Está em andamento o Sínodo do Rio de La Plata 2020. Entrevista com o moderador Tron

Está em andamento o Sínodo do Rio de La Plata 2020. Entrevista com o moderador Tron

Carola Tron – Foto de Nadia Angelucci

Roma (NEV), 31 de janeiro de 2020 – O Sínodo da Igreja Valdense do Rio da Prata acontecerá no Uruguai de 1 a 3 de fevereiro, reunindo representantes das comunidades valdenses do Uruguai e da Argentina, juntamente com pastores e representantes de os trabalhos diaconais que a igreja realiza em ambos os países.

Será um Sínodo temático sobre a educação na Igreja e seu valor para as comunidades evangélicas valdenses. Somente no último dia a comissão administrativa se reunirá para decidir sobre questões-chave.

O Sínodo temático terá três momentos: no primeiro serão compartilhadas as experiências das comunidades, no segundo serão questionadas as diferentes formas de educar através de uma visão teológica e, finalmente, no terceiro momento serão buscadas ferramentas adequadas de Educação.

“Criamos uma Comissão Sinodal de Educação Cristã que abordará uma reflexão sobre este tema a partir da experiência da comunidade, da interpretação teológica e do desafio de trabalhar este tema com uma leitura popular” disse-nos o moderador de la Mesa Valdense carola Tron contatada por telefone pela Agência Nev que lhe fez algumas perguntas.

Quais são as questões críticas que as igrejas do terceiro milênio estão enfrentando? Quais são, na sua opinião, as soluções possíveis para essas questões críticas?

A nova realidade que enfrentamos tem a ver com uma mudança de paradigma nas formas de ser igreja que questionam a própria instituição, a representação, o compromisso e as formas de participação. O núcleo que realiza as atividades foi bastante reduzido. Isso também muda nosso ponto de vista e há uma tendência de sobrecarregar os poucos que sobraram com trabalho para manter o negócio funcionando. Quando a comunidade que deu origem a uma estrutura se reduz, é preciso também repensar as formas de participação e as formas de ser uma comunidade de vida com espaços sustentáveis ​​e de verdadeira partilha. Temos que pensar em como estimular novas vocações que talvez tenham uma forma diferente daquelas que sempre conhecemos na esteira de nossa identidade protestante.

Como você acha que a Igreja Valdense pode se relacionar com as mudanças políticas que estão ocorrendo no continente latino-americano?

Estamos diante de um contexto muito efervescente, com mudanças políticas e sociais e grandes manifestações sobre temas centrais como direitos humanos, pobreza e necessidades básicas não atendidas. Registramos uma forte presença de setores fundamentalistas ligados a grupos que atuam fazendo lobby por determinadas políticas. Nesse sentido, nossa posição vem do Evangelho e é portadora de uma mensagem de inclusão, tolerância com a diversidade, ênfase nas minorias. É importante que a Igreja seja capaz de ter uma palavra profética sobre essas questões. No Uruguai estamos diante de uma nova presidência da república com uma importante mudança de linha política; na Argentina há um novo governo que enfrenta uma crise profunda. Nesse contexto, sinto que nosso papel é interpretar o evangelho para gerar comunidades inclusivas e amorosas.

O moderador da Mesa Valdense participará do Sínodo do Rio da Prata Alessandra Trotta. Espera-se que muitos convidados estrangeiros participem dos procedimentos.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Animais em guerra

