24 de agosto de 1572: o massacre dos huguenotes

24 de agosto de 1572: o massacre dos huguenotes

Foto: Dea / Scala, Florença – tirada de

Torre Pellice (NEV), 24 de agosto de 2023 – Em 24 de agosto de 1572 “Paris acordou – supondo que qualquer um dos seus habitantes pudesse ter dormido – num banho de sangue. De facto, durante a noite começou uma terrível carnificina que continuaria durante os três dias seguintes e que em pouco tempo se espalharia por outras cidades do reino de França”. José Javier Ruiz Ibáñez escreve na National Georaphic Storica.

A rainha-mãe, a católica Caterina de’ Medici, foi responsabilizada pelo massacre, também conhecido como “massacre de San Bartolomeo”.

Perguntamos ao pastor Rio Emanuelque entre outras coisas possui doutorado em história da igreja em Zurique, para comentar este dramático momento histórico.

O contexto do massacre é o de dois lados opostos, o católico da família Guise e o calvinista em torno de Antonio di Borbone-Vendôme e do almirante Gaspard de Coligny. Catarina concorda em casar sua filha Margarida de Valois com o jovem protestante Henrique de Bourbon, rei de Navarra, na esperança de dar estabilidade à Coroa. Nos dias de festa, Coligny é ferido numa tentativa de assassinato. Na mesma noite os portões da cidade são fechados e o massacre começa. Coligny é morto, seu cadáver jogado pela janela, decapitado e arrastado pela rua. O Papa Gregório XIII, após o massacre, canta uma Te Deum ação de graças a São Luís dos Franceses.

“Um dos elementos mais evidentes é representado pela traição da hospitalidade – disse Fiume -. A festa de casamento que se torna um massacre. Segue-se um banho de sangue, com os habitantes da cidade procurando os huguenotes para matá-los. Como na Conspiração Pazzi, ou em outros momentos históricos, por um dia a cidade está pingando sangue, mas no dia anterior e no dia seguinte tudo continua igual. É o que Sandro Pertini descreve como “indigno” do ser humano. O massacre de San Bartolomeo é uma expressão da bestialidade e do fracasso da diplomacia. Medo, sentimentos monárquicos e antimonárquicos se entrelaçam e afundam qualquer tentativa de conciliação – veja-se os Colóquios de Poissy, com a rainha regente que compara o general jesuíta Giacomo Laynez, sucessor de Santo Inácio, e Teodoro de Beza.

Este episódio de hoje diz-nos que, antes de mais, não devemos esquecer. Se aconteceu, pode acontecer, temos visto episódios de massacres populares, ainda na ex-Iugoslávia. Certa fúria da multidão não se supera, sejamos cautelosos. O massacre dos huguenotes é uma página pouco conhecida, mas os massacres ainda estão aí, estão noutros lugares, mas acontecem. Poderíamos dizer que não foi apenas um conflito de religião, mas também um confronto entre diferentes formas e concepções de poder, numa época em que a reforma calvinista não era a verdadeira novidade, ou seja, o absolutismo, mas queria em certo sentido preservar de privilégios locais num sentido mais “federalista”, com a França de parlamentos locais. É uma textura cultural internacional que o calvinismo, tendo provocado imediatamente um deslocamento das elites devido à perseguição, criou muito cedo. Pode-se ver nele um projeto já europeu, que é percebido como uma ameaça, porque traz uma outra forma de ver as coisas. Do outro lado estava uma dinastia enfraquecida, que resistia à decadência. Um Valois casando-se com um Bourbon torna-se o momento crítico, após o qual, enquanto a paz é feita, a guerra é feita. Numa visão da realidade reconciliada teria então existido um rei protestante… mas a história diz-nos, em vez disso, vemos isso na iconografia de pessoas despedaçadas e atiradas ao Sena, no início dos pogroms locais, que se repete em Lyon e outros lugares, com a caça aos huguenotes. Portanto, ainda hoje precisamos estar vigilantes, porque a história nos ensina como é fácil passar da paz à guerra, da celebração ao derramamento de sangue”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Academia Europeia de Religiões.  edição digital 2020

