Tempo da Criação: a economia global deve reverter o curso

Tempo da Criação: a economia global deve reverter o curso

Roma (NEV), 5 de outubro de 2020 – St.O Tempo da Criação encerrou ontem com uma oração ecumênica, um período litúrgico que todos os anos, de 1º de setembro a 4 de outubro, compromete os cristãos de todo o mundo e de todas as tradições a rezar e agir para proteger o meio ambiente.

Moderador do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) Agnes Abuom trouxe sua reflexão sobre a justiça econômica e social e sobre a proteção da biodiversidade: “A recente pandemia desmascarou e agravou desigualdades e injustiças – disse Abuom -. O Tempo da Criação nos ajudou a entender melhor cinco conceitos-chave: descanso, restauração, plenitude/sustento, reconciliação, restituição (em inglês expresso com ‘5 R’: descanso, restauração, reabastecimento, reconciliação, restituição, ed)”.

Cuidar da Criação, continuou Abuom, “também significa exigir que a economia global reverta seu curso. Uma rota, a atual, que é muito perigosa. Significa pedir o retorno de uma produção ligada ao consumo, portanto, às necessidades reais. O fim da ganância.

O estado ecológico do nosso planeta, a situação socioeconómica das nossas comunidades, o bem-estar da criação, a subsistência e a dignidade das pessoas, a saúde mental e física e a segurança das pessoas, especialmente as mais vulneráveis, a soberania e a segurança alimentar que as pessoas gostam, estão todos conectados – continuou Abuom -. A economia global deve fornecer espaços para a participação da comunidade; espaços de participação individual em diversos setores da sociedade”.

Em tempos de pandemia, o “Jubileu da Terra”, segundo Abuom, consiste entre outras coisas em “respeitar e conservar as florestas, proteger a diversidade da Criação e os povos indígenas, guardiões da Criação”.

Este é o momento de discutir e questionar o paradigma econômico, concluiu o moderador do CMI: “Um paradigma centrado na exploração e no sofrimento humano. Hoje é mais necessário do que nunca fazer ouvir nossas vozes, como cidadãos individuais e como comunidades de igrejas. Muitas comunidades foram deixadas de fora das mesas e processos de tomada de decisão. Mesas onde devemos voltar a fazer ouvir a nossa voz, expressando a nossa denúncia contra aqueles que continuam a roubar, matar e destruir. O atual sistema econômico não tem cura para nenhuma forma de vida. O único interesse econômico hoje é a maximização do lucro”.

Leia o discurso completo de Agnes Abuom em inglês

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ius scholae, a campanha Confronti teve um grande começo

Ius scholae, a campanha Confronti teve um grande começo

Roma (NEV), 11 de maio de 2022 – Excelente início da campanha lançada pela Confronti, a Coordenação Nacional das Novas Gerações Italianas (CONNGI) e os Italianos Sem Cidadania. Entre as adesões do primeiro dia destacam-se as de Nicola Zingarettipresidente da Região do Lácio, Onofrio Rotasecretário-geral Fai Cisl, Emanuela C. Del ReRepresentante Especial da União Europeia para o Sahel, e Marta Bonafonivereador da Região do Lácio. O apelo vem acompanhado de uma carta dirigida à política, que insta o atual Legislativo a dar o passo há muito prometido e nunca concretizado: "Os números do Parlamento estão aí: é claro que chegamos à hora da verdade", como leia no documento. O objetivo da campanha é que a lei conhecida como "Ius Scholae", atualmente tramitada na Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara dos Deputados, seja tramitada no Parlamento e aprovada até o final da Legislatura. Os promotores da iniciativa vão continuar com o trabalho de sensibilização nas próximas semanas através de eventos públicos e manifestações. Entre os primeiros signatários do documento, que aderiram antes do lançamento da campanha, estão: Paulo Naso, Edith Bruck, Oliviero Toscani, Paolo Fresu, Gad Lerner, Luigi Manconi, Igiaba Scego, Corrado Augias, Maurizio Ambrosini, Valerio Carocci, Orchestra of Piazza Vittorio, Little Orchestra of Tor Pignattara, Roberto Zaccaria, Mohamed Keita, Giacomo Marramao. Para assinar, conecte-se ao site ...

Ler artigo
Casais inter-religiosos e casamento.  A lei é igual para todos?

Casais inter-religiosos e casamento. A lei é igual para todos?

