Entrevista com Giovanni Bernardini.  Ministério pastoral: trabalho, escolha, alegria

Entrevista com Giovanni Bernardini. Ministério pastoral: trabalho, escolha, alegria

Um frame do vídeo feito por www.chiesavaldese.org/aria_video_player.php?video_id=242

Torre Pellice (NEV), 23 de agosto de 2023 – Entrevista com João Bernardinipároco consagrado pelo Sínodo Valdense de 2023. Nascido em Turim, Bernardini tem 31 anos e cumpre período experimental em Riesi, na Sicília.

Qual foi o momento mais crítico para você, durante o período passado na Faculdade Valdense de Teologia, e qual, por outro lado, foi o mais bonito, o mais criativo?

O momento mais difícil foi um momento de tensão entre o corpo docente e o corpo discente. Não é relevante aqui refletir sobre quais foram as causas desencadeadoras, mas apesar da dificuldade, devo admitir que houve vontade de ambos os lados de se reunirem, de discutirem, de tentarem compreender o problema e resolvê-lo. Portanto, a dificuldade acabou sendo uma oportunidade para reiniciar o diálogo.

Para quem não conhece, a Faculdade está distribuída por um edifício de vários pisos. Na mesma estrutura estão as salas de aula e os alojamentos dos estudantes, depois os alojamentos dos professores. A vida universitária está, portanto, inevitavelmente entrelaçada, quase fundida com a vida privada. A roupa suja fica pendurada no mesmo pátio dos professores, e discursos e telefonemas podem ser filtrados pelas paredes históricas. A convivência tem seus aspectos positivos e negativos, mas devo dizer que um dos melhores momentos foi quando conseguimos criar a nova cozinha. Durante muito tempo, a cantina representou um elemento altamente problemático. Com este espaço para alojamento estudantil criámos uma nova dimensão de estarmos juntos. Estudantes e internos do sexo masculino e feminino podem combinar almoço ou compras juntos; as diferentes necessidades de horários e cardápios foram atendidas. Ao mesmo tempo, socializar e cuidar dos espaços comuns e, portanto, das relações, encontrou um novo caminho. Este é certamente um aspecto muito positivo.

Você pode nos contar sobre seu período experimental em Riesi? O que ele faz? Existe um dia “típico”?

A beleza deste trabalho, que não é um trabalho, mas uma escolha de vida, é que não existe um dia “típico”. Além de alguns compromissos fixos, como o culto dominical ou o estudo bíblico, o dia se desenrola num equilíbrio entre o que você pensava que estava fazendo e o que realmente fará. Desde uma visita pastoral que dura mais porque há necessidades, até ao “pouco trabalho”. Esta é a beleza da realidade pastoral numa área que não experimenta a neurose de calendário que muitas realidades urbanas têm agora. Aqui ainda fica a ideia de tocar o interfone para pegar um café. E às vezes, com aquele café, um convite de convívio transforma-se num encontro de cuidado, de relação pastoral com aquela pessoa que escolheu uma fórmula discreta para entrar em diálogo contigo.

Em Riesi cuido da igreja valdense. Também exerço o ministério pastoral no Serviço Cristão. Aprendi muito nesses meses. Como auxiliar de eletricista, limpeza, trabalho agrícola, me medi em diversas atividades e fiquei muito satisfeito porque me fez voltar no tempo, quando fazia trabalho de campo no centro ecumênico de Ágape, na província de Turim. Foi também uma forma de criar vínculos com os funcionários. Às vezes pode-se pensar que os pastores ficam parados atrás de uma mesa. Não é assim. Aprendemos juntos, no dia a dia, a gerir problemas e soluções, a construir relacionamentos. Também cuido da comunidade de Agrigento. Finalmente, infelizmente, cheguei à Sicília num momento em que a igreja valdense de Caltanissetta estava fechada por falta de números. As instalações ainda estão lá; com a ajuda de Cabeça de pinheiro – que serviu de ponte humana e emocional entre mim, recém-chegado, e alguns membros históricos da comunidade – tivemos a ingrata tarefa de recolher e empacotar o arquivo. Um grande valor histórico e documental que hoje está guardado no Gabinete do Património Cultural “Património Cultural Metodista e Valdense” em Torre Pellice.

