Você não pode fechar as portas para refugiados e dizer que é uma igreja

Você não pode fechar as portas para refugiados e dizer que é uma igreja

Roma (NEV/Riforma.it), 4 de fevereiro de 2020 – Mesmo em meio a uma terrível guerra civil, a igreja cristã na Síria e no Oriente Médio é forte e comprometida em cuidar das pessoas afetadas pelo conflito, disse ele disse Najla Kassab, presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), durante uma conferência na Calvin University em Grand Rapids, Michigan, EUA, onde a CMCR assumiu sua forma atual em 2010. Pastora do Sínodo Evangélico Nacional da Síria e Líbano, Najla Kassab é a primeira pastora eleita presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas.

“Aqui começou nossa jornada. A Fraternidade Mundial de Igrejas Reformadas é onde 100 milhões de membros de mais de 200 igrejas ao redor do mundo se reúnem para falar sobre justiça. Houve muita dor e perda nos últimos anos, especialmente na Síria. O desafio para a igreja é estar presente em meio a essa dor.”

As igrejas reformadas no Oriente Médio fizeram melhorias na educação, nos serviços sociais e no empoderamento das mulheres. Os missionários presbiterianos começaram a Universidade Americana de Beirute, uma das primeiras universidades do Líbano, em meados de 1800. Mais tarde, um hospital e um orfanato foram anexados à escola. “Esta universidade ajudou a moldar nosso legado e mostra o impacto que uma igreja minoritária como a nossa pode ter em uma nação”, comentou.

Em meados da década de 1880, os missionários abriram a Escola Protestante Americana para Meninas, a escola feminina, que ajudou a quebrar estereótipos e restrições na vida das mulheres. “A educação ajudou a melhorar o status das mulheres. Trouxe a libertação das mulheres do Oriente Médio e permitiu que elas usassem seus talentos e contribuíssem positivamente para a sociedade. Isso nos ajudou a experimentar a justiça e o amor de Deus e a minha presença aqui é o resultado disso”.

“Minha igreja ajudou a pavimentar o caminho – continuou – e serviu de exemplo e inspiração para outras igrejas protestantes. Além disso, as igrejas protestantes têm desempenhado um papel importante no movimento ecumênico”.

Devido ao conflito na fronteira libanesa, cerca de 1,5 milhão de refugiados da guerra na Síria vivem em pequenos acampamentos e comunidades improvisadas. As igrejas reformadas abriram escolas para garantir a educação. “As escolas são lugares onde podemos acolher estudantes cristãos e muçulmanos e construir pontes. Os pais mandam seus filhos para essas escolas, que muitas vezes oferecem às crianças uma folga da vida nos campos de refugiados. Na escola eles são alimentados, ajudados a se lavar e às vezes podem ficar um certo tempo longe dos problemas da roça. Há tantas necessidades no Líbano de hoje, diante de tanto sofrimento. Ajudamos as pessoas a sobreviver”, disse Kassab, cujo ministério ao longo dos anos tem sido dedicado especialmente a mulheres e crianças.

“Não se pode fechar as portas aos refugiados e dizer que é uma igreja” concluiu o pároco, afirmando que a igreja deve promover a cura e a reconciliação construindo pontes entre as pessoas. Mesmo no futuro, quando a guerra acabar e muitos refugiados voltarem para casa na Síria. “Na região onde nasceram o judaísmo, o cristianismo e o islamismo, a Igreja deve contar com sua mensagem radical de amor. Mesmo que haja guerras, a esperança pode durar se colocarmos Deus em primeiro lugar.”

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Otto per mille Waldensian and Methodist 2020, um balanço

