Conferência Metodista: História, Missão e Cultura

Conferência Metodista: História, Missão e Cultura

Roma (NEV), 12 de fevereiro de 2020 – A movimentada sessão da manhã da conferência internacional sobre estudos do Metodismo intitulada “The Catholic limes. Ambições e estratégias do Metodismo para uma Itália unida” foi presidida pelo professor Alessandro Saggioro.

O primeiro relatório, sobre “O sítio histórico-político da Itália no final do século XIX – início do século XX” foi editado por Augusto D’Angelo, que a partir de documentos históricos e historiográficos descreviam as relações recortadas entre católicos e metodistas, em contínua transformação, a nível nacional e local. Ao realçar a grande contribuição metodista na sociedade, na educação, através das escolas, mas também nas igrejas e nas relações com o tecido cultural e religioso da época, D’Angelo destacou o papel da mulher, “capaz de se colocar ao serviço da comunidade, no ensino, como professoras e como parteiras”. Párocos e freiras, onde a presença metodista é forte, segundo D’Angelo, se sentem estimulados a fazer melhor, graças a jovens brilhantes que o metodismo trouxe à tona. O professor destacou a importância da participação dos metodistas na resistência, o papel da industrialização e da fundação da fábrica em Palombaro (Chieti) “O renascimento, graças ao qual parte da população permanecerá na área”, e o mudança de ritmo entre católicos e metodistas: desde 1960, quando o arcebispo bosio enviou cartas ao pároco para colocar o problema de como conter as comunidades protestantes onde elas existiam, em 1970, quando em visita pastoral o cardeal Loris CapovillaSecretário de João XXIII, em um questionário perguntou se o espírito ecumênico estava sendo cultivado e se era celebrada a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC). As palavras de ordem já não são “prevenir, conter e reconquistar” mas “rezar juntos” e muda-se o tecido e a mentalidade. Por fim, D’Angelo convocou o debate a partir de três questões: as adesões ao metodismo, que poderiam ser motivadas pelo descontentamento com o clero católico; a hipótese de um vínculo entre a adesão e a facilitação da migração nos Estados Unidos, que financiava o pastorado; o valor da consciência de que a presença metodista tornou mais eficaz a ação de outros.

Ele interveio sobre “A questão religiosa na Itália entre 1900 e 1915”. Alberto Melloni da Fundação de Ciências Religiosas (FSCIRE), professor de história do cristianismo na Universidade de Modena e Reggio Emilia, bem como promotor da Academia Europeia de Religião. Melloni traçou as linhas da paisagem religiosa pré-guerra, citando cartas pastorais e manuais para padres e narrando as etapas da Itália leonina de Bonomelli, “de um catolicismo não mais rural e devoto, a um catolicismo italiano fermentado, que olha para o realidade social com olhos diferentes dos olhos do século XIX”, onde o próprio papado não será mais como antes. Melloni falou então das pedras angulares e dos preconceitos intelectuais e ideológicos que caracterizaram parte do pensamento da época, da luta contra a modernidade e o modernismo, do medo do judaísmo e do ódio aos protestantes, sem esquecer aquele tratado de uma luta que durou durante séculos mas, nesta fase, “caracterizada por Bispos pensantes, por um episcopado que conserva um protagonismo próprio, uma permanência na memória dos Estados pré-unificação, como herdeiros dos filhos mais novos das famílias das cidades, mesmo anti -Papistas”. O professor mencionou as características de uma Itália mergulhada no mito do cristianismo, que tinha a ambição de um colonialismo espiritual e civilizacional, ambição questionada pelos protestantes. Por fim, uma breve referência ao totalitarismo e às políticas repressivas do Ventennio, que fizeram com que “a devoção se tornasse um selo e a suspeita investisse sobre todos”, através do que se poderia definir como denúncia em massa, em que a “descerebração do clero, e da sociedade em geral, desempenhou um papel na ascensão do fascismo; porque saber de algo é um risco”.

