Sobre amores protestantes – Nev

Sobre amores protestantes – Nev

Roma (NEV), 14 de fevereiro de 2020 – “Ao meu amável senhor”, escreveu a ela. Ele fora frade, ela freira, antes de casar. Estamos nas primeiras décadas de 1500 e a igualdade de gênero ainda estava por vir.

E apenas em 14 de fevereiro de 1546, quatro dias antes de morrer, Martinho Lutero dirigido a sua esposa, Katharina von Bora, uma ex-freira cisterciense educada com quem se casou em 1525, a última de uma longa série de cartas. Restam 21 e a correspondência virou livro, editado por Reinhard Dithmar, editado por Claudiana. A primeira dessas cartas de Lutero para sua esposa data de 4 de outubro de 1529 e começa com o relato das conversações de Marburg. O livro com as cartas entre os dois reformadores, resenhadas entre outras coisas pelo escritor e jornalista Natália Aspesi, mostra um Lutero íntimo e privado e apresenta a relação entre um marido e uma esposa muito amada e estimada, inclusive no campo teológico.

Um ano depois, em 1547, outra figura feminina de primeira importância para o protestantismo morreu em Roma, Vitória Colonna, marquesa de Pescara, pertencente à mais famosa e controversa corrente de reforma em curso na Cúria Romana. Segundo muitos estudiosos, Vittoria Colonna, poetisa e nobre, teria influenciado a religiosidade e o processo criativo de Michelangelo na década de 1540.

A Pietà de Vittoria Colonna, desenho a giz sobre papel de Michelangelo Buonarroti, datável de cerca de 1546 e preservado no Museu Isabella Stewart Gardner em Boston

Entre a mulher, uma das figuras mais influentes do evangelismo italiano, e o artista, houve também por muitos anos uma estreita correspondência epistolar, outras cartas, portanto, das quais duas cartas de Michelangelo e cinco da marquesa permanecem até hoje. “Um homem em uma mulher, de fato um deusisso Michelangelo viu nela, como escreveu em suas rimas.

Também neste caso, subverter a identidade de gênero, subverter masculino e feminino, para atribuir respeito, honra e estima a uma mulher que não representa o amor romântico, mas sim uma referência espiritual, intelectual e cultural.

Provavelmente haveria muito mais “histórias” de diferentes “amores” a serem celebradas hoje, 14 de fevereiro. Para redescobrir, em vez ou antes dos chocolates, também o sentido primitivo de uma festa que deriva da lupercali, antigos ritos pagãos dedicados ao deus da fertilidade Luperco. Em sua homenagem, explica Treccani, as comemorações foram realizadas no dia 15 de fevereiro festas lupercais de purificação: primeiro as cabras e um cachorro foram imolados, depois dois jovens Luperci, com as testas molhadas com o sangue das cabras e vestidos com as peles dos animais sacrificados, correram pelo Monte Palatino atingindo as mulheres com tiras do mesmo pele.

Era então o Dia dos Namorados: dias ligados à natureza, ao despertar da primavera, aos ritos de fertilidade dos campos e das pessoas. [BB]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Mattarella em Torre Pellice em agosto.  O sonho pró-europeu nasceu aqui.

Mattarella em Torre Pellice em agosto. O sonho pró-europeu nasceu aqui.

