Luteranos do mundo.  Anne Burghardt recebe Prêmio Gotha da Paz

Luteranos do mundo. Anne Burghardt recebe Prêmio Gotha da Paz

A partir da esquerda: o prefeito de Gotha, Knut Kreuch, a secretária geral da Federação Luterana Mundial, Anne Burghardt e o bispo da Igreja Evangélica da Alemanha Central, Friedrich Kramer, por ocasião da entrega do prêmio “Der Friedenstein” a Anne Burghardt . Foto: Lutz Ebhardt

Roma (NEV), 9 de maio de 2022 – O Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (FLM), pároco Anne Burghardtrecebeu o prêmio “Der Friedenstein” 2022. Ao receber o prêmio, Burghardt lembrou a urgência de educar os jovens para serem promotores da reconciliação e da paz.

A cerimônia de entrega ocorreu no dia 5 de maio na Gotha Cultural Foundation. É sobre a cidade da Turíngia onde Martinho Lutero ele ficou e pregou no período da Reforma. Gotha comemora 500 anos desde a Reforma este ano.

Na cerimônia de premiação no histórico Palácio Friedenstein, Burghardt falou sobre o compromisso da FLM em promover “dignidade humana, justiça e paz”.

O prêmio, disse ele, será “um incentivo significativo para cada um de nossos funcionários e apoiadores, profissionais e voluntários, para continuar contribuindo para o trabalho vital de construção da paz. Tanto dentro das famílias, igrejas e comunidades, tanto nacional como internacionalmente”.

Na motivação para o prêmio, o Comitê Organizador falou de Burghardt como um “especialista comprovado em teologia” e um líder “comprometido com o ecumenismo e as relações internacionais”.

Recebendo o prêmio em nome da comunhão global de igrejas da Federação Luterana Mundial, o pastor destacou a resposta da organização religiosa após o conflito na Ucrânia. Este esforço humanitário é coordenado em estreito contato com as igrejas dos países vizinhos, que estão na vanguarda da ajuda aos refugiados.

O secretário luterano também destacou a necessidade de manter longe dos holofotes da mídia outros conflitos e crises que continuam fazendo vítimas e devastando comunidades. “Onde quer que a FLM esteja presente – disse – estamos tentando apoiar e dar voz aos que são marginalizados e sofrem com a guerra e a violência, a discriminação e o deslocamento”.

missões de paz

O prêmio será doado ao projeto Mensageiros da Paz da FLM para a formação de jovens para a mediação e construção da paz e reconciliação. O projeto é inter-religioso e intercultural.

“Como organização de fé – concluiu Burghardt -, entendemos nossa missão como participação na missão holística de Deus, uma missão de serviço aos outros. Falar em favor dos homens e mulheres oprimidos. E pela resistência pacífica às estruturas injustas que oprimem, excluem e dividem povos e nações”.

A premiação ocorre no ano em que a FLM comemora 75 anos de fundação. Anteriormente, eles receberam este prêmio, entre outros, a rainha Sílvia da Suéciao maestro alemão Kurt Masur e o dissidente chinês Wei Jingsheng.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

