacionadas com a luz, não posso deixar de partilhar uma imagem, aliás, uma realidade completamente oposta. Recentemente visitei o albergue social para trabalhadores que nossa Federação de Igrejas Evangélicas da Itália abriu em San Ferdinando, na planície de Gioia Tauro. Depois do pôr-do-sol, contornamos os chamados campos – favelas e cidades-tendas – construídos com dinheiro público, onde vivem em condições precárias quem recolhe as laranjas que vão para grandes varejistas e que compramos em supermercados. As ruas que levam até ela são repletas de postes de iluminação modernos, mas sempre apagados, pois a iluminação dificulta o tráfico do crime organizado. Essas estradas que estão sempre no escuro são atravessadas por trabalhadores negros. Também nisso são os "invisíveis" de hoje. De vez em quando alguém é atropelado. Também estamos lá para fornecer a eles coletes refletivos e refletores para destacar suas bicicletas. Mas isso não elimina a deficiência mais grave, a da iluminação pública que, olhando mais de perto, é a luz da República. Nós gostamos disso aqui. E você o intensificou. Mas a República não termina na Piazza Cavour, continua até Marsala e Lampedusa. Sentimos que devemos dizê-lo também na Piazza Cavour, ou seja, na ágora da República”. ...

Ler artigo
Líbano, a Mesa Valdense atribui 50 mil euros

Líbano, a Mesa Valdense atribui 50 mil euros

Roma (NEV), 17 de setembro de 2020 - O compromisso das igrejas protestantes para ajudar a população de Beirute continua e é fortalecido. Após a assinatura lançada, logo após as explosões de agosto, pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) - que desde 2016 organiza corredores humanitários do Líbano - a Tavola Valdese, por meio do Otto per mille, destinou mais 50 mil euros. “O projeto – explica Paulo Naso, coordenadora do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI – foi criada para responder às solicitações imediatas feitas por cidadãos e organizações da sociedade civil em Beirute, onde atuamos através dos corredores humanitários. A quase total inacessibilidade dos cuidados de saúde é a primeira emergência, seguida da crise económica e social que se agravou após a calamidade de agosto. É por isso que sentimos a responsabilidade de poder fazer a nossa parte, graças a esta importante e generosa contribuição da Mesa Valdense, na área que melhor conhecemos. No contexto dos corredores humanitários, de facto, há 4 anos que nos preocupamos, com a Medical Hope, em assistir o maior número de pessoas possível do ponto de vista médico e de saúde, em particular refugiados de origem síria mas não só . Agora, com este novo projeto, esperamos poder oferecer ajuda à população libanesa e de Beirute em particular, que corajosamente tenta reconstruir suas vidas e seu país. Aproveitamos esta oportunidade para agradecer a todas as pessoas e membros da igreja que decidiram doar uma contribuição para a assinatura que lançámos, que arrecadou mais de 18.000 euros em apenas alguns dias”. Em particular, os fundos alocados pelo Conselho Valdense com o Otto per mille da União das Igrejas Metodista e Valdense serão usados ​​para um balcão de saúde social em Beirute, no distrito de Geitawi. Operadores da FCEI, com o médico Luciano Grisorepresentante da Medical Hope, encarregar-se-á da compra e fornecimento de medicamentos aos cidadãos menos favorecidos, contribuirá para apoiar projectos na área médico-sanitária já iniciados por outras realidades da sociedade civil, como ONG e associações locais, pagará despesas médicas intervenções e terapias para pacientes em condições particularmente vulneráveis. “É uma contribuição em favor da parcela mais frágil da população libanesa – declara o moderador do Tavola Valdese Alessandra Trotta – cuja urgência sentimos no cenário de trágica devastação que tanto atingiu um país já exausto por décadas de guerras e pelo esforço de acolher milhões de refugiados do barril de pólvora do Oriente Médio. A credibilidade adquirida ao longo de anos de presença competente e humilde dos operadores da Medical Hope ao lado das pessoas comuns oferece as melhores garantias de que os recursos disponibilizados chegarão da forma mais eficaz onde são mais necessários”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.