Gianna Sciclone, primeira pastora valdense

Gianna Sciclone, primeira pastora valdense

Fortemente empenhado no ecumenismo, o pároco foi membro do Executivo da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e da comissão que redigiu o Charta Oecumenicao documento de 2001 elaborado pelo próprio KEK e pelo Conselho das Conferências dos Bispos Europeus (CCEE), entidade católica, que contém as diretrizes para aumentar a cooperação entre as Igrejas cristãs na Europa.

Serviu várias comunidades, de Bari a San Salvo – Vasto, Florença, San Giovanni Lipioni, Carunchio. Ele foi membro da Mesa Valdense de 1988 a 1995 (como vice-moderador desde 1990). Com essa função, em 1993 assinou a integração do Acordo entre a Mesa Valdense e o Estado Italiano (Primeiro Ministro Giuliano Amato) em relação à aceitação das cotas de oito por mil destinadas à Igreja Valdense.

De 1992 a 1999 foi membro da comissão Década de solidariedade das igrejas com as mulheres (desde 1994 nomeada comissão da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália – FCEI)

Mark Rostan sobre Riforma ele lembrou que “para a igreja valdense, o ponto de partida da longa caminhada rumo ao pastorado feminino foi 1948, quando uma Comissão especial foi nomeada pelo Conselho Valdense (órgão executivo do Sínodo). No ano seguinte, a Comissão apresentou dois relatórios: um sobre o pastorado, outro sobre um possível ‘ministério auxiliar’.

“Acreditamos que não há motivos suficientes – concluiu o primeiro relatório – para continuar a excluir as mulheres de fé evangélica do ministério pastoral em sua plenitude”. O segundo texto indicava para as mulheres várias funções “além da pregação, da administração dos sacramentos e do cuidado das almas”. A incompatibilidade com o casamento foi prevista não por uma questão de princípio, mas pelo temor de que com os cuidados da família sobrasse menos tempo para a igreja. Regra abolida em 1959. Para preparar este ministério de ‘assistente de igreja’ foi criado um curso especial na Faculdade de Teologia em 1950, com três alunas, embora ainda não tivessem certeza de qual seria o seu papel. Em 1960, o Congresso da Federação Feminina pediu ao Sínodo o reconhecimento do pastorado para mulheres. Mas a decisão ainda foi adiada e remetida às igrejas locais que enviaram seu parecer: geralmente favorável, mas com muitas perplexidades de natureza prática. Finalmente, o Sínodo de 1962 reconhece “a plena validade do ministério da Palavra às irmãs chamadas”. Não foi uma decisão fácil, porém, como demonstram os números: 57 a favor, 42 contra, 10 abstenções.Em 1967 foram consagradas as primeiras pastoras; com a integração das igrejas metodista e valdense em 1979, o ministério pastoral foi aberto também às mulheres metodistas.

Em meados da década de 1980, cerca de vinte anos depois, havia cerca de 10% de mulheres pastoras nas igrejas metodistas e valdenses, hoje elas triplicaram. Na União das Igrejas Batistas, há pastoras desde o início dos anos 1980 e na igreja evangélica luterana na Itália, as pastoras estão em serviço desde os anos 1990. Em outubro de 2004 foi eleita a primeira pastora presidente do Comitê Executivo da União das Igrejas Batistas e em agosto de 2005 a primeira pastora moderadora da Mesa Valdense”. O caminho estava traçado, e Gianna Sciclone foi uma promotora pioneira e incansável.

Em agosto de 2017, por ocasião do 50º aniversário dessas primeiras ordenações, o Sínodo Valdense e Metodista quis recordar essas conquistas decisivas: “Hoje em nossas igrejas, entre pároco e diácono, representamos 40% dos inscritos”, informou o pastor Letizia Tomassone, ilustrando em coletiva de imprensa o processo nada óbvio que as mulheres evangélicas seguiram nas últimas décadas, até o “reconhecimento pleno da riqueza da pastoral feminina, com os respectivos papéis de governo na Igreja”. A igreja foi enriquecida com outras perspetivas, integrando temas como o combate à violência de género ou a proteção de menores na comunidade”, acrescentou Tomassone.

John Archdeacon, presidente da União Batista Cristã Evangélica da Itália (UCEBI), traça uma memória comovente e grata a partir de um episódio preciso. “Depois do reconhecimento mútuo entre batistas, metodistas e valdenses (BMV), sancionado com a Assembleia do Sínodo de 90, nas duas igrejas de Bari, mas também nas outras igrejas da Federação das Igrejas Evangélicas da Puglia e Lucania (FCEPL) , cresce com Gianna a consciência de estar mutuamente unidos na fé comum em Jesus Cristo e de viver a vida comum das igrejas e cada relação com o próximo no amor e na solidariedade. Cresce também o conhecimento mútuo entre as Igrejas, cada vez mais envolvidas em ações de testemunho comum e de evangelização, e a confiança recíproca fortalecida pela fraternidade e sororidade.

