Eu tenho um sonho 60 anos depois.  Entre o sonho e o pesadelo americano

Eu tenho um sonho 60 anos depois. Entre o sonho e o pesadelo americano

Roma (NEV), 28 de agosto de 2023 – por Paulo Naso – O sexagésimo aniversário da grande reunião de Washington que, pela primeira vez na história do Movimento dos Direitos Civis, reuniu mais de 200.000 pessoas de todos os Estados Unidos, cai num momento muito particular e complicado para a sociedade e a política americanas. Esse evento, fortemente desejado por Martin Luther King por mais desencorajado e até mesmo contestado pelos irmãos Kennedy, marcou um momento de recomposição nacional. Durou apenas algumas semanas – no dia 22 de Novembro o Presidente foi morto em Dallas – mas nesse espaço de tempo algo mudou no coração da América e o grande crédito por este novo clima foi para o Reverendo King.

Seu discurso ficou famoso por uma redefinição do sonho americano do ponto de vista ético e político. Foi o cantor Mahalia Jackson gritar “Vamos Martin, conte-lhe o sonho” e King, que havia feito um discurso semelhante em outras ocasiões, encontrou as palavras para tocar a alma profunda da América. Fê-lo como pregador que era, mas dando a esse sonho uma dimensão política precisa. As referências à libertação dos escravos israelitas, a vocação para ser aquela “cidade na colina” pregada pelos pais peregrinos, a citação da Declaração da Independência e, portanto, a referência ao direito inalienável à vida, à liberdade e à busca da felicidade, constituíram os pilares retóricos de um discurso que, com razão, é considerado um dos mais famosos do século passado.

Diante daquela manifestação e daquele discurso, a Casa Branca – até então imóvel e pouco reativa a um movimento que exigia o direito fundamental de toda democracia, o direito ao voto – teve que reconhecer que era hora de esperar e de oportunismo prudente para não desagradar dos Democratas do Sul, ainda condicionados pelo segregacionismo, acabou.

Mas às vezes a história corre rápido demais e, em 15 de setembro de 1963, a retaliação do terror racista após o sucesso indiscutível do comício de 28 de agosto foi violenta e terrível: uma bomba plantada por ativistas da KKK em uma Igreja Batista em Birmingham, Alabama, matou 4 pessoas. garotas. Do sonho ao pesadelo americano, da visão confiante de uma América reconciliada consigo mesma e pronta a abrir uma nova página da sua história moral e civil, nas trevas do ódio e do racismo. Depois houve o assassinato de Kennedy, depois a escalada da guerra no Vietname e, apenas em 1965 – dois anos após a reunião em Washington – o Presidente Johnson assinou a lei reconhecendo o direito de voto aos afro-americanos. E nesse ponto King estava certo ao dizer “muito pouco, muito tarde”. O movimento cresceu e novas questões – a pobreza dos afro-americanos, em primeiro lugar – impuseram uma nova agenda política.

A celebração do sexagésimo aniversário do discurso “Eu tenho um sonho” acarreta o risco de abusos retóricos, instrumentais e anti-históricos. Esse discurso foi ouvido, comoveu e mudou o sentimento de muitos americanos, mas não marcou a viragem política que todos esperavam. Portanto, não deve ser lembrado apenas pela sua qualidade retórica, espiritual e política; mas também pelo facto de oestabelecimento ele não sabia ou não queria compreender, continuando a demorar para não reconhecer imediatamente o que era devido a mais de 20 milhões de afro-americanos e à consciência moral da América.

Sessenta anos depois, as questões dos direitos das minorias e da justiça social não estão no centro do debate nos EUA. O debate público é monopolizado por Trump e pelo seu rosto ridiculamente sombrio retratado numa prisão da Geórgia. Na triste América de hoje, a alegria confiante de uma possível mudança, expressa há sessenta anos em Washington, continua a ser o ícone de uma esperança que ainda hoje não se concretiza.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Decreto de imigração, eu era estrangeiro: simplificações de fluxos são boas, mas não são suficientes

Decreto de imigração, eu era estrangeiro: simplificações de fluxos são boas, mas não são suficientes

