#Spuc2021 “Frutos em abundância” em Lampedusa

#Spuc2021 “Frutos em abundância” em Lampedusa

Roma (NEV), 25 de janeiro de 2021 – por don Carmelo la Magra E marta bernardini

“Há alguns anos em Lampedusa, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, com a paróquia de San Gerlando, celebra a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) com uma vigília ecumênica que acontece na própria paróquia. Desde que o Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI, chegou a Lampedusa em 2014, a amizade e colaboração com a Igreja Católica local sempre foi marcada pela espontaneidade, beleza e fraternidade. No entanto, este ano, tal como noutros locais, esta nomeação não pôde ocorrer devido às restrições impostas pela Covid-19. Mais uma importante ocasião de encontro e união espiritual que perdemos em um ano difícil. As comunidades de fé estão sofrendo muito com as limitações impostas pela pandemia. Por definição, uma comunidade assenta no estar junto, mas a crise do Covid-19 coloca-nos perante o risco do isolamento, da solidão e da desintegração. Em um lugar como Lampedusa, já uma ilha em si, essas oportunidades de testemunho evangélico são um dom que pudemos desfrutar com gratidão ao longo dos anos. Neste último período nos acostumamos com os rostos de sempre, os cômodos de sempre, as paredes de sempre e muitas vezes sentimentos de desânimo, desorientação e preocupação caracterizaram dias longos e lentos. Quantas vezes uma sensação de profundo tédio e inutilidade nos dominou? Quantas vezes a necessidade e impossibilidade de sair, passear, ter relacionamentos mais ou menos profundos nos trouxe frustração e peso?

O verso escolhido para o SPUC deste ano foi “Permanecei no meu amor: dareis muito fruto” (Jo 15, 5-9). Encontra-se no Evangelho de João, capítulo 15, com Jesus a dirigir-se aos seus discípulos e parece querer dar as suas últimas palavras, os seus últimos conselhos antes de se separar deles. Quase palavras de despedida antes de uma partida importante. Esses versos propõem a imagem da videira e seus ramos, dos quais um lavrador cuida. Aqui diante de nós está esta árvore, uma videira, com raízes bem plantadas e muitos ramos, pequenos e grandes ramos, alguns cheios de vitalidade, outros secos. Não há muito mistério no fato de que Jesus é a videira, sólida, bem enraizada, cheia de seiva, que o lavrador é Deus e que os ramos somos todos nós. Os ramos podem ser secos, estéreis ou cheios de frutos.

Quantas vezes ultimamente nos sentimos e sentimos galhos secos, inúteis, incapazes de expressar vitalidade e focar em objetivos frutíferos? Quantas vezes carregamos o peso da esterilidade, da aridez das emoções, das ideias e das relações? Mas aqui a imagem que nos é apresentada é a de uma planta viva, capaz de produzir em abundância! ‘Sozinhos não podeis dar fruto meus irmãos e irmãs, se permanecerdes em mim, se permanecermos unidos entretanto estes frutos nascerão’ parece-nos dizer Jesus no texto. Não se esconde o fato de haver galhos secos, mas temos diante de nós a esperança, ou melhor, a certeza de que, ao contrário, a linfa continua a correr mesmo nos galhos mais frágeis, pequenos e periféricos para dar frutos em abundância. Com efeito, na videira os primeiros rebentos surgem precisamente nos ramos mais afastados do tronco. Não sabemos exatamente como serão os frutos que vão nascer, quão grandes, suculentos e doces, nem estamos falando de frutos perfeitos. Provavelmente estes frutos não serão como imaginávamos, mas sabemos que serão muitos, abundantes, nascidos de diferentes ramos mas da mesma planta e cuidados pelo mesmo agricultor.

Esta imagem definitivamente nos inspira a pensar sobre a unidade das igrejas cristãs ao redor do mundo. Diferentes ramos podem ser frutíferos e abundantes se permanecerem unidos a Deus e à mesma fonte de vida. Vida recebemos, vida espalhamos, vida criamos juntos em unidade.

