Luteranos.  Reitor Carsten Gerdes no Sínodo Valdense: o arco-íris de Deus

Luteranos. Reitor Carsten Gerdes no Sínodo Valdense: o arco-íris de Deus

O Reitor do CELI, Pastor Carsten Gerdes falou hoje durante os trabalhos do Sínodo Valdense: somos, como protestantes e recordando os cinquenta anos do Acordo de Leunberg, o arco-íris de Deus.

O reitor do CELI, acompanhado de sua esposa, Magdalena Tiebel-Gerdes, pároca da Comunidade de Ispra-Varese, trouxe as saudações do CELI, ou melhor, das quinze comunidades luteranas da Itália.

Carsten Gerdes recordou as dificuldades que as Igrejas também enfrentaram durante a pandemia. “Nem tudo correu bem – disse Gerdes – perdemos amigos, comunidades, entes queridos, empregos, etc…”

Mas talvez, continuou o Reitor, como Igrejas estejamos conscientes de que muita coisa na nossa vida quotidiana precisa de ser mudada.

Ser Igrejas pequenas, sublinhou, não nos isenta de rejeitar o apelo ao compromisso com a criação e as alterações climáticas.

Recordando o 50º aniversário do Acordo de Leunberg, o Reitor do CELI quis recordar o arco-íris como símbolo do mundo protestante.

“Somos um arco-íris que é acima de tudo uma ponte colorida, sempre semelhante mas sempre diferente, que liga as pessoas umas às outras. Um símbolo que nos fala não só das diversidades que convivem e juntas revivem a sociedade, mas do quanto a multiplicidade de cores, sensibilidades e diversidades deve ser defendida por quem a quer reduzir a uma única cor. Por aqueles que querem transformar as nossas sociedades e as nossas comunidades, a Europa, numa fortaleza «monocromática»”.

Leia no site do CELI

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A reunião dos conselhos nacionais das igrejas europeias em Bruxelas

A reunião dos conselhos nacionais das igrejas europeias em Bruxelas

Roma (NEV), 2 de março de 2023 – A reunião anual da Conselhos Nacionais de Igrejas Europeias (ENCC), a primeira reunião presencial desde 2019. Dezoito participantes de toda a Europa, da Escandinávia às Ilhas Britânicas e aos países bálticos e da Europa Central, reuniram-se nos escritórios da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) que convocou a reunião. A Itália foi representada pelo pastor Luca Barattosecretário-executivo do Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI). "Os conselhos de igrejas são organismos ecumênicos nacionais muito diferentes: desde o alemão ou inglês formado por todas as tradições cristãs, até o polonês ou irlandês formado por igrejas protestantes e ortodoxas, até a FCEI que reúne apenas igrejas protestantes" , ele explicou Barter. Os três dias de trabalho foram uma ocasião para uma troca de informações sobre as atividades dos Conselhos que vão desde o acolhimento de refugiados vindos tanto das rotas dos Balcãs e do Mediterrâneo e da Ucrânia, até questões de relações entre o Estado e as igrejas, até atividades juvenis, produção de textos litúrgicos para o Tempo da Criação. Katarina Pekridou / Foto CEC "Como sempre - acrescentou Baratto - a participação nestes encontros oferece um recorte da diversidade que atravessa a Europa do nosso tempo, dos diferentes centros geopolíticos e das diferentes preocupações que eles implicam, quer nos debrucemos sobre o Mar Mediterrâneo, quer nos olhemos para leste, para a Rússia ". A paz, no que se refere à Ucrânia, foi um dos temas principais do encontro, abordado sob diferentes pontos de vista, muitas vezes ligados às preocupações presentes em cada país de origem. “Foi interessante ouvir o representante do Conselho Polonês de Igrejas explicar como essa guerra já dura não há um ano, mas desde 2014, sem que os países da Europa Ocidental se preocupem particularmente com o que está acontecendo no leste”. Durante a reunião, que também contou com a presença do secretário geral do CEC, pastor Jørgen Skov Sørenseno projeto foi apresentado “Caminhos para a Paz“. “É um programa que procura criar um espaço de mediação privilegiada entre as igrejas, oferecendo os espaços que o CEC tem à sua disposição como lugares de diálogo entre russos e ucranianos”, disse. Katarina Pekridousecretário executivo para o diálogo teológico da CEC. Logo e lema da Assembleia Geral KK, Tallinn 2023 Uma das esperanças do programa é trazer representantes da Igreja Ortodoxa Ucraniana e da Igreja Ortodoxa Russa para a próxima Assembleia Geral da CEC a ser realizada em Tallinn (Estônia) de 15 a 20 de junho próximo, sob o título "Sob a bênção de Deus – moldando o futuro“. “O projeto KEK também prevê uma ação de reconciliação em perspectiva – especificou Prekridu – com o envolvimento sobretudo dos jovens das duas igrejas, porque a guerra cria um ódio que pode durar muito além do fim das hostilidades”. Um espaço de discussão também foi dedicado à relação entre o Estado e as igrejas na Europa. “Também neste caso – sublinhou Baratto – foi possível observar a grande diversidade que existe entre igrejas maioritárias e minoritárias na Europa. Os primeiros experimentam a perda de privilégios em estados onde a filiação eclesiástica está diminuindo como uma diminuição de sua liberdade; estes veem na ação dos Estados que afirmam o princípio da laicidade uma oportunidade para uma maior igualdade e o reconhecimento de um pluralismo religioso que já se pratica em todo o continente”. A reunião dos Conselhos Nacionais das Igrejas europeias em Roma em 2019 O grupo decidiu continuar com as reuniões presenciais anuais a serem realizadas, a partir de 2024, cada ano em um estado diferente, convidados do respectivo Conselho Nacional. “O último encontro presencial realizou-se em Roma, em 2019, organizado pela FCEI, encontro que foi várias vezes referido pelos presentes. Positivamente, claro”, lembrou Baratto. ...

