Conferência Migrantes e religiões.  Oração Ecumênica em Roma

Conferência Migrantes e religiões. Oração Ecumênica em Roma

Oração ecumênica no contexto da conferência “Migrantes e religiões”. Roma, 19 de novembro de 2019

Roma (NEV), 20 de novembro de 2019 – A oração ecumênica foi realizada ontem à noite em Roma, na abadia de Tre Fontane, como parte da conferência “Migrantes e religiões”. Mais de 250 pessoas se reuniram para rezar e cantar juntas em nome da partilha e da unidade espiritual, respeitando a diversidade e os dons mútuos de cada um.

O pastor batista supervisionou a liturgia ecumênica Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Muitos representantes religiosos ecumênicos participaram da liturgia, incluindo Monsenhor Ambrogio Spreafico e don Juliano Savinadiretor do Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI).

Também estiveram presentes o vice-presidente da FCEI, Christiane Groebeno presidente da União Batista Cristã Evangélica da Itália (UCEBI) John Archdeacono pastor Jens Hansen e Coordenador do Programa de Refugiados e Migrantes da FCEI, Mediterranean Hope (MH), Paulo Naso.

Entre as leituras, o texto de don Tonino Bello “Perdoa-nos, irmão marroquino”, por ocasião do momento litúrgico da confissão do pecado. A pregação foi confiada à pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI).

A celebração ecumênica foi concluída com o gesto simbólico “a luz de Cristo”, ou seja, a construção de uma cruz de luz, com o acendimento de algumas velas. A animação musical, com órgão e voz, teve a curadoria do Maestro Alberto Annarillido Ministério da Música da UCEBI.

A conferência, que se encerra hoje, foi promovida, planejada e organizada pelo Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI), juntamente com representantes das igrejas cristãs na Itália: Administração paroquial do Patriarcado de Moscou na Itália, Arquidiocese Ortodoxa da Itália e Malta do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, Igreja Apostólica Armênia da Itália, Igreja da Inglaterra, Diocese Ortodoxa Copta de São Jorge Roma, Diocese Ortodoxa Romena da Itália, Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ( FCEI), com a participação da União das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia (UICCA).


Veja a galeria de fotos da oração ecumênica de 19 de novembro de 2019.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

17 de fevereiro.  “Partido da Liberdade de Todos”

17 de fevereiro. “Partido da Liberdade de Todos”

Roma (NEV CS/05), 17 de fevereiro de 2020 - "Para os protestantes italianos, este é o Dia da Liberdade: não apenas a nossa liberdade, mas a de todos". Estas são as palavras de Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) no dia em que celebramos o 172º aniversário das Cartas-Patente com as quais o Rei da Sardenha, Carlo Alberto, concedeu direitos civis aos seus Sujeitos protestantes, os valdenses. No mês seguinte, ele também os concedeu aos judeus. E os evangélicos italianos dedicam este ano a Semana da Liberdade (por volta de 17 de fevereiro) ao tema do antissemitismo. A Mole Antonelliana, em Turim, iluminada para 17 de fevereiro “Um fenômeno que se reacende perigosamente na Itália, na Europa e no mundo – continuou Negro -. Os dados são alarmantes: os atos de ódio contra os judeus estão aumentando, começando com ataques verbais, especialmente online, profanação de cemitérios e lápides, pedras de tropeço arrancadas, casas marcadas com escritos difamatórios”. A FCEI preparou um compêndio para esta Semana da Liberdade, Contra o anti-semitismo e a cultura do ódio, como ferramenta de reflexão e análise para as igrejas federadas. “A Federação propõe partir das pedras de tropeço porque elas nos permitem recordar – sublinhou o Presidente Negro -. Eles nos fazem tropeçar em nome das vítimas, na trágica história da Shoah, em discursos cheios de preconceitos antissemitas”. O presidente da FCEI lembrou também que como cristãos devemos tropeçar no fato de que a inimizade contra os judeus, ideológica antes mesmo de praticada, foi alimentada no seio do cristianismo e que fez parte da bagagem 'normal' de ' qualquer 'cristão. “A tarefa de reconhecer e eliminar visões antijudaicas é ecumênica. Esperamos que os cristãos das várias confissões também na Itália se unam para denunciar o anti-semitismo e dialogar com os judeus, nossos irmãos mais velhos na fé” concluiu Negro. ...

Ler artigo
Naufrágio de Crotone, igrejas evangélicas: “Denunciamos políticas que causam mortes”

Naufrágio de Crotone, igrejas evangélicas: “Denunciamos políticas que causam mortes”

