Parar o massacre, FCEI se junta à manifestação nacional em Cutro

Parar o massacre, FCEI se junta à manifestação nacional em Cutro

Roma (NEV), 8 de março de 2023 – A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) se uniu e participará do evento nacional “Pare o massacre” programado em Cutro em 11 de março.

“Os mortos na praia de Cutro – declara o presidente da FCEI, pároco Daniele Garrone – são uma bofetada na consciência da Itália e da Europa. Como os caixões enfileirados no hangar de Lampedusa, como o corpo sem vida de Alan Kurdi, como as praias de Lesbos. E por isso nós, evangélicos, estaremos em Cutro para expressar nossas condolências pelas vítimas do último massacre de migrantes e reiterar nosso pedido de caminhos seguros e legais para migrantes e requerentes de asilo. Viemos aqui para Cutro com a esperança de que as condolências de hoje se traduz em ações e políticas concretas que garantem vias legais; que os corredores humanitários sejam ampliados na Itália e na Europa a ponto de desencorajar a migração irregular; que a ação de busca e salvamento no mar por ONGs e forças militares italianas e europeias seja reconhecida e valorizada; que a Itália aprenda a reconhecer que a imigração regular é um recurso para o crescimento do país”.


Para mais informações: comunicado de imprensa da FCEI após o massacre de Cutro

artigo anteriorHungria. Um simpósio para o 50º aniversário da assinatura do Acordo de Leuenberg
Próximo artigo10 anos do Papa Francisco: “Uma pessoa que acredita em Deus”

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Religiões pela Paz.  A 10ª Assembleia Mundial será realizada na Alemanha em agosto de 2019

Religiões pela Paz. A 10ª Assembleia Mundial será realizada na Alemanha em agosto de 2019

Roma (NEV), 14 de agosto de 2018 – Religiões pela Paz (RfP) convocará sua décima assembleia mundial em Lindau (Alemanha), de 20 a 23 de agosto de 2019. Título do evento, “Cuidando de nosso futuro comum” e verá o participação de cerca de 700 representantes religiosos - mulheres, homens e jovens, incluindo as mais altas autoridades institucionais e religiosas, até ativistas de base. “Os desafios atuais de conflito violento e extremismo, violações dos direitos humanos, pobreza e ameaças à terra ocorrem em meio a uma crescente crise de confiança nas instituições políticas e econômicas. Até a noção de 'verdade' é contestada e a comunicação é muitas vezes manipulada para fins comerciais ou políticos", lê-se no comunicado de imprensa da RfP, que sublinha o papel fundamental da ação multirreligiosa na resolução de conflitos violentos, para uma cidadania inclusiva e a proteção da terra. A RfP é uma organização multirreligiosa com sede em Nova York que opera em 90 países ao redor do mundo. ...

