Casas e pensões valdenses “respondem” ao Covid

Casas e pensões valdenses “respondem” ao Covid

A pousada de Torre Pellice (Turim)

Roma (NEV), 3 de dezembro de 2020 – As casas e pensões valdenses não estão fechando devido à Covid, mas estão “relançando”. De fato, as estruturas foram convertidas, em muitos casos, nas últimas semanas, justamente para se adaptar à nova situação ligada à emergência sanitária, às restrições de viagens, mas também para reagir ao colapso do setor do turismo. Contribuindo ativamente para ajudar as pessoas mais vulneráveis. Eles escreveram e explicaram Elisa Ambrosoni E Daniel del Priore dias atrás em um post no site e redes sociais das pousadas e casas valdenses.


As casas valdenses, como também havíamos noticiado aqui no NEV, haviam reaberto em junho. Após o verão, em virtude das várias DPCMs, da segunda onda, do lockdown e da divisão da Itália em zonas, uma nova parada para o setor de turismo.

Daniele Del Priore, diretora da área de acolhimento da Diaconia Valdense, não nega o momento de extraordinária dificuldade: “Os funcionários dos albergues e pousadas estão em fundo de demissão, antecipado pela Diaconia Valdense. O orçamento deste ano é fortemente negativo. E lembramos que as receitas das pensões apoiam a atividade solidária da Diaconia”.

Mas diante da crise, “resiliência”.

“Como também no primeiro bloqueio, nos ouvimos. A vontade de ouvir as necessidades dos territórios e das pessoas faz parte da nossa missão”. Daí, portanto, a escolha de reformular a oferta.

“O Foresteria Valdese de Torre Pellice, em colaboração com o ASL Torino 3, será utilizado como um hotel de saúde que acolhe pessoas positivas, assintomáticas e autónomas. A Waldensian Foresteria em Florença colocou à disposição do Gould Institute uma ala do Palazzo Salviati para que os menores que testem positivo para Covid-19, ou que apresentem sintomas, possam usufruir de um amplo espaço dedicado”, lê-se no detalhe no site do casas valdenses.

No que diz respeito à Casa Cares, na Toscana, “estão em curso negociações com a Cruz Vermelha Italiana para que a estrutura possa acolher os migrantes que entram no nosso país, que necessitam de passar por um período de quarentena antes de serem assumidos pelo Estado italiano”. A Vallecrosia House Vallecrosia “reservou alguns quartos e uma parte do grande parque privado para migrantes em trânsito para a França: são principalmente famílias, em todo caso pessoas que precisam extremamente de descanso. Esta iniciativa nasceu da colaboração entre as casas valdenses e a Área de Migrantes da Diaconia Valdense, com o apoio e apoio das Igrejas Valdenses de Ponente Ligure.

Mesmo em Florença, antecipa del Priore, “estamos pensando em destinar nossa estrutura a um local onde menores em situação de dificuldade, acolhidos nas comunidades protegidas da cidade, possam passar quaisquer períodos de quarentena”.

Tudo isso sob a égide de uma necessidade de socialização e sociabilidade.

“O desejo – conclui a pessoa de contacto – é o regresso à normalidade, para todos, não só para as pessoas que são sempre faladas nos media. Penso nos mais novos, por exemplo, na necessidade de estarem juntos, de estarem próximos. A mensagem que queremos dar é de esperança: o distanciamento físico não exclui a proximidade social”.

Para quem deseja informações sobre as estruturas individuais e sua disponibilidade, é aconselhável entrar em contato diretamente com a casa ou pousada, usando os dados de contato disponíveis no site casevaldesi.it e nas redes sociais.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Para mulheres.  O compromisso do Hospital Evangélico Internacional de Gênova

