Par ou ímpar?  Uma questão de gênero.  19 de agosto com a Diaconia

Par ou ímpar? Uma questão de gênero. 19 de agosto com a Diaconia

Roma (NEV), 10 de agosto de 2023 – Está tudo pronto para a 15ª edição do “Frontiere Diaconali”, evento organizado anualmente pela Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD-Waldensian Diaconia) na véspera da abertura do Sínodo dos Metodistas e igrejas valdenses.

O título do evento deste ano é “Par ou Ímpar? Uma questão de gênero”. O tema foi escolhido, escrevem os organizadores, “à luz da recente aquisição de Certificação UNI/PdR 125”, a certificação sobre igualdade de gênero. Este importante reconhecimento diz respeito ao compromisso com a inclusão e o empoderamento feminino no ambiente de trabalho. Esta é a norma nacional dedicada à igualdade de género, em cumprimento das indicações da União Europeia.

Para a diaconia valdense, a igualdade de gênero é um tema “muito atual, com particular atenção à sua decadência no mundo do trabalho”.

Encontro, portanto, para sábado, 19 de agosto, às 17h15, no templo valdense de Torre Pellice, na província de Turim.


Plano

Saudações introdutórias do Presidente da Diaconia Valdense, pároco Francisco Sciotto

Mensagem da Presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), pároca Mirella Manocchio

Seguindo, Mônica Fabbrimoderador do encontro e membro do CSD e do Comitê de Igualdade da Diaconia Valdense, dialogará com Alexandre Rizzopesquisador do Instituto Nacional de Análise de Políticas Públicas.

Fabbri e Rizzo se juntarão Marzia Disarò E Miriam Mourgliamembros do Comitê de Igualdade da Diaconia, para falar sobre o compromisso do CDS neste setor e pensar em estímulos e perspectivas futuras.

“O evento também será uma oportunidade para ilustrar o novo documento da Diaconia Valdense sobre o meio ambiente ‘Meio ambiente, desejos e consumo. Em busca do bem ecossustentável da cidade’, – releia em site –: com uma breve entrevista com Stephen Bertuzzi E Silvia Davidintegrantes do grupo de trabalho sobre meio ambiente.

O encontro será concluído com a apresentação de dois novos números da série “I Quaderni della Diaconia”: “Par ou ímpar? Uma questão de gênero” e “Ambiente, desejos e consumo”. Segue-se o lanche oferecido pela Diaconia Valdense.

Faça o download do poster com o programa completo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Informação em guerra.  Encerrou a 11ª edição do Prêmio Morrione

Informação em guerra. Encerrou a 11ª edição do Prêmio Morrione

Foto de Andrea Marcantonio - Prêmio Federico Tisa/Morrione Roma (NEV), 2 de novembro de 2022 – A 11ª edição do Prêmio Roberto Morrione para o jornalismo investigativo. Ele ganhou a pesquisa "Na pele" de Marika Ikonomu, Alexandre Leo, Simone Manda, sobre a opacidade da gestão privada dos centros de detenção para repatriação e as repercussões nos direitos básicos das pessoas migrantes. Tutor jornalístico: Sacha Biazzojornalista da Fanpage.it Esta é a motivação do júri: Para recompensar em palco , Gian Mario GillioDiretor Executivo da Agência de Notícias NEV. Os Dias do Prêmio Morrione, sobre o tema "WarNews - informações em guerra”, foram realizadas em Turim de quarta-feira, 26, a sábado, 29 de outubro. O Prêmio Morrione é apoiado, entre outras coisas, com fundos do Otto per mille para a Igreja Valdense – União das Igrejas Metodistas e Valdenses e vê Reforma – Eco dos vales valdenses entre parceiros de mídia. Relatamos a contribuição escrita do Diácono Alessandra TrottaModerador da Mesa Valdense, para o livreto do Giornate. Para saber mais: Para ler a reportagem da cerimónia de entrega de prémios e todos os prémios clique aqui. Aqui, o artigo sobre o caso de Julian Assangeobjecto de um dos debates no âmbito do Prémio. Finalmente, aqui o dia dedicado ao jornalista Vera Schiavazzi. ...

