Animais em guerra

Animais em guerra

Roma (NEV), 5 de maio de 2022 – “A guerra investe, deforma e mata a vida”. Este é o título do discurso de Maria Elena Lacquaniti na última conferência organizada pelo Interfaith Centre for Peace (CIPAX). Lacquaniti, pregador local da igreja batista de Civitavecchia, também é membro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).

Animais na Primeira Guerra Mundial

As guerras também causam danos irreversíveis à fauna maior e menor e, consequentemente, à biodiversidade. Lacquaniti dá uma visão geral dos últimos cem anos de história de conflito, do ponto de vista dos animais. “Assim começou o volume de propaganda «Os animais em guerra», escrito em 1916 por Júlio Caprino, jornalista, intervencionista e alferes do exército italiano: «Se houver soldados na guerra? Os animais, os cavalos das armas montadas, as mulas da montanha e as baterias de burros. Há também muitos outros, grandes e pequenos, que lá se encontram sem querer, pobres bichos. E eles ficam lá.” A Primeira Guerra Mundial foi uma guerra extremamente sangrenta e viu a tecnologia emergente e o mundo rural se envolverem pela primeira vez. Mauro Neri E Ariadne Tamburini, no livro “Animal War” (2018), ilustram o uso de animais em conflitos. Na verdade, os animais desempenharam um papel cada vez mais fundamental”.

Os animais, explica Lacquaniti, estão incorporados no chamado “trem”, ou melhor, “o aparato militar que movimentava todas as operações logísticas dos exércitos: cozinhas de campanha, transporte de alimentos, feridos, munições, armamentos. Só o exército italiano, que quando entrou na guerra em 1915 tinha alistado cerca de 800 quadrúpedes para puxar 400 carroças, já no ano seguinte dispunha de mais de 9.000 animais que puxavam cerca de 2.600 carroças e no último ano da guerra os animais disparam usados ​​foram cerca de 18.000 para quase 6.000 vagões”.

A guerra levou à requisição de quadrúpedes à população “condenando-os à pobreza extrema e à fome. Faltava tanto o animal como produtor de alimentos quanto como colaborador no cotidiano rural”. O bisão europeu foi extinto na Primeira Guerra Mundial, com prejuízos para todo o meio ambiente: “A extinção de uma espécie afeta fortemente o ecossistema em que ela está inserida. A presença destes animais de enorme porte, a pastar, permite a chamada engenharia de habitat, ou seja, permite restaurar toda uma série de processos naturais típicos de uma zona específica. Por exemplo, as áreas de terra nua que se formarão graças ao bisão se tornarão o local ideal para vespas escavadoras, lagartos e gramíneas raras; além disso, a madeira e a casca das árvores contra as quais o bisão esfrega sua espessa pelagem de inverno se tornará um terreno propício para insetos, pássaros e fungos. Precisamente com o objetivo de salvaguardar a biodiversidade, lembramos que é a presença de insetos que atrai as diferentes espécies e que a sua presença intensifica o desenvolvimento da flora envolvente. 90% da flora espontânea e 70% da utilizada na agroindústria dependem justamente dessa ação”.

Vietnã e dioxina

Maria Elena Lacquaniti também propõe a rica bibliografia dedicada aos efeitos devastadores da guerra do Vietnã devido ao uso de dioxinas pelos militares estadunidenses, para desfolhar e arrasar a floresta que apresentava uma resistência natural ao ataque. “De 1961 a 1972, 19 milhões de galões de herbicida foram aplicados em mais de 4,5 milhões de acres de terra no Vietnã do Sul. O conflito terminou com o desaparecimento de 70% das aves e 90% dos mamíferos da região”. Um verdadeiro “Ecocídio”, denuncia Lacquaniti, que tem levado a modificações genéticas de pessoas e animais, à contaminação do solo, da água, do ar e da cadeia alimentar. “A dioxina enterrada ou lixiviada abaixo da superfície ou profundamente no sedimento de rios e outros corpos de água pode ter uma meia-vida de mais de 100 anos”, para dar outro exemplo.