Em particular, no dia seguinte ao desembarque no porto de Bari de cerca de 20.000 albaneses, a pastora Gianna Sciclone (em virtude de uma doação ao Tavola Valdese de um terreno agrícola com uma construção rural contígua feita por um querido irmão, chamado Pietro), promoveu com a ajuda da igreja batista e outras igrejas evangélicas da cidade, a criação do Centro Social Evangélico “La Casetta” na via Gentile em Bari para a primeira recepção.

Ainda hoje recordo com emoção a oração de ação de graças que Gianna elevou ao Senhor na sala do ruidoso tabelião antes da leitura da escritura de constituição do Centro. O amém final foi o próprio selo daquele ato, cheio de esperança e certo do apoio do Espírito de Deus.

O Centro não estava equipado para receber os albaneses, e as igrejas estavam muito preocupadas com a organização para receber cerca de 150 albaneses no recém-criado centro da Via Gentile, mas Gianna e Vincenzo, sua querida esposa e pintora, imediatamente disponibilizaram o Centro seu campista. Este sinal foi muito apreciado pelas igrejas envolvidas na gestão e também com a ajuda delas, cerca de uma centena de tendas de campo foram instaladas no Centro que permitiram assistência temporária aos que haviam deixado a Albânia, agora dilacerada pela falta de um Estado, todos de forma e estabelecer.

Gianna não parou diante das dificuldades impostas pelas circunstâncias. Enfrentou-os, não sozinha, mas com os irmãos e irmãs que conheceu no seu caminho ecuménico, procurando sempre uma solução prática partilhada, destinada a dar substância ao testemunho comum do Evangelho.

Agradeço ao Senhor por vos ter conhecido e ter tido a honra de partilhar convosco um pedaço do vosso caminho de fé e por ter recebido de vós a alegria do serviço na nudez desarmada de quem não tem outra garantia senão o amparo do Espírito de Deus”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Economia de água doméstica, segundo vídeo da jovem Glam

Economia de água doméstica, segundo vídeo da jovem Glam

foto de Geetanjal Khanna, unsplash Roma (NEV), 13 de julho de 2022 - "Glam spot" é o título da iniciativa que a Comissão de Globalização e Meio Ambiente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália concebeu e criou para aumentar a conscientização sobre a questão da economia doméstica de água. Aqui está o segundo vídeo da série: E neste link o primeiro. artigo anteriorDe norte a sul, proposto pelas 4 Conferências Distritais Metodistas e ValdensesPróximo artigoCom os pés no chão Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Nove teses e meia para um Jubileu da Terra

