Vamos recomeçar com você.  Para libertar homens e mulheres da violência

Vamos recomeçar com você. Para libertar homens e mulheres da violência

Foto Sammie Vasquez – Unsplash

Roma (NEV), 13 de maio de 2022 – “Vamos começar de novo com você” é um projeto da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). É uma série de encontros de reflexão e formação contra a violência. “Nos últimos anos – escreveu o presidente da FDEI, pároco Gabriela Liona carta de apresentação do projeto, antes da pandemia – inúmeras iniciativas foram desenvolvidas com o objetivo de envolver homens, meninos e meninas na luta contra a violência de gênero, tanto nacional quanto internacionalmente, mas na Itália o envolvimento do gênero masculino contra a violência contra mulheres ainda está dando pequenos passos”.

Hoje em Gravina começa uma nova etapa dessa jornada. “Vamos recomeçar contigo” é um projeto articulado enraizado nos vários territórios, onde especialistas e operadores da área são chamados a confrontar apontamentos. A programação também inclui apresentações teatrais, encontros e depoimentos.

O conceito subjacente é que uma nova aliança entre os gêneros é necessária. Para esta aliança, é necessário que cada pessoa se sinta diretamente interpelada: por um lado, é necessário ajudar as mulheres a estarem presentes e ativas nestas questões. Por outro lado, todo homem deve ser sensibilizado. A violência masculina contra a mulher também é um problema masculino. Não só de quem pratica a violência, mas também de quem a tolera, de quem a esconde, de quem a ignora ou, de alguma forma, a aprova tacitamente.

Gabriela Lio, presidente da FDEI fala

“A violência contra a mulher é transversal – declara a pastora Gabriela Lio -. Em todos os lugares encontramos peculiaridades, mas a violência perpassa todas as classes sociais, religiões, origens. Existem, no entanto, algumas características específicas. A situação das mulheres, de certa forma, varia de região para região”.

Em Nápoles, por exemplo, Lio se refere a jovens que entendem a relação de “noivado” de forma disfuncional. “Os centros antiviolência nos contaram sobre meninas que expressam descontentamento se seus namorados não batem nelas ou as tratam mal. Alguns viriam a desejar ser mantidos dentro de casa. Segundo algumas dessas meninas, a ideia é que se o menino não se comportar assim, ‘então ele não me ama’”.

Os centros anti-violência trabalham na prevenção, mesmo com raparigas de 12, 13 anos, para que este tipo de “modelo”, que se baseia na aprovação de comportamentos que podem conduzir a delitos, não se torne um destino obrigatório. Nem para meninos nem para meninas. O risco é prender ambos os sexos em uma espiral de violência e dependência tóxica.

Uma figura que não apareceu em nenhum outro lugar, explica o presidente Lio, é a dos feminicídios entrelaçados com os atos da Camorra. Exemplo disso é a morte inocente do adolescente de 14 anos Annalisa durante, que ocorreu em Forcella em 27 de março de 2004 durante um confronto armado entre membros de clãs rivais. A FDEI envolveu a associação que leva o seu nome.

“Visitamos o local onde Annalisa Durante foi assassinada. Poderíamos ter ido a muitos outros lugares, porque os casos são tristemente numerosos”, diz o pároco.

O Hospital Evangélico de Gênova, que está na vanguarda em muitos pontos de vista, foi envolvido na etapa relacionada. Os hospitais apresentam-se como locais privilegiados de educação, também no futuro. “É importante saber o que pode acontecer, para preparar a equipe do pronto-socorro. Precisamos envolver as associações associadas nos territórios. E criar caminhos para os atores da violência. Só assim podemos intervir, escutar, restabelecer um caminho de consciência. Às vezes o grito é muito alto e você não sabe o que dizer. Conhecer permite entender em que fase da espiral da violência as mulheres se encontram”, volta a propor Gabriela Lio.

Um ponto importante, sublinhado por oradores de centros anti-violência, tanto em Nápoles como em Florença, é o seguinte: “Muitas pessoas foram positivamente afetadas pelo fato de as termos convidado a falar. Porque isso nunca acontece. Normalmente as Associações são convidadas a ouvir (na prefeitura, em cursos com a polícia). Escolhemos uma política de ‘mulher para mulher’. Dialogar com quem trabalha no campo”.

