Estratégias metodistas na Itália entre a maçonaria e a controvérsia antiprotestante

Estratégias metodistas na Itália entre a maçonaria e a controvérsia antiprotestante

Roma (NEV), 7 de fevereiro de 2020 – A conferência internacional anual sobre estudos do Metodismo, organizada pelo Centro de Documentação Metodista (CDM) em colaboração com o Departamento de história, culturas, religiões, arte e entretenimento da Universidade Sapienza de Roma, tem como título “Os limões católicos. Ambições e estratégias do Metodismo para uma Itália unida” e acontecerá na quarta-feira, 12 de fevereiro, na Faculdade de Letras e Filosofia de Sapienza, a partir das 10h (Sala de Paleografia, 2º andar, seção de história e paleografia medieval).

Mirella Manocchio, presidente da OPCEMI

“O título desta conferência quer expressar o encontro e o embate, o diálogo acalorado também do ponto de vista teológico, social e cultural na Itália na virada dos últimos dois séculos – declarou o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pastora Mirella Manocchio – . O metodismo se insere nessa época, dialogando justamente com a cultura católica e com o catolicismo como instituição. Investigaremos os aspectos particulares do compromisso metodista em vários campos, como fizemos no ano passado sobre os temas de justiça social e direitos civis, na Itália, na Europa, na África e nos Estados Unidos e cujas atas acabam de ser publicadas por Carocci . O recorte histórico e político sobre o metodismo primitivo nos fará compreender o papel dos metodistas no debate travado pelo mundo protestante com a Igreja Católica”.

A conferência representa, disse Manocchio, “uma etapa importante. Existem aspectos inexplorados ou pouco explorados do Metodismo e a ideia com o CDM é voltar aos documentos e investigar essa história, refazê-la de forma mais extensa e exaustiva junto com especialistas em teologia, filosofia e história. Esta conferência abre de forma concreta este caminho, ao qual se seguirão outros momentos de encontro e envolvimento de uma comissão científica, para dar vida a uma história do metodismo na Itália”.

A jornada de estudo inclui uma primeira sessão, que será aberta pelo Diretor do Departamento de história, culturas, religiões, arte e entretenimento da Sapienza, Gaetano Lettiericom Silvana Nitti, Diretora do CDM e pela própria presidente da OPCEMI, pastora Mirella Manocchio.

Entre os temas da manhã, o contexto histórico-político da Itália no final do século XIX – início do século XX, a questão religiosa na Itália entre 1900 e 1915, as estratégias do metodismo inglês e americano para a Itália.

À tarde, após o lanche, discutiremos os metodistas italianos e a maçonaria no início do século XX, o “perigo protestante” e a polêmica católica antiprotestante entre a era liberal e o regime, a questão religiosa nas relações ítalo-americanas e a formação da classe dominante metodista na Itália unida, com o caso da escola Monte Mario.

Numerosos convidados italianos e estrangeiros. A conferência é aberta a todos, mas agradecemos a confirmação do secretariado do MDL. 6 créditos estão previstos para pastores metodistas e valdenses e para diáconos registrados.

“A conferência pretende reconstruir as visões e os projetos estratégicos para a Itália do metodismo inglês e americano nas décadas entre os séculos XIX e XX – lê-se no programa -. Os estudos existentes, alguns dos quais editados pelo CDM, ajudam-nos a delinear uma cultura metodista e a posicionar-se sobre o que se poderia definir como os ‘limes católicos’, limiar de um embate teológico mas também social e cultural com o catolicismo. Neste contexto, a conferência centrar-se-á em algumas alianças das primeiras gerações metodistas, nomeadamente com a maçonaria”.

Consulte o programa completo e faça download da Brochura da Conferência 2020

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Quarto Domingo do Advento.  De ser um bom arquivista