Aqui está, uma imagem da vida a transbordar, do amor que chega até aos lugares mais marginais, desde as raízes, ao longo do tronco, passando por cada ramo, chegando ao céu. Não há mais medo da estagnação, da esterilidade, da inutilidade, mas da vida, da abundância e do amor.

Esta é a indicação que talvez Jesus nos queira dar antes de se despedir. Permaneçamos juntos no amor de Deus, aprendamos a ser ramos de uma mesma planta capazes de dar frutos em abundância. Gozamos da beleza de ver algo crescer de nós, libertos e liberados pela Palavra e pelo amor de Deus, um agricultor cuidadoso que sabe cuidar de suas plantas, com proximidade e ao mesmo tempo dando espaço para o crescimento. Num ecossistema bem conectado todos temos o nosso papel, o nosso espaço, a nossa responsabilidade uns para com os outros com as nossas diversidades, sensibilidades, origens, localizações geográficas, posições centrais ou periféricas. Unidos e unidos pelo amor de Deus, compartilhamos o compromisso e a beleza de dar frutos vivos neste mundo e neste tempo”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Encerrado o Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense: Alessandra Trotta reconfirmada como moderadora da Mesa Valdense

Encerrado o Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense: Alessandra Trotta reconfirmada como moderadora da Mesa Valdense

A moderadora da Mesa Valdense Alessandra Trotta. Foto de Daniele Fly Torre Pellice (TO), 26 de agosto de 2022 - Encerrou com a fala do reconfirmado moderador da Mesa Valdense, diácono Alessandra Trottao Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense. — Coletiva de imprensa ao vivo e a ser revista em: —- "Queremos nos enraizar no compromisso - que em nosso modo de entender a fé só pode ser renovado e que, de fato, renovamos também neste Sínodo - de dar uma contribuição, não apenas com palavras, mas com a participação e a ação concreta em debates culturais e sociais e nas lutas sobre temas importantes como o cuidado dos idosos e do trabalho, a proteção do meio ambiente, a construção da paz e da democracia. Importantes porque são essenciais para a dignidade da humanidade e de toda a criação de Deus, que como crentes e cidadãos somos sempre chamados a defender” declarou o moderador. Alessandra Trotta partiu de uma crítica à 'fraqueza', utilizada como “álibi para a preguiça e o desleixo; pela ignorância causada por um analfabetismo cultural e bíblico original ou recorrente; por preguiça (não querer assumir a responsabilidade de fazer escolhas) ou por indiferença (vale tudo, são todos iguais)”. Em seguida, falou da "necessidade de concretude" e de não olhar para baixo, "para não perder o horizonte de esperança da qual temos o dever de prestar contas como cristãos e cristãs; e guiado pelo desejo – palavra amplamente utilizada na noite pública dedicada ao tema da paz – que abre caminho também nas inquietações, nas contradições, com tenacidade e humildade, com a ajuda do Senhor”. O trabalho deste ano concentrou-se não apenas nos aspectos organizacionais da igreja, no ecumenismo e nas relações internacionais, mas também nas obras sociais e na formação. O mandato para o ano que se inicia é continuar trabalhando com empenho e confiança ao lado dos pobres, últimos e em dificuldade. Entre as moções aprovadas, a documento de trabalhoque exorta para que não haja "trabalhadores pobres", pede o reconhecimento de um salário mínimo e destaca os direitos de quem trabalha: uma postura contra as privatizações e as desigualdades econômicas, em nome da proteção do trabalho, garantias sociais e ambientais, políticas migratórias, igualdade de oportunidades e igualdade fiscal. Um parágrafo é dedicado à segurança no trabalho e ao surgimento do trabalho não declarado. Importante também é o ato em vista das eleições políticas, com o convite para o exercício do direito de voto, o apelo à extensão do direito de cidadania e uma "oração pelo bem da cidade" (Jeremias 29). Realizada na Torre Pellice a partir de 21 de agosto, nos dois primeiros dias em sessão conjunta com a União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) na chamada Assembléia-Sínodoo Sínodo Valdense e Metodista, o mais alto órgão de decisão dessas históricas igrejas protestantes, contou com a participação de cerca de 200 delegados e convidados de toda a Itália. ELEIÇÕES Na mesa valdense, além do moderador Alessandra Trottaforam eleitos Erika Tomassone (vice-presidente), Inácio de Lecce, William Jourdan, Ulf Hermann Koller, Dorothea Müller, Andrea Sbaffi. Nova presidência da Sociedade das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI): o pároco Luke Elders. O presidente cessante Mirella Manocchio assim passa o bastão após seis anos de serviço. Manocchio recebeu palavras de agradecimento e elogios pelo trabalho realizado. No conselho da Faculdade Valdense de Teologia, eles foram reconfirmados Lothar Vogel (reitor) ed Eric Noffke (vice-reitor). O pastor Francisco Sciotto reconfirmado como presidente da Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD/Diaconia Valdense). Explore o Sínodo 2022 Oito por mil valdenses, assinaturas e projetos estão crescendo Luca Anziani é o novo presidente da Opcemi, a organização das igrejas metodistas na Itália Em chiesavaldese.org as histórias em vídeo do Sínodo Mais informações também em: www.rbe.it – www.riforma.it – www.chiesavaldese.org Foto de Daniele Fly ...

