Animais em guerra

Animais em guerra

Roma (NEV), 5 de maio de 2022 – “A guerra investe, deforma e mata a vida”. Este é o título do discurso de Maria Elena Lacquaniti na última conferência organizada pelo Interfaith Centre for Peace (CIPAX). Lacquaniti, pregador local da igreja batista de Civitavecchia, também é membro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).

Animais na Primeira Guerra Mundial

As guerras também causam danos irreversíveis à fauna maior e menor e, consequentemente, à biodiversidade. Lacquaniti dá uma visão geral dos últimos cem anos de história de conflito, do ponto de vista dos animais. “Assim começou o volume de propaganda «Os animais em guerra», escrito em 1916 por Júlio Caprino, jornalista, intervencionista e alferes do exército italiano: «Se houver soldados na guerra? Os animais, os cavalos das armas montadas, as mulas da montanha e as baterias de burros. Há também muitos outros, grandes e pequenos, que lá se encontram sem querer, pobres bichos. E eles ficam lá.” A Primeira Guerra Mundial foi uma guerra extremamente sangrenta e viu a tecnologia emergente e o mundo rural se envolverem pela primeira vez. Mauro Neri E Ariadne Tamburini, no livro “Animal War” (2018), ilustram o uso de animais em conflitos. Na verdade, os animais desempenharam um papel cada vez mais fundamental”.

Os animais, explica Lacquaniti, estão incorporados no chamado “trem”, ou melhor, “o aparato militar que movimentava todas as operações logísticas dos exércitos: cozinhas de campanha, transporte de alimentos, feridos, munições, armamentos. Só o exército italiano, que quando entrou na guerra em 1915 tinha alistado cerca de 800 quadrúpedes para puxar 400 carroças, já no ano seguinte dispunha de mais de 9.000 animais que puxavam cerca de 2.600 carroças e no último ano da guerra os animais disparam usados ​​foram cerca de 18.000 para quase 6.000 vagões”.

A guerra levou à requisição de quadrúpedes à população “condenando-os à pobreza extrema e à fome. Faltava tanto o animal como produtor de alimentos quanto como colaborador no cotidiano rural”. O bisão europeu foi extinto na Primeira Guerra Mundial, com prejuízos para todo o meio ambiente: “A extinção de uma espécie afeta fortemente o ecossistema em que ela está inserida. A presença destes animais de enorme porte, a pastar, permite a chamada engenharia de habitat, ou seja, permite restaurar toda uma série de processos naturais típicos de uma zona específica. Por exemplo, as áreas de terra nua que se formarão graças ao bisão se tornarão o local ideal para vespas escavadoras, lagartos e gramíneas raras; além disso, a madeira e a casca das árvores contra as quais o bisão esfrega sua espessa pelagem de inverno se tornará um terreno propício para insetos, pássaros e fungos. Precisamente com o objetivo de salvaguardar a biodiversidade, lembramos que é a presença de insetos que atrai as diferentes espécies e que a sua presença intensifica o desenvolvimento da flora envolvente. 90% da flora espontânea e 70% da utilizada na agroindústria dependem justamente dessa ação”.

Vietnã e dioxina

Maria Elena Lacquaniti também propõe a rica bibliografia dedicada aos efeitos devastadores da guerra do Vietnã devido ao uso de dioxinas pelos militares estadunidenses, para desfolhar e arrasar a floresta que apresentava uma resistência natural ao ataque. “De 1961 a 1972, 19 milhões de galões de herbicida foram aplicados em mais de 4,5 milhões de acres de terra no Vietnã do Sul. O conflito terminou com o desaparecimento de 70% das aves e 90% dos mamíferos da região”. Um verdadeiro “Ecocídio”, denuncia Lacquaniti, que tem levado a modificações genéticas de pessoas e animais, à contaminação do solo, da água, do ar e da cadeia alimentar. “A dioxina enterrada ou lixiviada abaixo da superfície ou profundamente no sedimento de rios e outros corpos de água pode ter uma meia-vida de mais de 100 anos”, para dar outro exemplo.

