Luteranos do mundo.  Anne Burghardt recebe Prêmio Gotha da Paz

Luteranos do mundo. Anne Burghardt recebe Prêmio Gotha da Paz

A partir da esquerda: o prefeito de Gotha, Knut Kreuch, a secretária geral da Federação Luterana Mundial, Anne Burghardt e o bispo da Igreja Evangélica da Alemanha Central, Friedrich Kramer, por ocasião da entrega do prêmio “Der Friedenstein” a Anne Burghardt . Foto: Lutz Ebhardt

Roma (NEV), 9 de maio de 2022 – O Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (FLM), pároco Anne Burghardtrecebeu o prêmio “Der Friedenstein” 2022. Ao receber o prêmio, Burghardt lembrou a urgência de educar os jovens para serem promotores da reconciliação e da paz.

A cerimônia de entrega ocorreu no dia 5 de maio na Gotha Cultural Foundation. É sobre a cidade da Turíngia onde Martinho Lutero ele ficou e pregou no período da Reforma. Gotha comemora 500 anos desde a Reforma este ano.

Na cerimônia de premiação no histórico Palácio Friedenstein, Burghardt falou sobre o compromisso da FLM em promover “dignidade humana, justiça e paz”.

O prêmio, disse ele, será “um incentivo significativo para cada um de nossos funcionários e apoiadores, profissionais e voluntários, para continuar contribuindo para o trabalho vital de construção da paz. Tanto dentro das famílias, igrejas e comunidades, tanto nacional como internacionalmente”.

Na motivação para o prêmio, o Comitê Organizador falou de Burghardt como um “especialista comprovado em teologia” e um líder “comprometido com o ecumenismo e as relações internacionais”.

Recebendo o prêmio em nome da comunhão global de igrejas da Federação Luterana Mundial, o pastor destacou a resposta da organização religiosa após o conflito na Ucrânia. Este esforço humanitário é coordenado em estreito contato com as igrejas dos países vizinhos, que estão na vanguarda da ajuda aos refugiados.

O secretário luterano também destacou a necessidade de manter longe dos holofotes da mídia outros conflitos e crises que continuam fazendo vítimas e devastando comunidades. “Onde quer que a FLM esteja presente – disse – estamos tentando apoiar e dar voz aos que são marginalizados e sofrem com a guerra e a violência, a discriminação e o deslocamento”.

missões de paz

O prêmio será doado ao projeto Mensageiros da Paz da FLM para a formação de jovens para a mediação e construção da paz e reconciliação. O projeto é inter-religioso e intercultural.

“Como organização de fé – concluiu Burghardt -, entendemos nossa missão como participação na missão holística de Deus, uma missão de serviço aos outros. Falar em favor dos homens e mulheres oprimidos. E pela resistência pacífica às estruturas injustas que oprimem, excluem e dividem povos e nações”.

A premiação ocorre no ano em que a FLM comemora 75 anos de fundação. Anteriormente, eles receberam este prêmio, entre outros, a rainha Sílvia da Suéciao maestro alemão Kurt Masur e o dissidente chinês Wei Jingsheng.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“A paz deve ser buscada e encontrada”

“A paz deve ser buscada e encontrada”

