Montagem CEC.  Uma mensagem do Oriente

Montagem CEC. Uma mensagem do Oriente

À esquerda, Souraya Bechealany

Novi Sad (NEV), 5 de junho de 2018 – “Agradecemos a acolhida que oferece aos nossos irmãos e irmãs que vêm do Oriente Médio. Sua recepção nos toca profundamente e o convidamos a abrir portas ainda maiores. No entanto, pedimos a vocês, acima de tudo, que trabalhem para que os cristãos permaneçam no Oriente Médio”.

Esta é “a mensagem que vem do Oriente”, lançada ontem, 4 de junho, pelos libaneses Souraya Bechealanysecretário-geral do Conselho de Igrejas do Oriente Médio (MECC), na Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) em Novi Sad (Sérvia, 31 de maio – 5 de agosto).

“Sem a presença dos cristãos, ou com sua presença reduzida, o Oriente Médio não será mais o mesmo e perderá seu sentido de alteridade – continuou Bechealany -. No Oriente Médio, nós, cristãos, não somos hóspedes, estamos em casa e participamos da construção das sociedades dos países em que vivemos”.

Bechealany então falou sobre a situação libanesa: “A ONU e a União Européia querem que o Líbano receba 2,5 milhões de refugiados sírios e palestinos de uma população total de 4 milhões de pessoas. Somos um país endividado, como podemos lidar com esta emergência?”.

Se as Igrejas européias podem oferecer ajuda às do Oriente Médio, o contrário também é verdadeiro: “Podemos ajudá-los a compreender e construir caminhos concretos de unidade na diversidade em seu continente, onde hoje chegam muitos cristãos orientais e muçulmanos. Temos para si as ‘instruções de utilização’ desta nova situação”.

“Finalmente – concluiu o expoente do Oriente Médio – não fale por nós, não pense por nós, não decida por nós. Reflitamos juntos, unidos na Palavra e no testemunho”. (Libra)

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Confie em uma “temporada de direitos civis”.  Entrevista com Fausto Tortora

