Montagem CEC.  Testemunhas de reconciliação ao longo das pontes do Danúbio

Montagem CEC. Testemunhas de reconciliação ao longo das pontes do Danúbio

A procissão ao longo do Danúbio com o memorial do massacre de 1942. Foto CEC.

Novi Sad (NEV), 4 de junho de 2018 – Uma longa procissão nas margens do Danúbio entre as pontes Varadinsky E Žeželj para comemorar todos aqueles que sofreram as atrocidades da violência e da guerra. Assim, ontem à noite, 3 de junho, em Novi Sad (Sérvia), os mais de 400 participantes da Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) quiseram oferecer seu testemunho de paz e amizade.

Foto CEC.

Um momento de oração, canções e reflexão que teve a sua primeira paragem no memorial às vítimas da incursão levada a cabo em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, pelas forças de ocupação húngaras que vitimaram 1.245 pessoas – entre as quais mais de 800 judeus – lançando o cadáveres no Danúbio.

“CEC acredita na reconciliação entre pessoas e culturas – disse o bispo anglicano Christopher Hill, presidente cessante do CEC -. E hoje isso inclui não só a complexidade de uma Europa ecumênica, mas também inter-religiosa, e onde pessoas de fé e pessoas que não professam nenhuma fé religiosa podem falar umas com as outras”.

Foto CEC.

A procissão continuou passando sob a ponte Varadinski para chegar à ponte Žeželj, ambas bombardeadas pelos bombardeios da OTAN de 1999 e depois reconstruídas em 2000, a primeira, e só este ano, a segunda.

No final da procissão, quatro “árvores da justiça” foram plantadas nos jardins perto da ponte Žeželj como sinal de esperança de reconciliação.

Esta é a oração pronunciada: “Como um grande rio você nos alimenta, você nos transforma em solo fértil para nos tornarmos árvores de justiça que oferecem sombra e refrigério e dão frutos. E o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio (Gálatas 5)”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

