Fé é resistência à opressão.  Seminário do Instituto Global de Teologia

Fé é resistência à opressão. Seminário do Instituto Global de Teologia

Roma (NEV), 4 de janeiro de 2020 – Vivendo juntos e aprendendo como uma comunidade global. Com esse intuito, o Global Institute of Theology (GIT), programa da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), reunirá jovens de todo o mundo no Union Theological Seminary em Dasmariñas, Filipinas, de 15 a junho 29 de 2020.

É uma oportunidade única, ecumênica e teológica, mas também de encontro e intercâmbio. Há tempo até 15 de janeiro para requerer a inscrição nesta nomeação, que se intitula “Agitar a Palavra”, isto é, perturbar, bagunçar a Palavra.

“Vários conflitos do século 21 têm uma dimensão religiosa. Em muitas partes do mundo estamos testemunhando o nascimento do autoritarismo. O ‘sagrado’ foi politizado e explorado para justificar a exclusão e a violência. Nenhuma das principais religiões do mundo parece estar imune a essa tendência. A religião politizada revigora as estruturas de poder tradicionais e legitima a opressão das mulheres e das minorias vulneráveis. A religião é utilizada para constituir fronteiras intransponíveis para quem é percebido como o outro, seja ela racial, étnica, cultural ou moral”, explicam os organizadores do seminário mundial.

A intenção é explorar o potencial da tradição cristã como elemento capaz de “perturbar essas estruturas de poder”. De fato, em muitos desses conflitos as pessoas encontram inspiração no testemunho bíblico. Num mundo cheio de injustiças e inimizades, muitos são inspirados por Deus, e especialmente pelo Deus dos últimos, dos pobres e oprimidos (Confissão de Belhar). A história da Igreja está repleta de exemplos onde a fé no Deus da justiça garantiu a resistência às estruturas de opressão dos excluídos e explorados.

A teologia, explicam os organizadores, pode fornecer a linguagem para recolocar o poder nas margens: conforta e tranquiliza os marginalizados, fornece as ferramentas para a crítica radical e dá visão de uma vida plena (João 10:10) que supera a exclusão, exploração e violência.

O GIT 2017. Foto CMCR

O GIT tem entre seus objetivos específicos o de construir uma comunidade global de aprendizado e fé com abordagens bíblicas e teológicas contemporâneas, em uma dimensão inter-religiosa, intercultural e inter-religiosa ao mesmo tempo. Sua perspectiva é cristã reformada, envolvendo estudantes e professores de teologia, obreiros da igreja, instituições teológicas e comunidades. Estudantes e pastores ou teólogos em início de ministério de todos os continentes, pessoas que se preparam para o ministério cristão em uma escola teológica vinculada a uma igreja membro da CMCR ou recém-formados em teologia que pretendem continuar podem se inscrever para o seminário global. em seus primeiros anos de ministério recomendado pelas igrejas-membro.

Entre os temas abordados pelo GIT estão: injustiça econômica, destruição ambiental, justiça de gênero, solidariedade inter-religiosa, renovação espiritual, inclusão e aceitação nas igrejas e unidade cristã.

As inscrições completas para o GIT devem ser enviadas até 15 de janeiro de 2020. As admissões serão comunicadas pela comissão examinadora em meados de fevereiro de 2020. Todos os detalhes logísticos (inscrições, documentos necessários, passagens, vistos) serão acordados e comunicados após a admissão.