Academia Europeia de Religiões. edição digital 2020

Concebido pela Fundação para as Ciências da Religião e lançado - graças ao apoio do MIUR, MAECI, Região Emilia-Romagna, Cariplo Foundation e Carisbo Foundation - com o patrocínio do Parlamento Europeu, da Comissão Europeia, da Comissão Nacional da UNESCO, a Universidade e o Município de Bolonha, o Academia Europeia de Religiões é uma ocasião internacional extraordinária para o encontro de estudiosos e hermenêuticos do fenômeno religioso. Consciente da centralidade desta reflexão, é ambição da EuARe fomentar a investigação, a leitura crítica, a comunicação e o intercâmbio - aberto à sociedade civil - sobre os principais temas religiosos, nomeadamente no contexto da transformação epocal que a humanidade atravessa. De 22 a 25 de junho de 2020, os vídeos de quatro das palestras programadas para a conferência estarão disponíveis no site EuARe, redes sociais e canal do YouTube (bem como nas redes sociais FSCIRE), cuja intenção é «destacar o poderoso efeito que a religião tem na vida pública e pessoal, um efeito que se refere a todos os seus campos", como afirmou o Presidente da EuARe Herman Selderhuisconferencista e teólogo de renome internacional. Politização da Religião: Casos Cristãos Orientais é o título da contribuição de Cyril Hovorun, diretor do Huffington Ecumenical Institute e professor da Loyola Marymount University, especialista em teologia, tradições cristãs primitivas e eclesiologia. Movendo-se com competência entre os debates da "teologia política" do século IV e do século XX, Hovorun refletirá sobre as relações Igreja-Estado nas realidades ortodoxas orientais e sobre como essas relações contribuem para a politização da religião. A lectio de Cyril Hovorun estará disponível em 22 de junho. Scott Applebyreitor da Universidade de Notre Dame e especialista em relações globais entre fenômenos religiosos e guerra, fará uma palestra intitulada Santificado seja o teu nome: poder e glória na imaginação religiosa, on-line em 23 de junho. Com base em estudos de casos empíricos, seu discurso questionará o significado das noções de "poder" e "glória" no imaginário religioso em momentos cruciais da evolução comunitária e da consciência nacional, como os representados por um conflito armado. Estudioso de conflitos pós-seculares e professor de sociologia na Universidade de Innsbruck, Kristina Stoecklapresentará um discurso intitulado Os novos conflitos religiosos da Europa: ortodoxia russa, conservadores cristãos americanos e o surgimento de uma direita cristã populista europeia, on-line em 24 de junho. Sua lição altamente atual comparará fenômenos emergentes em diferentes regiões do mundo - a Igreja Russa, a direita cristã nos Estados Unidos e os partidos populistas na Europa - destacando como, ao se mobilizar contra os valores liberais, esses atores sociais paradoxalmente adotam uma retórica religiosa, desafiando o próprio significado do cristianismo. Finalmente, em 25 de junho, a contribuição de Susanne Schröter, diretor do Global Islam Research Center em Frankfurt e professor de antropologia social e cultural na Goethe University na mesma cidade. Em sua palestra, Islã, Política e Sociedade na Alemanharefletirá sobre a história do debate sobre o Islã na Alemanha e abordará as ambivalentes políticas alemãs relacionadas à questão islâmica, a fim de propor soluções alternativas. Nos mesmos dias (22-25 de junho) serão publicadas online as apresentações em vídeo das obras vencedoras do Prêmio Giuseppe Alberigo e serão premiados os vencedores do Prêmio de Jornalismo Religioso Piazza Grande (22 de junho). Prémio Alberigo: no canal YouTube da Fundação será possível conhecer as obras vencedoras do prestigiado prémio 2020, atribuído a obras que alcançaram a excelência nas diversas disciplinas das ciências religiosas. O Prêmio de Jornalismo Religioso Piazza Grande é organizado pela Associação Internacional de Jornalistas Religiosos em colaboração e com o apoio do FSCIRE para destacar o trabalho de jornalistas que lidam com religião e espiritualidade. A Foundation for Religious Sciences (FSCIRE) é um instituto de pesquisa com sede em Bolonha, presidido por Alessandro Pajno e dirigido por Alberto Melloni. O instituto publica, desenvolve, fornece, organiza, aprofunda e divulga pesquisas no campo das ciências religiosas, estudando em particular o cristianismo e sua relação com outros monoteísmos. Reconhecida por decreto do Presidente da República, a Fundação mantém convênios com a Universidade de Bolonha e outras universidades e atua, ainda que em sinergia com outros institutos de pesquisa, em plena autonomia em relação a universidades e igrejas. ...

