Vamos recomeçar com você.  Para libertar homens e mulheres da violência

Vamos recomeçar com você. Para libertar homens e mulheres da violência

Foto Sammie Vasquez – Unsplash

Roma (NEV), 13 de maio de 2022 – “Vamos começar de novo com você” é um projeto da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). É uma série de encontros de reflexão e formação contra a violência. “Nos últimos anos – escreveu o presidente da FDEI, pároco Gabriela Liona carta de apresentação do projeto, antes da pandemia – inúmeras iniciativas foram desenvolvidas com o objetivo de envolver homens, meninos e meninas na luta contra a violência de gênero, tanto nacional quanto internacionalmente, mas na Itália o envolvimento do gênero masculino contra a violência contra mulheres ainda está dando pequenos passos”.

Hoje em Gravina começa uma nova etapa dessa jornada. “Vamos recomeçar contigo” é um projeto articulado enraizado nos vários territórios, onde especialistas e operadores da área são chamados a confrontar apontamentos. A programação também inclui apresentações teatrais, encontros e depoimentos.

O conceito subjacente é que uma nova aliança entre os gêneros é necessária. Para esta aliança, é necessário que cada pessoa se sinta diretamente interpelada: por um lado, é necessário ajudar as mulheres a estarem presentes e ativas nestas questões. Por outro lado, todo homem deve ser sensibilizado. A violência masculina contra a mulher também é um problema masculino. Não só de quem pratica a violência, mas também de quem a tolera, de quem a esconde, de quem a ignora ou, de alguma forma, a aprova tacitamente.

Gabriela Lio, presidente da FDEI fala

“A violência contra a mulher é transversal – declara a pastora Gabriela Lio -. Em todos os lugares encontramos peculiaridades, mas a violência perpassa todas as classes sociais, religiões, origens. Existem, no entanto, algumas características específicas. A situação das mulheres, de certa forma, varia de região para região”.

Em Nápoles, por exemplo, Lio se refere a jovens que entendem a relação de “noivado” de forma disfuncional. “Os centros antiviolência nos contaram sobre meninas que expressam descontentamento se seus namorados não batem nelas ou as tratam mal. Alguns viriam a desejar ser mantidos dentro de casa. Segundo algumas dessas meninas, a ideia é que se o menino não se comportar assim, ‘então ele não me ama’”.

Os centros anti-violência trabalham na prevenção, mesmo com raparigas de 12, 13 anos, para que este tipo de “modelo”, que se baseia na aprovação de comportamentos que podem conduzir a delitos, não se torne um destino obrigatório. Nem para meninos nem para meninas. O risco é prender ambos os sexos em uma espiral de violência e dependência tóxica.

Uma figura que não apareceu em nenhum outro lugar, explica o presidente Lio, é a dos feminicídios entrelaçados com os atos da Camorra. Exemplo disso é a morte inocente do adolescente de 14 anos Annalisa durante, que ocorreu em Forcella em 27 de março de 2004 durante um confronto armado entre membros de clãs rivais. A FDEI envolveu a associação que leva o seu nome.

“Visitamos o local onde Annalisa Durante foi assassinada. Poderíamos ter ido a muitos outros lugares, porque os casos são tristemente numerosos”, diz o pároco.

O Hospital Evangélico de Gênova, que está na vanguarda em muitos pontos de vista, foi envolvido na etapa relacionada. Os hospitais apresentam-se como locais privilegiados de educação, também no futuro. “É importante saber o que pode acontecer, para preparar a equipe do pronto-socorro. Precisamos envolver as associações associadas nos territórios. E criar caminhos para os atores da violência. Só assim podemos intervir, escutar, restabelecer um caminho de consciência. Às vezes o grito é muito alto e você não sabe o que dizer. Conhecer permite entender em que fase da espiral da violência as mulheres se encontram”, volta a propor Gabriela Lio.

Um ponto importante, sublinhado por oradores de centros anti-violência, tanto em Nápoles como em Florença, é o seguinte: “Muitas pessoas foram positivamente afetadas pelo fato de as termos convidado a falar. Porque isso nunca acontece. Normalmente as Associações são convidadas a ouvir (na prefeitura, em cursos com a polícia). Escolhemos uma política de ‘mulher para mulher’. Dialogar com quem trabalha no campo”.

A violência de gênero, continua Lio, “é revelada. Existe na migração, existe quando se fala de refugiados, existe no setor de acolhimento, existe na fronteira… A violência se expressa no tráfico de pessoas, mas também no trabalho. E isso também é violência.”

Onde estão os homens? Há uma grande participação de homens principalmente no teatro. Esta também é uma forma de criar novos laços, novas relações. E novas visões.