Para mais informações, clique aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Sínodo luterano, de 29 de abril a 1º de maio, online

Sínodo luterano, de 29 de abril a 1º de maio, online

Roma (NEV), 9 de fevereiro de 2021 – A segunda sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália será realizada online, de 29 de abril a 1º de maio próximo. “A pandemia – escreve o presidente do Sínodo no convite aos participantes, Wolfgang Prader – mudou radical e profundamente nossas vidas. Nem a igreja, nem a sociedade, nem os indivíduos esperavam efeitos tão massivos. Como nós cristãos queremos e como devemos enfrentar os novos desafios? “Continuidade, mudança, futuro – a misericórdia é responsabilidade da Igreja” será o tema do Sínodo deste ano”. A reunião acontecerá no zoom e terá início na quinta-feira, dia 29 de abril, às 17h30. Para maiores informações: artigo anteriorUnidade dos Cristãos. Uma carta conjunta de católicos, ortodoxos e protestantesPróximo artigoMestrado em "Liberdade religiosa, liberdade de consciência, direitos e geopolítica das religiões" Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
O desaparecimento de Giovanni Mottura

O desaparecimento de Giovanni Mottura

O de Panzieri e seu grupo - entre eles muitos evangélicos - era um socialismo "libertário"; certamente atento ao papel da classe trabalhadora, mas não estritamente operário; “pragmática”, no sentido de vincular teoria e compromisso, método e experimentação. O cadernos vermelhos eles constituíram uma referência importante para uma geração de evangélicos que, em alguns casos, assumiriam papéis importantes na vida da Igreja Valdense. Eles também foram uma escola que posteriormente levou Giovanni a se medir contra os tumultuados fenômenos sociais da década de 1960, começando com a imigração para Turim e as lutas dos trabalhadores e dos estudantes. Fê-lo a partir de dentro, com participação militante e compromisso. Em anos que correram muito rápido, a perspectiva de mudança social e política foi muito concreta e, em um país que se polarizava, até as igrejas evangélicas foram atravessadas por debates e tensões. Foram os anos de estudo da imigração em Turim onde chegaram as "Nápoles", da colaboração com juventude evangélica e outras revistas como Investigação, uma revista que combinava compromisso político e análise social; trocas intelectuais com Vittorio Rieser e Enrico Pugliese, Maria Imaculada Macioti mas também Mario Miegge, Giorgio Bouchard e outros expoentes do protestantismo italiano. Com a atenção cautelosa, mas benevolente dos anciãos, uma nova geração de intelectuais leigos, teólogos e pastores assumiu o tema da mudança social e até mesmo da "revolução" como uma questão teológica. Revista juventude evangélicadirigido por Giorgio Bouchard primeiro e Marco Rostan mais tarde, tornou-se o centro de uma linha teológica e política para a qual Mottura também deu uma importante contribuição. A sua foi, por exemplo, uma formulação destinada a perdurar no tempo e a desencadear uma enxurrada de reações contrárias e escandalizadas: “Nós nos confessamos cristãos, nos declaramos marxistas”. Para alguns, essa fórmula reduzia a fé a uma ideologia política temporária, pregando um fundamentalismo de "esquerda" pouco compartilhado na base das igrejas. Na realidade, essa frase - à qual Giovanni frequentemente voltava em várias entrevistas, mesmo décadas depois - significava outra coisa. Em outras palavras, ele pretendia afirmar e reiterar a alteridade entre o nível teológico da confissão de fé e o nível histórico e político da declaração política; não invocou a síntese, mas, ao contrário, enfatizou uma distinção tipicamente barthiana entre o nível absoluto da revelação cristã e o nível relativo e contingente da opção política e ideológica. Os vestígios dessa época permanecem num volume de Gabriel De Ceccocom prefácio de Giovanni, publicado pela Claudiana em 2011, e uma longa entrevista em vídeo produzido pela Sérgio Veludo intitulado “Aqueles que fizeram isso”. Nos anos seguintes, sua carreira acadêmica, enriquecida por estudos e viagens aos Estados Unidos, trouxe Giovanni de Portici para a escola de sociologia agrícola em Manlio Rossi Doria, onde produziu importantes estudos sobre a agricultura meridional. Na Universidade de Modena e Reggio, onde concluiu a sua carreira académica, Giovanni foi dos primeiros a lidar com os imigrantes e, em particular, com as parcelas do mercado de trabalho que abrangem: funcionais à produção mas rejeitadas a nível social. Não poucas vezes Giovanni colocou suas habilidades à disposição das igrejas evangélicas: isso aconteceu nos anos de intervenção da Federação das igrejas evangélicas na Itália (FCEI) após o terremoto de Irpinia, quando uma frutífera reflexão sobre o Sul e o novo desafios que colocou; mais recentemente em várias conferências da FCEI sobre imigração, a última na Calábria - em Rosarno - em outubro de 2019. Na ocasião, as igrejas evangélicas lançaram um projeto de trabalho original para combater a contratação ilegal, apoiar a economia ecológica e legal, restaurar as condições sociais e habitacionais dignidade aos migrantes engajados na cadeia agrícola. João estava lá. Leia em Riforma.it ...