Ler artigo
As lições de Rosarno – Nev

As lições de Rosarno – Nev

Roma (NEV), 31 de janeiro de 2023 – Um ano após a abertura do primeiro albergue social em Piana di Gioia Tauro, chamado Dambe sabe, a "casa da dignidade", a FCEI relança o seu compromisso com o acolhimento digno dos trabalhadores migrantes que trabalham na agricultura. Por isso, o Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas visitou Rosarno nos últimos dias. "O albergue social - explica o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, Daniele Garrone – é simplesmente uma casa digna e equipada onde os migrantes possam viver e estabelecer a sua residência: a alternativa mais realista aos campos de contentores ou aos guetos insalubres e humilhantes em que muitos deles são forçados a viver. Os migrantes residentes no albergue – continua Garrone – contribuem para a gestão da casa, onde também são realizados programas de integração e orientação. Agora queremos expandir esta experiência e alargá-la a outros territórios - acrescenta o presidente da FCEI - na convicção de que estamos a propor um modelo replicável e sustentável que muda a qualidade de vida tanto dos migrantes como dos italianos residentes no mesmo território. Tanto mais num contexto marcado pela exploração, pelos interesses da grande distribuição que impõe preços, pelo trabalho não declarado e pelas condições de vida desumanas dos trabalhadores confinados em verdadeiros guetos, por vezes construídos com dinheiro público, que geram degradação e alimentam racismo”. Segundo o pastor metodista Pedro Ciaccio “Rosarno é uma metáfora para a Itália, um deserto do qual as pessoas querem sair. Vimos, nos dias passados ​​na Planície, quanto há para fazer e quanto pode ser feito. Vimos as condições absurdas em que vivem os migrantes e também a pobreza de uma agricultura que deveria ser muito rica. Mas Rosarno não é uma peça separada da Itália. De forma concentrada e paradoxal, neste local parecem ocorrer e revelar-se todos os problemas do nosso país: desde as dificuldades dos trabalhadores em encontrar casa, em ganhar o que é justo e necessário para viver, em constituir família, até os muitos problemas burocráticos e a um mercado que muitas vezes não é justo, mas que não se diz ser o único mercado possível. Os projetos do MH procuram demonstrar que é possível uma economia diferente, inserida no modelo atual, mas sustentável, onde todos os sujeitos possam extrair dignidade de seu trabalho”. “Uma experiência que me enriqueceu – explicou o conselheiro luterano Maria Antonieta Caggiano -, tenho visto operadores entusiasmados em assumir seu trabalho. Foram muitos momentos emocionantes. Fiquei impressionado com os testemunhos, pessoas corajosas em querer quebrar uma certa cultura deste lugar e esperança. A acolhida que têm em um lugar onde se constitui uma família é um grande testemunho da fé evangélica. Trago para casa grandes emoções, fiquei emocionado, principalmente depois de ver as cidades de tendas onde vivem muitos jovens... Mas é uma motivação para melhorar aquela situação, fazer de tudo para que eles possam ter uma vida melhor”. Também para o representante do Exército de Salvação, Luca Longo, foi "Um fim de semana bastante exigente em termos de conhecimento e emoções, um desafio pessoal, porque se depara com uma realidade - que já tinha vivido na Sicília, noutros campos e "guetos" - o berço da civilização que ainda temos tão triste situações de privação social e condições de vida intoleráveis. Vimos em primeira mão as muitas realidades que colaboram. Agora, quando vir uma laranja de Rosarno, verei pessoas, rostos, vidas e histórias que sempre estarão em minhas orações”. Para Free Ciuffreda, valdense, médico: “Foram dias intensos nos quais percebemos que este projeto não quer lidar com uma emergência, mas com um problema estrutural que a Itália e a sociedade devem assumir. Nossas igrejas estão fazendo isso, com testemunhos e atividades que vão além do contingente. Queremos gritar à política que este fenómeno - a exploração do trabalho - é epocal e devem ser disponibilizados todos os recursos úteis para o resolver, incluindo aqueles que estão à margem, os "invisíveis" que garantem a cobrança, em Rosarno de frutas cítricas e, em geral, os vegetais e os alimentos que comemos são ricos para nós. De aspectos que parecem quase simples, derivam raciocínios muito complexos que devem nos fazer refletir sobre o que queremos fazer com nossa sociedade e nosso compromisso como igrejas evangélicas na Itália”. Sara Comparatti, battista, disse: “Fundamental da nossa metodologia é trabalhar em colaboração com as pessoas que vivem na área, porque baixar as coisas de cima não funciona. Temos tido uma experiência extraordinária disso, com os nossos operadores que têm um conhecimento muito profundo desta realidade, sem eles não teríamos conseguido nada do que foi feito. Nossas igrejas colaboram com o Sos Rosarno há vários anos comprando laranjas solidárias: ver onde e como isso acontece, conhecer sua história, me impressionou muito, cada um de nós trará o que entende de volta para nossas comunidades de origem, tentando desenvolver este caminho. Uma forma de concretizar a proximidade que não é uma forma de assistência, mas uma participação num projeto, numa visão. E depois há os guetos… Tentar ajudar essas pessoas “a sair da escuridão” é o mínimo que um crente pode fazer. Para nós, protestantes, a fé não pode ser dissociada da ética: "faça o bem à cidade em que você está". E Rosarno, que é uma “concentração” das contradições da Itália, pode ser também um laboratório, para nos ajudar a entender que existem alternativas. Como aconteceu com os corredores humanitários, há alguns anos, quando pela primeira vez apostamos neste instrumento, que se tornaram agora um modelo e um exemplo reconhecido em toda a Europa e fora dela”. Como, à sua maneira, também poderia acontecer com o albergue Dambeso. ...