Confie em uma “temporada de direitos civis”. Entrevista com Fausto Tortora

Aaron Blanco Tejedor, unsplash Roma (NEV), 14 de março de 2023 - O "Especial de Liberdade Religiosa" da Agência NEV continua com a voz de Fausto Maria Tortora, vice-presidente da Fundação Lelio e Lisli Basso, que promoveu a conferência “Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias”. Entre os parceiros da iniciativa, também a Revista Confronti e Centro de Estudos, a Biblioteca Jurídica Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Para ver o especial completo, clique AQUI. Entrevista com Fausto Tortora. A Fundação da qual o senhor é vice-presidente organizou recentemente a conferência intitulada: “Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias”. Que equilíbrio você gostaria de fazer em termos de participação e conteúdo? A conferência a que se refere e da qual a Fundação Lelio e Lisli Basso foi uma das organizadoras, a partir de uma solicitação que nos foi enviada por um grupo de Magistrados altamente qualificados, foi sem dúvida um sucesso. Em primeiro lugar, após a pandemia e os consequentes métodos de encontro que todos sofremos, ver salas cheias, estilos de interlocução não mediados por telas de computador, foi emocionante. Mas, ao lado desses dados (que não são puramente quantitativos), eu diria que conseguimos uma conversa de primeira, que foi recebida por um público generoso e atento. Acredito que acima de tudo temos evidenciado a necessidade e uma vontade coletiva de repropor o grande tema da liberdade religiosa neste país, sem tabus nem timidez. Todas as confissões religiosas que convidamos sabiam e quiseram aproveitar para reconhecer o local da Conferência como um lugar para relançar uma batalha pela civilização e pela liberdade. E a amplitude, mesmo internacional, dos oradores deu um forte prestígio a toda a iniciativa. Na sua opinião, quais são as principais resistências da política em relação à questão da liberdade religiosa? Ignorância e preguiça intelectual: estes são os dois pólos que explicam a estagnação da política italiana nesta matéria. Gostaria de fazer um questionário entre os nossos parlamentares: deputados e senadores, para saber quantos deles sabem se movimentar no "mundo das religiões", além dos boatos. No entanto, a realidade da Itália, país de imigração, obrigaria qualquer figura que ocupe um cargo público a saber para decidir, pelo menos para questionar além dos clichês. E, no entanto, testemunhas do pluralismo religioso habitam nossas próprias casas, os bairros de nossas cidades: do lojista ao "pizzettaro", da empregada à auxiliar de idosos ou à enfermeira que encontramos nos mesmos hospitais públicos. Digo também preguiça intelectual porque para muitos políticos o lema "quieto não se mexa” parece ser o imperativo válido para qualquer temporada. Também por isso, que mesmo sob o impulso do atual pontificado poderia permitir que os “católicos” obedientes ousassem alguma manifestação de secularismo, ou melhor, de liberdade e, talvez, de maior fidelidade aos valores e à mensagem do Evangelho. Do ponto de vista, porém, da sociedade italiana: na sua opinião, existe o medo do pluralismo religioso? Ou estamos diante de uma incapacidade coletiva e mútua de reconhecer as próprias identidades e as dos outros? Também neste caso eu falaria de ignorância: medo resultante da desconfiança ou desconhecimento do outro. O que é certo é que, se a política não fizer o seu trabalho, principalmente educacional, e fomentar a competição em vez do espírito de coesão, os fechamentos culturais em vez da curiosidade sobre a diversidade que cada um de nós traz, os problemas conflitantes estão destinados a aumentar e, talvez, , alguém poderia obter uma vantagem política mesquinha e míope. Claro que, deste ponto de vista, a escola é a instituição fundamental, e não só para as crianças e jovens, mas também para as famílias e as comunidades: também assim se derrubam os muros e se cria a cultura comunitária. Ele acha que esse assunto pode ser tratado considerando todos os aspectos da questão, incluindo: o estado laico; símbolos religiosos, edifícios e roupas; ensino da religião católica nas escolas públicas; disponibilidade e transparência na aplicação dos recursos (oito por mil in primis)? Se eu não confiasse que não só deveria, mas poderia dar conta do assunto, aproveitando inclusive a "janela histórica" ​​oferecida pela atitude de um papa da Igreja Católica que vem do "fim do mundo ", certamente não teria me comprometido com a Fundação onde trabalho. Em vez disso, sinto um novo interesse na temporada dos direitos civis e, portanto, no declínio dos privilégios anti-históricos que a denominação majoritária tem desfrutado há alguns séculos. Neste contexto, não considero tabu discutir publicamente os 8 por mil e a sua utilização, mas acima de tudo gostaria de uma discussão pública sobre o privilégio do ensino (e dos professores) da religião católica nas escolas e sobretudo sobre o escândalo dos capelães militares: padres empregados nas fileiras do exército na época da terceira guerra mundial em pedaços. ...