30 anos depois de Basel, os milagres de então e os de hoje

30 anos depois de Basel, os milagres de então e os de hoje

Marica das três nações, a partida no Lungo Reno Roma (NEV/Riforma.it) 14 de junho de 2019 – Continua a memória e o relançamento do espírito de Basileia 1989, da primeira Assembleia Ecumênica Europeia, poucos meses antes da queda do Muro de Berlim e da crise da União Soviética para inspirar o trabalho e os pensamentos de muitas mulheres e homens de fé. Como lembrou o pároco no programa de rádio Culto Evangélico Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) “Em 15 de maio de 1989 foi aberta a primeira Assembléia Ecumênica Européia, sobre o tema 'Paz na justiça', inspirada no Salmo 85: 'Justiça e paz se abraçarão'. Pela primeira vez em séculos - desde os tempos do Grande Cisma entre o Oriente e o Ocidente (1054) e a Reforma Protestante - mais de 600 delegados oficiais das três principais denominações cristãs - ortodoxos, católicos e protestantes - reuniram-se para uma assembléia comum. Mas foi também a primeira vez que se reuniram cristãos de todos os países da Europa”. Uma passagem chave, portanto, também lembrada pelo seguinte texto de Otto Schäfer pastor da Igreja Protestante Unida da França e responsável pelas questões teológicas e éticas da Federação das Igrejas Protestantes da Suíça. Para o site da CLCC, a comunidade de trabalho das igrejas cristãs na Suíça, um local de planejamento e colaboração ecumênica dentro das igrejas suíças: “O milagre de Pentecostes se repete ano após ano. O mesmo Espírito sopra sobre nós, em nossas igrejas, grandes e pequenas. Fazemos parte da mesma família e todos juntos fazemos parte do mundo: o Espírito de Deus age por sua vez no mundo. Um duplo milagre ganha vida no Pentecostes. Em um mundo polarizado, nos aproximamos uns dos outros. E em comunidades e paróquias que podem cuidar de si mesmas, somos enviados ao mundo. No Pentecostes de 1989, em Basel, durante o primeiro encontro ecumênico europeu, este duplo milagre foi sentido intensamente. As convulsões na Europa Central e Oriental abalaram um continente até então dividido. Claro, a Suíça em particular nunca esqueceu completamente a grande Europa, aquela que se estende até os Urais e o Cáucaso. Mas nunca esta visão foi tão visível como comunhão eclesial como em Basileia, no Pentecostes de 1989. Muitas irmãs e irmãos da Europa Central e Oriental participaram ativamente do evento de Basel. Pertencemos à mesma família, experimentamos isso rezando, cantando, celebrando, ouvindo a Palavra, compartilhando tantos dons e talentos diferentes. Esses momentos nos deixam gratos e esperançosos. Ficarão em nossas memórias por toda a vida. Este é o primeiro milagre, um milagre eclesial, no Pentecostes de 1989 em Basileia: uma Igreja de toda a Europa, aberta ao mundo além-fronteiras, animada e unida pelo Espírito. O outro milagre foi, e ainda é, a mudança política e social geralmente pacífica na Europa. O que seis meses depois se tornou realidade em muitos países, ou seja, uma revolução pacífica, já se fazia sentir no Pentecostes de 1989. Com muita esperança e não menos medo: parecia impossível quebrar o equilíbrio do terror sob a ameaça de armas de destruição em massa em ambos os lados, parecia impossível chegar a uma situação de normalidade sem sacrifício ou destruição. O fato de que as coisas poderiam ter tomado um rumo pacífico nunca foi previsto. Foi um milagre e ainda é hoje. Nunca será suficientemente lembrado o milagre político de 1989, que se opôs e ainda se opõe ao 'curso das coisas', como acontece com o Espírito de Pentecostes. Devemos a ele este milagre, e não apenas isso, e pode ser visto hoje onde homens e mulheres envolvidos na Igreja trabalham como construtores de paz. A decepção e a desilusão não esperaram 30 anos para aparecer. Conflitos, velhos e novos, injustiças, velhos e novos, a crescente desintegração de um mundo cada vez mais inquieto deixam seus rastros na consciência pública. A Europa está mancando, as igrejas na Europa estão mancando. O ecumenismo dobrou suas asas largas, parece caminhar, com os pés doloridos, por caminhos pedregosos. No entanto, o ecumenismo é a tela que pintamos e que fica gravada em nossas mentes. O duplo milagre de Pentecostes em Basel em 1989 parece muitas vezes deixado de lado. Mas podemos revogar um milagre? Onde o milagre acontece, ele pede uma lembrança agradecida e um novo começo, com coragem. Para uma vida inspirada pelos milagres de Deus: 'Contarei todas as tuas maravilhas', reza o salmista. De novo e de novo … As sensibilidades também mudam com o tempo; vejamos hoje a maravilhosa encíclica Laudato Si, 26 anos após a manifestação de 1989. É inegável a influência do primeiro encontro ecumênico sobre este texto, com seu ensinamento sobre a Terra como casa comum. Podemos ver quão perspicaz foi a Assembléia Ecumênica de Pentecostes de 1989 ao tornar a mudança climática causada pelo homem uma questão importante, em colaboração com a European Physical Society. Em muitas igrejas, o impulso daqueles dias é implementado diariamente. Claro que o diabo está sempre aninhado nos detalhes, segundo uma bela expressão da língua alemã usada para evocar as dificuldades encontradas na realização dos próprios projetos. Mas o Espírito perseguindo o diabo e quebrando os círculos viciosos não conta mais? E o espírito daquela época continua. Assim como os Atos dos Apóstolos continuam depois de Pentecostes. O Pentecostes é mencionado nos capítulos 2, 26 e seguintes – com maravilhosas descobertas, corajosas reconciliações, difusão da Boa Nova e crescimento da jovem Igreja. Mas também com contratempos, cativeiro, terremoto, naufrágio. Seguimos os outros capítulos da história do milagre de Pentecostes de 1989 em Basel: 'Paz e justiça para toda a criação'. Vamos escrever juntos: o Espírito guia nossa pena”. ...

