Começa a campanha de oito por mil da igreja valdense

Começa a campanha de oito por mil da igreja valdense

Roma (NEV), 2 de maio de 2022 – Um professor, dois arqueiros paraolímpicos, um agricultor, um cavaleiro, um cozinheiro, uma enfermeira, um logístico, um músico, um disc jockey: estes são os testemunhos da campanha para o 8 por mil para as Igrejas Valdense e Metodista programadas para começar em 8 de maio. O site chiesavaldese.org dá a notícia. A campanha, idealizada pelos criativos da Web&Com, é composta por comerciais de televisão e rádio, intervenções em redes sociais, outdoors e anúncios na imprensa.

“Muitos se inscrevem na Igreja Valdense e você também encontrará um motivo para isso”, diz a afirmação, seguida das declarações de quem explica sua escolha: “Quero ser coerente com minhas escolhas”, “Não são preconceituoso”, “Porque eu fido” são alguns dos motivos. “Porque é uma Igreja sem preconceitos e a serviço dos outros”, conclui o radialista e performer Diego Passoni. Junto com a atriz Lella Costa, Diego Passoni ele também é o protagonista de um dos comerciais de rádio em favor de Otto per Mille por uma igreja que apóia quem está comprometido com os outros, sem perguntar onde nasceu, se acredita ou quem ama. É “L’altro 8 per mille”, destinado exclusivamente a intervenções humanitárias, educacionais, culturais e de ajuda ao desenvolvimento, na Itália e no exterior.

“A campanha – explica Alessandra Trotta, moderador do Tavola Valdese – confirma a nossa escolha de gerir os fundos 8 por mil com a máxima transparência, financiando mais de mil projetos avaliados com critérios de sustentabilidade, eficácia e profundidade ética. Há anos que reunimos a assinatura e a confiança de muitos contribuintes que reconhecem a qualidade das nossas intervenções e valorizam o nosso compromisso para com os direitos de todos os homens e mulheres, contra a discriminação e exclusão social.

É graças a estas assinaturas, prossegue, que conseguimos lançar inúmeras ações de apoio aos idosos e deficientes, às mulheres vítimas de violência e à redenção daquelas que a sociedade considera perdidas; projetos-piloto como corredores humanitários para refugiados em condições vulneráveis ​​e atividades culturais e educacionais, muitas vezes em áreas de risco de marginalização social ou conflito armado”.

“Para a nossa Igreja – conclui o moderador da Mesa Valdense – é uma das formas de afirmar e praticar o compromisso de contribuir para a paz, a justiça e a proteção da Criação, com a força da esperança contra a esperança que está enraizada na nossa fé e ao lado de muitos companheiros de viagem de uma humanidade bela, aberta e solidária: uma humanidade que muitas vezes não faz barulho, de que as notícias não falam, mas que existe e resiste”.

As quantias totais recebidas em 2021 graças a 8 por mil foram de 42,6 milhões de euros, determinadas por 538.146 assinaturas a favor das Igrejas valdenses e metodistas. Com esses recursos, as Igrejas valdenses e metodistas financiaram projetos na Itália destinados a: melhorar as condições de vida de pessoas com deficiência física e mental (19,1% do total), promover o bem-estar e o crescimento de menores (18,7%); atividades culturais (14,5%), acolhimento e inclusão de refugiados e migrantes (9,3%); intervenções de saúde e protecção da saúde (8,7%). No exterior, a maioria dos projetos apoiados concentra-se em África, Médio Oriente e América Latina, num total superior a 12,5 milhões de euros. Dados e detalhes sobre as atividades financiadas estão disponíveis no site www.ottopermillevaldese.org.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Protestantismo.  “Nós estamos todos juntos nisso?”

Protestantismo. “Nós estamos todos juntos nisso?”

Roma (NEV), 26 de junho de 2020 - "Estamos todos no mesmo barco?" pergunta o próximo episódio da coluna Protestantismo que será transmitido no domingo, 28 de junho, pouco depois das oito da manhã na Rai2. “Temos certeza de que a Covid funciona apenas como um grande nivelador entre os humanos? Ou talvez seja também uma luz de emergência, um espião, que está sinalizando com mais força as desigualdades de nosso tempo?”. Uma série de serviços desde o mundo do trabalho, cultura e entretenimento, até a condição feminina e a deficiência estão no centro da transmissão e vão estimular o debate no estúdio conduzido por Catia Barão, em que irão participar Patrícia Luongo do Fórum Desigualdades Diversidade e Valentina Castaldo do Exército de Salvação. Assista à prévia aqui. ...