A violência de gênero, continua Lio, “é revelada. Existe na migração, existe quando se fala de refugiados, existe no setor de acolhimento, existe na fronteira… A violência se expressa no tráfico de pessoas, mas também no trabalho. E isso também é violência.”

Onde estão os homens? Há uma grande participação de homens principalmente no teatro. Esta também é uma forma de criar novos laços, novas relações. E novas visões.

“Em Florença estávamos no jardim dedicado a Michelle Noli – finaliza Gabriela Lio -. Conhecemos a mãe e o pai de Michela, Massimo Noli E Paula Alberti, e compartilhamos um momento de poesia e oração. Foi um testemunho muito tocante. Assumimos um compromisso com esses pais e com todas as mulheres vítimas de violência. Pretendemos contribuir com sua campanha para reivindicar uma lei contra a sonegação de conhecimento. A intenção é estabelecer uma espécie de obrigação de denúncia como a que existe, por exemplo, nas escolas em casos de suspeita de maus-tratos e abuso de menores. Tem gente que sabia do risco, e não falou. Precisamos de uma lei anticonspiração”. O 5º Troféu ‘Corri per Michela’ será realizado no domingo, 15 de maio, em sua memória e para aumentar a conscientização sobre a violência contra as mulheres.

“Vamos começar com você” envolve muitas redes e muitas mulheres, inclusive Bárbara Caviglia E Lúcia Tubito presidente do Movimento de Mulheres Evangélicas Batistas (MFEB).

Em Gravina.

O projeto envolve as igrejas de Puglia e Basilicata. Está previsto um espectáculo, “O amor… não agüenta tudo”, com o patrocínio do Teatro Vida. Haverá um momento memorial para uma mulher batista, uma imigrante argentina, que morreu durante o confinamento de câncer. Devido ao covid, não foi possível dar-lhe uma despedida fúnebre. Também trabalharemos a importância da linguagem inclusiva, com uma mesa redonda em conjunto com as associações locais, inclusive no plural Masculino. Domingo, adoração.

Vamos recomeçar com você

“Trabalhar nas causas sociais e culturais da violência de gênero, para sermos portadores de mudança e, portanto, com possibilidade de sensibilizar para intervir, influenciar e transformar as situações de violência de gênero. Construir relações e práticas diferentes das do domínio no contexto em que nos encontramos. Para testemunhar a nossa fé”.

Passos passados ​​e futuros

O projeto já envolveu Nápoles, juntamente com mulheres e pastores adventistas e luteranos (1 a 3 de abril). Gênova, com o Hospital Evangélico Internacional (8 a 9 de abril) e com mulheres anglicanas. Florença com a colaboração de teólogos protestantes (5-6 de maio), no Instituto de Teologia da União Italiana das Igrejas Cristãs Adventistas do Sétimo Dia (UICCA). Aqui participaram os alunos de teologia, com a presença também dos professores.

Em seguida, será a vez de Milão (27 a 28 de maio) e, finalmente, de Roma (junho) com a participação do Exército de Salvação (EdS).


Para saber mais:

O serviço de vídeo em HopeMedia.

Os pastores e teólogos falam Elizabeth Green E Lídia Maggi, da Igreja Batista; Letizia Tomassone da Igreja Valdense; E Corinne Lanoirprofessor de Antigo Testamento na Faculdade de Teologia Protestante de Paris.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Caim e Abel juntos em nós

