“Este Mediterrâneo é de todos nós”

“Este Mediterrâneo é de todos nós”

Roma (NEV), 31 de julho de 2023 – Em 29 de julho de 2013, dez anos atrás, Paul Dall’Oglio estava sendo apreendido em Raqqa. Nos últimos dias, lemos vários testemunhos sobre o padre fundador da comunidade monástica de Deir Mar Musa, na Síria. Também nos lembramos dele por meio de suas próprias palavras, alguns meses antes de sua morte. Em 25 de outubro de 2012, Dall’Oglio esteve em Roma, como convidado do Centro Inter-religioso para a Paz (CIPAX), como parte do workshop “Democracia participativa e->é paz / Guerra e paz na Síria”.

<>. Padre Dall’Oglio concluiu assim seu discurso, que reproduzimos na íntegra no final da página em uma transcrição não revisada pelo orador.

<mussalah, dos quais hoje muitos enxaguam a boca. Com uma condição, e quem acredita que esta condição é inadequada para a situação síria, tem a coragem de nos dizer, plena liberdade de opinião, plena liberdade de expressão. Só pedimos isso, não estabelecemos prazos, não obrigamos os protagonistas políticos a sair de cena: liberdade de opinião, liberdade de expressão. E eu disse então: “Como eu gostaria de morrer por essas liberdades!”. Não houve nada disto, houve as deslocações de jornalistas cooptados para virem ver o que tinha de ser visto segundo a agenda do regime […] Peço ao não violento que seja não violento, consistentemente não violento. Pedimos 50.000 ativistas não violentos da ONU, eles nos enviaram 100 da Liga Árabe, 300 com Kofi Annan. 50.000 que pedimos. Não existem 50.000 operadores em 7 bilhões de pessoas não violentas no mundo? Eles não estão aqui. Paciência. Faz-se com o que se tem e com os aliados que se encontra. Por razões dogmáticas, acredito que um povo tem o direito e o dever de se defender. Digo isto com base no catecismo da Igreja Católica, na tradição do Alcorão, na tradição do povo de Israel, na tradição dos direitos humanos, na Carta dos Direitos Humanos; e que um povo em estado de angústia deve ser assistido. Quem não odeia as armas as usa para ajudar um povo em desgraça. Que aqueles que odeiam as armas venham e nos ajudem na justiça com a não-violência. Em vez de julgar, aja sem violência para salvar as pessoas que o preocupam. Este Mediterrâneo pertence a todos nós, se a Síria se afogar, você não ficará à tona>>.


Para saber mais:

“A radicalidade de sua escolha diz com a voz de um canto litúrgico que o diálogo e o encontro entre as fés não podem mais ser apenas objeto de reflexão de conferência e disciplina acadêmica, mas devem ter cheiro de vida” escreve Tonio Dell’Olio em Mosaico di pace . – A coragem de Paulo (mosaicodipace.it)

Avvenire fala do “testamento” de Dall’Oglio, o desejo de ser irmão de todos

Mattarella: mantenha viva a memória do Padre Dall’Oglio, testemunha de paz e esperança – Vatican News

Décimo aniversário do sequestro do Padre Paolo Dall’Oglio, declaração do Presidente Meloni | www.governo.it


No site da CIPAX

Discurso do Padre Paolo dall’Oglio (transcrição não revisada pelo orador):

Encontro com o Padre Paolo dall’olio (cipax-roma.it) na Atividade 2012-2013 DEMOCRACIA PARTICIPATIVA E->É PAZ Guerra e paz na Síria Encontro de 25 de outubro de 2012 com Paolo DALL’OGLIO, Carolina POPOLANI, Francesca PACI, Adnane MOKRANI, Gian Mario GILLIO. Fonte: cipax-roma.it

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Quem são os imigrantes?  – Neve