Para mulheres. O compromisso do Hospital Evangélico Internacional de Gênova

Foto Daniela Grill. A diácona Alessandra Trotta (à esquerda) e a presidente da OEIGE, Barbara Oliveri Caviglia Roma (NEV), 20 de abril de 2023 – Em Riforma.it Daniela Churrasqueira assinar um relatório sobre o importante conferência organizada pelo Hospital Evangélico Internacional de Gênova (OEIGE) sobre questões relacionadas com a proteção e assistência às vítimas de abuso. Eles falaram Alessio Parodi, diretora-geral do OEIGE, que falou das “dimensões insuportáveis” que o flagelo da violência de gênero vem assumindo há alguns anos; o presidente, Bárbara Oliveri Cavigliaque recordou a forte aposta do hospital em oferecer cuidados de saúde diferenciados, precisamente "evangélicos"; Denise Ashing Dardanivice-presidente, que falou sobre os acordos e colaborações com alguns consulados, incluindo Equador, Albânia, Romênia, República Dominicana, para ajudar e acolher os estrangeiros presentes na cidade de Gênova, especialmente mulheres. O diácono também esteve presente na conferência Alessandra Trotta, atual moderador do Tavola Valdese, que lembrou como a esperança é “ajudar a criar uma humanidade mais serena, feliz e solidária”. Foram muitos os testemunhos de representantes de associações e centros anti-violência, entre os quais, particularmente comovente, o do pai de Martina Rossi, a jovem que morreu em 2011 ao cair da sacada do hotel onde estava de férias para escapar de uma tentativa de estupro. “O pai e a mãe de Martina, com muita coragem e força, tentaram sobreviver à dor devastadora comprometendo-se com os outros, desde as mulheres vítimas de violência até as pessoas mais frágeis, fundando a associação Martina Rossi. Para todos nós são um exemplo de compromisso civil e social”, recordou Barbara Oliveri Caviglia. ...

