Secretariado para atividades ecumênicas.  Do machismo ao plural humano

Secretariado para atividades ecumênicas. Do machismo ao plural humano

A cruz feita com madeira de barcos naufragados em Lampedusa – foto de Laura Caffagnini

Roma (NEV), 27 de julho de 2023 – A 59ª sessão de formação ecumênica da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) intitulada “Igrejas inclusivas para novas mulheres e novos homens”, em andamento em Assis, termina no sábado, 29 de julho.

Entre as muitas intervenções que se seguiram, a de linguagem não sexista, uma meditação judaica sobre o Deus masculino-feminino e o painel sobre “Seres humanos plurais, entre a Escritura e o hoje”.

Destes últimos, reportamos parte do relatório editado por Laura Caffagnini. Em particular, retomamos o pensamento de Ilenya Gosspastor valdense, teólogo, filósofo e médico, além de Coordenador da Comissão de Bioética das igrejas Batista, Metodista e Valdense sobre as questões éticas colocadas pela ciência à fé.

“Ilenya Goss propôs uma nova hermenêutica capaz de captar no texto bíblico o entrelaçamento de diferentes vozes, mas também as vozes das mulheres. E destacar sem pretensão que o horizonte cultural traçado pelo texto bíblico é patriarcal, sua matriz cultural é um machismo básico, o que dificulta, portanto, fazer emergir outras vozes e outras perspectivas – escreve Caffagnini -. O teólogo fez uma exegese aprofundada de alguns versículos dos dois primeiros capítulos do Gênesis […]. Em Gênesis 1 aparecem as palavras imagem e semelhança e adão como ser humano ‘macho e fêmea’, enquanto a partir do capítulo 2 esta palavra, que lembra os elementos terra e sangue, desliza para um sinônimo de ser humano masculino, Adão, que tem uma derivada, Eva.

O humano plural painel – SAE 2023 – foto Laura Caffagnini
O teólogo lançou mão de uma hermenêutica que permite também que o sentido surja dos contrastes e lançou sugestões sobre as palavras imagem, o que emerge da própria criação – e semelhança, entendida mais como um devir. O ser humano criado à imagem é chamado a realizar a semelhança.

No centro da discussão, ele explicou, está o relacionamento. «O ser humano à imagem de Deus é o ser ontologicamente relacional. No princípio é a relação, mas na sua forma harmoniosa deve concretizar-se tornando-se também semelhança. Entre Gênesis 1 e 2 a relação parece falhar: Adão nomeia Eva, mas ela não fala. A relação inscrita no ser humano está sempre exposta ao fracasso. Ele fala dela e a conhece como sua propriedade. A expressão ‘Desta vez é carne da minha carne’ pode ser lida de duas formas antitéticas: positivamente as palavras do homem que reconhece sua contraparte, ou uma visão do homem que vê a mulher como algo assimilável, não percebida como algo a ser ‘na frente’, como diz a Escritura, isto é, um limite”.

Referindo o discurso ao Novo Testamento, Goss observa que na carta aos Gálatas (3,27-28) Paulo de Tarso não está anulando a diferença em um unicum indiferenciado, mas está dizendo que não há mais elementos discriminantes que geram uma luta de poder e um dispositivo que estabelece que algo é assim por natureza e impõe proibições. Fazendo eco às palavras do subtítulo da sessão Sae – «Construídos juntamente para habitação de Deus (Ef 2,22)» – deparamo-nos com uma humanidade plural em todas as formas de diferenciação”.

Entre hoje e amanhã a sessão da SAE aborda os temas encontro, diálogo, ética libertadora e justiça de gênero. No último dia, sábado, realiza-se a oração final e a meditação bíblica a partir das 8h30; seguido do painel “Por um futuro diferente” com o arcebispo de Catânia Luigi Renna e o pastor e teólogo valdense Letizia Tomassone; finalmente as conclusões com Erica Sfredda E Simone Morandin.