Ler artigo
A crise do ecumenismo europeu

A crise do ecumenismo europeu

Foto Hilert. Roma (NEV), 17 de julho de 2023 – De 14 a 20 de junho, o XVI Assembleia da Conferência das Igrejas Europeias, conhecido pela sigla alemã KEK. Esta é a organização ecumênica regional fundada em 1959 para promover o diálogo entre as igrejas da Europa Ocidental e Oriental, então divididas pela Cortina de Ferro. O CEC inclui 114 igrejas pertencentes a diferentes famílias confessionais: protestantes de várias denominações, anglicanos, ortodoxos e católicos antigos. Na Itália há membros batistas, luteranos, metodistas e valdenses, e há uma colaboração estruturada com a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Da década de 1980 até a primeira década do séc.zo milênio o KEK desempenhou um papel ecumênico de destaque na Europa, graças às três Assembleias Ecumênicas Europeias de Basel 1989, Graz 1997 e Sibiu 2007, promovidas conjuntamente pela mesma Conferência e pelo Conselho das Conferências Episcopais Católicas da Europa (CCEE) . Desde então, por várias razões, seu papel parece ter sido reduzido. Um downsizing devido, além das crescentes dificuldades econômicas das igrejas, à decisão, já tomada há vários anos, de concentrar os trabalhos da Conferência sobre o relacionamento com a União Européia, fechando os escritórios em Genebra e Estrasburgo e deixando apenas a sede em Bruxelas. Mas também o impasse nas relações ecumênicas com a Igreja Católica após a difícil Terceira Assembleia Ecumênica de Sibiu, na Romênia. A Assembleia de Tallinn parece ter confirmado a tendência de enxugamento, a começar pela ausência de cerca de cinquenta igrejas membros (pela terceira vez consecutiva a Igreja Ortodoxa Russa esteve ausente, o que congelou a sua participação precisamente por causa de uma disputa envolvendo uma das duas Igrejas Ortodoxas de Estônia; os ortodoxos sérvios também estão ausentes). um momento da Assembleia. Foto Hilert. Foi confirmada a dissociação da CEC de duas importantes redes ecumênicas europeias, a que trata dos migrantes, a Comissão de Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME), e a de ecologia, a Rede Cristã Europeia para o Meio Ambiente (ECEN). Havia alguma esperança de que a convocação de uma quarta Assembleia Ecumênica Européia fosse anunciada, mas isso não aconteceu. Mesmo sobre a guerra na Ucrânia, a declaração final decepcionou muitos delegados devido à posição considerada muito pró-OTAN e à falta de insistência em encontrar soluções pacíficas para o conflito. No entanto, os delegados italianos destacaram os pontos positivos da Assembleia: o debate sobre o acolhimento dos migrantes; a presença ativa de jovens que viram uma boa moção sobre o clima aceito; a renovação do Comitê Diretivo no qual também foi eleito um jovem pároco italiano, o Batista Simone De Giuseppe. O novo presidente do KEK é ortodoxo, o arcebispo Nikitas de Thyateira e Grã-Bretanha, que no final do encontro partilhou uma mensagem de esperança: “Esta Assembleia encontra-nos num mundo em guerra, em que as armas nucleares ainda estão a funcionar… Neste contexto, a CEC deseja trazer esperança e luz de Cristo, como mensageira da paz e da solução dos nossos problemas". ...

Ler artigo
Pacto pelas migrações, igrejas mundiais: “Solidariedade e acolhida”

Pacto pelas migrações, igrejas mundiais: “Solidariedade e acolhida”

