Ucrânia, delegação de igrejas mundiais visitando zonas de conflito

Ucrânia, delegação de igrejas mundiais visitando zonas de conflito

17 de março de 2022, Siret, Romênia: uma mulher fecha os olhos enquanto se senta no ônibus para Suceava da passagem de fronteira de Vama Siret, Romênia. A fronteira de Vama Siret conecta o nordeste da Romênia com a Ucrânia. Localizada ao norte de Siret e mais ao sul a cidade de Suceava, a travessia conecta a Romênia com a vila ucraniana de Terebleche e mais ao norte a cidade de Chernivtsi. Após a invasão da Ucrânia pelos militares russos a partir de 24 de fevereiro de 2022, quase meio milhão de refugiados fugiram pela fronteira ucraniana para a Romênia. Nas últimas 24 horas, os números do governo indicam que mais de 50.000 pessoas cruzaram a fronteira em busca de refúgio, das quais cerca de 20% devem permanecer na Romênia, em vez de transitar para outros países europeus.

Roma (NEV), 21 de março de 2022 – Representantes do Conselho Ecumênico das Igrejas (CEC) em visita aos lugares fronteiriços com a guerra na Ucrânia, para onde centenas de milhares de refugiados emigraram nas últimas semanas.

A delegação visitou centros de refugiados em Budapeste nos últimos dias, depois realizou uma mesa redonda com parceiros ecumênicos na Hungria.

O grupo também viajou para as fronteiras da Ucrânia e da Romênia para ver o trabalho da Ajuda Inter-Church da Hungria em apoio aos refugiados. A delegação foi também recebida por Sua Eminência Padre Justino, Bispo de Maramuresh e Satmar da Igreja Ortodoxa Romena, que explicou como a Igreja Ortodoxa Romena é “muito dinâmica e ativamente envolvida na recepção cristã e no cuidado de todos aqueles que cruzam a fronteira com a Romênia, quer permaneçam quer se desloquem livremente no caminho para os países ocidentais”. Refugiados ucranianos recebem remédios, comida, roupas, abrigo ou orientação para destinos.

17 de março de 2022, Milișăuți, Romênia: um centro infantil foi reaproveitado para receber refugiados da Ucrânia, em uma igreja em Milișăuți.

O Mosteiro Petrova, por exemplo, na Roménia acolhe mais de 50 mães com filhos por tempo indeterminado, proporcionando alojamento, alimentação e outros cuidados. Através da colaboração com autoridades e instituições educacionais, as crianças também têm a oportunidade de frequentar a escola e aprender em sua língua nativa nas comunidades ucranianas da região.

O Vice-Secretário Geral do Conselho Ecumênico, Isabel Apawo Phiri, disse que o encontro com refugiados e aqueles que os ajudam foi “uma mensagem clara do impacto assustador e crescente do conflito na Ucrânia sobre os civis. As mulheres, homens e crianças da Ucrânia estão sofrendo com o que parecem ser constantes ataques indiscriminados. Hospitais, escolas, creches e áreas residenciais: refugiados estão emergindo desses espaços com histórias diretas de traumas profundos”.

Pedro Prova, diretor da Comissão do Conselho Mundial de Igrejas para assuntos internacionais, disse que, “como o direito internacional humanitário continua a ser desrespeitado, os civis estão sofrendo o peso do conflito. É profundamente perturbador testemunhar os efeitos do que podem ser considerados crimes de guerra e crimes contra a humanidade. Grupos de ajuda humanitária e igrejas estão unidos para pedir um cessar-fogo e a retomada das negociações para acabar com este trágico conflito”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Luteranos do mundo.  Anne Burghardt recebe Prêmio Gotha da Paz

