“Sonhar mesmo de olhos abertos para o nosso bem”

“Sonhar mesmo de olhos abertos para o nosso bem”

A partir da esquerda, Daniele Garrone, Giampiero Comolli, Manuel Kromer. 19 de agosto de 2023 – Torre Pellice (TO)

Torre Pellice (NEV), 22 de agosto de 2023 – À margem do Sínodo Valdense de 2023, será realizada a apresentação do livro “Bíblia e sonho” de Giampiero Comolli. O pastor conversou com o autor Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), além de professor de Antigo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia. Ele moderou a reunião Manuel Cromerdiretor da editora Claudiana.

Daniele Garrone fez uma série de perguntas e focou em alguns temas que perpassam o livro de Comolli, onde o sonho da Bíblia é contado com diferentes facetas e aparece como uma revelação misteriosa.

Garrone começa com uma excursão. Ernesto Ayassot foi pastor em Turim de 1954 a 1968 e proferiu uma série de sermões sobre “As montanhas da Bíblia”. Não no perdão, na graça, em Deus, mas nas montanhas. “Pensemos no Sinai, esta montanha que tem dois nomes e ninguém sabe onde fica”, disse Garrone. Poderíamos escrever um livro sobre as montanhas do ponto de vista arqueológico, histórico, geográfico… e em vez disso temos sermões aqui. Outro exemplo: “riso”, no sentido de “riso” na Bíblia. Garrone cita volumes sobre humor na Bíblia, na antiguidade, na Grécia (o próprio Garrone assina alguns ensaios sobre o tema do riso, da comédia, mas também “Rir e zombar na Bíblia Hebraica”). As Escrituras se prestam a muitos temas: vinho na Bíblia; o porco da Bíblia (estudo realizado em Fossano no âmbito de uma iniciativa da Faculdade de Veterinária); pão (sobre o qual podem ser encontradas monografias, como verbete específico em enciclopédia acadêmica); mas também a espada, a prostituta ou muitos outros temas e palavras-chave.

O livro de Comolli fala sobre sonhos e sono na Bíblia. “Quando este livro chegar à biblioteca vamos colocá-lo na categoria ‘edificação’ – diz Garrone -. Aqui encontramos a construção de um discurso que toma o texto tal como ele é, muito de perto, o acompanha e o lê. Por exemplo, ao ler o sonho da mulher de Pilatos, Comolli procura uma ligação com o famoso gesto de ‘lavar as mãos’”.

Mateus escreve: “Enquanto ele estava sentado no tribunal, sua esposa lhe mandou um recado: «Não se envolva com aquele justo, porque hoje sofri muito em sonho por causa dele»”. E um pouco mais adiante: “Pilatos, vendo que não obteve nada, mas que surgiu um alvoroço, pegou um pouco de água e lavou as mãos na presença da multidão, dizendo: «Sou inocente do sangue deste justo; pense nisso”. O que conecta essas duas frases? Para Comolli, a palavra “certo”.

Garrone diz: “É também uma intuição no nível exegético. Aparentemente, construções estrangeiras aparecem perto de nós. Comolli tem a capacidade de se questionar e abraçar o texto para repeti-lo”.

A construção de Comolli, segundo Garrone, é “sapiencial”. Em alguns desses livros da Bíblia, às vezes um pouco “esnobados” pelos protestantes (como Provérbios, Jó), encontramos – continua o pastor – uma voz que “Quer nos guiar para uma vida de sucesso, nos ensinar a viver bem , para ter sucesso. Ensina-nos a não falhar com a experiência. Pensemos no versículo do salmo ‘Em ritmo dormirei’. A Bíblia, para Comolli, também pode nos mostrar um método para encontrar boas imagens hipnagógicas. Nas escrituras podemos procurar palavras, murmurar palavras que atuam em nós e ajudam a regenerar. Podemos aprender a dormir, a sonhar acordado para o nosso próprio bem.”