Ler artigo
O Papa Emérito Bento XVI deixa um legado de diálogo ecumênico

O Papa Emérito Bento XVI deixa um legado de diálogo ecumênico

Foto Observatório Romano Roma (NEV/CEC), 31 de dezembro de 2022 – “Em nome do Conselho Mundial de Igrejas, expresso nossas mais profundas condolências pelo falecimento do falecido Papa Emérito Bento XVI. Ele foi o primeiro papa a vir de um país, a Alemanha, que vê protestantes e católicos quase em igual medida, bem como um país no centro da Reforma do século XVI. Com estas palavras o Secretário Geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Pe. Ioan Saucaexpressou as condolências do corpo mundial, após o anúncio pela Santa Sé da morte do Papa Emérito Bento XVI. Bento XVI também foi o primeiro papa a servir em um comitê do Conselho Mundial de Igrejas, entre os membros católicos da Comissão de Fé e Constituição. Pouco depois de Bento XVI se tornar papa, as queixas de longa data que impediam as reuniões da Comissão de Diálogo Católico-Ortodoxo foram superadas. Em 2007, a Comissão elaborou a "Declaração de Ravenna", como um primeiro passo para superar a velha divergência sobre o papel do papado. Curiosamente, várias figuras-chave neste processo foram todos membros da Comissão de Fé e Constituição do CMI. “Benedetto demonstrou coragem em sua liderança, em seus escritos e em suas declarações”, disse Sauca. E acrescentou: “No movimento ecumênico unitário, ele afirmou constantemente o profundo envolvimento da Igreja Católica Romana no ecumenismo como irreversível, especialmente em responder às questões que envolvem a Igreja no mundo”. Também o moderador do Comitê Central do CMI, o bispo Heinrich Bedford-Strohm, divulgou um comunicado: “Compartilho minhas mais profundas condolências pela morte do Papa Emérito Bento XVI, com o Papa Francisco e toda a sua Igreja. Quando pensava na sua vida, muitas vezes me lembrava das palavras que pronunciou no seu 85º aniversário, 16 de abril de 2012, na Capela Paulina do Vaticano. Juntamente com uma delegação bávara, tive o privilégio de participar deste pequeno serviço muito pessoal”. Naquela ocasião, o papa emérito disse: “Agora estou enfrentando o último capítulo da minha vida e não sei o que me espera. Eu sei, porém, que a luz de Deus existe, que ele ressuscitou, que sua luz é mais forte que qualquer escuridão, que a bondade de Deus é mais forte que qualquer mal neste mundo”. Bedford-Strohm concluiu: “Benedict provavelmente não teria pensado em viver mais dez anos completos. No entanto, estou certo de que agora ele experimenta a verdade dessas palavras ditas então”. Para saber mais: CMI expressa respeito pela renúncia do Papa Bento (comunicado de imprensa CEC 11 de fevereiro de 2013) As contribuições do Papa Bento XVI para a unidade cristã (comunicado de imprensa do WCE em 27 de fevereiro de 2013) O Papa Bento XVI e o líder do CMI reafirmam objetivos comuns para a unidade visível da Igreja (comunicado de imprensa do CEC em 4 de dezembro de 2010) O secretário-geral do CMI expressa confiança no progresso da unidade cristã (comunicado de imprensa do CMI em 25 de janeiro de 2008) Bento XVI: Kobia reza por um renovado compromisso de abertura ecumênica e um diálogo de conversão (comunicado de imprensa do CEC de 20 de abril de 2005) Relatório da seção de Joseph Ratzinger à Comissão de Fé e Constituição do CMI em Louvain - 1971 ...

Ler artigo
não coloque os outros em perigo por negligência

não coloque os outros em perigo por negligência

Roma (NEV), 16 de novembro de 2020 – Um texto do reformador circula nas redes sociais há alguns dias Martinho Lutero que parece estar falando sobre covid. “Vou pedir a Deus, por misericórdia, para nos proteger. Depois vou desinfetar com fumaça, para ajudar a purificar o ar, dar remédios e tomá-los. Evitarei lugares e pessoas onde minha presença não seja necessária, para não ser contaminado e não colocar em perigo outras pessoas, para não causar sua morte por negligência minha. Se Deus quiser me levar, certamente me encontrará e terei feito o que Ele esperava de mim, sem ser responsável nem pela minha própria morte nem pela morte dos outros. Se meu vizinho precisar de mim, não evitarei lugares ou pessoas, mas irei livremente como mencionado acima. Veja, é uma fé temente a Deus, porque não é impetuosa nem temerária e não tenta a Deus”. Vários pastores e pastoras protestantes têm compartilhado este texto em suas páginas, inclusive Sérgio Manácapelão clínico e professor de cuidado pastoral clínico na Faculdade Valdense de Teologia e voluntário do 118, e o pastor Letizia Tomassone, professora de estudos feministas e de gênero na mesma faculdade. E é na página deste último que Paulo Togninateólogo "emprestado" ao jornalismo, redator-chefe da "Voce Evangelica", especifica em um comentário: "São pensamentos encontrados no texto de Lutero intitulado 'Ob man vor dem Sterben fliehen möge', datado de 1527, no qual o reformador reflete sobre a praga estourada novamente em Wittenberg". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.