Ler artigo
Eco-comunidade para desarmamento climático e conversão ambiental

Eco-comunidade para desarmamento climático e conversão ambiental

Representantes da eco-comunidade pedem "desarmamento climático". Assembleia 2022, Nápoles Roma (NEV), 7 de novembro de 2022 - A assembleia bienal de ecocomunidades, que acaba de ser concluída em Nápoles, juntou-se à campanha pelo "desarmamento climático" por ocasião do Dia Internacional para prevenir a exploração do meio ambiente na guerra e conflito armado. Além disso, outras 4 igrejas luteranas aderiram ao processo “eco” da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), promotora da iniciativa. Estas são as igrejas de Merano, Gênova, Florença e Nápoles. Pedimos um comentário ao coordenador do GLAM, Maria Elena Lacquaniti, após os três dias em Nápoles. Lacquaniti expressou sua satisfação com a entrada das novas comunidades e com o resultado da conferência, repleta de reflexões e propostas. Programada para 2023, uma série de conferências sobre trabalho e meio ambiente. A bienal de eco-comunidades “Entre presenças online e físicas, participaram cerca de 40 pessoas no primeiro dia e cerca de 30 no segundo dia. Também estamos muito felizes que alguns grupos tenham deixado temporariamente os trabalhos da Assembleia para participar da marcha pela paz em 5 de novembro, também realizada em Nápoles”, disse Lacquaniti. O coordenador destacou as excelentes ideias teológicas que brotaram das intervenções do Kirsten Thielepastor luterano e vice-reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) e da Hanz Gutiérrezteólogo e professor da Faculdade Adventista de Teologia. Kirsten Thiele falou, entre outras coisas, da ética cristã como a ética da gratidão. Além disso, do conceito de "preservação", uma vez que a salvaguarda da criação "não é tarefa exclusiva de Deus, mas exige que o homem respeite e proteja, guarde, mantenha e conserve o que Deus criou". Não só a teologia, mas também a filosofia, quando Thiele fala em “Tornar o motivo corporal cosmológica e ecologicamente fecundo, para a coexistência de todas as criaturas”, sugerindo a ideia de um “organismo” que interliga Deus, a humanidade e o criado. Lacquaniti continua: “Tanto Thiele quanto Gutierrez chamaram a atenção para a relação entre os seres humanos e a criação. Em particular, falamos sobre a visão antropocêntrica que, apesar de nossas boas tentativas, sempre permanece decisiva para provocar um desequilíbrio. Gutierrez abordou o tema da alteração do artigo 9º da Constituição. O que restará para as gerações futuras? Falamos de recursos, mas não mencionamos os direitos precisos do meio ambiente, que permanecem implícitos”. Gutierrez também introduziu a eco-teologia de Jurgen Moltmann. Falando do ser humano, criado à imagem e semelhança de Deus, sublinhou que Deus “se limita”, no sentido de que limita o seu poder de se aproximar do homem. O homem deve fazer o mesmo com a criação. Precisamos de uma conversão ecológica No segundo dia, Maria Elena Lacquaniti continua, focada nas questões da transição energética e na necessidade de uma conversão ecológica e uma corajosa transição para a sustentabilidade, que deve ser feita imediatamente. “Analisamos alguns dados – explica Lacquaniti – e ficamos surpresos com o fato de, por exemplo, ter havido um aumento significativo da produção de energia a partir de fontes renováveis ​​nos últimos dois anos, mas isso não corresponde a uma diminuição dos combustíveis fósseis. Por que? Como se a consciência de um fosse corrigida, mas um continuasse com o consumo habitual do outro”. Das eco-comunidades vem o convite