Caim e Abel juntos em nós

No texto bíblico que fala de Caim e Abel, o tema de "Voz do sangue de seu irmão." Em hebraico, literalmente, falamos de "sangues", no plural, talvez em tom de reforço, e certamente no sentido de "ssangue derramado". Os “sangues” de Abel “geles riem do céu. é um sponto perturbador. Nós sabemos – continua Garrone -. Hoje o sangue de Abel é exibido ao vivo. Vemos isso diariamente nos noticiários e na imprensa. Às vezes mais modestamente, mas mais frequentemente não. o Padosso diz respeito à pergunta: que emoções este grito de hoje desperta em nós? O risco é o de umhabituação, que é de fato uma reação defensiva, mas corre o risco de não nos fazer compreender a extensão deste grito". Sobre a culpa de Caim, novamente, ele diz: “Se for muito grande, a lEttore Cristiano poderia dizer isso Deus pode 'levantar' o pecado. Caim nunca partiu, e nem Abel. O Vo problema somos nós que, em média, não somos nem Caim nem Abel, pois não matamos ninguém e não somos torturados ou exterminados. Temos que descobrir como para se posicionar com responsabilidade no mundo, entre os perpetradores e as vítimas. Estamos nesta zona intermédia, que poderíamos definir como zona cinzenta, onde, no entanto, existe o risco de esquizofrenia, como a que em Shoah levou à atrocidade do anti-semitismo nazista. E onde, ao mesmo tempo, havia aqueles que se matavam para se opor a ela e aqueles que, em vez disso, compartilhavam as medidas antijudaicas. estamos nessa tbTemo que possa me tornar Caim ou Abel. como cristiani vamos fazer um rA teoria de Abel, impulsionada por uma espécie de atração pelas vítimas. Se você é uma vítima, você é bom. Mas se quando Caim se aproximasse de Abel, Abel se virasse e escapasse, ou se vingasse, ele não seria mais Abel. Assim acontece hoje, em cconflitos em curso, nas migrações. Não podemos resolver a questão por meio de dicotomias ou sem reconhecer que estamos em meio às ambiguidades do mondo”. Yassine Lafram, Presidente da União das Comunidades iMuçulmanos na Itália (UCOII), falou de diálogo como experiência, e reafirmou aimportância do encontro, além das diferenças, na clareza dem suas respectivas posições. “Se Deus quisesse fazer de nós uma única comunidade, ele o teria feito, ao invés disso, ele nos fez diferentes – disse citando o Alcorão -. Deus criou Povos e tribos para que 'se conheçam', está escrito”. Lafram também sublinhou a necessidade de “tornar o diálogo pandêmico, não só na esfera religiosa, mas também levando-o para outro lugar, onde não seja considerado necessário, onde pareça anômalo. Por exemplo, em um festival de cinema como o TMFF”. Lafram também lembrou como, no Alcorão, pe.O primeiro pecado cometido pela humanidade é o de Satanás. Deus pede que Adão e Satanás fiquem consternados, este se recusa dizendo que vindo do fogo é melhor do que a terra, o barro do qual Adão é feito. “Uma pena de sarrogância, a de se sentir melhor do que os outros. Então – continua Lafram – vem o primeiro crime da humanidade, na primeira família da humanidade, e esse crime ocorre entre irmãos”. existem dopiniões e interpretações divergentes dos exegetas, mas no texto seguinte, ao falar dos filhos de Adão, o Alcorão reconhece a sacralidade da vida humana. O rabino Benedetto Carucci Viterbi em seu discurso falou dos laços de fraternidade na Bíblia, desde Ismael e Isaque, um Esaú e Jacó, um José e seus irmãos. é "rcontribuições concretas, de uma humanidade que nasce de um fratricídio". Bom e mau, no texto como noexegese, são difíceis de desemaranhar para o judaísmo. “No entanto, em algumas interpretações judaicas Caim é o primeiro ser humano que se arrepende. Quando ele diz 'o mEu peco é muito pesado para suportar (?)', como uma pergunta ou como uma afirmação, pode-se dizer que Deus seja capaz de perdoar até mesmo essa falha. é um vers chave. Uma espécie de confissão." Relegar Caim sozinho na esfera do mal é uma simplificação, argumenta o rabino. Também, quando o padre questiona Caim, que diz “Eu me arrependi e fiz um acordo. Uma mediação”, Adam percebe que é possível e diz que tentará se arrepender. “Caim ensina seu pai. O pai segue o que o filho ensina”, disse Carucci Viterbi. “Conhecer é