Gianna Sciclone, primeira pastora valdense

Gianna Sciclone, primeira pastora valdense

Fortemente empenhado no ecumenismo, o pároco foi membro do Executivo da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e da comissão que redigiu o Charta Oecumenicao documento de 2001 elaborado pelo próprio KEK e pelo Conselho das Conferências dos Bispos Europeus (CCEE), entidade católica, que contém as diretrizes para aumentar a cooperação entre as Igrejas cristãs na Europa.

Serviu várias comunidades, de Bari a San Salvo – Vasto, Florença, San Giovanni Lipioni, Carunchio. Ele foi membro da Mesa Valdense de 1988 a 1995 (como vice-moderador desde 1990). Com essa função, em 1993 assinou a integração do Acordo entre a Mesa Valdense e o Estado Italiano (Primeiro Ministro Giuliano Amato) em relação à aceitação das cotas de oito por mil destinadas à Igreja Valdense.

De 1992 a 1999 foi membro da comissão Década de solidariedade das igrejas com as mulheres (desde 1994 nomeada comissão da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália – FCEI)

Mark Rostan sobre Riforma ele lembrou que “para a igreja valdense, o ponto de partida da longa caminhada rumo ao pastorado feminino foi 1948, quando uma Comissão especial foi nomeada pelo Conselho Valdense (órgão executivo do Sínodo). No ano seguinte, a Comissão apresentou dois relatórios: um sobre o pastorado, outro sobre um possível ‘ministério auxiliar’.

“Acreditamos que não há motivos suficientes – concluiu o primeiro relatório – para continuar a excluir as mulheres de fé evangélica do ministério pastoral em sua plenitude”. O segundo texto indicava para as mulheres várias funções “além da pregação, da administração dos sacramentos e do cuidado das almas”. A incompatibilidade com o casamento foi prevista não por uma questão de princípio, mas pelo temor de que com os cuidados da família sobrasse menos tempo para a igreja. Regra abolida em 1959. Para preparar este ministério de ‘assistente de igreja’ foi criado um curso especial na Faculdade de Teologia em 1950, com três alunas, embora ainda não tivessem certeza de qual seria o seu papel. Em 1960, o Congresso da Federação Feminina pediu ao Sínodo o reconhecimento do pastorado para mulheres. Mas a decisão ainda foi adiada e remetida às igrejas locais que enviaram seu parecer: geralmente favorável, mas com muitas perplexidades de natureza prática. Finalmente, o Sínodo de 1962 reconhece “a plena validade do ministério da Palavra às irmãs chamadas”. Não foi uma decisão fácil, porém, como demonstram os números: 57 a favor, 42 contra, 10 abstenções.Em 1967 foram consagradas as primeiras pastoras; com a integração das igrejas metodista e valdense em 1979, o ministério pastoral foi aberto também às mulheres metodistas.

Em meados da década de 1980, cerca de vinte anos depois, havia cerca de 10% de mulheres pastoras nas igrejas metodistas e valdenses, hoje elas triplicaram. Na União das Igrejas Batistas, há pastoras desde o início dos anos 1980 e na igreja evangélica luterana na Itália, as pastoras estão em serviço desde os anos 1990. Em outubro de 2004 foi eleita a primeira pastora presidente do Comitê Executivo da União das Igrejas Batistas e em agosto de 2005 a primeira pastora moderadora da Mesa Valdense”. O caminho estava traçado, e Gianna Sciclone foi uma promotora pioneira e incansável.

Em agosto de 2017, por ocasião do 50º aniversário dessas primeiras ordenações, o Sínodo Valdense e Metodista quis recordar essas conquistas decisivas: “Hoje em nossas igrejas, entre pároco e diácono, representamos 40% dos inscritos”, informou o pastor Letizia Tomassone, ilustrando em coletiva de imprensa o processo nada óbvio que as mulheres evangélicas seguiram nas últimas décadas, até o “reconhecimento pleno da riqueza da pastoral feminina, com os respectivos papéis de governo na Igreja”. A igreja foi enriquecida com outras perspetivas, integrando temas como o combate à violência de género ou a proteção de menores na comunidade”, acrescentou Tomassone.