ao comportamento consciente e crítico. O objetivo é dar sentido à sustentabilidade, que deve se basear em três princípios cardeais: proteção ambiental, equidade e economia justa. “Não basta aumentar as renováveis, é preciso reduzir os combustíveis fósseis e mudar o consumo, senão esses princípios não serão cumpridos”, comenta Lacquaniti. …a terra está lá, mas você não pode vê-la Emanuele De Gasperis em seu relatório ele deu um panorama sobre sustentabilidade e o número de habitantes do planeta. Antigamente era criado para comer, mas hoje é "produzido" para comer. O conceito de produção tem impactos no ambiente e nos animais, com uma vertente ética que também, mas não só, diz respeito ao bem-estar animal. Basta pensar, relata Lacquaniti, que a vida útil de um frango orgânico é estimada em 80 dias, enquanto a de um frango em produção industrial é de 30 dias. “Não é com 50 dias de diferença que podemos ficar com a alma em paz” observa a coordenadora da GLAM, que no entanto convida a uma maior sensibilidade sobre que tipo de consumidores queremos ser. De Gasperis também falou das chamadas "fazendas caipiras", uma expressão um tanto romântica ingênuo que lembra a imagem de galinhas alegres ciscando no terreiro, imagem distante da realidade de enormes gaiolas em bateria onde a terra está ali, mas não se vê. Morrendo pela justiça ambiental Foto: Wiki Commons Roberto Stuckert Filho/Gab. Senador Humberto Costa O tema de como a agricultura industrial também se cruza com as guerras em curso que não vemos, nos levou a lembrar aqueles que morreram para proteger o meio ambiente. Entre eles, o jornalista Dom Phillips e o ativista brasileiro Bruno Pereira, assassinado em junho no Brasil enquanto investigava apropriações de terras de povos isolados. A Amazônia está em risco, consumida por políticas gananciosas que ameaçam levá-la a um colapso irreversível. “Contamos com Lula – diz Lacquaniti -, que escreveu em seu programa de governo que pretende proteger a Amazônia. O mundo está pendurado. Pensando na América Latina, na Amazônia, mas também no resto do mundo e na própria Itália, estamos falando de percentuais muito altos de extinção de animais silvestres e perda de biodiversidade (dados do WWF)”. Futuro e presente, entre o trabalho e o ambiente A coordenadora do GLAM, Maria Elena Lacquaniti, conclui com uma nota de otimismo: “A relação com as eco-comunidades é esplêndida. Querem estar e manter-se em contacto, querem informar-se e participar num trabalho sistemático sobre estas temáticas, de forma constante e contínua. Um bom sinal e um bom começo para os próximos dois anos, até à próxima Assembleia. Para 2023 já planejamos uma série de iniciativas sobre trabalho e meio ambiente”. Eco-comunidades A Comissão GLAM está a serviço de comunidades e indivíduos que pretendem abordar questões ambientais e ecológicas a partir de uma perspectiva de fé. Entre suas atividades, está a construção de redes, dentro e fora das igrejas, em nível nacional e internacional. Um dos focos da GLAM é o trabalho para mulheres comunidade ecológica. Existem eco comunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais sobre: ​​culto e outros momentos litúrgicos. Trabalhos de manutenção visando a economia de energia. Eliminação de plástico. Educação e implementação de comportamentos virtuosos na administração, compras, uso de energia, mobilidade e gestão de resíduos. Até a verificação da ética dos bancos em que insistem as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica na Itália há cerca de 30 candidatos ao diploma GLAM, de um grupo de mais de cem simpatizantes. ...