Igrejas esvaziadas, crise vocacional. Qual é a sua opinião sobre essas questões como jovem pastor?

Estou relutante em usar o termo “crise vocacional” porque significaria negar o compromisso com a vocação de muitas pessoas dentro das nossas igrejas e comunidades. Em vez disso, eu falaria de uma crise de pessoas. Quem escolhe dedicar toda a sua vida à atividade pastoral ou diaconal faz-no como uma opção de estilo de vida que tem uma certa substância. Você tem que se deslocar de cidade em cidade, fazer um curso que inclui período de um ano no exterior. Lidando com diferentes realidades. Para os mais novos significa abandonar pela primeira vez o núcleo familiar, pelo contrário para os mais adultos significa, depois de anos de vida independente vividos sozinhos, encontrarem-se subitamente a partilhar quarto, espaços públicos, duches, com outras pessoas. É uma escolha de estilo de vida que faria todos os dias com grande convicção, mas na minha opinião devemos encontrar a coragem de dizer as coisas como elas são, para além de uma ideia “romântica” de vida pastoral. Na prática, pode ser penalizador. Devemos levar em conta os aspectos emocionais, psicológicos e econômicos. A igreja está realmente em declínio? Embarcamos nesta aventura, numa realidade laboral assustadora como a nacional. É assustador para alguém com um diploma altamente dispensável, muito menos um diploma como o de teologia, onde se você não trabalha no contexto religioso, ou você tem um emprego secular ou está fora. Depois tem o aspecto relacional: um pastor pode se casar, ou optar pela solidão, ou ter um companheiro ou uma companheira, mas você também deve fazer avaliações sérias com a pessoa com quem você decide se relacionar, por que ser pastor ou pastora significa deslocamentos e desafios. Você tem que ter honestidade intelectual para dizer isso. Ao mesmo tempo, gostaria de dizer que para mim não há nada mais belo do que viver a realidade comunitária e dedicar a minha vida inteiramente ao anúncio da Palavra. Sou pago para fazer um trabalho que amo e gosto, e isso é um luxo que nem todos podem ter. É uma escolha que tem suas dificuldades, mas que oferece muito mais alegria.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade

Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade

Foto: Amber – Unsplash Roma (NEV) 30 de agosto de 2022 - Após a introdução sobre "Água, seca e arredores" assinada por Maria Elena Lacquaniticoordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), continua o ciclo de insights sobre esse recurso fundamental para a existência. A nova contribuição do GLAM intitula-se "Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade" e é editada por Antonella Visintin. No documento, a partir de alguns dados sobre a precipitação, sobre o aumento das temperaturas e sobre os fenómenos de seca em Itália, são recolhidas algumas propostas operacionais. Eles dizem respeito não apenas aos campos agrícola e industrial, mas também aos domésticos e pessoais. Além da crise da água Uma das palavras de ordem do GLAM é "consciência". Falar sobre a crise hídrica pode ser uma das formas de conscientizar as pessoas, contra o desperdício e pelo consumo responsável de água, alimentos e recursos em geral. “A crise hídrica ocorreu num contexto económico extremamente crítico, com empresas já experimentadas pelos fortes aumentos dos custos de produção decorrentes do conflito na Ucrânia, mas não só: energia, fertilizantes, rações, gasóleo, sementes, produtos fitofarmacêuticos” lê-se no documento. Um ponto delicado é o que diz respeito à gestão da água: quase um bilhão de metros cúbicos de água escapam todos os anos devido a vazamentos no abastecimento de água público e privado. Além disso, poderia melhorar o armazenamento da água da chuva, promover o uso racional nos setores agrícola e industrial, conscientizar a população sobre o uso responsável da água “como um bem comum a ser preservado para as gerações futuras”. Um ponto de partida, diz GLAM, “poderia ser o plano de adaptação climática desenvolvido em 2018 pelo então Ministro do Ambiente Gianluca Galletti (nunca aprovado), que enumerava as emergências dos territórios, os riscos repartidos por macrorregiões, as infraestruturas a construir, os tempos e o compromisso financeiro”. O documento faz parte de uma série de reflexões editadas pelo GLAM por ocasião do "Tempo da Criação", período litúrgico ecumênico mundial que começa todos os anos em 1º de setembro e termina em 4 de outubro, e que deu seus primeiros passos com a União Europeia Assembléia Ecumênica em Graz (Áustria) em 1997. Baixe aqui: Água e arredores – INTRODUÇÃO Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade ...

