Ucrânia, delegação de igrejas mundiais visitando zonas de conflito

Ucrânia, delegação de igrejas mundiais visitando zonas de conflito

17 de março de 2022, Siret, Romênia: uma mulher fecha os olhos enquanto se senta no ônibus para Suceava da passagem de fronteira de Vama Siret, Romênia. A fronteira de Vama Siret conecta o nordeste da Romênia com a Ucrânia. Localizada ao norte de Siret e mais ao sul a cidade de Suceava, a travessia conecta a Romênia com a vila ucraniana de Terebleche e mais ao norte a cidade de Chernivtsi. Após a invasão da Ucrânia pelos militares russos a partir de 24 de fevereiro de 2022, quase meio milhão de refugiados fugiram pela fronteira ucraniana para a Romênia. Nas últimas 24 horas, os números do governo indicam que mais de 50.000 pessoas cruzaram a fronteira em busca de refúgio, das quais cerca de 20% devem permanecer na Romênia, em vez de transitar para outros países europeus.

Roma (NEV), 21 de março de 2022 – Representantes do Conselho Ecumênico das Igrejas (CEC) em visita aos lugares fronteiriços com a guerra na Ucrânia, para onde centenas de milhares de refugiados emigraram nas últimas semanas.

A delegação visitou centros de refugiados em Budapeste nos últimos dias, depois realizou uma mesa redonda com parceiros ecumênicos na Hungria.

O grupo também viajou para as fronteiras da Ucrânia e da Romênia para ver o trabalho da Ajuda Inter-Church da Hungria em apoio aos refugiados. A delegação foi também recebida por Sua Eminência Padre Justino, Bispo de Maramuresh e Satmar da Igreja Ortodoxa Romena, que explicou como a Igreja Ortodoxa Romena é “muito dinâmica e ativamente envolvida na recepção cristã e no cuidado de todos aqueles que cruzam a fronteira com a Romênia, quer permaneçam quer se desloquem livremente no caminho para os países ocidentais”. Refugiados ucranianos recebem remédios, comida, roupas, abrigo ou orientação para destinos.

17 de março de 2022, Milișăuți, Romênia: um centro infantil foi reaproveitado para receber refugiados da Ucrânia, em uma igreja em Milișăuți.

O Mosteiro Petrova, por exemplo, na Roménia acolhe mais de 50 mães com filhos por tempo indeterminado, proporcionando alojamento, alimentação e outros cuidados. Através da colaboração com autoridades e instituições educacionais, as crianças também têm a oportunidade de frequentar a escola e aprender em sua língua nativa nas comunidades ucranianas da região.

O Vice-Secretário Geral do Conselho Ecumênico, Isabel Apawo Phiri, disse que o encontro com refugiados e aqueles que os ajudam foi “uma mensagem clara do impacto assustador e crescente do conflito na Ucrânia sobre os civis. As mulheres, homens e crianças da Ucrânia estão sofrendo com o que parecem ser constantes ataques indiscriminados. Hospitais, escolas, creches e áreas residenciais: refugiados estão emergindo desses espaços com histórias diretas de traumas profundos”.

Pedro Prova, diretor da Comissão do Conselho Mundial de Igrejas para assuntos internacionais, disse que, “como o direito internacional humanitário continua a ser desrespeitado, os civis estão sofrendo o peso do conflito. É profundamente perturbador testemunhar os efeitos do que podem ser considerados crimes de guerra e crimes contra a humanidade. Grupos de ajuda humanitária e igrejas estão unidos para pedir um cessar-fogo e a retomada das negociações para acabar com este trágico conflito”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Combate à violência masculina é foco de treinamento para pastores