Ler artigo
2 de janeiro.  Celebração Ecumênica no zoom

2 de janeiro. Celebração Ecumênica no zoom

Detalhe do cartaz da celebração ecumênica "As nações caminharão no sopro da tua luz", 2 de janeiro de 2022 Roma (NEV), 30 de dezembro de 2021 - A celebração ecumênica "As nações caminharão no sopro da tua luz", inspirada nos versículos bíblicos do profeta Isaías, acontecerá no domingo, 2 de janeiro de 2022, às 15h30. O encontro, via zoom, é promovido pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) e pelos Grupos Populares de Leitura da Bíblia com Soave Buscemi. Além disso, está prevista a participação de mulheres das comunidades de base de várias cidades. Finalmente, as mulheres da Igreja Ortodoxa Romena de Parma trazem sua contribuição com duas canções. Esta celebração centra-se no momento litúrgico do Natal. Já no período de Pentecostes, mulheres de diferentes religiões cristãs quiseram se reunir. É uma das numerosas ocasiões em que as mulheres crentes partilham o seu caminho e os seus dons espirituais. O convite para participar parte do presidente da FDEI, pároco Gabriela Lio. Para solicitar o link: Ao vivo no canal do YouTube: ...

Ler artigo
A Resistência Transmitida – Nev

A Resistência Transmitida – Nev

Roma (NEV/Riforma.it), 24 de abril de 2023 – Pelo menos quatro gerações se sucederam desde 8 de setembro de 1943, que marcou o período mais difícil da Resistência contra o nazifascismo, em oitenta anos, enquanto as testemunhas diretas partiram. Ao longo desse tempo, os historiadores trabalharam na reconstrução dos acontecimentos, dinâmicas e interpretações, com obras polêmicas como as de Renzo De Felice ou com leituras, como a de Claudio Pavone que reconheceu, a partir do próprio título de seu livro mais famoso , Uma guerra civil. Ensaio histórico sobre a moral na resistência (Turim, 1991), a existência simultânea de três guerras: uma patriótica, uma de classe e uma civil. Também houve muita discussão sobre questões como o papel da dissidência na era fascista quando, entre 1926 e 1943, 15.806 antifascistas (891 mulheres) foram encaminhados ao Juizado Especial de Defesa do Estado e até 12.330 ( 145 mulheres) enviadas para o exílio interno e ainda 160.000 submetidas a “supervisão especial”. O projeto totalitário foi analisado através da educação da juventude e da efetividade dos mitos do Império, da civilização italiana e católica, do legado imperial, etc. Por um lado, foi sublinhada a escolha motivada dos partidários, que depois de terem deixado as suas consciências balançar no vazio, recuperaram a plena responsabilidade individual nos valores da liberdade e da justiça. Por outro lado, a obediência daqueles que, participando na guerra patriótica, consideravam a morte um “feliz martírio”, como recitam várias canções fascistas, necessária para aniquilar o inimigo, identificando-se num projeto total de ação violenta. Esta página da história dividiu a sociedade italiana, mesmo na memória posterior. No entanto, a história da Resistência não pode ser esquecida por pelo menos três razões. A primeira é que sua moral fundamentava os valores da Constituição italiana. Para que se enraizasse, teria sido necessário um sólido projeto de formação das gerações seguintes nas escolas e fora delas, também com o exemplo de uma representação política coerente. A segunda razão é que era preciso admitir que nem todos haviam escolhido, que muitos haviam "olhado", defendendo a própria especial. A Resistência não perturbou apenas os aliados - a 7 e 26 de Dezembro de 1944, nos documentos nascidos das reuniões entre Cinai (Comité de Libertação Nacional da Alta Itália) conhecidos como Protocolos de Roma, os britânicos negaram a este órgão o reconhecimento da função governamental que lhe confiava com um simples papel técnico - mas uma parte dos aparatos institucionais que, com a anistia de Togliatti, retomam a continuidade com o fascismo. A brecha na sociedade italiana, em outras palavras, quase nunca foi sanada com um salutar ato de justiça. A enorme tarefa de curar as feridas da oposição entre os italianos não se cumpriu na franqueza de verdades transparentes, mesmo incômodas, e vemos ela se arrastar até o nosso presente, reverberada na linguagem totalitária e discriminadora daquelas forças políticas de flagrante fascismo antepassados. A terceira razão pela qual a história da Resistência não pode ser esquecida é que, mesmo que não seja dita, ela permanece exatamente com suas divisões na sociedade italiana, porque a Resistência é certamente um acontecimento histórico, mas também um sentimento e um estilo de vida que todos A era fez com que as pessoas se descobrissem não como os brados de hosanas nas praças à guerra e a Mussolini, mas como aquele com quem compartilhar uma nova visão de vida comum, respeitosa uns com os outros. A escolha de ontem, diz Pavone, sempre precisou ser renovada a cada dia. Assim como para nós hoje, todos os dias nos perguntamos o que significam os Princípios da Constituição. Foto de Nadia Ginevra Goglio, Monumento em memória dos guerrilheiros que morreram nas mãos dos fascistas, Fondotoce (VB) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.