Daniele Garrone conclui seu discurso com uma “pergunta crítica” a partir do sonho de Salomão. “Quando Deus diz a Salomão para perguntar o que quiser, Salomão diz: ‘Dê ao seu servo um coração compreensivo para que eu possa administrar justiça ao seu povo e discernir o certo do errado; porque quem no mundo poderia administrar justiça a este teu povo tão numeroso?’. Um rei deve saber julgar e governar, e por isso nos perguntamos: este texto fala conosco? Poderíamos voltar a um germe de sonho? No Antigo Testamento os sonhos são contados a partir do significado, e quem conta a história inventa o sonho. Até as visões são muitas vezes um pretexto para dizer mais. Por exemplo, quando eu era consultor bíblico dos filmes de Bernabei, os designers gráficos tinham dificuldade em imaginar as máquinas voadoras do Apocalipse. O autor do Apocalipse, expliquei, construiu essas imagens a partir de símbolos, pois é o símbolo que determina a representação – conclui Garrone -. E o significado é transposto como significante”.

Referindo-se também às suas próprias experiências oníricas, Comolli “explora as narrativas dos sonhos e das horas noturnas presentes na Bíblia: encontrará ali aquelas palavras que nos ajudam a fechar os olhos com serenidade à noite, e a reabri-los com serenidade novamente à noite. manhã. São passagens bíblicas que nos abrem um mundo novo: a maravilha inesperada do sono tranquilo e luminoso”, lê-se no site Claudiana. O próprio Comolli escreve: “Existe uma sabedoria bíblica de dormir bem, uma forma bíblica de ir para a cama em paz, de estar preparado para receber sonhos de vida. Um ensinamento ainda mais precioso numa época como a nossa, em que facilmente dormimos pouco e até mal, muitas vezes agitados pela ansiedade, muitas vezes apenas acalmados por um poderoso comprimido para dormir. Enquanto nas Escrituras encontramos palavras que à noite nos ajudam a fechar os olhos com tranquilidade, a reabri-los com tranquilidade pela manhã. Seria então necessário procurá-los com cuidadosa calma, tanto no Antigo Testamento como no Novo Testamento. E talvez realmente valha a pena. Porque, uma vez finalmente colocadas uma ao lado da outra, estas palavras nos abrirão um mundo novo: a maravilha inesperada do sono tranquilo e luminoso, dos sonhos tão regeneradores, esperançosos e consoladores, que nos fazem supor que nos foram enviados por o Espírito Santo. o mesmo que o Senhor”.

A apresentação foi realizada na galeria cívica Filippo Scroppo em Torre Pellice (TO) no dia 19 de agosto de 2023.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