Ler artigo
Gianna Sciclone, primeira pastora valdense

Gianna Sciclone, primeira pastora valdense

Fortemente empenhado no ecumenismo, o pároco foi membro do Executivo da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e da comissão que redigiu o Charta Oecumenicao documento de 2001 elaborado pelo próprio KEK e pelo Conselho das Conferências dos Bispos Europeus (CCEE), entidade católica, que contém as diretrizes para aumentar a cooperação entre as Igrejas cristãs na Europa. Serviu várias comunidades, de Bari a San Salvo – Vasto, Florença, San Giovanni Lipioni, Carunchio. Ele foi membro da Mesa Valdense de 1988 a 1995 (como vice-moderador desde 1990). Com essa função, em 1993 assinou a integração do Acordo entre a Mesa Valdense e o Estado Italiano (Primeiro Ministro Giuliano Amato) em relação à aceitação das cotas de oito por mil destinadas à Igreja Valdense. De 1992 a 1999 foi membro da comissão Década de solidariedade das igrejas com as mulheres (desde 1994 nomeada comissão da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália - FCEI) Mark Rostan sobre Riforma ele lembrou que “para a igreja valdense, o ponto de partida da longa caminhada rumo ao pastorado feminino foi 1948, quando uma Comissão especial foi nomeada pelo Conselho Valdense (órgão executivo do Sínodo). No ano seguinte, a Comissão apresentou dois relatórios: um sobre o pastorado, outro sobre um possível 'ministério auxiliar'. “Acreditamos que não há motivos suficientes – concluiu o primeiro relatório – para continuar a excluir as mulheres de fé evangélica do ministério pastoral em sua plenitude”. O segundo texto indicava para as mulheres várias funções “além da pregação, da administração dos sacramentos e do cuidado das almas”. A incompatibilidade com o casamento foi prevista não por uma questão de princípio, mas pelo temor de que com os cuidados da família sobrasse menos tempo para a igreja. Regra abolida em 1959. Para preparar este ministério de 'assistente de igreja' foi criado um curso especial na Faculdade de Teologia em 1950, com três alunas, embora ainda não tivessem certeza de qual seria o seu papel. Em 1960, o Congresso da Federação Feminina pediu ao Sínodo o reconhecimento do pastorado para mulheres. Mas a decisão ainda foi adiada e remetida às igrejas locais que enviaram seu parecer: geralmente favorável, mas com muitas perplexidades de natureza prática. Finalmente, o Sínodo de 1962 reconhece “a plena validade do ministério da Palavra às irmãs chamadas”. Não foi uma decisão fácil, porém, como demonstram os números: 57 a favor, 42 contra, 10 abstenções.Em 1967 foram consagradas as primeiras pastoras; com a integração das igrejas metodista e valdense em 1979, o ministério pastoral foi aberto também às mulheres metodistas. Em meados da década de 1980, cerca de vinte anos depois, havia cerca de 10% de mulheres pastoras nas igrejas metodistas e valdenses, hoje elas triplicaram. Na União das Igrejas Batistas, há pastoras desde o início dos anos 1980 e na igreja evangélica luterana na Itália, as pastoras estão em serviço desde os anos 1990. Em outubro de 2004 foi eleita a primeira pastora presidente do Comitê Executivo da União das Igrejas Batistas e em agosto de 2005 a primeira pastora moderadora da Mesa Valdense”. O caminho estava traçado, e Gianna Sciclone foi uma promotora pioneira e incansável. Em agosto de 2017, por ocasião do 50º aniversário dessas primeiras ordenações, o Sínodo Valdense e Metodista quis recordar essas conquistas decisivas: “Hoje em nossas igrejas, entre pároco e diácono, representamos 40% dos inscritos”, informou o pastor Letizia Tomassone, ilustrando em coletiva de imprensa o processo nada óbvio que as mulheres evangélicas seguiram nas últimas décadas, até o "reconhecimento pleno da riqueza da pastoral feminina, com os respectivos papéis de governo na Igreja". A igreja foi enriquecida com outras perspetivas, integrando temas como o combate à violência de género ou a proteção de menores na comunidade”, acrescentou Tomassone. John Archdeacon, presidente da União Batista Cristã Evangélica da Itália (UCEBI), traça uma memória comovente e grata a partir de um episódio preciso. “Depois do reconhecimento mútuo entre batistas, metodistas e valdenses (BMV), sancionado com a Assembleia do Sínodo de 90, nas duas igrejas de Bari, mas também nas outras igrejas da Federação das Igrejas Evangélicas da Puglia e Lucania (FCEPL) , cresce com Gianna a consciência de estar mutuamente unidos na fé comum em Jesus Cristo e de viver a vida comum das igrejas e cada relação com o próximo no amor e na solidariedade. Cresce também o conhecimento mútuo entre as Igrejas, cada vez mais envolvidas em ações de testemunho comum e de evangelização, e a confiança recíproca fortalecida pela fraternidade e sororidade. Em particular, no dia seguinte ao desembarque no porto de Bari de cerca de 20.000 albaneses, a pastora Gianna Sciclone (em virtude de uma doação ao Tavola Valdese de um terreno agrícola com uma construção rural contígua feita por um querido irmão, chamado Pietro), promoveu com a ajuda da igreja batista e outras igrejas evangélicas da cidade, a criação do Centro Social Evangélico "La Casetta" na via Gentile em Bari para a primeira recepção. Ainda hoje recordo com emoção a oração de ação de graças que Gianna elevou ao Senhor na sala do ruidoso tabelião antes da leitura da escritura de constituição do Centro. O amém final foi o próprio selo daquele ato, cheio de esperança e certo do apoio do Espírito de Deus. O Centro não estava equipado para receber os albaneses, e as igrejas estavam muito preocupadas com a organização para receber cerca de 150 albaneses no recém-criado centro da Via Gentile, mas Gianna e Vincenzo, sua querida esposa e pintora, imediatamente disponibilizaram o Centro seu campista. Este sinal foi muito apreciado pelas igrejas envolvidas na gestão e também com a ajuda delas, cerca de uma centena de tendas de campo foram instaladas no Centro que permitiram assistência temporária aos que haviam deixado a Albânia, agora dilacerada pela falta de um Estado, todos de forma e estabelecer. Gianna não parou diante das dificuldades impostas pelas circunstâncias. Enfrentou-os, não sozinha, mas com os irmãos e irmãs que conheceu no seu caminho ecuménico, procurando sempre uma solução prática partilhada, destinada a dar substância ao testemunho comum do Evangelho. Agradeço ao Senhor por vos ter conhecido e ter tido a honra de partilhar convosco um pedaço do vosso caminho de fé e por ter recebido de vós a alegria do serviço na nudez desarmada de quem não tem outra garantia senão o amparo do Espírito de Deus". ...