Para ler todos os comunicados de imprensa e ver o programa e a galeria de fotos clique aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Par ou ímpar?  Uma questão de gênero.  19 de agosto com a Diaconia

Par ou ímpar? Uma questão de gênero. 19 de agosto com a Diaconia

Roma (NEV), 10 de agosto de 2023 - Está tudo pronto para a 15ª edição do "Frontiere Diaconali", evento organizado anualmente pela Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD-Waldensian Diaconia) na véspera da abertura do Sínodo dos Metodistas e igrejas valdenses. O título do evento deste ano é “Par ou Ímpar? Uma questão de gênero”. O tema foi escolhido, escrevem os organizadores, “à luz da recente aquisição de Certificação UNI/PdR 125”, a certificação sobre igualdade de gênero. Este importante reconhecimento diz respeito ao compromisso com a inclusão e o empoderamento feminino no ambiente de trabalho. Esta é a norma nacional dedicada à igualdade de género, em cumprimento das indicações da União Europeia. Para a diaconia valdense, a igualdade de gênero é um tema “muito atual, com particular atenção à sua decadência no mundo do trabalho”. Encontro, portanto, para sábado, 19 de agosto, às 17h15, no templo valdense de Torre Pellice, na província de Turim. Plano Saudações introdutórias do Presidente da Diaconia Valdense, pároco Francisco Sciotto Mensagem da Presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), pároca Mirella Manocchio Seguindo, Mônica Fabbrimoderador do encontro e membro do CSD e do Comitê de Igualdade da Diaconia Valdense, dialogará com Alexandre Rizzopesquisador do Instituto Nacional de Análise de Políticas Públicas. Fabbri e Rizzo se juntarão Marzia Disarò E Miriam Mourgliamembros do Comitê de Igualdade da Diaconia, para falar sobre o compromisso do CDS neste setor e pensar em estímulos e perspectivas futuras. “O evento também será uma oportunidade para ilustrar o novo documento da Diaconia Valdense sobre o meio ambiente 'Meio ambiente, desejos e consumo. Em busca do bem ecossustentável da cidade', – releia em site –: com uma breve entrevista com Stephen Bertuzzi E Silvia Davidintegrantes do grupo de trabalho sobre meio ambiente. O encontro será concluído com a apresentação de dois novos números da série “I Quaderni della Diaconia”: “Par ou ímpar? Uma questão de gênero” e “Ambiente, desejos e consumo”. Segue-se o lanche oferecido pela Diaconia Valdense. Faça o download do poster com o programa completo. ...

Ler artigo
COP27.  Papel fundamental das mulheres, dos jovens e do G77 para o clima