John Archdeacon, presidente da União Batista Cristã Evangélica da Itália (UCEBI), traça uma memória comovente e grata a partir de um episódio preciso. “Depois do reconhecimento mútuo entre batistas, metodistas e valdenses (BMV), sancionado com a Assembleia do Sínodo de 90, nas duas igrejas de Bari, mas também nas outras igrejas da Federação das Igrejas Evangélicas da Puglia e Lucania (FCEPL) , cresce com Gianna a consciência de estar mutuamente unidos na fé comum em Jesus Cristo e de viver a vida comum das igrejas e cada relação com o próximo no amor e na solidariedade. Cresce também o conhecimento mútuo entre as Igrejas, cada vez mais envolvidas em ações de testemunho comum e de evangelização, e a confiança recíproca fortalecida pela fraternidade e sororidade.

Em particular, no dia seguinte ao desembarque no porto de Bari de cerca de 20.000 albaneses, a pastora Gianna Sciclone (em virtude de uma doação ao Tavola Valdese de um terreno agrícola com uma construção rural contígua feita por um querido irmão, chamado Pietro), promoveu com a ajuda da igreja batista e outras igrejas evangélicas da cidade, a criação do Centro Social Evangélico “La Casetta” na via Gentile em Bari para a primeira recepção.

Ainda hoje recordo com emoção a oração de ação de graças que Gianna elevou ao Senhor na sala do ruidoso tabelião antes da leitura da escritura de constituição do Centro. O amém final foi o próprio selo daquele ato, cheio de esperança e certo do apoio do Espírito de Deus.

O Centro não estava equipado para receber os albaneses, e as igrejas estavam muito preocupadas com a organização para receber cerca de 150 albaneses no recém-criado centro da Via Gentile, mas Gianna e Vincenzo, sua querida esposa e pintora, imediatamente disponibilizaram o Centro seu campista. Este sinal foi muito apreciado pelas igrejas envolvidas na gestão e também com a ajuda delas, cerca de uma centena de tendas de campo foram instaladas no Centro que permitiram assistência temporária aos que haviam deixado a Albânia, agora dilacerada pela falta de um Estado, todos de forma e estabelecer.

Gianna não parou diante das dificuldades impostas pelas circunstâncias. Enfrentou-os, não sozinha, mas com os irmãos e irmãs que conheceu no seu caminho ecuménico, procurando sempre uma solução prática partilhada, destinada a dar substância ao testemunho comum do Evangelho.

Agradeço ao Senhor por vos ter conhecido e ter tido a honra de partilhar convosco um pedaço do vosso caminho de fé e por ter recebido de vós a alegria do serviço na nudez desarmada de quem não tem outra garantia senão o amparo do Espírito de Deus”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Novo corredor humanitário do Líbano

