Mesa Inter-religiosa de Roma.  Concurso para um “quarto de silêncio” no hospital

Mesa Inter-religiosa de Roma. Concurso para um “quarto de silêncio” no hospital

Roma (NEV), 13 de julho de 2017 – Até 10 de outubro de 2018, há tempo para enviar solicitações para a criação de espaços de meditação, silêncio e oração abertos a todas as religiões nos hospitais San Filippo Neri e Santo Spirito de Roma.

O concurso, em parceria com a Mesa Inter-religiosa de Roma, que há vinte anos se empenha em difundir uma abordagem multicultural e inter-religiosa, conta com a colaboração da Ordem dos Arquitetos de Roma e da Província.

“A iniciativa surge no seguimento da particular atenção que a ASL Roma 1 dedica à humanização dos cuidados hospitalares, e à participação das associações de voluntariado e confissões religiosas na melhoria do acolhimento e respeito pelos direitos das pessoas”, lê-se no comunicado ontem divulgado.

A participação no concurso está reservada a arquitetos e engenheiros da União Europeia, incluindo juniores, devidamente inscritos nos respetivos registos profissionais.

A Mesa Inter-religiosa de Roma foi estabelecida em 2001 com um memorando de entendimento entre a Coordenação das Igrejas Valdenses, Metodistas, Batistas, Luteranas e Sanitárias de Roma juntamente com a Prefeitura de Roma, a comunidade judaica de Roma, o Centro Cultural Islâmico da Itália , Fundação Maitreya da União Budista Italiana, da União Hindu Italiana e da comunidade Ortodoxa Romena.

Baixe o edital.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A Crucificação Branca de Chagall segundo Emidio Campi

A Crucificação Branca de Chagall segundo Emidio Campi

Marc Chagall, Crucificação Branca (1938), Chicago, Art Institute Roma (NEV), 25 de março de 2021 – O historiador escreve Emidio Campi: “A Crucificação Branca de Marc Chagall tem características que não se encontram em nenhuma outra das copiosas representações da Paixão. O Cristo moribundo, iluminado por um raio de luz branca, usa um xale de oração judaico e tem a cabeça coberta com um pano branco em vez da habitual coroa de espinhos. Na base da cruz está o candelabro de sete braços, um dos símbolos clássicos do judaísmo. Ao redor do Crucifixo, em vez das figuras habituais dos dois ladrões, soldados e mulheres piedosas, cenas de violência e desespero são retratadas no sentido anti-horário. Entre eles, destacam-se uma aldeia saqueada por soldados do Exército Vermelho, um barco cheio de refugiados, homens em fuga que carregam o rolo da Torá com eles, uma mãe apavorada segurando seu filho contra o peito, enquanto o incêndio na sinagoga lembra a destruição de lugares de adoração perpetrada pelos nazistas. O incomparável poder evocativo da arte de Chagall reside em ser um tributo à tradição judaico-cristã e uma obra atual. A Paixão de Cristo está imersa no presente, deslocada nas tragédias que fizeram da Europa dos anos 1938-1939 uma imensurável encosta do Gólgota. Claro, a crucificação de Jesus é única e irrepetível, um desígnio da graça de Deus, como a ressurreição. Mas por que a comemoração da morte e ressurreição de Cristo às vezes é atemporal e sem lugar para nós? Como podemos ignorar que muitas das tragédias retratadas na Crucificação Branca continuam a se repetir hoje? Esta pouquíssima representação sagrada da Paixão desafia-nos a percorrer os caminhos do Gólgota, em busca de uma renovada compreensão da redenção, que é também redenção da violência e da injustiça, assim como sinal visível da nova humanidade e da nova criação decorrentes do evento da Páscoa". Esta reflexão apareceu na edição de abril da Igreja Evangélica de língua italiana Zurich – Waldenser. artigo anteriorMigrantes e refugiados, (ainda mais) vítimas da pandemiaPróximo artigoHomens que quebram o silêncio sobre os feminicídios. E você? Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Espiritualidade encarnada.  Entrevista com Luca Maria Negro, presidente da FCEI