Quarto Domingo do Advento. De ser um bom arquivista

Roma (NEV), 22 de dezembro de 2019 – Publicamos o texto do sermão do pároco Raffaele Volpe foi ao ar na manhã de domingo, 22 de dezembro, na abertura do programa "Culto Evangélico" da Radiouno RAI. Com a aproximação do Natal e do final do ano, começa a tarefa humana de arquivar o passado para dar espaço ao futuro. Mas algumas coisas devem estar sempre à mão porque nunca deixam de ser úteis. Um exercício de memória que vai da Primeira Guerra Mundial ao nascimento do nazismo e do fascismo, de Martin Luther King a Giovanni Falcone, do poeta John Milton à fé cristã. “Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, embora sendo em forma de Deus, não considerou ser igual a Deus algo a que se apegar zelosamente, mas esvaziou-se a si mesmo, assumindo a forma de servo, tornando-se semelhante para homens; descoberto exteriormente como homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz”. (Filipenses 2:5-8) Oremos: Senhor, tu nos confias palavras atemporais, elas são válidas para 2019 e valerão ainda mais para o novo ano que se aproxima. Você nos confia palavras extraordinárias que dizem que a força do amor e a força do bem passam pelo dom de si aos outros. Prometemos-vos que nos comprometemos a ser boas testemunhas das vossas palavras. Amém. Já chegamos ao final de dezembro. Daqui a alguns dias é Natal, então virá o Ano Novo. Estamos no final do ano e já estamos prontos para a arte humana de arquivar. O arquivamento é saudável. Crie espaço. Colocar ordem. Criar o futuro significa, antes de tudo, dar-lhe espaço. Mas arquivar não é fácil, tem que saber fazer, para que as coisas guardadas, quando necessário, possam ser encontradas novamente. Não há nada pior do que comprar a mesma coisa duas vezes porque a guardamos tão bem que esquecemos que a tínhamos. Pior ainda se essas coisas que são usadas para nos manter vivos como seres humanos forem mal arquivadas. Por exemplo, em que estante arquivamos este ano o aniversário do Dia da Unidade Nacional, instituído em 4 de novembro de 1919? Esse aniversário nasceu para lembrar a Grande Guerra que terminou há apenas um ano. Despojada da retórica nacionalista, da ostentação da força, aquela data é a única oportunidade que nos resta para recordar o que foi a Primeira Guerra Mundial, única forma de manter a necessária consciência de um acontecimento sem sentido e irreal - assim o grande filósofo Gadamer -, baseado na irrealidade da superexcitação nacionalista. A situação espiritual dos anos por volta de 1918 era de grande desorientação e o nazismo soube explorar essa falta de orientação, que nasceu precisamente em 1919, quando Anton Drexler ele fundou o Deutsche Arbeiterpartei (Partido dos Trabalhadores Alemães) na Alemanha, o futuro partido nazista. Em 23 de março do mesmo ano de 1919, na Piazza San Sepolcro, em Milão, formou-se o Fasci italiani di Combattimento, movimento político liderado pelo ex-socialista Benito Mussolini. É o futuro partido fascista nacional. Pergunto-me, caro ouvinte, não deveríamos nós hoje, tempo de novas desorientações espirituais, conhecer com firme clareza o lugar onde arquivamos a memória da Grande Guerra da soberania nacionalista? Há noventa anos nasceu Martin Luther King. Outra prateleira, outro arquivamento importante. Um homem de paz, um homem de não-violência, um homem de fé. Do púlpito de sua igreja em 1967, ele prega seu sermão de Natal sobre a paz. Ele diz quatro coisas que eu imploro que você armazene com cuidado, elas também servirão bem em 2020: primeiro, não teremos paz na terra a menos que reconheçamos que somos todos interdependentes, devemos transcender raças, tribos, classes, nações e ter uma perspectiva global; a segunda, não se pode chegar a um bom fim com maus meios, não se pode chegar à paz com violência, aqui estão as palavras do rei: “Cada vez que jogamos uma bomba no Vietnã, o presidente Johnson fala eloquentemente sobre a paz”; a terceira, toda vida humana é sagrada; e finalmente o último, não devemos perder a esperança, porque no final o bem triunfará sobre o mal. O bem triunfará sobre o mal. Não, talvez esta frase não deva ser arquivada. Este ano John Falcone ele teria 80 anos. Gosto de imaginá-lo caminhando com a neta no Jardim dos Justos, no centro histórico de Palermo, e contando a história de um jardim que foi criado para lembrar aqueles que salvaram os judeus na terrível época da Shoah. Imagino-o comprando farinha de grão-de-bico e contando a história da máfia e sua derrota. Não, na verdade tudo isso não pode ser arquivado. É o risco normal que você corre ao arquivar, chegar a um ponto em que todas as coisas empilhadas na mesa da cozinha parecem essenciais demais para serem guardadas. Não arquivarei minha fé. Vou querer trazê-lo de volta para 2020, se algo for revigorado. O poeta John Miltono autor da obra-prima Paraíso Perdido, também foi político, apoiando a revolução inglesa e a causa parlamentar e em 1649 tornando-se secretário de Relações Exteriores. No terceiro livro de sua obra-prima, apresentando a entrada em cena do Filho de Deus, ele nos dá palavras que não têm arquivo que guarde: "Pai de graça e de misericórdia... como logo compreendeu, vosso caríssimo e único Filho, que não quiseste condenar com tanto rigor a fraqueza do homem, mas inclinar-se à piedade, dispôs-se a apaziguar a cólera, a acabar com aquele concurso de justiça e misericórdia que ele pegou bem na sua cara, e independentemente da felicidade em que ele se sentou... para retribuir a ofensa do homem ele ofereceu a morte. Oh amor incomparável... Teu nome será doravante o precioso material de minha canção, e minha harpa jamais poderá esquecer de erguer seu louvor...” (Paraíso Perdido, Livro III, 405-420). Amém. Oremos: Senhor, ajuda-me a ser um bom arquivista, não permitas que as coisas que realmente importam na vida fiquem escondidas em algum baú de um sótão inalcançável. As coisas importantes, como o teu amor incomparável, como o dom da vida do teu Filho, como os bons testemunhos de muitas mulheres e de muitos homens; essas coisas importantes estão sempre à mão. O tempo voa, mas seu amor eterno não foge para todas as criaturas desta terra. Amém. ...

