Fé é resistência à opressão.  Seminário do Instituto Global de Teologia

Fé é resistência à opressão. Seminário do Instituto Global de Teologia

Roma (NEV), 4 de janeiro de 2020 – Vivendo juntos e aprendendo como uma comunidade global. Com esse intuito, o Global Institute of Theology (GIT), programa da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), reunirá jovens de todo o mundo no Union Theological Seminary em Dasmariñas, Filipinas, de 15 a junho 29 de 2020.

É uma oportunidade única, ecumênica e teológica, mas também de encontro e intercâmbio. Há tempo até 15 de janeiro para requerer a inscrição nesta nomeação, que se intitula “Agitar a Palavra”, isto é, perturbar, bagunçar a Palavra.

“Vários conflitos do século 21 têm uma dimensão religiosa. Em muitas partes do mundo estamos testemunhando o nascimento do autoritarismo. O ‘sagrado’ foi politizado e explorado para justificar a exclusão e a violência. Nenhuma das principais religiões do mundo parece estar imune a essa tendência. A religião politizada revigora as estruturas de poder tradicionais e legitima a opressão das mulheres e das minorias vulneráveis. A religião é utilizada para constituir fronteiras intransponíveis para quem é percebido como o outro, seja ela racial, étnica, cultural ou moral”, explicam os organizadores do seminário mundial.

A intenção é explorar o potencial da tradição cristã como elemento capaz de “perturbar essas estruturas de poder”. De fato, em muitos desses conflitos as pessoas encontram inspiração no testemunho bíblico. Num mundo cheio de injustiças e inimizades, muitos são inspirados por Deus, e especialmente pelo Deus dos últimos, dos pobres e oprimidos (Confissão de Belhar). A história da Igreja está repleta de exemplos onde a fé no Deus da justiça garantiu a resistência às estruturas de opressão dos excluídos e explorados.

A teologia, explicam os organizadores, pode fornecer a linguagem para recolocar o poder nas margens: conforta e tranquiliza os marginalizados, fornece as ferramentas para a crítica radical e dá visão de uma vida plena (João 10:10) que supera a exclusão, exploração e violência.

O GIT 2017. Foto CMCR

O GIT tem entre seus objetivos específicos o de construir uma comunidade global de aprendizado e fé com abordagens bíblicas e teológicas contemporâneas, em uma dimensão inter-religiosa, intercultural e inter-religiosa ao mesmo tempo. Sua perspectiva é cristã reformada, envolvendo estudantes e professores de teologia, obreiros da igreja, instituições teológicas e comunidades. Estudantes e pastores ou teólogos em início de ministério de todos os continentes, pessoas que se preparam para o ministério cristão em uma escola teológica vinculada a uma igreja membro da CMCR ou recém-formados em teologia que pretendem continuar podem se inscrever para o seminário global. em seus primeiros anos de ministério recomendado pelas igrejas-membro.

Entre os temas abordados pelo GIT estão: injustiça econômica, destruição ambiental, justiça de gênero, solidariedade inter-religiosa, renovação espiritual, inclusão e aceitação nas igrejas e unidade cristã.

As inscrições completas para o GIT devem ser enviadas até 15 de janeiro de 2020. As admissões serão comunicadas pela comissão examinadora em meados de fevereiro de 2020. Todos os detalhes logísticos (inscrições, documentos necessários, passagens, vistos) serão acordados e comunicados após a admissão.

Para mais informações, clique aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Operação Especial: Paz – Nevada

Operação Especial: Paz – Nevada

Roma (NEV), 18 de julho de 2022 – Assis no centro de uma iniciativa internacional de paz e desarmamento. O encontro - que pode ser assistido em directo aqui - promovido pelo município da Úmbria, Rai Umbria e Rai para a ESG Sustainability visa "promover a resolução pacífica de conflitos através da diplomacia, cooperação, diálogo inter-religioso e intercultural, promovendo a participação das mulheres na tomada de decisões mesas, trazendo os conteúdos e princípios do “No Women No Panel”, projeto da Rai para o equilíbrio de gênero no debate público, mesmo em teatros de guerra”. Entre os palestrantes também o pastor batista Gabriela Lioda Federação das Mulheres Evangélicas da Itália. “No mundo – lê-se no comunicado que lança hoje a iniciativa – nos últimos dois anos apenas 6% das mulheres mediadoras e 13% das mulheres negociadoras estiveram formalmente envolvidas em mesas e processos de paz. No entanto, as mulheres não estão realmente ausentes, mas sim invisíveis: estão nos bastidores, criando pontes e conexões. Mesmo redes informais, associações e ONGs são o motor de uma sociedade civil que, embora nem sempre encontre representação institucional, atua como sentinela da paz. Assegurar a participação das mulheres em mesas estratégicas não é apenas uma questão de democracia e igualdade de gênero, mas significa liberar a outra metade dos talentos e habilidades que a sociedade pode oferecer para a resolução pacífica e duradoura de conflitos e ampliar a capacidade de ouvir as necessidades das populações". Aqui o programa e a nota de imprensa do Rai. artigo anteriorEm tempos sombrios, ouse ter esperançaPróximo artigoUma torre de livros 2022 Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
A série de TV dedicada à primeira advogada italiana, Lidia Poët