Grandes mamíferos e papel ecológico

As guerras destroem a vida em todas as suas formas. Aconteceu e está acontecendo na Ucrânia, no Afeganistão, na Síria, no Iraque, no Kuwait, no Laos, no Congo, no Sudão. “A África Central – acrescenta Lacquaniti – é, em todo caso, um lugar constante de morte devido ao consumo na guerra da carne de grandes símios, como o gorila da montanha ou o chimpanzé. A falta de grandes mamíferos, devido ao seu papel ecológico, implica em danos ao cerrado. Basta pensar que o elefante sozinho dedica cerca de 16 horas por dia para se alimentar, arrancando galhos, arbustos, derrubando árvores. Isso envolve aeração da savana, ajudando a mantê-la aberta e neutralizando o crescimento selvagem”.

Direito internacional e convenções

Lacquaniti também compartilha uma análise do conceito de proteção ambiental em um contexto de guerra no direito internacional. “Embora o reconhecimento dos potenciais impactos negativos dos conflitos armados na saúde dos ecossistemas naturais remonte ao século XVII, a questão da proteção ambiental em contexto de guerra assumiu relevância no debate internacional apenas a partir do final da Segunda Guerra Mundial. Guerra”. Desde o Protocolo de Genebra para a proibição do uso em guerra de gases asfixiantes, venenosos ou de outros tipos, e de métodos bacteriológicos de guerra, de 1925. Até as convenções, como a de proteção do meio ambiente durante conflitos armados, regulado pelos artigos 53 e 147 da Convenção de Genebra relativa à proteção de pessoas civis em tempo de guerra. Ou, a Convenção sobre a proibição de uso militar ou qualquer outro uso hostil de técnicas de modificação ambiental (ENMOD) de 1976.

Dia Internacional das Nações Unidas para a Prevenção da Exploração do Meio Ambiente em Situações de Guerra e Conflito Armado

Por fim, recorda Maria Elena Lacquaniti, “deve-se dar maior visibilidade ao dia 6 de novembro. Data em que, desde 2001, se celebra o Dia Internacional das Nações Unidas para a prevenção da exploração do ambiente em situações de guerra e conflito armado. A proteção ambiental deve fazer parte das estratégias de prevenção de conflitos e manutenção da paz. <>. Não só isso, o controle dos recursos naturais está entre os fatores que desencadeiam conflitos. Estudos do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) mostraram que nos últimos 60 anos pelo menos 40% de todos os conflitos internos estiveram ligados à exploração de recursos naturais”.


Para ver a gravação completa da reunião clique aqui. A conferência foi realizada como parte do Workshop de Paz CIPAX 2021-22 “Tratando a terra para nos curar. Ambiente, paz, espiritualidade”. Título do dia: “Nós e a natureza: agricultura camponesa, animais”. Convidados, além de Lacquaniti, Emanuele De Gasperisveterinário, Igreja Batista de Trastevere, Roma. Fúlvio BucciRurali Reggiani/Associação Rural Italiana (ARI). Adnane Mokrani, Presidente Honorário do CIPAX, teólogo muçulmano. A reunião foi moderada pelo Presidente da CIPAX Christine Mattiello. O canteiro de obras da CIPAX foi criado graças à contribuição de Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Católicos e luteranos noruegueses visitando Roma

Católicos e luteranos noruegueses visitando Roma

Roma (NEV), 5 de setembro de 2019 - Da Noruega à Itália para uma discussão sob a bandeira do ecumenismo, diálogo, boas práticas para olhar para o futuro das igrejas. Hoje, quinta-feira, 5 de setembro, uma delegação ecumênica de dez expoentes da Igreja Luterana e da Igreja Católica foi convidada à Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. No centro do encontro não estavam apenas os temas teológicos, mas também uma troca sobre as questões sociais mais quentes da Europa. «Estes dias de encontro na Itália – explicou Einar Tjellesecretário-geral do Conselho para as Relações Internacionais e Ecumênicas da Igreja da Noruega – são uma experiência de intercâmbio muito positiva, para discutir temas teológicos e religiosos, mas também projetos concretos». A FCEI apresentou ao grupo norueguês, acompanhada para a ocasião pelo reitor da Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI), pároco Heiner Bludau e de Cordelia VitielloVice-Presidente do Consistório e Representante Legaldo CELI, as atividades realizadas no âmbito do seu programa para migrantes e refugiados, Mediterranean Hope, e em particular a experiência dos corredores humanitários. «Ficamos muito positivamente impressionados com este projeto - continuou Tjelle - e discutimos como realizar uma atividade conjunta de lobby, em nossos respectivos governos e dentro das instituições europeias, para implementar este caminho de corredores humanitários para refugiados ». O pastor Heiner Bludau esclareceu que existe uma “sensibilidade comum e vários desafios a compartilhar: jovens, migrantes são duas dessas questões sobre as quais queremos ter uma voz comum, como federações de igrejas”. Durante a visita à Itália, a delegação norueguesa – que já havia estado em Roma em 2012 – prevê diversos encontros com a Comunidade de Sant'Egidio, a Caritas e outras realidades do mundo católico e não católico. ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian, a campanha de 2021 em nome da mudança