Combate à violência masculina é foco de treinamento para pastores

Um momento da manifestação nacional contra a violência contra as mulheres, 25 de novembro de 2017, Roma Roma (NEV), 14 de novembro de 2019 – Violência contra as mulheres? É principalmente sobre os homens. E está no centro da agenda política das igrejas protestantes. O tema foi escolhido como fio comum de um recente seminário que decorreu de 25 a 27 de Outubro passado, promovido pela Comissão Permanente de Formação Pastoral (CPFP) que organiza duas vezes por ano sessões de formação para os ministros das igrejas Baptista, Metodista e Valdense. Ao final do seminário, os participantes e os representantes da Comissão enviaram uma carta aberta às igrejas batista, metodista e valdense. Nós perguntamos Cristina Arquidiáconapastor da igreja batista de Milão via Jacopino, secretário do departamento de teologia Ucebi, ea Daniele Bouchardpároco das igrejas valdenses de Pisa, Livorno e Rio Marina, coordenador da Comissão de Ministérios e CPFP, as razões desta iniciativa. “Nos últimos anos – explica o pároco – temos procurado oferecer um seminário voltado, por um lado, para o aspecto do trabalho pessoal de párocos e pastoras, portanto conflita, o tempo de cada um, estar em grupo.Por outro lado, focamos nos aspectos mais “ministeriais”, disciplinas, liturgias, acompanhamento pastoral.Neste contexto, isto é, numa ocasião de formação e acompanhamento na pastoral, pareceu-nos importante abordar o tema da violência. Um tema que nos interessa e nos preocupa porque já há algum tempo que refletimos e trabalhamos sobre estes fenómenos. Queríamos ser muito explícitos." Uma forma direta e explícita também concretizada pelas palavras escolhidas tanto na carta quanto em geral para abordar essas questões. Ação e representação, ou seja, contraste também do ponto de vista do vocabulário utilizado, “andam juntas, infelizmente a linguagem inclusiva ainda recebe muita resistência. A questão é usar palavras que ajudem a ler a realidade em toda a sua complexidade”. Daí, por exemplo, a escolha de falar não de “violência contra as mulheres” mas de “violência masculina”: “não só porque estatisticamente é perpetrada por homens contra mulheres mas também porque o poder ainda é assimétrico”. Existe também uma lacuna entre mulheres e homens no mundo das igrejas protestantes? “Ainda hoje o fato de ter mulheres em cargos de chefia é algo que deve ser mencionado. Não é um fato estabelecido, ainda é uma raridade”, admite Arcidiacono. Daí a proposta do seminário, dirigido a dirigentes de igrejas e institutos de formação, “para que invistamos na formação sobre o tema da violência masculina, promovamos um caminho que conduza ao reconhecimento da dinâmica da violência e sobretudo possamos falar dela ". Além disso, lemos sempre na missiva dos participantes no seminário e da Comissão do CPFP, "queremos propor que na próxima Assembleia Sinodal [che vedrà riuniti congiuntamente i e le rappresentanti delle chiese battiste, metodiste e valdesi, ndr] deveria ser inserida uma noite sobre o tema da violência masculina”. “Devemos partir da nossa experiência – prossegue o pároco batista -, até aprender a ler os tipos de violência foi revelador para os participantes da formação que organizamos. É uma questão teológica porque parte da experiência de cada um. Visto que a vida nada mais é do que a própria profissão de fé e ser discípulos e homens e mulheres, é preciso partir de nós. Todas as mulheres já experimentaram alguma forma de discriminação e violência na própria pele. O que consideramos urgente é reconhecer a disparidade de poder existente: e não apenas 'encobrir' com piadas”. Os expoentes protestantes que participaram do seminário, pessoas de diferentes idades e gerações, "quiseram antes de tudo dar a conhecer às suas igrejas o fato de estarem pessoalmente envolvidas. Esta não é uma denúncia de violência masculina só isto mas para expressar a vontade e o compromisso pessoal: quero colocar este problema como um tema transversal”. Como esse compromisso pode ser realizado e recusado no mundo evangélico? “Não ter medo de compartilhar nossas experiências pessoais – responde Cristina Arcidiacono -, pois é verdade que também nas igrejas o setor privado às vezes é 'blindado'. Portanto, devemos tentar construir um terreno onde até as casas possam ser lugares onde somos interpelados e interpelados pela Palavra, entendida como uma palavra que não te julga, mas te interpela”. Palavra e palavras que começam no Antigo Testamento. “A Bíblia fala da violência masculina antes de qualquer movimento social, fala dela como um problema, não como uma vocação, a linha da promessa está em descontinuidade com a violência”. Assim, o flagelo dos feminicídios, a discriminação cotidiana contra o gênero feminino, o machismo e o machismo ainda vigentes na sociedade italiana questionam as igrejas protestantes sob vários pontos de vista, inclusive o teológico. “Reconhecemos que o tema da violência masculina é muito importante na vida das pessoas e da sociedade – confirma a pastora Daniele Bouchard – mas também na vida das igrejas e, portanto, no exercício pastoral e diaconal. É importante porque todos os fatos da sociedade afetam as igrejas, portanto devemos poder fazer algo mais do que o pouco que estamos fazendo, mas também porque a violência masculina nos preocupa”. E quando paramos para refletir sobre essa questão “e nos perguntamos como isso nos afeta, um dos aspectos é buscar as palavras para descrever um problema dessa magnitude. Obviamente, não começamos este trabalho, e agora temos novas expressões à nossa disposição para olhar os fenômenos de uma certa luz". Também para Bouchard, a partir do seminário mas sobretudo para além do contexto específico, urge compreender como este problema afeta também valdenses, metodistas e batistas. “A violência está na vida das pessoas, que os membros da igreja agem e/ou sofrem, e mesmo que ocorra na família ou em locais não públicos, marca a vida de todas as pessoas. Assim como afeta pessoas de todas as origens, também nos afeta, talvez não na forma de violência física, mas em outras. Na verdade, a violência masculina tem muitos aspectos, ela também atua nas dinâmicas coletivas. A violência verbal contra a mulher infelizmente acontece. Penso em certas formas de defini-los ou ignorá-los, por exemplo”. Como as igrejas evangélicas podem contribuir no combate à violência masculina? “Há tantas coisas que podem ser feitas, é um empreendimento de longo prazo, não podemos imaginar resolvê-lo em pouco tempo, pedimos que você comece a reconhecer o fenômeno. A primeira coisa, portanto, é falar sobre isso, nomear o assunto, dizer que a violência masculina existe e explicar o que isso significa. É a premissa para a construção de qualquer outra iniciativa ou caminho, permite que aqueles que sofrem violência entendam que também podem falar sobre esse tema na igreja. Podemos falar sobre isso: vamos começar por aqui”. [BB] ...