Grandes mamíferos e papel ecológico

As guerras destroem a vida em todas as suas formas. Aconteceu e está acontecendo na Ucrânia, no Afeganistão, na Síria, no Iraque, no Kuwait, no Laos, no Congo, no Sudão. “A África Central – acrescenta Lacquaniti – é, em todo caso, um lugar constante de morte devido ao consumo na guerra da carne de grandes símios, como o gorila da montanha ou o chimpanzé. A falta de grandes mamíferos, devido ao seu papel ecológico, implica em danos ao cerrado. Basta pensar que o elefante sozinho dedica cerca de 16 horas por dia para se alimentar, arrancando galhos, arbustos, derrubando árvores. Isso envolve aeração da savana, ajudando a mantê-la aberta e neutralizando o crescimento selvagem”.

Direito internacional e convenções

Lacquaniti também compartilha uma análise do conceito de proteção ambiental em um contexto de guerra no direito internacional. “Embora o reconhecimento dos potenciais impactos negativos dos conflitos armados na saúde dos ecossistemas naturais remonte ao século XVII, a questão da proteção ambiental em contexto de guerra assumiu relevância no debate internacional apenas a partir do final da Segunda Guerra Mundial. Guerra”. Desde o Protocolo de Genebra para a proibição do uso em guerra de gases asfixiantes, venenosos ou de outros tipos, e de métodos bacteriológicos de guerra, de 1925. Até as convenções, como a de proteção do meio ambiente durante conflitos armados, regulado pelos artigos 53 e 147 da Convenção de Genebra relativa à proteção de pessoas civis em tempo de guerra. Ou, a Convenção sobre a proibição de uso militar ou qualquer outro uso hostil de técnicas de modificação ambiental (ENMOD) de 1976.

Dia Internacional das Nações Unidas para a Prevenção da Exploração do Meio Ambiente em Situações de Guerra e Conflito Armado

Por fim, recorda Maria Elena Lacquaniti, “deve-se dar maior visibilidade ao dia 6 de novembro. Data em que, desde 2001, se celebra o Dia Internacional das Nações Unidas para a prevenção da exploração do ambiente em situações de guerra e conflito armado. A proteção ambiental deve fazer parte das estratégias de prevenção de conflitos e manutenção da paz. <>. Não só isso, o controle dos recursos naturais está entre os fatores que desencadeiam conflitos. Estudos do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) mostraram que nos últimos 60 anos pelo menos 40% de todos os conflitos internos estiveram ligados à exploração de recursos naturais”.


Para ver a gravação completa da reunião clique aqui. A conferência foi realizada como parte do Workshop de Paz CIPAX 2021-22 “Tratando a terra para nos curar. Ambiente, paz, espiritualidade”. Título do dia: “Nós e a natureza: agricultura camponesa, animais”. Convidados, além de Lacquaniti, Emanuele De Gasperisveterinário, Igreja Batista de Trastevere, Roma. Fúlvio BucciRurali Reggiani/Associação Rural Italiana (ARI). Adnane Mokrani, Presidente Honorário do CIPAX, teólogo muçulmano. A reunião foi moderada pelo Presidente da CIPAX Christine Mattiello. O canteiro de obras da CIPAX foi criado graças à contribuição de Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Um sonho transformado em pesadelo”.  O livro de Paolo Naso sobre Martin Luther King

“Um sonho transformado em pesadelo”. O livro de Paolo Naso sobre Martin Luther King