Tim R. Woolley, do Comitê de Herança da Igreja Metodista da Grã-Bretanha, falou em vez das “Estratégias do Metodismo Inglês para a Itália, 1860-1915”. Um excursus extenso e detalhado de Guilherme Artur (1819-1901) e de Henry James Piggot (1831-1917), pastor metodista inglês, iniciador da Missão Metodista Wesleyana na Itália, em diante, sobre as missões e denominações metodistas, a partir do Comentário Religioso e dos documentos em que são transcritas conversas com italianos comuns, descontentes com o papado . Desde o convite para estabelecer uma missão na Itália com a ideia de que o Metodismo Wesleyano poderia ser um fator de união para a Itália e para as outras formas de cristianismo que se desenvolviam, aos sentimentos mais propriamente antipapistas, até o trabalho de formação e envolvimento de ex-sacerdotes e seminaristas, com as consequentes perseguições e obstáculos dos católicos que queriam defender a sua fé e o seu território. Woolley citou episódios de antagonismo, ele leu documentos que se referem a “calúnias, ameaças e a ‘invasão protestante’ por meio da qual clérigos e leigos apelaram contra os intrusos cismáticos” para expulsar os “hereges”. Ao descrever o metodismo e a estratégia da missão, Woolley sublinhou o papel da Sociedade Bíblica britânica e estrangeira que já havia divulgado a Bíblia traduzida com os colportores desde 1808, causando certa inquietação papal. A suspeita era de que era uma tentativa de “espalhar Bíblias multilaterais e corruptas, enquanto colportores carregavam Bíblias e outras literaturas protestantes tentando explorar o descontentamento nas paróquias locais”. Grande foi a contribuição dos metodistas na distribuição de publicações, na preservação de livros, nas obras de educação escolar, na fundação de igrejas e congregações, apesar de haver poucos prédios próprios “provavelmente pela hostilidade dos proprietários católicos e da recursos econômicos limitados”. Foi neste período que também começou a se desenvolver uma ideia de cooperação ecumênica. A missão teve momentos de difusão e detenção; a pragmática estratégia metodista, com seus colportores e educadores, desacelerou, “mas a maior conquista diz respeito à qualidade e duração do trabalho nas escolas. Por exemplo, em La Spezia é relatado com orgulho que as autoridades educacionais da época registraram resultados muito satisfatórios e que o trabalho cresceu além das expectativas. Foi a guerra que teve impacto na fé, assim como o saldo de centenas de milhares de mortos”.

Dia de Alfredo T, Secretário Geral da Comissão de Arquivos e História da Igreja Metodista Unida dos EUA, finalmente falou sobre “As estratégias do metodismo americano para a Itália, 1860-1915”. Day explicou como nasceu a Missão Metodista Americana, através de viagens a cidades italianas e contato com a Igreja Metodista Britânica na Itália. Day também citou documentos históricos e escritos da época, que destacam não apenas o empenho dos pregadores itinerantes, mas também a atmosfera que se respirava, desde o amor e o ódio pelo papa, até o fervor com que se imaginava uma missão em Roma. “Pensava-se que os italianos seriam receptivos ao Metodismo, porque eram impulsivos e apaixonados; o espírito vital do metodismo e a presença valdense, considerada favorável, fizeram com que a Itália se apresentasse como um campo maduro para o evangelismo protestante”. Day cita as experiências da Alemanha e da Suíça, retorna os números e as etapas da missão estabelecida em Roma, que passa a ser sede com a Igreja Metodista Episcopal, a primeira a construir uma igreja na Cidade Eterna com o pastor Teófilo Gay. Um afresco do metodismo americano, que traz para a Itália novas formas de ministério, escolas dominicais, assistência a militares, alfabetização de mulheres e o trabalho de diaconisas, num contexto em que a vida das mulheres se limitava aos afazeres domésticos e o padre confessor as orientava ao casamento e ao a Igreja. “Os metodistas viam a mulher como um recurso, queriam que o ministério fosse mais amplo e que a mulher fosse protagonista na formação dos jovens, nas escolas e em outros serviços”. Entre os pioneiros neste serviço, o missionário Emma Hall. Assim nasceram os orfanatos de Intra e Florença, o instituto industrial de Veneza Cannaregio, o instituto educacional de Pádua, o internato em Roma com o jardim de infância Isabella Clark e o instituto internacional Crandon, nascido em 1896 como “Young Ladies College” no iniciativa de William Burt, superintendente da Missão Episcopal Metodista na Itália, do Instituto de Monte Mario e outras obras. O dia foi concluído com um breve panorama das fraturas e evoluções da missão, desde o que ele define como uma “maré baixa missionária” até as mudanças na disciplina, que na Itália em parte lutou para se estabelecer no que diz respeito ao uso do vinho e tabaco. A renovação espiritual colidirá com as dificuldades financeiras da década de 1920, mas de qualquer forma levará o Ministério Metodista americano, com suas profundas raízes no triunfalismo protestante, a se transportar para a Itália moderna com seu espírito democrático e progressista, mantendo ainda hoje em sua pregação e nas publicações um ponto forte.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Finalmente “algumas boas notícias” – Nev

