Dois territórios, uma igreja.  Alessandra Trotta no Sínodo do Rio de La Plata

Dois territórios, uma igreja. Alessandra Trotta no Sínodo do Rio de La Plata

Roma (NEV), 4 de fevereiro de 2020 – “Três novos membros foram eleitos para a Mesa Valdense na Itália e, de sete membros, cinco são mulheres. Esta é uma grande transformação. Até meu sotaque – talvez alguém perceba – é uma grande mudança. Para nossa igreja na Itália, ter um moderador siciliano, uma mulher, um diácono e um metodista é um grande desafio. Com isso quero dizer que estamos em meio a grandes transformações e que nossa Igreja está tentando entender como elas são vividas”.

Alessandra Trottamoderadora da Mesa Valdense, que participa do Sínodo da Igreja Valdense do Rio de La Plata, transmitiu sua saudação aos sinodais com um discurso que abrangeu desde as linhas comuns, até as transformações e desafios atuais que os dois áreas da Igreja Evangélica Valdense estão enfrentando.

“Já estamos vivendo uma transformação, nossa igreja está mudando. Às vezes não percebemos que compartilhamos esse desafio de mudar com vocês, mas devemos repensar nossa relação mesmo nas transformações que a igreja está vivendo, repensar os modelos, as estruturas, as prioridades, as coisas mais importantes”, disse Trotta.

O moderador italiano referiu-se ainda a alguns esquemas comuns de trabalho que são discutidos pelos órgãos executivos de cada área, como a intensificação das trocas – “porque faz diferença quando, por um tempo, você pode andar na roupa do outro . Assim compreenderemos melhor o contexto em que se forma o seu testemunho, compreenderemos as suas preocupações, os seus sonhos, mas também o que está a viver, as ações em que põe o seu corpo, os recursos que põe em jogo: isto seria muito bom”, continuou.

Continuando com as preocupações compartilhadas pelas duas áreas da igreja valdense, Trotta se referiu ao tema que a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália decidiu desenvolver nas atividades de 17 de fevereiro: o anti-semitismo. “Esses discursos de ódio atingem tudo o que não é ‘conforme’: os judeus, mas com a mesma força, violência e agressão, – pelo menos na Itália – também imigrantes, mulheres emancipadas, homossexuais. O projeto é o mesmo e acho que as igrejas, que têm uma sensibilidade particular, devem se responsabilizar por fazer soar o alarme”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

17 de fevereiro, Dia da Liberdade (em tempos de pandemia)

17 de fevereiro, Dia da Liberdade (em tempos de pandemia)

foto de Elisa Biason, o céu de Lampedusa Roma (NEV), 3 de fevereiro de 2021 – Como a liberdade pode ser recusada e celebrada em tempos de pandemia? Isso será discutido em um encontro promovido pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália por ocasião do dia 17 de fevereiro, Dia da Liberdade. Título do debate, marcado para 17 de fevereiro das 17 às 18h30 (no zoom), é justamente “Cidadania, liberdade e cuidado em tempos de Covid”. “A habitual iniciativa da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália para comemorar o dia 17 de fevereiro – explica Paulo Naso, – este ano gira em torno de três temas, sugeridos e ditados pela emergência covid, uma emergência que se está a tornar claramente uma verdadeira lente para ler não só a realidade destes dias mas também a dos próximos meses, talvez anos. As três palavras-chave são ciência, cuidado e liberdade. Ciência porque temos um problema não só de informação objetiva e precisa, mas também de compartilhamento e transparência dos processos de saúde que acompanham a administração de vacinas. Entendemos que também existem problemas de democracia, ligados ao acesso a tratamentos e vacinas: precisamos pensar em todas essas questões. O segundo foco é o do tratamento: a Covid também é um problema pastoral. Pensamos nas pessoas que morreram em absoluta solidão, acompanhadas por parentes que não puderam se despedir de seus entes queridos da maneira mais adequada. A terceira e última é a da liberdade: é claro que a prevenção e o combate à pandemia limitam as nossas potencialidades - pensemos em quem trabalha, em quem estuda, em quem precisa de se deslocar - mas também limita a possibilidade de celebrando livremente cultos e outros momentos religiosos. Não estamos falando apenas do mundo protestante, portanto, mas de todas as pessoas que têm uma fé e frequentam um lugar religioso, de espiritualidade”. Sobre estas questões, “juntamente com especialistas altamente qualificados, queremos refletir – conclui Naso -, com referência específica ao dia 17 de fevereiro, que começou como um dia de liberdade. Um dia que também nasceu como um momento em que se sonha com a libertação de normas e leis que minaram uma liberdade fundamental como a liberdade religiosa para os valdenses e judeus, até 1848. Hoje queremos ler este conceito de liberdade e libertação em um momento excepcional e particular que estamos vivendo por causa do Covid19”. Na reunião, após as saudações do presidente Luca Maria Negroeles vão intervir Alberto Mantovanidiretor científico do instituto clínico Humanitas, Elena Bein Richprofessor de filosofia, Daniele Garroneteólogo e membro do Conselho da FCEI, Abril Máximopastor batista, Francesco Piobbichi da Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália. A nomeação será moderada pelo advogado Ilaria Valenzi da Comissão de Estudos da FCEI. O webinar acontecerá ao vivo no zoom no endereço e na página do fb da revista Comparação e centro de estudos. 17 de fevereiro é o dia em que comemoramos o 173º aniversário da patente de cartas com a qual o rei da Sardenha, Carlo Alberto, concedeu direitos civis aos seus súditos protestantes, os valdenses.A decisão foi recebida com entusiasmo e saudada pelos valdenses ao redor de grandes fogueiras. A tradição das fogueiras da liberdade continua hoje e todos os anos, na noite entre 16 e 17 de fevereiro, muitas delas são acesas não apenas nos lugares históricos da presença valdense, como um sinal que se espalha de vale em vale para renovar o notícias , mas também em outros lugares da península onde existem igrejas protestantes. Desde então, para os valdenses e para todos os evangélicos, o dia 17 de fevereiro é um dia de festa.No mês seguinte daquele mesmo ano, em 29 de março de 1848, o rei também concedeu direitos civis aos judeus. ...