“Em Florença estávamos no jardim dedicado a Michelle Noli – finaliza Gabriela Lio -. Conhecemos a mãe e o pai de Michela, Massimo Noli E Paula Alberti, e compartilhamos um momento de poesia e oração. Foi um testemunho muito tocante. Assumimos um compromisso com esses pais e com todas as mulheres vítimas de violência. Pretendemos contribuir com sua campanha para reivindicar uma lei contra a sonegação de conhecimento. A intenção é estabelecer uma espécie de obrigação de denúncia como a que existe, por exemplo, nas escolas em casos de suspeita de maus-tratos e abuso de menores. Tem gente que sabia do risco, e não falou. Precisamos de uma lei anticonspiração”. O 5º Troféu ‘Corri per Michela’ será realizado no domingo, 15 de maio, em sua memória e para aumentar a conscientização sobre a violência contra as mulheres.

“Vamos começar com você” envolve muitas redes e muitas mulheres, inclusive Bárbara Caviglia E Lúcia Tubito presidente do Movimento de Mulheres Evangélicas Batistas (MFEB).

Em Gravina.

O projeto envolve as igrejas de Puglia e Basilicata. Está previsto um espectáculo, “O amor… não agüenta tudo”, com o patrocínio do Teatro Vida. Haverá um momento memorial para uma mulher batista, uma imigrante argentina, que morreu durante o confinamento de câncer. Devido ao covid, não foi possível dar-lhe uma despedida fúnebre. Também trabalharemos a importância da linguagem inclusiva, com uma mesa redonda em conjunto com as associações locais, inclusive no plural Masculino. Domingo, adoração.

Vamos recomeçar com você

“Trabalhar nas causas sociais e culturais da violência de gênero, para sermos portadores de mudança e, portanto, com possibilidade de sensibilizar para intervir, influenciar e transformar as situações de violência de gênero. Construir relações e práticas diferentes das do domínio no contexto em que nos encontramos. Para testemunhar a nossa fé”.

Passos passados ​​e futuros

O projeto já envolveu Nápoles, juntamente com mulheres e pastores adventistas e luteranos (1 a 3 de abril). Gênova, com o Hospital Evangélico Internacional (8 a 9 de abril) e com mulheres anglicanas. Florença com a colaboração de teólogos protestantes (5-6 de maio), no Instituto de Teologia da União Italiana das Igrejas Cristãs Adventistas do Sétimo Dia (UICCA). Aqui participaram os alunos de teologia, com a presença também dos professores.

Em seguida, será a vez de Milão (27 a 28 de maio) e, finalmente, de Roma (junho) com a participação do Exército de Salvação (EdS).


Para saber mais:

O serviço de vídeo em HopeMedia.

Os pastores e teólogos falam Elizabeth Green E Lídia Maggi, da Igreja Batista; Letizia Tomassone da Igreja Valdense; E Corinne Lanoirprofessor de Antigo Testamento na Faculdade de Teologia Protestante de Paris.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Trieste, escrita anti-semita, solidariedade dos protestantes com a comunidade judaica

Trieste, escrita anti-semita, solidariedade dos protestantes com a comunidade judaica

O interior da sinagoga Fasanenstrasse em Berlim, devastada na Kristallnacht Roma (NEV), 10 de novembro de 2022 – “Que vergonha para quem fez isso. Total solidariedade da Igreja Metodista e da Igreja Valdense de Trieste aos amigos da Comunidade Judaica". O pastor escreve no twitter Pedro Ciaccio, membro do Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, após a notícia de uma inscrição racista e antissemita na porta da sinagoga da capital friulana. Episódio vândalo que cai no aniversário da Noite do Cristal, onda de violentos pogroms antissemitas ocorridos na noite entre 9 e 10 de novembro de 1938. Que vergonha para quem fez isso.Não pode ser chamado de "manobra", mas um crime a ser processado.Total solidariedade da Igreja Metodista e da Igreja Valdense de Trieste aos amigos da comunidade judaica. — Cachorro βeta (@PeterCiaccio1) 10 de novembro de 2022 "O despertar que tivemos esta manhã desperta raiva e consternação", disse um República o presidente da comunidade judaica de Trieste Alexander Thessaloniki. “Iniciamos imediatamente o episódio na Central de Polícia. Entre outras coisas, este episódio ocorreu no trágico aniversário da 'Noite dos Cristais', com a sinagoga tendo suas luzes acesas em sinal de memória”. Condenação firme também das instituições. “Estou próximo da comunidade judaica de Trieste e espero que os responsáveis ​​por um ato que considero indescritível sejam rapidamente identificados. São ações que não podem ficar impunes”, comentou o subsecretário de Economia Sandra Savino. Há 84 anos, sinagogas, casas e lojas judaicas na Alemanha e na Áustria foram atacadas. Recordamos todas as vítimas do anti-semitismo, racismo e fascismo. Nunca esqueçamos aonde as tendências fascistas levam e resistamos onde quer que apareçam. Sempre Antifascista! pic.twitter.com/CZP8gsnoMT — LouiseMichel (@MVLouiseMichel) 9 de novembro de 2022 Para saber mais: ...