Ler artigo
Vinte Anos do Artigo 21 – Nev

Vinte Anos do Artigo 21 – Nev

foto não salpicada Roma (NEV/Riforma.it), 4 de julho de 2022 – A noite Article21 será realizada hoje, 4 de julho, em Roma, na Casa Internazionale delle Donne, para celebrar os primeiros vinte anos da associação que reúne jornalistas, escritores, diretores, juristas para promover o princípio da liberdade de expressão. “Um momento compartilhado com muitos amigos para repassar as muitas batalhas e iniciativas em defesa da liberdade de expressão na Itália e no mundo” e para discutir os compromissos atuais e futuros. Vamos comemorar juntos #20anosArt21 no@CasaIntDonne_Rm na via della Lungara 19 a #Roma.Para inscrições tem ativo o IBAN IT19D0335901600100000106255, registado na associação #Item21Via Adolfo Ravà, 106 – 00142 Roma. Esperamos que muitos de vocês venham! — article21.info (@Artventuno) 3 de julho de 2022 “Vinte anos e tantas coisas por dizer, caminhos por percorrer – continua no site do Artigo 21, livre para… –, ideias para pôr em circulação e ideais para defender. O Artigo 21 entra em seu auge e relança os temas que caracterizam o negócio desde o primeiro dia. Ou seja, aquela “fixação” pela liberdade de expressão que, no entanto, não coincide com “sinal verde para os insultos”. De 2002 até hoje muitas coisas aconteceram ao nosso redor, dentro de nós, graças a nós ou apesar de nós, a Associação Artigo 21 cresceu graças à contribuição e atenção de um mundo que não coincide com o dos jornalistas e que tem ajudou-nos a iluminar as periferias geográficas, sociais, econômicas e a contar o que muitos não quiseram ver ou contar na Itália e no mundo. Por isso, o aniversário do Artigo 21 (que foi precisamente no último dia 27 de fevereiro) foi uma longa comemoração, estendida aos círculos regionais e com a presença de associações, órgãos, universidades, fundações e colaboradores, parte de uma grande família que sulca a liberdade e o respeito para o outro. "Os vinte anos do Artigo 21 celebrados oficialmente no dia 4 de julho não serão uma ocasião meramente simbólica - especifica o porta-voz nacional Elisa Maríncola –. Com a memória deste longo e intenso período juntos e com cada uma das iniciativas nacionais e sobretudo locais, pretendemos relançar as campanhas que temos promovido, partilhado com outras realidades e que continuamos a relançar porque a emergência democrática não parece terminam na Itália e no mundo, e a implementação dos princípios constitucionais ainda requer uma longa jornada e o compromisso de todos nós por muito tempo”. Artigo 21 "nunca sofreu de ciúmes de siglas e organização, nunca aspirou ser" o primeiro ", melhor ser o último - escreve Joseph Giulietti, um dos fundadores e ainda mentor do Artigo 21 sobre Liberdade e Justiça – mas chegando à linha de chegada junto com as tantas diversidades e diferenças, sem as quais haveria apenas o coro de pensamento único. Então, quando tivemos que defender a Constituição e nos opor às mordaças, junto com a Federação Nacional da Imprensa, decidimos reunir todos na Piazza del Popolo em Roma, sem bandeiras partidárias, sem espírito corporativo, todos unidos atrás de uma enorme bandeira tricolor e com a Constituição em mãos”. Eles estarão presentes para a Federação das Igrejas Evangélicas na Itália Gian Mario Gillio da Reforma e porta-voz do Círculo Piemonte do Artigo 21 (gerente de relações externas da Fcei e diretor-gerente da agência de imprensa Nev), Cláudio Paravatidiretor do Confronti e apresentador da coluna Rai3 Protestantismo. ...