Ler artigo
Formação sobre a segurança das comunidades religiosas na Itália

Formação sobre a segurança das comunidades religiosas na Itália

Roma (NEV), 30 de junho de 2022 – A Conferência das Igrejas Europeias (KEK) organizou uma reunião de treinamento sobre riscos, ameaças e desafios para a segurança de suas igrejas membros na Itália. O treinamento foi realizado em 24 de junho em Roma. O projeto chama-se "Comunidades mais seguras e fortes na Europa - SASCE". É implementado pelo CEC e financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia. “É importante conscientizar as igrejas protestantes na Itália sobre a segurança dos locais de culto, promovendo nossa visão de liberdade religiosa para todos”, disse ele. Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). E acrescentou – Achamos muito clara e instrutiva a apresentação dos trabalhos do SASCE feita pelo Secretário Executivo do CEC, Elizabeth Kitanovic“. É a primeira vez que uma plataforma inter-religiosa envolvida em toda a Europa está lidando com essas questões. Os ataques terroristas mudaram, as ameaças aos líderes religiosos não são especificamente protegidas pela legislação da UE. O projeto SASCE quer iniciar um caminho de prevenção e análise. Por isso, produziu uma série de vídeos em 6 idiomas e materiais informativos em 14 idiomas, inclusive em italiano. O SASCE também está coletando relatórios sobre violações da liberdade religiosa. As igrejas estão diretamente envolvidas e podem denunciar qualquer abuso online, vandalismo, agressão ou outros tipos de ameaças e ações. É dada especial atenção à avaliação, prevenção e mitigação dos riscos, bem como à sensibilização. Com efeito, os materiais do SASCE contêm orientações, procedimentos e sugestões para a proteção dos locais de culto. “O projeto SASCE tem o mérito de conscientizar líderes religiosos e funcionários da igreja local sobre questões de segurança. Levando em conta até as pequenas ameaças - disse o pastor Mirella Manocchio, presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) -. Além disso, no que diz respeito às autoridades europeias, o projeto fortalece a coordenação em um sentido amplo. E oferece maior atenção às minorias ou realidades religiosas menores, frágeis e menos protegidas”. Treinamento SASCE: análise de risco, ferramentas contra ameaças Durante o encontro, falou-se de ameaças à segurança ligadas, por exemplo, ao regresso de soldados estrangeiros do Norte de África. Aos extremistas neonazistas. Ou, aos combatentes estrangeiros dos Balcãs Ocidentais que atravessam a Itália a caminho de outros países europeus, identificados pelas autoridades. Além disso, foi abordado o impacto de tais ameaças sobre os judeus, a comunidade LGBTQ e os migrantes, entre outros. Os dados mostram que os desafios para a segurança na sociedade italiana, mas também no nível europeu, devem ser enfrentados em várias frentes, incluindo as políticas, jurídicas e sociais. O treinamento SASCE também foi realizado com a Igreja Evangélica Metodista de Bolonha e Modena. Entre outros, a pastora participou Giuseppina Bagnato E Richard Kofi Ampofo. Pedro Ciaccio, pároco em Trieste e membro do Conselho da FCEI, foi nomeado embaixador italiano para o projeto SASCE na Itália. Ciaccio sempre esteve comprometida com a promoção dos direitos humanos e da liberdade religiosa. Algumas comunidades italianas tiveram sérios problemas de segurança, portanto, os mecanismos de denúncia do KEK foram bem-vindos. O encontro em Roma aconteceu nas dependências da Otto per mille Waldensian – União das Igrejas Metodista e Valdense. ...