COP27. Papel fundamental das mulheres, dos jovens e do G77 para o clima

Imagem de arquivo, evento #FridayForFuture 2019 - Roma (NEV), 21 de novembro de 2022 – A 27ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP27) foi concluída. Realizada em Sharm el-Sheikh, no Egito, a conferência parece ter dado alguns passos à frente e muitos passos para o lado. Em suma, não difere muito das sessões anteriores em Paris e Glasgow. "A COP 27, observando o comportamento e os discursos dos grandes do mundo, não traz nada de novo", declarou Maria Elena Lacquaniti. Lacquaniti é coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). “Comportamentos que se repetem, como o da China que consegue sempre fugir aos compromissos formais. Compromissos irrisórios, como o assumido pela América pela voz de seu presidente (depois dos anos anteriores de obscurantismo). $ 150.000.000 para os esforços de adaptação da África não parece ser um grande salto de generosidade em comparação com o quanto a América dá em armas e ajuda a uma única nação como a Ucrânia. Além disso, como denuncia o jovem ativista ugandense Vanessa Nakatenão pode ser muito eficaz uma conferência onde há proibição de manifestação e a liberdade de expressão crítica é amordaçada”, continuou Lacquaniti. Dar espaço aos países em desenvolvimento do “G77” Alguns sinais, no entanto, chegaram. "Apesar destas iniciativas pouco promissoras, o positivo é que o fundo de perdas e danos foi constituído e está a cargo de uma comissão de transição que, até ao final de 2023, vai comunicar quem terá de pagar e a quem - voltou a referir. o coordenador do GLAM –. O que é um pouco questionável é que o Egito vai liderar esse comitê, que ainda não respeitou os acordos feitos pessoalmente na COP de Paris e que tem um dos campos de gás mais importantes. Mais positivo ainda é que cada vez mais espaço (e Deus me livre se for o contrário) está sendo dado aos representantes do G77, países em desenvolvimento e vulneráveis, liderados pelo ministro paquistanês Sherry Rehman que conseguiu obter, com o apoio da UE, a compensação histórica". A voz dos vulneráveis ​​que tira a máscara dos grandes poluidores O papel feminino é fundamental, segundo Lacquaniti: “Mais uma mulher foi aplaudida de pé. O primeiro-ministro de Barbados Mia Mottley, que mostrou, contas em mãos, que um imposto de 10% sobre os lucros de grandes empresas de combustíveis fósseis contribuiria com US$ 37 bilhões para o financiamento climático, apenas nos primeiros nove meses de 2022”. E concluiu: “Tenho vontade de dizer que a voz dos vulneráveis ​​está cada vez mais forte e a máscara está caindo da cara dos grandes poluidores, atacados por baixo, por políticos e ativistas que lutam com seu próprio povo para dar uma voz para todos os países frágeis devido à pobreza e à vulnerabilidade climática. São, sem dúvida, vencedores. Agora cabe-nos trabalhar para que o que conseguimos seja bem sucedido, estando vigilantes e trabalhando (parece um leitmotivmas não é) com todas as forças à nossa disposição, individual e coletivamente". Compromisso juvenil: pelas igrejas, pelo clima Muitas organizações religiosas participaram dos trabalhos, com iniciativas paralelas e como observadores. Da Itália foi registrado Irene Abbraembaixador do clima do Conselho Metodista Europeu, bem como representante da campanha global Climate YES liderada por jovens cristãos entre 18 e 30 anos. Em uma extensa reportagem sobre Riforma.it, Irene Abra escreve: “Além dos jovens do constituição das Nações Unidas é importante sublinhar a presença de vários activistas de Clima SIM. […] anglicanos verdesFederação Luterana Mundial, Christian Aid, Tearfund, All Africa Conference of Churches e ActAlliancefizeram um grande trabalho no Egito, assim como nas diferentes confissões religiosas". A COP27, explica o jovem ativista, “concluída após inúmeras interrupções e adiamentos do plenário”. Um empurra e puxa representativo das dificuldades que esta nomeação enfrenta há anos. “A decisão final da COP27 não é das mais satisfatórias e às vezes parece muito generalista e nada ambiciosa”, diz Irene Abra. De fato, apesar da criação do Provisão para perdas e danos (Perda e Danos), “importante ponto de inflexão” ao colocar na agenda política mundial, pela primeira vez, a questão da assistência financeira a favor dos países em desenvolvimento “para salvar e reconstruir as infraestruturas físicas e sociais devastadas por fenômenos meteorológicos extremos”, há ainda muito a fazer. Depois, há a questão do “financiamento climático”, um dos objetivos que faltam nesta COP. E o "buraco na água" dos compromissos nacionais, atualizado por 33 países em 200. Faltam 167 nações. Assim como faltam os compromissos de redução de combustíveis fósseis e os de mitigação. Leia a reportagem de Irene Abra no Riforma.it ...