Ler artigo
Comunidades mais seguras e fortes na Europa.  As religiões trabalham juntas

Comunidades mais seguras e fortes na Europa. As religiões trabalham juntas

Imagens retiradas de www.sasce.eu/safety-security-guides/ Roma (NEV), 25 de outubro de 2022 – A coletiva de imprensa do projeto “Comunidades mais seguras e fortes na Europa - SASCE” terminou há pouco. Realizado pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia, o projeto visa aumentar a segurança dentro e fora dos locais de culto, bem como dentro e entre comunidades cristãs, budistas, muçulmanas e judaicas comunidades na Europa. A conferência de imprensa, organizada em conjunto com parceiros da União Europeia, apresentou o SASCE como “o único projeto transversal às várias comunidades de fé que disponibiliza ferramentas e práticas para a segurança de espaços públicos e instituições religiosas cristãs, muçulmanas, budistas e judaicas”. Ponto de partida da conferência, os dados sobre o aumento do extremismo e dos crimes de ódio na Europa. Estruturada como uma mesa redonda, a conferência destacou os desafios de segurança e destacou a importância de continuar trabalhando juntos. Atualmente, 15 países europeus estão envolvidos no projeto: Áustria, Bélgica, Croácia, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Itália, Holanda, Polônia, Portugal, Espanha, Suécia e Hungria. Entre os temas que emergiram estava a percepção do medo, fenômeno crescente em vários níveis sociais. Precisamos dar às pessoas as ferramentas para reagir e enfrentar os riscos. Os relatórios também revelaram a consciência do aumento de sentimentos anticristãos, antijudaicos, islamofóbicos e, um fenômeno relativamente novo, sentimentos antibudistas. E são justamente os budistas que se perguntam como podemos ajudar a ensinar bondade, empatia, como ficar em paz. Compreender e saber o que acontece em outras comunidades é uma das formas de aumentar a solidariedade inter-religiosa, segundo alguns. Conexão, envolvimento, colaboração são outras palavras-chave expressas durante a conferência. O projeto SASCE está prestes a fechar. Qual será o próximo? Esta é uma das perguntas que aguardam resposta. Esperamos outros projetos e financiamentos, dada a importância do tema. As comunidades têm pedido por isso, para o maior interesse da sociedade como um todo. De fato, proteger comunidades de fé e prevenir riscos é um desafio que envolve todos. Os extremismos estão crescendo, as transformações da sociedade são cada vez mais bruscas e os ataques têm adquirido características mais sutis. Eles podem acontecer em qualquer lugar, em lugares grandes ou pequenos, nas cidades ou em qualquer outro lugar. As ameaças mudam de natureza, tanto por razões geopolíticas quanto por razões contingentes, em níveis micro. Estamos falando do comportamento de pessoas solteiras, de segurança local, interna e externa, de segurança suave. São questões sobre as quais, segundo os organizadores e participantes, é necessário sensibilizar todos os cidadãos, na sua totalidade. Entre os elementos de sucesso deste