liberdade também significa pensar criticamente

liberdade também significa pensar criticamente

Roma (NEV), 3 de dezembro de 2019 – O bispo luterano Margot Kässmann ela era secretária-geral do Kirchentag. Em 2009 ela foi a primeira mulher eleita presidente do Conselho da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). Embaixadora do Jubileu da Reforma EKD de 2012 a 2017, ela foi bispa da maior igreja regional evangélica luterana da Alemanha. Mãe de quatro filhas, publicou recentemente, por ocasião do seu sexagésimo aniversário, o volume “Schöne Aussichten auf die besten Jahre – Belas perspectivas para os melhores anos”.

Margot Kässmann

Em entrevista ao site da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), o bispo Käßmann declara: “Liberdade significa assumir responsabilidades, e para mim liberdade também significa o dever de pensar criticamente”.

“Em nossa sociedade orientada para o dinheiro, temos que defender valores como caridade, responsabilidade para com os outros, solidariedade e comunidade. A Igreja cria tudo isso. Mas a Igreja também deve ser autocrítica, tantas faltas acumulou ao longo dos anos e séculos”.

Sobre as relações entre católicos e protestantes, Käßmann continua: “Não gostaria de UMA igreja, mas gostaria de poder celebrar a comunhão juntos, oficialmente”.

Leia a entrevista completa com Margot Käßmann no site do CELI.


O Kirchentag nasceu por iniciativa de um grupo de protestantes alemães que, em 1949, após os terríveis anos da Segunda Guerra Mundial, imaginaram um grande fórum cristão aberto à sociedade, à política e aos temas espirituais. A Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) instituiu esse tipo de Congresso com a ideia de “reunir pessoas que estão questionando a fé cristã. Reúna os cristãos protestantes e fortaleça-os em sua fé. Incentivar a responsabilidade na Igreja, capacitar o testemunho e o serviço no mundo e contribuir para a comunhão do Cristianismo mundial”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Cachoeira.  A insustentabilidade do consumo e do desperdício

Cachoeira. A insustentabilidade do consumo e do desperdício

Foto Luis Tosta / Unsplash Roma (NEV), 6 de setembro de 2022 – O ciclo de insights da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) continua. A iniciativa insere-se no quadro mais amplo do Tempo da Criação 2022, período litúrgico que se celebra em todo o mundo de 1 de setembro a 4 de outubro. Hoje é o momento de falar sobre a insustentabilidade do consumo e do desperdício. O aprofundamento é editado por Annette Brungermembro do GLAM e responsável pela Rede Ambiental da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Brünger recolhe uma série de dados sobre a água disponível na terra, sobre o consumo de água potável e em vários sectores (agrícola, industrial, energético), até denunciar o consumo da chamada água "virtual", ou seja, a água utilizada para produzir certos produtos de consumo. "Se, por exemplo, fazemos uma xícara de café - escreve Annette Brünger -, na realidade, não consumimos apenas a água que temos em nossa xícara, mas toda a água utilizada para a produção do café, da plantação entre das Américas e da 'Ásia ao produto final vendido em nossos mercados. O consumo foi calculado e gira em torno de 132 litros de água virtual por copo. Um quilo de café corresponde a 18.900 litros, um valor muito alto, assim como o valor para a produção de um quilo de chocolate, equivalente a 17.000 litros. Para dar outros exemplos, a produção de um quilo de carne corresponde a um consumo virtual de 11.000 litros de água, uma camiseta 3.000 litros, jeans 8.000 litros”. Em seguida, falamos sobre mudanças climáticas, PNRR, injustiça na gestão e disponibilidade de água em nível global. Por fim, uma aposta no desperdício: desde a dispersão de água provocada por infraestruturas inadequadas, até à utilização descuidada deste recurso fundamental para a vida. Na Itália, um triste recorde: o do consumo diário, com 215 litros por pessoa por dia. A média europeia, continua Brunger, é “muito mais baixa (125 litros por pessoa). Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o consumo correto e sustentável deve ficar em torno de 50 litros per capita por dia. Por isso é fundamental monitorar o próprio consumo e ver como reduzi-lo”. Baixe o novo artigo aqui: A insustentabilidade do consumo e do desperdício de Annette Brunger Baixe os episódios anteriores aqui: Água e arredores – INTRODUÇÃO por Maria Elena Lacquaniti Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade Antonella Visintin ...

Ler artigo
FORMA.  O “matadouro sagrado” de Valtellina (19 de julho de 1620)

FORMA. O “matadouro sagrado” de Valtellina (19 de julho de 1620)

