“Este Mediterrâneo é de todos nós”

“Este Mediterrâneo é de todos nós”

Roma (NEV), 31 de julho de 2023 – Em 29 de julho de 2013, dez anos atrás, Paul Dall’Oglio estava sendo apreendido em Raqqa. Nos últimos dias, lemos vários testemunhos sobre o padre fundador da comunidade monástica de Deir Mar Musa, na Síria. Também nos lembramos dele por meio de suas próprias palavras, alguns meses antes de sua morte. Em 25 de outubro de 2012, Dall’Oglio esteve em Roma, como convidado do Centro Inter-religioso para a Paz (CIPAX), como parte do workshop “Democracia participativa e->é paz / Guerra e paz na Síria”.

<>. Padre Dall’Oglio concluiu assim seu discurso, que reproduzimos na íntegra no final da página em uma transcrição não revisada pelo orador.

<mussalah, dos quais hoje muitos enxaguam a boca. Com uma condição, e quem acredita que esta condição é inadequada para a situação síria, tem a coragem de nos dizer, plena liberdade de opinião, plena liberdade de expressão. Só pedimos isso, não estabelecemos prazos, não obrigamos os protagonistas políticos a sair de cena: liberdade de opinião, liberdade de expressão. E eu disse então: “Como eu gostaria de morrer por essas liberdades!”. Não houve nada disto, houve as deslocações de jornalistas cooptados para virem ver o que tinha de ser visto segundo a agenda do regime […] Peço ao não violento que seja não violento, consistentemente não violento. Pedimos 50.000 ativistas não violentos da ONU, eles nos enviaram 100 da Liga Árabe, 300 com Kofi Annan. 50.000 que pedimos. Não existem 50.000 operadores em 7 bilhões de pessoas não violentas no mundo? Eles não estão aqui. Paciência. Faz-se com o que se tem e com os aliados que se encontra. Por razões dogmáticas, acredito que um povo tem o direito e o dever de se defender. Digo isto com base no catecismo da Igreja Católica, na tradição do Alcorão, na tradição do povo de Israel, na tradição dos direitos humanos, na Carta dos Direitos Humanos; e que um povo em estado de angústia deve ser assistido. Quem não odeia as armas as usa para ajudar um povo em desgraça. Que aqueles que odeiam as armas venham e nos ajudem na justiça com a não-violência. Em vez de julgar, aja sem violência para salvar as pessoas que o preocupam. Este Mediterrâneo pertence a todos nós, se a Síria se afogar, você não ficará à tona>>.


Para saber mais:

“A radicalidade de sua escolha diz com a voz de um canto litúrgico que o diálogo e o encontro entre as fés não podem mais ser apenas objeto de reflexão de conferência e disciplina acadêmica, mas devem ter cheiro de vida” escreve Tonio Dell’Olio em Mosaico di pace . – A coragem de Paulo (mosaicodipace.it)

Avvenire fala do “testamento” de Dall’Oglio, o desejo de ser irmão de todos

Mattarella: mantenha viva a memória do Padre Dall’Oglio, testemunha de paz e esperança – Vatican News

Décimo aniversário do sequestro do Padre Paolo Dall’Oglio, declaração do Presidente Meloni | www.governo.it


No site da CIPAX

Discurso do Padre Paolo dall’Oglio (transcrição não revisada pelo orador):

Encontro com o Padre Paolo dall’olio (cipax-roma.it) na Atividade 2012-2013 DEMOCRACIA PARTICIPATIVA E->É PAZ Guerra e paz na Síria Encontro de 25 de outubro de 2012 com Paolo DALL’OGLIO, Carolina POPOLANI, Francesca PACI, Adnane MOKRANI, Gian Mario GILLIO. Fonte: cipax-roma.it

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Conselho da Europa vota pela criminalização do ecocídio