Ler artigo
Testamento vital.  Um contador na igreja metodista de Pádua

Testamento vital. Um contador na igreja metodista de Pádua

Roma (NEV), 2 de fevereiro de 2011 – Também nas dependências da Igreja Evangélica Metodista de Pádua abre uma agência para depositar o testamento vital. Dentro da União das Igrejas Metodistas e Valdenses, é a sexta administrada diretamente pelas comunidades locais, depois de Turim, Milão, Trieste, Nápoles e Roma, enquanto outras comunidades, como a Metodista de Udine, estão engajadas em projetos de coleta junto com o Associação Luca Coscioni e Associação Per Eluana (ver NEV 4/11). A iniciativa, apresentada ao público ontem à noite, contou com a participação da pároca da comunidade, Caterina Griffante, que comentou a noite da seguinte forma: "Pelo número de pessoas, pela qualidade das intervenções no debate e pelo ambiente geral, o tema responde evidentemente a uma necessidade concreta do povo, crente e não crente. Pareceu-me uma boa forma de testemunho, em linha com o que já foi aprovado pelo nosso Sínodo em 2007”. A noite contou com a presença de Daniele Busetto, membro da Comissão de Bioética da Mesa Valdense; o pastor Gianni Genre, ex-moderador da Mesa Valdense; e a psicóloga Germana Englaro, prima de Eluana e sobrinha de Beppino Englaro. As implicações legais foram esclarecidas pelo advogado Giorgio Favaro, enquanto o pároco Griffante destacou a laicidade da iniciativa. Durante a noite, o Pr. Genre quis recordar como existe há algum tempo um acordo conjunto entre as igrejas católica e evangélica na Alemanha sobre a oportunidade de expressar as próprias provisões para o fim da vida (ver notícias a seguir). “Somente a Igreja Católica italiana ainda insiste que a vida biográfica é equivalente à vida biológica. Como igrejas valdenses e metodistas, não expressamos uma posição diferente da Conferência Episcopal Alemã. Um fato que ao menos deveria fazer refletir nossos deputados, que nos próximos dias se preparam para discutir o projeto de lei de Calabrò”. Um projeto de lei definido pelo próprio Genre como “assustador”: “O proposto pelo texto de Calabrò é um passe para a obstinação terapêutica. Uma lei coercitiva que espero nunca ver a luz do dia. Neste ponto é preferível manter o vácuo legislativo e remeter para os precedentes jurisprudenciais que também existem, e que têm garantido proteção adequada aos pacientes em questão”. O balcão abrirá de 25 de fevereiro às 17 a cada três semanas na igreja metodista no Corso Milano em Pádua. ...