Ler artigo
Mulheres e a Bíblia” no início, boom de matrículas

Mulheres e a Bíblia” no início, boom de matrículas

Arquivo. 9 de março de 2015, assinatura no Senado do Apelo Ecumênico contra a violência promovido pela FDEI. Foto Elena Ribet Roma (NEV), 12 de março de 2021 – Atualmente, há 159 inscrições para o curso de teologia online "Violência e poder: mulheres e a Bíblia", que começa no domingo, 14 de março. Estamos falando de 159 homens e mulheres, católicos e protestantes, entre diáconos, teólogos, universitários, professores. Além disso, pastores probatórios, estudantes de faculdades teológicas, candidatos ao ministério e pessoas de diversas origens ecumênicas. Por exemplo, representantes de igrejas latino-americanas, de uma faculdade pontifícia, da Federação Italiana da Juventude Evangélica (FGEI), da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE). Algumas inscrições vêm da Suíça, Argentina e Colômbia. Nos círculos protestantes e reformados, as inscrições vieram de áreas batistas, valdenses, luteranas, metodistas, do Exército de Salvação (SE), bem como de igrejas adventistas e pentecostais. Foto do cartaz do FDEI – detalhe. Imagem de Silvia Gastaldi – aquarela Ester O curso é organizado e promovido pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). “Este é o sinal claro de uma necessidade que se faz presente – declarou o presidente da FDEI, pároco Gabriela Lio -. Estou muito feliz com essa incrível variedade de inscritos. A esperança é que este seja apenas o começo”. Essa necessidade de conhecimento nasce do desejo “de uma abordagem diferente, uma abertura à leitura dos textos bíblicos para redescobrir contextos e histórias que obscureceram o feminino por séculos – continuou Lio -. O trabalho do FDEI é assim. Contra a violência contra a mulher, sempre, e à luz da palavra”. O curso será ministrado por corinne lanoirestudioso da Bíblia e professor de Antigo Testamento na Faculdade de Teologia Protestante de Paris, e por Letizia Tomassoneteóloga, professora do curso de "Estudos Feministas e de Gênero" na Faculdade Valdense de Teologia em Roma. Os encontros serão realizados no Zoom de 14 de março a 9 de maio de 2021. Para informações, escreva para [email protected] As pessoas inscritas no curso receberão referências bíblicas e bibliografia aprofundada para cada encontro, além do link para se conectar à plataforma zoom onde será possível interagir com dúvidas e comentários. Os não inscritos ainda poderão acompanhar o curso em vídeo aula, diferido, na página do Facebook da igreja valdense em Florença, neste link. Segue abaixo o calendário de reuniões. Baixe o cartaz do curso de Teologia Bíblica em pdf 1ª REUNIÃO Como lemos a Bíblia. Até as matriarcas sofrem violência de gênero 14 de março das 17:00 às 19:00 zoom 2ª REUNIÃO Histórias de violência e patriarcado 28 de março das 17:00 às 19:00 zoom 3ª REUNIÃO O silêncio das mulheres 18 de abril das 17:00 às 19:00 zoom 4ª REUNIÃO Violência econômica e de poder 9 de maio das 17:00 às 19:00 zoom A Federação de Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) é um movimento de mulheres pertencentes às igrejas batista, metodista, valdense e outras organizações de mulheres na área evangélica (luteranas, adventistas, Exército de Salvação e Igreja Reformada do Ticino). Organiza e participa em iniciativas conjuntas com organizações de mulheres protestantes a nível internacional e mantém relações com organizações de mulheres católicas e seculares a nível nacional e local. Entre as iniciativas, a promoção do Apelo Ecumênico contra a violência contra as mulheres, assinado pela Igreja Católica, a Federação das Igrejas Protestantes da Itália, a Sagrada Arquidiocese Ortodoxa da Itália e Malta, a Diocese Ortodoxa Romena, a administração das paróquias da Patriarcado de Moscou, Igreja Ortodoxa Copta, Igreja Apostólica Armênia, Igreja Católica Bizantina Ucraniana, Igreja Católica Nacional Polonesa dos Estados Unidos da América e Canadá. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.