Ler artigo
Migrantes e religiões, primeiro dia da conferência ecumênica

Migrantes e religiões, primeiro dia da conferência ecumênica

Roma (NEV), 19 de novembro - A fé dos migrantes, além dos estereótipos e das notícias falsas. Foi o que se discutiu ontem, segunda-feira, 18 de novembro, na sessão de abertura da conferência ecumênica promovida pelo Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI), dedicado este ano justamente ao tema do entrelaçamento das religiões e dos fenômenos migratórios. monsenhor Stefano Russosecretário-geral da Conferência Episcopal Italiana (CEI) motivou a decisão de dirigir um olhar ecumênico aos imigrantes, como "uma questão muito atual: é preciso sair da forma demagógica de abordar essas questões, ir ao coração das pessoas , de famílias , que fazem percursos de vida e que chegam a esta península no coração do Mediterrâneo e que, infelizmente, muitas vezes são representadas e vivem como “descartadas pela sociedade”. E o Mediterrâneo é de alguma forma o fio condutor do debate posterior, que abriu os trabalhos do congresso, apresentado por Monsenhor Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da CEI, que contou com a presença de Andrew Riccardifundador da comunidade de S.Egidio e Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope, o programa para migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália. “As migrações nos mudam – começou Riccardi -, terras que antes eram homogêneas se descobrem misturadas. O impacto da mudança às vezes leva ao pânico, parece "o fim do mundo": é assim que é representado e evocado por alguns. O “medo da história” alastra-se e a reação é “fechar a porta”, uma reação instintiva mas verdadeiramente inadequada para uma sociedade que ambiciona ter futuro. Nossa sociedade é esquecida, confunde emoção com realidade. Olhando para a história, nem sempre a homogeneidade foi característica dos países europeus”. Assim, as migrações como motor e fator chave do mundo globalizado. Prof. A.Riccardi @santegidionews: “as escolhas de uma parte do povo contradizem não só os discursos do Papa, mas também uma visão cristã do outro. Precisamos dialogar com o medo das pessoas. A questão é: podemos fazer isso?” #migrantes E #religiõesconferência ecumênica @nev_it pic.twitter.com/7V6oeBEePE — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 18 de novembro de 2019 “O imigrante – continuou o fundador de Sant'Egidio – é uma figura do mundo distante e global que se instala à sua porta. Mas essa angústia, esse medo merecem proteção e defesa. Italianos, europeus, sentem que precisam de alguma forma reinventar suas identidades. A questão, porém, é que o drama italiano não são os migrantes, o drama não é a invasão', o drama italiano é a fuga de muitos jovens forçados a emigrar, a perda da atratividade da Itália e o medo dos outros, portanto, o resultado de um processo de introversão”. Que papel tem a Igreja, neste caso a Igreja Católica, neste quadro? “Ele tem o dever de proteger os perdidos. Antes do Papa Francisco, outros papas também lembraram o dever de hospitalidade, mas nossa cultura é emocional e sem memória. Portanto, é necessário dialogar com o medo do povo. A pergunta é: podemos fazer isso? Acho que devemos olhar para a escolha soberana de muitos cristãos, porque ainda não a analisamos. Muitas vezes nos vemos acima dos partidos, mas não é uma questão política, é uma questão pastoral: as escolhas de uma parte do povo contradizem não apenas os discursos do Papa, mas uma visão cristã do outro. Não é incoerência, é uma verdadeira crise cultural e por isso surge uma grande