Entrevista com Giovanni Bernardini.  Ministério pastoral: trabalho, escolha, alegria

Entrevista com Giovanni Bernardini. Ministério pastoral: trabalho, escolha, alegria

Um frame do vídeo feito por www.chiesavaldese.org/aria_video_player.php?video_id=242

Torre Pellice (NEV), 23 de agosto de 2023 – Entrevista com João Bernardinipároco consagrado pelo Sínodo Valdense de 2023. Nascido em Turim, Bernardini tem 31 anos e cumpre período experimental em Riesi, na Sicília.

Qual foi o momento mais crítico para você, durante o período passado na Faculdade Valdense de Teologia, e qual, por outro lado, foi o mais bonito, o mais criativo?

O momento mais difícil foi um momento de tensão entre o corpo docente e o corpo discente. Não é relevante aqui refletir sobre quais foram as causas desencadeadoras, mas apesar da dificuldade, devo admitir que houve vontade de ambos os lados de se reunirem, de discutirem, de tentarem compreender o problema e resolvê-lo. Portanto, a dificuldade acabou sendo uma oportunidade para reiniciar o diálogo.

Para quem não conhece, a Faculdade está distribuída por um edifício de vários pisos. Na mesma estrutura estão as salas de aula e os alojamentos dos estudantes, depois os alojamentos dos professores. A vida universitária está, portanto, inevitavelmente entrelaçada, quase fundida com a vida privada. A roupa suja fica pendurada no mesmo pátio dos professores, e discursos e telefonemas podem ser filtrados pelas paredes históricas. A convivência tem seus aspectos positivos e negativos, mas devo dizer que um dos melhores momentos foi quando conseguimos criar a nova cozinha. Durante muito tempo, a cantina representou um elemento altamente problemático. Com este espaço para alojamento estudantil criámos uma nova dimensão de estarmos juntos. Estudantes e internos do sexo masculino e feminino podem combinar almoço ou compras juntos; as diferentes necessidades de horários e cardápios foram atendidas. Ao mesmo tempo, socializar e cuidar dos espaços comuns e, portanto, das relações, encontrou um novo caminho. Este é certamente um aspecto muito positivo.

Você pode nos contar sobre seu período experimental em Riesi? O que ele faz? Existe um dia “típico”?

A beleza deste trabalho, que não é um trabalho, mas uma escolha de vida, é que não existe um dia “típico”. Além de alguns compromissos fixos, como o culto dominical ou o estudo bíblico, o dia se desenrola num equilíbrio entre o que você pensava que estava fazendo e o que realmente fará. Desde uma visita pastoral que dura mais porque há necessidades, até ao “pouco trabalho”. Esta é a beleza da realidade pastoral numa área que não experimenta a neurose de calendário que muitas realidades urbanas têm agora. Aqui ainda fica a ideia de tocar o interfone para pegar um café. E às vezes, com aquele café, um convite de convívio transforma-se num encontro de cuidado, de relação pastoral com aquela pessoa que escolheu uma fórmula discreta para entrar em diálogo contigo.

Em Riesi cuido da igreja valdense. Também exerço o ministério pastoral no Serviço Cristão. Aprendi muito nesses meses. Como auxiliar de eletricista, limpeza, trabalho agrícola, me medi em diversas atividades e fiquei muito satisfeito porque me fez voltar no tempo, quando fazia trabalho de campo no centro ecumênico de Ágape, na província de Turim. Foi também uma forma de criar vínculos com os funcionários. Às vezes pode-se pensar que os pastores ficam parados atrás de uma mesa. Não é assim. Aprendemos juntos, no dia a dia, a gerir problemas e soluções, a construir relacionamentos. Também cuido da comunidade de Agrigento. Finalmente, infelizmente, cheguei à Sicília num momento em que a igreja valdense de Caltanissetta estava fechada por falta de números. As instalações ainda estão lá; com a ajuda de Cabeça de pinheiro – que serviu de ponte humana e emocional entre mim, recém-chegado, e alguns membros históricos da comunidade – tivemos a ingrata tarefa de recolher e empacotar o arquivo. Um grande valor histórico e documental que hoje está guardado no Gabinete do Património Cultural “Património Cultural Metodista e Valdense” em Torre Pellice.

