Secretariado para atividades ecumênicas.  Do machismo ao plural humano

Secretariado para atividades ecumênicas. Do machismo ao plural humano

A cruz feita com madeira de barcos naufragados em Lampedusa – foto de Laura Caffagnini

Roma (NEV), 27 de julho de 2023 – A 59ª sessão de formação ecumênica da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) intitulada “Igrejas inclusivas para novas mulheres e novos homens”, em andamento em Assis, termina no sábado, 29 de julho.

Entre as muitas intervenções que se seguiram, a de linguagem não sexista, uma meditação judaica sobre o Deus masculino-feminino e o painel sobre “Seres humanos plurais, entre a Escritura e o hoje”.

Destes últimos, reportamos parte do relatório editado por Laura Caffagnini. Em particular, retomamos o pensamento de Ilenya Gosspastor valdense, teólogo, filósofo e médico, além de Coordenador da Comissão de Bioética das igrejas Batista, Metodista e Valdense sobre as questões éticas colocadas pela ciência à fé.

“Ilenya Goss propôs uma nova hermenêutica capaz de captar no texto bíblico o entrelaçamento de diferentes vozes, mas também as vozes das mulheres. E destacar sem pretensão que o horizonte cultural traçado pelo texto bíblico é patriarcal, sua matriz cultural é um machismo básico, o que dificulta, portanto, fazer emergir outras vozes e outras perspectivas – escreve Caffagnini -. O teólogo fez uma exegese aprofundada de alguns versículos dos dois primeiros capítulos do Gênesis […]. Em Gênesis 1 aparecem as palavras imagem e semelhança e adão como ser humano ‘macho e fêmea’, enquanto a partir do capítulo 2 esta palavra, que lembra os elementos terra e sangue, desliza para um sinônimo de ser humano masculino, Adão, que tem uma derivada, Eva.

O humano plural painel – SAE 2023 – foto Laura Caffagnini
O teólogo lançou mão de uma hermenêutica que permite também que o sentido surja dos contrastes e lançou sugestões sobre as palavras imagem, o que emerge da própria criação – e semelhança, entendida mais como um devir. O ser humano criado à imagem é chamado a realizar a semelhança.

No centro da discussão, ele explicou, está o relacionamento. «O ser humano à imagem de Deus é o ser ontologicamente relacional. No princípio é a relação, mas na sua forma harmoniosa deve concretizar-se tornando-se também semelhança. Entre Gênesis 1 e 2 a relação parece falhar: Adão nomeia Eva, mas ela não fala. A relação inscrita no ser humano está sempre exposta ao fracasso. Ele fala dela e a conhece como sua propriedade. A expressão ‘Desta vez é carne da minha carne’ pode ser lida de duas formas antitéticas: positivamente as palavras do homem que reconhece sua contraparte, ou uma visão do homem que vê a mulher como algo assimilável, não percebida como algo a ser ‘na frente’, como diz a Escritura, isto é, um limite”.

Referindo o discurso ao Novo Testamento, Goss observa que na carta aos Gálatas (3,27-28) Paulo de Tarso não está anulando a diferença em um unicum indiferenciado, mas está dizendo que não há mais elementos discriminantes que geram uma luta de poder e um dispositivo que estabelece que algo é assim por natureza e impõe proibições. Fazendo eco às palavras do subtítulo da sessão Sae – «Construídos juntamente para habitação de Deus (Ef 2,22)» – deparamo-nos com uma humanidade plural em todas as formas de diferenciação”.

Entre hoje e amanhã a sessão da SAE aborda os temas encontro, diálogo, ética libertadora e justiça de gênero. No último dia, sábado, realiza-se a oração final e a meditação bíblica a partir das 8h30; seguido do painel “Por um futuro diferente” com o arcebispo de Catânia Luigi Renna e o pastor e teólogo valdense Letizia Tomassone; finalmente as conclusões com Erica Sfredda E Simone Morandin.

Para ler todos os comunicados de imprensa e ver o programa e a galeria de fotos clique aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Histórias sem fim.  O podcast.  Quaresma ou Tempo da Paixão?

Histórias sem fim. O podcast. Quaresma ou Tempo da Paixão?

Foto Sam Bloom - Unsplash Roma (NEV), 17 de março de 2021 – Este episódio do podcast "NEVerending stories", o podcast da agência de notícias NEV, é dedicado ao tempo da paixão, o período de espera pela Páscoa que na tradição cristã também é chamado " Quaresma". Por que as igrejas protestantes preferem chamar esse período litúrgico de "Tempo da Paixão"? Conversamos sobre isso com o pastor Luke Elderscom o reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália, Heiner Bludau e com Maria Elena Lacquanitida Comissão de Globalização e Meio Ambiente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. ...