Luteranos do mundo. Anne Burghardt recebe Prêmio Gotha da Paz

A partir da esquerda: o prefeito de Gotha, Knut Kreuch, a secretária geral da Federação Luterana Mundial, Anne Burghardt e o bispo da Igreja Evangélica da Alemanha Central, Friedrich Kramer, por ocasião da entrega do prêmio "Der Friedenstein" a Anne Burghardt . Foto: Lutz Ebhardt Roma (NEV), 9 de maio de 2022 – O Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (FLM), pároco Anne Burghardtrecebeu o prêmio "Der Friedenstein" 2022. Ao receber o prêmio, Burghardt lembrou a urgência de educar os jovens para serem promotores da reconciliação e da paz. A cerimônia de entrega ocorreu no dia 5 de maio na Gotha Cultural Foundation. É sobre a cidade da Turíngia onde Martinho Lutero ele ficou e pregou no período da Reforma. Gotha comemora 500 anos desde a Reforma este ano. Na cerimônia de premiação no histórico Palácio Friedenstein, Burghardt falou sobre o compromisso da FLM em promover "dignidade humana, justiça e paz". O prêmio, disse ele, será “um incentivo significativo para cada um de nossos funcionários e apoiadores, profissionais e voluntários, para continuar contribuindo para o trabalho vital de construção da paz. Tanto dentro das famílias, igrejas e comunidades, tanto nacional como internacionalmente”. Na motivação para o prêmio, o Comitê Organizador falou de Burghardt como um "especialista comprovado em teologia" e um líder "comprometido com o ecumenismo e as relações internacionais". Recebendo o prêmio em nome da comunhão global de igrejas da Federação Luterana Mundial, o pastor destacou a resposta da organização religiosa após o conflito na Ucrânia. Este esforço humanitário é coordenado em estreito contato com as igrejas dos países vizinhos, que estão na vanguarda da ajuda aos refugiados. O secretário luterano também destacou a necessidade de manter longe dos holofotes da mídia outros conflitos e crises que continuam fazendo vítimas e devastando comunidades. “Onde quer que a FLM esteja presente – disse – estamos tentando apoiar e dar voz aos que são marginalizados e sofrem com a guerra e a violência, a discriminação e o deslocamento”. missões de paz O prêmio será doado ao projeto Mensageiros da Paz da FLM para a formação de jovens para a mediação e construção da paz e reconciliação. O projeto é inter-religioso e intercultural. “Como organização de fé – concluiu Burghardt -, entendemos nossa missão como participação na missão holística de Deus, uma missão de serviço aos outros. Falar em favor dos homens e mulheres oprimidos. E pela resistência pacífica às estruturas injustas que oprimem, excluem e dividem povos e nações”. A premiação ocorre no ano em que a FLM comemora 75 anos de fundação. Anteriormente, eles receberam este prêmio, entre outros, a rainha Sílvia da Suéciao maestro alemão Kurt Masur e o dissidente chinês Wei Jingsheng. ...

Ler artigo
Nasce o Observatório Inter-religioso sobre a violência contra a mulher

Nasce o Observatório Inter-religioso sobre a violência contra a mulher

Roma (NEV), 25 de fevereiro de 2019 – O primeiro observatório inter-religioso sobre a violência contra as mulheres será oficialmente estabelecido na quinta-feira, 14 de março, em Bolonha. 22 mulheres de várias tradições religiosas (cristãs protestantes - luteranas, metodistas, valdenses, batistas, adventistas, pentecostais -, católicas, ortodoxas, judaicas, islâmicas, hindus, budistas) redigiram um Memorando de Entendimento que assumirá a forma de iniciativas culturais, sensibilizar e monitorar a questão da violência contra a mulher. Entre eles também Dora Bognandi, Adventista, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). A ideia vem de longe. Em 9 de março de 2015, representantes de dez denominações cristãs assinaram no Senado um Apelo Ecumênico contra a violência contra as mulheres. “Um ato de responsabilidade, promovido pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), motivado pela consideração de que a violência contra as mulheres é um gesto contra todo ser humano e contra o próprio Deus. E da crença de que as comunidades cristãs devem se comprometer a promover internamente uma educação que liberte os homens da ânsia de cometer violência contra as mulheres e apoie a dignidade, os direitos e o papel das mulheres em todas as esferas da vida, privada e pública ” lê-se no comunicado de imprensa dos promotores. Relançado durante os dias das mesas redondas inter-religiosas em Bolonha entre 2016 e 2018, os temas do Apelo permaneceram vivos e, graças ao trabalho de Paula Cavallarichefe da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) de Bolonha, encontrou um novo impulso na promoção deste novo órgão nacional, "voltado para o diálogo inter-religioso e intercultural, a discussão, a educação de gênero, a prática e a manifestação de mulheres e homens sobre o problema violência contra a mulher, que não é uma emergência, mas um problema estrutural”. Encontro na quinta-feira, 14 de março, em Bolonha, na Fundação João XXIII de Ciências Religiosas (via San Vitale, 114). A assembleia do grupo constituinte terá lugar pelas 15h00; seguir-se-á a assinatura do Memorando de Entendimento e uma conferência de imprensa. Para informações: Paola Cavallari: tel. 3280027288 ...