Ler artigo
Contra o Ódio e o Antissemitismo, um compêndio da FCEI

Contra o Ódio e o Antissemitismo, um compêndio da FCEI

Foto T. Chick McClure @tchickmcclure de unsplash.com Roma (NEV), 13 de fevereiro de 2020 - Uma espécie de "manual do usuário" da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) sobre a luta contra o antissemitismo e a deriva do ódio, temas centrais da Semana da Liberdade 2020. “Nossa história de minorias discriminadas e às vezes perseguidas nos compromete a estarmos vigilantes contra todas as palavras de ódio, difamação e preconceito”, diz a primeira página do livreto “Contra o anti-semitismo e a deriva do ódio”. Assim, por ocasião dos dias em que se comemora o aniversário da concessão, em 1848, dos direitos de cidadania aos valdenses (e aos judeus no mesmo ano), a FCEI recorda o valor da memória, porque "lembrar significa tropeçando". "Como cristãos, devemos tropeçar - lemos precisamente no texto "marcado" FCEI - no fato de que a inimizade contra os judeus, ideológica antes mesmo de ser "praticada", foi alimentada no seio do discurso cristão e fez parte da bagagem "normal" do "qualquer" cristão. É uma história trágica, da qual tomamos conhecimento nas mortes que se seguiram à Shoah, iniciando uma revisão crítica do nosso passado e buscando uma nova compreensão do judaísmo e uma nova relação com o povo judeu”. Portanto, para melhor compreender o conceito de antissemitismo, o compêndio propõe três documentos, de diferentes fontes, úteis para esclarecer os termos da questão: a definição de antissemitismo pela International Holocaust Remembrance Alliance (IHRA); o apelo de Beauveau, declaração conjunta de várias denominações cristãs, religiões e organizações de humanidades de 19 de fevereiro de 2019; um documento das igrejas alemãs (a Igreja Evangélica na Alemanha, EKD, a União das Igrejas Evangélicas UEK e a Igreja Evangélica-Luterana Unida da Alemanha VELKD, para ser mais preciso) intitulado "Projeções Perigosas", dedicado a duas áreas de preconceito: o esfera econômica e a relação entre anti-semitismo, sionismo e o Estado de Israel. Tantas fontes e recursos diversos, enfim, para se informar e se educar, porque o conhecimento é o único antídoto possível contra o racismo e porque, "depois do nazismo e do fascismo, todos nós deveríamos ter entendido aonde levam essas palavras (de ódio, ed) e que, no final, oprimem a todos.” Aqui fica o texto para descarregar, imprimir (com moderação, ou apenas em papel reciclado) e partilhar: Opuscolo_SettimanadellaLibertà_2020. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.