Nove teses e meia para um Jubileu da Terra

Roma (NEV), 13 de junho de 2020 - "Nove teses e meia" não é o título de um filme, mas a contribuição que o teólogo luterano francês Martin Kopp oferecido aos participantes do webinars “Jubileu para a terra: novos ritmos, nova esperança”. Martin Kopp durante o webinar O encontro, realizado na plataforma Zoom no dia 8 de junho e disponível para visualização no YouTube, foi organizado no âmbito das iniciativas da coligação "Temporada da Criação", que reúne organizações como o Conselho Mundial de Igrejas (CEC) e a Rede Europeia Christian for the Environment (ECEN), na promoção do Tempo da Criação, o período litúrgico ecumênico que vai de 1º de setembro a 4 de outubro de cada ano, dedicado à oração, reflexão e ação em favor do meio ambiente. “Você deve ter se perguntado como eu poderia, depois de ter ilustrado 9 deles, apresentar uma meia tese…”, piscou Kopp com os participantes do webinars. Para dar conta disso, oferecemos a seguir a tradução do pequeno texto de Kopp, até a tese "9.5". A versão pdf do mesmo texto está disponível clicando aqui. Nove teses e meia para um Jubileu da Terra por Martin Kopp, presidente da Comissão de Ecologia e Justiça Climática da Federação Protestante da França O fato de nos conectarmos hoje, para este webinars, de todo o mundo é um sinal de que os cristãos iniciaram um caminho de cuidado com a criação. E, no entanto, o baixo número de crentes, igrejas e instituições concretamente comprometidas com o meio ambiente me faz dizer que a "reforma verde" do cristianismo ainda está por vir. Como teólogo luterano, gostaria de compartilhar com vocês 9 teses e meia sobre o Jubileu da Terra. Ou seja, 9 pensamentos curtos e meio para explorar nos próximos meses. Tese 1: Um Jubileu dedicado à Terra é, na sua essência, um Jubileu dedicado a Deus, o Criador. A Terra, e tudo nela, pertence a Deus.Um Jubileu nos lembra que literalmente não possuímos nada, mas compartilhamos tudo com outras criaturas, humanas e não humanas. Tese 2: A Terra não pode mais se beneficiar plenamente de um Jubileu. Alguns danos permanentes já foram causados. Um triste exemplo é que algumas espécies foram extintas e nunca mais poderão ser recuperadas. O Jubileu da nossa geração inclui arrependimento e luto. Tese 3: Um Jubileu da Terra no início do século XXI é o último possível. Estamos nos aproximando do ponto climático sem retorno; a sexta extinção em massa já começou. O Jubileu da nossa geração é o último Jubileu possível para a Terra tal como a conhecemos. Tese 4: O Jubileu da Terra é antes de mais nada sobre pessoas e nações ricas. As chamadas nações “desenvolvidas” consomem uma média de 3,7 planetas Terra por ano, e 50% de todos os gases de efeito estufa são emitidos pelos 10% mais ricos do planeta. O Jubileu começa com os ricos. Tese 5: Um Jubileu da Terra a partir dos ricos inclui um caminho de decrescimento sustentável. O progresso tecnológico não será suficiente para reduzir o consumo mundial a apenas um planeta Terra por ano. Pessoas ricas não devem simplesmente consumir de forma diferente, mas consumir menos, embarcando voluntariamente em um caminho de frugalidade feliz. Tese 6: Só um Jubileu da Terra que comece pelos ricos pode abrir caminho a um Jubileu dos pobres. O decrescimento dos povos e nações ricos poderá liberar recursos para os povos e nações mais pobres, aos quais deve ser reconhecido o direito a um crescimento saudável e limitado do consumo para viver com dignidade. Tese 7: Um verdadeiro decrescimento jubilar implica uma mudança radical do paradigma econômico. Diminuir não significa produzir e consumir menos em um sistema econômico que continua sistematicamente baseado no crescimento contínuo. Em vez disso, o decrescimento é uma mudança de paradigma e do sistema econômico. Tese 8: O Jubileu da Terra da nossa geração não pode ser limitado no tempo, mas deve ser um Jubileu permanente. Nossa situação ecológica é tão difícil que exige uma libertação, um descanso e uma renovação da Terra que não pode durar apenas um ano, mas várias décadas. O desafio ecológico requer uma conversão. Tese 9: Eu confinamento devido ao Covid-19 ofereceram uma amostra do que poderia ser um Jubileu para a terra. Durante o confinamento vimos os animais voltarem às ruas, as emissões de gases de efeito estufa diminuírem, o ar e a água ficarem mais limpos. Isso deve nos inspirar e encorajar. Um Jubileu é possível. Tese 9.5: Por ocasião do Tempo da Criação 2020, empreenderei um Jubileu para a terra fazendo… Você deve ter se perguntado como eu poderia apresentar uma meia tese… bem, aqui está! A primeira parte convida você a fazer uma mudança em sua vida. Cabe a você continuar a frase e completar a tese! ...

Ler artigo
Cinema, está em curso a XXIV edição do Tertio Millennio Film Fest

Cinema, está em curso a XXIV edição do Tertio Millennio Film Fest

Roma (NEV), 18 de fevereiro de 2021 – “Nova Vida. Onde há perigo, até o que salva cresce” é o título da XXIV edição do Tertio Millennio Film Fest, o festival de cinema de diálogo inter-religioso da Fondazione Ente dello Spettacolo. Este ano a crítica, agendada de 23 de fevereiro a 2 de março, acontecerá online, em mymovies.it. O evento participará, entre outras coisas, como jurados, respectivamente para o júri jovem (para curtas-metragens) Caroline Bertelloda igreja valdense de Ivrea, formou-se em Engenharia de Cinema e Mídia no Politécnico de Turim, e o pastor Pedro Ciaccio para o júri do longa-metragem. Os dois expoentes evangélicos foram indicados pela Associação Protestante Roberto Sbaffi. De facto, os dois júris que avaliam os filmes em competição são expressões de comunidades religiosas que dialogam e se confrontam através do cinema, como as comunidades católica, protestante, judaica, muçulmana, budista e hindu. O título da resenha “refere-se a Dante Alighieri no 700º aniversário de sua morte, partindo da ideia de renascimento, que hoje se torna um convite a olhar para além da pandemia, para construir um horizonte amplo que supere, ao compreendê-la, a experiência da perda, da dilaceração individual e social , da crise”, declaram Marina Sanna E Gianluca Arnonediretores artísticos do festival. O programa completa-se com a experiência de formação do olhar oferecida pela Fundação a alunos do ensino secundário, no âmbito do Plano Nacional de Cinema das escolas Miur e Mibact. Para mais informações: ou tertiomillenniofilmfest.org. Aqui o programa completo do evento: Programma_TMFF_2021 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.