Espiritualidade encarnada. Entrevista com Luca Maria Negro, presidente da FCEI

Luca Maria Negro Roma (NEV), 29 de outubro de 2021 – Amanhã será eleito o novo Presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Entrevistamos o presidente cessante, Luca Maria Negropastor batista que lidera a federação de igrejas protestantes desde 2015, para fazer um balanço de seu mandato, tanto pastoral quanto humanamente. Vamos começar com a experiência do programa para refugiados e migrantes, Mediterranean Hope. Quais foram as satisfações e quais foram os momentos mais difíceis deste projeto? A placa recebida em Lampedusa por Luca Maria Negro Em Lampedusa recebi dois presentes: o primeiro é uma linda placa, que os operadores me deram, um presente que me emocionou. O outro presente foi a oportunidade de ir a Molo Favaloro durante um desembarque e ver com os meus próprios olhos qual é a situação, nos momentos de desembarque, que considero bastante desumana e desumanizante para quem chega do Mediterrâneo, para além dos voluntários e operadores presentes, que fazem o possível para receber os migrantes com um sorriso. Tocar esses tipos de fatos com as próprias mãos é algo diferente de vê-los na TV, porque de alguma forma agora estamos viciados, infelizmente, na visão de imagens desumanas. Também estive várias vezes na chegada dos corredores humanitários. Cada vez que chega um grupo do Líbano eu me emociono. É certamente uma experiência diferente da ligeiramente angustiante de quem tenta acolher quem chega de barco, porque os beneficiários dos corredores humanitários são pessoas que chegam sorridentes, com as suas bagagens, mas é sempre uma experiência forte estar confrontado com a felicidade de quem conseguiu escapar de onde precisava escapar. Portanto, esta experiência que pude fazer em Lampedusa, há algumas semanas, no final do meu mandato, é uma confirmação do que temos tentado fazer como federação, não só pelos corredores humanitários, por todas as outras formas de testemunho envolvendo os migrantes: da Casa delle Culture de Scicli a Rosarno, até Bihac na Bósnia, no Líbano... Testemunhando nossa fé nas fronteiras. Quanto aos momentos mais difíceis, para mim coube a jovens e velhos - operadores que trabalham em contextos muito difíceis - que se gastam nesta frente que por vezes faz tremer os pulsos. Um dos conceitos-chave de seu mandato é o tema bíblico da filoxenia, o amor aos estrangeiros. Você acha que ainda é atual? Um dos textos bíblicos que mais tenho utilizado nos últimos anos é a parábola do bom samaritano (Lc 10, 25-37). Há um elemento que me está muito próximo do coração e é o facto de o Bom Samaritano levar este homem ferido que está a ajudar para uma hospedaria, pandocheionum lugar "que acolhe a todos": esta é a igreja, um lugar que deve acolher a todos. Depois, há o tema da filoxenia, da carta aos judeus, aquela hospitalidade - alguns sem saber que receberam anjos - que é literalmente o amor pelo xenos, do qual fala o capítulo 13 da Carta aos Hebreus no Novo Testamento e que traz bênção. Uma palavra oposta à xenofobia de Sodoma (Gênesis 18) que leva à morte, onde o pecado não é a homossexualidade, como se pensa, mas a falta de hospitalidade. Acho que devemos redescobrir essas páginas bíblicas. Os populistas, os xenófobos, os que incitam o ódio aos estrangeiros, estão verdadeiramente numa encruzilhada: o caminho da bênção e o da maldição. Como você avalia o trabalho que tem feito junto ao Conselho e às igrejas federadas? A tentativa foi de fazer com que todos os componentes da Federação se sentissem protagonistas. Por exemplo, pela primeira vez na história, tivemos uma vice-presidente luterana, Christiane Groeben. Envolvemos várias igrejas em cargos de responsabilidade, como na condução da Assembleia de 2016, com o Major David Cavanagh do Exército de Salvação. E em 2019 com Giuseppina Mauro, da Igreja Apostólica Italiana. Também tentamos valorizar todas as experiências. Cultivando o diálogo também com as igrejas não federadas, abrindo a participação em comissões, juntamente com irmãos e irmãs adventistas ou pentecostais. Devido ao covid não conseguimos concluir o projeto