Ler artigo
Recepção de ucranianos, delegação de igrejas polonesas em visita a Roma

Recepção de ucranianos, delegação de igrejas polonesas em visita a Roma

Rev. Marek Izdebski (Igreja Episcopal Reformada na Polônia), Rev. Semko Koroza (Igreja Reformada em Lodz), Rev. Tomasz Pieczko, com Daniele Garrone e Marta Bernardini Roma (NEV), 28 de abril de 2022 – A colaboração entre a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e as igrejas protestantes polonesas continua para ajudar a população que foge da guerra na Ucrânia. Anteontem uma delegação composta por três párocos de Lodz, Semko Koroza (Igreja Reformada de Lodz), Marek Izdebski (Bispo da Igreja Reformada na Polônia) e Tomasz Pieczko (igreja reformada), reuniram-se, na sede da FCEI na via Firenze, marta bernardinicoordenadora da Mediterranean Hope e presidente da FCEI Daniele Garrone. Objetivo: fazer um balanço do que foi feito até agora e sobretudo, planejar, na medida do possível, as próximas intervenções. Rev. Marek Izdebski (Igreja Episcopal Reformada na Polônia), Rev. Semko Koroza (Igreja Reformada em Lodz), Rev. Tomasz Pieczko, com Daniele Garrone e Marta Bernardini Nas próximas semanas, mais atualizações sobre as atividades que os protestantes italianos irão organizar na Polônia, para ajudar mulheres, crianças e homens que fugiram do conflito em curso na Ucrânia. ...

Ler artigo
Celebração de encerramento da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Celebração de encerramento da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Foto Ivars Kupcis/CEC Roma (NEV), 24 de janeiro de 2021 – A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) termina em 25 de janeiro. O Secretário Geral Interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Padre Ioan Sauca, convida a família ecumênica e todas as comunidades globais a se unirem para o serviço de oração. A celebração será transmitida no dia 25 de janeiro. Na próxima segunda-feira, portanto, será possível ficar online para rezarmos juntos. “Como as restrições devido à pandemia estão dificultando a reunião física. disse Saúca. Esta celebração on-line global nos permitirá orar juntos onde quer que estejamos. A oração é um dos frutos que brota da nossa permanência no amor de Cristo”. Concluindo, mais algumas palavras sobre a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Tradicionalmente, é comemorado de 18 a 25 de janeiro, em meio às festas de Pedro e Paulo. O tema para 2021 é "Permanecei no meu amor: dareis muito fruto". Para saber mais: A carta convite de Ioan Sauca. Link para acompanhar o culto de oração na segunda-feira, 25 de janeiro de 2021, 14:00 CET. www.oikoumene.org/live unidade cristã. Carta conjunta católica, ortodoxa e protestante "Vivemos e celebramos nossa unidade na oração comum". Mensagem assinada pelo bispo Ambrogio Spreaficodo metropolita Polykarpos Stavropoulos e pelo pastor Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), por ocasião do SPUC. agenda NEV de eventos italianos. Semana de oração pela unidade dos cristãos e recorrências históricas o artigo de Claudio Geymonat. “Este ano é também uma ocasião para comemorar os 500 anos da excomunhão de Lutero”… ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.