Ler artigo
31 de outubro, Dia da Reforma

31 de outubro, Dia da Reforma

16 de junho de 2019, Genebra (Suíça). Comemoração dos 20 anos da JDDJ Roma (NEV), 28 de outubro de 2019 – 31 de outubro de 1517 Martinho Lutero ele afixou suas 95 teses no portal da igreja do Castelo de Wittenberg, evento que se convencionou considerar o início da Reforma Protestante. Em todo o mundo, no dia 31 de outubro, são realizadas iniciativas e serviços para celebrar o Dia da Reforma. As igrejas reformadas, também na Itália, organizam um culto para o "Domingo da Reforma" para a ocasião. Com base nas necessidades de cada comunidade, isso cai no domingo antes ou depois de 31 de outubro. As doações arrecadadas durante os cultos do “Domingo da Reforma” das igrejas valdenses, metodista e batista serão doadas à Sociedade Bíblica da Itália (SBI). A SBI é a filial italiana da Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira (SBBF), que nasceu em 1804 em Londres com o objetivo de divulgar a Bíblia e que em poucos anos se expandiu para envolver centenas de comerciantes, oficiais, funcionários administrativos, parlamentares e diplomatas de várias igrejas também na Alemanha, Rússia, Holanda, Suécia, Estados Unidos, França, Grécia… O convite para apoiar a SBI também foi estendido à Federação das Igrejas Pentecostais (FCP). Eric Noffke, professor de Novo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia em Roma e presidente da SBI, falou no semanário Riforma sobre o tema da necessidade da leitura bíblica para a vida dos crentes e das igrejas, enfatizando como os grandes reformadores do século XVI "pôr-se em guarda contra a teologia das obras" e recordando como "não basta ser animado pelas melhores intenções, pelo contrário, às vezes pode ser contraproducente". Nesse sentido, a Bíblia representa uma “bússola” para agir “porque assim como a ação é ineficaz sem a orientação das Escrituras, não pode haver uma fé no amor de Deus que permaneça passiva e inerte diante dos desafios deste mundo”. A Federação Luterana Mundial (FLM), por sua vez, pediu o uso, para o Dia da Reforma, da liturgia ecumênica usada em Genebra para o 20º aniversário da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação (JDDJ). O convite é dirigido a todas as igrejas que assinaram o JDDJ: Luterana, Católica, Metodista, Anglicana e Reformada. A liturgia inclui orações, hinos e leituras da Bíblia, extratos do JDDJ e outros documentos. O JDDJ é um acordo histórico, resultado de mais de três décadas de diálogo ecumênico entre a Federação Luterana Mundial (FLM) e a Igreja Católica Romana. Inicialmente assinado por luteranos e católicos em 1999, o JDDJ efetivamente resolveu um dos principais conflitos da Reforma e pôs fim às suas respectivas excomunhões. Nos anos seguintes, também reuniu membros do Conselho Metodista Mundial (WMC), da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) e da Comunhão Anglicana. A liturgia ecumênica está disponível online em inglês, alemão, espanhol e francês. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.