Ucrânia e Igreja Reformada Unida condenam o racismo nas fronteiras

Ucrânia e Igreja Reformada Unida condenam o racismo nas fronteiras

Foto de Ben Masora, unsplash

Roma (NEV), 17 de março de 2022 – “Proteção, orações e ações para pessoas de cor (em inglês, pessoas negras e pardas, ed) que sofreram discriminação racial durante a invasão da Ucrânia”. O pedido é do Racial Justice Advocacy Forum (RJAF), do qual faz parte a United Reformed Church (URC), que “condena a invasão da Ucrânia” e se diz “profundamente triste com a perda de vidas humanas, a destruição de casas e negócios e a separação de famílias que são consequências da guerra de Putin contra a Ucrânia”.
A RJAF “condena igualmente o racismo demonstrado pelas autoridades ucranianas contra as pessoas de cor nas fronteiras e nas várias rotas de fuga das zonas de conflito”.

“Acreditamos que todas as pessoas são feitas à imagem de Deus e devem receber igualmente a dignidade, o apoio, as oportunidades e a proteção atualmente negadas a muitas pessoas de cor que fogem”, continua o fórum, em comunicado publicado há alguns dias no site Site da Igreja.

Os episódios discriminatórios contra pessoas “não brancas” que fogem da Ucrânia “demonstram as atitudes racistas que ocorrem na Europa, que privam aqueles que são considerados “outros” das necessidades humanas básicas. O fato de estarmos vendo demonstrações de racismo ocorrendo em meio a essa invasão trágica e ilegal é profundamente desanimador e perturbador. Pessoas de cor e pessoas de fé muçulmana enfrentam racismo e preconceito enquanto tentam escapar do conflito na Ucrânia. Pedimos aos cristãos que se lembrem de todos aqueles que são tratados de forma injusta e justa no processo de evacuação. Devemos orar e agir.”

“O fato de um grande número de negros ser impedido de deixar a Ucrânia é um indicativo de quão profundamente o racismo pode estar à espreita”, diz o pastor Wale Hudson-RobertsJustice Enabler – União Batista da Grã-Bretanha/RJAF.

“Pedimos aos cristãos de todo o mundo que se lembrem e orem por aqueles que sofrem discriminação com base em sua cor, etnia ou fé; ore por aqueles que experimentaram a perda de familiares, amigos e meios de subsistência; e ore pelas muitas pessoas que não têm acesso às necessidades básicas, como comida e abrigo seguro. Apelamos a todas as igrejas da região para oferecer hospitalidade a todos aqueles que fogem da Ucrânia, incluindo a partilha de recursos e apoio pastoral nas fronteiras. Apelamos à mídia para expor com precisão o racismo enfrentado por pessoas de cor e aumentar a conscientização sobre os atos injustificados de discriminação que ocorrem no meio de uma zona de guerra onde todos os dias são uma questão de vida ou morte para todos os envolvidos no conflito ”.


A URC é uma igreja protestante, presente na Inglaterra, Escócia e País de Gales, faz parte da família mundial das Igrejas Reformadas, um grupo de mais de 70 milhões de cristãos.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ratzinger, um papa muito ‘papal’.  Entrevista com Fúlvio Ferrario