Otto per mille Waldensian, a campanha de 2021 em nome da mudança

Roma (NEV), 14 de abril de 2021 – A campanha Otto per mille deste ano da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense será um vídeo de animação exclusivamente feminino. O diretor de arte da campanha é o cartunista e jornalista gráfico Takoua Ben Mohamedque desenvolveu um storyboard com "as mulheres protagonistas", partindo de uma ideia da agência Web&com de Sérgio Veludo. Um spot animado com cerca de um minuto será, assim, o instrumento da campanha de comunicação oito por mil, da qual podemos antecipar alguns dos conteúdos e que será lançada nas próximas semanas. Objetivo: explicar como são utilizados os recursos do Otto per mille (OPM) da Igreja Valdense, União das Igrejas Metodista e Valdense e porque é cada vez mais importante escolher a quem destinar, na hora de preencher a declaração de imposto de renda. “É um projeto – explica o autor – no qual trabalhei com um animador e outro designer, Lorenzo Zanotti E Federica Franceschini, tentando contar meu ponto de vista, em uma narrativa exclusivamente feminina, sobre como os recursos do OPM são usados. Falamos, pois, de social mas não só, também, indirectamente, de cidadania e de novas gerações. Uma história coral, também ambientada durante o confinamento, que vê as mulheres como protagonistas da esperança e da mudança”. E mudança é justamente a palavra de ordem da campanha OPM 2021. “Sentimos a necessidade de mudar – explica Manuela Vinay, chefe da Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense (OPM) – . Talvez a pandemia tenha nos levado a nos questionarmos mais sobre o que podemos e devemos fazer e 'mudar' foi a primeira palavra-chave. Daí também a escolha das bandas desenhadas, de que gostamos de imediato também porque associámos de imediato à obra do Takoua que tanto apreciamos. O outro termo que tem nos guiado é 'responsabilidade', só podemos dar uma contribuição maior para melhorar o mundo em que vivemos com um forte senso de responsabilidade compartilhada. E a partilha é a outra chave de compreensão: não estamos sozinhos, a nossa força não vem só da fé, mas também das pessoas que acreditam em nós. Cada um deve fazer a sua parte, quem assina o 8×1000, quem repassa o dinheiro, quem gasta. Juntos podemos continuar a fazer muito, e melhor. Espero que a pandemia possa “despertar” um sentimento de cidadania ativa em muitas direções, incluindo a vontade de expressar uma escolha, uma assinatura para o 8×1000 mas não só”. Takoua Ben Mohamed é um cartunista e jornalista gráfico nascido em Douz, Tunísia, e criado em Roma. Ela é a autora das obras “História de Mulher” (2015), "Sob o Véu" (2016), "A Revolução de Jasmim" (2018), “Outro caminho para o Camboja” (2020), os três últimos lançados pela editora BeccoGiallo. Em 2019 produziu o documentário Estilo Hejab para o Canal de Documentários Al-Jazeera, veiculado pela emissora em 2020. Há mais de dois anos colabora com a revista e centro de estudos Confronti. Próximos compromissos profissionais do autor, "em meados de maio um novo livro intitulado"Meu melhor amigo fascista” e uma campanha europeia contra a islamofobia, com particular enfoque nas mulheres muçulmanas”. Para todas as informações sobre como assinar e como os fundos OPM valdenses e metodistas são alocados: As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.