Mensagem das igrejas ao G20 sobre ética e economia

Mensagem das igrejas ao G20 sobre ética e economia

Mara Luz, Christian Aid; Carlos Rauda, ​​ACT; Humberto Shikiya, CREAS; Thomas Kang, foto do CEC Leonardo Godoy/Christian Aid retirada do site do CEC

Roma (NEV), 24 de maio de 2018 – Nos dias 17 e 18 de maio, em São Paulo, Brasil, foi realizado o terceiro “Diálogo sobre ética e economia” entre representantes de várias confissões religiosas, teólogos, economistas e especialistas em desenvolvimento e ecumênicos. O objetivo do encontro é a elaboração de um documento para os líderes do G20 que se reunirão na Argentina no final deste ano.

O economista Thomas Kang, membro do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), que moderou uma das sessões, disse: “Igrejas e organizações religiosas podem contribuir para o diálogo sobre essas questões, pois se é verdade que a expertise técnica de os economistas, também é verdade que não basta discutir quais políticas melhoram a vida das pessoas. O conhecimento da realidade local e a reflexão teológica podem desempenhar um papel importante no debate público sobre o desenvolvimento, levando em consideração outras dimensões além da renda e da riqueza”.

O terceiro Diálogo sobre Ética e Economia segue-se a dois encontros anteriores, convocados pelo escritório latino-americano da Christian Aid juntamente com o Centro Ecumênico Regional de Aconselhamento e Serviço (CREAS), Caritas, Globethics, Universidade de Buenos Aires – Programa Internacional de Democracia, Sociedade e novas economias e outras organizações ecumênicas comprometidas com as questões de direitos, justiça e solidariedade.

Entre os temas abordados, as desigualdades estruturais e a justiça de gênero, oextrativismo e desenvolvimento humano inclusivo, sistemas de proteção social, automação e proteção do trabalho, finanças internacionais.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

igrejas européias.  Os desafios para os direitos humanos em tempos de coronavírus

igrejas européias. Os desafios para os direitos humanos em tempos de coronavírus

Roma (NEV), 6 de julho de 2020 - Haverá também o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negroentre os palestrantes da 7ª edição da "Escola de verão" sobre direitos humanos organizada pela Conferência das Igrejas da Europa (KEK) juntamente com a Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). O título desta edição, que decorrerá de 7 a 10 de julho de 2020 em modo online, é: “Os desafios para os direitos humanos em tempo de covid-19”. O Presidente Negro participará da primeira sessão do segundo dia, quarta-feira, 8 de julho, sobre o tema dos desafios para as igrejas da CEC no momento do coronavírus, especificamente na área de liberdade de religião ou crença e outras direitos fundamentais. “Nos países democráticos da Europa – lê-se no programa da manhã – a democracia, os direitos humanos e o estado de direito são administração ordinária. Em tempos normais, o direito à liberdade de religião ou crença é um dado adquirido pela maioria das pessoas na Europa. Durante a pandemia, os governos europeus reagiram de várias maneiras, limitando o direito à liberdade de religião ou crença. Algumas tradições, como a ortodoxa (relativa à prática milenar da "colher compartilhada" para receber a comunhão), levantaram questões sobre se a comunhão é uma fonte de saúde ou doença. Em algumas tradições protestantes, a adaptação a novas formas de culto tem se mostrado difícil”. Em 3 webinars, diferentes igrejas do CEC apresentarão suas experiências e reações, em relação à liberdade de religião ou crença, e como vários países europeus tentaram derrogar as normas de direitos humanos, para investigar as consequências. O pároco da EKD moderará o debate Patrick Schnabel com Kieryn Wurtsda Federação Batista Europeia (EBF). Além do pastor Luca Negro, que participará pela Itália, estará presente o pastor Christian KriegerPresidente do CEC, da França; Emanuel-Pavel Tavala Da Romênia; o bispo da Igreja Evangélica Católica Apostólica Lusitana de Portugal Jorge Pina CabralPresidente do Conselho Português das Igrejas Cristãs (COPIC), o pároco Daniel Topalskida Igreja Metodista Unida na Bulgária. A Escola de Verão CEC sobre Direitos Humanos ocorre em um local europeu diferente a cada ano. Este ano decorrerá em modo online devido à pandemia de covid-19. Esta escola de verão é implementada com contribuições das igrejas membros do CEC e apoiada pela Arquidiocese Ortodoxa Grega de Tiateira e Grã-Bretanha. Baixe o programa completo aqui: ...