Novo corredor humanitário do Líbano

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) Roma (NEV), 25 de março de 2022 – Enquanto o drama da guerra na Ucrânia está em curso, os corredores humanitários continuam a salvar os refugiados vítimas de outro conflito que dura mais de 11 anos, o da Síria. Um caminho de salvação que se mostra ainda mais importante neste momento diante da atual e grave crise internacional. 85 refugiados sírios que vivem há muitos anos em campos de refugiados no Vale do Bekaa e no norte do Líbano e que nos últimos meses sofreram um agravamento das suas condições de vida não só devido à pandemia mas também à gravíssima situação política, económica e social crise que este país atravessa. A este primeiro grupo juntar-se-ão mais 20 pessoas, cuja chegada está prevista para 28 de março, num total de 105 pessoas. Entre eles, 38 são menores de idade: algumas crianças doentes para as quais o tratamento não é mais garantido no Líbano e jovens que nunca puderam frequentar a escola nos últimos anos. Antes da partida, todos os refugiados receberam a vacina anti-Covid 19 graças ao corpo médico e de enfermagem da Defesa, que trabalham no país sob a coordenação do Comando Operacional da Cúpula de Forças Conjuntas (COVI).. Sua entrada na Itália foi possível através dos corredores humanitários promovidos pela Comunidade de Sant'Egidio, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e a Tavola Valdese, em acordo com os Ministérios do Interior e das Relações Exteriores, que desde fevereiro de 2016 trouxeram em nosso país mais de 2150 pessoas. Ao todo, mais de 4.400 requerentes de asilo chegaram à Europa pelos corredores humanitários. As famílias que chegaram esta manhã serão também acolhidas por associações, freguesias, comunidades e cidadãos individuais em várias regiões italianas (Piemonte, Lombardia, Vêneto, Emília, Toscana, Lazio, Sicília) e será lançado em um caminho de integração: para menores através de matrícula imediata na escola e para adultos, imediatamente com'aprendizagem da língua italiana e, uma vez obtido o estatuto de refugiado, entrada no mundo do trabalho. Os corredores humanitários, inteiramente autofinanciados (a partir da arrecadação de Sant'Egidio e dos 8 por mil da Mesa Valdense) e criados graças a uma ampla rede de acolhimento, representam um Melhores Práticas para todos aqueles que são forçados a deixar suas casas para escapar do horror das guerras que combinam solidariedade e segurança. Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, declarou: “Novas emergências e abertura de novas frentes não eliminam as consequências de outras tragédias e não atenuam a necessidade de apoiar aqueles que buscam em outro lugar novas chances de vida ou mesmo de sobrevivência. Este é o sentido da chegada de refugiados da Síria, pelo sempre ativo corredor humanitário do Líbano”. ...

Ler artigo
Tudo começou com Jerry Maslo, morto em 25 de agosto de 1989

Tudo começou com Jerry Maslo, morto em 25 de agosto de 1989

Roma (NEV/Riforma.it), 21 de agosto de 2019 - Há trinta anos, em 25 de agosto de 1989, ele faleceu Jerry Essan Masslo, um refugiado sul-africano de 30 anos, morto em Villa Literno (Ce) por uma quadrilha de criminosos que roubaram os frutos de alguns meses de trabalho como operário na colheita de tomate. Trinta anos depois daquele assassinato, sentimos que podemos dizer que "tudo" começou com aquela história dramática. Com este "tudo" queremos dizer que antes daquele assassinato, a Itália não compreendia a extensão do fenômeno da imigração. Não só a Itália da política, mas também a dos estudiosos e iniciados que pareciam não compreender a extensão da novidade que se espalhava pela sociedade italiana: o país, historicamente um país de emigração, já havia se tornado um destino para centenas de milhares de imigrantes que se inseriram em alguns “interstícios” do mercado de trabalho nacional. Estes incluem o trabalho agrícola no Sul, com pa ghe baixo e vivendo na precariedade de vistos para "turismo". Na época, poucos – gostaria de citar nomes de sociólogos como Giovanni Mottura e Enrico Pugliese – compreenderam a dimensão estrutural e permanente daquele fenômeno. Principalmente se dizia que era um processo contingente e reversível porque a Itália, quase por destino e fatalidade, “não era um país para imigrantes”. Sabemos que não foi assim e hoje, com 8% de população imigrante, o nosso está entre os países com maior densidade imigratória da Europa.Ao contrário do que aconteceu nos anos seguintes, o assassinato de Jerry Masslo não passou despercebido e, a pedido da CGIL, foi-lhe concedido um funeral de Estado. As imagens oficiais que nos chegam dessa cerimónia falam de uma Itália que ainda sabe chorar um imigrante e que consegue ouvir o seu pranto. Como aquele que poucos dias antes de sua morte Jerry havia lançado das câmeras de Nonsolonero, um programa da Rai2 sobre imigração que hoje é difícil até mesmo imaginar na programação da TV pública: «Ter pele negra neste país é um limite para a cidadania coexistência Jerry disse. O racismo está aqui também... Nós do terceiro mundo estamos contribuindo para o desenvolvimento do seu país, mas parece que isso não tem peso. Mais cedo ou mais tarde, alguns de nós serão mortos e então perceberemos que existimos».Outras coisas, entretanto, não foram mencionadas, como o fato de Jerry ser um pregador batista. No entanto, talvez pelo preconceito segundo o qual na Itália o cristão é "naturalmente" católico ou pela lógica institucional de um funeral de Estado que parecia ser celebrado apenas no rito católico, Masslo não teve o funeral evangélico que teria apreciado. Foi um péssimo acidente para o ecumenismo, bem denunciado pelos líderes das igrejas batistas. Mas na história de Jerry também havia um gesto ecumênico, o dos jovens da Comunidade de Sant'Egidio que o conheceram, seguiram sua história e, conhecendo sua fé evangélica, entregaram-lhe um exemplar da Bíblia no Versão padrão em inglês. Quem quiser pode encontrá-lo junto com outros em um altar na igreja de Trastevere, onde fica a Comunidade de Sant'Egidio, e folheando-o você encontrará notas e sublinhados.Com Jerry, idealmente, também começa outro processo, aquele geralmente definido como "Estar juntos na igreja" e que trouxe milhares de irmãos e irmãs imigrantes aos bancos das igrejas evangélicas italianas.Aquele assassinato e uma ampla mobilização pelos direitos dos imigrantes também abriram um processo político que, em poucos meses, levou à aprovação da primeira lei orgânica da imigração, a famosa "Martelli", dispositivo que se comparava às posteriores ainda hoje ela nos parece inovadora e corajosa.O aniversário da morte de Jerry Masslo nos obriga a refletir sobre o que nos tornamos, como povo e como Igrejas, nos últimos anos. Chamemo-lo de “balanço ético” da nossa civilização política e do nosso testemunho evangélico para com os imigrantes. ...