Animais em guerra

Roma (NEV), 5 de maio de 2022 - "A guerra investe, deforma e mata a vida". Este é o título do discurso de Maria Elena Lacquaniti na última conferência organizada pelo Interfaith Centre for Peace (CIPAX). Lacquaniti, pregador local da igreja batista de Civitavecchia, também é membro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Animais na Primeira Guerra Mundial As guerras também causam danos irreversíveis à fauna maior e menor e, consequentemente, à biodiversidade. Lacquaniti dá uma visão geral dos últimos cem anos de história de conflito, do ponto de vista dos animais. “Assim começou o volume de propaganda «Os animais em guerra», escrito em 1916 por Júlio Caprino, jornalista, intervencionista e alferes do exército italiano: «Se houver soldados na guerra? Os animais, os cavalos das armas montadas, as mulas da montanha e as baterias de burros. Há também muitos outros, grandes e pequenos, que lá se encontram sem querer, pobres bichos. E eles ficam lá." A Primeira Guerra Mundial foi uma guerra extremamente sangrenta e viu a tecnologia emergente e o mundo rural se envolverem pela primeira vez. Mauro Neri E Ariadne Tamburini, no livro "Animal War" (2018), ilustram o uso de animais em conflitos. Na verdade, os animais desempenharam um papel cada vez mais fundamental”. Os animais, explica Lacquaniti, estão incorporados no chamado “trem”, ou melhor, “o aparato militar que movimentava todas as operações logísticas dos exércitos: cozinhas de campanha, transporte de alimentos, feridos, munições, armamentos. Só o exército italiano, que quando entrou na guerra em 1915 tinha alistado cerca de 800 quadrúpedes para puxar 400 carroças, já no ano seguinte dispunha de mais de 9.000 animais que puxavam cerca de 2.600 carroças e no último ano da guerra os animais disparam usados ​​foram cerca de 18.000 para quase 6.000 vagões”. A guerra levou à requisição de quadrúpedes à população “condenando-os à pobreza extrema e à fome. Faltava tanto o animal como produtor de alimentos quanto como colaborador no cotidiano rural”. O bisão europeu foi extinto na Primeira Guerra Mundial, com prejuízos para todo o meio ambiente: “A extinção de uma espécie afeta fortemente o ecossistema em que ela está inserida. A presença destes animais de enorme porte, a pastar, permite a chamada engenharia de habitat, ou seja, permite restaurar toda uma série de processos naturais típicos de uma zona específica. Por exemplo, as áreas de terra nua que se formarão graças ao bisão se tornarão o local ideal para vespas escavadoras, lagartos e gramíneas raras; além disso, a madeira e a casca das árvores contra as quais o bisão esfrega sua espessa pelagem de inverno se tornará um terreno propício para insetos, pássaros e fungos. Precisamente com o objetivo de salvaguardar a biodiversidade, lembramos que é a presença de insetos que atrai as diferentes espécies e que a sua presença intensifica o desenvolvimento da flora envolvente. 90% da flora espontânea e 70% da utilizada na agroindústria dependem justamente dessa ação”. Vietnã e dioxina Maria Elena Lacquaniti também propõe a rica bibliografia dedicada aos efeitos devastadores da guerra do Vietnã devido ao uso de dioxinas pelos militares estadunidenses, para desfolhar e arrasar a floresta que apresentava uma resistência natural ao ataque. “De 1961 a 1972, 19 milhões de galões de herbicida foram aplicados em mais de 4,5 milhões de acres de terra no Vietnã do Sul. O conflito terminou com o desaparecimento de 70% das aves e 90% dos mamíferos da região”. Um verdadeiro “Ecocídio”, denuncia Lacquaniti, que tem levado a modificações genéticas de pessoas e animais, à contaminação do solo, da água, do ar e da cadeia alimentar. “A dioxina enterrada ou lixiviada abaixo da superfície ou profundamente no sedimento de rios e outros corpos de água pode ter uma meia-vida de mais de 100 anos”, para dar outro exemplo. Grandes mamíferos e papel ecológico As guerras destroem a vida em todas as suas formas. Aconteceu e está acontecendo na Ucrânia, no Afeganistão, na Síria, no Iraque, no Kuwait, no Laos, no Congo, no Sudão. “A África Central – acrescenta Lacquaniti – é, em todo caso, um lugar constante de morte devido ao consumo na guerra da carne de grandes símios, como o gorila da montanha ou o chimpanzé. A falta de grandes mamíferos, devido ao seu papel ecológico, implica em danos ao cerrado. Basta pensar que o elefante sozinho dedica cerca de 16 horas por dia para se alimentar, arrancando galhos, arbustos, derrubando árvores. Isso envolve aeração da savana, ajudando a mantê-la aberta e neutralizando o crescimento selvagem”. Direito internacional e convenções Lacquaniti também compartilha uma análise do conceito de proteção ambiental em um contexto de guerra no direito internacional. “Embora o reconhecimento dos potenciais impactos negativos dos conflitos armados na saúde dos ecossistemas naturais remonte ao século XVII, a questão da proteção ambiental em contexto de guerra assumiu relevância no debate internacional apenas a partir do final da Segunda Guerra Mundial. Guerra". Desde o Protocolo de Genebra para a proibição do uso em guerra de gases asfixiantes, venenosos ou de outros tipos, e de métodos bacteriológicos de guerra, de 1925. Até as convenções, como a de proteção do meio ambiente durante conflitos armados, regulado pelos artigos 53 e 147 da Convenção de Genebra relativa à proteção de pessoas civis em tempo de guerra. Ou, a Convenção sobre a proibição de uso militar ou qualquer outro uso hostil de técnicas de modificação ambiental (ENMOD) de 1976. Dia Internacional das Nações Unidas para a Prevenção da Exploração do Meio Ambiente em Situações de Guerra e Conflito Armado Por fim, recorda Maria Elena Lacquaniti, “deve-se dar maior visibilidade ao dia 6 de novembro. Data em que, desde 2001, se celebra o Dia Internacional das Nações Unidas para a prevenção da exploração do ambiente em situações de guerra e conflito armado. A proteção ambiental deve fazer parte das estratégias de prevenção de conflitos e manutenção da paz. . Não só isso, o controle dos recursos naturais está entre os fatores que desencadeiam conflitos. Estudos do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) mostraram que nos últimos 60 anos pelo menos 40% de todos os conflitos internos estiveram ligados à exploração de recursos naturais”. Para ver a gravação completa da reunião clique aqui. A conferência foi realizada como parte do Workshop de Paz CIPAX 2021-22 “Tratando a terra para nos curar. Ambiente, paz, espiritualidade”. Título do dia: "Nós e a natureza: agricultura camponesa, animais". Convidados, além de Lacquaniti, Emanuele De Gasperisveterinário, Igreja Batista de Trastevere, Roma. Fúlvio BucciRurali Reggiani/Associação Rural Italiana (ARI). Adnane Mokrani, Presidente Honorário do CIPAX, teólogo muçulmano. A reunião foi moderada pelo Presidente da CIPAX Christine Mattiello. O canteiro de obras da CIPAX foi criado graças à contribuição de Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense. ...