Finalmente “algumas boas notícias” – Nev

Roma (NEV), 12 de novembro de 2020 – Chama-se “Boas novas. O Evangelho de Marco feito sob medida para você” o livro recém-lançado, fruto do trabalho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), do Serviço de Educação e Educação (SIE*) da própria FCEI e de Claudiana Editrice. O texto é o Evangelho de Marcos em edição especial facilitada, também indicada para crianças com Dificuldades Específicas de Aprendizagem (DSA), repleta de ilustrações, mapas, insights e curiosidades. "Uma boa notícia" foi apresentada online no passado dia 12 de novembro, num encontro promovido pela FCEI com a Riforma e apresentado pelo coordenador do SIE Gian Mário Gillio. O pároco e secretário executivo da FCEI Luca Barattomoderador do debate na web, explicou que "o protestantismo sempre sentiu que deveria quebrar todas as barreiras que poderiam impedir um relacionamento com a Bíblia". Para Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que assinou a apresentação do volume, o texto é "um trabalho de divulgação, que visa devolver o Evangelho de Marcos aos leitores, não só para pessoas com dificuldades de aprendizagem, mas que é muito adequado para aqueles que estão totalmente em jejum do mundo dos Evangelhos. Uma ferramenta verdadeiramente válida para a evangelização". "Ler todo o evangelho não é uma experiência comum, mesmo para quem frequenta a igreja", acrescentou. Eugênio Bernardini, presidente da editora Claudiana, que distribui este volume. Para Bernardini, “a esperança é que seja o quarto mais vendido da história entre Claudiana e FCEI. De fato, há 50 anos foi lançado "Conte a Bíblia para seus meninos", que fez grande sucesso na Itália e também recebeu um prêmio na exposição editorial infantil de Bolonha - e foram anos em que os protestantes eram menos conhecidos do que hoje. O segundo best-seller chegou anos depois, em 1998, "O povo do livro", 10 mil exemplares, mas o terceiro foi o maior sucesso, "O povo da Bíblia: vida e costumes", traduzido em 8 idiomas, impresso em 200 mil exemplares. Aqui então esperamos como Claudiana que também este livro possa continuar este caminho positivo”. Patrícia Barbanotti, professor primário, formado em História da Igreja e em Ciências Bíblicas e Teológicas pela Faculdade Valdense de Teologia de Roma, é o editor dos textos do volume. “Quem lê um trecho tem as ferramentas para lidar com todo o texto – disse -. Nossa esperança é que isso faça você querer ler tudo. Além disso, para nós que trabalhamos neste projeto tem sido uma lição de humildade poder simplificar o texto para pessoas que têm um léxico mais limitado. Esperamos ter contribuído para uma operação de alfabetização, trabalho que deveria ser feito também com muitos outros textos do Antigo Testamento, para transmitir sua beleza”. Ao lado de Barbanotti, Eric Noffke, que supervisionou o texto bíblico. Em um vídeo, o professor de Novo Testamento da Faculdade Valdense de Teologia em Roma e presidente da Sociedade Bíblica Italiana explicou o motivo da escolha do Evangelho de Marcos "para começar com este que esperamos que se torne uma série para ajudar os leitores a entrar na Bíblia ", como "é um evangelho "simples por natureza", nascido precisamente para dar testemunho desta "boa nova". Noffke também sublinhou "a dimensão ecumênica deste projeto, a partir da tradução da Bíblia italiana da Reforma". E justamente por falar em ecumenismo, ela também falou no encontro online Silvia Guetta, professor da Universidade de Florença, estudioso da história da educação judaica, que apreciou "o compromisso com o diálogo, para criar pontes". “O que mais me impressionou – explicou – é a grande atenção na dinâmica relacional – na escuta e na fala – muito importante, um clima de relacionamento ativo com os discípulos, agora mais do que nunca assume um significado significativo”. Aqui fica o link para comprar o livro, cada exemplar custa 14,5 euros. *A SIE é o setor especializado na formação bíblica das jovens gerações no espírito ecumênico, da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI). ...