Roma (NEV/Riforma.it), 23 de setembro de 2020 – A Comissão Europeia apresentará hoje, quarta-feira, 23 de setembro, o novo Pacto de Migração, uma reforma do regulamento de Dublin que visa não colocar todo o ônus das chegadas nos países de origem e deve acionar mecanismos de solidariedade estabelecendo certas obrigações, por exemplo, sobre relocações.Ontem, 22 de setembro, uma dezena de organizações religiosas globais e regionais divulgou uma declaração em defesa da situação dos migrantes e refugiados na Europa para definir seu chamado como cristãos para "acolher o estrangeiro e instar a criação de um mundo no qual nos tornemos humanos juntos ". “A solidariedade deve ser o princípio orientador que rege a migração e, especialmente, a recepção de refugiados”, afirmou o comunicado. “Esperamos que a União Europeia rejeite o discurso e a política do medo e da dissuasão e adote uma posição de princípio e uma prática compassiva baseada nos valores fundamentais em que a UE se baseia. Nossas organizações representam igrejas em toda a Europa e no mundo, bem como agências religiosas particularmente preocupadas com migrantes, refugiados e requerentes de asilo”, continua o comunicado. “Como organizações cristãs, estamos profundamente comprometidos com a dignidade inviolável da pessoa humana criada à imagem de Deus, bem como com os conceitos do bem comum, da solidariedade global e da promoção de uma sociedade que acolhe os estrangeiros, cuida dos que fogem do perigo e protegem os vulneráveis”. A declaração refere-se então ao recente incêndio no campo de Moria, que deixou 13.000 migrantes desabrigados. “Os acontecimentos da noite de 8 de setembro de 2020 no campo de Moria e nos dias seguintes mais uma vez evidenciaram o estado falido da política europeia de migração e asilo e o sofrimento que ela criou. O desespero das pessoas em busca de proteção, muitas vezes obrigadas a viver anos em condições desumanas, a raiva e a frustração dos moradores que sentem que a Europa os deixou sozinhos com o desafio de acolher e assistir, indicam como a resposta atual tem enfrentado os sintomas de um grande problema, mas não a causa real, e a reação da UE expressa simpatia, mas mostra uma profunda falta de responsabilidade e nenhum compromisso real de ajudar aqueles que precisam de proteção, bem como o Estado grego e a população local que os acolhe. A pandemia exacerbou as já desumanas condições de vida dos migrantes”, observou o comunicado. “A COVID-19 e as suas consequências tornaram ainda mais precária a já difícil situação das populações deslocadas em muitos locais: quer pela higiene inadequada nestas estruturas, quer pelos cortes drásticos nas rações alimentares e demais assistências disponíveis”, lê-se. “Restrições generalizadas ao movimento interno e transfronteiriço após a pandemia reduziram ainda mais o acesso das pessoas à proteção. Além disso, a sobrevivência econômica de muitas pessoas em movimento, bem como de seus convidados, foi prejudicada por bloqueios e medidas relacionadas, que atingiram particularmente os empregados no setor informal e afetaram os meios de subsistência. As organizações religiosas comprometem-se, portanto, a "apoiar uma abordagem mais digna para o acolhimento, proteção e cuidado das pessoas em movimento". O texto afirma ainda que "as igrejas e agências foram e serão proativas em oferecer uma recepção compassiva e promover a integração social e uma coexistência justa e pacífica, na Grécia e em toda a Europa e além". A declaração exorta a mídia a “respeitar a dignidade humana de migrantes e refugiados, garantir uma cobertura equilibrada de suas histórias, envolver-se com migrantes e refugiados e capacitá-los a contar suas histórias e evitar expressões negativas estereotipadas, bem como vitimização e simplificação excessiva. Também partilhamos a convicção de que os valores fundamentais da União Europeia de dignidade humana e respeito pelos direitos humanos devem ser refletidos na sua política quotidiana. A política de asilo e migração da UE deve ir além do modo de crise: os canais normais de migração, incluindo passagens seguras e corredores humanitários, serão uma parte essencial da redução dos incentivos para realizar viagens perigosas e minar o negócio do tráfico. Essas passagens seguras devem ser abertas a pessoas que buscam proteção, mas também envolver pessoas que se juntam a suas famílias ou vêm para a Europa para melhorar seu bem-estar e o bem-estar da região trabalhando na Europa. Em conclusão, apoiamos fortemente a assistência humanitária imediata para permitir que as autoridades gregas e os agentes humanitários no terreno respondam às necessidades das pessoas deslocadas, bem como soluções estruturais de longo prazo para a resposta da região às pessoas em movimento. Em particular, pedimos um pacto da UE sobre migração e asilo que assegure que cada estado membro cumpra suas obrigações para que os países nas fronteiras da Europa não enfrentem esses desafios sozinhos. Todos os Estados-Membros da UE, assistidos por intervenientes locais, incluindo igrejas, devem assumir as suas responsabilidades no acolhimento e integração dos refugiados através da reinstalação permanente e outros mecanismos de partilha de encargos. Esperamos que a Europa rejeite o discurso e a política do medo e da dissuasão e adote uma posição de princípio e uma prática compassiva assente nos valores fundamentais em que assenta a União”. A declaração conjunta é co-assinada pela ACT Alliance, a Comunhão Anglicana, a Comissão das Igrejas para Migrantes na Europa, a Conferência das Igrejas Europeias, a Igreja Evangélica da Grécia, o Centro de Integração para Trabalhadores Migrantes – Programa Ecumênico para Refugiados, Não- Organização Lucrativa da Igreja da Grécia, Federação Luterana Mundial, Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos, Associação Mundial de Comunicação Cristã, Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (Região Europeia), Conselho Mundial das Igrejas e Metodista Mundial Conselho. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.