A série de TV dedicada à primeira advogada italiana, Lidia Poët

Roma (NEV), 23 de janeiro de 2023 - Lei de Lídia Poëtcom o protagonista Matilda DeAngelischega em 15 de fevereiro à Netflix. A série conta a história da mulher valdense Lídia Poeta, o primeiro advogado italiano inscrito na Ordem Profissional. Nascida em 1855 em Traverse di Perrero, na província de Turim, só em 1920, após uma vida de batalhas, conseguiu obter a inscrição no Registo. Aqui está o trailer da série: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=g_9laHOQOkg[/embed] Para saber mais: aqui é possível ouvir o episódio do ciclo "Vidas que não são tuas - Espíritos livres", realizado pela revista e centro de estudos Confronti para a Rádio Rai Tre, editada pela Marzia Coronatique conta a história da valdense Lidia Pöet. Lídia Poët, de família valdense, nasceu em Traverse, povoado de Perrero em Val Germanasca (TO), em 1855. Formou-se professora em 1878 e matriculou-se, contra a vontade do pai, na Faculdade de Direito da Universidade de Turim. Formou-se em 1881 com uma tese sobre a condição da mulher na sociedade, com especial atenção à questão do voto feminino. Ela é a primeira mulher na Itália a se formar em direito. Ele passa nos exames para se tornar procurador-geral e se inscreve para ser admitido na Ordem dos Advogados. A Ordem dos Advogados de Turim se divide, mas permite que Poët se registre. Decisão impugnada pelo procurador do Rei no Tribunal da Relação, que, invocando razões legais devido à falta de regras sobre o exercício da profissão pelo sexo feminino, bloqueia tudo. O recurso de Poët foi indeferido, mas ela exerceu a profissão, mais ou menos informalmente, em Pinerolo com o irmão advogado, dedicando-se sobretudo à defesa dos menores e nunca deixando de travar as batalhas pela emancipação feminina. Os anos passam, a Grande Guerra estoura, os homens deixam suas casas vazias e os deveres públicos descobertos. Para as mulheres, esta trágica circunstância torna-se uma oportunidade para afirmar a sua centralidade na sociedade e, em 1919, a lei que abre as carreiras profissionais às mulheres fotografa uma realidade já em curso. Em 1920, Lidia Poët, agora com sessenta e quatro anos, tornou-se a primeira advogada da Itália. ...