Igrejas esvaziadas, crise vocacional. Qual é a sua opinião sobre essas questões como jovem pastor?

Estou relutante em usar o termo “crise vocacional” porque significaria negar o compromisso com a vocação de muitas pessoas dentro das nossas igrejas e comunidades. Em vez disso, eu falaria de uma crise de pessoas. Quem escolhe dedicar toda a sua vida à atividade pastoral ou diaconal faz-no como uma opção de estilo de vida que tem uma certa substância. Você tem que se deslocar de cidade em cidade, fazer um curso que inclui período de um ano no exterior. Lidando com diferentes realidades. Para os mais novos significa abandonar pela primeira vez o núcleo familiar, pelo contrário para os mais adultos significa, depois de anos de vida independente vividos sozinhos, encontrarem-se subitamente a partilhar quarto, espaços públicos, duches, com outras pessoas. É uma escolha de estilo de vida que faria todos os dias com grande convicção, mas na minha opinião devemos encontrar a coragem de dizer as coisas como elas são, para além de uma ideia “romântica” de vida pastoral. Na prática, pode ser penalizador. Devemos levar em conta os aspectos emocionais, psicológicos e econômicos. A igreja está realmente em declínio? Embarcamos nesta aventura, numa realidade laboral assustadora como a nacional. É assustador para alguém com um diploma altamente dispensável, muito menos um diploma como o de teologia, onde se você não trabalha no contexto religioso, ou você tem um emprego secular ou está fora. Depois tem o aspecto relacional: um pastor pode se casar, ou optar pela solidão, ou ter um companheiro ou uma companheira, mas você também deve fazer avaliações sérias com a pessoa com quem você decide se relacionar, por que ser pastor ou pastora significa deslocamentos e desafios. Você tem que ter honestidade intelectual para dizer isso. Ao mesmo tempo, gostaria de dizer que para mim não há nada mais belo do que viver a realidade comunitária e dedicar a minha vida inteiramente ao anúncio da Palavra. Sou pago para fazer um trabalho que amo e gosto, e isso é um luxo que nem todos podem ter. É uma escolha que tem suas dificuldades, mas que oferece muito mais alegria.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Sínodo 2023. Alessandra Trotta: o Evangelho no centro