Otto per mille Waldensian and Methodist 2020, um balanço

Roma (NEV), 9 de setembro de 2020 - "Cada vez mais o terceiro setor olha para as igrejas valdenses como um ponto de contato "seguro" para poder garantir seu compromisso. E por isso mesmo sentimos cada vez mais a responsabilidade perante o mundo sem fins lucrativos, de contribuir da melhor forma para a sua atividade”. Como Manuela Vinaychefe do escritório Otto per mille, após a publicação dos projetos financiados este ano pelas igrejas valdenses e metodista. As realidades que se voltam para o OPM valdense são de fato cada vez mais numerosas, uma tendência que já havíamos destacado nos últimos meses. “Embora os critérios de alocação de recursos e de avaliação das atividades individuais tenham mudado, por exemplo, com um limite mais rígido para as iniciativas que cada instituição pode solicitar para serem financiadas – confirma Vinay -, o número de solicitações continua aumentando. Em 2013 foram 1313, em 2017 chegamos a 3918, hoje, em 2020 estamos em 4671”. As assinaturas dos contribuintes também estão crescendo, ou seja, o número de pessoas que escolhem as igrejas valdenses em suas declarações fiscais. Em 2019 – durante o ano fiscal de 2018 – foram 569.638, e desde 2015 têm crescido constantemente, em média 3% ano a ano. A emergência da Covid influenciou apenas relativamente a forma como as iniciativas de solidariedade são avaliadas. Conforme afirma o moderador do Tavola Valdese Alessandra Trotta"Temos trabalhado tentando não focar nossa atenção apenas na emergência sanitária, acreditando que manter - mesmo em um ano tão particular - o mesmo nível de atenção que sempre nos distinguiu em cultura, educação, projetos sociais no sentido mais ampla é, por si só, uma forma de contribuir com os esforços do país para sair da fase emergencial e promover o desenvolvimento na direção de maior justiça social, proteção dos direitos dos mais vulneráveis, sustentabilidade ambiental e ainda maior participação democrática, urgência de que a própria emergência nos fez sentir”. No entanto, foram financiados 9 projetos no exterior que de alguma forma dizem respeito à emergência de saúde e ao pós-coronavírus: "Do Egito ao Iraque, até a Índia, optamos por doar para quem gastou é gasto contra os danosos e mais duradouros consequências do vírus e do confinamento, sempre a favor das camadas mais vulneráveis ​​da população". Já nos campos atendidos pelas realidades que receberam aval e recursos do OPM, o meio ambiente ganha maior peso, passando de 13 para 27 projetos. “Nossos beneficiários lidam muito com deficiências físicas e mentais, mas também com cultura e infância”, acrescenta Vinay. E trabalham principalmente nas grandes cidades, de norte a sul, com um grande número de empresas sediadas em Roma. Até o final do mês serão lançados os projetos, que foram apresentados em janeiro por associações, ONGs, cooperativas (o prazo era 31 de janeiro, portanto antes da emergência sanitária). Para saber mais: As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Secretariado para atividades ecumênicas.  Uma fé nua pode se tornar uma oportunidade

Secretariado para atividades ecumênicas. Uma fé nua pode se tornar uma oportunidade