Lampedusa, agosto de 2022. (Foto de Benedetta Fragomeni) Roma (NEV), 27 de fevereiro de 2023 - "Diante da enésima morte de adultos e crianças que buscavam segurança e respeito na Europa, denunciamos as políticas que a causaram - declara Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália – “: a falta de meios legais de emigração e asilo, de um sistema de resgate marítimo que, em vez de encorajar as ONGs que operam em operações de busca e salvamento, as atrapalha com irracional e capciosa; os constantes ataques à política de acolhimento e asilo apresentados como prejudiciais aos interesses nacionais. Na realidade é o contrário: os canais legais de imigração e as políticas coerentes de integração são um fator de crescimento económico e social também para o nosso país. O tempo com que nós, cristãos, nos preparamos para a Páscoa nos chama à conversão, ou seja, à mudança de mentalidade e de comportamento. É necessária uma conversão, uma mudança de ritmo nas políticas migratórias e de acolhimento, no espírito da solidariedade internacional, dos direitos humanos e das normas constitucionais sobre asilo. Por isso, nos sermões, nos estudos bíblicos, nos encontros de oração nos sentimos chamados, à luz das Escrituras, a abordar a questão da migração e da justiça global. Como cristãos, temos oração e testemunho, mas, ao mesmo tempo, apelamos às forças políticas para que se convertam a uma nova compreensão do fenômeno migratório, livre dos medos artificiais e da propaganda que agitam o debate público. Diante das mortes causadas por más políticas migratórias, pedimos respeito, seriedade, compromisso para acabar com os massacres da chamada imigração "irregular" e construir verdadeiras rotas migratórias complementares, respeitando a segurança de todos - dos italianos e dos pessoas que migram". Mensagens de condolências das igrejas protestantes: Com o coração partido por mais uma tragédia em #Mediterrâneo. Homens, mulheres e muitas crianças, todas mortes que poderiam ter sido evitadas com a #corredores humanitários. Rezamos por seus entes queridos e para que os vivos encontrem ajuda fraterna: também nós faremos nossa parte com @Medhope_FCEI. #Crotone — Igreja Valdense e Metodista (@ValdeseChiesa) 27 de fevereiro de 2023 ...

Ler artigo
Protestantismo e ecumenismo no Sínodo para a Amazônia

Protestantismo e ecumenismo no Sínodo para a Amazônia

Amazônia. Foto de Nadia Angelucci Roma (NEV), 25 de outubro de 2019 - Pastor presbiteriano da Igreja Presbiteriana Evangélica Reformada do Peru, Pedro Arana Quiroz faz parte da congregação “Pueblo libre” que pertence ao Presbitério Juan Calvino. Sua participação como delegado fraterno ao Sínodo para a Amazônia nasceu de uma longa e frutífera experiência de trabalho ecumênico que ele mesmo define como “fraterno e respeitoso”. “Fui diretor geral da Sociedade Bíblica Peruana. Em 2002 a Sociedade foi contatada pela Conferência Episcopal Peruana e durante uma reunião com o bispo Anjo Francisco Simão Piorno, presidente da Comissão de Pastoral Indígena e Catequese Bíblica, iniciou uma colaboração na redação do material para o programa de estudos bíblicos. Assim, começamos a trabalhar juntos e vivenciamos pessoalmente os elementos fundamentais de um caminho ecumênico: um encontro pessoal que nos deu uma amizade fraterna que durou ao longo dos anos e, no estudo conjunto da Bíblia que se seguiu, pesquisa e prática do maior respeito e apresentação honesta de nossas ideias. O detalhe que talvez seja o mais significativo do ponto de vista ecumênico é que, naquela ocasião, me pediram para redigir um texto sobre a doutrina da justificação pela fé e esse texto foi aprovado sem nenhuma observação”. Como o fator ecumênico entra nas discussões do Sínodo? O fato de estabelecer um diálogo ecumênico não significa que ignoremos que existem diferenças; estamos tentando ter uma relação fraterna que nos permita discutir também questões críticas. Existem diferenças e semelhanças teológicas entre o catolicismo romano e o protestantismo, e mesmo em nossas semelhanças existem diferenças. Portanto, não devemos nos negar ao diálogo. No entanto, o diálogo deve ser conversa, não negociação, não contratualismo. Sobre questões especificamente relacionadas à Amazônia, que contribuição as igrejas protestantes estão trazendo para esses Sínodos? Acho que até agora, neste Sínodo, foi ignorado o trabalho que os grupos evangélicos na Amazônia fazem há mais de oitenta anos. No entanto, pude dar ao papa um livro do Instituto linguístico de Verano (organização pertencente ao Cristianismo Evangélico Protestante, ed.) sobre as populações indígenas da Amazônia peruana. O trabalho do Instituto linguístico de Verano tem raízes muito antigas, estudou as línguas orais locais e deu-lhes uma forma escrita, traduziu o Novo Testamento em várias línguas locais, estudou as culturas locais e as tradições dos povos indígenas . Os protestantes tiveram uma atenção mais marcada e uma atitude respeitosa para com as culturas locais que, através da evangelização, também contribuíram para preservar. O que, mesmo a nível pessoal, se tira deste Sínodo? O tema do ecumenismo é-me muito querido, mas só encontra o seu sentido mais elevado num diálogo significativo. E o mais significativo que tive nestes dias foram as breves conversas com o Papa Francisco. Em particular sobre o tema da cidadania e participação na vida social. Eu disse a ele que seria importante que houvesse uma referência à cidadania no documento final. Como posso participar como cristão para transformar a sociedade em que vivo? A resposta está na carta que Paulo escreveu da prisão aos filipenses: “Vivam como cidadãos dignos do Evangelho de Cristo”. Cidadania, humildade e participação é a resposta. E isso para mim é o ponto central do que é chamado no documento de "conversão ecológica". Um detalhe importante desta passagem do Evangelho é que Paulo escreve da prisão, lugar onde acabou por ter libertado uma escrava que era vidente; isso irrita seus senhores que, privados de uma fonte de renda, o denunciam aos magistrados da cidade. Paolo é preso e detido quando toca no poder econômico. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.