Sínodo 2023. Alessandra Trotta: o Evangelho no centro

Roma (NEV), 18 de agosto de 2023 – No coração dos vales valdenses, tudo está pronto para acolher os deputados do Sínodo. Em Torre Pellice, na província de Turim, chegam os vários representantes de toda a Itália e também do estrangeiro para este evento anual que representa o órgão máximo de governo da Igreja Evangélica Valdense – União das Igrejas Metodistas e Valdenses.O presidente do Sínodo, juntamente com a assembleia sinodal, construirão a agenda para o próximo ano. A democracia vivida e o Evangelho, o debate e a discussão sobre as linhas a seguir e sobre o compromisso eclesial e diaconal, estes são os fundamentos do Sínodo. O moderador, diácono Alessandra Trottasublinha algumas das palavras-chave sobre as quais se constrói o trabalho quotidiano das igrejas: visão de futuro, pluralidade de ministérios, colaboração e interligação, compromisso diaconal e humanitário, direitos, liberdade, aceitação. No relatório inicial que abrirá os trabalhos do Sínodo, consta também um memorando relativo ao 8 de Setembro de 1943, data em que o armistício de Cassibile com os anglo-americanos lançou as bases para o fim da história monárquica e liberal da Itália durante o Risorgimento. E deu impulso aos primeiros actos de resistência à ocupação nazi, resistência que de alguma forma representou o início da gestação daquilo que mais tarde se tornaria a república constitucional. “O dia 8 de setembro de 1943 também foi um momento fatídico para a nossa igreja. Foi realizado um sínodo muito curto, mas muito intenso pela qualidade do confronto entre diferentes visões teológicas, diferentes sensibilidades espirituais e posições políticas eclesiásticas” declarou Alessandra Trotta. Nesse contexto, continua o moderador, “algumas escolhas cruciais amadureceram para a vida de uma igreja que quer sempre colocar o evangelho no centro como instância crítica, que também encoraja a não se calar diante de tudo o que contradiz o seu coração”. . Uma Igreja que depois quis preparar-se para dar um contributo para a reconstrução do país, a começar pelas suas instituições democráticas. Esta importante passagem será recordada durante o Sínodo com um vídeo e uma pequena exposição”. A moderadora da Mesa Valdense Alessandra Trotta será convidada do Culto Evangélico no próximo domingo | Rai Radio 1 entrevistado por Gian Mário Gillio. O olhar civil da Igreja Valdense também será sublinhado por ocasião da visita do Presidente da República, Sérgio Mattarellano próximo dia 31 de agosto, por ocasião da inauguração de uma placa comemorativa da figura de Altiero Spinelli. Convidado na Torre Pellice da família valdense Mário Alberto Rollier, membro do Action Party, Spinelli, que há apenas oitenta anos em Torre Pellice fez o seu primeiro discurso como líder do Movimento Federalista Europeu, foi uma figura central na difusão da ideia do europeísmo. Entre 26 e 28 de agosto de 1943, a reunião de fundação da seção italiana do Movimento foi realizada na casa milanesa de Rollier, segundo um comunicado da Igreja Valdense. Para saber mais: A Europa de Rollier, um federalista valdense ...

Ler artigo
Bíblia.  Recompense as escolas vencedoras

Bíblia. Recompense as escolas vencedoras

Roma (NEV), 7 de maio de 2019 – Cerimônia de premiação do quinto concurso nacional para escolas italianas de todos os níveis "A terra produz brotos, ervas e árvores frutíferas" (Gênesis 1,11a), promovido pela associação leiga de cultura bíblica Bíblia – Projeto “Bíblia e escola” (BeS) – no âmbito do memorando de entendimento entre a Biblia e o Miur; projeto no qual o Serviço de Educação e Educação (SIE) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) colaborou durante as várias fases do concurso. Para o ano letivo 2018/2019, as escolas participantes apresentaram 184 trabalhos dos quais foram selecionados os trabalhos vencedores e menções honrosas para cada nível de ensino. O dia, apresentado e presidido pelo professor Marinella Perronivice-presidente da Bíblia e responsável pelo projeto "Bíblia e escola" (BeS), inaugurado com a leitura por um aluno de uma das escolas vencedoras de um trecho da carta escrita por Marco Campedelli, fundido em um livrinho criado para a ocasião que reúne algumas seus textos escritos para os participantes do concurso 2018/2019. Seguiram-se as saudações iniciais do professor Brunetto Salvarani, membro da coordenação do projeto “Bíblia e Escola” (BeS), que agradeceu às escolas participantes o trabalho realizado e antecipou o tema do concurso do próximo ano letivo: o sonho na Bíblia. Na sequência da intervenção de Marco Campedelli, teólogo e contador de histórias, que destacou a importância de voltar a ler a Bíblia, especialmente em determinados momentos históricos. Ele se concentrou em três conceitos, destacando sua relevância dentro da Bíblia: ações, narrativas, relacionamentos. Sua contribuição foi concluída com uma performance sobre a história do encontro entre Adão e Eva narrada com a arte de marionetes. O momento central foi a entrega dos prémios às onze escolas vencedoras do concurso (este ano, duas ex aequo para os segundos e terceiros classificados do ensino secundário). Enquanto fragmentos de seus trabalhos rolavam na tela grande, as turmas descreviam brevemente sua trajetória ao longo do ano e recebiam prêmios (vouchers para compra de material didático) e um pergaminho comemorativo. Para os alunos e alunas das escolas, a participação no concurso foi uma oportunidade de trabalhar em conjunto, conhecer novos temas e viver novas experiências. Para as turmas vencedoras, o dia terminou com uma visita guiada ao “Jardim dos Simples”. Para ver a lista de vencedores e nomeados: ...