responsabilidade para a Igreja: comunicar a esperança. Em essência, os migrantes pressionam por uma renovação pastoral séria e abrangente e não por uma pastoral dos migrantes. Nós somos o problema, o problema são as pessoas comuns: é necessário uma igreja que sabe fazer germinar uma visão de futuro em sinal de esperança para esses italianos pessimistas e revoltados. Os migrantes nos chamam a uma solidariedade ecumênica para superar o medo”. E o ecumênico – “nascido da amizade e de um ecumenismo ecumênico contagiante” – é também um dos projetos humanitários mencionados pelo professor Riccardi e no centro do primeiro dia da conferência, o dos corredores humanitários, que ele vê na primeira fila para implementá-los, já há quase quatro anos, a Comunidade de Sant'Egidio, a Tavola Valdese e a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI, conferencista e coautora, entre outros, do livro 'O deus dos migrantes', apresentou dez "teses" sobre o tema que está no centro do debate, dez imagens, dez chaves de leitura para colocar na "caixa de ferramentas" para ler a realidade. “A primeira destas “fotografias” – explicou Naso – é uma gruta que se ergue na ilha de Lampedusa, um antigo abrigo para barcos, onde se guarda um estojo com objectos religiosos encontrados nas embarcações”. Objectos que não é óbvio transportar, objectos evidentemente vitais para quem se vê obrigado a fazer o percurso marítimo, para quem os põe na mochila antes de entrar num barco e atravessar o Mediterrâneo. “A segunda é na zona de Castelvolturno, em San Giuliano, a presença anómala de igrejas evangélicas pentecostais com nomes mais excêntricos, uma rede generalizada de pequenas igrejas pentecostais, frequentadas essencialmente por crentes imigrantes, num local de privação, pequenas igrejas como faróis no deserto… Estas duas primeiras imagens falam-nos da intensidade da religião em tantas pessoas que migram”. Uma intensidade também quantitativa: os números falam de um futuro cada vez mais “migrante” para as religiões. “Nos últimos 30 anos passamos de um antigo e consolidado pluralismo religioso - confirmou o expoente valdense - a um novo pluralismo: em 1931 o ISTAT pesquisou 157 mil não católicos na Itália, são 400 mil 30 anos depois e em 2019 eles vivem em nosso País 5 milhões de não católicos. Por isso, talvez fosse oportuno fazer uma certa revisão da linguagem: começando pelos termos 'maioria' e 'minoria', por exemplo”. O que é certo é que a maioria, sim, neste caso, dos migrantes - a segunda tese do raciocínio de Paolo Naso - "é cristã, mas não católica: entre os imigrantes há 2,7 milhões de cristãos, a maioria ortodoxos, quase um milhão de católicos, 300- 400 mil protestantes, budistas são 120 mil, sikhs 80 mil. Não há islamização”. E o futuro? O futuro não é eurocêntrico… “Nos próximos anos – acrescentou o professor – a porcentagem de cristãos diminuirá na Europa, aumentará na América Latina e nos Estados Unidos, explodirá na África, crescerá na Ásia. O 'centro de gravidade', por assim dizer, será a Nigéria: o típico cristão do século XXI será o negro! E em 2050 um cristão branco será um oxímoro ou uma hipótese remota, um pouco como um budista sueco”. O elemento da religião tem múltiplos valores, particularmente para as populações migrantes. Segundo Naso, os migrantes “nas igrejas, nas comunidades de fé, encontram um refúgio, ou seja, a dimensão social é sempre agregada ao culto, que é também um lugar para quem migra encontrar e ter respeito”. E como essas pessoas forçadas a deixar seu país de origem vivem sua fé? “Os migrantes trazem uma religiosidade viva, dinâmica