Ler artigo
Otto per mille valdense e metodista, a lista de 1557 projetos

Otto per mille valdense e metodista, a lista de 1557 projetos

Roma, 15 de setembro de 2022 – A lista completa dos projetos financiados este ano com recursos Otto per Mille (OPM) destinados pelos contribuintes italianos à Igreja Evangélica Valdense foi publicada hoje no site www.ottopermillevaldese.org – União das Igrejas Metodistas e Valdenses. As escolhas para a distribuição dos fundos receberam a aprovação do Sínodo, Assembleia que constitui a mais alta autoridade humana das Igrejas valdenses e metodistas, que aconteceu de 21 a 26 de agosto em Torre Pellice (Turim). São exatamente 1557 - 1107 na Itália e 450 no exterior - os projetos aos quais foram alocados ativos totais de aproximadamente 45 milhões, adquiridos em virtude de mais de 570 mil assinaturas (3,3% do total de escolhas expressas pelos contribuintes). Manuela Vinay “O elemento distintivo deste ano, da convocatória de 2022 – explica Manuela Vinay, responsável pelo Otto per mille – é o maior número de projetos mas também o montante – 45 milhões já atribuídos: nosso recorde”. Como isso foi possível? “Graças ao maior número de assinaturas, ou seja, de contribuintes que optaram pelas igrejas valdenses e metodistas”. Recorde-se que é feita referência ao exercício fiscal de 2018 e às declarações fiscais assinadas em 2019, portanto antes da pandemia. Como esse registro pode ser explicado? “Colhemos os frutos da nossa consistência ao longo do tempo, feita de transparência e abertura total a todas as realidades. Para nós é um ponto forte estar presente em muitos territórios, mesmo com pequenas associações e projetos locais” que dificilmente têm possibilidade de acesso a fundos e empréstimos de outras instituições ou entidades. “Semear nas mais diversas realidades, mesmo com quantidades mínimas, significa para nós dar uma resposta aos “pequenos” e aos “poucos”, às realidades que estão bem conscientes das necessidades dos territórios onde trabalham e trabalham para outros", acrescenta Vinay . Diferentes perspectivas futuras. De fato, o número de assinaturas nas declarações fiscais diz que haverá uma queda significativa nas contribuições (para todas as igrejas). “Durante os anos da pandemia, os contribuintes olharam para o Estado com outros olhos, menos desanimados. Daí a decisão de transferir a cota do Otto per mille das confissões religiosas para o Estado”, disse o chefe do OPM. “Sabemos que vamos ter uma quebra de assinaturas e teremos de ser ainda mais criteriosos e criteriosos na gestão dos fundos – conclui – e vamos tentar privilegiar como sempre a qualidade das intervenções”. Projetos Otto per mille: todos os números No que diz respeito às iniciativas apoiadas em Itália, conforme refere o comunicado de imprensa do OPM, o maior número (21% do total) insere-se na categoria “Melhoria das condições de vida das pessoas com deficiência física e mental”. Entre eles, muitos dizem respeito ao tema do "depois de nós" (ou seja, a proteção das pessoas com deficiência deixadas sem apoio familiar), que se faz sentir particularmente hoje. Seguem-se as categorias de “Promoção do bem-estar e crescimento de crianças e jovens” (17%), “Atividades culturais” (16%); luta contra a pobreza, privação social e precariedade laboral (9%), proteção da saúde (8%), acolhimento de refugiados e migrantes (7%), prevenção e combate à violência de género (7%), reabilitação de reclusos e ex- reclusos (4%), educação para a cidadania (4%), proteção ambiental (4%), idosos (3%). Os projetos internacionais são divididos da seguinte forma: cuidados de saúde e intervenções de proteção à saúde (19%), educação (19%), proteção à criança (12%), treinamento profissional e atividades geradoras de renda (11%), direitos humanos (9%) , desenvolvimento rural e segurança alimentar (9%), promoção do papel da mulher e igualdade de género (9%), ajuda humanitária de emergência (5%), acesso a água e saneamento (3%), luta contra a malnutrição (3%) , proteção ambiental (1%). A maioria dos projetos está concentrada na África e no Oriente Médio, além da América Latina. As palavras do moderador “Mesmo num ano ainda muito difícil, pelo prolongamento das consequências da pandemia, que acentuou as já profundas desigualdades no acesso a serviços e direitos essenciais a uma vida com dignidade, segurança e liberdade, – explica Alessandra Trotta, Moderador da Mesa Valdense, – temos a possibilidade de não faltar o nosso apoio a essa parte da cidadania ativa que trabalha todos os dias ao lado e no apoio aos menos e mais necessitados. A maior receita recebida, graças ao aumento das assinaturas dos contribuintes a favor da nossa Igreja, permitiu-nos de facto não só garantir a continuidade de pequenos e grandes projectos levados a cabo por associações e organizações que já tinham entrado na nossa 'comunidade' nos últimos anos alargado', mas também para apoiar muitas novas iniciativas: propostas que este ano receberão pela primeira vez o nosso contributo, para serem investidas, num pacto de confiança, na solidariedade, no desenvolvimento, na cultura, na protecção do ambiente". Aqui a lista completa O Otto per Mille pode ser doado por todos aqueles que fazem uma declaração de imposto a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tem um acordo ou ao próprio Estado para os fins estabelecidos por lei. Outros fundos são 5×1000, que podem ser atribuídos a investigação científica ou associações e organizações sem fins lucrativos, e 2×1000, que só podem ser atribuídos a partidos políticos. No entanto, apenas 8×1000 são atribuídos anualmente pelo Ministério das Finanças (uma vez que já está “incluído” na tributação), e funciona efetivamente como uma votação, em que os que se abstêm contribuem para o valor do voto maioritário. Oito por mil de todos os rendimentos declarados são, em qualquer caso, divididos entre o Estado e todas as entidades religiosas responsáveis ​​por recebê-los, na proporção das escolhas efetivamente recebidas por cada organismo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.