Quem são os imigrantes? – Neve

Roma (NEV), 27 de outubro de 2022 – Trazendo "Luta e verdade, a partir de palavras e dados". O escritor disse isso esta manhã Djarah Kan, na apresentação do 32.º “Dossiê Estatístico da Imigração 2021”, editado pelo Idos, em colaboração com o Confronti e o Instituto de Estudos Políticos “S. Pio V". A referência é justamente às análises contidas no relatório – 493 páginas, informações estatísticas e análises elaboradas por uma pluralidade de estudiosos, projeto apoiado pelo Otto per mille da Tábua Valdense. Uma ferramenta na “caixa de ferramentas” de qualquer pessoa, por diversos motivos, que lida com (ou quer entender) migração. Na reunião desta manhã, moderada por Cláudio Paravatidiretor do Confronti e apresentador do Protestantesimo on Rai Tre, compareceu, além de Kan, Luca Di Sciullo, presidente do centro de estudos e pesquisas IDOS, don Mussie Zerai (conectado do Canadá), padre e ativista eritreu, fundador da agência Habeisha, moderador da Mesa Valdense Alessandra Trottao jornalista Eleanor Camillio sociólogo da Universidade Estadual de Milão Maurizio Ambrosinio prefeito de Prato Mateus Biffonidelegar às políticas de Imigração e integração da Anci, em ligação de vídeo, Paulo de Nardis, presidente do Instituto de Estudos Políticos “S. Pio V". os números falam No que diz respeito aos migrantes que desembarcaram na Itália entre 2021-2022, segundo o relatório, "se olharmos para os fluxos migratórios rumo à Itália, as nacionalidades declaradas pelos migrantes são atribuíveis aos países que mais sofrem com a pressão das mudanças climáticas ". Entre 2021 e 2022 “entre os principais países de origem encontramos: Tunísia, Egipto, Bangladesh, Afeganistão, Síria, Costa do Marfim, Eritreia, Guiné, Paquistão e Irão”. No início de 2022 "havia 3.561.540 cidadãos extracomunitários a residir legalmente em Itália, um número que aumentou, face ao ano anterior (quando eram 3.373.876), de 187.664 unidades (+5,6%) e que, no entanto, continua ainda mais baixo do que os 3.615.826 no início de 2020 e os 3.717.406 no início de 2019. Quanto ao contributo dos migrantes para a economia, a análise apresentada “confirma também para 2020 um saldo positivo entre receitas e despesas atribuíveis à imigração: face a saídas de 28,9 mil milhões, as receitas ascenderam a 30,2 mil milhões, garantindo um saldo positivo de quase 1,3 mil milhões de euros ”. É um dos dados contidos no dossiê discutido esta manhã em Roma, no Teatro Dom Orione, e ao mesmo tempo em todas as regiões italianas. “A dimensão do saldo – explica o Relatório – diminuiu sem dúvida face a 2019, quando tínhamos assistido a um ganho de 4 mil milhões de euros para o Estado, mas sabe-se que a pandemia em parte agravou a fragilidade social e económica, em parte detonou novos. O valor das despesas durante o ano de 2020 aumentou assim, com particular destaque para as despesas com redes de segurança social, que quase duplicaram face a 2019. No entanto, refira-se que as escolhas metodológicas efetuadas seguiram um percurso de estimativa parcimonioso”. “Não há respostas fáceis para fenômenos complexos como #migrações. Interdependências entre mudanças climáticas, guerras” e a necessidade de sair. A intervenção do @Mode_Valdese na apresentação de #dossierestatísticoimigração @Confronti_CNT @8x1000Waldensian pic.twitter.com/qs7vmKSyJr — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 27 de outubro de 2022 “No geral, confirma-se o que emergiu dos Dossiês anteriores, segundo os quais os estrangeiros contribuem tanto para a estabilidade do tecido produtivo do país como para o seu sistema de proteção social, incluindo a educação”, conclui o texto. AQUI a lista de apresentações do Dossiê em andamento hoje em toda a Itália. AQUI o comunicado de imprensa CS_Hoje a apresentação do Dossiê Estatístico de Imigração 2022 ocorreu após a apresentação de Idos. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Roma, as novas luzes do templo valdense na Piazza Cavour

