Eu tenho um sonho 60 anos depois.  Entre o sonho e o pesadelo americano

Eu tenho um sonho 60 anos depois. Entre o sonho e o pesadelo americano

Roma (NEV), 28 de agosto de 2023 – por Paulo Naso – O sexagésimo aniversário da grande reunião de Washington que, pela primeira vez na história do Movimento dos Direitos Civis, reuniu mais de 200.000 pessoas de todos os Estados Unidos, cai num momento muito particular e complicado para a sociedade e a política americanas. Esse evento, fortemente desejado por Martin Luther King por mais desencorajado e até mesmo contestado pelos irmãos Kennedy, marcou um momento de recomposição nacional. Durou apenas algumas semanas – no dia 22 de Novembro o Presidente foi morto em Dallas – mas nesse espaço de tempo algo mudou no coração da América e o grande crédito por este novo clima foi para o Reverendo King.

Seu discurso ficou famoso por uma redefinição do sonho americano do ponto de vista ético e político. Foi o cantor Mahalia Jackson gritar “Vamos Martin, conte-lhe o sonho” e King, que havia feito um discurso semelhante em outras ocasiões, encontrou as palavras para tocar a alma profunda da América. Fê-lo como pregador que era, mas dando a esse sonho uma dimensão política precisa. As referências à libertação dos escravos israelitas, a vocação para ser aquela “cidade na colina” pregada pelos pais peregrinos, a citação da Declaração da Independência e, portanto, a referência ao direito inalienável à vida, à liberdade e à busca da felicidade, constituíram os pilares retóricos de um discurso que, com razão, é considerado um dos mais famosos do século passado.

Diante daquela manifestação e daquele discurso, a Casa Branca – até então imóvel e pouco reativa a um movimento que exigia o direito fundamental de toda democracia, o direito ao voto – teve que reconhecer que era hora de esperar e de oportunismo prudente para não desagradar dos Democratas do Sul, ainda condicionados pelo segregacionismo, acabou.

Mas às vezes a história corre rápido demais e, em 15 de setembro de 1963, a retaliação do terror racista após o sucesso indiscutível do comício de 28 de agosto foi violenta e terrível: uma bomba plantada por ativistas da KKK em uma Igreja Batista em Birmingham, Alabama, matou 4 pessoas. garotas. Do sonho ao pesadelo americano, da visão confiante de uma América reconciliada consigo mesma e pronta a abrir uma nova página da sua história moral e civil, nas trevas do ódio e do racismo. Depois houve o assassinato de Kennedy, depois a escalada da guerra no Vietname e, apenas em 1965 – dois anos após a reunião em Washington – o Presidente Johnson assinou a lei reconhecendo o direito de voto aos afro-americanos. E nesse ponto King estava certo ao dizer “muito pouco, muito tarde”. O movimento cresceu e novas questões – a pobreza dos afro-americanos, em primeiro lugar – impuseram uma nova agenda política.

A celebração do sexagésimo aniversário do discurso “Eu tenho um sonho” acarreta o risco de abusos retóricos, instrumentais e anti-históricos. Esse discurso foi ouvido, comoveu e mudou o sentimento de muitos americanos, mas não marcou a viragem política que todos esperavam. Portanto, não deve ser lembrado apenas pela sua qualidade retórica, espiritual e política; mas também pelo facto de oestabelecimento ele não sabia ou não queria compreender, continuando a demorar para não reconhecer imediatamente o que era devido a mais de 20 milhões de afro-americanos e à consciência moral da América.

Sessenta anos depois, as questões dos direitos das minorias e da justiça social não estão no centro do debate nos EUA. O debate público é monopolizado por Trump e pelo seu rosto ridiculamente sombrio retratado numa prisão da Geórgia. Na triste América de hoje, a alegria confiante de uma possível mudança, expressa há sessenta anos em Washington, continua a ser o ícone de uma esperança que ainda hoje não se concretiza.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Secretário-geral do CMI visita protestantes italianos