Ler artigo
Uma história valdense de Salvo Cuccia.  Em outubro na Netflix, prévia

Uma história valdense de Salvo Cuccia. Em outubro na Netflix, prévia

Roma (NEV), 21 de março de 2022 - "Uma história valdense" por Exceto Cuccia estará disponível na Netflix a partir de outubro, por 5 anos, em pelo menos 18 idiomas. Com seus 221 milhões de assinantes, a Netflix é a maior plataforma de streaming do mundo. O documentário de Cuccia conta a história de Gustavo Alabiso, um fotógrafo que mora em Karlsruhe, na Alemanha, que decide depois de muitos anos rastrear seus colegas de escola no Monte das Oliveiras. Foi no Monte das Oliveiras que, na década de 1960, Tullio Vinay (pastor valdense, teólogo e senador da República) fundou junto com o arquiteto Leonard Ricci o Serviço Cristão de Riesi. Estamos no interior da Sicília, na província de Caltanissetta. Para combater a máfia, a pobreza e o analfabetismo, são necessárias escolas, saúde, economia e internacionalidade. Nascem a fábrica de cortadores de aço “Meccanica Riesi” e uma cooperativa de bordados. Nascia a escola frequentada por Gustavo Alabiso. O documentário é uma viagem entre passado e presente, onde imagens e histórias se entrelaçam a partir de Riesi. O projeto também conta com a colaboração da Valdensian Cultural Center Foundation e do pastor metodista Pedro Ciacciocomo consultor histórico-teológico. Pedimos ao diretor Salvo Cuccia que nos contasse sobre seu trabalho. “Uma História Valdense” chega à Netflix. É uma bela conquista. Estou muito feliz com este resultado. Apresentaremos o documentário em prévia no dia 24 de março no cinema Rouge e Noir de Palermo, cidade onde se encontra, entre outras coisas, o local de produção, o centro regional de inventário, catalogação e documentação (CRID) Como surgiu esta ideia? Essa história nasceu com Gustavo Alabiso. Do projeto de fotografar seus ex-companheiros nasceu um livro, depois o filme, que reconstrói a jornada de Gustavo entre Riesi, na Sicília, Gênova, Torre Pellice e Prali, no Piemonte, até a Bélgica. A aldeia Monte degli ulivi. Foto Emanuele Piccardo cortesia Christian service O documentário conecta o trabalho valdense e Riesi, a partir do período histórico do trabalho nas minas (aqueles da Trabia Tallarita contados por Vittorio De Seta em "Surfarara" de 1955). Depois, a máfia, a emigração e os olhares das crianças que se tornam adultos. Saídas e retornos. O que você pode nos dizer mais? Eu já tinha trabalhado nesse tipo de reconhecimento antes, vamos lá Vitório de Seta precisamente, com “Détour De Seta”, um projeto que apelou Martin Scorsese e foi amplamente divulgado. As minas descritas por De Seta na década de 1950 estão ligadas à história. Não só para a história do serviço cristão, mas também para o "contexto", como você diria Leonard Sciascia. Falamos da máfia, da emigração, do trabalho. Partindo de um lugar na profunda província do sul da Sicília, chegamos além do Estreito e além da fronteira, seguindo outras escolhas e perspectivas de vida. Deste ponto de vista, podemos dizer que "falamos glocal". Já no trailer é possível apreciar a sobreposição de imagens, épocas e narrativas, numa atmosfera que conecta espaço, tempo e pessoas. Como você fez? Trabalhamos em vários níveis narrativos. Por exemplo, o diretor do Serviço Cristão Gianluca Fiusco colocou à nossa disposição duas bobinas de filme dos anos 1960, onde encontramos imagens Video8 tanto da construção da escola quanto vídeos de Riesi daqueles anos. A filmagem foi feita por um valdense suíço, Pierre Vollichardque se localizava na Sicília na época. São materiais extraordinários e belos que nos permitiram reconstruir um pedaço da história. Há também vídeos em que aparecem algumas dessas crianças, agora homens, ex-colegas de escola de Gustavo, cujas histórias de crianças se confundem com a história geral do grande intelectual e pastor Tullio Vinay. Você pode nos falar sobre as oliveiras? O projeto idealizado para o Serviço Cristão pelo arquiteto Ricci (que, aliás, era avô de Elena Sofia Ricci) é futurista. Eles não cortam nem uma oliveira, mas constroem ao redor das árvores. Eles deixam o território intacto. Esse era o pensamento moderno e voltado para o futuro de Vinay e Ricci. Além disso, fiquei surpreso que tal estrutura, no coração da Sicília, onde não havia água todos os dias, mesmo na aldeia, pudesse sempre ter água. Eles eram muito organizados. Em seguida, há o tema dos valdenses como testemunhas do compromisso civil, a partir de sua posição como minoria religiosa e cultural. Os pais de Gustavo eram colaboradores de Vinay. Isso também aparece no documentário. A ligação profunda entre a abertura à história e a dinâmica pessoal. Quando criança, Gustavo pensava que este mundo era o único mundo. Já adulto, porém, ele descobre que os valdenses são uma minoria. E essa comparação é um dos principais temas do documentário. aqui o trailer [embed]https://www.youtube.com/watch?v=4yzqQZB6SBk[/embed] UMA HISTÓRIA VALDENSE. Um documentário de Salvo Cuccia (75', 2020) Túlio Vinay Tullio Vinay foi teólogo, pastor valdense e senador da República. Antifascista convicto, ajudou a salvar uma família judia da deportação, escondendo-a num apartamento em Florença. Em março de 1974, o pastor Vinay testemunhou em Paris sobre os métodos de tortura usados ​​em prisioneiros políticos no Vietnã, onde ele havia ido como observador internacional em nome de uma organização ecumênica. Acesse o CARD. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.