Ler artigo
publicou relatório sobre projetos financiados em 2021

publicou relatório sobre projetos financiados em 2021

Casa Valdense, sede do Sínodo das igrejas Metodista e Valdense Roma (NEV), 4 de novembro de 2022 – – O relato detalhado de todos os projetos apoiados em virtude das assinaturas de mais de meio milhão de contribuintes na Itália. São mais de mil projetos, selecionados entre cerca de cinco mil candidaturas, financiados num montante de cerca de 42 milhões de euros (equivalente a 2,99% do total das contribuições). O documento contém as referências das associações a quem os fundos foram doados, o objeto e finalidade das iniciativas, os valores pagos a cada uma delas. A subdivisão dos auxílios para as várias categorias de intervenção, na Itália e no exterior, e a repartição por área geográfica são também indicadas. “A publicação deste relatório é muito importante para nós – explica Manuela Vinay, chefe do Escritório Otto per Mille da Mesa Valdense – porque confirma o respeito constante ao nosso compromisso com os cidadãos italianos de destinar integralmente os recursos a iniciativas de solidariedade, cultura, inclusão, proteção ambiental. Nesta perspectiva, também estamos atentos para que as despesas com as atividades de gestão (comunicação, seleção de projetos, emissão de editais) permaneçam limitadas em relação aos fundos disponíveis, conforme o mandato de nosso Sínodo (a Assembleia que constitui o mais alto autoridade das Igrejas Valdense e Metodista)”. Em 2021, 1161 (730 na Itália e 431 no exterior) financiaram projetos no valor total de 41.408.481,00 euros (60,69% na Itália e 34,38% no exterior), valor adquirido graças a mais de 538.000 assinaturas de contribuintes: "Esta é uma confirmação da validade do a escolha de testemunhar a nossa fé cristã apoiando ações de ajuda aos mais pobres e o compromisso de fazer o bem comum sem preconceitos ideológicos, sociais ou religiosos”. A próxima chamada está prevista para janeiro de 2023, as novas diretrizes serão publicadas no site até o final de novembro. Os 8×1000 podem ser atribuídos por todos os contribuintes italianos a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tem um acordo, ou ao próprio Estado. O 8×1000 funciona mesmo como um voto, porque é dividido entre o Estado e as entidades religiosas, na proporção das escolhas feitas. ...

Ler artigo
Prêmio do Júri Inter-religioso de Nyon para “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib

Prêmio do Júri Inter-religioso de Nyon para “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib

Roma (NEV), 26 de abril de 2021 – Festival “Visions du Réel”, Nyon. O júri inter-religioso Interfilm/Signis atribui o seu prémio ao filme “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib. Visions du Réel é o festival anual de documentários que acontece desde 1969 em Nyon, na Suíça. Esta é a 52ª edição e decorreu de 15 a 25 de abril. O júri inter-religioso, nomeado pela INTERFILM (International Inter-Church Film Organisation) e SIGNIS, participa do Festival Visions du Réel desde 2005. O júri inclui um representante da INTERFILM e SIGNIS e um membro da fé judaica e muçulmana. O júri premia um longa-metragem da competição internacional e pode recomendar uma obra que reflita sobre questões existenciais, sociais ou espirituais, bem como sobre valores humanos. O prêmio, no valor de 5.000 francos suíços, é doado pelas igrejas suíças, tanto reformadas na Suíça francófona quanto católicas, pelo Departamento de Mídia Média-pro e pela Federação Suíça das Comunidades Judaicas (SIG). foto interfilme Os membros do júri inter-religioso de 2021 são Noemi GradwohlBerna (Suíça) Marie-Therese MäderZurique, Suíça), Jean-Paul Kaser (Presidente), Biel-Bienne (Suíça) e Majid MovasseghiZurique, Suíça). 13 filmes em competição discutidos e avaliados pelo júri, que atribuiu o prémio ao filme “Pequena Palestina”. PEQUENA PALESTINA / Journal d'un siège / Diário de um Cerco, dirigido por Abdallah Al-Khatib, Líbano/França/Catar 2020, 83' As pessoas no campo de refugiados de Yarmuk afirmam sua humanidade na guerra civil síria, apesar da fome e da falta de perspectivas, enquanto o mundo humanitário permanece à margem. Quando um pequeno coro de rua canta acompanhado por um piano e pelo som de bombas, sua música se junta ao coro triste de cercos semelhantes na história mundial. INTERFILM A INTERFILM foi fundada em 1955 por inúmeras associações de cinema protestantes na Europa e atualmente inclui membros protestantes, ortodoxos e anglicanos, além de judeus. Em colaboração com seu parceiro católico SIGNIS, organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno (www.inter-film.org). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.