foto @Unseen Histories, de um splash Roma (NEV), 15 de janeiro de 2021 – Em 15 de janeiro de 1929, nasceu em Atlanta Martin Luther King, o pastor batista que liderou o movimento pelos direitos civis. E nestes dias, publicado pela Laterza, “Martin Luther King. Uma história americana”, escrito pela professora de ciências políticas e coordenadora do Mediterranean Hope, o programa de refugiados e migrantes da FCEI, Paulo Naso. O cartaz da nomeação de 15 de janeiro Hoje, às 18h, ao vivo na página da histórica editora no Facebook, o autor vai dialogar com Alexandre Portelliem reunião moderada por Jose Laterza. Com Paolo Naso conversamos sobre o volume e sobretudo sobre o valor da vida e do ensinamento do "MLK". O livro surge em um momento dramático na vida política americana. Existe uma conexão entre o que estamos testemunhando e a história humana e política de King? Obviamente não é uma conexão intencional, mas existe. Por trás das insígnias da soberania e do pior populismo subversivo dos partidários do Donald Trump é fácil ver as bandeiras confederadas, hoje símbolo de uma América violentamente nostálgica que não sabe como corrigir seu pecado original: o racismo. Nos dias que antecederam a manifestação de 6 de janeiro, os Proud Boys de Trump evadiram, vandalizaram algumas igrejas negras exibindo a insígnia do Black Lives Matter e invocaram uma América antiga e, em sua opinião, feliz, na qual os negros permaneciam nas plantações e não tinham permissão para entrar no instalações para "os brancos". O racismo contra o qual King passou sua vida continua sendo um demônio que afeta a América, até hoje. Em 1993 editou a publicação "O outro Martin Luther King", editada pela Claudiana. Um volume que continha, entre outras coisas, textos inéditos em italiano. Subseqüentemente ele editou outras publicações sobre o mesmo personagem. Então, por que outro livro novo sobre Martin Luther King? Por ser um personagem chave do século 20, que merece uma biografia rigorosa e não hagiográfica. Infelizmente, ao longo dos anos, testemunhamos um adoçamento interessado de King, reduzido a um ícone agora inofensivo. da América lutando contra o racismo: uma interpretação verdadeira e tranquilizadora, mas também muito parcial. Rei é um personagem complexo que, nos poucos anos que viveu, soube apreender e interpretar novos desafios enfrentavam a América naqueles anos: não apenas o legado da escravidão e da segregação, mas também o militarismo e a pobreza cada vez mais generalizada no país que se apresentava como o mais rico do mundo. Nesta perspetiva, mais do que um ícone, quis reconstruir um percurso, enfatizando a evolução da análise de King sobre os males da América e as várias estratégias de luta que foi capaz de desenvolver de tempos a tempos. Em suma, nenhum “beatificação” do Prêmio Nobel MLK. Com efeito, ela revela alguns elementos, biográficos mas não só, que contam as contradições. Quais eram as sombras desse personagem complexo? Como protestante, King não teria gostado das beatificações, especialmente quando eram artificiais e narcóticas. King foi morto no momento em que estava mais isolado politicamente; quando as relações com o presidente Johnson, que também reconhecera o direito de voto aos afro-americanos, ficaram mais tensas; numa época em que muitos súditos - por exemplo a grande imprensa liberal - que o haviam apoiado quando ele marchava pelos direitos dos negros, o criticavam e o abandonavam porque ele havia tomado partido contra a intervenção militar no Vietnã e denunciava as distorções sociais do capitalismo americano . King foi o primeiro a saber que era um homem, com as fraquezas e fragilidades de cada um. No volume reconstruo momentos difíceis em que, apesar do vínculo muito sólido com sua esposa Coretta - ele teve casos extraconjugais que o FBI documentou em uma tentativa - essencialmente fracassada - de desacreditá-lo. Assim como não é mistério que King e sua organização, apesar de grandes e muito relevantes exceções, tinham um caráter predominantemente masculino. Foi um erro porque personagens como Ella Baker, Septima Clark, Diana Nash eles tinham qualidades de liderança do mais alto nível. Mas tudo isto faz parte da dimensão humana da personagem e, a meu ver, não diminui a sua extraordinária capacidade de marcar o tempo em que viveu e de prestar um grande serviço à causa dos direitos humanos, da justiça social e da paz . No livro surge uma figura carismática também e talvez sobretudo do ponto de vista teológico. Você pode explicar a importância de King como evangélico e como teólogo? Com razão, King é considerado o "líder do movimento pelos direitos civis", mas raramente é o caso. foco na origem do seu pensamento que está indissoluvelmente ligado à palavra bíblica e ao que eu definiria como a sua raiz "puritana". Não há expressão de King e da liderança do Movimento, pelo menos até sua morte em 4 de abril de 1968, que não tenha raízes nas Escrituras: desde a identificação dos afro-americanos com Israel sob as correntes do Faraó antes e depois no caminho para a terra prometida, nas parábolas evangélicas de serviço aos que sofrem e são marginalizados. King é filho da melhor teologia protestante daqueles anos que estudou e internalizou. Ao mesmo tempo, sua visão se encaixa perfeitamente na história americana, no conceito de vocação que exige que a América seja uma "cidade sobre uma colina", um exemplo de moralidade civil e virtudes cristãs. E este é exatamente o núcleo do puritanismo, o histórico e real, não a tosca caricatura que dele fazem em círculos que nunca o compreenderam em sua dimensão central que, antes de ser ética, é principalmente teológica. Existe uma história, uma anedota ou um aspecto da vida de MLK que você "descobriu" e que particularmente o impressionou? Entre as muitas, gostaria de recordar a circunstância em que ele escreveu a carta da prisão de Birmingham. Era 1963 e ele foi preso após uma ação de protesto contra a segregação. Enquanto ele estava preso, seis dos líderes religiosos da cidade – todos brancos – escreveram uma carta aberta criticando a mobilização popular de King e minando a ordem pública. O caminho para a justiça - era a tese deles - passava pelos tribunais e, portanto, King teria feito melhor cuidando de sua paróquia e lendo seus sermões. King se sentiu traído por aqueles pastores e homens de fé que liam a mesma Bíblia e pregavam o mesmo evangelho. E ele quis responder, escrevendo rapidamente um texto escrito em folhas encontradas aqui e ali, inclusive um rolo de papel higiênico. Esse documento é um dos textos-chave do movimento não violento, da mobilização antirracista daqueles anos, mas também da radicalidade do testemunho cristão do século XX. Você argumenta que, em vez de nos perguntarmos quem matou MLK, deveríamos perguntar "o quê". Bem, o que acabou com a vida do líder afro-americano, na sua opinião? A morte de King permanece um mistério. O homem condenado pelo assassinato de uma das pessoas mais conhecidas e controladas dos Estados Unidos naqueles anos era um criminoso com um perfil muito diferente do de um terrorista político; depois do atentado, então, conseguiu fugir para a Inglaterra e só foi preso na volta. Como ele poderia deixar o país? Por que ele voltou? Perguntas sem resposta, ainda hoje. Essa linha de investigação, no entanto, nos leva a terrenos escorregadios e hipóteses refutáveis. No entanto, um fato permanece: King foi morto enquanto denunciava a guerra no Vietnã e a incapacidade do capitalismo americano de lidar com o nó da crescente pobreza, tanto de brancos quanto de negros. Em suma, ele estava atacando o "coração" do sistema, ainda por cima em situação de isolamento e fragilidade. Mais do que "quem" matou King, em conclusão, parece-me interessante pensar em "o quê", em que mecanismo fez um atentado contra sua vida. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
não é da tua conta.  Adventistas por mês educação financeira