Ler artigo
Terremoto, Conselho Valdense aloca 500 mil euros

Terremoto, Conselho Valdense aloca 500 mil euros

Roma (NEV), 21 de fevereiro de 2023 – A Tavola Valdese decidiu destinar 500 mil euros, obtidos dos fundos Otto per Mille atribuídos anualmente às Igrejas Metodista e Valdense, para a criação de um fundo especial destinado a financiar intervenções de ajuda para o populações afetadas pelo terremoto que devastou a Síria e a Turquia. “A Igreja Evangélica Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense, ele comenta Alessandra Trotta, moderador do Tavola Valdese, está próximo das populações síria e turca atingidas violentamente pelo trágico terremoto de 6 de fevereiro. Orações e sentimentos de proximidade vão para as vítimas, os feridos, os sobreviventes e todas as pessoas que estão trabalhando para levar ajuda e apoio na certeza de que Deus não se afasta da dor de suas filhas e filhos”. "Graças à rede de Igrejas irmãs presentes nas áreas mais afetadas e às organizações de comprovada eficácia e confiabilidade com as quais estabelecemos relações consolidadas de colaboração nessas áreas - continua Alessandra Trotta - procuraremos obter uma ajuda adequada e eficaz, ainda menos sob os holofotes da atenção pública, como os sírios já castigados por anos de guerra. Diante de uma tragédia tão imensa, que revela ainda mais a fragilidade humana, somos todos chamados a mostrar o que de melhor pode fazer esta frágil humanidade se iluminada por um espírito de solidariedade capaz de superar fronteiras e barreiras”. O moderador Trotta também enviou uma mensagem de condolências à pastora Najla Kassab, do Sínodo Evangélico Nacional da Síria e Líbano e presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, expressando total solidariedade e apoio às igrejas metodistas e valdenses italianas. A Igreja Valdense contribui, como outras confissões religiosas, para a distribuição dos fundos Otto per Mille e optou por alocar todas as contribuições para apoiar intervenções sociais, assistenciais, humanitárias e culturais, na Itália e no mundo. O Otto per Mille pode ser atribuído por todos os contribuintes a uma das confissões religiosas com as quais o Estado italiano tenha assinado um acordo, ou ao próprio Estado. O Otto per Mille na verdade funciona como um voto, pois é dividido proporcionalmente ao número de escolhas feitas. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.