Foto Sunyu / Unsplash Roma (NEV), 28 de março de 2023 – “Na história da humanidade, as guerras nunca resolveram as causas dos conflitos entre povos, grupos e nações, mas pioraram as condições de vida das vítimas de ambas as partes em conflito e comprometeram o natural”. Assim foi escrito em uma das moções aprovadas pelas mulheres presentes no XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), que terminou no domingo passado em Florença. Esta moção, aprovada com três quartos dos votos, algumas abstenções e um voto contra, pretende recordar a fé no Deus da paz e inspirar-se na prática não violenta e pacifista da Dorothee Solle, Martin Niemöller E Helmut Gollwitzer. A FDEI denuncia a lógica patriarcal de opressão e poder que está por trás das guerras, afetando de maneira particular as mulheres. "O aumento dos gastos militares está em total contraste com a inspiração bíblica de transformar nossas espadas em arados" continua a moção, que então entra no mérito do conflito que afeta a Europa e todas as guerras e conflitos ainda presentes no mundo. Conflitos que dizem respeito ao FDEI “para mulheres cujos corpos se tornam terreno de conflito; para meninos e meninas que crescem num clima de medo, violência e confronto onde a lógica é a da vitória do mais forte; para homens que também são dominados pelo absurdo da guerra, ou que estão totalmente envolvidos no uso da violência para fazer valer seus direitos e preservar seu poder, enquanto se tornam instrumentos de morte, destruição, massacres de seres humanos e destruição do meio ambiente ". No documento, as mulheres apelam à necessidade da "mediação de conflitos tal como expressa a Carta das Nações Unidas" e ao respeito de todos os seres humanos e das suas necessidades conforme indicado na Declaração Universal dos Direitos do Homem, "não por acaso formulada com a mediação de um mulher (Eleanor Roosevelt)”. A moção conclui compartilhando um pensamento de Dorothee Sölle: "a paz às vezes parece se esconder ou ser escondida, mas deve ser buscada e encontrada... eles são cristãos (e Christian, acrescenta o FDEI, ed.) só quem luta pela paz na esperança”. Abaixo, a íntegra da moção. Para saber mais, leia também: Moção de paz - XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) - março de 2023 As mulheres presentes ao XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas, recordando a fé no Deus da paz e inspiradas na prática não violenta e pacifista da Dorothee Solle, Martin Niemöller E Helmut Gollwitzerafirmam que a oposição à guerra não pode ser silenciada, seja pela sensação de impotência que nos esmaga, seja por razões de alinhamento e oportunidade. O Deus que abre um caminho no deserto ao povo afligido pela violência e pela deportação nos convida a tomar uma posição para acabar com todas as guerras (Is 40,1-5). Na história da humanidade, as guerras nunca resolveram as causas dos conflitos entre povos, grupos e nações, mas pioraram as condições de vida das vítimas de ambas as partes em conflito e comprometeram os ambientes naturais. Todas as guerras deixam sempre um rastro de ódio que destrói ainda mais as relações entre os povos, que só podem ser conquistadas trabalhando para restaurar a confiança, o respeito mútuo e a justiça. O pastor sabia bem Túlio Vinay quando depois da guerra trabalhou para tornar possível a reconciliação entre os jovens dos países envolvidos no conflito. É por isso que nós, mulheres evangélicas, nos sentimos empenhadas em trabalhar pela paz e pela reconciliação. Somos chamados por Deus e haurimos esperança na experiência de homens e mulheres cristãos que trabalharam pela paz e pela justiça em várias partes do mundo. Não podemos esquecer e denunciar que as guerras seguem sempre lógicas patriarcais de opressão e poder que muitas vezes envolvem também as mulheres. O aumento dos gastos militares está em total contraste com a inspiração bíblica de transformar nossas espadas em arados, ou como está escrito pelo profeta Isaías: “Cada sapato usado pelo guerreiro na luta, cada manto manchado de sangue, será incendiado, será devorado pelo fogo. Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, e o domínio repousará sobre seus ombros.” (cap. 9,4-5). Por fim, o conflito que afeta a Europa nos preocupa, assim como as guerras e conflitos do mundo: para mulheres cujos corpos se tornam motivo de conflito; para meninos e meninas que crescem num clima de medo, violência e confronto onde a lógica é a da vitória do mais forte; para homens que também são dominados pelo absurdo da guerra, ou que estão totalmente envolvidos no uso da violência para fazer valer seus direitos e preservar seu poder, enquanto se tornam instrumentos de morte, destruição, massacres de seres humanos e destruição do meio ambiente . Por isso, pedimos com urgência que se busque uma lógica diferente de relacionamento entre os povos por meio da mediação de conflitos expressa na Carta da ONU e o respeito a todos os seres humanos e suas necessidades contidos na Declaração Universal dos Direitos Humanos, não por acaso formulada com a mediação de uma mulher (Eleanor Roosevelt). Finalmente, queremos concluir com um pensamento que Dorothee Sölle nos deixou: “A paz às vezes parece se esconder ou se esconder, mas deve ser buscada e encontrada… eles são cristãos (e cristão) só quem luta pela paz na esperança”. ...