Ratzinger, um papa muito ‘papal’. Entrevista com Fúlvio Ferrario

Foto Wikimedia Commons Roma (NEV), 3 de janeiro de 2023 – Consultamos o teólogo Fulvio FerrarioProfessor Titular de Dogmática na Faculdade Valdense de Teologia em Roma, um dia após a morte de Bento XVI. Do ponto de vista protestante, quais foram as características marcantes, positivas e negativas, do pontificado de Bento XVI? Eu não quero oferecer classificações. Diria que Ratzinger foi um papa muito "papal" que, no século XXI, quis e soube propor um modelo de catolicismo extremamente perfilado, a nível eclesial, disciplinar e teológico. Isso não constituiu um problema particularmente grave para as Igrejas evangélicas: pelo contrário, criou dificuldades para as tendências, dentro da Igreja de Roma, que teriam querido entender o Vaticano II como ponto de partida e não como ponto de chegada. É justo dizer que Ratzinger foi o papa do inverno ecumênico, um inverno que talvez tenha começado quando ele era prefeito da Congregação para a Propaganda da Fé? Não creio que Ratzinger fosse contra o ecumenismo: na verdade, ele repetidamente se mostrou aberto à discussão e, em Erfurt, em 2011, disse talvez as palavras mais profundas que um pontífice já proferiu sobre Lutero (embora um observador malicioso pudesse insinuar que o a concorrência, afinal, não era muito forte...). Certamente, porém, concebeu o confronto em termos estáticos, como clarificação recíproca e não como contaminação, uma troca de carismas. Em todo caso, Bento XVI foi mais atento e perspicaz do que muitos de seus fanáticos, crentes e não (há também ratzingerianos ateus), que fizeram dela, pura e simplesmente, uma bandeira do conservadorismo ou mesmo da reação. Uma personalidade conservadora que, no entanto, surpreendeu a todos com sua renúncia, um gesto corajoso e um tanto revolucionário. Como você avalia esse aspecto? Espero não parecer irreverente se disser que ser emérito aos 85 anos me parece, entretanto, um gesto de bom senso. O fato de ser revolucionário diz algo sobre a instituição da Igreja Católica. Bento XVI era certamente um conservador, mas tinha uma consciência de fé muito lúcida, que lhe permitia distinguir pessoa de função em termos pouco usuais para a sua Igreja, mas dos quais, a partir de agora, creio que os seus sucessores terão de levar em conta. Depois de Bento XVI, foi eleito o Papa Francisco, de papa alemão para argentino. Ratzinger foi o canto do cisne da teologia européia em um mundo onde o cristianismo tem cada vez mais raízes no hemisfério sul? Não é apenas uma questão de teologia: é precisamente o centro de gravidade do cristianismo que se deslocou para o outro hemisfério. Claro que não posso dizer se isso significa o fim do papado europeu. O que é certo é que a verdadeira periferia do cristianismo hoje é a Europa; ou, dito positivamente, as igrejas européias podem ser concebidas como postos avançados missionários in partibus infidelium. ...

Ler artigo
Daniele Garrone assina a campanha “Estamos prontos, e você?”

Daniele Garrone assina a campanha “Estamos prontos, e você?”

Roma (NEV), 12 de maio de 2022 – O presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Daniele Garrone, está entre os signatários da campanha “Estamos prontos, e vocês?”. O objetivo da campanha é que a lei conhecida como "Ius Scholae", atualmente tramitada na Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara dos Deputados, seja tramitada no Parlamento e aprovada até o final da Legislatura. A lei permitiria que homens e mulheres muito jovens que cresceram e estudaram na Itália por anos adquirissem a cidadania italiana. A campanha foi lançada no dia 9 de maio pelo Confronti, pela Coordenação Nacional das Novas Gerações Italianas (CONNGI) e pelos Italianos Sem Cidadania. Em apenas três dias a iniciativa já ultrapassou os 500 membros. Entre os signatários, além de Garrone, também: Manuela Vinay (Chefe do Escritório Otto per Mille da Igreja Valdense - União das Igrejas Metodista e Valdense). Annapaola Carbonato (Secretária Nacional da Federação da Juventude Evangélica da Itália - FGEI). Além disso, assinaram professores, chefes de instituições, cultura e jornalismo. Para assinar, conecte-se ao site Baixe o comunicado de imprensa: 05_12_PRESS_RELEASE_ESTAMOS PRONTOS PARA VOCÊ A Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) e seu programa para migrantes e refugiados, Mediterranean Hope, há muito se unem e apoiam várias iniciativas da sociedade civil para o reconhecimento da cidadania para filhos de imigrantes ou que cresceram na Itália e apenas para os ius. Entre elas, a campanha da Itália também está. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.