A placa será inaugurada na manhã de quinta-feira, 31 de agosto, na Torre Pellice, na presença do Presidente da República, Sérgio Mattarella, com um dia dividido em dois momentos distintos: um envolverá instituições civis locais e outro será dedicado à Igreja Valdense, realidade histórica do protestantismo reformado. À tarde continuaremos com uma conferência histórica promovida pela Prefeitura e pela Fundação Centro Cultural Valdense. A conferência, intitulada “A Europa de Altiero Spinelli. O importante legado de um federalista”, terá lugar no Teatro del Forte pelas 16h30. “Será um dia histórico não apenas para a comunidade de Torre Pellice, mas para toda a área de Pinerolo e os vales valdenses do Piemonte. – declara o Prefeito de Torre Pellice, Mark Cogno –. A presença e atenção do Presidente para pequenas comunidades como a nossa nos honra e nos fortalece em nossas ações diárias. Oitenta anos depois de 1943, a presença do Presidente adquirirá um significado ainda mais profundo para o nosso território graças aos valores democráticos e republicanos consagrados na nossa Constituição". "Estamos honrados com a visita do Presidente Mattarella em uma ocasião tão significativa para uma Igreja que sempre combinou uma fé vivida à luz do Evangelho de Jesus Cristo com um compromisso civil apaixonado – declara o moderador do Tavola Valdese, Alessandra Trotta –. Um tipo de compromisso que para toda uma geração de jovens valdenses em nossos vales e em outros lugares, exatamente oitenta anos atrás, também se tornou dramaticamente um compromisso de resistir ao nazifascismo, guiado por uma visão ampla de uma Itália e uma Europa fundadas em princípios de liberdade e a democracia, respeitadores da pluralidade de ideias e valores, amantes da paz e orientados para a promoção da solidariedade e dos direitos humanos". Recorde-se que entre 26 e 28 de agosto de 1943, a reunião de fundação da seção italiana do Movimento Federalista Europeu foi realizada na casa milanesa de Rollier, com a presença de Spinelli. O próprio Spinelli será então convidado de Rollier, alguns dias depois, na Torre Pellice onde, há oitenta anos, proferiu aquele primeiro discurso histórico. Uma utopia concreta e um projeto ainda por concretizar, portanto, a ideia de uma Europa federalista conheceu, de facto, um momento chave com o Manifesto Ventotene (escrito em 1941 por Ernesto Rossi e Spinelli), mas teve também uma passagem fundamental na Torre Fur. Alguns meses depois, em 19 de dezembro de 1943, encontramos Rollier em Chivasso, onde um grupo misto de antifascistas do Vale de Aosta e representantes dos vales valdenses se reuniram para redigir a chamada "Declaração de Chivasso". Reivindicava um federalismo que reconhecesse as pequenas autonomias culturais e linguísticas como expressões de liberdade face a uma visão autoritária e centralista do Estado. O mesmo grupo valdense que inspirou este documento desempenhou um papel importante na organização das "Jornadas Teológicas de Ciabàs" (1-2 de setembro de 1945) cujo tema era, precisamente, "Ecumenismo cristão e federalismo europeu". Leia Chiesavaldese.org ...