Foto da Wikipédia. O massacre de Tirano, de uma xilogravura anônima mantida na biblioteca cantonal de Chur Ao raiar da madrugada de domingo, 19 de julho de 1620, quatro tiros do arcabuz deram o sinal. Os portões da cidade de Tirano foram trancados e os sinos tocaram. A população saiu às ruas, sendo surpreendida por algumas centenas de homens armados que massacraram todos os protestantes com arcabuz, espada ou pau. O cadáver do pastor reformado foi mutilado e insultado. Terminada a triste obra em Tirano, o pequeno exército desceu o vale, chegando a Teglio quando a comunidade reformada se reuniu na igreja para o culto. Alvejados com arcabuzes, os protestantes se fecharam no templo, até que a porta cedeu. Alguns, incluindo duas crianças de seis anos, pensaram em alcançar a segurança na torre do sino, que foi incendiada. Em Sondrio, capital do Vale, os protestantes conseguiram organizar um pelotão de setenta homens armados que, apesar de sua inferioridade, não foram atacados pelos rebeldes, que obviamente só estavam dispostos a massacrar, não a lutar. Os evangélicos desarmados foram mortos. Não bastando esta última para apaziguar a fúria da tropa, o cemitério evangélico foi profanado e os cadáveres lançados no Adda. Em Berbenno, a Igreja Católica Bartolomeo Porreto e outros se posicionaram contra o massacre e foram mortos junto com todos os protestantes do país. Para Caspano, o alfaiate André Paravicino conseguiu se esconder e foi capturado alguns dias depois. Convidado a abjurar, ele respondeu que era "da antiga fé católica romana, conforme pregada por São Paulo, que o homem é salvo pela graça por meio da fé, e não pelas obras, para que ninguém se glorie". Foi-lhe perguntado se considerava o papa o cabeça da igreja, e ele respondeu: "Não, visto que somente Cristo é o cabeça da igreja, segundo a promessa, estarei convosco até o fim do mundo". Ele foi queimado na fogueira em 15 de agosto. Fomentado pelo ódio contra-reformista e financiado pelo ouro espanhol, o massacre de cerca de 700 protestantes em Valtellina foi um súbito empurrão contra a ocupação tolerante dos Grisões. As comunidades evangélicas, que representavam cerca de 10% da população (excluindo a área de Bormio) e que acolheram figuras importantes da Reforma italiana, como Ludovico Castelveltro, Pier Paolo Vergério, Girolamo Zanchi E Cipião Lentoloforam completamente erradicados. A paz subseqüente assinada em Milão em 1639 impôs a proibição do culto público e privado de outras religiões que não a católica. Deste massacre italiano, quase totalmente esquecido, fica a definição do historiador católico Cesare Cantu “O matadouro sagrado de Valtellina” com o qual é lembrado, ainda que por poucos, e os versos bíblicos em italiano gravados nas ombreiras das casas que outrora pertenceram a protestantes, como um testemunho tenaz e irredutível. O Senhor Jesus Cristo diz: "Digo-vos que, se eles se calarem, as pedras clamarão" (Lucas 19:40). (Emanuele Fiume, para a agência de notícias evangélica nev-news, julho de 2020) ...

Ler artigo
O Sínodo não está lá, mas

O Sínodo não está lá, mas

Casa Valdense, sede do Sínodo das igrejas Metodista e Valdense Roma (NEVCS/23), 7 de agosto de 2020 – “Gerações e regenerações. Cuidar de pessoas, memórias e territórios”. Esta é a iniciativa que acontecerá em Torre Pellice (TO) de 24 a 30 de agosto, nos dias que costumam ser dedicados ao Sínodo das Igrejas Valdenses e Metodistas que este ano não será realizado devido aos conhecidos eventos relacionados com a emergência Covid -19. “Não há Sínodo, mas as igrejas valdenses e metodistas estão lá com sua história e seu variado compromisso de Norte a Sul” sublinha o moderador Alessandra Trotta No vídeo que convida a acompanhar (presencialmente ou online) os eventos organizados nos lugares do Sínodo, nas datas do Sínodo, mas sem o Sínodo. Encontros, exposições, shows, filmes e até histórias em quadrinhos vão animar a semana de 24 a 30 de agosto na Torre Pellice, coração do Valli Valdesi. Um rico programa de eventos que será precedido, de 21 a 23 de agosto, por uma edição especial da Torre di Libri. Destacamos a noite de segunda-feira, 24 de agosto, com um debate na Casa Valdese intitulado “Para que ele trabalhasse e o guardasse. Justiça social e ambiental para a construção do pós Covid" com videointervenções de David Sassoli, presidente do Parlamento Europeu e da Elly Schlein, vice-presidente da Emilia Romagna, Vittorio Cogliati Dezza (Legambiente) e Valdo Spini (Círculo Rosselli). Tudo moderado por Cláudio Paravati E Ilaria Valenzi (Comparações), enquanto as conclusões são confiadas ao moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trotta. O encontro “Invisível, mas necessário. Imigrantes e trabalho agrícola. As iniciativas das igrejas evangélicas”, organizado pelo Mediterranean Hope, um programa de refugiados emigrantes da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI), com a colaboração da Diaconia Valdense. Eles comparecerão ao encontro Maurizio Ambrosinisociólogo, Sara Maniserajornalista, Jaqueta Celestialsindicalista em Piana di Gioia Tauro, Nicolau Salussodiaconia valdense, Alberto RevelSecretário da Câmara do Trabalho, CGIL Turim, Ibrahim Diabatemediadora cultural, Rosarno, Francesco Piobbichiassistente social, MS e ativista social e sindical Aboubakar Soumahoro; coordenadas Paulo NasoFCEI. Na quarta-feira, 26 de agosto, o "Dia Teológico de Miegge" refletirá sobre os temas "Pregação e vida". No mesmo dia, pelas 17h00, a banda desenhada também aterra na Torre Pellice com a apresentação do livro de Peter Madsen sobre “Jesus de Nazaré”, publicado por Claudiana. Sexta-feira haverá vários encontros dedicados às crianças e sobre as crianças, antes de abordar o tema "Informação em tempos de emergência" organizado pelo semanário Riforma e pelo Valdensian Cultural Center à noite, às 21h00. A série de eventos terminará no fim de semana com um encontro no Museu Valdense e a exibição do filme “Valdesi. Uma história de fé e liberdade”. No domingo, 30, à tarde, serão apresentados os projetos Otto per mille para a emergência do Covid-19, seguidos de saudações da moderadora Alessandra Trotta. Aqui está o programa completo e atualizado dos Encontros da Semana Sinodal Para informações: www.chiesavaldese.org ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.