sim, não, quase.  5 de junho na Eurovisão

sim, não, quase. 5 de junho na Eurovisão

Foto Protestantismo/FCEI

Roma (NEV), 31 de maio de 2022 – Uma celebração ecumênica de Pentecostes será transmitida no Eurovision no domingo, 5 de junho, às 10h, no RaiDue. Editado pela coluna “Protestantismo”, este ano será transmitido de Pinerolo, na província de Torino.

É a primeira vez que o telespectador poderá presenciar um momento de “hospitalidade eucarística”, ainda que “imperfeita”. Essa prática, de fato, não é permitida pela doutrina católica. No entanto, em vários contextos, tanto católicos como protestantes, a aceitação mútua da “Ceia Protestante” e da “Eucaristia Católica” já é uma realidade.

No dia 5 de junho, haverá troca de pão e vinho entre o Templo Valdense de Pinerolo e a Catedral de San Donato: “Um sinal que coroa um longo caminho ecumênico e que pretende sublinhar o desejo de um testemunho comum em um mundo marcado pelo ‘egoísmo e violência», lê-se na apresentação da Celebração.

Eles serão os pastores Gênero Gianni E Mauro Pons da igreja valdense de Pinerolo, com o bispo Derio Olivero, Presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo, para acompanhar este momento de intercâmbio eucarístico. O pastor Genre diz: “é um sinal, uma primícia de um diálogo ecumênico, sem queimar o tempo, nem dar saltos”. É, de fato, uma delicada questão teológica.

Consubstanciação e transubstanciação são conceitos que também têm a ver com escatologia e soteriologia (doutrina da salvação). Também, mas não só, porque dizem respeito também à fé, tradições, hábitos, espiritualidade, rituais e crenças pessoais. Basta dizer que, segundo uma pesquisa recente, nos Estados Unidos apenas um terço dos católicos afirma acreditar que “durante a missa, o pão e o vinho se tornam o corpo e o sangue de Cristo”.

O pão e o vinho, no contexto protestante, não podem substituir, ou ser, o Senhor; você não come Cristo, você come com Cristo, citando Victor Subilia em “Jesus na mais antiga tradição cristã”. Na própria Reforma, o tema da Santa Ceia é amplamente debatido, com diferentes posicionamentos. Ulrich Zwingliopor exemplo, traduz o “Leste” da frase “este é o meu corpo” (hoc est corpus meum) com “significado”. Sempre o mesmo Zuínglio, entende a transformação em membros do corpo de Cristo como um fato que diz respeito não ao pão, mas à comunidade reunida. Martinho Luteropor sua vez, fala da ubiquidade de Cristo. João Calvinono entanto, está em uma posição intermediária.

O pastor Genre nos conta como nasceu em Pinerolo o desejo da partilha eucarística: “Há alguns anos, o pároco Sérgio Rostagno propôs dar um passo adiante no sentido da partilha ecumênica. Ou seja, ele se propôs a fazer o que a cristandade fez em Roma no século III, de acordo com o ensinamento de Eusébio de Cesaréiabiógrafo do imperador Constantino. Eusébio sugeriu que os cristãos orientais e ocidentais trocassem sinais de pão e vinho. Rostagno propôs fazê-lo também em Pinerolo, inaugurando assim um caminho de intercomunhão. Não podemos falar de hospitalidade plena, mas é certamente uma experiência viva que se faz acompanhar de colaborações não só a nível ecuménico, mas também a nível económico e social”. De fato, em Pinerolo, “já faz algum tempo que os valdenses trazem vinho para a Eucaristia na catedral, na Páscoa, para a missa de vigília. Na manhã seguinte, no culto, uma delegação católica leva pão para a Ceia do Senhor”, continua o gênero.

É um símbolo de reconhecimento mútuo, diz o pároco: “um sinal, graças ao qual dizemos uns aos outros: reconheço-vos como a Igreja de Cristo, apesar das diferenças. As diferenças são sempre frutíferas, enquanto a uniformidade e a homologação correm o risco de ser estéreis. Não queremos trabalhar pela unidade da Igreja no sentido de nivelar as coisas, mas no sentido de perspectivas e responsabilidades comuns. Lembrando que a Ceia é do Senhor, não das Igrejas”.

Por mais de 50 anos, a área de Pinerolo e os vales valdenses representaram um fértil “laboratório ecumênico”. Das reuniões no Centro Internacional Ágape, ao pioneirismo do don Mário Polastro, “uma pessoa humilde e profunda ao mesmo tempo”, diz Genre. Desde momentos de reflexão sobre casamentos mistos e baptismos, aos muitos projectos que vêem católicos e protestantes juntos, desta área nasceram encontros, documentos, bolsas de trabalho, apoio à emergência da covid e inúmeras outras experiências que viram a sinergia concreta entre a diocese e a União das igrejas metodistas e valdenses, por meio dos fundos do Otto per mille valdensiano.