Roma, as novas luzes do templo valdense na Piazza Cavour

Roma (NEV), 13 de março de 2023 – Novas luzes para o templo valdense na capital. O Grupo Acea renovou de fato a iluminação da Igreja Valdense na Piazza Cavour - Roma. A inauguração aconteceu na última sexta-feira, na presença de instituições e representantes da comunidade protestante.A inauguração contou com a presença, entre outros, Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e Moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trotta. “O que há por trás desta igreja que domina a Piazza Cavour, um dos símbolos da Itália liberal, e que agora é realçada pela monumental iluminação disponibilizada pela ACEA? Vou tentar destacar brevemente o "atrás" da história que viu na construção da igreja um local de pouso fundamental e os "envolventes" do complexo, do complexo protestante em uma das áreas em desenvolvimento da capital Roma. Por detrás desta fachada que exprime também a consciência de fazer parte de uma nova e tão esperada era – que não por acaso também se referia ao “Iluminismo” – o orgulho de pertencer a ela e a vontade de serem os seus protagonistas, estão antes de mais os séculos de clandestinidade e dissimulação forçada para os valdenses. A fé vivia à noite, no escuro: esse era o destino dos "pobres" na Idade Média. As coisas mais importantes para a identidade de alguém viviam nas sombras, reuniões clandestinas organizadas no abrigo da noite. A visibilidade, que hoje é um dos critérios de comunicação e um dos indicadores de sucesso, significava então incorrer em repressão. Só se podia ser você mesmo nas sombras. Lembro-me não para ter pena dos nossos antepassados, nem para nos alegrar com o sofrimento dos outros, mas porque esta ainda é a dura realidade em muitas partes do mundo. Com a adesão à Reforma no século XVI, a postura dos descendentes e herdeiros dos pobres mudou: a Reforma convenceu-os de que deviam ser vistos, deviam vir à tona, a Palavra que testemunhavam – lux lucet in tenebris – teve que ser trazido à luz do Sol. Foi assim que os valdenses da Calábria se revelaram. No entanto, aplicava-se também a eles a palavra do filósofo do Antigo Testamento, "nada de novo debaixo do sol"... Uma vez nascidos, recaiu sobre eles uma cruel repressão, feita de matanças, prisões e escravizações como remadores no Mediterrâneo. Talvez não seja por acaso que hoje nos interessamos pelos barcos de pessoas desesperadas que atravessam o Mediterrâneo. Seu pastor, Giovan Luigi Pascale, foi julgado em Roma. A luz que se acendeu foi a das chamas da sua estaca (1560), após o estrangulamento. Este foi o fim que ele compartilhou com dezenas e dezenas de outros, antes e depois dele, incluindo o cardeal Pietro Carnesecchi (1567), que, no entanto, foi decapitado primeiro. Também aqui me lembro dessas páginas trágicas para não despertar simpatia. Ainda hoje o saindo, a livre expressão das próprias ideias, a livre implementação das próprias escolhas podem ser pagas com a própria vida, está tudo diante de nossos olhos, Irã Afeganistão etc. e ainda hoje o obscurantismo também tem defensores e argumentos religiosos... A iluminação capaz de derrotar essa escuridão ainda não chegou a todos os lugares e em muitos lugares a escuridão parece inviolável. É somente após o rompimento da Porta Pia que os valdenses, os judeus finalmente libertados do gueto, os outros evangélicos que chegam imediatamente àquela que já é a capital do Reino Unido pela qual muitos deles lutaram, podem finalmente contar com uma visibilidade desobstruída. Não apenas ileso, mas orgulhoso e engenhoso. O primeiro templo valdense foi inaugurado na via IV de novembro de 1883; em 1895, um enorme complexo episcopal metodista foi inaugurado na via XX Settembre. Em frente à ilha do Tibre, depois da demolição do antigo gueto, foi construída em 1904 uma enorme sinagoga