Ler artigo
15 de janeiro, Domingo das Igrejas em Missão (CEVAA)

15 de janeiro, Domingo das Igrejas em Missão (CEVAA)

Um grupo de trabalho durante o seminário na Côte d'Ivoire sobre a revitalização dos programas missionários, Foto Isaac Tovihoudji / CEVAA - 2022 Roma (NEV), 10 de janeiro de 2023 - 15 de janeiro de 2023 é o domingo dedicado às Igrejas em missão (Comunidade Evangélica de Ação Apostólica-CEVAA). É um compromisso anual que envolve as igrejas metodista e valdense com uma arrecadação especial. Quem quiser apoiar a iniciativa pode ir a todas as igrejas metodistas ou valdenses da Itália e participar do culto no próximo domingo. A CEVAA nasceu nos anos pós-coloniais para acompanhar as igrejas de muitos países do hemisfério sul rumo a um processo de crescimento e autonomia. A Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense também faz parte dela como membro fundador. Há alguns meses, o presidente do Comitê Italiano da CEVAA é o pastor valdense Gabriel Bertin. Numa análise aprofundada da Reforma, Sara Tourn recolhe o testemunho: "Gostaríamos de propor no outono a segunda edição do seminário de 2019 com curadoria do pastor valdense Daniele Bouchard e de Annelise Maire da igreja de Lausanne, que começou nos contando sobre as origens e a história da animação teológica, um dos pilares do CEVAA”, disse Bertin. "Gostaríamos de trabalhar um tema específico: a missão, que caracterizou a CEVAA desde o seu início, tendo nascido como uma comunhão de igrejas que quis quebrar a dinâmica missionária 'do Norte ao Sul do mundo' para criar um espaço de encontro e troca entre iguais entre igrejas irmãs ao redor do mundo. Nos últimos anos a CEVAA vem refletindo, junto com as Igrejas membros, sobre seus próprios projetos missionários e sobre a própria ideia de missão. Envolvendo comunidades e crentes individuais”, disse o pastor. E concluiu: “Esse é para mim um dos pontos fundamentais do CEVAA: transformar o que poderiam ser paredes em pontes, estradas e pontos de encontro”. CEVAA A CEVAA organiza reuniões, assembleias e seminários em várias partes do mundo. A organização está presente em 24 países e 4 continentes. Em www.chiesavaldese.org/riserv/cevaa/cevaa.php você pode baixar os dois manuais de animação teológica. Também está disponível a pedido a mais recente coleção de textos de fé da Igreja Universal "Wide your tent", as anteriores, a coleção de canções e orações "50 ans ensemble" publicadas para o meio século da CEVAA (2021). ...

Ler artigo
24 de maio Consulta Metodista online

24 de maio Consulta Metodista online

Roma (NEV), 20 de maio de 2020 - Devido à emergência do coronavírus, o Comitê Permanente do Trabalho para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), em abril passado, comunicou a decisão de realizar a habitual Consulta Metodista por meio eletrônico. A Consulta Metodista representa um momento crucial para os Metodistas e acontecerá no domingo, 24 de maio, dia em que se comemora a chamada "conversão" de João Wesley (vá para o CARTÃO). É um importante momento de encontro, reflexão e discussão das várias comunidades metodistas, e de relato da Comissão Permanente sobre o que foi feito durante o corrente ano eclesiástico. Os trabalhos decorrerão a partir da manhã com a análise do relatório da Comissão Permanente e um breve debate. Em seguida, haverá algumas saudações dos representantes institucionais. À tarde, comunicações e, pelas 15h00, culto de “renovação do Pacto”. Os trabalhos da Consulta são reservados a membros de igrejas, conselheiros e efetivos engajados em igrejas metodistas, diretores e membros de comissões, enquanto a consulta é aberta a todos e será possível participar via zoom no seguinte link: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.