Roma (NEV), 22 de março de 2023 – A campanha Eu era estrangeiro, da qual também participa a FCEI, enviou hoje uma contribuição à primeira Comissão do Senado para a análise do decreto-lei sobre os fluxos migratórios, decreto que aborda questões centrais questões na atividade da campanha, começando pela gestão das entradas para o trabalho através do decreto de fluxos, a que se dedicam os três primeiros artigos. Conforme refere o documento, “face a algumas medidas positivas que simplificam o procedimento de entrada e visam, nomeadamente, permitir o rápido emprego de trabalhadores e trabalhadoras, subsistem algumas questões críticas relativas ao próprio sistema de entrada em vigor, que permanece substancialmente inalterado". A campanha propõe "algumas intervenções retificadoras para oferecer maiores garantias aos trabalhadores e trabalhadoras e seus empregadores". O documento destaca que, "se por um lado é bem-vindo o aumento das cotas, a possibilidade de avançar com mais decretos de fluxos no mesmo ano e o triênio de planejamento como intervenção tampão para atender às demandas dos setores produtivos, de Ainda há muitos nós para desatar. Aliás, o que fará o Governo quando, no click day de 27 de março, as candidaturas apresentadas ultrapassarem em muito as 82.000 quotas previstas, como facilmente se pode esperar dado que em 2022 foram apresentadas 200.000 candidaturas mas cerca de 70.000 quotas disponíveis? É certo que o decreto em questão prevê no art. 2 que os pedidos que excedam as cotas possam ser examinados no âmbito dos demais decretos adotados. Mas quanto tempo levará para abrir uma nova janela? Que resposta damos aos empresários do sector do turismo que precisam de começar a época balnear dentro de um mês e têm pessoal suficiente? Ou às dezenas de milhares de trabalhadores que têm apenas esta loteria disponível para poder entrar na Itália e trabalhar sem riscos? Por que não permitir que um empregador chegue à Itália e contrate um trabalhador ou trabalhadora a qualquer momento, com todas as garantias previstas em lei, mas sem a necessidade de definir um dia de clique? Evitando assim, entre outras coisas, sobrecarregar os escritórios envolvidos no processo, em particular as prefeituras e as sedes da polícia, que já estão perpetuamente com problemas e com falta de pessoal. A introdução de um canal adicional, como o do patrocinador - conforme previsto em nosso projeto de lei - com a possibilidade de apoiar a entrada de estrangeiro para permitir o ingresso no mercado de trabalho, mediante uma série de garantias iniciais, tornaria entrada em nosso país verdadeiramente flexível”. Depois há, segundo os promotores da iniciativa, outra questão a resolver. "Com a legislação em vigor - explicam -, não há como contratar e regulamentar uma pessoa que já está na Itália mas não tem documentos, porque talvez tenha entrado com visto de turista e depois ficado em nosso país, encontrou um trabalho, mas não tem como obter uma autorização de residência. Esta é a história de dezenas de milhares de pessoas empregadas no setor doméstico ou de cuidados em particular, que nos últimos vinte anos foram regularizadas por meio de várias anistias, a última em 2020. Para essas pessoas, o decreto de fluxo é o único. forma de poder regularizar a sua situação mesmo à custa de sair e regressar de Itália. Não é por acaso que em junho de 2022, entre as intervenções de simplificação do governo Draghi ao decreto de fluxos, muitas das quais também contempladas no decreto-lei, se vislumbrou a possibilidade de permitir o acesso de pessoas já presentes na zona ao recrutamento procedimento e imediatamente disponível para trabalhar. Acreditamos que essa possibilidade deve estar sempre assegurada nos decretos de fluxo e que, portanto, deve constar no decreto de conversão. Sem prejuízo da nossa proposta de introdução de um mecanismo de regularização individual, sempre acessível quando há oferta de emprego, o que permitiria enfrentar a montante o problema da irregularidade”. Por ser estrangeiro, é “imprescindível intervir para garantir maior proteção aos trabalhadores sujeitos ao procedimento de entrada. Constatamos que no passado, em muitos casos, após a chegada à Itália, o recrutamento não foi bem-sucedido, deixando essas pessoas na mais absoluta incerteza e sem autorização de residência. Por este motivo, é necessário prever que nos casos de não finalização do recrutamento por motivos exclusivamente imputáveis ​​ao empregador, seja emitida ao cidadão estrangeiro uma autorização de residência para aguardar emprego, que confira a possibilidade de encontrar outro posto de trabalho e convertê-lo em visto de trabalho". Por fim, Eu era estrangeiro manifesta “uma preocupação muito forte com outras intervenções previstas no decreto, a começar pelos limites colocados ao acesso à instituição de proteção especial. As cerca de 10.000 pessoas a quem esta forma foi reconhecida saíram da precariedade, são regulares e podem trabalhar legalmente com todas as proteções. Por que eliminar essa possível ferramenta de inclusão, relegando milhares de pessoas a uma condição de irregularidade e, consequentemente, de exploração e chantagem, em total contradição com as necessidades de segurança enfatizadas pelo governo?” A concluir, a campanha sublinha como "as intervenções previstas no decreto governamental estão desorganizadas, sem rumo, sem uma visão global sobre a questão migratória: penas mais duras, falar sem distinção de traficantes e contrabandistas, aumentar os centros de repatriação, limitar o reconhecimento de especial proteção, remodular os decretos de fluxos sem mudar o sistema são medidas inadequadas para gerir um fenômeno complexo que requer uma reforma profunda e estrutural que coloque no centro a vida e a dignidade das pessoas”. A campanha Eu era estrangeiro é promovida por: Radicais Italianos, Fundação Casa da Caridade "Angelo Abriani", ARCI, ASGI, Centro Astalli, CNCA, A Buon diritto, CILD, Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Oxfam Italia, ActionAid Italia, ACLI, Legambiente Onlus, ASCS – Agência Scalabriniana de Cooperação para o Desenvolvimento, AOI, com o apoio de numerosos prefeitos e dezenas de organizações. Para informações e contactos: [email protected] ...