Ler artigo
Rádio GLAM.  Um novo projeto para o meio ambiente, com eco-comunidades

Rádio GLAM. Um novo projeto para o meio ambiente, com eco-comunidades

FotobAlex Blăjan - Unsplash (detalhe) Roma (NEV), 23 de setembro de 2022 – Radio GLAM. Vozes em torno do meio ambiente e da globalização. Este é o novo projeto dos membros da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Numa carta dirigida às eco-comunidades, aos amigos que conheceu ao longo dos anos, às irmãs e irmãos das igrejas, a GLAM dá conta desta iniciativa. “A partir de outubro próximo nos encontraremos uma vez por mês na Rádio GLAM. A Radio GLAM não é uma rádio, não é uma conferência”, lê-se na carta. Então, o que é Rádio GLAM? “É um encontro radiofónico, acolhido por todos nós, para nos ouvirmos, nos conhecermos, trocarmos informações e opiniões sobre os temas-chave do milénio, a globalização e o ambiente”. Foto Alex Blajan – Unsplash Mais algumas informações: Quem ouve Rádio GLAM? Todos aqueles que têm interesse em fazer parte desta comunidade, que questiona e une numa eco-comunidade ou que olha com curiosidade para conhecer, para propor, para participar até com um contributo criativo, música, leitura, partilha de materiais. Por que o nome Radio GLAM? Porque usa a linguagem direta e imediata do rádio, uma linguagem simples na qual jovens e adultos podem se reconhecer e se expressar. Quando Rádio GLAM? Todos os meses, um encontro de uma hora durante o qual haverá testemunhos e/ou informações de eco comunidades, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais… Como assinar a Rádio GLAM? Envie um e-mail para o seguinte endereço de e-mail [email protected] ou entre em contato com os representantes da comunidade ecológica. Até breve nessas frequências! ...

Ler artigo
“A gramática do cuidado”.  Pastora Lidia Maggi apresentada pela Radio3