Roma (NEV), 1º de agosto de 2022 – A 58ª sessão de formação ecumênica da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) foi encerrada no último sábado em Assis. Com o tema “Em tempos sombrios, ouse ter esperança. As palavras de fé na sucessão das gerações – Uma pesquisa ecumênica (2)”, a sessão envolveu 190 cristãos e cristãs, mas não só. Leigos, sacerdotes, pastores, teólogos, professores, estudantes, seminaristas, dois bispos e um bispo passaram alguns dias juntos sob a bandeira do diálogo e da partilha. Existem várias formações confessionais: adventista, anglicana, batista, católica, metodista, ortodoxa, reformada, valdense, judaica. Entre os participantes, também representantes de entidades como a Federação Italiana da Juventude Evangélica (FGEI). Ação Católica. Amizades judaico-cristãs. A Coordenação dos Teólogos Italianos. O movimento dos Focolares. Entre os fios vermelhos tecidos durante os dias, a "reavaliação do corpo na oração pessoal e litúrgica". “Superando Estilos Androcêntricos na Igreja”. “Saia da mentalidade substitucionista em relação a Israel”. Esta é a primeira sessão organizada pelo novo Comitê Executivo que inclui o novo presidente, o Valdense Erica Sfredda. “Somos chamados a construir juntos uma nova história que se alimente da esperança de poder caminhar juntos curando a dor, as feridas, as tragédias dos séculos passados ​​– disse Sfredda em seu discurso conclusivo -. Nestes dias entendemos que a crise não é só negatividade, mas nos impulsiona à conversão ao Senhor, nos devolve a força para viver e confiar em Deus.Sentimos que estamos confusos, frágeis, ansiosos e vivemos uma fé nua que pode se tornar uma 'oportunidade […]. Deus nos chama independentemente do que tenhamos escrito e dito sobre ele. E, portanto, podemos aceitar o desafio de nos tornarmos catalisadores da esperança, testemunhas no mundo com a nossa vida de uma esperança que não desilude. Portanto, hoje não é um adeus, mas um adeus. Despedimo-nos com um pouco de tristeza, mas também conscientes da alegria que trazemos para casa e sabemos que a nossa tarefa é testemunhar nas nossas vidas, nas nossas comunidades e igrejas aquilo que recebemos e do qual por sua vez doamos” . Também Simone Morandini, membro do Comitê Executivo, destacou alguns aspectos do caminho percorrido, falando da escuta recíproca como algo ativo: “A esperança é uma realidade que se cultiva no plural, é uma dinâmica comunitária, eclesial. É apreendido e expresso em conjunto, na atenção respeitosa às necessidades uns dos outros, aos respectivos estilos de pensamento, de celebração, de vida. Outra descoberta feita na sessão foi a importância de um paradigma intergeracional. Ser todos juntos discípulos e mestres, assumir uma postura de aprendizado mútuo, ser juntos buscadores de esperança. Esta perspectiva exige uma mudança de ritmo e, ao mesmo tempo, preservar os dons recebidos das gerações e tradições anteriores”. Foto Laura Caffagnini A 58ª sessão foi aberta com uma oração ecumênica. Entre os destaques, o encontro com o pastor batista e "Ministra itinerante" Lídia Maggi E Cláudio Monge, chefe do Centro Dominicano para o Diálogo Inter-religioso e Cultural em Istambul. Lá mesa redonda dos jovens sobre a concretude da fé. visita do monsenhor Derio Olivero, bispo de Pinerolo. E novamente as oficinas, também para meninos e meninas. Houve muitos visitantes do mundo protestante, incluindo os de Fulvio Ferrario, Letizia Tomassone, Paolo Naso e outros. Para saber mais, aceda ao acervo de todos os comunicados da 58ª sessão clicando AQUI. Para conteúdo de vídeo, clique em AQUI. Baixe o programa completo Abaixo, uma seleção de conteúdo com curadoria de Laura Caffagnini. PRATICAR A ESPERANÇA NO BARATRO Mesa redonda com Monsenhor Roberto Filippinibispo de Pescia e membro da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo da Conferência Episcopal Italiana, e Paulo Nasocientista político e ensaísta, membro da Comissão de Estudos da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). ENTRANDO NO SHABAT Liturgia ecumênica preparada pelo grupo de animação de oração e liturgia. Com o pastor valdense Michael Charbonniercoordenador. Alessandro Martinellianimador litúrgico católico. Margarida Bertinat da SAE de Verona. Elda Possamai da SAE de Turim. MARTIN LUTHER KING, TESTEMUNHA DA ESPERANÇA Leitura de música"Martin Luther King. Uma história americana” retirada do último livro de Paolo Naso, com o etnomusicólogo Alberto Annarilli, Elisa Biason e Elena Malandrino. PELO AMOR DAS FUTURAS GERAÇÕES, JÁ ESTÁ AQUI A cura de um mudo por Jesus no centro da pregação da pastora valdense Letizia Tomassone na Santa Ceia celebrada na noite de quinta-feira na Sessão da SAE em Assis. Pão, vinho, cachos de uvas eram o convite a uma assembleia composta por mulheres e homens que se uniam em torno da mesa comum da Palavra. NOVAS PALAVRAS PARA COMUNIDADES AUTENTICAMENTE HUMANAS Do clima cultural, ao clima meteorológico, ao clima das relações entre Estados, países e culturas... Em tempos como este é preciso mudar também as palavras das Igrejas. Moderado pelo teólogo católico Simone Morandinitrês figuras "históricas" e fiéis da SAE falaram sobre isso em uma mesa redonda: o teólogo valdense Fulvio Ferrarioo padre ortodoxo romeno Traian Valdman e o teólogo católico Cettina Militello. ...

Ler artigo
Nasce a Igreja Evangélica Reformada na Suíça

Nasce a Igreja Evangélica Reformada na Suíça

Roma (NEV), 13 de janeiro de 2019 – A Federação das Igrejas Evangélicas Suíças (FCES) torna-se uma igreja: Com a entrada em vigor de sua nova constituição em 1º de janeiro de 2020, a Federação das Igrejas Protestantes Suíças tornou-se a Igreja Evangélica Reformada em Suíça (CES). Depois de um século de vida federativa, as igrejas membros da FCCES decidiram continuar o seu caminho de comunhão eclesial. Esta comunhão é vivida em três níveis: a paróquia, o cantão e a Suíça. Seu mandato é claro: proclamar o Evangelho de Jesus Cristo em palavras e ações. “A CES é uma irmandade de igrejas, não uma superigreja. A Igreja Reformada é uma igreja de base”, disse ele Gottfried Locherpresidente da Igreja Evangélica Reformada na Suíça. “A forma comunitária em vez da centralização é o que é necessário para implementar o mandato da CES. No futuro, o intercâmbio entre nossas igrejas será ainda mais importante”, continuou. Está também online um novo site, www.evref.ch, que apresenta a organização da CES, notícias e informações sobre o tema "Fé e Vida". Também contém páginas sobre temas como teologia e ética, migração, política e ecumenismo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.