Ler artigo
“A fé e o amor são universais”

“A fé e o amor são universais”

2 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Prof Azza Karam, Secretária Geral de Religiões para a Paz, compartilha saudações à 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema "O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade". Karlsruhe (NEV), 5 de setembro de 2022 - "O amor de Cristo não é apenas para os cristãos, mas também para mim, e eu sou muçulmano". Com estas palavras Azza Karamsecretário-geral das Religiões pela Paz, coalizão internacional de representantes das religiões do mundo dedicadas à promoção da paz, "ganhou" os aplausos e o consenso da audiência plenária da XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas, reunida na Alemanha desde agosto 31º. Egípcio, mora em Nova York, professor de estudos religiosos em Amsterdã, ex-funcionário da ONU, está à frente do movimento fundado em 1970 ao qual aderem mais de 900 líderes religiosos de 90 países. Nós a conhecemos nos bastidores do evento do WCC em Karlsruhe. Em seu discurso disse que "O amor de Cristo é para todos": o que isso significa? “A mensagem de Cristo é uma mensagem de fé, crença e paz que se aplica a todos os homens e mulheres. Não creio que haja qualquer referência nos Textos que diga que isso se aplica apenas aos cristãos. Mesmo que os diversos grupos e comunidades religiosas sempre tenham se "apropriado" da mensagem do Senhor, isso é normal. Mas isso contradiz o fundamento da mensagem - a revelação divina - que é e é válida para todos os seres humanos. E para todas as criaturas vivas. Quais são os principais desafios do movimento que representa? Religiões pela paz parece um pouco com as Nações Unidas, na verdade representamos todas as grandes instituições de religiões e credos do mundo – mais de uma centena – e por isso, assim como as Nações Unidas, temos uma assembléia geral… É um espaço e trabalho complexo porque cada entidade procura perseguir seus próprios interesses. Resguardar os espaços políticos de qualquer grupo que busque legitimar sua agenda também dificulta nossa missão. Acho que esta é uma das questões cruciais: todos nós vemos o que é o bem comum, mas temos que descobrir como chegar a um acordo sobre o que fazer juntos, como trabalhar juntos para salvar esse mesmo bem comum. Um desafio muito importante é justamente pedir aos nossos líderes que não pensem territorialmente, que não pensem apenas em sua própria igreja ou comunidade. E também temos que lidar com a interferência política, que sempre existiu, mas está crescendo. Acredito que com o colapso das ideologias – neoliberalismo, capitalismo, socialismo, comunismo – as religiões se tornaram cada vez mais uma oportunidade comum de contar histórias para conveniência política. Estamos vivendo a era – um fenômeno ciclicamente repetido – de uma forte aliança, vários tipos de alianças, entre partidos e atores políticos de um lado, instituições e atores religiosos de outro. Esse uso (ou abuso) de símbolos religiosos e religiões pela política é perigoso? Sim, muito, porque a fé não reconhece os limites das nações, a fé é universal. Enquanto a política é feita de limites, fronteiras e limites. Portanto, essas duas línguas são inúteis uma para a outra. Usar as religiões para legitimar uma narrativa política é, por um lado, limitar a ética e o propósito religioso e, por outro lado, armar a fé. O que vimos e estamos vendo na Ucrânia e na Rússia é um exemplo de como é totalmente inconcebível legitimar uma guerra em termos religiosos. Que papel para o Conselho Mundial de Igrejas neste quadro? O CMI tentou sistematicamente estabelecer um diálogo entre os diferentes atores cristãos e ortodoxos. E o desafio para o CMI, assim como para o Vaticano, é entender que o que está acontecendo não é uma questão cristã ou europeia. Duas guerras mundiais começaram na Europa. O que está acontecendo tem consequências dramáticas em termos de vidas humanas, mas também de matérias-primas, alimentos, energia. As tentativas feitas até agora parecem se concentrar em encontrar uma "solução cristã". Mas uma solução cristã para um problema global não pode ser encontrada. Quais são os próximos compromissos das religiões pela paz? Como no mito de Sísifo, procuramos trabalhar juntos para servir juntos, para apoiar os diferentes atores religiosos diante das emergências que continuarão a acontecer, envolvendo as instituições de cada religião e comunidade. Temos que trabalhar juntos, colaborar. O movimento ecumênico é certamente necessário, mas não creio que seja possível sem um movimento multirreligioso e sem diálogo, o ecumenismo sozinho ou o caminho de cada credo individual não será suficiente. Não é tão complicado quanto parece. Quando as religiões trabalham para servir juntas: essa é a cura de que precisamos, essa é a cooperação que nos permitirá salvar o bem comum. Quando cada religião faz por si é como se ferissemos a mão e cada dedo nos machucasse, e tentamos curar um dedo mas não será suficiente, porque teremos que curar a dor que vem do coração, da alma, da mente do nosso corpo. Estamos enfrentando os mesmos desafios de sempre, só que o planeta está ficando sem tempo. Sempre falamos de pobreza, guerras, ignorância, sempre temos os mesmos problemas desde que a humanidade vive neste planeta, mas agora é a Terra que está fora do tempo, porque a estamos destruindo”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.