Ler artigo
Um instituto ecumênico, um sinal profético de diálogo em Marrocos

Um instituto ecumênico, um sinal profético de diálogo em Marrocos

Roma (NEV/Riforma.it), 1º de abril de 2019 – “Um sinal profético”: assim disse ontem o Papa Bergoglio em visita a Marrocos definiu o Instituto de Formação Teológica Al Mowafaqa (The Meeting) de Rabat, que representa um unicum no continente africano, pois foi criado graças a uma ação conjunta de católicos e protestantes para promover o diálogo e o ecumenismo, especialmente em relação à religião dominante na região, o Islã. Fundada em 2012, a escola formou cerca de 400 alunos ao longo dos anos na cultura do diálogo inter-religioso, e atualmente acolhe 40 deles, divididos igualmente entre católicos e protestantes, quase todos africanos, mas não faltam jovens de origem europeia . Cerca de oitenta professores se alternaram na cadeira nestes 6 anos, também de origem africana e europeia. O pastor luterano atualmente dirige o instituto Jean KoulagnaCamarões, após 6 anos de liderança do pastor reformado francês Bernard Coyault. O projeto é apoiado, entre outros, pelo Serviço Missionário Protestante Francês (Défap), tanto com financiamento direto quanto com o envio de bolsistas. O crescimento das tensões ligadas à radicalização religiosa evidencia a cada dia a necessidade de manter vivo o diálogo entre as diversas religiões. Mas como um pode dialogar sem saber do outro, em que se baseia sua fé? O Instituto realmente tenta ser um ponto de encontro entre as diferentes religiões. Criado pela Igreja Católica no Marrocos e pela Igreja Evangélica no Marrocos, o instituto oferece formação universitária em teologia em língua francesa, enraizada no contexto marroquino, aberta ao encontro e ao diálogo com outras culturas e religiões, principalmente a islâmica. O apoio para o planejamento da iniciativa veio da Faculdade Teológica Protestante de Estrasburgo e do Instituto Católico de Paris. O último ano letivo contou com 36 professores (8 mulheres) da Europa (15), Marrocos (5), outros países africanos (14), Líbano (2), protestantes (15), católicos (14), muçulmanos (5), judeus (2). As classes refletem essas diferenças; um exemplo acima de tudo, uma turma de 18 alunos de 14 países diferentes: o seu percurso de estudo divide-se entre várias opções: alunos que se candidatam a igrejas em Marrocos, servindo também em paróquias locais (4 católicos e 3 protestantes), alunos independentes e alunos enviados de outros países por sua igreja local. Estudantes católicos, reformados, evangélicos, pentecostais são a confirmação da crescente influência do Instituto e da relevância do modelo de formação teológica "em diálogo", especialmente em países onde o cristianismo é minoria. Marrocos, envolvido nos últimos anos pelo êxodo de populações que se deslocam de países subsaarianos para a Europa ou para os mesmos países com melhores condições económicas, incluindo o próprio Marrocos. Daí as novas contaminações religiosas que também caracterizam a sociedade marroquina. Outras nações do continente vivem tensões nas quais as identidades étnico-religiosas são perigosamente manipuladas. A única receita é o conhecimento do outro e o Instituto trabalha para isso. Existem cerca de dez mil protestantes no Marrocos, trinta mil católicos de uma população total de cerca de 33 milhões. ...

Ler artigo
31 de outubro.  Dia da Reforma em nome da solidariedade global

31 de outubro. Dia da Reforma em nome da solidariedade global

Martinho Lutero e Katharina von Bora Roma (NEV), 30 de outubro de 2020 - 31 de outubro de 1517 Martinho Lutero afixou suas 95 teses no portal da igreja do Castelo de Wittenberg, evento que se convencionou considerar o início da Reforma Protestante. Ainda hoje, as igrejas protestantes pedem uma igreja "sempre reformanda". Daniele Garronepároco valdense e membro do Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), diz: "Recordar a Reforma não é vangloriar-se de um legado, mas sempre ouvir de novo uma vocação, que é a do evangelho da graça" . Em todo o mundo, por volta do dia 31 de outubro, várias iniciativas acontecem. Este ano, o aniversário da Reforma ocorre durante a pandemia do coronavírus "que trouxe morte, sofrimento físico e revelou injustiças globais - escreve a Federação Luterana Mundial (FLM) -, mas também ocorre em um momento de solidariedade global". “Neste tempo de pandemia e agitação social, estamos cientes de que defender reformas em direção a uma paz justa, para as pessoas e para o planeta, requer um certo grau de raiva contra a injustiça e a coragem de confiar na obra transformadora de Deus”, declara o pastor Chad Rimmerdiretor do Programa FLM no Departamento de Teologia, Missão e Justiça. Comemorando o Dia da Reforma, Rimmer continua, "nos lembra que a Reforma não é olhar para trás em um momento histórico, mas olhar para frente, com esperança, para a reforma em curso na igreja, na sociedade e em toda a Terra habitada". A Juventude Luterana Mundial conduzirá a “Oração Global pelo Dia da Reforma” com o lema “Um Corpo, Um Espírito, Uma Esperança”. A liturgia (em inglês, espanhol, francês e alemão) se concentra na reconciliação do batismo com Deus e com toda a criação. Encontro no sábado, 31 de outubro, às 15h (GMT + 1) no Zoom e em transmissão ao vivo no Facebook. Outras iniciativas: Domingo, 1º de novembro. Culto da Reforma na eurovisão de Lugano às 10h no RAIDUE – protestantismo especial. Sábado 31 de outubro. “Um passo adiante para a Bíblia Reformada”, tarde dedicada à apresentação da revisão do Novo Testamento da Sociedade Bíblica da Itália. Alemanha. Um selo para as Mulheres da Reforma ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.