Mesa Inter-religiosa de Roma.  Concurso para um “quarto de silêncio” no hospital

Mesa Inter-religiosa de Roma. Concurso para um “quarto de silêncio” no hospital

Roma (NEV), 13 de julho de 2017 – Até 10 de outubro de 2018, há tempo para enviar solicitações para a criação de espaços de meditação, silêncio e oração abertos a todas as religiões nos hospitais San Filippo Neri e Santo Spirito de Roma.

O concurso, em parceria com a Mesa Inter-religiosa de Roma, que há vinte anos se empenha em difundir uma abordagem multicultural e inter-religiosa, conta com a colaboração da Ordem dos Arquitetos de Roma e da Província.

“A iniciativa surge no seguimento da particular atenção que a ASL Roma 1 dedica à humanização dos cuidados hospitalares, e à participação das associações de voluntariado e confissões religiosas na melhoria do acolhimento e respeito pelos direitos das pessoas”, lê-se no comunicado ontem divulgado.

A participação no concurso está reservada a arquitetos e engenheiros da União Europeia, incluindo juniores, devidamente inscritos nos respetivos registos profissionais.

A Mesa Inter-religiosa de Roma foi estabelecida em 2001 com um memorando de entendimento entre a Coordenação das Igrejas Valdenses, Metodistas, Batistas, Luteranas e Sanitárias de Roma juntamente com a Prefeitura de Roma, a comunidade judaica de Roma, o Centro Cultural Islâmico da Itália , Fundação Maitreya da União Budista Italiana, da União Hindu Italiana e da comunidade Ortodoxa Romena.

Baixe o edital.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A visita ao Vaticano pelos luteranos mundiais.  Do conflito à comunhão

A visita ao Vaticano pelos luteranos mundiais. Do conflito à comunhão

Durante a audiência papal, o presidente da FLM presenteou o pontífice com um cálice e uma patena, prato utilizado para cobrir o cálice, confeccionado para a ocasião pelos irmãos da Comunidade Ecumênica de Taizé. O esmalte dos vasos eucarísticos foi feito com areia retirada do campo de refugiados Za'atari, na Jordânia, onde a Federação Luterana Mundial trabalha desde 2012 para apoiar refugiados sírios, deslocados internos e comunidades de acolhimento. Este presente, disse o presidente Musa ao papa, "representa nossa vocação para sermos um". Em seu discurso, Francisco agradeceu aos líderes luteranos pelos dons que, segundo ele, “evocam nossa participação na paixão do Senhor – e continuou –: Continuemos, portanto, com paixão nosso caminho do conflito à comunhão”. O líder da Federação Luterana liderou uma delegação de representantes de todas as regiões da comunhão global de igrejas: pela Igreja Luterana na Itália, o reitor, pároco Heiner Bludau E Cordelia Vitiello que é membro do conselho da FLM. A viagem segue um marco importante nas relações ecumênicas em 2016, quando o Papa Francisco se juntou aos líderes luteranos nas cidades suecas de Lund e Malmö para uma comemoração conjunta da Reforma. Em suas palavras ao papa, o arcebispo Musa afirmou que o caminho é "irreversível" e agora exorta católicos e luteranos a aguardar a comemoração da Confissão de Augsburgo na "esperança de nos reconectar com sua intenção ecumênica original". A Confissão de Augsburgo é a principal confissão de fé para as igrejas luteranas em todo o mundo. Inicialmente, foi apresentado como uma confissão ecumênica à Dieta de Augsburg em 25 de junho de 1530, em uma tentativa de restaurar a unidade religiosa e política dentro da igreja. Em seu discurso, o Papa Francisco também observou que a Confissão originalmente "representava uma tentativa de evitar a ameaça de uma divisão no cristianismo ocidental", afirmando que esperava que a "reflexão compartilhada" no período que antecederá 2030 "possa beneficiar nosso ecumênico jornada". Refletindo sobre esse caminho, afirmou: “O ecumenismo não é um exercício de diplomacia eclesial, mas um caminho de graça. Não depende de negociações e acordos humanos, mas da graça de Deus, que purifica memórias e corações, supera atitudes de inflexibilidade e nos orienta para uma comunhão renovada: não para acordos redutores ou formas de sincretismo irênico, mas para uma unidade reconciliada nas diferenças". No discurso ao Papa Francisco, o líder da FLM recordou que 2021 marca também uma das “difíceis memórias” do passado: os 500 anos da excomunhão de Martinho Lutero pelo Papa Leão X. Enfatizando que não é possível contar uma história diferente, mas contá-la de forma diferente, Musa disse que a participação do papa na oração comum em Lund foi "um símbolo poderoso do que Deus realizou no caminho da reconciliação e o reconhecimento mútuo 'como irmãs e irmãos'”. Um grupo de teólogos católicos e luteranos está estudando o contexto histórico e teológico da excomunhão em preparação para a assembleia luterana em Cracóvia, Polônia, em 2023. O arcebispo agradeceu ao Papa Francisco por sua forte liderança durante a pandemia do COVID-19, "lembrando-nos de nosso profundo vínculo como família humana". Ele também destacou o fortalecimento da cooperação que o World Service (Serviço Mundial, braço ecumênico da Federação Luterana Mundial) e a rede católica de agências de ajuda e desenvolvimento estão engajados durante esta visita. O presidente da FLM também apresentou ao papa uma tradução italiana da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação (JDDJ), assinada por católicos e luteranos em Augsburg, na Alemanha, em 1999. O presidente Musa qualificou o documento como uma “pedra angular” que agora “ reúne católicos, luteranos, metodistas, anglicanos e [chiese] reformados na proclamação conjunta e na oração”. "Através da oração (Taizé), do serviço (Za'atari) e do diálogo - concluiu Musa -, o Espírito Santo pode continuar a guiar-nos para que um dia nos possamos reunir à mesa onde Deus, pelo dom de Cristo, nos fez já um". Neste link você pode ler o discurso que o arcebispo Panti Filibus Musa fez na ocasião. Aqui, em vez disso, o discurso do Papa Francisco. ...