que, olhando mais de perto, tem a mesma postura urbana da nossa igreja: estamos aqui, podemos ser vistos e vocês devem nos ver. .. é o início de um caminho que levará Roma a se tornar a encruzilhada das religiões que é hoje. Vamos voltar para nós. Estamos numa praça, com duas torres que não escapam ao olhar. Não é apenas um local urbano feliz; ainda em 1883 a igreja da via IV de Novembro teve de ser disfarçada com feições de palácio burguês. É uma metáfora; é o lugar de quem quer fazer parte do discurso que se dá na ágora. Poucos, mas presentes e vocais, como diriam na América, extrovertidos. A vontade de ser voz no debate público foi fortalecida com a República, ou seja, desde que a ágora foi palco de uma democracia parlamentar constitucional, onde cresce uma democracia discursiva. Aqui queremos fazer um discurso que não é só de ideias, mas também de compromisso social. Uma vez construído o edifício, começaram de imediato as actividades sociais, por exemplo a favor dos militares dos numerosos quartéis próximos, com serviços médicos e oferecendo espaços de utilização das saídas gratuitas também para leitura e formação... Hoje as formas dessa acção são mudando, mas a vocação de fazer a nossa parte junto com os outros não falha. Ao redor da igreja, os demais elementos do complexo. No outono de 1922 - a coincidência com a marcha sobre Roma é puramente acidental e pedimos desculpas aos ouvintes - foi inaugurada a sede da Faculdade de Teologia (fundada em Torre Pellice em 1855, transferida para Florença como capital em 1861 e depois daqui para Roma onde ainda está), que hoje forma pastores e pastoras em particular das igrejas metodistas, valdenses e batistas, mas não só, e que desenvolve uma atividade ecumênica de formação teológica cultural com ensino a distância. Abriga uma biblioteca cada vez maior, agora com mais de 110.000 volumes, que é um centro de excelência para a pesquisa acadêmica do protestantismo. A biblioteca, que durante décadas não foi apenas um meio de acesso à cultura protestante, mas – em torno da Prof. Subilia, um círculo de interlocução intelectual. Os cidadãos romanos conhecem sobretudo as duas grandes salas – a Aula Magna da Faculdade e a sala da via Marianna Dionigi 59 – como locais de concertos, debates – até mesmo sobre questões polêmicas, como divórcio, aborto, “fim da vida” etc. – de convenções e conferências. Mas também de funerais seculares… Tudo não só à luz do sol, mas agora iluminado mesmo quando está escuro. Obrigado a quem forneceu a iluminação monumental. Ao concluir estas breves reflexões relacionadas com a luz, não posso deixar de partilhar uma imagem, aliás, uma realidade completamente oposta. Recentemente visitei o albergue social para trabalhadores que nossa Federação de Igrejas Evangélicas da Itália abriu em San Ferdinando, na planície de Gioia Tauro. Depois do pôr-do-sol, contornamos os chamados campos – favelas e cidades-tendas – construídos com dinheiro público, onde vivem em condições precárias quem recolhe as laranjas que vão para grandes varejistas e que compramos em supermercados. As ruas que levam até ela são repletas de postes de iluminação modernos, mas sempre apagados, pois a iluminação dificulta o tráfico do crime organizado. Essas estradas que estão sempre no escuro são atravessadas por trabalhadores negros. Também nisso são os "invisíveis" de hoje. De vez em quando alguém é atropelado. Também estamos lá para fornecer a eles coletes refletivos e refletores para destacar suas bicicletas. Mas isso não elimina a deficiência mais grave, a da iluminação pública que, olhando mais de perto, é a luz da República. Nós gostamos disso aqui. E você o intensificou. Mas a República não termina na Piazza Cavour, continua até Marsala e Lampedusa. Sentimos que devemos dizê-lo também na Piazza Cavour, ou seja, na ágora da República”. ...