79º Festival de Cinema.  Em Veneza Júri INTERFILM para o diálogo inter-religioso

79º Festival de Cinema. Em Veneza Júri INTERFILM para o diálogo inter-religioso

Roma (NEV), 31 de agosto de 2022 – Começa o 79º Festival Internacional de Cinema de Veneza. É uma edição particular, pois comemora 90 anos de atividade. O festival de cinema mais antigo do mundo, aliás, teve início em 7 de agosto de 1932, com a exibição de “Dr. Jekyll e Mr. Hyde”. É, aliás, a Exposição que entrega aos Catherine Deneuve o primeiro Leão de Ouro de sua carreira. Além disso, a Bienal de Veneza anunciou duas iniciativas de solidariedade para diretores, cineastas e artistas presos ou encarcerados em todo o mundo no ano passado, com o objetivo de conscientizar a mídia, governos e organizações humanitárias. São 73 novos longas na Seleção Oficial. 16 curtas-metragens e 2 séries de TV. Muitos eventos paralelos, filmes restaurados, documentários, com uma representação total de 56 países. O Júri Internacional INTERFILM Também este ano está presente em Veneza o Júri Internacional INTERFILM, que reúne as associações europeias de cinema protestante e vai atribuir o "Prémio para a promoção do diálogo inter-religioso". O pastor e “teólogo pop” Pedro Ciaccio, Presidente da Associação de Cinema Protestante "Roberto Sbaffi" – membro italiano da INTERFILM – faz parte do Júri. Com ele também Alina Gabriela Birzache (Reino Unido), Robert K. Johnston (EUA), Jolyon Mitchell (Escócia/Reino Unido, Presidente), Daria Pezzoli-Olgiati (Suíço). Ciaccio diz: “Chegamos à 11ª edição deste Prêmio para o diálogo religioso. A Associação de Cinema Protestante teve um papel fundamental para dar vida a este prémio, pela sua fundação. É um fato muito importante porque em Veneza, ao contrário de outras festas, não há júri ecumênico”. Como a Associação “Roberto Sbaffi”, ainda recorda Ciaccio, costuma-se organizar uma iniciativa na cidade. “Parece um pouco alienante – diz o pároco – porque uma Veneza mais habitual corresponde a um Lido decorado com luzes e tapetes vermelhos para o Festival de Cinema. Em vez disso, a cidade vive, quase Apesar de A exibição". Esta é a exibição habitual organizada pela Associação de Cinema Protestante "Roberto Sbaffi", juntamente com a Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) de Veneza, a Igreja Valdense e Metodista de Veneza, a União da Diáspora das Igrejas Metodistas e Valdenses. CENTO E OITO O filme que está sendo assistido é “CENTOOTTO”, de José Bellasalma, Michael Lipori E Cláudio Paravati. Marcação para quarta-feira, 7 de setembro de 2022, às 17h00, na Casa del Cinema, no Palazzo Mocenigo San Stae 1990 (Sestiere S. Croce Veneza). Segue-se uma discussão com o diretor Giuseppe Bellasalma. Apresentar e coordenar Alessandra Cecchetto (SAE Veneza). Produzido pela Fai Cisl, organização sindical do setor agroalimentar, e pela ConfrontiKino, o filme acompanha o sequestro em 2020 pelas autoridades líbias de 18 pescadores de Mazara del Vallo. Eles serão libertados após 108 dias de cativeiro. Diz o convite: “Apresentado no ano passado na Exposição do Lido, mas pouco difundido nos circuitos oficiais, o documentário assenta nas vozes dos protagonistas e das suas famílias, que esperavam angustiados pela libertação dos seus entes queridos. Uma das muitas histórias que evidenciam as muitas contradições entre as duas margens do Mediterrâneo”. Entrada gratuita até durarem os lugares. Reserva recomendada em 041 2747140. Para informações sobre o filme: [email protected] – INTERFILM Fundado em 1955 por inúmeras associações de cinema protestantes na Europa, atualmente inclui membros protestantes, ortodoxos e anglicanos, além de judeus. Em colaboração com seu parceiro católico SIGNIS, organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes, como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno (www.inter-film.org). ...

Ler artigo
Você não pode fechar as portas para refugiados e dizer que é uma igreja