Ler artigo
Anne Burghardt (Luteranos Mundiais) fala na Conferência de Lambeth

Anne Burghardt (Luteranos Mundiais) fala na Conferência de Lambeth

O Arcebispo Anglicano de Canterbury Justin Welby, a Secretária Geral da Federação Luterana Mundial, Anne Burghardt e o Secretário Geral Adjunto para Relações Ecumênicas Luteranas, Dirk Lange. Foto: Lambeth Conference/Richard Washbrooke Roma (NEV), 5 de agosto de 2022 – Como definimos o objetivo da unidade visível para nossas igrejas, como comunhões cristãs mundiais? Podemos encontrar um caminho a seguir, caminhando juntos em direção a uma visão compartilhada? Ou “apenas nos afastamos e esperamos que o outro se pareça conosco?”. Estas são as perguntas feitas pelo secretário-geral da Federação Luterana Mundial (FLM), Anne Burghardtaos bispos e bispos da Comunhão Anglicana e aos representantes de outras comunhões cristãs mundiais reunidos na 15ª Conferência de Lambeth em andamento em Canterbury, Inglaterra. Sob a liderança do Arcebispo de Canterbury Justin Welby, mais de 650 líderes anglicanos de todo o mundo se reuniram de 26 de julho a 8 de agosto. Sobre o tema "A Igreja de Deus para o mundo de Deus: caminhando, ouvindo e testemunhando juntos", os líderes anglicanos estão discutindo a missão e as prioridades da Comunhão Mundial para a próxima década. O Secretário-Geral Adjunto para as Relações Ecuménicas da FLM, Dirk Lange, falou da acolhida recebida e do grande empenho de diálogo em curso em Canterbury. “Todos os dias, na oração, nos pequenos grupos de estudo da Bíblia e nas sessões de diálogo, os participantes vão descobrindo um caminho de unidade e reconciliação tanto para a Igreja como para o mundo”. Estamos no nono dia da Conferência, dedicado à unidade dos cristãos e às relações inter-religiosas. Burghardt juntou-se a oradores das tradições católica romana, ortodoxa grega, anglicana e pentecostal, que compartilharam perspectivas sobre as dimensões doutrinária, espiritual e de justiça social da jornada ecumênica. Esta Conferência de Lambeth ocorre pouco mais de um século após o Apelo de Lambeth de 1920, observou Burghardt. O Apelo pedia "um Cristianismo reunificado". O secretário luterano refletiu sobre a definição de unidade, “à qual todos ansiamos”, mas que “nem sempre é fácil de definir”. Décadas de diálogo, disse ele, ajudaram a moldar essa definição, incluindo uma das principais declarações sobre a unidade da Assembléia de Nova Delhi do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) em 1961. Reafirmando a importância do "ecumenismo espiritual", Burghardt sublinhou que "a liturgia e a oração podem fazer-nos mudar de opinião, remodelar-nos, reorientar-nos de maneira diferente uns para com os outros e para com o mundo sofredor". No entanto, a oração e a reflexão teológica, disse ele, devem permanecer intimamente ligadas à diaconia e ao testemunho público. E perguntou se chegou o momento de “abrir um novo marco hermenêutico para nossa reflexão doutrinal e teológica”, à luz da solidariedade com o próximo sofredor e com as dificuldades da criação. Unidade visível, acrescentou, “não significa necessariamente unidade institucional. Pelo contrário, é koinonia entre nossas igrejas”, como afirma o documento do CMI “A Igreja rumo a uma visão comum”. E citou uma série de documentos e acordos entre as igrejas. Graças a esses acordos, disse Burghardt, "as tradições são compartilhadas entre as várias famílias eclesiais", mantendo "seus 'sotaques' espirituais e teológicos particulares". A noção de “consentimento diferenciado”, desenvolvida no diálogo luterano-católico romano, “vai na mesma direção”, acrescentou, e levou à assinatura da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação em 1999, agora afirmada por cinco comunhões mundiais (Luterana, Católica, Anglicana, Metodista e Reformada). Esta declaração de consenso, disse o líder mundial dos luteranos, “procura ser implementada a nível local. As comunidades vizinhas, em vez de viver isoladas ou cuidar apenas de si mesmas, se voltam umas para as outras para anunciar Jesus, para compartilhar Jesus, para se comprometer no mundo por amor a Jesus e para fazer isso juntos”. Nesta dinâmica ecumênica, concluiu, "evangelizamos, [….] mas nós o fazemos juntos, não para o bem da Igreja, mas para dar a conhecer a imensurável bondade de Deus e a boa intenção de Deus para todas as pessoas e toda a criação”. Nos restantes dias do encontro, os líderes das Igrejas Anglicanas, juntamente com os participantes ecuménicos, continuarão a explorar o que significa a unidade visível e como ela já é vivida na hospitalidade, no discipulado generoso e no testemunho comum do Evangelho no mundo. ...