Ler artigo
Jovens transexuais, suas vidas importam

Jovens transexuais, suas vidas importam

Karollyne Hubert, antisplash Roma (NEV), 13 de março de 2023 – O bem-estar dos jovens transgêneros e não-binários é importante. Isso foi sublinhado pela Igreja Unida de Cristo (UCC), manifestando-se a respeito de inúmeras medidas atualmente em discussão em vários estados dos EUA. No início de março, de acordo com a igreja, “385 projetos de lei anti-LGBTQ foram apresentados, incluindo 108 destinados a acabar com os cuidados de saúde de afirmação de gênero para jovens trans e não binários. Isso coloca em risco mais de 54.000 jovens trans que estão assumindo ativamente cuidados médicos que salvam vidas – as leis mais anti-LGBTQ já introduzidas em uma única temporada legislativa. A Conferência Indiana-Kentucky UCC, que sediará o Sínodo Geral em junho, segue especificamente 20 projetos de lei anti-LGBTQ. Que a UCC define como "tentativas violentas de interromper o florescimento da criação de Deus". A juventude trans, continua o site da igreja, “são membros sagrados de nossa família coletiva. Agora, mais do que nunca, a juventude trans precisa de nós. E, neste momento, nossa resposta cristocêntrica só pode ser retornar à abundância que o próprio Deus nos dá para florescer. Aos jovens trans e não binários, “saibam que a Igreja Unida de Cristo atua em solidariedade a vocês”, continua o texto. No portal encontram-se também várias formas e sugestões para atuar diretamente, mobilizar e fazer ouvir a sua voz. Por exemplo, enviando uma mensagem aos representantes do Congresso ou organizando eventos de conscientização.“Podemos agir com amor, graça e justiça por nossos irmãos e irmãs trans e não binários”, conclui o UCC. Para saber mais: ACLU (União Americana pelas Liberdades Civis) Tempo REFO Rede Evangélica fé e homossexualidade ...