projeto: unidade. Trabalhar ativamente em conjunto, gerir ameaças, ser solidário com os outros, tudo isto representa uma força. E mesmo as ameaças internas podem ser mitigadas observando outras comunidades. É necessário também refletir sobre a própria identidade e a dos outros, aprofundar os elementos teológicos que levam a condenar ou justificar certas ações, buscar juntos como equilibrar as diversas instâncias. Outro ponto fundamental é representado pela análise das raízes do problema. A violência é um sintoma, mas de onde vem a radicalização e por quê? Como mitigá-lo? Nesses pontos, a proposta é clara: trabalhar na educação e nas escolas. Até as religiões parecem estar em competição, e isso é um problema. Através do projeto SASCE, as religiões estão juntas: é um grande sinal, dizem as organizações participantes: “Temos que entender e fazer as pessoas entenderem”. E precisamos fazer isso agora, porque o mundo mudou, as polarizações de cunho extremista, as narrativas políticas e sociais se exacerbaram. As igrejas estão em risco, as pessoas também. Não se trata apenas de ameaças físicas, mas também de ameaças verbais, situações que prejudicam a saúde mental ou emocional. Não esqueçamos que a violência ou ameaças contra imãs, rabinos, padres, pastores, voluntários e voluntárias estão aumentando. E depois há atos de vandalismo e roubos em locais religiosos e outras formas de ódio e abuso. Em resumo, não podemos deixar de tomar medidas imediatas contra todos os extremismos. A conferência de imprensa contou com a presença de: Elizabeta Kitanović – Secretário Executivo de Direitos Humanos do CEC. Ron Eichhorn – Presidente da União Budista Europeia. Aline Niddam – Chefe do escritório de segurança e crise do Congresso Judaico Europeu, pessoa de contato do SASCE. Ophir Revach – Diretor Executivo do Gabinete de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu. Yohan Benizri – Ex-presidente da Federação Belga de Organizações Judaicas, vice-presidente do Congresso Judaico Europeu e membro do executivo do Congresso Judaico Mundial. Fiyaz Mughal – Fundador da Faith Matters. Iman Atta – Fundador e diretor da Faith Matters. Para assistir a coletiva de imprensa, clique abaixo: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=CQU9Ah88aeY[/embed] SASCE O SASCE é um projeto dedicado à proteção de locais de culto e comunidades na Europa, fruto de uma parceria inter-religiosa entre o KEK e outras realidades de fé. Entre eles: Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu, Assuntos de Fé e União Budista Europeia. O projeto SASSE baseia-se nas melhores práticas recomendadas pela Comissão para a proteção dos espaços públicos da Europa, mas também no conhecimento e experiência da comunidade e grupos de segurança. Entre as ferramentas implementadas para esses objetivos: treinamento, cooperação, soluções tecnológicas. Esta parceria inter-religiosa recebeu uma doação de € 3 milhões da Comissão Europeia para a proteção de locais de culto na Europa. www.sasce.eu ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.