Kristen Thiele.  Sonhos, ações e imaginação para viver bem

Kristen Thiele. Sonhos, ações e imaginação para viver bem

foto NEV/ER

Catânia (NEV/CELI), 2 de maio de 2023 – O XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) foi encerrado ontem em Catânia. Publicamos aqui a entrevista com o vice-reitor, pároco Kirsten Thiele.

Vivemos em uma sociedade cada vez mais insustentável, econômica, ecológica e socialmente. Guerras, velhas e novas pobrezas, poluição do planeta e, figurativamente falando, poluição espiritual, poluição dos valores. Por outro lado, existem os privilégios e o poder de poucos. As igrejas (e religiões) podem fazer mais para mudar esse processo?

Sim certamente. E devemos fazer mais. É nosso trabalho mudar e também prevenir esse processo. Já falamos muito sobre a poluição na terra e continuamos a dizer que todos vivemos no mesmo solo, na mesma terra, no mesmo mundo, na mesma sociedade. Obviamente, temos que nos comprometer a mantê-lo e cuidar dele. Mesmo no que diz respeito à poluição do pensamento, acho que estamos todos envolvidos. Vendo as novas gerações, por exemplo, tem-se a sensação de que vivem num grande vazio. Parece que temos tudo, mas já não temos futuro, já não temos sonhos, falta-nos imaginação e perspectiva. E é precisamente isso que as religiões, desde os tempos antigos, deram. Uma perspectiva.

Somos nós que temos que dar sentido à vida. Não uma possibilidade, portanto, mas precisamente como uma tarefa, como um “dever”. Portanto, devemos proclamar que você tem valor, que você é amado, amado por Deus porque você foi criado e criado para viver aqui, para viver bem. E viver bem não significa viver nas costas dos outros. Só se os outros viverem bem eu também posso viver bem. Tudo isso abre a perspectiva de uma existência que não é mais isolada, centrada em si mesma, mas se abre novamente para o mundo. Um mundo que não é apenas virtual, mas real: aquele em que vivemos. Essa abordagem pode mudar a sociedade. Pelo menos essa é a minha esperança. Esta é a mensagem antiga de todas as religiões e, no fundo, é isso que nos une. Esta é a mensagem profunda que temos para dar: redescobrir o sentido da vida, redescobrir os sonhos e encontrar a fantasia de mudar alguma coisa, de se comprometer. E para poder se comprometer, você precisa ter um propósito.

Para quem não conhece o CELI: qual é o papel do reitor e do reitor?

A vice-reitora da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), pastora Kirsten Thiele

Reitor e reitor andam juntos, mas são duas coisas distintas. A reitoria é o nosso escritório administrativo, onde trabalham quatro pessoas muito competentes para realizar todas as funções administrativas, manter contatos internos e externos com nossas igrejas parceiras, comunidades, pessoas, pastores, presidentes… qualquer pessoa pode ligar, pode pedir ajuda, pode até apenas fale. Em suma, eles são o pilar central no qual todas as comunidades se apoiam para realizar suas diversas atividades.
Depois, há o Reitor e o Vice-reitor, que podem atuar como suplentes. Atualmente, essas funções são preenchidas, respectivamente, pelo pastor Carsten Gerdes e de mim. Na prática somos uma equipa, que funciona partilhando as várias tarefas. O Reitor é o líder religioso da igreja que, juntamente com o Vice-Decano, o Consistório, também formado por outros três leigos, conduz a igreja entre os Sínodos. A tarefa do Consistório é implementar as decisões que foram tomadas, e devemos prestar contas do trabalho que fizemos. O Reitor, especificamente, também é o representante espiritual de nossa igreja.

O que esperar ao entrar em uma igreja luterana, em uma das muitas cidades onde o CELI está presente?