misturar – acrescentou, citando Adão e Eva que, misturando o bem e o mal, mesmo na metáfora da união, introjetaram ambos -. Constitutivamente, o ser humano é, portanto, constituído por dois instintos. Em nós existem Caim e Abel juntos". Swamini Shuddhananda Ghiri, freira hindu e referente da União Hindu Italiana (UII) começou falando de como esta história de Caim e Abel pode ser percebida comosugestão e como provocação. Encontrar um "semelhança simbólica” que, sem forçar paralelos, indica um diálogo possível. É a figura do filho de Prajapati que dá origem a toda a manifestação viva. “The Bright and the Dark, traduzido do sânscrito. Eles representam boas forças e forças egoístas. No hinduísmo não há palavra para o mal. Onde falamos do mal, na verdade estamos falando da afirmação de uma individualidade contra a empatia. Diga simSomos todos bons ou maus é uma simplificação”. Para Shuddhananda Ghiri a humanidade vive em um “umdesejo constante de voltar ao um, ao absoluto. A dualidade que caracteriza a existência humana na Terra é a mesma com que fnos enfrentamos em uma luta contínua”. Outro exemplo dessa dualidade tentando integrar está presente no miti, em escrituras e representações iconográficas. “A figura feminina de Durga, aquela que é difícil de destruir, e carrega dentro de si não só o maternal que acolhe, mas também a forma do tridente que mata o búfalo, uma espécie de demônio que tem a característica de mudar de forma continuamente . Representa simbolicamente nossas mentes e impulsos. Como seres humanos somos levados a males mortais, como a insatisfação no micro e macro cosmo social, e isso está na raiz do conflito. Conforme declarado no Veja, temos que reconhecer este aspecto, dentro e fora de nós mesmos”. no tRaízes indianas e hindus em particular, explicou a religiosa, não há palavra para dizer "demônio", no sentido maniqueísta ou como uma realidade ontológica. “O Pe.arola Dharma, no sentido de harmonia, bem comum e justiça, tem o oposto a-Dharma, no sentido privativo. Isso marca a polaridade, como aquela entre umtração e repulsão. Queremos dizer o dual como um desafio a ser superado para alcançar a unidade. Este é um conceito no qual se encontram as religiões”, concluiu Shuddhananda Ghiri. Chapéus William Doryu do Anshin Zen Center e membro da União Budista Italiana (UBI), conectado remotamente, reafirmou o valor do “mescola". Mesmo no budismo não existe um termo para "mal", mas existe um termo indicando situações insalubres. “Saber cousa fazer para evitar as más ações - disse Doryu Cappelli -, nos apoiamos nas religiões, em busca de respostas, ou caminhos espirituais precisos. Como se quiséssemos entrar para um clube, ter uma identidade precisa e nos identificarmos em determinados caminhos. Também no budismo temos Pe.receptivos, que procuramos seguir, como em outras religiões. No entanto, não há nada tão certo e definido. PARA Às vezes, o mal vem de tentar derrotar outro mal. não existe eudeusa absoluta do 'mal' e do 'bem'. Veja o conto zen da rocha azul, caso 41. Ele diz 'Onde o direito é o mistura errada, nem mesmo eu ensaios pode Sei; […] nem mesmo os Budas podem saber.[…] Ele caminha no gelo sutil E corre sobre a lâmina de uma espada'. Também no dNos discursos de Buda, encontramos aforismos simples, como 'Pare de fazer o mal, pratique o bem, cultive o bem, purifique o coração'. Às vezes, para fazer isso, temos que ir contra certas indicações, parair além das dicotomias. O puro entra na terra sem caminhos em uma dimensão além. Mas o que isso significa?urness? Minimizando o mal? continuou Doryu Cappelli, questionando-se sobre como evitar a absolutização do mal, como compreender sua impermanência e como analisar as interconexões. E concluiu com um convite a despertar no intercâmbio de culturas e geografias. A conferência foi aberta com saudações de David Milani (presidente da Fondazione Ente dello Spettacolo que organiza o Tertio Millennio Film Fest) e do Juliano Savina (diretor do Departamento de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso da Conferência Episcopal Italiana e coordenador da Mesa de Diálogo Inter-religioso que promoveu a conferência e escolheu o tema da festa). ...