Não basta o diálogo, conclui o pastor Genre: “Precisamos de reciprocidade. A este respeito, é significativo que o culto de Pentecostes seja itinerante. Passe pelo templo valdense, a catedral católica e o monumento ecumênico dedicado a todas as vítimas da intolerância e da violência perpetradas também em nome de Deus”.

Estamos a falar da obra do escultor austríaco Gerald Brandstötter que representa a estaca de 1397 em Steyr, na Áustria, na qual morreram os valdenses que não quiseram renunciar à sua fé. Bem em frente a este monumento há um momento litúrgico de confissão de pecado e anúncio de perdão e graça. É o momento simbólico de superação da intolerância e da agressão mútua. Mesmo os de hoje, na Ucrânia, como em muitas outras áreas do mundo.

A troca de pão e vinho entre protestantes e católicos, na Eurovisão, é um sinal perturbador até para não especialistas. Genre conclui: “É uma tentativa de dar substância a algo visível. Não basta dizer ecumenismo. Respostas comuns devem ser dadas para recuperar a credibilidade como igrejas cristãs na Europa Ocidental. Esperamos que essas sementes dêem bons frutos, tanto no diálogo ecumênico quanto na cooperação em nível social”.


Para saber mais:

Fulvio Ferrario, professor de teologia sistemática e decano da Faculdade Valdense de Teologia em Roma: “Hospitalidade eucarística: e se colocarmos o coração em paz?”

O documento “Juntos à Mesa do Senhor”, editado pelo grupo de trabalho ecumênico católico-protestante (ÖAK), que defende a participação mútua na Eucaristia como teologicamente justificada.

“Hospitalidade eucarística: a caminho da unidade dos cristãos”, livro editado por Margarida Ricciuti (valdense) e Pedro Urcioli (Católica), publicada pela Editora Claudiana. O volume trata do tema da hospitalidade eucarística a partir do documento A Ceia do Senhor, assinado por Paulo rico E João Cereti, onde se expressam as razões que sustentam esta prática. Seguido por contribuições sobre o tema de perspectivas católicas, ortodoxas, luteranas, batistas, metodistas, valdenses, adventistas, anglicanas e pentecostais.

O boletim “Hospitalidade Eucarística” (OE). Com curadoria de membros do grupo ecumênico Breaking the Bread, que inclui crentes protestantes e católicos individuais. Nascido em 2011 em Turim, o grupo envolve igrejas, mosteiros e paróquias. O boletim da OE propôs um questionário sobre o assunto, que foi respondido por membros de igrejas católicas e protestantes, padres, pastores e pastoras, pregadores locais, diáconos e freiras.


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Protestantismo, os novos tempos em Rai Tre

Protestantismo, os novos tempos em Rai Tre

Roma (NEV), 14 de setembro de 2022 - A partir de domingo, 18 de setembro, com a nova programação da Rai, o episódio dominical do Protestantismo, a transmissão de TV da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, será transmitido às 7 em vez das 8. Além disso, o as réplicas não serão mais duas, mas três. Abaixo estão as datas e horários dos compromissos para o próximo episódio. O programa, apresentado por Cláudio Paravatiserá transmitido pela Rai Tre. Domingo, 18 de setembro às 7 Réplicas:Terça-feira à noite, 20 de setembro, às 13h10Quarta-feira à noite, 21 de setembro, às 13h10Segunda-feira à noite, 26 de setembro, às 13h45sempre na Rai 3 Neste episódio: O caminho para o céuEm Hohrodberg, na França, uma comunidade de freiras protestantes,ele vive uma vida de silêncio e oração.As diaconisas de Estrasburgo falam sobre sua vida cotidianae as viagens interiores que os levaram a optar pela vida comunitária ...

Ler artigo
igreja luterana.  30 anos de Entendimento com o Estado

igreja luterana. 30 anos de Entendimento com o Estado

Roma (NEV/CELI), 21 de abril de 2023 – Você já se perguntou o significado da palavra "entendido"? Do latim intentus particípio passado do verbo intentar. Isso é ir juntos em direção a um objetivo. Um acordo. Corria o ano de 1993, há 30 anos, numa sexta-feira, quando a Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI) e o Estado italiano assinaram um pacto para uma lei que regularia suas relações. Por um lado, a delegação luterana, que incluía também o então Presidente do Sínodo Hanna Brunow Franzoi e o então vice-reitor Jurg Kleemann; do outro, o Estado italiano, representado pelo então Presidente do Conselho, Julian Amato. Uma Igreja, representada por uma mulher, fato mais singular do que raro naquele momento histórico, visto que os acordos anteriores traziam muitas assinaturas masculinas. Milhares de anos parecem ter se passado e, na verdade, passaram-se apenas trinta anos desde um ato que abriu as portas para a lei de 29 de novembro de 1995 n. 520. O acordo, de fato, estabeleceu um caminho, a lei teria permitido esse caminho para atingir um objetivo: a relação de reciprocidade, em direitos e deveres, entre o Estado e o CELI. Um convênio que o CELI já havia começado a preparar em 1985 graças ao trabalho de italianos e alemães, vividos, como recordou o vice-reitor Kleemann, “folheando livros e datilografando durante longas noites, com intermináveis ​​discussões, reuniões e viagens” . Um acordo que antecipou, inesperadamente, temas muito modernos hoje. Como o sentimento de pertença à Itália dos jovens nascidos de pais não italianos. Keemann continua: "Claudia, estudante do 1º ano de direito, me acompanhava, já que ela era bilíngue" […] também “lavrar a ata. Ela me forneceu a preciosa prova: «Sou italiana, tenho mãe dinamarquesa, pai italiano e fui crismada em Florença como luterana»». Continue lendo no site do CELI ...