Ler artigo
Corpos brancos e corpos negros

Corpos brancos e corpos negros

Noom Peerapong, unsplash De Pedro CiaccioMembro do Conselho da FCEI, Presidente da Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi” – Giovanni não sabe para qual mulher olhar: a melancólica e deprimida Lídia ou a jovem e cheia de vida Valentina? Vamos falar sobre A noite por Michelangelo Antonioni. A câmera consegue transmitir o charme de ambos. sensualidade de Lídia (Jeanne Moreau) e Valentina (Monica Vitti) está fechada no rosto: nos olhos, na boca, nos cabelos. O dilema de Giovanni (Marcello Mastroianni) é o de uma burguesia hipocritamente casta, que tolera a infidelidade conjugal, mas não a sexualidade vulgar (adjetivo negativo que deriva, não por acaso, do latim Vulgoisto é, pelo povo como uma classe inferior). Antes mesmo de Valentina entrar em cena, Giovanni e Lídia vagam pela noite milanesa e vão a uma boate onde se apresentam uma dançarina e uma dançarina contorcionista: ele de cueca, ela de cueca e sutiã. Ambos são negros: seus corpos estão expostos à câmera. Faz parte do espetáculo uma brincadeira que a mulher joga com uma taça de vinho, que passa entre os pés, pernas, braços, até que o vinho seja bebido pela dançarina de cabeça para baixo, tudo acompanhado por um sax travesso. Enquanto isso acontece no palco, Lídia bebe e compõe sua bebida em um copo comum. Corria o ano de 1961 e talvez agora seja difícil rastrear os nomes das duas dançarinas negras, o que não é relatado nas várias páginas da internet dedicadas a A noite. Quem sabe quem eram, de onde vinham, quanto ganhavam. Quem sabe se eles apareceram em outros filmes. No entanto, seus corpos estavam mais expostos do que os rostos de Moreau e Mastroianni. Hoje não prestamos mais atenção a isso, mas, contorcionismo à parte, nem Moreau, nem Vitti, nem Mastroianni poderiam ter se mostrado assim, pelo menos não antes de dez anos. Qual era a diferença entre Jeanne Moreau e a dançarina anônima? A cor da pele que, no caso de Moreau, coincidia com a do público a quem o filme se destinava. É claro que o corpo branco deve ser tratado com modéstia, enquanto o corpo negro pode ser facilmente exibido: enfim, “eles” não andam nus na África? Mesmo em um grande filme como A noite de um diretor sensível como Antonioni, o corpo negro e anônimo se oferece ao olhar do público branco, está à disposição do olhar branco. Imagine o que poderia acontecer em filmes mais "comerciais". Podemos pensar que isso foi um pecado dos anos sessenta, del estrondoda Itália burguesa que quer ser "Italietta". Mas basta ligar um noticiário hoje para ver, por exemplo, os rostos de crianças pixeladas, que ficam irreconhecíveis, protegidas do olhar do público. Claro, progresso. Mas essas são crianças brancas; e o que acontece com as crianças negras? Os seus rostos e, mais uma vez, os seus corpos são expostos, e muitas vezes por aqueles que trabalham por eles, pelas associações e organizações que trabalham para ajudar e apoiar as pessoas mais desfavorecidas. Quase todas as campanhas de combate à fome na África mostram corpos negros. Eles não têm nome, podem estar desnutridos ou sorridentes e saudáveis, mas o que importa é que são negros. Quem é o destinatário dessas imagens? O olhar branco. Assim como em 1961. Este fim de semana será realizada a primeira edição do Festival de Cinema de Rosarno, uma pequena tentativa de sair dessa dicotomia preto-branco, porque não é uma lei da natureza que as imagens devam ser oferecidas principalmente ao olhar branco. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.