13 de outubro.  Conferência sobre a revolução digital e a involução comunicativa

13 de outubro. Conferência sobre a revolução digital e a involução comunicativa

Foto Andrew Guan / Unsplash Roma (NEV), 12 de outubro de 2022 – O Centro Cultural Evangélico de Sondrio propõe a conferência sobre “iGod e Infochiesa. A nova coesão dos crentes”. Marcação às 17h de quinta-feira, 13 de outubro, via Malta 16 ou online. “A revolução digital perturbou os pontos de referência tradicionais – escrevem os organizadores -. O ser humano conectado à internet é diferente do animal social de que falava Aristóteles? Como pensar o impacto do digital na natureza humana? Entre oportunidades e riscos, entre informações e embustes, nos perguntamos sobre a relação entre o desenvolvimento da mídia e a fase atual do capitalismo? Que margens de liberdade restam à iniciativa humana?”. O debate partirá destas questões e tentará encontrar respostas… “Na perspectiva cristã da vocação para estar presente neste mundo como testemunhas intelectualmente honestas da realidade – continua o convite – a discussão estará aberta”. Convidados, o filósofo católico Matteo Bergamaschi e o pastor protestante Pedro Ciaccioapresentado pelo pastor, filósofo e médico, especialista em bioética, Ilenya Goss. Moderar o diretor do Centro Emanuele Campagna. Na véspera do encontro, o próprio Campagna convida a participar e ilustra os temas, que vão do ponto de vista sociológico e filosófico, a partir dos dois livros dos palestrantes: INFOIGREJA. Os desafios da infoesfera para o pensamento crente - por Matteo Bergamaschi. eGospel, iGod e Jesus Pessoal. Desembaraçando redes sociais, tecnologia e liquidez - por Peter Ciaccio. Campagna diz: “O pastor Ciaccio se pergunta quem é uma pessoa famosa, um influenciador, um amigo segundo o FB, ele se pergunta sobre os acontecimentos de 6 de janeiro de 2021 em todo o fenômeno de estado profundo (teorias da conspiração) e nos julgamentos de envergonhar E tempestade de merda. Bergamaschi se pergunta sobre a relação entre comunicação e capitalismo, sobre a liberdade como incógnita aleatória da comunicação após o advento da máquina de Turing. Na verdade, da leitura dos dois livros, cada um iluminador em si mesmo, parece-me que a abordagem de Bergamaschi emerge fortemente ao se colocar como um crente diante desse fenômeno e da importância de ter que recuperar o terreno perdido, enquanto Ciaccio é mais o intelectual que observa o desenvolvimento de um fenômeno a partir de uma perspectiva sociológica, mas não exclusivamente. Frequentemente chama a atenção para a história do folclore (protestante), mas também da arte e da fruição do cinema. […] Ambos os autores abordam a questão de saber se o homo sapiens sapiens ainda é o mesmo que dominou o Neandertal com o advento da tecnologia de comunicação. Ciaccio menciona a filosofia do Cyberpunk. Citação também Bruno Mastroianni e sua “Disputa Feliz”. Bergamaschi veste as roupas de um filósofo e pensa a tecnologia não como uma prótese, mas como órgãos instrumentais (ou possivelmente massa cancerígena, quando mata) do ser humano de hoje”. Dos livros, dos autores, do debate, pode-se esperar, portanto, uma imersão no mundo da informação, da manipulação, da vida, da fé e da confiança. Por fim, da liberdade entendida, conclui Campagna, “como uma libertação conquistada por muitos como um valor hacker. E isso leva às perguntas: a rede promove a colaboração, o desenvolvimento da criatividade e a cooperação para além dos limites da autoridade?”. Marcação quinta-feira 13 de outubro às 17:00 - na via Malta 16 em Sondrio e nos canais YOUTUBE e página do Facebook. Para mais informações: leia também o NEV especial sobre Ódio e perigos online ...

Ler artigo
O Grande Catecismo de Lutero.  Ferrario no Festival de Literatura Histórica

O Grande Catecismo de Lutero. Ferrario no Festival de Literatura Histórica

Roma (NEV), 6 de abril de 2023 - Fulvio Ferrariopastor valdense (professor de teologia sistemática na Faculdade de Teologia Valdense de Roma), será o convidado da primeira edição do Festival de Literatura Histórica de Legnano, intitulado "A história nas entrelinhas". Por ocasião da reimpressão do Grande Catecismo de Lutero para a editora ClaudianaFerrario ilustrará a história de Lutero, a Reforma e suas implicações no mundo contemporâneo. "Dê-me um martelo. Lutero e a Reforma” é o título da sessão dedicada ao reformador. A nomeação é em Legnano (MI) para Sábado, 15 de abril, às 19h. Não há nenhum livro meu em que eu me reconheça verdadeiramente, exceto talvez aquele sobre eu sirvo a vontade e a Catecismo. Martinho Lutero “A reforma do século XVI é, fundamentalmente, um poderoso esforço de alfabetização bíblica – lê-se na apresentação ao Catecismo Maior -. EU'Enquirídio ou Pequeno Catecismo e a catecismo alemão ou Grande Catecismo, ambos de 1529, são concebidos nesta perspectiva. EU'Enquirídioatravés de um rigoroso compromisso de síntese e de uma acurada arquitetura interna, apresenta em poucas páginas o que um cristão e uma cristã devem saber: Mandamentos, Credo, Pai Nosso, significado do batismo, confissão dos pecados e Ceia do Senhor”. Poucos textos como este "contribuíram para moldar a fé evangélica - continua o texto -. Já no século XVI foi traduzido para muitas línguas, inclusive o italiano. Em 1555 olímpia morato (ou morata), nobre italiana de sentimentos evangélicos, pediu Pier Paolo Vergério traduzir o livro para o italiano, para que seja de grande utilidade «para os nossos italianos, especialmente para os jovens». Vergerio não pôde conceder o pedido, nem outros depois dele. O que apresentamos é a primeira (e por enquanto única) tradução para a nossa língua”. O apresentado por Claudiana é a segunda edição atualizada com a adição do texto original em alemão. FORMA. Martinho Lutero (1483-1546) Para saber mais: ...