de um encontro com todas as igrejas evangélicas, federadas e não. No entanto, a Federação continua sendo um observatório importante para entender o que está acontecendo neste vasto mundo evangélico. Acho que não devemos ser excessivamente otimistas nem excessivamente descuidados. Estamos em um caminho. A etapa dos 500 anos da Reforma, em 2017, poderia ter tido uma participação mais ampla. Ao mesmo tempo, as pastoras estão se multiplicando nessas igrejas. Parecia ser uma das características únicas do chamado protestantismo histórico. O fato de que agora está ocorrendo em contextos onde alguns consideram o ministério feminino distante do ditame bíblico é significativo. Que mensagem espiritual ou pastoral você gostaria de compartilhar com aqueles que presidirão a Federação depois de você? Gostaria de retomar o tema da meditação que encerrará a mesa redonda no sábado, 30 de outubro. Do texto bíblico de Gênesis, 13, quando Abraão e Ló se separam. Após uma disputa sobre os rebanhos, Abraão e Ló buscam uma separação honrosa e pacífica. A planície é vasta e parece haver espaço para todos. No entanto, essa escolha, com o tempo, gera consequências muito graves. Dessa separação, o povo de Abraão herdou os moabitas e os amonitas como primos, que se tornariam inimigos ferrenhos de Israel. Não podemos reescrever esta história, é claro. Isso testifica que alguém pode até se separar como irmãos, mas depois de um tempo pode se encontrar novamente como inimigos. Essa história bíblica me lembra uma tentação hoje das igrejas, em geral. Passamos de um momento de grande entusiasmo ecumênico, para depois retroceder lentamente. Observamos isso no diálogo entre católicos, protestantes e ortodoxos, mas também dentro do protestantismo. Vivemos em uma época de obsessão por identidade. Devido a inseguranças globais ou outras razões. Achamos que estamos isentos, como igrejas, dessa obsessão. Com efeito, opomo-nos a quem faz bandeira da identidade nacional ou racial, da soberania ou do populismo. Mas estamos realmente isentos desse pecado de obsessão por identidade? Talvez devêssemos continuar caminhando juntos com mais força do que antes, o que Abraão e Ló não fizeram. Aqui, como mensagem espiritual, gostaria que o espírito federativo, que também é ecumênico, não enfraquecesse, não enfraquecesse, só porque é difícil. Espero que se possa redescobrir o vigor daquele pathos ecumênico que faz parte da nossa história. Temos sido pioneiros, por exemplo, no caminho Batista, Metodista e Valdense (BMV). Em outros lugares eles foram mais longe, por exemplo na França, onde a Igreja Protestante Unida nasceu há alguns anos, que reúne todas as denominações reformadas. Na sua opinião, há espaço na Itália para as chamadas "expressões frescas", ou seja, modelos de uso alternativo de igrejas e locais normalmente destinados a atividades de culto? Acho que as comunidades não deveriam ter ciúmes de seus espaços. Acabo de voltar de um encontro com a Comissão Permanente de Formação Pastoral, onde também conversamos sobre isso. Devemos tentar não apenas renovar o culto tradicional, mas buscar novas expressões. Não apenas nos templos. Qualquer lugar pode ser bom para desenvolver momentos de espiritualidade, talvez em pequenos grupos, onde todos se sintam livres e ativos para expressar sua fé. O que fará agora, quando terminar o seu mandato, que compromissos o esperam? Quais são seus projetos futuros? Continuo sendo pastor em duas comunidades e já estou trabalhando para tornar mais vivo o nosso culto, cujas formas correm o risco de serem estáticas. Na minha opinião, a liturgia e a espiritualidade estão ligadas ao compromisso com a justiça e a criação. Estou pensando, por exemplo, na aposta da comunidade ecumênica de Iona, na Escócia. Que se tornou um hub que combina música e ação. (A Comunidade Iona que se inspira no alto cristianismo medieval das Ilhas Britânicas. Engajada em atividades sociais e solidárias, Iona atua em várias cidades sob a bandeira de uma espiritualidade em harmonia com a natureza, pela paz e justiça social, ed.). Como Dorothee Sölle, penso na oração política como a encarnação da espiritualidade”. ...