Ler artigo
Semana dos Direitos celebrada pelos batistas italianos

Semana dos Direitos celebrada pelos batistas italianos

O tema da Semana, que será celebrada de 6 a 11 de abril, é o direito à educação e à instrução. “Este ano – lê-se numa carta enviada às igrejas pelo Departamento – queremos chamar a atenção das comunidades para a questão do direito à educação e à instrução. O mundo inteiro tomou consciência dramaticamente da grande disparidade que ainda habita nossa sociedade. É difícil garantir o mesmo direito à educação para todos. Um direito que desempenha um papel fundamental na afirmação de todos os outros direitos. E isso de alguma forma os protege. De fato, muitos falam de paz e justiça. Mas devemos ser capazes de nos dar cursos de formação, um caminho, uma escola que eduque homens e mulheres para a paz e a justiça”. Devido à pandemia, o aniversário também acontecerá eletronicamente este ano. “Mas isso não deve nos desanimar”, escreve novamente o Departamento de Evangelização. Uma série de materiais será publicada para a ocasião no site do Semeador (ilseminatore.net) e na página da revista no Facebook (Il Seminatore). Semana dos Direitos. Plano Em particular, entre os muitos conteúdos compartilhados, destacamos: dois artigos sobre o papel da educação e formação no projeto de professores protestantes Fabricio Oppoe Stephen Meloni. o testemunho de Yacouba Coulibaly, responsável por projetos de desenvolvimento em alguns países africanos. Uma meditação bíblica sobre Isaías 1, 17 pelo pastor Lucas Reina. As entrevistas em vídeo feitas a três teólogas envolvidas na formação. Em particular, um Frances Nuzzoleseconsultor de trauma especializado em teologia pastoral e psicoterapia. na pastora Gabriela Lio, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). Finalmente, alla pastora Lydia Maggi, responsável pela Pastoral Bíblica Itinerante da UCEBI. Para os mais pequenos, o vídeo tutorial musical da música Gam Gam Gam, produzida pelo Maestro Emanuel abril. Além disso, um quadro comemorativo especial "Semana dos Direitos 2021 UCEBI" estará disponível para ser incluído em seu perfil no Facebook. Uma exposição virtual dos desenhos que os meninos e meninas nos enviaram sobre o tema "Escola dos Sonhos!" estará aberta aos visitantes. Terça-feira, 6 de abril, ao vivo no Facebook e YouTube pelos pastores Abril Máximo E Anna Maffei. Tema: o direito à educação e à formação. (Transmissão na página do Facebook do Semeador às 20h55. Simultaneamente, na página do Facebook do Pastor Aprile e no canal do YouTube da Igreja Batista Milan Pinamonte). Extensão MLK Pastor Martin Luther King (cujo aniversário de morte cai no domingo deste ano da Páscoa) em um de seus artigos ele escreveu: StSomos inclinados a permitir que nosso pensamento seja invadido por legiões de meias-verdades, preconceitos, e propaganda. Neste ponto, muitas vezes me pergunto se a educação está cumprindo seu propósito ou se não. A grande maioria das chamadas pessoas instruídas não pensa de forma lógica e cientificamente. Mesmo a imprensa, os tribunais, as campanhas eleitorais e o púlpito, em muitos casos, não estão lá. eles oferecem verdades objetivas e imparciais. Salvar o homem do lodo da propaganda é uma das principais objetivos da educação. A educação deve permitir a peneiração e a pesagem das evidências, discernir o verdadeiro do falso, o real do irreal e o fato da ficção. […] Devemos lembrar que inteligência não é suficiente. Inteligência mais caráter: este é o objetivo da verdadeira educação. A educação abrangente oferece não apenas um poder de concentração, mas objetivos dignos sobre os quais focar. Se não tomarmos cuidado, nossas faculdades produzirão um bando de propagandistas tacanhos, anticientífico, ilógico, acostumado a ações imorais. Estejam alertas, irmãos! Cuidado, professores! ...