Ler artigo
A necessidade de construir uma nova igreja e um novo mundo

A necessidade de construir uma nova igreja e um novo mundo

Foto Dimitri Karastelev - Unsplash Roma (NEV), 27 de abril de 2020 - Ao final do "culto via Zoom" (ZoomWorship) de ontem, após a pregação do presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negroe a pastora Dorothea Mülller, membro da Mesa Valdense, os quase trezentos participantes puderam compartilhar algumas orações. Dentre elas, destacamos a invocação de Irene Grassimembro da igreja valdense de Pisa, que lida com comunicação e arrecadação de fundos na vida. "Deus de amor,venha visitar-nos nas casas das quais não podemos sair – ou das quais olhamos rapidamente, cautelosamente, com os rostos tapados. Venham abraçar-nos um a um, positivos e negativos, doentes e assintomáticos, trabalhadores essenciais e mães trabalhadoras inteligentes, desempregados e contribuintes, raparigas e rapazes com o nariz encostado à janela. Venha nos recolher do sofá, ou do chão, apertar nossas mãos com força, sacudir, soprar.Floresça nele. Venha e sente-se em nossas bolhas de quase dois metros e prepare-nos para quando, em breve, encontraremos as glicínias murchas e nossos companheiros a uma distância segura. Venha puxar nossos cabelos quando esquecemos que os outros não são nossos vizinhos, nós somos seus vizinhos: o corredor, a policial, a enfermeira, o traficante, a moradora de rua, o presidente Conte. Venha desvendar nossas Bíblias e nos mostrar a Palavra que pensávamos conhecer. Vem tomar-nos pela mão e levar-nos para fora, para combater a injustiça, a violência, a opressão, e depois a solidão, a angústia, a dor, respeitando a distância física, e por isso com mais força, com mais audácia, com mais firmeza. Venha e sente-se em nosso lugar na igreja, quando voltarmos à igreja, para que possamos ser forçados a vagar procurando um novo lugar; para nos convencer da necessidade de construir uma nova igreja, um novo mundo, um gosto – totalmente melhorável! – daquele dia em que o Teu Reino virá, quando finalmente seremos curados. Até lá, que o Teu Espírito nos guie e perfure todas as máscaras." Detalhe dos vitrais de Paolo Paschetto na igreja valdense na Piazza Cavour em Roma ...