Foto de Fancy Crave - Unsplash Roma (NEV), 17 de fevereiro de 2023 – O pastor batista Gabriela Lio, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), participou da apresentação do volume “Famílias e Religiões. Dos casamentos inter-religiosos à criação dos filhos: como a Itália está mudando hoje”. Ligando as considerações dos palestrantes, o pastor falou sobre dois assuntos. A primeira, pelo facto de não termos certos dados estatísticos, e de muitos casais mistos casarem apenas no Concelho e não realizarem casamentos inter-religiosos. “Isso depende da situação muito desfavorável de algumas religiões presentes na Itália, que não têm um entendimento com o Estado – disse o pastor Lio -. Portanto, mesmo em relação aos casamentos mistos, falta igualdade de direitos, apesar de estarmos em um estado inter-religioso". O segundo aspecto diz respeito às pessoas sem cidadania que, continua o pároco, “não aparecem, mesmo que estejam na Itália há muitos anos e, portanto, possam ser cidadãos italianos. Se fossem reconhecidos como tais, a lei italiana também seria aplicável em casamentos mistos entre pessoas de religiões diferentes. Em vez disso, atualmente eles encontram dificuldades, porque têm que apresentar documentos a serem produzidos em seu país de origem, onde esses documentos ainda estão presos a uma posição misógina e patriarcal de relações. Na Argélia, por exemplo, para casar é preciso pedir autorização ao pai para celebrar o casamento e, se o pai já não existir, ao irmão. Se não houver irmão, ao cunhado. Portanto, essas situações atropelam o direito da pessoa de poder celebrar um casamento, tanto secular quanto religioso”. O livro aborda vários temas, desde aspectos religiosos a dados estatísticos, passando por testemunhos. Sobre isso, comenta novamente Gabriela Lio, “muitos têm se concentrado nos testemunhos de casamentos mistos de forma positiva. A forma como criaram os filhos, a relação com a fé e com a diversidade, também celebrada em família. Respeito pela fé do outro, do outro. No entanto, a Itália carece de uma lei sobre liberdade religiosa e não há acordos com algumas expressões religiosas presentes no país – mesmo numericamente significativas, como o Islã. Por detrás desta situação, representada de forma tão feliz (pois é justo que se apresentem realidades interessantes e funcionais de casais inter-religiosos), existe na verdade um grande sofrimento. Sofrendo com a falta de liberdade e a impossibilidade de poder casar como gostaria e expressar-se livremente com a própria fé, mesmo no casamento. Sem falar no fenômeno das crianças contestadas”. O livro “Famílias e Religiões. Dos casamentos inter-religiosos à criação dos filhos: como a Itália está mudando hoje” é editado por Maria Rosa Ardizzone, Frances Baldini, Roman Bogliaccino (Palombi Editora, 2022). Foi apresentado no último dia 7 de fevereiro na Universidade LUMSA de Roma. O projeto editorial nasceu do encontro entre a Fundação Beato Federico Ozanam – San Vincenzo De Paoli (Ente Morale Onlus) com a rede Donne di Fede in Dialogo de Religiões pela Paz Itália e "do desejo comum de investigar como a família muda hoje à luz de uma sociedade globalizada e o quanto a presença de diferentes religiões pode afetar as uniões matrimoniais e conseqüentemente a educação dos filhos”, diz o convite para a apresentação. E ainda: “O livro tem uma intenção informativa e visa investigar, por meio de contribuições de natureza sociológica, pedagógica e jurídica, as causas e os efeitos de uma mudança social ligada à família. A pesquisa é enriquecida pela visão das religiões, com as contribuições de representantes religiosos, que oferecem um ponto de vista verdadeiramente único sobre os limites e oportunidades dos casamentos inter-religiosos. O volume também inclui testemunhos diretos de casais que vivem um casamento inter-religioso e de filhos nascidos em casamentos inter-religiosos”. Para maiores informações – Fundação Ozanam: [email protected];– Mulheres de Fé em Diálogo – Religiões pela Paz Itália: [email protected]. ...

Ler artigo
juventude evangélica.  Amanhã abre o XIX Congresso da FGEI

juventude evangélica. Amanhã abre o XIX Congresso da FGEI

Roma (NEV), 30 de outubro de 2013 – Mais de noventa jovens batistas, metodistas e valdenses se reuniram para o XIX Congresso da Federação Italiana da Juventude Evangélica (FGEI), que será realizado de 31 de outubro a 3 de novembro no Centro Ecumene de Velletri ( RM). Um FGEI que nos últimos 30 meses – este é o período de tempo entre um Congresso e outro – tornou-se mais intercultural e intergeracional. No centro das atenções estará a combinação: cuidado e testemunho. “O cuidado como oferta de serviço às comunidades, o testemunho como necessidade de sair de nossas igrejas para ir à cidade, estar lá, trazer a própria voz”, explica o secretário cessante Claudio Paravati, e acrescenta: “Não há dúvida que hoje o FGEI por um lado está rejuvenescido, por outro, com a presença de 'novos italianos' também em nossas comunidades, se diversificou em termos de origens culturais”. Não é por acaso que nos últimos meses a FGEI aumentou a sintonia e a colaboração com o programa "Estar juntos a Igreja" (ECI) promovido pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O FGEI, portanto, participou ativamente do primeiro projeto LINFA (laboratório de formação e recepção intercultural) promovido pelo ECI, enquanto junto com a Rádio evangélica Beckwith criou o projeto "Geração Itália" destinado a documentar a presença de jovens nas igrejas. A ideia é produzir material atualizado também tendo em vista um dos próximos seminários LINFA sobre o tema da dinâmica intergeracional previsto para março de 2014. Entretanto, o Conselho FGEI repensou o projeto ECI em chave juvenil como EGI (Being young together): trata-se de “reimaginar” e redesenhar um FGEI que tenha em conta as necessidades de uma nova geração com raízes múltiplas. “Uma necessidade que deve afetar todo o mundo juvenil e eclesiástico”, diz Paravati, que também faz um balanço de sua experiência como secretário: “Estes dois anos e meio de mandato foram uma mudança profunda em minha vida. Dei tudo o que pude com espírito de serviço, mas foi muito pouco em comparação com o que recebi. Os afetos, momentos de edificação e oportunidades de crescimento foram inúmeros. Estar a serviço é algo precioso, é bom lembrar de agradecer por esta oportunidade, mesmo nos momentos de dor”. O Congresso que se abre amanhã não só delineará as prioridades para o próximo mandato estabelecendo os trabalhos dos grupos, mas - entre outros cargos - também elegerá os sete membros do Conselho, que, por sua vez, elegerá o novo secretário ( ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.