Ler artigo
Comunidade e idoso: que perspectivas?

Comunidade e idoso: que perspectivas?

Roma (NEV), 17 de maio de 2023 - Amanhã a conferência nacional promovida pela Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD-Waldensian Diaconia) intitulada "Comunidade e idoso: que perspectivas? Encontros, debates e vivências sobre envelhecimento, demência e Parkinson”. Dois dias de estudo e experiência entre Pinerolo (Hotel Barrage e Castello di Miradolo) na quinta-feira 18 de maio e sexta-feira 19 de maio de 2023. É um evento formativo credenciado pela Região Piemonte ECM e confere 20 créditos formativos, em colaboração com as realidades que fazem parte da Pinerolese Dementia Network - Asl TO3, Ciss Pinerolo, Unione Montana Valli Chisone e Germanasca e Ama (Mutuo Aid Association) . O congresso abre na quinta-feira, 18 de maio, às 9h, com uma primeira parte de saudações institucionais de Francisco Sciottopresidente da CSD – Diaconia Valdese; Alessandra Trottamoderador do Tavola Valdese; Louis IcardiConselheiro de Saúde da Região Piemonte. Seguem-se dois dias de trabalho com intervenções cruzadas que vão destacar experiências, testemunhos e boas práticas, com o envolvimento, entre outras coisas, das estruturas da Diaconia Valdese Valli (DVV). Do Refúgio Re Carlo Alberto em Luserna San Giovanni no Núcleo de Decaimento Cognitivo Janavel com uma abordagem diferente da demência e foco no Projeto da Comunidade Amiga das Pessoas com Demência. Depois, os chefes do asilo dos velhos de San Germano Chisone, da Casa Valdese delle Diaconesse, da Casa di Riposo Il Gignoro de Florença (Diaconia Valdese Fiorentina) e outros. Falamos sobre território, comunidade, pessoas, gestão da fragilidade na RSA, como reduzir internações hospitalares, experiências inovadoras na Itália e no exterior e muito mais. "Os idosos são um componente importante e devem encontrar o seu espaço", disse Gianluca Barbanottisecretário executivo da diaconia valdense. Mais informações: ouça a entrevista na Rádio Beckwith (RBE) a Daniel Massamembro do CSD – Diaconia Valdense, que propõe uma palestra sobre o tema “Pacto pela não autossuficiência“. Na Itália, a lei de habilitação sobre o tema foi aprovada recentemente, ficando para trás em comparação com outros países europeus. Massa explica na entrevista “Trata-se de reorganizar este setor de intervenção, que afeta diretamente cerca de 4 milhões de pessoas, mas se somarmos também famílias e operadores, chegamos a cerca de 10 milhões de pessoas. A lei aprovada não é insignificante, é uma oportunidade para o nosso país que não podemos perder. Acreditamos que os idosos precisam de ter respostas em todos os percursos e necessidades que têm nas suas vidas, desde os cuidados domiciliários aos acolhimentos residenciais. As pessoas têm o direito de escolher o que querem fazer da vida a qualquer momento. A outra necessidade é quebrar as desigualdades: os serviços não podem ser destinados apenas às pessoas que têm recursos, mas devem ser acessíveis a todos”. Programa sintético dos dois dias (para ver o programa completo clique aqui) QUINTA-FEIRA, 18 DE MAIO – 8h30 | 17h · Políticas sócio-saúde, RSA e território · Estruturas Residenciais para Idosos contam experiências e projetos específicos SEXTA-FEIRA 19 DE MAIO – 8h30 | 17h30 · Demência e tecnologia: projetos inovadores · Oficinas temáticas · Mesas Redondas O evento é organizado com o apoio 'não condicional' de Generali Arredamenti e Storello Ausili. Parceiro de mídia, Rádio Beckwith Evangelica (RBE). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.