Ao entrar em uma igreja luterana, talvez a primeira coisa que você perceba é que temos poucas imagens e símbolos. Não temos estátuas e estatuetas, as igrejas são essenciais. No fundo está a cruz, sempre está a Bíblia. Ao participar de um de nossos cultos, você poderá vivenciar uma linda liturgia. Cantamos juntos, rezamos juntos, há um envolvimento do corpo e do espírito.
Por outro lado, ao entrar nas nossas comunidades, também no sentido de participação na vida comunitária, que vai além de estar presente no culto, na minha opinião encontra-se o desafio de ter que pensar em como participar ativamente. Não temos órgãos que dizem “isso é assim mesmo”, ou “você tem que fazer isso”. É mais fácil dizer o que está errado, mais difícil é dizer o que está certo. Portanto, todos são chamados a assumir a responsabilidade de contribuir para o caminho da comunidade: para onde queremos ir, o que podemos fazer, como nos comprometer, etc.… Uma comunidade não deve ser guiada apenas pelo presidente ou pelo pároco , mas pela comunidade de vida, ou seja, pela participação comum das pessoas.

Entrevista por Gianluca Fiusco e Elena Ribet


Para saber mais:

Homepage – Inglês – Igreja Luterana

Especial NEV Sínodo Luterano 2023

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

um compromisso escrito na pele

um compromisso escrito na pele

À esquerda, a tatuagem da palavra filoxenia em grego Novi Sad (NEV), 2 de junho de 2018 – Há quem escreva seu amor na pele, tendo o nome da pessoa amada tatuado no corpo. Aconteceu também na Conferência das Igrejas da Europa (KEK), em Novi Sad (Sérvia, 31 de maio – 5 de junho). Em resposta à mensagem do estudo bíblico sobre o tema da hospitalidade, proferida pelo pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), um jovem participante do encontro europeu teve a palavra tatuada no braço filoxenia – amor, amizade para o estrangeiro – central no discurso do negro sobre a hospitalidade. Patriarca Inácio Afrém II; foto CEC. A hospitalidade foi o tema de todo o dia de ontem, 1 de junho. Além de negro, ele falou sobre isso Inácio Aprhem IIPatriarca de Antioquia da Igreja Siríaca Ortodoxa. “A hospitalidade é inerente ao ser cristão. A natureza de Deus é o amor e como cristãos devemos aprender com o nosso Mestre celestial”, disse o patriarca que sublinhou como o Oriente Médio tem uma longa história de hospitalidade que começa desde os tempos da Bíblia e chega até os dias atuais. “Hoje – recordou Aphrem II – um terço da população do Líbano é composta por refugiados sírios” que encontraram refúgio naquela nação. O pastor Meletis Meletiadis; foto CEC. O pastor também falou sobre hospitalidade Meletis Meletiadisilustrando o compromisso da Igreja Evangélica Grega com os migrantes: "Queremos que a sua primeira experiência na Europa seja de acolhimento, amizade, respeito e dignidade". Finalmente, a Assembleia saudou com gratidão Doris Peschke que após anos de serviço deixa o secretariado geral da Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME). ...

Ler artigo
A Espera – Neve

A Espera – Neve

Roma (NEV), 5 de dezembro de 2022 – O podcast – calendário chama-se “L'Attesa”do Advento, idealizado e criado por Pedro Ciacciopastor metodista e membro do Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, juntamente com o Confronti Review and Study Center, com direção e pós-produção de Márcia Coronati. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=XtB5G5IAUNA[/embed] Aqui você pode ouvir os 24 episódios da história do rádio. Hoje, 5 de dezembro, o episódio dedicado à figura de Giuseppe. artigo anteriorPluralismo religioso na ItáliaPróximo artigoRevistas de cultura para "Mais livros mais grátis" Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
#CECWACC2019.  Notícias falsas, teologia falsa