Ler artigo
FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes.  Christiane Groeben

FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes. Christiane Groeben

unsplash, foto de Tim Mossholder Roma (NEV), 27 de outubro de 2021 - Em vista da Assembleia a ser realizada em alguns dias, quando o atual Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) encerrará seu mandato e um novo Conselho e um novo presidente será eleito , recolhemos o testemunho de serviço nestes anos de trabalho no Conselho da Federação, àqueles que, ou seja, têm orientado o caminho da FCEI. Pedimos assim aos vereadores e vereadores cessantes que nos falassem do passado, através de um balanço da experiência feita, e um olhar para o futuro. O Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), triênio 2018/2021, imagem de arquivo É a vez do vice-presidente, Christiane Groeben. Qual é a sua avaliação desta experiência? “Meu saldo pessoal depois de dois mandatos no Conselho da FCEI representando o CELI é que eles me enriqueceram em viver e conhecer melhor a realidade protestante na Itália, na qual minha igreja, parece-me, sempre ou muitas vezes teve um papel marginal . Dois fatores ou eventos muito diferentes aumentaram, a meu ver, a consciência de uma realidade protestante que se expressa com uma voz um pouco diferente, mas com a mesma mensagem: o ano da Reforma e da pandemia. Em 2017 muitos eventos, iniciativas, mensagens nos fizeram entender melhor o que nos une e conseguimos nos fazer ouvir. Em vez disso, a pandemia nos deu a oportunidade de nos encontrarmos em todos os lugares - para discutir, contar uns aos outros, estudar, anunciar a Palavra - fora de nossos muros físicos e mentais em um espaço público igual para todos. Fico grato por ter feito parte de uma equipe que, graças a muitos colaboradores especializados, conseguiu realizar projetos em benefício de nosso vizinho, como o Mediterranean Hope, com os Corredores Humanitários, em Lampedusa, Bósnia, Sicília e Calábria. Que testemunho você tem vontade de deixar para aqueles que virão depois de você? Gostaria que os que estarão na diretoria depois de mim tenham cuidado para que a voz pública da FCEI seja percebida em nosso país como a voz de um coro polifônico da realidade protestante. Um coro, não um trio ou um duo”. ...

Ler artigo
Tempo de criação.  O compromisso de cuidar da “casa comum”

Tempo de criação. O compromisso de cuidar da “casa comum”

foto de Francesco Gallarotti, unsplash Roma (NEV), 26 de agosto de 2021 – OOikosdo grego "casa", mas também "família" no sentido de todas as pessoas que compartilham uma casa comum, no centro da declaração conjunta do Cardeal Ângelo BagnascoPresidente do Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE), e do pároco Christian Krieger, Presidente da Conferência das Igrejas Europeias (CEC), por ocasião do Tempo da Criação 2021. Segue abaixo o texto da nota ecumênica: "Meu senhor, se achei graça aos seus olhos, não passe sem parar por seu servo" (Gn 18, 3). No deserto, estando Abraão sentado à entrada da sua tenda na hora mais quente do dia, mostrou-se acolhedor e generoso, e a partilha de um pouco de água e um pedaço de pão revelou a promessa de Deus diante dele. cheios de fé, compreenderam que a pobreza de espírito consiste em abandonar qualquer pretensão de encontrar soluções para todos os problemas, colocando a esperança em Deus, com humildade e paciência. O sinal bíblico da tenda de Abraão foi escolhido este ano para representar o compromisso de cuidar da "casa comum", de cuidar da criação, em espírito de acolhida e diálogo. A sabedoria desta passagem bíblica ilumina o caminho e o trabalho das Igrejas cristãs na Europa, que querem revigorar o seu compromisso com o cuidado da criação, para poderem renovar ooikos de Deus, como afirma o tema escolhido para a celebração do Tempo da Criação deste ano, para que se torne a casa de todos os filhos de Deus, sem exclusões de nenhum tipo". Aqui está a versão completa da declaração conjunta. O Tempo da Criação é um período litúrgico observado em todo o mundo para refletir, rezar juntos e agir pela proteção da Criação, retomando o calendário do patriarcado ortodoxo que desde 1989 dedica o dia 1º de setembro, início do novo ano litúrgico, para este tema. Para mais informações: online no site da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) o Dossiê da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM), produzido para o Tempo da Criação 2021, contém materiais litúrgicos e insights que as igrejas e pessoas interessadas podem consultar e usar livremente. O título escolhido para 2021 é “Corpos. Vocêsibilante, invisível, comunidade, habitada pelo Espírito". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.