e carismática que se encaixa em um quadro global pós-secular, que na Itália talvez tenhamos dificuldade de entender”. Novas gerações que devem sofrer em primeira mão as banalizações da mídia: “o termo 'fundamentalismo', por exemplo – explicou Naso – é um tique que nos chega da mídia, uma gigantesca fake news. Um cristão ou muçulmano tradicionalista não é um fundamentalista; outra coisa é o radicalismo”. Em suma, a complexidade parece ser aquela que muitas vezes escapa à representação do fenómeno migratório feita pelos meios de comunicação: “os migrantes perseguem formas de agregação muito diversas: assimilação para alguns, hospitalidade, integração (um percurso dinâmico), identidade nacional, fecho; todas essas opções não são equivalentes”. O que é certo é o fosso entre as religiões da Série A e da Série B: "as comunidades de fé dos imigrantes não têm acesso às proteções legislativas mais sólidas previstas pelo ordenamento jurídico italiano, para a grande maioria, eles realmente operam como associações: devemos perguntamo-nos se esta lacuna legislativa – que se refere sobretudo a uma lei de 1929 – ainda faz sentido. Que a liberdade religiosa não tenha a amplitude da dos italianos é certamente um problema”. Finalmente, também neste caso, o papel essencial das igrejas. “A penúltima imagem é a película dourada nas portas das igrejas, a manta térmica que tem sido colocada sobre muitos edifícios religiosos, sugerida por um artista, para simbolizar que as igrejas têm sido o principal reduto da onda xenófoba e racista que atravessa a Europa . Tenho orgulho disso no meu 'pequeno' espiritual, mas acho isso uma falha gravíssima, a maior, de uma cultura secular que não tem desempenhado essa função. A história dos corredores humanitários faz parte deste capítulo. E queremos reiterar que nunca aceitamos o raciocínio que criminaliza as ONGs: se um cristão não tenta simular um bom samaritano, que cristão ele é?”. Por fim - a décima "tese" do valdense Paolo Naso -, o tema do diálogo inter-religioso: "é hora de abrir uma temporada não só sobre como vivemos, mas também sobre a prática da justiça, por que não abrir um laboratório de diálogo inter-religioso justamente na justiça?". Faça a coisa certa, 'faça a coisa certa', para colocar tudo Spike Leeou como o grande líder afro-americano e pastor batista Martin Luther King, concluiu a coordenadora do MS, “A covardia pergunta: é seguro? A oportunidade pergunta: é conveniente? Vainglory pergunta: é popular? Mas a consciência pergunta: está certo?”. O mesmo apelo ecumênico para um compromisso comum em favor dos direitos dos refugiados veio da Grécia, por meio das palavras do bispo Gabriel de Nea Ionia e Filadélfia, da Igreja Ortodoxa da Grécia, que interveio com uma mensagem em vídeo dirigida à assembléia. Em seguida, como último orador do primeiro dia da conferência, Dom Viktor de Baryshev, da Igreja Ortodoxa Ucraniana (Patriarcado de Moscou). O encontro ecumênico continua hoje, terça-feira, 19 de novembro, com 14 oficinas temáticas durante a manhã, incluindo uma sobre como "Construir hospitalidade", realizada pela operadora MH marta bernardini e de Daniela Pompeia de S.Egídio, vários testemunhos e uma oração ecumênica à tarde. As conclusões, com o pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, acontecerá amanhã, quarta-feira, 20 de novembro. [BB] #Migrantes e religiões. Russo (CEI): "não à leitura demagógica da realidade, abertura às diferenças" https://t.co/EGMTmYwje3@UCSCEI pic.twitter.com/pntS24bj5x — SIR (@agensir) 18 de novembro de 2019 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.