“A gramática do cuidado”. Pastora Lidia Maggi apresentada pela Radio3

foto por Tim Mossholder, unsplash.org Roma (NEV), 23 de dezembro de 2020 - "A gramática do cuidado", como a pandemia nos mudou, o novo significado que nossos lares adquiriram. ele falou sobre isso Lídia Maggi, Pastor batista, biblista e teólogo, convidado de um episódio do programa "La cura" da Rádio Rai 3, em um diálogo, dias atrás, com Marinho Sinibaldi, diretor da Rádio3. Ela não é a primeira convidada evangélica desta resenha. Outro erudito, outra mulher protestante, a historiadora Bruna Peyrot, aliás, foi protagonista do mesmo programa em agosto passado, no primeiro ciclo da jornada da Rádio 3 composta por “conversas em torno da pandemia”. No centro da reflexão, o sentido de “casa”, entendida como um lugar físico e além. Também nós quisemos, a partir deste diálogo radiofónico, aprofundar este tema juntamente com o pároco. Você mencionou que há uma disparidade de gênero em casa. Alguma coisa mudará nesse sentido após a crise? “A crise nos permitiu enxergar um problema estrutural: é no lar que a desigualdade de gênero se amplifica. Esses meses aceleraram uma disparidade atual, com escolas fechadas, smartworking e o "mito" da mulher eficiente e multitarefa: uma representação que é uma armadilha. Mas pode ser uma oportunidade de voltar a questionar o modelo existente”. Descreveu a casa como uma metáfora da vida, da sua complexidade, dos vários espaços. Mas há espaço para a complexidade, na mídia, na velocidade das redes sociais, no mundo pós-moderno? “Existe se os sujeitos responsáveis ​​pela comunicação a colocarem no centro. Os sujeitos não são apenas jornalistas, mas também ouvintes e leitores. Onde haverá leitores que se rebelam contra a banalização da informação, isso estimulará cada vez mais aqueles que fornecem informações. E agora que passamos mais tempo na mídia, temos a oportunidade de aprofundar, ir além das simplificações, buscar a complexidade”. “A Bíblia nasceu na Babilônia”, lembrou ele. Você realmente acredita que grandes oportunidades podem surgir da crise, das carências? “Eu realmente acho que sim, a crise é uma oportunidade de parar automaticamente. Acho que sim porque a história que herdei me conta, a história antropológica e minha experiência pessoal me contam. O parto também ocorre através de dores de parto. A crise pode ser uma oportunidade para transformar a realidade, porque ela nos questiona: não há mudança sem questionamentos. Claro que também envolve riscos, se não for acompanhada de um impulso vital pode levar à entrega, à imobilidade do olhar. É como você está em uma crise que faz a diferença. Nesse contexto, a sabedoria bíblica pode ajudar – e isso é demonstrado pela atenção do mundo secular a esses instrumentos, demonstrada também por uma transmissão como a da Radio3, que me emocionou – nos faz perceber a crise como uma possibilidade e ver o nascimento do novo, precisamos mudar de postura”. Ele pediu para "ficar em desconforto". Cesare Pavese escreveu que “Você não se livra de algo evitando-o, mas apenas passando por ele”. Como você passa pelo desconforto da doença, do medo, da morte? “Definitivamente não negando. Não pensar que a doença e o luto são um tempo suspenso. Pensamos neles como um interlúdio, embora talvez seja um limite, porque também é a vida. Li que nestas horas muitos desejam “cancelar” 2020. Mas tal ano não pode ser negado ou cancelado, deve ser elaborado. Devemos encontrar ritos, linguagens, espaços narrativos para revisitar este ano. Tudo o que é removido, mais cedo ou mais tarde, retorna. Assim como de uma doença não voltamos como antes, assim este ano nos marcou. Querer afastá-lo sem uma análise séria é ingenuidade”. Em outra de suas entrevistas, na Famiglia Cristiana, refletindo sobre o significado da casa, disse que “não é um lugar para idealizar”. Nem a família é um refúgio, mas na verdade pode ser um espaço de negação de direitos, para quem sofre violência, para quem não tem recursos materiais ou simbólicos para escolher onde morar. Por que comemorar, então? “Temos que lidar com a família porque é lá que aprendemos a gramática das relações que nos permitem permanecer no mundo. Precisamos ficar atentos a essas línguas agramaticais que nos colocam no mundo sem ter adquirido sabedoria. Fora da metáfora, todo tipo de relação afetiva, de amor, cuidado e intimidade é um espaço onde aprendemos a confiança e a alteridade. Sempre que há um mal-estar na família, não afeta apenas o presente, mas o nosso olhar mais amplo para a realidade. Por isso é muito importante estar vigilante: este é o papel das igrejas. A fé cristã não é familista. De fato, em Jesus há uma recusa do patriarcal, uma forte crítica social, uma crítica feroz à família como espaço de poder. O celibato de Cristo vai nessa direção. Só Deus é pai. Tirando o poder dos humanos e especificamente dos machos. E nisso Jesus, que era uma expressão do gênero masculino, trabalhou muito”. A partir de amanhã estaremos todos de volta, devido ao lockdown, para ficar em casa, para quem tem, pelo menos. Você tem um desejo, uma mensagem ou mesmo apenas um conselho para dar? “Não é fácil desejar algo, mas talvez aprender a mudar o olhar sobre a própria história já seja uma possibilidade. Não fique parado, mas encontre forças para voltar ao caminho rumo ao novo que vem. Recomece, teimosamente, de uma forma diferente, mas recomece”. No momento em que saímos de uma imagem de autossuficiência para reconhecer que somos criaturas necessitadas dos outros, o cuidado assume um papel central. A experiência espiritual e de vida de Lidia Maggi a #A curaaqui pic.twitter.com/VmLejxfLmt — Rai Radio3 (@Radio3tweet) 21 de dezembro de 2020 As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.