não é da tua conta. Adventistas por mês educação financeira

Roma (NEV), 3 de outubro de 2022 – O mês da educação financeira está de volta. Como de costume, a Fundação Adventum oferece uma série de insights. De 4 a 24 de outubro, 4 webinars (em colaboração com a Clínica Antiusura e a Associação Artigo 47.º – Livre de Dívidas), intitulados “EconoMIA: cuide da sua vida”. Os encontros, explicam os organizadores em comunicado, “têm o objetivo de fornecer ferramentas e competências para lidar e gerir as finanças familiares de forma saudável e consciente, com o objetivo último de prevenir e combater a usura e o sobreendividamento. Serão fundamentais as intervenções de especialistas na área das finanças, da educação financeira, bem como de representantes de instituições públicas”. Entre os vários temas, também será discutido o aumento das contas. Insights temáticos, entrevistas e conselhos práticos, juntamente com Franco Evangelistapresidente da Fundação Adventum. Louis Ciattipresidente da Clínica Antiusuria. Antonio Cajellieducador financeiro e membro do conselho da Article 47 Association – Debt Free. Compromissos: – 04 de outubro às 18h00 – 11 de outubro às 18h00 – 18 de outubro às 18h00 – 25 de outubro às 18h00 Você pode acompanhar os webinars ao vivo na página do Facebook e no canal da Fundação Adventum no YouTube Para mais informações, visite www.adventum.org #outubrobreedufin2022 A Fundação Adventum Lá Fundação Advento foi fundada em 1995 pela vontade da Igreja Adventista do Sétimo Dia (UICCA) com o objetivo de prevenir a usura, educar para a legalidade, promover cursos de formação e prevenção para crianças sobre o fenômeno do superendividamento e oferecer uma solução financeira concreta para aqueles que encontram em dificuldade. “A usura é uma emergência social silenciosa, mas terrível. Ataca principalmente em momentos de crise econômica, mas está sempre presente e opera encoberto por chantagens e ameaças”, relata. AQUI. ...