Você não pode fechar as portas para refugiados e dizer que é uma igreja

Roma (NEV/Riforma.it), 4 de fevereiro de 2020 – Mesmo em meio a uma terrível guerra civil, a igreja cristã na Síria e no Oriente Médio é forte e comprometida em cuidar das pessoas afetadas pelo conflito, disse ele disse Najla Kassab, presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), durante uma conferência na Calvin University em Grand Rapids, Michigan, EUA, onde a CMCR assumiu sua forma atual em 2010. Pastora do Sínodo Evangélico Nacional da Síria e Líbano, Najla Kassab é a primeira pastora eleita presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas. “Aqui começou nossa jornada. A Fraternidade Mundial de Igrejas Reformadas é onde 100 milhões de membros de mais de 200 igrejas ao redor do mundo se reúnem para falar sobre justiça. Houve muita dor e perda nos últimos anos, especialmente na Síria. O desafio para a igreja é estar presente em meio a essa dor." As igrejas reformadas no Oriente Médio fizeram melhorias na educação, nos serviços sociais e no empoderamento das mulheres. Os missionários presbiterianos começaram a Universidade Americana de Beirute, uma das primeiras universidades do Líbano, em meados de 1800. Mais tarde, um hospital e um orfanato foram anexados à escola. "Esta universidade ajudou a moldar nosso legado e mostra o impacto que uma igreja minoritária como a nossa pode ter em uma nação", comentou. Em meados da década de 1880, os missionários abriram a Escola Protestante Americana para Meninas, a escola feminina, que ajudou a quebrar estereótipos e restrições na vida das mulheres. “A educação ajudou a melhorar o status das mulheres. Trouxe a libertação das mulheres do Oriente Médio e permitiu que elas usassem seus talentos e contribuíssem positivamente para a sociedade. Isso nos ajudou a experimentar a justiça e o amor de Deus e a minha presença aqui é o resultado disso”. “Minha igreja ajudou a pavimentar o caminho – continuou – e serviu de exemplo e inspiração para outras igrejas protestantes. Além disso, as igrejas protestantes têm desempenhado um papel importante no movimento ecumênico”. Devido ao conflito na fronteira libanesa, cerca de 1,5 milhão de refugiados da guerra na Síria vivem em pequenos acampamentos e comunidades improvisadas. As igrejas reformadas abriram escolas para garantir a educação. “As escolas são lugares onde podemos acolher estudantes cristãos e muçulmanos e construir pontes. Os pais mandam seus filhos para essas escolas, que muitas vezes oferecem às crianças uma folga da vida nos campos de refugiados. Na escola eles são alimentados, ajudados a se lavar e às vezes podem ficar um certo tempo longe dos problemas da roça. Há tantas necessidades no Líbano de hoje, diante de tanto sofrimento. Ajudamos as pessoas a sobreviver”, disse Kassab, cujo ministério ao longo dos anos tem sido dedicado especialmente a mulheres e crianças. “Não se pode fechar as portas aos refugiados e dizer que é uma igreja” concluiu o pároco, afirmando que a igreja deve promover a cura e a reconciliação construindo pontes entre as pessoas. Mesmo no futuro, quando a guerra acabar e muitos refugiados voltarem para casa na Síria. “Na região onde nasceram o judaísmo, o cristianismo e o islamismo, a Igreja deve contar com sua mensagem radical de amor. Mesmo que haja guerras, a esperança pode durar se colocarmos Deus em primeiro lugar." ...

Ler artigo
batistas.  Em setembro o festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

batistas. Em setembro o festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

Roma (NEV), 14 de agosto de 2013 – Será antes de tudo uma celebração que trará os batistas italianos a Roma de 5 a 8 de setembro para celebrar os 150 anos de presença de suas igrejas na Itália. “Em outubro vamos organizar uma conferência histórica com cunho acadêmico. Agora, porém, queremos dar espaço à alegria de estarmos juntos, à fraternidade, à gratidão por aqueles que nos precederam nesta história que nos trouxe até hoje desde 1863”, explica o pastor Raffaele Volpe, presidente da Associação Cristã Evangélica União Batista da Itália (UCEBI). “Isso não significa que não haverá momentos de reflexão”, aponta Volpe, apresentando um programa de encontros que faz um levantamento dos principais desafios que as igrejas batistas estão enfrentando atualmente em nosso país. O Festival Baptista que se realizará no GB Taylor Institute no bairro Centocelle de Roma incluirá, de facto, conferências e entrevistas públicas, workshops, concertos e apresentações teatrais sobre os mais variados temas: acolhimento de estrangeiros e imigração; a "igreja verde" e o meio ambiente; as relações entre as diferentes gerações; o mundo da prisão; relacionamentos com valdenses e metodistas e com outros evangélicos. Tudo sob a bandeira do arco-íris batista. “O mundo batista é um mundo plural – acrescenta Volpe – unido por um mínimo denominador comum além do qual podemos desfrutar da rica diversidade de cada um”. Uma mensagem que as igrejas batistas não querem trazer apenas em suas celebrações, mas também em seu testemunho evangélico na sociedade italiana. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.