Ler artigo
Sínodo Luterano.  Inclusivo e digital no futuro

Sínodo Luterano. Inclusivo e digital no futuro

Roma (NEV/CELI CS12), 2 de maio de 2021 – 2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) 29.04/01.05.2021 Continuidade, mudança, futuro. A misericórdia como responsabilidade da Igreja Declaração sobre Justiça de Gênero Igualdade de gênero como expressão de fé Criação de uma plataforma digital profissional Um desafio superado de forma excelente e com muita disciplina: um sínodo em formato online. Em vez do habitual encontro presencial, dois dias e meio de trabalho concentrado em frente a uma tela. O resultado mais importante da 2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália são duas decisões corajosas que guiarão a Igreja e suas comunidades em seu trabalho futuro. A aprovação de uma declaração programática sobre justiça de gênero e uma moção da Comissão Digital, aprovada por ampla maioria, sobre a criação de uma plataforma digital CELI. Outro destaque deste sínodo 2.0 foi a conferência com o convidado de honra, o secretário geral da Federação Luterana Mundial (WLF), Martin Junge. Muitos ferros na brasa no último dia do Sínodo, 1º de maio, com grande número de moções a serem aprovadas. O documento sobre justiça de gênero, aprovado após um debate muito intenso e acalorado, não é apenas a expressão de uma mentalidade aberta, mas quase uma declinação específica do título do sínodo, que colocou no centro de seus trabalhos o tema da misericórdia, ou seja, a a aceitação do outro sem preconceitos e o profundo respeito pelo seu ser. Foi claramente sublinhado que este tópico não apresenta nenhum perfil problemático dentro da igreja. A aceitação do outro (tanto em relação à orientação sexual quanto contra qualquer discriminação étnica) é um dado adquirido. A Igreja, por outro lado, tem como missão específica “sair do armário” e promover fortemente os temas do acolhimento e da integração na sociedade. O pré-requisito é uma atitude aberta e sem preconceitos, que deve ser expressa pelo menos adotando um modo de falar e agir inclusivo em todos os níveis, inclusive na pregação, culto e catequese, e nas comunicações públicas. A sede do Decanato da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) Destaque também para o projeto de três anos de um plataforma digital profissional. Especialmente após a experiência da pandemia e para superar um problema objetivo de acessibilidade "geográfica" ou por outros motivos, o CELI pretende viabilizar a pastoral e a assistência religiosa, bem como a informação sobre o luteranismo em sentido geral, através de podcasts, online estudos bíblicos, possibilidade de diálogo através de blogs, culto online e páginas interativas. E isso também para atender às necessidades e expectativas daqueles que se interessam por temas religiosos e pela igreja, mesmo que não desejem se comprometer em uma comunidade. Na sexta-feira, 30 de abril, os temas justiça de gênero, digitalização, pandemia, diaconia, juventude e meio ambiente foram discutidos em Grupos de trabalho. Nesses grupos menores, uma troca de ideias frutífera e animada foi possível, apesar do formato digital. Porém, há um elemento que une as conclusões de todos os grupos: todos os temas dependem muito da estrutura das respectivas comunidades. Vamos Saudações do convidado houve profundo apreço pelo CELI e suas atividades, bem como pela positiva cooperação. Entre outros, Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI); o moderador do Tavola Valdese, Alessandra Trotta; o presidente da Ópera das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), Mirella Manocchio e o presidente da União das Igrejas Evangélicas Batistas da Itália (UCEBI), João Paulo Arquidiácono; o bispo Leon Novak (Eslovênia); mons. Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão Episcopal da CEI para a cooperação entre as Igrejas; Martin Hubner, secretário-geral do Martin Luther Bund; os representantes da Igreja Evangélica Luterana Unida da Alemanha (VELKD) e da Igreja Evangélica da Alemanha (EKD), Norbert Denecke E Olaf Wassmuth; Klaus Rieth da Igreja de Württemberg; Enno Haakssecretário-geral da Gustav Adolf Werk; Mário Fishersecretário-geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (ECCP); a presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), Gabriela Lio; o presidente do Sínodo da Igreja da Baviera, Annekathrin Preidel e o presidente da Claudiana, Eugênio Bernardini. Leia no site do CELI [email protected] Anexo: Posição de Justiça de Gênero tomada Veja todo o especial: Sínodo Luterano 2021 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.