Ler artigo
Trabalhar.  Uma “bússola ética” para a sustentabilidade, também no âmbito digital

Trabalhar. Uma “bússola ética” para a sustentabilidade, também no âmbito digital

9 de janeiro, Mannheim (Alemanha). “Rumo a uma digitalização sustentável”. Encontro do caminho para o bem-estar nas sociedades e locais de trabalho digitalizados promovido pela rede “Church Action on Labor and Life” - Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida (CALL). Roma (NEV), 12 de janeiro de 2023 – O seminário intitulado "Rumo a uma digitalização sustentável" foi realizado em 9 de janeiro em Mannheim, Alemanha. A reunião representa um passo fundamental na jornada de bem-estar em sociedades e locais de trabalho digitalizados promovidos pela web “Ação da Igreja sobre Trabalho e Vida” – Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida (CALL). Da Itália participou do encontro Antonella Visintin, da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O seminário, segundo de dois, conclui o projeto Erasmus+ promovido pelo CALL e é apoiado pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e cofinanciado pela União Europeia. A rede CALL, constituída em 2010 no seio do mesmo KEK, propõe desde 2017 uma reflexão sobre os efeitos da digitalização na sociedade e nos locais de trabalho. “Este tema é muito dinâmico do ponto de vista tecnológico, mas também como um desafio para a sociedade” lê-se no relatório final do seminário. Trabalho, ética, economia. Uma trama para o bem-estar social “A vida na Europa continua a ser marcada por crises financeiras, económicas, sociais e de emprego. Estas realidades dizem respeito a muitas pessoas e famílias na Europa, incluindo as pessoas que compõem as Igrejas membros da CEC – escreve a rede CALL -. A CEC monitora as políticas europeias voltadas para a superação dessas crises”. O ponto de vista é o da fé: “Vamos refletir sobre como nossa experiência e nossas tradições teológicas podem contribuir para uma política europeia socialmente inclusiva e sustentável. O KEK abordou a questão do trabalho e suas implicações econômicas e sociais desde o ponto de vista da teologia cristã, apoiando também o trabalho de nossa rede” continua o relatório. Para os anos de 2022 e 2023, a rede CALL recebeu financiamento para um projeto ERASMUS+ da educação de adultos sobre a ética da digitalização sustentável em uma abordagem global. Essa abordagem considera aspectos sociais, ecológicos e econômicos. O projeto é liderado pela Igreja Luterana da Finlândia e Alemanha. Abriu com uma conferência em Estrasburgo (França) e envolveu vários atores, incluindo representantes do Parlamento Europeu. Rumo à digitalização sustentável Nos últimos anos, o CALL já havia promovido uma série de webinars, os “CALL Talks”, sobre aspectos técnicos e teórico-éticos; da transição digital do trabalho e da vida; ao teletrabalho; até a sustentabilidade em TI. Em 2020, o CALL também emitiu uma declaração sobre a incerteza e o agravamento da desigualdade durante a pandemia do COVID-19. O documento denuncia a brecha social digital caracterizada pela aceleração das capacidades digitais, por um lado, e a exclusão de muitas pessoas, por outro. As duas oficinas, uma em Helsinki e a segunda em Mannheim, definiram o processo de criação de “uma bússola ética para a digitalização sustentável em três níveis: ecologia, economia e relações sociais. O processo organizou-se num diálogo dirigido a políticos, autoridades, empresas, sindicatos e decisores de diferentes níveis, bem como organizações eclesiásticas”, escreve novamente a rede CALL. Que termina com o relato de algumas boas práticas de empresas e iniciativas locais das igrejas (por exemplo a campanha para um sustento digital na Alemanha) e outros projetos, apresentados e discutidos numa perspetiva ética. As diretrizes éticas "Rumo à digitalização sustentável" sairão posteriormente do seminário de Mannheim. Para saber mais sobre a rede CALL, clique abaixo: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.