Ler artigo
Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências

Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências

Foto James Barr / Unsplash Roma (NEV), 3 de dezembro de 2019 - A conferência de dois dias intitulada "Pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências", promovida pela Faculdade Pentecostal de Estudos Religiosos, começa na quinta-feira, 5 de dezembro, em Battipaglia (Salerno). A Agência NEV entrevistou o pastor carmim napolitanoDecano da Faculdade e Presidente da Federação das Igrejas Pentecostais (FCP). Como nasceu esta conferência e quais são os seus objetivos? A conferência insere-se no interesse da Faculdade Pentecostal, que desde a sua criação tem promovido o estudo do mundo pentecostal tanto numa perspectiva confessional como numa perspectiva de investigação académica. Em 2008, por exemplo, por ocasião do primeiro centenário da presença pentecostal na Itália; e depois em 2015, ano em que nos concentramos no movimento pentecostal da Campânia, onde a presença é mais significativa. Ainda em 2015, 80 anos depois da circular Buffarini-Guidi contra os pentecostais, refletimos sobre aquele gravíssimo ato de intolerância religiosa que atingiu este movimento eclesial durante o fascismo. Esta conferência foi criada para fazer um balanço da situação dos estudos sobre o movimento pentecostal. Paralelamente ao nosso interesse, outras universidades e instituições acadêmicas, religiosas ou não, também têm feito análises e pesquisas sobre os pentecostais, ora se cruzando conosco, ora de forma independente. A conferência de estudo que propusemos visa, portanto, reunir todos aqueles que estão envolvidos neste tema na Itália. Iremos nos comparar segundo perspectivas internas e externas, também em nível internacional, para uma leitura atenta e proativa do pentecostalismo, que é considerado um fenômeno religioso significativo em todo o mundo Qual é o número de pentecostais na Itália? Além da Federação das igrejas pentecostais, existem as Assembléias de Deus e um componente substancial de igrejas independentes que elevam o número de pentecostais italianos, segundo as estatísticas, para cerca de 300.000 pessoas. A estas deve-se acrescentar a linha de igrejas pentecostais nascidas após os fenômenos migratórios, que se estima reunir mais de 100.000 pessoas na Itália. O total representa um número significativo, mesmo em comparação com outros países europeus. Existe homogeneidade no pentecostalismo italiano? Há uma certa homogeneidade nas redes que conectam as diferentes áreas do movimento. As várias denominações reúnem temas que apresentam particularidades diversificadas sobretudo no que diz respeito às modalidades litúrgicas ou características doutrinárias menos relevantes. Do ponto de vista da estrutura jurídica e da organização interna as igrejas do FCP são bastante próximas. As igrejas de origem migrante são caracterizadas por elementos culturais específicos que afetam a prática pastoral e a interpretação teológica. É também por isso que não estamos falando de uma igreja pentecostal, mas de um movimento, para identificar uma denominação caracterizada por um determinado tipo de espiritualidade, independentemente de origem ou distribuição geográfica. Quais são as relações com as outras igrejas protestantes e evangélicas italianas? O FCP mantém estreitas relações de amizade e colaboração, desde a sua criação, com a Federação das Igrejas Protestantes em Itália (FCEI), da qual é membro observador. Atualmente ocupa a vice-presidência da Comissão das Igrejas Evangélicas para as Relações com o Estado (CCERS), na qual está envolvida há vários anos. Também mantivemos diálogos teológicos com as igrejas valdenses, metodistas, batistas e adventistas. Entre os palestrantes da conferência "Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências", estão acadêmicos e especialistas, incluindo Paulo Naso da Universidade de Roma La Sapienza, o teólogo valdense Paulo ricoo pastor David Romanodiretor do Instituto Adventista de Cultura Bíblica (IACB) “Villa Aurora” e Ilaria Valenziassessor jurídico da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), para o Centro Studi Confronti – Fondazione Kessler. Os trabalhos serão abertos na câmara municipal do município de Battipaglia no dia 5 de dezembro às 15h (Piazza Aldo Moro) e continuarão no dia 6 no centro de congressos do hotel San Luca (SS 18 Tirrena Inferiore, n.18). A conferência contou com o patrocínio da Região da Campânia e do Município de Battipaglia, bem como do FCP. Para mais informações: www.fcpitalia.org Descarregue aqui o folheto ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.