Ler artigo
todas as tramas dos filmes em competição

todas as tramas dos filmes em competição

A entrada do Cinema Trevi em Roma, em vicolo del Puttarello Roma (NEV), 7 de dezembro de 2018 – A XXII edição do Tertio Millennio Film Fest (TMFF), o festival de cinema do diálogo inter-religioso, abre na terça-feira, 11 de dezembro, em Roma. Muitos filmes e eventos colaterais estão programados até 15 de dezembro, dia da entrega do prêmio por um júri inter-religioso, que reúne representantes do cristianismo (protestante, católico e ortodoxo), judaísmo e islamismo. São 9 filmes em competição, dos quais apresentamos os enredos abaixo. A cerimônia de premiação do filme vencedor será realizada no sábado, dia 15, às 17h30, no Cinema Trevi. Os dias e horários das exibições também estão indicados abaixo, que sempre será realizado no Cinema Trevi no vicolo del Puttarello 25. A entrada é gratuita com reservas sujeitas a disponibilidade. Informações e reservas: 06 96519200 – [email protected] Para o catálogo completo de todos os filmes em cartaz, clique aqui. Um pássaro azul no coração, de Jérémie Guez. Drama, Bélgica, França; 2018 – 85' (quinta-feira, 13, às 15h) Danny é um homem em liberdade condicional tentando reconstruir uma vida honesta e mora em um motel administrado por uma mãe solteira. A filha Clara, uma menina que cresceu sem o pai preso, frequenta um traficante. Nasce entre Clara e Danny um laço de amizade que levará o homem a vingar uma violência sofrida pela jovem, marcando ambos para sempre. Dayan, de Behrouz Noorani Pour. Drama, Irã; 2018 – 81' (quarta-feira, 12, às 17h30) A atmosfera apocalíptica de estupros, inocentes executados, violência, abuso e tráfico de órgãos, em uma paisagem distópica, lunar, feroz e surreal. Em vez disso, é um hiper-realismo cru e desesperado, que denuncia o que pode acontecer aos refugiados curdos na fronteira entre a Turquia, a Síria e o Curdistão iraquiano, imediatamente após o início da guerra. Duvidoso, de Eliran Elya. Teatro, Israel; 2017 – 88' (quinta-feira, 13, às 17h) Um diretor um tanto indeciso ensina a fazer vídeos para um grupo de crianças em prisão domiciliar. Será difícil enfrentar as provocações, desestabilizar a desconfiança e encontrar uma oportunidade de redenção. A autonarrativa e a partilha com os outros trarão amizade e ilusões, mas trarão à tona toda a fragilidade e drama da vida à margem. Baseado em uma história real. Fatwa, de Mahmoud Ben Mahmoud. Drama, Tunísia, Bélgica; 2018 – 102' (quinta-feira, 13, às 21h) Brahim retorna da Europa para a Tunísia para o funeral de seu filho Marouane, que morreu em um misterioso acidente. Na tentativa de reconstruir os últimos dias de vida do menino e as memórias de um relacionamento há muito perdido, o homem é dilacerado pelos conflitos culturais, familiares e religiosos que pensava ter deixado para trás. A interação com duas mulheres aparentemente opostas traz à tona verdades desconfortáveis. O céu sem gente, de Lucien Bourjeily. Drama, Líbano; 2017 – 90' (sexta-feira 14h00 às 15h00) Um almoço no Líbano durante a Páscoa. Os membros da família de Josephine finalmente se reuniram depois de muito tempo; cada um com sua própria história, suas ideias políticas e religiosas, seus segredos. Uma descoberta surpreendente desperta velhos e novos desentendimentos que trazem à tona o pior de cada um. Mal-entendidos e conflitos parecem insolúveis. Em As Garras de um Século Querendo, de Jewel Maranan. Documentário, Filipinas; 2017 – 120' (quarta-feira, 12, às 15h) Documentário filmado nas Filipinas, no distrito de Tondo. favelas do porto de Manila. Um programa do governo intervém com demolições e realocações para abrir espaço para atividades comerciais. Famílias, crianças, homens e mulheres vivem, sobrevivem, trabalham, cozinham, adoecem, curam, discutem entre lixo, chapas e mercadorias, na fronteira contraditória entre a lentidão e o caos. Kairós, de Paul Barakat. Drama, Austrália; 2018 – 87' (quinta-feira, 13, às 19h) Danny é um Down boy, ex-campeão de ginástica artística, que limpa a academia de boxe de John, um treinador em busca de uma redenção humana e esportiva. Um segredo irá prendê-los, enquanto Danny iniciará sua jornada pessoal de consciência, afundando no fogo do "Kairos", dimensão do "momento supremo", o aqui e agora onde tomar decisões extremas. Lysis, de Rick Ostermann. Teatro, Alemanha; 2018 – 91' (terça-feira, 11, às 15h) A viagem catártica de pai e filho que, após a morte da mãe, tentam recuperar uma relação e memória indescritíveis. Entre riachos de montanha e bosques remotos, as divergências de objetivos, linguagens e intenções são cada vez mais prementes. Dois atores, numa improvisação narrativa, interpretam a hostilidade e a dor numa viagem real, registada por três câmaras, duas das quais subjetivas. Fortaleza Mãe, de Maria Luisa Forenza. Documentário, Itália, Síria; 2018 – 78' Documentário, rodado entre 2014 e 2017 à beira da guerra na Síria, conta tanto a "fortaleza mãe", o Mosteiro de São Tiago mutilado em Qarah na Síria, quanto a "fortaleza mãe", madre Agnes, que com os monges e freiras carmelitas de diferentes origens levam ajuda moral e material à população civil ainda sitiada pela guerra e pelos escombros. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.