#CECWACC2019. Notícias falsas, teologia falsa

Anders Gadegaard Helsinque (NEV), 10 de abril de 2019 – A conferência organizada pela Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) – Região Europa e pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) foi aberta hoje em Helsinque, Finlândia). 50 delegados de várias igrejas e organismos ecumênicos europeus estão discutindo o tema: “O que nos deixa com tanta raiva? Discurso de ódio, notícias falsas e direitos de informação”. O trabalho começou com um culto na igreja alemã em Helsinque, cuja pregação foi supervisionada pelo pároco Juha Rajamaki sobre o texto de Marcos 14:53-61, o julgamento contra Jesus, Rajamäki destacou como Jesus ofereceu muitas respostas às barreiras do ódio e da raiva: silêncio, mas também palavras fortes; a luz da esperança que ilumina a sepultura escura; e finalmente, a partir de si mesmo, no sentido de fazer aos outros o que gostaríamos que nos fizessem. O pastor luterano dinamarquês Anders Gadegaardpresidente do grupo de comunicação do KEK, em vez disso, deu o primeiro relatório sobre "Falsa teologia, falsas notícias". “O poder sempre tentou manipular a informação para seus interesses. Informação gratuita e crítica representa uma garantia”, começou Gadegaard. “Passamos da pós-verdade para as fake news em pouco tempo e agora estamos caminhando para uma cultura da mentira, que tende a aceitar e legitimar o fato de que existem mentiras. Para nós cristãos - continuou - distinguir a realidade ou a mentira na informação passa pela revelação de Jesus, sobre a qual medimos qualquer outro fato. Para nós o Filho do homem, Deus que se faz homem, é a encarnação da verdade, assim como Jesus na cruz, e este é o critério a partir do qual partimos para codificar as mensagens. A partir daqui começamos a entender o que é verdadeiro e o que é falso: o quanto o que ouvimos difere de Jesus”. “Isso – continuou o luterano dinamarquês – nos permite ser críticos de todo poder humano, dos partidos, das personalidades, dos poderes financeiros, instituições e organizações, e também nos permite ser autocríticos. Ser crítico, no sentido de ser construtivo, solidário com a sociedade e para a sociedade, e ser autocrítico, consciente da imperfeição de cada sociedade”. Ao abordar o tema dos valores e modelos cristãos, Gadegaard falou em “desobediência civil”. “Embora eu preferisse falar da coragem civil – disse -, que é a inspiração que herdamos do evangelho. Todo cristão é chamado a ser corajoso pelo bem da maioria”. Sobre o tema da “falsa teologia”, inserida num contexto secular e ambíguo, Gadegaard afirmou: “Visto que vivemos num mundo imperfeito, todo fundamentalismo é uma falsidade, é um abuso, porque renuncia à crítica, na qual se baseia em vez disso, o movimento de reforma do século XVI. A Reforma, nesse sentido, continua ininterrupta. Devemos continuar a renovar-nos sempre, tanto na crítica teológica como no jornalismo. A ideia de que atos terroristas podem ser cometidos em nome de "deus" é uma falsa teologia; assim como a chamada 'teologia da prosperidade' é falsa teologia, quando equipara o sucesso na sociedade com a bênção divina”. “Mesmo aqueles que acreditam que o mundo espiritual e natural são dois reinos diferentes e devem ser separados um do outro, propõem uma falsa teologia, em contradição com as duas naturezas de Cristo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, em suas naturezas completamente unidas e interligadas. , misturado, e não dividido, como Lutero já explicou. Se misturarmos política e religião, teremos uma teocracia. Se os separarmos totalmente, perdemos os critérios de uma ética social”. Outra falsa teologia identificada por Gadegaard é a "nacionalista, segundo a qual todos afirmam viver onde nasceram como se fosse um direito dado por Deus. Vimos isso no nazismo, onde o conceito evangélico de Deus que escolhe foi distorcido. Deus escolhe quem acredita, mas como se reconhece quem é crente? Qualquer um pode acreditar, onde quer que tenha nascido. Esse tipo de interpretação é o oposto do ensino cristão que é transnacional porque transcende a ideia de fronteiras. Não há nada de errado em ter orgulho da própria identidade pessoal, da qual precisamos – concluiu Gadegaard –, mas isso se renova e enriquece continuamente no encontro com os outros. Reunir diferentes identidades é um enriquecimento do ponto de vista cristão. Jesus incluiu os estrangeiros por sua fé. E qualquer tipo de discurso de ódio está em contradição com a atitude cristã”. Os trabalhos continuarão amanhã em Estocolmo com as eleições para o novo comitê diretivo e serão concluídos em Helsinque na sexta-feira, 12 de abril. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.