Ler artigo
XIX Jornada do Diálogo Cristão-Islâmico: “Vamos construir uma única humanidade”

XIX Jornada do Diálogo Cristão-Islâmico: “Vamos construir uma única humanidade”

Roma (NEV), 21 de outubro de 2020 - "Vamos construir uma única humanidade!" é o título do Apelo para a 19ª Jornada Ecumênica do Diálogo Cristão-Islâmico que acontecerá, como todos os anos, no dia 27 de outubro. Assim começa o apelo para a Jornada 2020: “Depois de 19 anos ainda falamos do diálogo cristão-islâmico como se fosse a primeira vez. Mas muita coisa mudou. A nossa tem sido uma jornada importante e positiva. O nosso pensamento vai para os muitos amigos do diálogo que construíram centenas de iniciativas de norte a sul do país, para os que já não estão aqui e para os que connosco percorreram parte do caminho. E como no primeiro dia sentimos a forte necessidade de redescobrir a humanidade que nos une a todos. E como no primeiro dia sentimos a forte necessidade de nos comprometermos contra as guerras, a produção de armas e contra a injustiça social que nega o trabalho, a assistência médica, destrói o meio ambiente e qualquer espiritualidade baseada no reconhecimento mútuo como irmãos e irmãs com um único Mãe Terra para amar e defender”. A pandemia de covid-19 foi “um sinal forte para toda a humanidade – escrevem os organizadores -. Ele nos disse claramente que não somos onipotentes e que precisamos uns dos outros para construir uma vida digna de ser vivida. É preciso superar todas as discriminações e afirmar sempre que "todos os cidadãos têm igual dignidade social e são iguais perante a lei, sem distinção de sexo, raça, língua, religião, opiniões políticas, condições pessoais e sociais" (art. 3º Constituição). . Precisamos parar a guerra e a produção de armamentos". Nesta página é possível ler o apelo completo, enviar subscrições e relatórios ou consultar as marcações para este aniversário. A Jornada nasceu da iniciativa de um grupo de intelectuais, religiosos e professores universitários que, em 2001, após a tragédia das Torres Gêmeas, decidiram lançar um apelo ao diálogo com o Islã. "Nós, cristãos de várias confissões e leigos, que há anos estamos engajados no árduo processo de diálogo com os muçulmanos italianos ou no trabalho cultural sobre o Islã - recitou o primeiro apelo - acreditamos que o horrendo atentado em Nova York e Washington constitui uma desafio não apenas contra o Ocidente, mas também contra aquele Islã, majoritariamente em todo o mundo, que se baseia nos valores da paz, da justiça e da convivência civil”. Os promotores pretendiam evitar "um alarme preocupante", nomeadamente que o sucedido poderia "pôr em causa ou travar o diálogo com os nossos irmãos muçulmanos, companheiros de viagem no caminho da construção de uma sociedade pluralista, acolhedora, respeitadora dos direitos humanos e dos valores democráticos ”. Esse convite deu vida ao primeiro dia nacional do Diálogo Cristão-Islâmico na sequência de dois documentos, o conciliar da "Nostra Aetate" e o da "Charta Oecumenica" assinado apenas alguns meses antes em Estrasburgo pelos cristãos europeus. Um Dia que este ano chega à sua décima sétima edição e que, já há alguns anos, se realiza a 27 de Outubro "no espírito de Assis": o primeiro e grande encontro mundial das Religiões pela Paz, desejado pelo Papa João Paulo II em 1986 na cidade úmbria. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.