Conselho da Europa vota pela criminalização do ecocídio

Detalhe da capa do relatório "Lei de ecocídio para uma economia dentro dos limites planetários", janeiro de 2023 Roma (NEV), 31 de janeiro de 2023 – Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa ele votou com uma maioria esmagadora e sem objeção para o reconhecimento do ecocídio. Foi relançado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). A postura histórica é um avanço para os movimentos que há muito clamam por uma resposta global à questão da destruição da natureza e dos ecossistemas. A decisão de adotar o resolução 2477 e a recomendação 2246 vem após a análise de um relatório recente da Comissão de Assuntos Sociais, Saúde e Desenvolvimento Sustentável sobre o impacto ambiental dos conflitos armados. Sobre stopecocide.earth lê-se: “Apresentado pelo orador John Howell (Reino Unido, Conservadores Europeus), o relatório afirma que os danos ambientais múltiplos, graves, duradouros e principalmente irreversíveis causados ​​por conflitos armados afetam não apenas os ecossistemas, mas também a saúde humana fora da área de conflito e muito depois do fim do conflito. Os direitos humanos à vida e a um meio ambiente saudável ficam assim comprometidos”. Ecocídio é crime A resolução exorta os Estados membros do Conselho a "construir e consolidar um quadro jurídico para uma maior protecção do ambiente em conflitos armados a nível nacional, europeu e internacional", inter alia, "melhorando o seu arsenal jurídico para criminalizar e processar eficazmente ecocídio e tomar medidas concretas para alterar o Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional, a fim de incluir o ecocídio como um novo crime”. O Conselho da Europa também se pronunciou sobre as lacunas legais na matéria e sobre a falta de um "mecanismo internacional permanente para monitorar violações legais e lidar com pedidos de indenização por danos ambientais". O contexto imediato da resolução, segundo pare com o ecocídiodiz respeito à Ucrânia, que "sofreu altos níveis de danos ambientais de várias formas no ano passado devido aos ataques russos, desde 'grandes incêndios florestais' até 'campos agrícolas contaminados por petróleo e rios onde os peixes são sufocados sob as manchas de óleo' ( fonte: Horário, 18/10/22). Outros danos vêm do uso de "produtos químicos, munições e equipamentos militares", mas também de armazenamento de combustível, infraestrutura industrial, água, energia e sistemas de gerenciamento de resíduos, áreas urbanas, áreas agrícolas e naturais. “A avaliação de tais danos exigirá uma infinidade de métodos complexos para estabelecer impactos e planejar atividades de recuperação”, diz o documento “O impacto ambiental do conflito na Ucrânia: uma análise preliminar” (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA, outubro de 2022). Os impactos ambientais existem na guerra e na paz, na Ucrânia e em outros lugares. ele ainda escreve pare com o ecocídio: isso pode ser visto "desde os resultados ainda perceptíveis do uso do Agente Laranja no Vietnã na década de 1960 (ao qual se referia a cunhagem original da palavra 'ecocídio') até a poluição de urânio no sul do Iraque após a Guerra do Golfo de 1991" . A expectativa agora é que essa decisão afete as discussões em curso na UE sobre a revisão da diretiva de proteção ambiental por meio do direito penal. De realçar ainda a recente aprovação pelo Conselho do European Law Institute (ELI) de um lei modelo sobre ecocídio, desenvolvido para o contexto da UE. A lei modelo será votada em fevereiro. Vários movimentos convergem em todo o mundo sobre a questão do ecocídio. Assuntos seculares e religiosos, incluindo a Igreja da Suécia e, na Itália, a própria GLAM, que tem traduzido e divulgado os conteúdos aqui relatados em sua rede. Para saber mais: ...

Ler artigo
Alemanha.  Está em andamento o Kirchentag ecumênico: “Ide e vede!”

Alemanha. Está em andamento o Kirchentag ecumênico: “Ide e vede!”

Roma (NEV/voceevangelica), 12 de maio de 2021 – A terceira edição do "Kirchentag ecumênico" (OEKT) começa em Frankfurt na quinta-feira, 13 de maio, às 9h30, com a celebração ecumênica da Ascensão e termina em 16 de maio. O Kirchentag é promovido por católicos e evangélicos alemães. “O lema do terceiro encontro ecumênico é claro: não desvie o olhar”, escreve ele Gaëlle Courtens em sua visão geral em voceevangelica.ch, onde ele explica o programa e o espírito desta edição em particular: ...

Ler artigo
Amos Luzzatto judeu do diálogo

Amos Luzzatto judeu do diálogo

Roma (NEV/Riforma.it), 11 de setembro de 2020 – Em 9 de setembro, aos 92 anos, faleceu Amós Luzzatto: médico, escritor, exegeta, mas sobretudo um expoente máximo do judaísmo italiano e, de 1998 a 2006, presidente da União das Comunidades Judaicas Italianas (UCEI). Nesses anos também colaborou com a revista Comparar que passou a ser credenciado como o mastro de referência para o diálogo inter-religioso na Itália e para a batalha política e cultural para reconhecer e valorizar o novo pluralismo religioso que também se consolidou em nosso país. […] Amigo do mundo protestante, em 2003 Luzzatto participou de uma mesa redonda realizada na clássica noite de "segunda-feira" do Sínodo das igrejas Valdenses e Metodistas. No templo da Torre Pellice lotado de gente, ele lançou uma ideia que ainda soa atual, a de um "fórum permanente para as religiões..." Continue lendo em Riforma.it a memória de Paulo Naso. artigo anteriorChile, 11 de setembro. Entre a memória e o futuroPróximo artigoCarta aberta da igreja valdense de Colleferro Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.