Ler artigo
Em agosto, começa o Sínodo Valdense e Metodista junto com a União Batista

Em agosto, começa o Sínodo Valdense e Metodista junto com a União Batista

Roma (NEV/chiesavaldese.org), 2 de agosto de 2022 – “Viva o Sínodo conosco“. Este é o título do artigo de Robert David Papini que lança o compromisso de agosto com o Sínodo das igrejas metodista e valdense. Este ano, também a Assembleia juntamente com a União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). Leia abaixo. Torre Pellice, 1 de agosto de 2022 Um tênue fio de inquietação atravessa os vales valdenses e as várias comunidades metodistas e valdenses espalhadas por toda a Itália: é o dobro este ano? Haverá dois Sínodos em Torre Pellice, na província de Turim? Após um ano de hiato e outro em modo híbrido, decidiu-se relançar com uma edição mais alargada (com mais debates!), mais rica e mais cansativa? Não, não se preocupe, os horários serão os mesmos de todos os anos pré-Covid: pouco menos de uma semana (do domingo, 21, com o culto inaugural, a sexta-feira, 26 de agosto) com o habitual rico programa de iniciativas colaterais. Haverá também um retorno bem-vindo: depois de quinze anos será realizada a Assembleia-Sínodo, um encontro conjunto para valdenses, metodistas e batistas: debate, reflexão e planejamento do trabalho a ser feito juntos, em um contexto em que se trabalhe " juntos" é cada vez mais urgente. Não dois Sínodos, portanto, mas dois dias de Assembleia do Sínodo (segunda-feira, 22 e terça-feira, 23) e, em seguida, de quarta-feira, 24 a sexta-feira, 26, o Sínodo Valdense que, em uma inspeção mais detalhada, é realmente mais curto do que o normal. Em torno desses momentos importantes de debate e democracia, muitos encontros interessantes. Você está pronto para experimentá-los conosco? Vamos ver uma pequena seleção. Sexta-feira, 19 de agosto: Jornada Teológica “G. Miegge”. A tradicional e sempre esperada nomeação de cada pré-sínodo. Com início às 11h no templo da Torre Pellice, o dia terá como tema: «Democracia e prática ecumênica», organizado pela Fundação Centro Cultural Valdense e pela Secretaria da Assembleia dos Membros das Igrejas Metodista e Valdense. Sexta-feira, 19 de agosto: Exposição da Bíblia. Às 17h30, no Centro Cultural Valdense (via Beckwith 3), é inaugurada a exposição "As Bíblias valdenses: edições do século XV ao século XIX". Sábado 20 de agosto: Pré-Assembleia/Sínodo da FGEI. O encontro com a Federação Juvenil Evangélica da Itália é a partir das 14h30 na Casa Unionista da Torre Pellice. O título será «A Beleza de Mil Vozes». Sábado 20 de agosto: Federação das Mulheres Evangélicas da Itália. O habitual encontro organizado pela Fdei às 15 horas na galeria de arte “Filippo Scroppo” (via R. D'Azeglio 10) sobre o tema «Mulheres e migração. Juntos, portadores de valores universais, simbólicos e culturais irrenunciáveis». Sábado, 20 de agosto: Fronteiras diaconais. Às 16h, no jardim da casa valdense na Torre Pellice (via Beckwith 2), a 14ª edição do Frontiere diaconali pela Diaconia Valdese – CSD. O tema é "Autismo: caminhos e perspectivas". Durante o evento será exibido o filme “As Mil Portas de Filipe”. Sábado 20 de agosto: Noite organizada pela editora Claudiana. Às 21h00 na Galeria de Arte «Filippo Scroppo», apresentação do livro de Paolo Ricca: “Dio. Desculpa". Segunda-feira, 22 de agosto: noite pública – Também este é um pilar da semana sinodal. Encontro às 20h45 no templo da Torre Pellice para a noite sobre "Paz e pacifismo no diálogo". Centro cultural valdense. Continua no espaço "Uma janela acima". Leia em Chiesavaldese.org ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.