Ler artigo
Campobasso.  Uma mesa inter-religiosa para a reconstrução social

Campobasso. Uma mesa inter-religiosa para a reconstrução social

Detalhe da capa da publicação sobre lugares de encontro e lugares de oração em Roma e na Província editada por Caritas-Migrantes Roma (NEV), 11 de dezembro de 2020 - Cristãos de várias confissões (protestantes, católicos, ortodoxos), muçulmanos e representantes do Instituto Budista Italiano Soka Gakkai montaram uma mesa inter-religiosa em Campobasso. A própria Mesa deu-o a conhecer num comunicado divulgado hoje, destacando uma palavra comum para enfrentar a crise pós-covid: “juntos”. As comunidades de fé presentes em Campobasso “decidiram reunir-se em permanente discussão e mesa de apoio para testemunhar publicamente que uma nova forma de comunidade é possível e necessária”, lê-se na nota. “Esta é a era do necessário mascaramento de rostos e do distanciamento mútuo de segurança, é a hora do medo de estar muito perto, é a hora das exclusões sociais, é a hora dos fechamentos e da comunicação sem o corpo, da comunicação quase apenas telemática. . Neste tempo queremos afirmar juntos, nas nossas especificidades mútuas, que este é também o tempo de preparação para o futuro”, prosseguem os representantes religiosos. A Mesa Inter-religiosa pretende colaborar na criação de um sentido de comunidade e cidadania: "As religiões que representamos em Campobasso não se furtarão à responsabilidade da reconstrução social", escrevem novamente, sublinhando a sua vontade e compromisso de intervir contra o racismo, a exclusão, a violência , medo e ignorância. Leia o comunicado de imprensa completo em Riforma.it ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.