Secretário-geral do CMI visita protestantes italianos

Roma (NEV), 15 de dezembro de 2010 - "O Conselho Mundial das Igrejas não é simplesmente um escritório com sede em Genebra, mas uma comunhão, e hoje estou com vocês para viver e expressar tudo o que nos une na fé comum em Cristo". Assim, o pastor Olav Fykse Tveit saudou a comunidade reunida na manhã de 5 de dezembro para o culto dominical na igreja metodista de Roma, a segunda etapa de seu fim de semana italiano. Depois de se encontrar com o Papa Bento XVI em audiência privada no dia anterior, Tveit se reuniu de fato com as igrejas protestantes italianas que são membros do CMI. “Agradecemos a Tveit por ter participado de um de nossos cultos, num momento em que a comunhão entre os crentes se aprofunda em torno da palavra de Deus”, disse o pastor Massimo Aquilante, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), retribuindo a saudação de Tveit durante o culto. O secretário-geral do CMI pregou sobre o texto adventista de Lucas 12:35-40. "Observar - disse Tveit - significa não apenas esperar, mas estar ciente do que está acontecendo ao nosso redor". Se então a nossa expectativa é a do Senhor Jesus que se apresenta todos os dias no rosto de cada ser humano que procura ajuda e salvação, "então a nossa vigilância consiste em estar ao serviço de cada ser humano que espera a nossa ajuda". Portanto, vigiar significa "saber acolher o estrangeiro, o irmão e a irmã migrantes que vêm de países distantes muitas vezes com o seu fardo de dor, violência e humilhação". O acolhimento foi um dos temas várias vezes referidos no encontro com os representantes das igrejas evangélicas italianas que continuou com um almoço comunitário na igreja valdense na via IV de Novembro, onde o Pr. Tveit e a delegação que o acompanhou – composta, entre outros, pelo pastor Martin Robra, diretor do programa do CMI sobre ecumenismo no século XXI, pelo pastor John Gibaut, diretor da Comissão de Fé e Constituição do CMI, e por mons. Gosbert Byamungu, do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos - reuniu, além do presidente da FCEI, Aquilante, vice-moderadora do Conselho Valdense, Daniela Manfrini, presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), Alessandra Trotta, e a presidente do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), Christiane Groeben. O Conselho Mundial de Igrejas é a maior comunhão de igrejas cristãs do mundo, reunindo 349 igrejas evangélicas, ortodoxas e anglicanas de todos os continentes, representando mais de 560 milhões de cristãos. A Igreja Católica não faz parte do CMI, embora colabore com suas instituições, em particular com a Comissão Fé e Constituição. ...

Ler artigo
Alemanha.  Está em andamento o Kirchentag ecumênico: “Ide e vede!”

Alemanha. Está em andamento o Kirchentag ecumênico: “Ide e vede!”

Roma (NEV/voceevangelica), 12 de maio de 2021 – A terceira edição do "Kirchentag ecumênico" (OEKT) começa em Frankfurt na quinta-feira, 13 de maio, às 9h30, com a celebração ecumênica da Ascensão e termina em 16 de maio. O Kirchentag é promovido por católicos e evangélicos alemães. “O lema do terceiro encontro ecumênico é claro: não desvie o olhar”, escreve ele Gaëlle Courtens em sua visão geral em voceevangelica.ch, onde ele explica o programa e o espírito desta edição em particular: ...

Ler artigo
Jovens transexuais, suas vidas importam

Jovens transexuais, suas vidas importam

Karollyne Hubert, antisplash Roma (NEV), 13 de março de 2023 – O bem-estar dos jovens transgêneros e não-binários é importante. Isso foi sublinhado pela Igreja Unida de Cristo (UCC), manifestando-se a respeito de inúmeras medidas atualmente em discussão em vários estados dos EUA. No início de março, de acordo com a igreja, “385 projetos de lei anti-LGBTQ foram apresentados, incluindo 108 destinados a acabar com os cuidados de saúde de afirmação de gênero para jovens trans e não binários. Isso coloca em risco mais de 54.000 jovens trans que estão assumindo ativamente cuidados médicos que salvam vidas – as leis mais anti-LGBTQ já introduzidas em uma única temporada legislativa. A Conferência Indiana-Kentucky UCC, que sediará o Sínodo Geral em junho, segue especificamente 20 projetos de lei anti-LGBTQ. Que a UCC define como "tentativas violentas de interromper o florescimento da criação de Deus". A juventude trans, continua o site da igreja, “são membros sagrados de nossa família coletiva. Agora, mais do que nunca, a juventude trans precisa de nós. E, neste momento, nossa resposta cristocêntrica só pode ser retornar à abundância que o próprio Deus nos dá para florescer. Aos jovens trans e não binários, “saibam que a Igreja Unida de Cristo atua em solidariedade a vocês”, continua o texto. No portal encontram-se também várias formas e sugestões para atuar diretamente, mobilizar e fazer ouvir a sua voz. Por exemplo, enviando uma mensagem aos representantes do Congresso ou organizando eventos de conscientização.“Podemos agir com amor, graça e justiça por nossos irmãos e irmãs trans e não binários”, conclui o UCC. Para saber mais: ACLU (União Americana pelas Liberdades Civis) Tempo REFO Rede Evangélica fé e homossexualidade ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.