Ler artigo
24 de agosto de 1572: o massacre dos huguenotes

24 de agosto de 1572: o massacre dos huguenotes

Foto: Dea / Scala, Florença - tirada de Torre Pellice (NEV), 24 de agosto de 2023 – Em 24 de agosto de 1572 “Paris acordou – supondo que qualquer um dos seus habitantes pudesse ter dormido – num banho de sangue. De facto, durante a noite começou uma terrível carnificina que continuaria durante os três dias seguintes e que em pouco tempo se espalharia por outras cidades do reino de França”. José Javier Ruiz Ibáñez escreve na National Georaphic Storica. A rainha-mãe, a católica Caterina de' Medici, foi responsabilizada pelo massacre, também conhecido como "massacre de San Bartolomeo". Perguntamos ao pastor Rio Emanuelque entre outras coisas possui doutorado em história da igreja em Zurique, para comentar este dramático momento histórico. O contexto do massacre é o de dois lados opostos, o católico da família Guise e o calvinista em torno de Antonio di Borbone-Vendôme e do almirante Gaspard de Coligny. Catarina concorda em casar sua filha Margarida de Valois com o jovem protestante Henrique de Bourbon, rei de Navarra, na esperança de dar estabilidade à Coroa. Nos dias de festa, Coligny é ferido numa tentativa de assassinato. Na mesma noite os portões da cidade são fechados e o massacre começa. Coligny é morto, seu cadáver jogado pela janela, decapitado e arrastado pela rua. O Papa Gregório XIII, após o massacre, canta uma Te Deum ação de graças a São Luís dos Franceses. “Um dos elementos mais evidentes é representado pela traição da hospitalidade – disse Fiume -. A festa de casamento que se torna um massacre. Segue-se um banho de sangue, com os habitantes da cidade procurando os huguenotes para matá-los. Como na Conspiração Pazzi, ou em outros momentos históricos, por um dia a cidade está pingando sangue, mas no dia anterior e no dia seguinte tudo continua igual. É o que Sandro Pertini descreve como “indigno” do ser humano. O massacre de San Bartolomeo é uma expressão da bestialidade e do fracasso da diplomacia. Medo, sentimentos monárquicos e antimonárquicos se entrelaçam e afundam qualquer tentativa de conciliação – veja-se os Colóquios de Poissy, com a rainha regente que compara o general jesuíta Giacomo Laynez, sucessor de Santo Inácio, e Teodoro de Beza. Este episódio de hoje diz-nos que, antes de mais, não devemos esquecer. Se aconteceu, pode acontecer, temos visto episódios de massacres populares, ainda na ex-Iugoslávia. Certa fúria da multidão não se supera, sejamos cautelosos. O massacre dos huguenotes é uma página pouco conhecida, mas os massacres ainda estão aí, estão noutros lugares, mas acontecem. Poderíamos dizer que não foi apenas um conflito de religião, mas também um confronto entre diferentes formas e concepções de poder, numa época em que a reforma calvinista não era a verdadeira novidade, ou seja, o absolutismo, mas queria em certo sentido preservar de privilégios locais num sentido mais “federalista”, com a França de parlamentos locais. É uma textura cultural internacional que o calvinismo, tendo provocado imediatamente um deslocamento das elites devido à perseguição, criou muito cedo. Pode-se ver nele um projeto já europeu, que é percebido como uma ameaça, porque traz uma outra forma de ver as coisas. Do outro lado estava uma dinastia enfraquecida, que resistia à decadência. Um Valois casando-se com um Bourbon torna-se o momento crítico, após o qual, enquanto a paz é feita, a guerra é feita. Numa visão da realidade reconciliada teria então existido um rei protestante... mas a história diz-nos, em vez disso, vemos isso na iconografia de pessoas despedaçadas e atiradas ao Sena, no início dos pogroms locais, que se repete em Lyon e outros lugares, com a caça aos huguenotes. Portanto, ainda hoje precisamos estar vigilantes, porque a história nos ensina como é fácil passar da paz à guerra, da celebração ao derramamento de sangue”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.