Ler artigo
Teóloga batista Valérie Duval-Poujol recebe Medalha de Honra

Teóloga batista Valérie Duval-Poujol recebe Medalha de Honra

Valérie Duval-Poujol - quadro do vídeo da Federação Protestante da França (FPF) Roma (NEV), 29 de junho de 2023 – “Enquanto houver discriminação entre homens e mulheres, lutaremos. Enquanto houver vítimas de violência doméstica, abuso espiritual e sexual, lutaremos. E até que a palavra libertadora de Jesus seja sufocada e distorcida, lutaremos”. Com estas palavras inspiradas por William Booth, o fundador do Exército de Salvação, o teólogo batista Valerie Duval-Poujol ele concluiu seu discurso por ocasião de sua nomeação como "Cavaleiro da Ordem Nacional Francesa". O teólogo, atual vice-presidente da Federação Protestante da França (FPF), foi de facto agraciado com a Medalha deOrdem Nacional do Mérito (Ordem Nacional do Mérito) em reconhecimento ao seu compromisso com o bem comum e em particular com a defesa dos direitos da mulher. A medalha foi entregue ontem pela Irmã Veronique Margronpresidente da Conferência dos religiosos e religiosas da França, nas salas da Maison du Protestantisme de Paris. A teóloga batista aproveitou o prêmio para agradecer aos parceiros ecumênicos e protestantes pelo apoio às suas iniciativas, como a revisão da Nova Bíblia da Corrente Francesa, sua participação no Grupo Orsay (local de encontro de um grupo de mulheres protestantes para reflexão e abertura a outras histórias, questões, crenças e esperanças) e na associação "Une place pour elles" (Um lugar para eles), da qual é fundadora, e na redacção de relatório sobre a violência sexual e espiritual no protestantismo. Para saber mais: A entrevista nev/Riforma.it sobre famílias plurais e ecumenismo (ano 2014) O vídeo da cerimônia de reconhecimento de Valérie Duval-Poujol: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=rDN5hbCqUmw[/embed] ...

Ler artigo
Começa hoje o Sínodo Luterano em Roma

Começa hoje o Sínodo Luterano em Roma

Roma (NEV), 28 de abril de 2022 – A XXIII sessão do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) começa hoje em Roma, no Hotel Villa Aurelia.Uma vez cumprido formalmente a constituição do "parliamentino" luterano, prevista noNo início da tarde, entraremos no centro do debate com o relatório do Presidente do Sínodo, Wolfgang Pradera que se seguirão os relatórios do Consistório e do Reitor cessante, Heiner Bludau.Em seguida, será a vez dos cumprimentos do Presidente da Federação das Igrejas Evangélicas emItália, Daniele Garroneo primeiro convidado entre vários esperados para os próximos dias.Uma sessão, a XXIII, que verá a eleição do Reitor e do Vice-Reitor do CELIprevisto para sábado, 30 de abril.Após o período de pandemia, portanto, o Sínodo Luterano volta a se reunir ao vivo, em Roma.Para Wolfgang Prader, 47, presidente do Sínodo, a nomeação deste ano éparticularmente relevante porque “estamos mais uma vez na condição de nos encontrarmos em presença […] para discutir e debater após a sessão do ano passado teve que ser realizada online". Os sinodais, mais de 50, como aponta o vice-presidente do sínodo Ingrid Pfrommer“eles são escolhidos pelas 15 comunidades luteranas presentes na Itália, e terão a tarefa de discutir as várias resoluções e propostas apresentadas, votando a seguir e participando das eleições para a renovação dos mandatos sinodais”.Entre as atividades programadas para esta XXIII sessão, uma mesa redonda, amanhã, 29abril, moderado pelo vice-reitor Kirsten Thiele, que terá como tema “liberte-se para a liberdade”. Com a participação de representantes do mundo protestante europeu: MichaelHubner (Secretário Geral da Federação Mundial Martin Luther), Leon Novak (Bispo da Igreja Evangélica da Confissão Augusta na Eslovênia), Gerhild Herrgesell (Conselheiro Eclesiástico para o desenvolvimento da Igreja Evangélica Austríaca) e Olaf Wassmuth (Chefe do Departamento de Turismo do Sul da Europa e Exterior da Igreja Evangélica Alemã).O Sínodo Luterano representa, portanto, como afirma uma nota do CELI, "uma importante oportunidade não só religiosa, mas de confronto e debate com os fermentos teológicos, sociais e culturais que animam as sociedades europeias no atual momento histórico, oferecida em comparação com a empresa italiana". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.