Ler artigo
O Sínodo das Igrejas Metodistas e Valdenses de 22 a 25 de agosto

O Sínodo das Igrejas Metodistas e Valdenses de 22 a 25 de agosto

a "Casa Valdese" de Torre Pellice onde se realiza o trabalho da assembléia das igrejas metodista e valdense na sala sinodal durante uma semana por ano Roma (NEV CS/16), 6 de agosto de 2021 – De volta Sínodo das Igrejas Valdenses e Metodistas. O site www.chiesavaldese.org dá a notícia, que publica hoje o calendário com as principais marcações do evento que se realizará em fórmula mista (presencial e online) para fazer face à emergência Covid ainda não superada. Há um ano o sínodo não foi celebrado e foram organizados momentos de discussão, enquanto este ano o mais alto corpo governante das igrejas valdenses e metodistas estará totalmente operacional, embora com um horário reduzido do que o habitual, de domingo 22 a quarta-feira 25 de agosto, entre a web e o tradicional escritório de Torre Pellice, na província de Torino. Não faltarão eventos paralelos como debates, apresentações, reuniões teológicas, também neste caso parte online e parte presencial, sempre em nome da segurança. O calendário com os principais eventos: sexta-feira 20 – Concerto em francês pela associação Musicainsieme. Encontro às 21 horas no Templo Valdense de Torre Pellice sábado, 21 – O “pré-sínodo” da Federação das Mulheres Evangélicas às 17h propõe uma mesa redonda sobre o tema “Contraponto: mulher e trabalho, um olhar diferente sobre a economia, a sociedade e a política. Mulheres protestantes enfrentando os desafios de uma sociedade em transformação". O debate será transmitido ao vivo pela página do Facebook da Reforma. domingo 22 – Entramos no coração do Sínodo com o culto inaugural às 10h no templo da Torre Pellice presidido pelo pastor Winfrid Pfannkuche. O culto será transmitido pelos canais do Facebook e YouTube da Rádio Evangélica Beckwith. segunda-feira, 23 – A habitual segunda-feira à noite regressa e aborda o tema “Next generation EU? Os jovens e a Europa entre o sonho da recuperação e o risco da marginalização”. O encontro é às 21h no templo da Torre Pellice, com transmissão ao vivo da Rádio Evangélica Beckwith. Marta Bernardini (Esperança do Mediterrâneo) e Valeria Lucenti (vice-diretora do Centro Ecumênico Ágape) lideram. Annalisa Camilli (jornalista de Internacional), Stefano Allievi (sociólogo, Universidade de Pádua), Brando Benifei (MEP), pastora Daniela Di Carlo; conclusões da moderadora da Mesa Valdense Alessandra Trotta. quarta-feira 25 – Outro tema central de cada semana sinodal é o da diaconia. Às 21h, no jardim da casa valdense, será realizado o encontro sobre “Fronteiras diaconais – Pensamento teológico e diaconal” da Comissão Sinodal para a diaconia. Será apresentado o novo número dos cadernos da Diaconia: “Pensamento teológico e diaconal”. quinta-feira 26 – Novo em relação ao habitual é a colocação do tradicional dia teológico dedicado a Giovanni Miegge, geralmente antes do sínodo e desta vez após o seu encerramento. Presencialmente no templo da Torre Pellice e online será possível acompanhar o encontro sobre “A crise da democracia e o papel das igrejas no espaço público. A igreja entre a felicidade individual e a construção da sociedade”. Segue o link da vídeo mensagem da moderadora da Mesa Valdense Alessandra Trotta em vista do Sínodo das igrejas Metodista e Valdense 2021: “O amor nunca falhará” “Estamos confiantes de que na variedade de rostos, sotaques, dos 180 deputados masculinos e femininos, homens e mulheres, jovens e velhos, pastores e leigos, principalmente conectados por uma tela, tudo será expresso a força da união unida, a alegria de compartilhar, responsabilidade pela participação ativa de todos na tomada das decisões que nortearão a vida e a ação de nossas igrejas no próximo ano”, disse Alessandra Trotta no vídeo. Para mais informações sobre o programa e conteúdos do Sínodo 2021: www.chiesavaldese.org ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.