Ler artigo
Armas e bilhões.  O “negócio principal”

Armas e bilhões. O “negócio principal”

Detalhe da capa do livro Futura D'Aprile "Crises globais e assuntos de liderança" (SEB27) Roma (NEV), 30 de março de 2023 – A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) relança a declaração do Observatório sobre os gastos militares italianos (MIL€X). Os Estados-Maiores das Forças Armadas pediram investimentos extraordinários para novos armamentos. "O custo dos investimentos extraordinários em novos armamentos será de pelo menos 25 mil milhões de euros - escreve MIL€X - se o ministro da Defesa Guido Crosetto implementará as propostas que os Chefes do Estado-Maior do Exército, da Marinha e da Aeronáutica apresentaram em suas audiências programáticas às Comissões de Defesa da Câmara e do Senado". Um programa de rearmamento, prossegue o Observatório, “impressionante, que teria um impacto considerável nos orçamentos dos Estados, justificado pelos militares com o risco real de guerra provocado pelo conflito na Ucrânia, mas que suscita mais do que uma perplexidade. Também em atenção ao recorde de aprovações de programas de compras militares ocorridas na última Legislatura”. Sobre o tema das armas e sistemas de guerra made in Italy, esta noite em Turim (18h00 no Circolo dei Lettori), Riforma – Eco delle valli valdesi juntamente com a Ordem dos Jornalistas do Piemonte e a editora SEB27 promovem um debate. “A política e as indústrias italianas no mercado de armas de guerra: como contribuem para a persistência dos conflitos bélicos, para a repressão de regimes autoritários, para as migrações; por que o setor de Defesa, cujos lucros nunca diminuem, é considerado estratégico e quanto contribui para o PIB e o emprego". É o que lemos na página do Círculo de Leitores dedicada ao evento, que conta com a participação de abril futuroespecialista em assuntos internacionais e armamentos e colaborador do jornal Domani; Albert Perducaex-procurador-chefe de Asti, assessor jurídico do Tribunal Penal Internacional por crimes cometidos na ex-Iugoslávia e depois da agência antifraude de Bruxelas Olaf, e chefe da missão Eulez, moderada por David De Michelisjornalista profissional, autor e realizador de documentários televisivos. Futura D'Aprile é, entre outras coisas, autora do livro "Crises globais e assuntos de liderança" (SEB27), com prefácio de Alex Zanotelli, volume no qual apresenta um panorama da indústria de defesa italiana, as leis utilizadas para regular o comércio de material bélico e a prática de contorná-las. “O negócio de armas nunca está em declínio na Itália como no resto do mundo – escreve Riforma citando o volume – «Seus lucros crescem tanto durante conflitos geopolíticos quanto em caso de crises econômicas, como a causada pela pandemia do COVID-19. O Estado, considerando estratégico o setor de defesa, apóia-o e protege-o da exposição à volatilidade do mercado. A escalada do conflito bélico à margem da União Europeia levou os parlamentos a votarem renúncias às exportações para zonas de guerra e ao aumento das despesas militares, de modo que enquanto na Ucrânia, como no Iémen ou na Líbia, os civis sofrem as terríveis consequências da a guerra, os lucros das holdings ao redor do mundo continuam subindo sem serem perturbados". > reserve aqui o seu lugar no Clube de Leitores de Turim. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.