Ler artigo
Fé é resistência à opressão.  Seminário do Instituto Global de Teologia

Fé é resistência à opressão. Seminário do Instituto Global de Teologia

Roma (NEV), 4 de janeiro de 2020 – Vivendo juntos e aprendendo como uma comunidade global. Com esse intuito, o Global Institute of Theology (GIT), programa da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), reunirá jovens de todo o mundo no Union Theological Seminary em Dasmariñas, Filipinas, de 15 a junho 29 de 2020. É uma oportunidade única, ecumênica e teológica, mas também de encontro e intercâmbio. Há tempo até 15 de janeiro para requerer a inscrição nesta nomeação, que se intitula “Agitar a Palavra”, isto é, perturbar, bagunçar a Palavra. “Vários conflitos do século 21 têm uma dimensão religiosa. Em muitas partes do mundo estamos testemunhando o nascimento do autoritarismo. O 'sagrado' foi politizado e explorado para justificar a exclusão e a violência. Nenhuma das principais religiões do mundo parece estar imune a essa tendência. A religião politizada revigora as estruturas de poder tradicionais e legitima a opressão das mulheres e das minorias vulneráveis. A religião é utilizada para constituir fronteiras intransponíveis para quem é percebido como o outro, seja ela racial, étnica, cultural ou moral”, explicam os organizadores do seminário mundial. A intenção é explorar o potencial da tradição cristã como elemento capaz de “perturbar essas estruturas de poder”. De fato, em muitos desses conflitos as pessoas encontram inspiração no testemunho bíblico. Num mundo cheio de injustiças e inimizades, muitos são inspirados por Deus, e especialmente pelo Deus dos últimos, dos pobres e oprimidos (Confissão de Belhar). A história da Igreja está repleta de exemplos onde a fé no Deus da justiça garantiu a resistência às estruturas de opressão dos excluídos e explorados. A teologia, explicam os organizadores, pode fornecer a linguagem para recolocar o poder nas margens: conforta e tranquiliza os marginalizados, fornece as ferramentas para a crítica radical e dá visão de uma vida plena (João 10:10) que supera a exclusão, exploração e violência. O GIT 2017. Foto CMCR O GIT tem entre seus objetivos específicos o de construir uma comunidade global de aprendizado e fé com abordagens bíblicas e teológicas contemporâneas, em uma dimensão inter-religiosa, intercultural e inter-religiosa ao mesmo tempo. Sua perspectiva é cristã reformada, envolvendo estudantes e professores de teologia, obreiros da igreja, instituições teológicas e comunidades. Estudantes e pastores ou teólogos em início de ministério de todos os continentes, pessoas que se preparam para o ministério cristão em uma escola teológica vinculada a uma igreja membro da CMCR ou recém-formados em teologia que pretendem continuar podem se inscrever para o seminário global. em seus primeiros anos de ministério recomendado pelas igrejas-membro. Entre os temas abordados pelo GIT estão: injustiça econômica, destruição ambiental, justiça de gênero, solidariedade inter-religiosa, renovação espiritual, inclusão e aceitação nas igrejas e unidade cristã. As inscrições completas para o GIT devem ser enviadas até 15 de janeiro de 2020. As admissões serão comunicadas pela comissão examinadora em meados de fevereiro de 2020. Todos os detalhes logísticos (inscrições, documentos necessários, passagens, vistos) serão acordados e comunicados após a admissão. Para mais informações, clique aqui. ...

Ler artigo
Apelo histórico católico-ortodoxo-anglicano pelo futuro do planeta

Apelo histórico católico-ortodoxo-anglicano pelo futuro do planeta

Foto Albin Hillert/CEC Roma (NEV), 9 de setembro de 2021 – Pela primeira vez na história, o papa Franciscoo Patriarca Ecumênico Bartolomeu e o Arcebispo Anglicano de Canterbury Justin Welby assinar uma declaração conjunta pedindo às pessoas que cuidem do futuro do planeta. Os líderes da Igreja Católica Romana, da Igreja Ortodoxa Oriental e da Comunhão Anglicana lembram a urgência da sustentabilidade ambiental, seu impacto na pobreza e a importância da cooperação global. No apelo, o Papa Francisco, o Patriarca Ecumênico Bartolomeu e o Arcebispo Justin Welby exortam todos a fazerem sua parte na escolha da vida para o futuro do planeta. Os líderes cristãos estão convidando as pessoas a orar durante esta temporada litúrgica conhecida como a "Tempo da Criação" para os líderes mundiais antes da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP26) em novembro. A declaração diz: "Pedimos a todos, seja qual for sua fé ou visão de mundo, que se esforcem para ouvir o clamor da terra e de seus pobres, examinando seu comportamento e fazendo sacrifícios significativos pelo bem da terra que Deus nos deu. ." O comunicado conjunto faz um claro alerta: “Hoje estamos pagando o preço… amanhã pode ser pior – e conclui -: Este é um momento crítico. O futuro dos nossos filhos e o futuro da nossa casa comum dependem disso”. Os três líderes cristãos se manifestam contra a injustiça e a desigualdade, dizendo: "Estamos diante de um julgamento severo: a perda da biodiversidade, a degradação ambiental e a mudança climática são as consequências inevitáveis ​​de nossas ações, já que consumimos avidamente mais recursos do que o planeta pode aguentar. Mas também enfrentamos outra injustiça profunda: as pessoas que sofrem as consequências mais catastróficas desses abusos são as mais pobres do planeta e foram as menos responsáveis ​​por provocá-los”. A declaração apela não só à oração, mas também ao trabalho conjunto para um uso responsável dos recursos, colocando as pessoas antes dos lucros e orientando a transição para um sistema justo e economicamente sustentável. Leia o declaração conjunta ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.