Ler artigo
A luta contra as alterações climáticas é um imperativo

A luta contra as alterações climáticas é um imperativo

Foto de John O'Nolan no Unsplash Roma (NEV), 13 de janeiro de 2023 – Para a Igreja Evangélica Reformada da Suíça (EERS), a proteção do clima é uma questão fundamental. Recentemente, o Conselho EERS se posicionou sobre a "iniciativa do glaciar" e sobre a contraproposta que analisou do ponto de vista do protestante reformado: Deus é o criador e guardião do mundo e de toda a vida. Nessa perspectiva, o ser humano não é o centro nem o fim da criação, mas faz parte dela, como uma criatura entre outras. Segundo uma declaração do Concílio, “considerar o mundo como Criação significa tê-lo recebido não simplesmente como o mundo que nos rodeia (Umwelt), mas também como o mundo em que vivemos (Mitwelt). A natureza da criatura é caracterizada pela igualdade de todos os seres vivos”. Referindo-se às idéias do reformador Ulrich Zwinglio, o Conselho da EERS quer assim sublinhar que “na Criação, todos os seres devem considerar-se beneficiários daquilo que é dado, para que ninguém possa ter quaisquer privilégios de acesso. Nesta visão, todos os bens constituem um dom que retribui igualmente a todas as criaturas”. No seu documento sobre estas questões, o Conselho EERS explica ainda que a sustentabilidade está indissociavelmente ligada à justiça, lembrando que o EERS está comprometido com a proteção do clima há décadas. Aqui está o texto completo da declaração. artigo anteriorTrabalhar. Uma “bússola ética” para a sustentabilidade, também no âmbito digitalPróximo artigoDia de Martin Luther King Justiça racial, antimilitarismo, reconciliação Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2022 – Estas são as últimas notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Está em curso a pré-assembleia regional europeia A pré-assembleia regional europeia da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) abre amanhã. Dois dias de trabalho online sobre o tema "O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade". O evento deveria ter sido realizado em Varsóvia, mas a continuação da emergência da covid levou os organizadores a optarem pela modalidade digital. Organizada em conjunto com o Conselho Ecumênico Polonês e em colaboração com o Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), a Pré-Assembléia representa um momento preparatório para a 11ª Assembleia do CMI agendada para Karlsruhe. Os temas em discussão são: o papel das igrejas para a reconciliação em sociedades europeias cada vez mais seculares e pluralistas. O chamado de Cristo ao discipulado. O movimento ecumênico global: questões, desafios e prioridades. Entre os oradores, pela Itália, o pastor Michael Charbonnier. Reivindicar e salvaguardar a fé como elemento legítimo do discurso político europeu “A Europa caracteriza-se por sociedades cada vez mais seculares e pluralistas. Nossas Igrejas encontram analfabetismo religioso e ignorância entre os tomadores de decisão e políticos. O que podemos fazer para mitigar esse desenvolvimento?” Em sua mensagem em vídeo, o secretário-geral do CEC, Jørgen Skov Sørensen, reafirma o papel das igrejas e comunidades de fé na sociedade, enfatizando que a CEC deve resgatar e salvaguardar a fé como elemento legítimo de um discurso político europeu. Sørensen convida a falar sobre o grande trabalho realizado pelas igrejas em nível local e anuncia os temas da pré-assembléia regional que será realizada a partir de amanhã. Histórias de esperança e coragem “são a demonstração do que as igrejas da CEC fazem pelo bem comum em todos os cantos da Europa”. Assista o vídeo. Assembléia CEC na Estônia: Moldando o futuro com a bênção de Deus A Conferência das Igrejas Europeias realizará sua 16ª Assembleia Geral de 14 a 20 de junho de 2023 em Tallinn, Estônia. Título da Assembleia: “Sob a bênção de Deus – moldando o futuro”. A Assembléia será organizada pelas igrejas membros da CEC na Estônia, a Igreja Evangélica Luterana da Estônia e a Igreja Ortodoxa da Estônia. Para saber mais, clique aqui. Reflexões sobre o tema da Assembleia da CEC “A fé cristã se expressa em um duplo movimento. A da liberdade e a da responsabilidade”. Assim escreve o pároco Anders Gadegaard da Igreja Evangélica Luterana na Dinamarca, refletindo sobre o tema da Assembleia KEK agendada para 2023. “Devemos fazer o nosso melhor para contribuir para o bem comum” continua o pároco, sublinhando a importância de trabalhar para que ele seja alcançado no mundo e na Europa justiça social e económica, através de uma "distribuição justa de recursos". Leia aqui. Como amplificar a voz coletiva das igrejas O Bispo de Leeds Nick Bainesda Igreja da Inglaterra é membro do conselho do CEC. Aqui, uma reflexão sobre como as igrejas podem unir suas vozes na arena pública. O complexo ambiente sócio-político de hoje, de acordo com Baines, torna essencial que as igrejas tragam sua voz profética de fé. Para saber mais, clique aqui. Estão abertas as inscrições para o curso sobre o combate aos crimes de ódio contra os cristãos De 8 a 10 de março, o Escritório de Instituições Democráticas e Direitos Humanos da OSCE (ODIHR) está organizando um curso online sobre como lidar com crimes de ódio contra cristãos. A OSCE cooperou anteriormente com o CEC durante a Escola de Verão de Direitos Humanos. A todos os interessados, o CEC informa as igrejas-membro da possibilidade de se inscreverem. Para todas as informações, clique AQUI. (Nota: os links detalhados levam à notícia original em inglês) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.