Ler artigo
“Desejo de reiniciar” e inovação digital

“Desejo de reiniciar” e inovação digital

foto CELI Roma (NEV CS/43), 12 de outubro de 2020 - Concluiu-se em Roma a primeira sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), na qual se renovaram os dirigentes e se tomaram algumas decisões importantes para o futuro . Todos os trabalhos foram realizados respeitando as normas anti-covid vigentes. “O desejo de recomeçar” é a mensagem que sai da reunião sinodal de 9 a 11 de outubro na capital. O sínodo elegeu um novo Bureau e os três membros leigos do Consistório. O cumprimento das normas anticontágio não impediu que os membros do Sínodo se regozijassem com esta oportunidade de se encontrarem face a face. Os luteranos escrevem: “Uma demonstração concreta de que é possível viver a dimensão eclesial e participativa em segurança, ainda que com uma série de apostas, e em todo caso um sinal positivo de recomeço”. Wolfgang Prader acontece com Georg Schedereit como presidente do Sínodo, apoiado por Ingrid Pfrommertesoureiro cessante do CELI. Christine Fettig E Jens Ferstlque assume o cargo de tesoureiro, são dois dos três membros eleitos para o consistório. Cordelia Vitiellovice-presidente do Consistório e representante legal do CELI, foi reconfirmada em seu cargo. "Concluídas todas as votações, uma parte substancial do segundo dia de trabalhos do Sínodo foi utilizada para a aprovação do orçamento de 2020 e para a discussão de algumas moções importantes para o futuro do CELI, tudo como sempre de forma muito forma participativa – declarou o CELI –, às vezes até com uma dialética acalorada, mas sempre visando encontrar um ponto de equilíbrio. Entre outras coisas, as modalidades para promover o estudo da Teologia Evangélica na Itália foram acordadas para o estabelecimento de um corpo pastoral do CELI. Uma comissão também foi encarregada de identificar métodos e formatos adequados para uma futura plataforma digital. Por um lado, conectar ainda melhor as 15 comunidades do CELI e, graças à experiência do confinamento, oferecer uma forma digital de vivenciar a igreja e a comunidade; por outro lado, para permitir o acesso não vinculativo a conteúdos espirituais e religiosos a pessoas interessadas fora da igreja. Vozes do Sínodo (fonte: CELI) o reitor Heiner Bludau O resultado deste Sínodo, com sua agenda quase “minimalista” para economizar tempo e garantir segurança, superou em muito minhas expectativas. E por isso sou muito grata a Deus! Em suma, não foi apenas um Sínodo que foi de alguma forma “forçado” devido a prazos iminentes, como a aprovação do orçamento de 2020 e a eleição da Presidência do Sínodo e dos leigos do Consistório. Acredito que a oportunidade de termos podido nos encontrar pessoalmente nos permitiu discutir e tomar decisões inovadoras para o futuro e que são muito importantes, principalmente na situação delicada que (novamente) vivemos. O presidente do Sínodo Wolfgang Prader Estou muito feliz que no final foi possível aproveitar a oportunidade de um Sínodo presencial e gostaria de agradecer a todos os participantes por aderirem com grande disciplina às medidas de segurança prescritas, com a obrigação de cobrir a boca e o nariz com a máscara FFP 2 e manter distância. É assim: a troca e o debate acontecem melhor presencialmente do que online. Dados os últimos desenvolvimentos da pandemia, em breve começaremos a avaliar as condições gerais para o próximo Sínodo em abril de 2021, a fim de estarmos prontos para realizá-lo presencialmente ou online, dependendo da situação. O vice-presidente do Consistório Cordelia Vitiello Apesar deste momento de grande dificuldade e incerteza conseguimos desenvolver novas ideias. Tenho percebido uma grande vontade de levar a igreja adiante de forma proativa, moderna e atualizada no que diz respeito à sua missão e aos seus valores. Um sopro positivo de novidade que não era nada óbvio diante das difíceis experiências dos últimos meses. Para mais informações clique aqui. www.chiesaluterana.it – [email protected] – Chefe de Comunicação CELI/ Kommunikations-Beauftragte ELKI: Nicole Dominique Steiner – Mob. +39 335 7053215 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.